SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
1
EBD - ESCOLA BÍBLICA DISCIPULADORA – 2022 – 2º SEMESTRE
Facilitadores: Sérgio Soares e Francisco Tudela
AS CARTAS DE PAULO – UM ESTUDO PANORÂMICO
4ª AULA – PRIMEIRA CARTA AOS CORÍNTIOS
2
Istmo de Corinto - estreita faixa de terra que liga
duas áreas de terra maiores - tinha dois portos: um
no Mar Jônio e outro no Mar Egeu.
Cidade com hábitos morais corruptos, “viver à
coríntia” era viver uma vida imoral.
Nas comédias gregas o bêbado era um “coríntio”.
Cultuavam Poseidon, deus do mar, e Afrodite, deusa
do amor sexual com 1000 sacerdotisas de cabeça
raspada e que praticavam o sexo no templo.
Jônio
Egeu
Continente
Grego
No ano 6 aC os gregos construíram no istmo uma estrada pavimentada
e, com uma plataforma móvel, deslocavam os navios, ou sua carga, de
um porto a outro, economizando 400Km.
Nero, com 6000 escravos, no ano 67dC, iniciou a escavação do canal, foi
interrompido com sua morte, retomado em 1881 e terminado em 1893.
Península
dePeloponeso
3
COMUNICAÇÃO ENTRE PAULO E OS CORÍNTIOS – ORIGEM DAS CARTAS:
1) Paulo envia uma 1ª carta, mencionada em 1Co 5.9 “Já lhes disse por carta que
vocês não devem associar-se com pessoas imorais.”
2) Em seguida os coríntios enviam uma carta pedindo orientação sobre alguns
assuntos: 1Co 7.1 “Quanto aos assuntos sobre os quais vocês escreveram...”
3) Após ouvir dois relatos de membros de Corinto que o visitaram em Éfeso, Paulo
escreve uma 2ª CARTA, que na Bíblia SERÁ A 1ª CARTA AOS CORÍNTIOS.
1ª visita - 1Co 1.11 ”...fui informado por alguns da casa de Cloe de que há divisões
entre vocês.”
2º visita - 1Co 16.17 “Alegrei-me com a vinda de Estéfanas, Fortunato e Acaico...”
 A 1ª CARTA deve ter-se perdido.
4
4) Paulo vai a Corinto e a visita não é boa, volta para Éfeso, e escreve uma 3ª carta,
a “carta severa”, citada em 2Co 2.3,4 e 7.8, e, talvez essa carta seja 2Co 10 -13
2Co 2.3,4 “De modo que resolvi não lhes fazer outra visita...escrevi como escrevi...
com grande aflição e angústia de coração, e com muitas lágrimas...”
2Co 7.8 “Mesmo que a minha carta lhes tenha causado tristeza...”
2Co 13.10 “Por isso escrevo estas coisas estando ausente, para que, quando eu for,
não precise ser rigoroso no uso da autoridade que o Senhor me deu
para edificá-los, e não para destruí-los.”
5) Paulo escreve uma 4ª carta, talvez seja 2Co 1 - 9, com críticas pela má vontade
(1), e em só aceitar o que interessa “em parte” (2)
2Co 1.13,14 “Pois nada lhes escrevemos que vocês não sejam capazes (1) de ler ou
entender. E espero que, assim como vocês nos entenderam em parte (2)...”
A 3ª e 4ª cartas, juntadas, serão a 1ª CARTA AOS CORÍNTIOS, com 16 capítulos,
sendo que na maioria trata de “problemas” na igreja
5
ESBOÇO DA 1ª CARTA
1) Saudação e apresentação (1.1-9)
2) Problema de divisões na igreja (1.10-3.4)
3) Problemas de liderança (3.5 – 4.21)
4) Problema de conduta imoral (5.1-13)
5) Problema de litígio nos tribunais (6.1-11)
6) Problema de prostituição (6.12-20)
7) Questões relacionadas ao casamento (7.1-40)
8) Problemas relacionados aos alimentos consagrados aos ídolos (8.1-11.1)
9) Sustento de Paulo e a adaptação da Igreja às distintas culturas (cap. 9)
6
10) Aplicação do AT à vida dos crentes, especialmente a questão da idolatria (10)
11) A questão do traje certo para as mulheres no culto (11.2-16)
12) Problema da desordem no culto da Ceia do Senhor (11.17-34)
13) A questão dos dons espirituais, profecias e línguas (12.1-14:40)
14) A questão da ressurreição (15.1-58)
15) Recomendações finais, inclusive sobre a oferta para os pobres (16.1-24)
VAMOS TRATAR OS TEMAS DA 1ª CARTA À IGREJA DE CORINTO, CONSIDERANDO A
SITUAÇÃO HIPOTÉTICA DE QUE NOS MUDAMOS PARA LÁ, PASSAMOS A FREQUENTÁ-
LA E OBSERVAMOS 11 SITUAÇÕES QUE CHAMAM A ATENÇÃO.
7
1º Há divisões em grupos, panelinhas de lideres, cada uma
com seus hábitos e preferências particulares. por ex.:
 PANELINHAS
1.12 ”..."Eu sou de Paulo"; "eu de Apolo"; "eu de Pedro"; e
"eu de Cristo".”
Esses últimos como se dissessem “não queremos estar
sob a orientação, instrução ou autoridade de qualquer
homem porque recebemos tudo diretamente de Cristo.”
 DIVISÕES NA IGREJA
11.18 “...ouço que, quando vocês se
reúnem como igreja, há
divisões entre vocês...”
8
2º Ao fim do sermão alguns o criticam:
2.1 – Eu mesmo, irmãos, quando estive entre vocês, não fui com discurso eloquente
nem com muita sabedoria para lhes proclamar o mistério de Deus.”
É a diferença entre o apelativo (satisfaz e atrai) e o espiritual (verdade de Deus).
 Em Cristo há uma sabedoria diferente, revelada ao coração humano pelo ES.
2.6-8 “...falamos de sabedoria entre os maduros, mas não da sabedoria desta era ou
dos poderosos... falamos da sabedoria de Deus do mistério que estava oculto,
o qual Deus preordenou... Nenhum dos poderosos desta era o entendeu, pois,
se o tivessem entendido, não teriam crucificado o Senhor da glória.”
2.11,12 “...ninguém conhece as coisas de Deus, a não
ser o Espírito de Deus....recebemos...o Espírito
procedente de Deus, para que entendamos as coisas que
Deus nos tem dado gratuitamente.*”
*O perdão dos pecados, a justificação, a santificação, o
favor e proteção divinos, e a esperança da vida eterna
9
3º. Há membros envolvidos em imoralidade sexual e a igreja faz vista grossa.
5.1,2 “Por toda parte se ouve que há imoralidade entre vocês, imoralidade que não
ocorre nem entre os pagãos, a ponto de alguém de vocês possuir a mulher de
seu pai. E vocês estão orgulhosos! Não deviam, porém, estar cheios de tristeza
e expulsar da comunhão aquele que fez isso?”
Paulo dá mais orientações
 Não ser conivente com o erro
5.11 “Mas agora estou lhes escrevendo que não devem associar-se com qualquer
que, DIZENDO-SE IRMÃO, seja imoral, avarento, idólatra, caluniador, alcoólatra
ou ladrão. Com tais pessoas vocês nem devem comer.”
 O pecado que envolve a sexo não é como pecar de outra maneira.
6.18 “Fujam da imoralidade sexual. Todos os outros pecados que alguém comete,
fora do corpo os comete; mas quem peca sexualmente, peca contra o seu
próprio corpo.”
10
6.9-10 “Vocês não sabem que os perversos não herdarão o REINO DE DEUS?
Não se deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem
homossexuais passivos ou ativos, nem ladrões, nem avarentos, nem
alcoólatras, nem caluniadores, nem trapaceiros herdarão o Reino de Deus.”
Há um determinismo na sociedade: “você nasceu assim”, ”você é assim”
NO EVANGELHO SEMPRE HÁ SOLUÇÃO.
6.11,12 “Assim foram alguns de vocês. Mas vocês foram lavados...
Santificados ... justificados no nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito de
nosso Deus...tudo me é permitido, mas eu não deixarei que nada me domine.”
O que é o Reino de Deus? É onde Jesus reina, e a lei é amar ao próximo.
Lc 17.20 “... Jesus respondeu: "O Reino de Deus não vem de modo visível,”
