A trajetória do reformador.
Parte II – 10/10/13
Uma apresentação com base nas palavras introdutórias de
Nestor Beck no liv...
Martinho Lutero: sua trajetória.
Parte I:

Parte II:

 Fermento

 Reforma Pacífica

 Docência

 Tumultos

 A Descober...
Reforma Pacífica
 Em custódia, Lutero observava o movimento
da Reforma se alastrando de forma acelerada e
que poderia fic...
Tumultos











Rebelião dos cavaleiros (Ritter) em 1522-23 e
levante dos camponeses e trabalhadores (1524-25):...
A revolta dos camponeses
Consolidação










Na ausência de Carlos V, o movimento se expandiu,
tolerado ou promovido por príncipes, senhore...
Consolidação










Em 1526 Lutero e outros reivindicaram ao príncipe
João, substituto de Frederico, um processo ...
Protesto











Lembrando: o Édito de Worms (1521) excomungou
Lureto da Igreja Católica e o declarou fora da lei...
Confissão


Em 1530, o imperador Carlos V convocou
assembleia imperial na cidade de Augsburgo para
resolver o problema do...
Vídeo música: Pontes indestrutíveis
Três lustros


1) De 1531 a 1546, Lutero dedicou-se na função de
professor. Principalmente, comentando Gálatas,
Salmos e ...
Guerra e paz


Sob pressão do papa Paulo III (1534-49), o
imperador da Carlos V convocou um concílio na
cidade de Trento....
Resultados


Adesão ao movimento iniciado por Lutero: boa
parte da Alemanha;,a Finlândia, Suécia, Noruega,
Dinamarca, Boê...
Resultados
“Peço que deixem de lado o meu nome e não se
chamem luteranos, mas cristãos. O que é Lutero?
Pois não é minha a...
496 Anos da Reforma: 31/10/2013
Cruz preta = a fé no
crucificado nos salva.

Campo celestial (azul) =
começo da alegria ce...
Martinho Lutero
Vamos assistir o filme, provavelmente, no
próximo dia 31 de outubro.
No auditório Magdalena Arce Daon
Três pilares da Reforma:
T100 a trajetória do reformador martinho lutero   parte ii-10.10.13
T100 a trajetória do reformador martinho lutero   parte ii-10.10.13
T100 a trajetória do reformador martinho lutero   parte ii-10.10.13
T100 a trajetória do reformador martinho lutero   parte ii-10.10.13
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

T100 a trajetória do reformador martinho lutero parte ii-10.10.13

405 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
405
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

