SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
Brasil século XIX:
Leis abolicionistas
Professor: Francisco Carlos Palosque
HISTÓRIA – 8º ANO (EFAF)
Habilidade: (EF08HI19B) Identificar as propostas
presentes nas Leis Eusébio de Queirós, Ventre Livre,
Sexagenário e Áurea, bem como analisar os seus
impactos na sociedade brasileira do período imperial.
Objetivo: Identificar as leis que trataram a questão dos
escravos no Brasil do período imperial.
Brasil século XIX: Leis abolicionistas
Lei Eusébio de Queirós
Lei nº 581, de 04 de setembro de 1850
Modelo de navio que transportava Escravo, início dos anos 1700. Museu Nacional de História
Americana (Smithsonian Institution). Kenneth Lu CC BY 2.0. Wikimedia Commons. Disponível em:
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Kenneth_Lu_-_Slave_ship_model_(_(4811223749).jpg. Acesso
em: 29 set. 2021.
Lei Bill Alberdeen – 08 de agosto de 1845
Proibia o tráfico
de escravizados e
punia traficantes.
Pressões britânicas para o fim da
tráfico negreiro.
Receio de que a população de escravizados
ficasse superior à população branca.
Altas dívidas para adquirir escravos.
Motivações
“Lei para inglês ver”
Antecedentes
Revolução Industrial na Europa –
ampliar mercado consumidor.
Lei Eusébio de Queirós
Lei nº 581, de 04 de setembro de 1850
Elaborado especialmente para o CMSP.
O que motivou a assinatura da Lei Eusébio de Queirós?
Responda
Lei do Ventre Livre
Lei nº 2040, de 28 de setembro de 1871
Jean-Baptiste Debret. O jantar. Passatempos depois do jantar, Antes de 1830. Museus Castro Maya,
IPHAN/MinC. Domínio Público. Wikimedia Commons. Disponível em: https://commons.wikimedia.org/
wiki/File:A_Brazilian_family_in_Rio_de_Janeiro_by_Jean-Baptiste_Debret_1839.jpg. Acesso em: 29 set.
2021.
Considerava livres todos os filhos de mulheres escravizadas nascidos
a partir dessa lei.
Assinada pela princesa Isabel, que estava como regente do Brasil.
Possibilitou um processo de abolição da escravidão
de forma lenta e gradual.
Até completar 21, ficaria sob a tutela do dono da
fazenda.
Lei do Ventre Livre
Lei nº 2.040, de 28 de setembro de 1871
Elaborado especialmente para o CMSP.
Inspire-se na Lei do Ventre Livre e faça sua composição.
Divulgue pelas redes sociais.
Agora é com você
A Lei do Ventre Livre garantiu liberdade aos recém-nascidos
filhos de mãe escravizadas? Justifique.
Na sua opinião
Recurso: PowerPoint.
Lei do Sexagenário
Lei nº 3.270, de 28 de setembro de 1885
Zacharias Wagenaer. Mercado de escravos no Recife, 1637-1644. Domínio Público. Wikimedia
Commons. Disponível em: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Zacharias_Wagner_-_Mercado
_de_escravos_no_ Recife.jpg. Acesso em: 29 set. 2021.
Garantia a liberdade aos escravizados acima dos 60 anos.
Os libertos pagariam uma indenização aos antigos proprietários, logo o
liberto trabalharia mais três anos para seu senhor ou até os 65 anos.
Poucos escravos chegavam
até essa idade devido às
péssimas condições de
vida.
Quando libertos, muitos
não sabiam para onde ir.
Lei do Sexagenário
Lei nº 3.270, de 28 de setembro de 1885
Elaborado especialmente para o CMSP.
Neste momento somos um ex-escravo de 65 anos de idade, nosso corpo dói.
Desde que nascemos fomos obrigados a trabalhos forçados, sem descanso.
Não recebemos carinho quando crianças, apenas chicotadas.
Temos em nossos corpos diversas cicatrizes.
Não temos famílias, não sabemos de qual lugar da África
viemos
... Estamos livres, o que faremos agora?
Vamos treinar a empatia
Elaborado especialmente para o CMSP.
Lei Áurea
Lei nº 3.353, 13 de maio de 1888
Aprovação da Lei Áurea Pelo Senado brasileiro,13 de maio de 1888. Antônio Luiz Ferreira. Fonte: Lago,
Bia Corrêa do; Corrêa do Lago, Pedro. Coleção Princesa Isabel: Fotografia do século XIX. Rio de Janeiro:
Capivara, 2008. Domínio Público. Wikimedia Commons. Disponível em: https://commons.wikimedia.
org/wiki/File:Golden_law_1888_Brazilian_senate.jpg. Acesso em: 29 set. 2021.
Lei Áurea
Lei nº 3.353, 13 de maio de 1888
Assinada pela princesa Isabel, que pela terceira vez exercia a regência
no lugar de seu pai D. Pedro II.
Existiram pressões externas (Inglaterra) e internas
(movimentos abolicionistas e resistência dos
escravizados, desde os Quilombos até esse
momento da abolição).
Não houve a preocupação de inserir os libertos na
sociedade.
Lei Áurea
Lei nº 3.353, 13 de maio de 1888
Elaborado especialmente para o CMSP.
A abolição da escravidão foi um dos fatores que
determinaram a queda do Império em 1889.
D. Pedro II perdeu o apoio dos cafeicultores, que
tiveram de libertar os escravos após a assinatura da
Lei Áurea e não receberam nenhuma indenização por
parte do governo central.
Elaborado especialmente para o CMSP.
Como ficou a vida dos libertos após a assinatura da Lei Áurea?
Responda
Recurso: PowerPoint.
Materiais desta aula
• Efeitos sonoros: www.freesound.org. Para consultar toda a lista de efeitos, acesse:
https://freesound.org/people/Trilhas_Vanzolini/downloaded_sounds/.
Materiais desta aula – referência/fonte
Brasil século XIX:
Leis abolicionistas
Crédito - Professora: Janaina Jardim
HISTÓRIA – 8º ANO (EFAF)
Equipe do CMSP
COPED/SEDUC-SP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilNome Sobrenome
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilGeová da Silva
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALIsabel Aguiar
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Isabela Espíndola
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo ReinadoDaniel Alves Bronstrup
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...João Medeiros
 