Col 1.13,14 “Pois Ele nos resgatou do domínio
das trevas e nos transportou para o Reino do
seu Filho amado, em quem temos a
redenção, a saber, o perdão dos pecados.”
11
4º Resolvem os litígios nos tribunais, ex. diácono processa outro por batida de carro.
6.1 “Se algum de vocês tem queixa contra outro irmão, como ousa apresentar a
causa para ser julgada pelos ímpios, em vez de levá-la aos santos? ...”
6.4-7 “Portanto, se vocês têm questões relativas às coisas desta vida, designem
para juízes os que são da igreja, mesmo que sejam os menos importantes. Digo
isso para envergonhá-los. Acaso não há entre vocês alguém suficientemente
sábio para julgar uma causa entre irmãos? Mas, ao invés disso, um irmão vai ao
tribunal contra outro irmão, e isso diante de descrentes! O fato de haver litígios
entre vocês já significa uma completa derrota. Por que não preferem sofrer a
injustiça? Por que não preferem sofrer o prejuízo?”
 Vale a pena o prejuízo relacional para não ter o prejuízo financeiro?
 Na nossa igreja quem seriam os “santos” para levar a questão?
 Qual o procedimento esperado do que causou o prejuízo?
12
5º Há dúvidas sobre imoralidade e o casamento
 Paulo valida a postura contra o assédio/promiscuidade e enfatiza a monogamia.
7.1,2 “Quanto aos assuntos sobre os quais vocês escreveram, é bom que o homem
não toque em mulher, mas, por causa da imoralidade, cada um deve ter sua
esposa, e cada mulher o seu próprio marido.”
 O casal deve cuidar da sua intimidade “por não terem domínio próprio”.
7.5 “Não se recusem um ao outro exceto por mútuo consentimento e durante certo
tempo, para se dedicarem à oração. Depois, unam-se de novo, para que Satanás
não os tente por não terem domínio próprio.”
 Paulo incentiva os homens a não se casarem.
7.7,8 “Gostaria que todos os homens fossem como eu; mas
cada um tem o seu próprio dom da parte de Deus; um
de um modo, outro de outro. Digo, porém, aos solteiros
e às viúvas: é bom que permaneçam como eu.”
13
6º Discutem sobre a alimentação: pode-se comer em restaurante judaico, indiano,...
E agora que alguém lhe deu doces de Cosme e Damião e você já engoliu?
8.4,8 “Portanto, em relação ao alimento sacrificado aos ídolos, sabemos que o ídolo
não significa nada no mundo e que só existe um Deus... A comida, porém, não
nos torna aceitáveis diante de Deus; não seremos piores se não comermos,
nem melhores se comermos.”
O ídolo nada significa; comer ou não comer não nos torna cristãos melhores.
Mc 7.19 “Porque não entra em seu coração, mas em seu estômago, sendo depois
eliminado". Ao dizer isto, Jesus declarou "puros" todos os alimentos.”
10.27 “Se algum descrente o convidar para uma refeição e
você quiser ir, coma de tudo o que lhe for apresentado,
sem nada perguntar por causa da consciência.
Mas se perceber que isto ofende um irmão por dar a
impressão de que está praticando idolatria...
10.23 “..."Tudo é permitido", mas nem tudo edifica.”
Te peguei no flagra comendo
doce de Cosme e Damião! 27/9
14
7º Obrigam a ir ao culto usando terno, vestido longo e véu.
11.2,4 ”Eu os elogio por se lembrarem de mim em tudo e por se apegarem às
tradições, exatamente como eu as transmiti a vocês...Todo homem que ora ou
profetiza com a cabeça coberta desonra a sua cabeça; e toda mulher que ora ou
profetiza com a cabeça descoberta desonra a sua cabeça;”
Naqueles dias, o véu era um símbolo do respeito da mulher para com o marido, e
naquele contexto cultural, era imperativo que usassem o véu na igreja.
E o homem, quando no ministério público da Palavra, era considerado um
representante de Cristo, daí ser impróprio cobrir a cabeça, um sinal de sujeição.
15
8º A ceia é realizada sem organização e esqueceram sua finalidade
 Achavam que se tratava de uma comemoração histórica.
11.20 “Quando vocês se reúnem, não é para comer a ceia do Senhor,”
 Corriam para comer: uns se fartavam, já os “educados” não comem.
11.21,22,33 “porque cada um come sua própria ceia sem esperar pelos outros.
Assim, enquanto um fica com fome, outro se embriaga.
Será que vocês não têm casa onde comer e beber? Ou desprezam a
igreja de Deus e humilham os que nada têm...meus irmãos, quando
vocês se reunirem para comer, esperem uns pelos outros.”
16
Relata a instituição da ceia como memorial e momento para reflexão. (Lc 22.19,20)
11.23-29 “Pois recebi do Senhor o que também lhes entreguei: que o Senhor Jesus,
na noite em que foi traído, tomou o pão e, tendo dado graças, partiu-o e disse:
"Isto é o meu corpo, que é dado em favor de vocês; façam isto em memória de
mim". Da mesma forma, depois da ceia ele tomou o cálice e disse: "Este cálice é
a nova aliança no meu sangue; façam isto, sempre que o beberem, em memória
de mim". Porque, sempre que comerem deste pão e beberem deste cálice, vocês
anunciam a morte do Senhor até que ele venha...Examine-se o homem a si
mesmo, e então coma do pão e beba do cálice. Pois quem come e bebe sem
discernir o corpo do Senhor, come e bebe para sua própria condenação.”
Examinar sua vida, ver se vive conforme os princípios e ensinamentos bíblicos; não
há impedimento em participar da ceia por ter falhado em alguma questão durante
a semana, esta é uma oportunidade para reconhecer e arrepender-se da falha.
“discernir o corpo do Senhor”: não distinguir a ceia memorial das refeições comuns
17
DECLARAÇÃO DOUTRINÁRIA DA CONVENÇÃO BATISTA BRASIL
IX - O Batismo e a Ceia do Senhor
1. A ceia do Senhor é uma cerimônia da igreja reunida, comemorativa e
proclamadora da morte do Senhor Jesus Cristo, simbolizada por meio dos
elementos utilizados: O pão e o vinho. Nesse memorial o pão representa Seu
corpo dado por nós no Calvário e o vinho simboliza o Seu sangue derramado.
2. A ceia do Senhor deve ser celebrada pelas igrejas até a volta de Cristo e sua
celebração pressupõe o batismo bíblico e o cuidadoso exame íntimo dos
participantes.
Ref. Mt 26.26-29; 1Co 10.16,17-21; 11.23-29
18
9º Alguns membros monopolizam a EBD, outros o louvor, outros a liderança... dizendo
que não há irmãos competentes.
12.21,28 “O olho não pode dizer à mão: "Não preciso de você! " Nem a cabeça pode
dizer aos pés: "Não preciso de vocês! ... Ora, vocês são o corpo de Cristo, e
cada um de vocês, individualmente, é membro desse corpo."
Note que fomos planejados por Deus, com talentos, habilidades, capacidades e
dons, PARA COM ELES PARTICIPAR COMO MEMBRO DA IGREJA DE CRISTO.
12.4 “Há diferentes tipos de dons, mas o Espírito é o mesmo.”
12.8-10 “Pelo Espírito, a um é dada a palavra de sabedoria; a outro, a palavra de
conhecimento...fé...dons de cura...poder para operar milagres...profecia...
discernimento de espíritos...variedade de línguas...interpretação de línguas.”
Entendendo os 9 DONS ESPIRITUAIS APLICADOS hoje DENTRO DA IGREJA
 PALAVRA DE SABEDORIA – habilidade em acumular e reter a Palavra de Deus para