T100 a trajetória do reformador martinho lutero parte ii-10.10.13

  1. 1. A trajetória do reformador. Parte II – 10/10/13 Uma apresentação com base nas palavras introdutórias de Nestor Beck no livro Pelo Evangelho de Cristo. Gerson Dieter Prates Capelão
  2. 2. Martinho Lutero: sua trajetória. Parte I: Parte II:  Fermento  Reforma Pacífica  Docência  Tumultos  A Descoberta  Consolidação  O Conflito  Protesto  Apoio e Oposição  Confissão  Apelo Frustrado  Três Lustros  Em Custódia  Guerra e Paz  Perfil  Resultados
  3. 3. Reforma Pacífica  Em custódia, Lutero observava o movimento da Reforma se alastrando de forma acelerada e que poderia ficar fora de controle.  Ler p. 14, parágrafos 5 e 6 (Pelo Evangelho de Cristo).  Então, Lutero assumiu o risco de retornar a Wittenberg, e, começa pregar vários sermões sobre um movimento pacífico.  Necessidade de reprovar a ação dos “entusiastas” e “enxameadores” (Schwaermer). Estes diziam que recebiam visões diretas de Deus para usar a força no movimento da Reforma.  Lutero se pronunciou contra reformadores suíços, em especial Zwingli e Ecolampádio, que propuseram que Cristo só estaria simbolicamente presente na eucaristia (santa ceia). Lutero defendeu a presença real de Cristo.
  4. 4. Tumultos        Rebelião dos cavaleiros (Ritter) em 1522-23 e levante dos camponeses e trabalhadores (1524-25): usavam o Evangelho de desculpa para justificar sua causa política e uso das armas para suas reivindicações. Lutero que se posicionar, infelizmente, a favor de que as autoridades mantivesse a ordem e a paz entre o povo. Recomendou recorrer às armas. Cerca de 100 mil revoltosos foram liquidados. Lutero justificou sua posição pelo fato dos revoltosos estarem vitimando inocentes: homens, mulheres e crianças. Esse fato afastou Lutero das massas. Ao mesmo tempo, assegurou a sobrevivência do movimento da Reforma. Justamente nesse período, casou-se com Cataria von Bora (uma ex-freira). Tiveram 6 filhos e o casal se constituiu em modelo da família pastoral evangélica.
  5. 5. A revolta dos camponeses
  6. 6. Consolidação      Na ausência de Carlos V, o movimento se expandiu, tolerado ou promovido por príncipes, senhores e governos municipais. Nos territórios e cidades que aderiram à Reforma, os bispos não tinham mais domínio e os pastores formados em Wittenberg assumiam as paróquias e comunidades. Monges e freiras abandonavam em massa os mosteiros porque reconheceram que isso não os tornava melhores diante de Deus. Com a decadência dos mosteiros e das escolas paroquiais, os príncipes e governos respondem aos apelos dos reformadores para manterem e criarem escolas e universidades. Destaque para dos reformadores educacionais: 1) Filipe Melanchton, professor da Universidade de Wittenberg, tido como mestre da Alemanha; e, 2) João Bubenhagen, líder da Reforma no norte da Alemanha.
  7. 7. Consolidação       Em 1526 Lutero e outros reivindicaram ao príncipe João, substituto de Frederico, um processo de supervisão de igrejas e escolas, em estado precário. Filipe Melanchton escreveu as Instruções dos Visitadores de 1528. Diante da má formação antiga dos padres, Lutero escreveu instruções em dois catecismos (1529): 1) Catecismo Menor; e, 2) Catecismo Maior. Hoje, estão incluídos no Livro de Concórdia. Reforma na música sacra, em 1524. João Walther ficou responsável de publicar hinos e cânticos alemães, com música adequada ao texto. A ênfase foi tão bem sucedida que produziu, dois séculos depois, um Johann Sebastian Bach (1685-1750). Lutero foi poeta e músico, também. A liturgia, em 1526, foi reformulada para atingir especialmente à juventude e ao povo simples. Lutero trouxe de volta o valor da Santa Ceia para a vida cristã e em comunidade.
  8. 8. Protesto       Lembrando: o Édito de Worms (1521) excomungou Lureto da Igreja Católica e o declarou fora da lei. Em 1529, o rei Fernando da Áustria, irmão do rei Carlos V da Alemanha, conseguiu reunir príncipes tradicionais para uma revolta em execução do Édito de Worms. Mas, 5 príncipes e 4 cidades imperiais da Alemanha protestaram, formalmente, invocando o direito de agir como lhes ditava a consciência diante de Deus. Deste episódio originou-se o termo “protestantes”, que passou a designar os “evangélicos” ou “luteranos”. Diante da perspectiva duma aliança dos poderes católicos,viu-se a necessidade dos luteranos se unirem também. Houve acordos entre luteranos e suíços reformados, quando Lutero redigiu os chamados Artigos de Marburgo.