atender a necessidades de aconselhamento e orientação.
19
 PALAVRA DE CONHECIMENTO - uma visão clara do plano de salvação e das
doutrinas e deveres do cristão e capacidade para comunicá-las.
 FÉ – não a fé salvadora que todo o que crê tem, mas a fé para ir adiante em
algum propósito, a confiança de que Deus está junto nos dirigindo.
 DONS DE CURA E OPERAR MILAGRES – habilidade em aplicar a Palavra adequada
ao momento para a restauração da vida espiritual.
 PROFECIA – ser inspirado pelo ES para partilhar a Palavra.
 DISCERNIMENTO DE ESPÍRITOS - distinguir entre a verdade e o erro, os falsos dos
verdadeiros ministros de Cristo.
 VARIEDADE DE LÍNGUAS E SUA INTERPRETAÇÃO - Comunicar a palavra de Deus
em outros idiomas; facilidade em aprender outro idioma.
Não confundir os dons espirituais com os 9 frutos do espírito:
Gl 5.22,23 “Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade,
bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio.”
20
Cap 13 traz o texto clássico sobre amor: 13.1-2 “... se não tiver amor...nada serei...”
13.3 “Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para
ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me valerá.”
 O amor é que deveria mover a humanidade
13.4-8 “O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se
orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não
guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a
verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca perece;...”
Para Marx e Adam Smith o que move a humanidade são os bens materiais, para
Freud é o impulso pela reprodução, para Jesus é o amor altruísta (fazer o bem
segundo Deus e fazê-lo sem esperar retribuição).
21
10º. Não há “respeito” pelo culto:
 Alguns se levantam e do nada falam coisas incompreensíveis.
14.9,28 “Assim acontece com vocês. Se não proferirem palavras compreensíveis
com a língua, como alguém saberá o que está sendo dito? Vocês estarão
simplesmente falando ao ar... Se não houver intérprete, fique calado na
igreja, falando consigo mesmo e com Deus.”
 Ocorre um senta/levanta, um entra e sai, crianças correndo entre os bancos,
durante a mensagem outros conversam, na galeria adolescentes falam/jogam ao
celular e riem e a maioria não presta atenção.
14.33 “Pois Deus não é Deus de desordem, mas
de paz. Como em todas as congregações
dos santos,”
22
 Durante a pregação dois membros ficam em pé, interrompem o sermão e
questionam que não concordam com a mensagem, não havia ordem.
14.29 “Tratando-se de profetas, falem dois ou três, e os outros julguem
cuidadosamente o que foi dito.”
Ao instruir as pessoas que têm o dom de profecia a falar em turnos e, em seguida,
aguardar com atenção a avaliação dos outros indica que o tipo de “profecia” que
está em vista aqui não é a profecia preditiva nem a predição de fatos futuros.
14.31,40 “Pois vocês todos podem profetizar, cada um por
sua vez, de forma que todos sejam instruídos e encorajados
...Mas tudo deve ser feito com decência e ordem.”
Profetizar tem o sentido de interpretar o evangelho com o
objetivo de instruir, seja numa pregação no culto, num estudo
sobre uma porção bíblica na EBD, num pequeno grupo...
23
11º A igreja está dividida sobre a questão da ressurreição: Morreu! Acabou?
15.13,14 “Ora, se está sendo pregado que Cristo ressuscitou dentre os mortos,
como alguns de vocês estão dizendo que não existe ressurreição dos
mortos? Se não há ressurreição dos mortos, então nem mesmo Cristo
ressuscitou; e, se Cristo não ressuscitou, é inútil a nossa pregação, como
também é inútil a fé que vocês têm.”
15.6 “Depois disso apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma só vez, a maioria
dos quais ainda vive, embora alguns já tenham adormecido.”
 Alguns haviam morrido sem se batizar e pessoas estavam se batizando por eles.
15.29 “Se não há ressurreição, que farão aqueles que se batizam pelos mortos? Se
absolutamente os mortos não ressuscitam, por que se batizam por eles?”
DECLARAÇÃO DOUTRINÁRIA DA CONVENÇÃO BATISTA BRASIL
XVIII - Morte
1. Todos os homens são marcados pela finitude, de vez que, em consequência do
pecado, a morte se estende a todos. Ref. Rm 5.12; 1Co 15.21-26; Hb 9.27; Tg 4.14
24
2. A Palavra de Deus assegura a continuidade da consciência e da identidade
pessoais após a morte, bem como a necessidade de todos os homens aceitarem a
graça de Deus em Cristo enquanto estão neste mundo. Ref. Lc 16.19-31; Hb 9.27
3. Com a morte está definido o destino eterno de cada homem.
Ref. Lc 16.19-31; 23.39-46; Hb 9.27
4. Pela fé nos méritos do sacrifício substitutivo de Cristo na cruz, a morte do crente
deixa de ser tragédia, pois ela o transporta para um estado de completa e
constante felicidade na presença de Deus. A esse estado de felicidade as
Escrituras chamam “dormir no Senhor”. Ref. Rm 5.6-11; 14.7-9; 1Co 15.18-20;
2Co 5.14,15; Fp 1.21-23; 1Ts 4.13-17; 2Tm 2.11
5. Os incrédulos e impenitentes entram, a partir da morte, num estado de
separação definitiva de Deus. Ref. Lc 16.19-31; Jo 5.28,29
6. Na Palavra de Deus encontramos claramente expressa a proibição divina da busca
de contato com os mortos, bem como a negação da eficácia de atos religiosos
com relação aos que já morreram.
Ref. Ex 22.18; Lv 19.31; 20.6,27; Dt 18.10; 1Cr 10.13; Is 8.19; Jo 3.18
25
8,2’ - https://www.youtube.com/watch?v=XVVM-AP3IB0
26
Lição de casa:
1. Rever o estudo de hoje
2. Ler 2 Co
3. Ou ler, no mínimo:
2Co 1.1-27; 3.1 - 4.18; 5.1 -
6.18; 7.1 – 8.15; 8.16 - 9.15;
10.1-11.33; 12.1-13.14
BIBLIOGRAFIA
1. Bíblia NVI – Editora Vida – 2000
2. Comentário Bíblico do professor – Lawrence Richards – 3ª Ed. Vida - SP
3. Revista Compromisso - impressa pela Convicção Editora
5. Estudo Panorâmico da Bíblia –. Mears, Henrietta C.- SP: Editora Vida, 2006.
6. Comentário Bíblico Moody – Charles F Pfieffer – Ed. Batista Regular,2017
7. Comentário Bíblico Popular - MacDonald, Willian, SP, Ed. Mundo Cristão, 1ª, 2008
8. Comentário Bíblico NVI -. BRUCCE, F. F, SP, Ed. Vida, 1ª edição, 2008
9. Passo a Passo pelo AT – Wailon B & Tom H.- Ed. LifeWay Brasil – SP - 2004
10. Reflexões extraídas da World Wide Web
11. Bible Project
12. Programa ROTA 66 – Sayão, Luiz – Rádio transmundial
Esta apresentação está disponível no site: www.escolabiblicavirtual.com.br 28
29
O Catecismo da Igreja Católica, baseada em sua Tradição e na Bíblia, ensina a
comunhão com os defuntos. “Reconhecendo claramente essa comunicação de todo
o Corpo místico de Cristo, a Igreja dos que ainda peregrinam venerou, com muita
piedade, desde os primeiros tempos do cristianismo, a memória dos defuntos; e,
‘porque é um pensamento santo e salutar rezar pelos mortos, para que sejam livres
de seus pecados’ (2 Mac 12, 46), por eles ofereceu também sufrágios”.
https://formacao.cancaonova.com/igreja/catequese/por-que-celebrar-missa-de-setimo-dia/

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Estudo panorâmico das cartas de Paulo e orientações para a igreja de Corinto

Vosso Corpo é Santuário do Espírito Santo
Vosso Corpo é Santuário do Espírito SantoVosso Corpo é Santuário do Espírito Santo
Vosso Corpo é Santuário do Espírito SantoJUERP
 
Aiasdnobabilnianemfilhadela 131120185525-phpapp02
Aiasdnobabilnianemfilhadela 131120185525-phpapp02Aiasdnobabilnianemfilhadela 131120185525-phpapp02
Aiasdnobabilnianemfilhadela 131120185525-phpapp02José Silva
 
“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”
“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”
“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”JUERP
 
INSTRUMENTOS DO PECADO OU VASOS DE HONRA
INSTRUMENTOS DO PECADO OU VASOS DE HONRAINSTRUMENTOS DO PECADO OU VASOS DE HONRA
INSTRUMENTOS DO PECADO OU VASOS DE HONRAperymarques
 
Aula 6 (I Coríntios 14-16).pptx
Aula 6 (I Coríntios 14-16).pptxAula 6 (I Coríntios 14-16).pptx
Aula 6 (I Coríntios 14-16).pptxInclusão em LIBRAS
 
A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014
A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014
A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014Pr. Andre Luiz
 
Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014
Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014
Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014Gerson G. Ramos
 
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012Gerson G. Ramos
 
Pureza sexual - Amor e Sexo - Namoro Cristão
Pureza sexual - Amor e Sexo - Namoro CristãoPureza sexual - Amor e Sexo - Namoro Cristão
Pureza sexual - Amor e Sexo - Namoro CristãoHubner Braz
 
Pureza Sexual Amor e Sexo.pptx
Pureza Sexual Amor e Sexo.pptxPureza Sexual Amor e Sexo.pptx
Pureza Sexual Amor e Sexo.pptxPecador Confesso
 
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!ASD Remanescentes
 
10 1 e 2 tessalonicenses.pptx
10  1 e 2 tessalonicenses.pptx10  1 e 2 tessalonicenses.pptx
10 1 e 2 tessalonicenses.pptxPIB Penha - SP
 

Semelhante a Estudo panorâmico das cartas de Paulo e orientações para a igreja de Corinto (20)

Vosso Corpo é Santuário do Espírito Santo
Vosso Corpo é Santuário do Espírito SantoVosso Corpo é Santuário do Espírito Santo
Vosso Corpo é Santuário do Espírito Santo
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Aiasdnobabilnianemfilhadela 131120185525-phpapp02
Aiasdnobabilnianemfilhadela 131120185525-phpapp02Aiasdnobabilnianemfilhadela 131120185525-phpapp02
Aiasdnobabilnianemfilhadela 131120185525-phpapp02
 
“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”
“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”
“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”
 
9 Colossenses.pptx
9 Colossenses.pptx9 Colossenses.pptx
9 Colossenses.pptx
 
INSTRUMENTOS DO PECADO OU VASOS DE HONRA
INSTRUMENTOS DO PECADO OU VASOS DE HONRAINSTRUMENTOS DO PECADO OU VASOS DE HONRA
INSTRUMENTOS DO PECADO OU VASOS DE HONRA
 
Instrumentos do pecado ou vasos de honra
Instrumentos do pecado ou vasos de honraInstrumentos do pecado ou vasos de honra
Instrumentos do pecado ou vasos de honra
 
Aula 6 (I Coríntios 14-16).pptx
Aula 6 (I Coríntios 14-16).pptxAula 6 (I Coríntios 14-16).pptx
Aula 6 (I Coríntios 14-16).pptx
 
A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014
A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014
A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014
 
Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014
Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014
Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014
 
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
 
Pureza sexual - Amor e Sexo - Namoro Cristão
Pureza sexual - Amor e Sexo - Namoro CristãoPureza sexual - Amor e Sexo - Namoro Cristão
Pureza sexual - Amor e Sexo - Namoro Cristão
 
Pureza Sexual Amor e Sexo.pptx
Pureza Sexual Amor e Sexo.pptxPureza Sexual Amor e Sexo.pptx
Pureza Sexual Amor e Sexo.pptx
 
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
 
10 1 e 2 tessalonicenses.pptx
10  1 e 2 tessalonicenses.pptx10  1 e 2 tessalonicenses.pptx
10 1 e 2 tessalonicenses.pptx
 
Et
EtEt
Et
 
Et
EtEt
Et
 
Vamos falar sobre sexo
Vamos falar sobre sexo   Vamos falar sobre sexo
Vamos falar sobre sexo
 