  9. 9. Confissão  Em 1530, o imperador Carlos V convocou assembleia imperial na cidade de Augsburgo para resolver o problema do cisma religioso.  O príncipe João da Saxônia sabia da gravidade da situação de risco que todos corriam, mas, os príncipes e cidades luteranos apresentaram um documento redigido por Filipe Melanchton, que passou à história com o nome de Confissão de Augsburgo.  Não havendo aceitação da outra parte, Carlos V refutou a Confissão e exigiu a submissão incondicional dos luteranos.  Todavia, os príncipes e governos municipais onde reinava o movimento da Reforma não cederam, antes, preferiram à morte, do que abandonar a luta pela reforma religiosa da Igreja. Desse protesto, surgiu a Liga de Esmalcalde.
  10. 10. Vídeo música: Pontes indestrutíveis
  11. 11. Três lustros  1) De 1531 a 1546, Lutero dedicou-se na função de professor. Principalmente, comentando Gálatas, Salmos e Gênesis, e, tradução, várias revisões e publicação do texto completo da Bíblia (em alemão) em 1534.  2) Atuou fortemente como líder conselheiro, respondia várias correspondências e intermediava entendimentos diante das divergências entre os líderes religiosos.  3) Muitas publicações para instruir e suprir problemas e dúvidas religiosas. Tentativas de produzir consenso entre “católicos” e “luteranos”. E, como destaque, a composição dos Artigos de Esmalcalde, em 1532, que visa definir a posição das igrejas luteranas no concílio livre e geral que o papa convocaria.
  12. 12. Guerra e paz  Sob pressão do papa Paulo III (1534-49), o imperador da Carlos V convocou um concílio na cidade de Trento.  Certos de que não seriam ouvidos, os “luteranos” não compareceram. E, o imperador decidiu resolver através da força iniciando assim a guerra de Esmalcalde, com a derrota dos evangélicos.  Somente em 1555: paz de Augsburgo (1555). Os súditos seguiriam a confissão da sua autoridade civil. Quem não se conformasse, teria o direito de vender os seus bens e mudar-se para regiões onde tivessem a “religião” desejada.  Essa tolerância já era buscada pelos reformadores desde a assembleia imperial de Augsburgo, em 1530. O princípio de Lutero: “Não se pode forçar ninguém a crer; a fé é assunto de cada um com Deus.”
  13. 13. Resultados  Adesão ao movimento iniciado por Lutero: boa parte da Alemanha;,a Finlândia, Suécia, Noruega, Dinamarca, Boêmia, Morávia; e, com características próprias, a Inglaterra, Escócia, Holanda, Suíça e, em parte, a França, Áustria e Hungria.  Por não possuírem liderança comum e unidade visível, as igrejas luteranas se caracterizaram por espaços territoriais e culturais. Sofreram oposição forte na Europa por parte da Ordem dos Jesuítas.  A Reforma provocou a Contra-Reforma (Reforma Católica).  Como resultado da Reforma, surge uma nova ordem social na Europa: pluralismo confessional, respeito à consciência, ética e desenvolvimento social e progresso científico.  Contribuindo para o surgimento da sociedade moderna.
  14. 14. Resultados “Peço que deixem de lado o meu nome e não se chamem luteranos, mas cristãos. O que é Lutero? Pois não é minha a doutrina, tampouco fui crucificado por quem quer que seja. São Paulo não admitiu que os cristãos se chamassem paulinos ou petrinos, mas cristãos. Como poderia eu, miserável saco de vermes, encorajar os filhos de Cristo a se chamarem pelo meu nome amaldiçoado? Não, meus amigos, vamos acabar com os nome de partidos e nos chamar cristãos, pois é de Cristo a nossa doutrina. Os papistas, sim, têm nome de partido, com toda razão, pois não se contentam com a doutrina e nome de Cristo. Querem ser papistas também. Pois deixe-os serem do papa, que é o mestre deles. Eu não sou nem pretendo ser mestre. Compartilho com a comunidade cristã, a única doutrina como de Cristo que é – somente ele – o nosso Mestre (Evangelho de Mateus 23.8).”
  15. 15. 496 Anos da Reforma: 31/10/2013 Cruz preta = a fé no crucificado nos salva. Campo celestial (azul) = começo da alegria celestial; esperança. Com o coração é que se crê e a cruz mantém a fé viva no coração. Anel de ouro = a garantia de que a salvação no Céu perdura para sempre. Rosa branca com folhas verdes = Espírito Santo que, pela fé, produz alegria, conforto e paz. Rosa de Lutero
  16. 16. Martinho Lutero
  17. 17. Vamos assistir o filme, provavelmente, no próximo dia 31 de outubro. No auditório Magdalena Arce Daon
  18. 18. Três pilares da Reforma:

×