Um coração mau
Um coração mauUm coração mau
Um coração mau
 
NAMORO, NOIVADO E CASAMENTO
NAMORO, NOIVADO E CASAMENTONAMORO, NOIVADO E CASAMENTO
NAMORO, NOIVADO E CASAMENTO
 

Mais de PIB Penha - SP

Início das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptx
Início das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptxInício das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptx
Início das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptxPIB Penha - SP
 
A conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igreja
A conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igrejaA conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igreja
A conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igrejaPIB Penha - SP
 
A escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de Estêvão
A escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de EstêvãoA escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de Estêvão
A escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de EstêvãoPIB Penha - SP
 
3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...
3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...
3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...PIB Penha - SP
 
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃOPIB Penha - SP
 
Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2
Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2
Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2PIB Penha - SP
 
18 Deuteronômio 27 - 34.pptx
18 Deuteronômio 27 - 34.pptx18 Deuteronômio 27 - 34.pptx
18 Deuteronômio 27 - 34.pptxPIB Penha - SP
 
17 Deuteronomio 5 - 26.pptx
17 Deuteronomio 5 - 26.pptx17 Deuteronomio 5 - 26.pptx
17 Deuteronomio 5 - 26.pptxPIB Penha - SP
 
16 Deuteronomio 1 - 4.pptx
16 Deuteronomio 1 - 4.pptx16 Deuteronomio 1 - 4.pptx
16 Deuteronomio 1 - 4.pptxPIB Penha - SP
 
15 Numeros 23 - 36.ppt
15 Numeros 23 - 36.ppt15 Numeros 23 - 36.ppt
15 Numeros 23 - 36.pptPIB Penha - SP
 
14 Numeros 12 - 22.ppt
14 Numeros 12 - 22.ppt14 Numeros 12 - 22.ppt
14 Numeros 12 - 22.pptPIB Penha - SP
 
14 Numeros 1 - 14.pptx
14 Numeros 1 - 14.pptx14 Numeros 1 - 14.pptx
14 Numeros 1 - 14.pptxPIB Penha - SP
 
12 Levitico 17 - 27.ppt
12 Levitico 17 - 27.ppt12 Levitico 17 - 27.ppt
12 Levitico 17 - 27.pptPIB Penha - SP
 
11 levitico 1 - 16.pptx
11 levitico 1 - 16.pptx11 levitico 1 - 16.pptx
11 levitico 1 - 16.pptxPIB Penha - SP
 
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptxPIB Penha - SP
 

Mais de PIB Penha - SP (20)

Início das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptx
Início das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptxInício das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptx
Início das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptx
 
A conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igreja
A conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igrejaA conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igreja
A conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igreja
 
A escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de Estêvão
A escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de EstêvãoA escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de Estêvão
A escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de Estêvão
 
3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...
3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...
3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...
 
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
 
Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2
Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2
Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2
 
18 Deuteronômio 27 - 34.pptx
18 Deuteronômio 27 - 34.pptx18 Deuteronômio 27 - 34.pptx
18 Deuteronômio 27 - 34.pptx
 
17 Deuteronomio 5 - 26.pptx
17 Deuteronomio 5 - 26.pptx17 Deuteronomio 5 - 26.pptx
17 Deuteronomio 5 - 26.pptx
 
16 Deuteronomio 1 - 4.pptx
16 Deuteronomio 1 - 4.pptx16 Deuteronomio 1 - 4.pptx
16 Deuteronomio 1 - 4.pptx
 
15 Numeros 23 - 36.ppt
15 Numeros 23 - 36.ppt15 Numeros 23 - 36.ppt
15 Numeros 23 - 36.ppt
 
14 Numeros 12 - 22.ppt
14 Numeros 12 - 22.ppt14 Numeros 12 - 22.ppt
14 Numeros 12 - 22.ppt
 
14 Numeros 1 - 14.pptx
14 Numeros 1 - 14.pptx14 Numeros 1 - 14.pptx
14 Numeros 1 - 14.pptx
 
12 Levitico 17 - 27.ppt
12 Levitico 17 - 27.ppt12 Levitico 17 - 27.ppt
12 Levitico 17 - 27.ppt
 
11 levitico 1 - 16.pptx
11 levitico 1 - 16.pptx11 levitico 1 - 16.pptx
11 levitico 1 - 16.pptx
 
10 Exodo 31 -40.pptx
10 Exodo 31 -40.pptx10 Exodo 31 -40.pptx
10 Exodo 31 -40.pptx
 
9 Exodo 21 -30.pptx
9 Exodo 21 -30.pptx9 Exodo 21 -30.pptx
9 Exodo 21 -30.pptx
 
8 Exodo 13 - 20.pptx
8 Exodo 13 - 20.pptx8 Exodo 13 - 20.pptx
8 Exodo 13 - 20.pptx
 
10 Exodo 31 -40.pdf
10 Exodo 31 -40.pdf10 Exodo 31 -40.pdf
10 Exodo 31 -40.pdf
 
9 Exodo 21 -30.pdf
9 Exodo 21 -30.pdf9 Exodo 21 -30.pdf
9 Exodo 21 -30.pdf
 
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
 

Último

O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalAmaroJunior21
 
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfRoteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfLehonanSouza
 

Último (8)

O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
 
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfRoteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
 

Estudo panorâmico das cartas de Paulo e orientações para a igreja de Corinto

  • 1. 1 EBD - ESCOLA BÍBLICA DISCIPULADORA – 2022 – 2º SEMESTRE Facilitadores: Sérgio Soares e Francisco Tudela AS CARTAS DE PAULO – UM ESTUDO PANORÂMICO 4ª AULA – PRIMEIRA CARTA AOS CORÍNTIOS
  • 2. 2 Istmo de Corinto - estreita faixa de terra que liga duas áreas de terra maiores - tinha dois portos: um no Mar Jônio e outro no Mar Egeu. Cidade com hábitos morais corruptos, “viver à coríntia” era viver uma vida imoral. Nas comédias gregas o bêbado era um “coríntio”. Cultuavam Poseidon, deus do mar, e Afrodite, deusa do amor sexual com 1000 sacerdotisas de cabeça raspada e que praticavam o sexo no templo. Jônio Egeu Continente Grego No ano 6 aC os gregos construíram no istmo uma estrada pavimentada e, com uma plataforma móvel, deslocavam os navios, ou sua carga, de um porto a outro, economizando 400Km. Nero, com 6000 escravos, no ano 67dC, iniciou a escavação do canal, foi interrompido com sua morte, retomado em 1881 e terminado em 1893. Península dePeloponeso
  • 3. 3 COMUNICAÇÃO ENTRE PAULO E OS CORÍNTIOS – ORIGEM DAS CARTAS: 1) Paulo envia uma 1ª carta, mencionada em 1Co 5.9 “Já lhes disse por carta que vocês não devem associar-se com pessoas imorais.” 2) Em seguida os coríntios enviam uma carta pedindo orientação sobre alguns assuntos: 1Co 7.1 “Quanto aos assuntos sobre os quais vocês escreveram...” 3) Após ouvir dois relatos de membros de Corinto que o visitaram em Éfeso, Paulo escreve uma 2ª CARTA, que na Bíblia SERÁ A 1ª CARTA AOS CORÍNTIOS. 1ª visita - 1Co 1.11 ”...fui informado por alguns da casa de Cloe de que há divisões entre vocês.” 2º visita - 1Co 16.17 “Alegrei-me com a vinda de Estéfanas, Fortunato e Acaico...”  A 1ª CARTA deve ter-se perdido.
  • 4. 4 4) Paulo vai a Corinto e a visita não é boa, volta para Éfeso, e escreve uma 3ª carta, a “carta severa”, citada em 2Co 2.3,4 e 7.8, e, talvez essa carta seja 2Co 10 -13 2Co 2.3,4 “De modo que resolvi não lhes fazer outra visita...escrevi como escrevi... com grande aflição e angústia de coração, e com muitas lágrimas...” 2Co 7.8 “Mesmo que a minha carta lhes tenha causado tristeza...” 2Co 13.10 “Por isso escrevo estas coisas estando ausente, para que, quando eu for, não precise ser rigoroso no uso da autoridade que o Senhor me deu para edificá-los, e não para destruí-los.” 5) Paulo escreve uma 4ª carta, talvez seja 2Co 1 - 9, com críticas pela má vontade (1), e em só aceitar o que interessa “em parte” (2) 2Co 1.13,14 “Pois nada lhes escrevemos que vocês não sejam capazes (1) de ler ou entender. E espero que, assim como vocês nos entenderam em parte (2)...” A 3ª e 4ª cartas, juntadas, serão a 1ª CARTA AOS CORÍNTIOS, com 16 capítulos, sendo que na maioria trata de “problemas” na igreja
  • 5. 5 ESBOÇO DA 1ª CARTA 1) Saudação e apresentação (1.1-9) 2) Problema de divisões na igreja (1.10-3.4) 3) Problemas de liderança (3.5 – 4.21) 4) Problema de conduta imoral (5.1-13) 5) Problema de litígio nos tribunais (6.1-11) 6) Problema de prostituição (6.12-20) 7) Questões relacionadas ao casamento (7.1-40) 8) Problemas relacionados aos alimentos consagrados aos ídolos (8.1-11.1) 9) Sustento de Paulo e a adaptação da Igreja às distintas culturas (cap. 9)
  • 6. 6 10) Aplicação do AT à vida dos crentes, especialmente a questão da idolatria (10) 11) A questão do traje certo para as mulheres no culto (11.2-16) 12) Problema da desordem no culto da Ceia do Senhor (11.17-34) 13) A questão dos dons espirituais, profecias e línguas (12.1-14:40) 14) A questão da ressurreição (15.1-58) 15) Recomendações finais, inclusive sobre a oferta para os pobres (16.1-24) VAMOS TRATAR OS TEMAS DA 1ª CARTA À IGREJA DE CORINTO, CONSIDERANDO A SITUAÇÃO HIPOTÉTICA DE QUE NOS MUDAMOS PARA LÁ, PASSAMOS A FREQUENTÁ- LA E OBSERVAMOS 11 SITUAÇÕES QUE CHAMAM A ATENÇÃO.
  • 7. 7 1º Há divisões em grupos, panelinhas de lideres, cada uma com seus hábitos e preferências particulares. por ex.:  PANELINHAS 1.12 ”..."Eu sou de Paulo"; "eu de Apolo"; "eu de Pedro"; e "eu de Cristo".” Esses últimos como se dissessem “não queremos estar sob a orientação, instrução ou autoridade de qualquer homem porque recebemos tudo diretamente de Cristo.”  DIVISÕES NA IGREJA 11.18 “...ouço que, quando vocês se reúnem como igreja, há divisões entre vocês...”
  • 8. 8 2º Ao fim do sermão alguns o criticam: 2.1 – Eu mesmo, irmãos, quando estive entre vocês, não fui com discurso eloquente nem com muita sabedoria para lhes proclamar o mistério de Deus.” É a diferença entre o apelativo (satisfaz e atrai) e o espiritual (verdade de Deus).  Em Cristo há uma sabedoria diferente, revelada ao coração humano pelo ES. 2.6-8 “...falamos de sabedoria entre os maduros, mas não da sabedoria desta era ou dos poderosos... falamos da sabedoria de Deus do mistério que estava oculto, o qual Deus preordenou... Nenhum dos poderosos desta era o entendeu, pois, se o tivessem entendido, não teriam crucificado o Senhor da glória.” 2.11,12 “...ninguém conhece as coisas de Deus, a não ser o Espírito de Deus....recebemos...o Espírito procedente de Deus, para que entendamos as coisas que Deus nos tem dado gratuitamente.*” *O perdão dos pecados, a justificação, a santificação, o favor e proteção divinos, e a esperança da vida eterna
  • 9. 9 3º. Há membros envolvidos em imoralidade sexual e a igreja faz vista grossa. 5.1,2 “Por toda parte se ouve que há imoralidade entre vocês, imoralidade que não ocorre nem entre os pagãos, a ponto de alguém de vocês possuir a mulher de seu pai. E vocês estão orgulhosos! Não deviam, porém, estar cheios de tristeza e expulsar da comunhão aquele que fez isso?” Paulo dá mais orientações  Não ser conivente com o erro 5.11 “Mas agora estou lhes escrevendo que não devem associar-se com qualquer que, DIZENDO-SE IRMÃO, seja imoral, avarento, idólatra, caluniador, alcoólatra ou ladrão. Com tais pessoas vocês nem devem comer.”  O pecado que envolve a sexo não é como pecar de outra maneira. 6.18 “Fujam da imoralidade sexual. Todos os outros pecados que alguém comete, fora do corpo os comete; mas quem peca sexualmente, peca contra o seu próprio corpo.”
  • 10. 10 6.9-10 “Vocês não sabem que os perversos não herdarão o REINO DE DEUS? Não se deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem homossexuais passivos ou ativos, nem ladrões, nem avarentos, nem alcoólatras, nem caluniadores, nem trapaceiros herdarão o Reino de Deus.” Há um determinismo na sociedade: “você nasceu assim”, ”você é assim” NO EVANGELHO SEMPRE HÁ SOLUÇÃO. 6.11,12 “Assim foram alguns de vocês. Mas vocês foram lavados... Santificados ... justificados no nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito de nosso Deus...tudo me é permitido, mas eu não deixarei que nada me domine.” O que é o Reino de Deus? É onde Jesus reina, e a lei é amar ao próximo. Lc 17.20 “... Jesus respondeu: "O Reino de Deus não vem de modo visível,” Col 1.13,14 “Pois Ele nos resgatou do domínio das trevas e nos transportou para o Reino do seu Filho amado, em quem temos a redenção, a saber, o perdão dos pecados.”
  • 11. 11 4º Resolvem os litígios nos tribunais, ex. diácono processa outro por batida de carro. 6.1 “Se algum de vocês tem queixa contra outro irmão, como ousa apresentar a causa para ser julgada pelos ímpios, em vez de levá-la aos santos? ...” 6.4-7 “Portanto, se vocês têm questões relativas às coisas desta vida, designem para juízes os que são da igreja, mesmo que sejam os menos importantes. Digo isso para envergonhá-los. Acaso não há entre vocês alguém suficientemente sábio para julgar uma causa entre irmãos? Mas, ao invés disso, um irmão vai ao tribunal contra outro irmão, e isso diante de descrentes! O fato de haver litígios entre vocês já significa uma completa derrota. Por que não preferem sofrer a injustiça? Por que não preferem sofrer o prejuízo?”  Vale a pena o prejuízo relacional para não ter o prejuízo financeiro?  Na nossa igreja quem seriam os “santos” para levar a questão?  Qual o procedimento esperado do que causou o prejuízo?
  • 12. 12 5º Há dúvidas sobre imoralidade e o casamento  Paulo valida a postura contra o assédio/promiscuidade e enfatiza a monogamia. 7.1,2 “Quanto aos assuntos sobre os quais vocês escreveram, é bom que o homem não toque em mulher, mas, por causa da imoralidade, cada um deve ter sua esposa, e cada mulher o seu próprio marido.”  O casal deve cuidar da sua intimidade “por não terem domínio próprio”. 7.5 “Não se recusem um ao outro exceto por mútuo consentimento e durante certo tempo, para se dedicarem à oração. Depois, unam-se de novo, para que Satanás não os tente por não terem domínio próprio.”  Paulo incentiva os homens a não se casarem. 7.7,8 “Gostaria que todos os homens fossem como eu; mas cada um tem o seu próprio dom da parte de Deus; um de um modo, outro de outro. Digo, porém, aos solteiros e às viúvas: é bom que permaneçam como eu.”
  • 13. 13 6º Discutem sobre a alimentação: pode-se comer em restaurante judaico, indiano,... E agora que alguém lhe deu doces de Cosme e Damião e você já engoliu? 8.4,8 “Portanto, em relação ao alimento sacrificado aos ídolos, sabemos que o ídolo não significa nada no mundo e que só existe um Deus... A comida, porém, não nos torna aceitáveis diante de Deus; não seremos piores se não comermos, nem melhores se comermos.” O ídolo nada significa; comer ou não comer não nos torna cristãos melhores. Mc 7.19 “Porque não entra em seu coração, mas em seu estômago, sendo depois eliminado". Ao dizer isto, Jesus declarou "puros" todos os alimentos.” 10.27 “Se algum descrente o convidar para uma refeição e você quiser ir, coma de tudo o que lhe for apresentado, sem nada perguntar por causa da consciência. Mas se perceber que isto ofende um irmão por dar a impressão de que está praticando idolatria... 10.23 “..."Tudo é permitido", mas nem tudo edifica.” Te peguei no flagra comendo doce de Cosme e Damião! 27/9
  • 14. 14 7º Obrigam a ir ao culto usando terno, vestido longo e véu. 11.2,4 ”Eu os elogio por se lembrarem de mim em tudo e por se apegarem às tradições, exatamente como eu as transmiti a vocês...Todo homem que ora ou profetiza com a cabeça coberta desonra a sua cabeça; e toda mulher que ora ou profetiza com a cabeça descoberta desonra a sua cabeça;” Naqueles dias, o véu era um símbolo do respeito da mulher para com o marido, e naquele contexto cultural, era imperativo que usassem o véu na igreja. E o homem, quando no ministério público da Palavra, era considerado um representante de Cristo, daí ser impróprio cobrir a cabeça, um sinal de sujeição.
  • 15. 15 8º A ceia é realizada sem organização e esqueceram sua finalidade  Achavam que se tratava de uma comemoração histórica. 11.20 “Quando vocês se reúnem, não é para comer a ceia do Senhor,”  Corriam para comer: uns se fartavam, já os “educados” não comem. 11.21,22,33 “porque cada um come sua própria ceia sem esperar pelos outros. Assim, enquanto um fica com fome, outro se embriaga. Será que vocês não têm casa onde comer e beber? Ou desprezam a igreja de Deus e humilham os que nada têm...meus irmãos, quando vocês se reunirem para comer, esperem uns pelos outros.”
  • 16. 16 Relata a instituição da ceia como memorial e momento para reflexão. (Lc 22.19,20) 11.23-29 “Pois recebi do Senhor o que também lhes entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão e, tendo dado graças, partiu-o e disse: "Isto é o meu corpo, que é dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim". Da mesma forma, depois da ceia ele tomou o cálice e disse: "Este cálice é a nova aliança no meu sangue; façam isto, sempre que o beberem, em memória de mim". Porque, sempre que comerem deste pão e beberem deste cálice, vocês anunciam a morte do Senhor até que ele venha...Examine-se o homem a si mesmo, e então coma do pão e beba do cálice. Pois quem come e bebe sem discernir o corpo do Senhor, come e bebe para sua própria condenação.” Examinar sua vida, ver se vive conforme os princípios e ensinamentos bíblicos; não há impedimento em participar da ceia por ter falhado em alguma questão durante a semana, esta é uma oportunidade para reconhecer e arrepender-se da falha. “discernir o corpo do Senhor”: não distinguir a ceia memorial das refeições comuns
  • 17. 17 DECLARAÇÃO DOUTRINÁRIA DA CONVENÇÃO BATISTA BRASIL IX - O Batismo e a Ceia do Senhor 1. A ceia do Senhor é uma cerimônia da igreja reunida, comemorativa e proclamadora da morte do Senhor Jesus Cristo, simbolizada por meio dos elementos utilizados: O pão e o vinho. Nesse memorial o pão representa Seu corpo dado por nós no Calvário e o vinho simboliza o Seu sangue derramado. 2. A ceia do Senhor deve ser celebrada pelas igrejas até a volta de Cristo e sua celebração pressupõe o batismo bíblico e o cuidadoso exame íntimo dos participantes. Ref. Mt 26.26-29; 1Co 10.16,17-21; 11.23-29
  • 18. 18 9º Alguns membros monopolizam a EBD, outros o louvor, outros a liderança... dizendo que não há irmãos competentes. 12.21,28 “O olho não pode dizer à mão: "Não preciso de você! " Nem a cabeça pode dizer aos pés: "Não preciso de vocês! ... Ora, vocês são o corpo de Cristo, e cada um de vocês, individualmente, é membro desse corpo." Note que fomos planejados por Deus, com talentos, habilidades, capacidades e dons, PARA COM ELES PARTICIPAR COMO MEMBRO DA IGREJA DE CRISTO. 12.4 “Há diferentes tipos de dons, mas o Espírito é o mesmo.” 12.8-10 “Pelo Espírito, a um é dada a palavra de sabedoria; a outro, a palavra de conhecimento...fé...dons de cura...poder para operar milagres...profecia... discernimento de espíritos...variedade de línguas...interpretação de línguas.” Entendendo os 9 DONS ESPIRITUAIS APLICADOS hoje DENTRO DA IGREJA  PALAVRA DE SABEDORIA – habilidade em acumular e reter a Palavra de Deus para atender a necessidades de aconselhamento e orientação.
  • 19. 19  PALAVRA DE CONHECIMENTO - uma visão clara do plano de salvação e das doutrinas e deveres do cristão e capacidade para comunicá-las.  FÉ – não a fé salvadora que todo o que crê tem, mas a fé para ir adiante em algum propósito, a confiança de que Deus está junto nos dirigindo.  DONS DE CURA E OPERAR MILAGRES – habilidade em aplicar a Palavra adequada ao momento para a restauração da vida espiritual.  PROFECIA – ser inspirado pelo ES para partilhar a Palavra.  DISCERNIMENTO DE ESPÍRITOS - distinguir entre a verdade e o erro, os falsos dos verdadeiros ministros de Cristo.  VARIEDADE DE LÍNGUAS E SUA INTERPRETAÇÃO - Comunicar a palavra de Deus em outros idiomas; facilidade em aprender outro idioma. Não confundir os dons espirituais com os 9 frutos do espírito: Gl 5.22,23 “Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio.”
  • 20. 20 Cap 13 traz o texto clássico sobre amor: 13.1-2 “... se não tiver amor...nada serei...” 13.3 “Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me valerá.”  O amor é que deveria mover a humanidade 13.4-8 “O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca perece;...” Para Marx e Adam Smith o que move a humanidade são os bens materiais, para Freud é o impulso pela reprodução, para Jesus é o amor altruísta (fazer o bem segundo Deus e fazê-lo sem esperar retribuição).
  • 21. 21 10º. Não há “respeito” pelo culto:  Alguns se levantam e do nada falam coisas incompreensíveis. 14.9,28 “Assim acontece com vocês. Se não proferirem palavras compreensíveis com a língua, como alguém saberá o que está sendo dito? Vocês estarão simplesmente falando ao ar... Se não houver intérprete, fique calado na igreja, falando consigo mesmo e com Deus.”  Ocorre um senta/levanta, um entra e sai, crianças correndo entre os bancos, durante a mensagem outros conversam, na galeria adolescentes falam/jogam ao celular e riem e a maioria não presta atenção. 14.33 “Pois Deus não é Deus de desordem, mas de paz. Como em todas as congregações dos santos,”
  • 22. 22  Durante a pregação dois membros ficam em pé, interrompem o sermão e questionam que não concordam com a mensagem, não havia ordem. 14.29 “Tratando-se de profetas, falem dois ou três, e os outros julguem cuidadosamente o que foi dito.” Ao instruir as pessoas que têm o dom de profecia a falar em turnos e, em seguida, aguardar com atenção a avaliação dos outros indica que o tipo de “profecia” que está em vista aqui não é a profecia preditiva nem a predição de fatos futuros. 14.31,40 “Pois vocês todos podem profetizar, cada um por sua vez, de forma que todos sejam instruídos e encorajados ...Mas tudo deve ser feito com decência e ordem.” Profetizar tem o sentido de interpretar o evangelho com o objetivo de instruir, seja numa pregação no culto, num estudo sobre uma porção bíblica na EBD, num pequeno grupo...
  • 23. 23 11º A igreja está dividida sobre a questão da ressurreição: Morreu! Acabou? 15.13,14 “Ora, se está sendo pregado que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como alguns de vocês estão dizendo que não existe ressurreição dos mortos? Se não há ressurreição dos mortos, então nem mesmo Cristo ressuscitou; e, se Cristo não ressuscitou, é inútil a nossa pregação, como também é inútil a fé que vocês têm.” 15.6 “Depois disso apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma só vez, a maioria dos quais ainda vive, embora alguns já tenham adormecido.”  Alguns haviam morrido sem se batizar e pessoas estavam se batizando por eles. 15.29 “Se não há ressurreição, que farão aqueles que se batizam pelos mortos? Se absolutamente os mortos não ressuscitam, por que se batizam por eles?” DECLARAÇÃO DOUTRINÁRIA DA CONVENÇÃO BATISTA BRASIL XVIII - Morte 1. Todos os homens são marcados pela finitude, de vez que, em consequência do pecado, a morte se estende a todos. Ref. Rm 5.12; 1Co 15.21-26; Hb 9.27; Tg 4.14
  • 24. 24 2. A Palavra de Deus assegura a continuidade da consciência e da identidade pessoais após a morte, bem como a necessidade de todos os homens aceitarem a graça de Deus em Cristo enquanto estão neste mundo. Ref. Lc 16.19-31; Hb 9.27 3. Com a morte está definido o destino eterno de cada homem. Ref. Lc 16.19-31; 23.39-46; Hb 9.27 4. Pela fé nos méritos do sacrifício substitutivo de Cristo na cruz, a morte do crente deixa de ser tragédia, pois ela o transporta para um estado de completa e constante felicidade na presença de Deus. A esse estado de felicidade as Escrituras chamam “dormir no Senhor”. Ref. Rm 5.6-11; 14.7-9; 1Co 15.18-20; 2Co 5.14,15; Fp 1.21-23; 1Ts 4.13-17; 2Tm 2.11 5. Os incrédulos e impenitentes entram, a partir da morte, num estado de separação definitiva de Deus. Ref. Lc 16.19-31; Jo 5.28,29 6. Na Palavra de Deus encontramos claramente expressa a proibição divina da busca de contato com os mortos, bem como a negação da eficácia de atos religiosos com relação aos que já morreram. Ref. Ex 22.18; Lv 19.31; 20.6,27; Dt 18.10; 1Cr 10.13; Is 8.19; Jo 3.18
  • 26. 26 Lição de casa: 1. Rever o estudo de hoje 2. Ler 2 Co 3. Ou ler, no mínimo: 2Co 1.1-27; 3.1 - 4.18; 5.1 - 6.18; 7.1 – 8.15; 8.16 - 9.15; 10.1-11.33; 12.1-13.14
  • 27.
  • 28. BIBLIOGRAFIA 1. Bíblia NVI – Editora Vida – 2000 2. Comentário Bíblico do professor – Lawrence Richards – 3ª Ed. Vida - SP 3. Revista Compromisso - impressa pela Convicção Editora 5. Estudo Panorâmico da Bíblia –. Mears, Henrietta C.- SP: Editora Vida, 2006. 6. Comentário Bíblico Moody – Charles F Pfieffer – Ed. Batista Regular,2017 7. Comentário Bíblico Popular - MacDonald, Willian, SP, Ed. Mundo Cristão, 1ª, 2008 8. Comentário Bíblico NVI -. BRUCCE, F. F, SP, Ed. Vida, 1ª edição, 2008 9. Passo a Passo pelo AT – Wailon B & Tom H.- Ed. LifeWay Brasil – SP - 2004 10. Reflexões extraídas da World Wide Web 11. Bible Project 12. Programa ROTA 66 – Sayão, Luiz – Rádio transmundial Esta apresentação está disponível no site: www.escolabiblicavirtual.com.br 28
  • 29. 29 O Catecismo da Igreja Católica, baseada em sua Tradição e na Bíblia, ensina a comunhão com os defuntos. “Reconhecendo claramente essa comunicação de todo o Corpo místico de Cristo, a Igreja dos que ainda peregrinam venerou, com muita piedade, desde os primeiros tempos do cristianismo, a memória dos defuntos; e, ‘porque é um pensamento santo e salutar rezar pelos mortos, para que sejam livres de seus pecados’ (2 Mac 12, 46), por eles ofereceu também sufrágios”. https://formacao.cancaonova.com/igreja/catequese/por-que-celebrar-missa-de-setimo-dia/