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)profrogerio1
 
Pré historia 6° ano
Pré historia 6° anoPré historia 6° ano
Pré historia 6° anozahirmax
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisDouglas Barraqui
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraNívia Sales
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilFatima Freitas
 

Mais procurados (20)

O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
 
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
 
Brasil Holandês
Brasil HolandêsBrasil Holandês
Brasil Holandês
 
Pré historia 6° ano
Pré historia 6° anoPré historia 6° ano
Pré historia 6° ano
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
A origem do homem
A origem do homemA origem do homem
A origem do homem
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 

Semelhante a 06 10 leis abolicionistas

Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas ParticularesPor uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas ParticularesGabaritoAulasParticulares
 
A crise do Império brasileiro.ppt
A crise do Império brasileiro.pptA crise do Império brasileiro.ppt
A crise do Império brasileiro.pptIgordeLima8
 
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAbolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAlinnie Moreira
 
O movimento abolicionista durante o império brasileiro
O movimento abolicionista durante o império brasileiroO movimento abolicionista durante o império brasileiro
O movimento abolicionista durante o império brasileiroCarlos Zaranza
 
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºCJornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºCJoão Víctor
 
Jornal Nacional de Umbanda - Edição 50
Jornal Nacional de Umbanda - Edição 50Jornal Nacional de Umbanda - Edição 50
Jornal Nacional de Umbanda - Edição 50João Greco
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoValéria Shoujofan
 
13 de maio libertacao dos escravos interdisciplinar historia portugues
13 de maio libertacao dos escravos interdisciplinar historia portugues13 de maio libertacao dos escravos interdisciplinar historia portugues
13 de maio libertacao dos escravos interdisciplinar historia portuguesAtividades Diversas Cláudia
 
Capítulo5_Carla Osório & André Luiz Moreira
Capítulo5_Carla Osório & André Luiz MoreiraCapítulo5_Carla Osório & André Luiz Moreira
Capítulo5_Carla Osório & André Luiz Moreiramarinathebaldi
 
Escravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIXEscravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIXAnderson Torres
 
01 8º ano história rafa- escravidão
01 8º ano história   rafa- escravidão01 8º ano história   rafa- escravidão
01 8º ano história rafa- escravidãoRafael Noronha
 
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
01 8º ano história   rafa- escravidão 201501 8º ano história   rafa- escravidão 2015
01 8º ano história rafa- escravidão 2015Rafael Noronha
 
PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA PARA VOCÊ ESTUDAR (1).pptx
PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA PARA VOCÊ ESTUDAR (1).pptxPROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA PARA VOCÊ ESTUDAR (1).pptx
PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA PARA VOCÊ ESTUDAR (1).pptxCaunBatista
 
Slaide lei áurea até os dias de hoje.
Slaide lei áurea até os dias de hoje.Slaide lei áurea até os dias de hoje.
Slaide lei áurea até os dias de hoje.1983odilon
 
Movimento abolicionista
Movimento abolicionistaMovimento abolicionista
Movimento abolicionistaFilllipe
 

Semelhante a 06 10 leis abolicionistas (20)

Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas ParticularesPor uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
 
A crise do Império brasileiro.ppt
A crise do Império brasileiro.pptA crise do Império brasileiro.ppt
A crise do Império brasileiro.ppt
 
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAbolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
 
Abolição e República
Abolição e RepúblicaAbolição e República
Abolição e República
 
O movimento abolicionista durante o império brasileiro
O movimento abolicionista durante o império brasileiroO movimento abolicionista durante o império brasileiro
O movimento abolicionista durante o império brasileiro
 
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºCJornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
 
Jornal Nacional de Umbanda - Edição 50
Jornal Nacional de Umbanda - Edição 50Jornal Nacional de Umbanda - Edição 50
Jornal Nacional de Umbanda - Edição 50
 
Movimento abolicionista
Movimento abolicionistaMovimento abolicionista
Movimento abolicionista
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
13 de maio libertacao dos escravos interdisciplinar historia portugues
13 de maio libertacao dos escravos interdisciplinar historia portugues13 de maio libertacao dos escravos interdisciplinar historia portugues
13 de maio libertacao dos escravos interdisciplinar historia portugues
 
Capítulo5_Carla Osório & André Luiz Moreira
Capítulo5_Carla Osório & André Luiz MoreiraCapítulo5_Carla Osório & André Luiz Moreira
Capítulo5_Carla Osório & André Luiz Moreira
 
Abolição escravatura
Abolição escravaturaAbolição escravatura
Abolição escravatura
 
Escravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIXEscravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIX
 
01 8º ano história rafa- escravidão
01 8º ano história   rafa- escravidão01 8º ano história   rafa- escravidão
01 8º ano história rafa- escravidão
 
Segundo reinado completo
Segundo reinado   completoSegundo reinado   completo
Segundo reinado completo
 
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
01 8º ano história   rafa- escravidão 201501 8º ano história   rafa- escravidão 2015
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
 
PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA PARA VOCÊ ESTUDAR (1).pptx
PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA PARA VOCÊ ESTUDAR (1).pptxPROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA PARA VOCÊ ESTUDAR (1).pptx
PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA PARA VOCÊ ESTUDAR (1).pptx
 
Slaide lei áurea até os dias de hoje.
Slaide lei áurea até os dias de hoje.Slaide lei áurea até os dias de hoje.
Slaide lei áurea até os dias de hoje.
 
3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado
 
Movimento abolicionista
Movimento abolicionistaMovimento abolicionista
Movimento abolicionista
 

Último

Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 

Último (20)

Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 

06 10 leis abolicionistas

  • 1.
  • 2. Brasil século XIX: Leis abolicionistas Professor: Francisco Carlos Palosque HISTÓRIA – 8º ANO (EFAF)
  • 3. Habilidade: (EF08HI19B) Identificar as propostas presentes nas Leis Eusébio de Queirós, Ventre Livre, Sexagenário e Áurea, bem como analisar os seus impactos na sociedade brasileira do período imperial. Objetivo: Identificar as leis que trataram a questão dos escravos no Brasil do período imperial. Brasil século XIX: Leis abolicionistas
  • 4. Lei Eusébio de Queirós Lei nº 581, de 04 de setembro de 1850 Modelo de navio que transportava Escravo, início dos anos 1700. Museu Nacional de História Americana (Smithsonian Institution). Kenneth Lu CC BY 2.0. Wikimedia Commons. Disponível em: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Kenneth_Lu_-_Slave_ship_model_(_(4811223749).jpg. Acesso em: 29 set. 2021.
  • 5. Lei Bill Alberdeen – 08 de agosto de 1845 Proibia o tráfico de escravizados e punia traficantes. Pressões britânicas para o fim da tráfico negreiro. Receio de que a população de escravizados ficasse superior à população branca. Altas dívidas para adquirir escravos. Motivações “Lei para inglês ver” Antecedentes Revolução Industrial na Europa – ampliar mercado consumidor. Lei Eusébio de Queirós Lei nº 581, de 04 de setembro de 1850 Elaborado especialmente para o CMSP.
  • 6. O que motivou a assinatura da Lei Eusébio de Queirós? Responda
  • 7. Lei do Ventre Livre Lei nº 2040, de 28 de setembro de 1871 Jean-Baptiste Debret. O jantar. Passatempos depois do jantar, Antes de 1830. Museus Castro Maya, IPHAN/MinC. Domínio Público. Wikimedia Commons. Disponível em: https://commons.wikimedia.org/ wiki/File:A_Brazilian_family_in_Rio_de_Janeiro_by_Jean-Baptiste_Debret_1839.jpg. Acesso em: 29 set. 2021.
  • 8. Considerava livres todos os filhos de mulheres escravizadas nascidos a partir dessa lei. Assinada pela princesa Isabel, que estava como regente do Brasil. Possibilitou um processo de abolição da escravidão de forma lenta e gradual. Até completar 21, ficaria sob a tutela do dono da fazenda. Lei do Ventre Livre Lei nº 2.040, de 28 de setembro de 1871 Elaborado especialmente para o CMSP.
  • 9. Inspire-se na Lei do Ventre Livre e faça sua composição. Divulgue pelas redes sociais. Agora é com você
  • 10. A Lei do Ventre Livre garantiu liberdade aos recém-nascidos filhos de mãe escravizadas? Justifique. Na sua opinião Recurso: PowerPoint.
  • 11. Lei do Sexagenário Lei nº 3.270, de 28 de setembro de 1885 Zacharias Wagenaer. Mercado de escravos no Recife, 1637-1644. Domínio Público. Wikimedia Commons. Disponível em: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Zacharias_Wagner_-_Mercado _de_escravos_no_ Recife.jpg. Acesso em: 29 set. 2021.
  • 12. Garantia a liberdade aos escravizados acima dos 60 anos. Os libertos pagariam uma indenização aos antigos proprietários, logo o liberto trabalharia mais três anos para seu senhor ou até os 65 anos. Poucos escravos chegavam até essa idade devido às péssimas condições de vida. Quando libertos, muitos não sabiam para onde ir. Lei do Sexagenário Lei nº 3.270, de 28 de setembro de 1885 Elaborado especialmente para o CMSP.
  • 13. Neste momento somos um ex-escravo de 65 anos de idade, nosso corpo dói. Desde que nascemos fomos obrigados a trabalhos forçados, sem descanso. Não recebemos carinho quando crianças, apenas chicotadas. Temos em nossos corpos diversas cicatrizes. Não temos famílias, não sabemos de qual lugar da África viemos ... Estamos livres, o que faremos agora? Vamos treinar a empatia Elaborado especialmente para o CMSP.
  • 14. Lei Áurea Lei nº 3.353, 13 de maio de 1888 Aprovação da Lei Áurea Pelo Senado brasileiro,13 de maio de 1888. Antônio Luiz Ferreira. Fonte: Lago, Bia Corrêa do; Corrêa do Lago, Pedro. Coleção Princesa Isabel: Fotografia do século XIX. Rio de Janeiro: Capivara, 2008. Domínio Público. Wikimedia Commons. Disponível em: https://commons.wikimedia. org/wiki/File:Golden_law_1888_Brazilian_senate.jpg. Acesso em: 29 set. 2021.
  • 15. Lei Áurea Lei nº 3.353, 13 de maio de 1888
  • 16. Assinada pela princesa Isabel, que pela terceira vez exercia a regência no lugar de seu pai D. Pedro II. Existiram pressões externas (Inglaterra) e internas (movimentos abolicionistas e resistência dos escravizados, desde os Quilombos até esse momento da abolição). Não houve a preocupação de inserir os libertos na sociedade. Lei Áurea Lei nº 3.353, 13 de maio de 1888 Elaborado especialmente para o CMSP.
  • 17. A abolição da escravidão foi um dos fatores que determinaram a queda do Império em 1889. D. Pedro II perdeu o apoio dos cafeicultores, que tiveram de libertar os escravos após a assinatura da Lei Áurea e não receberam nenhuma indenização por parte do governo central. Elaborado especialmente para o CMSP.
  • 18. Como ficou a vida dos libertos após a assinatura da Lei Áurea? Responda Recurso: PowerPoint.
  • 19. Materiais desta aula • Efeitos sonoros: www.freesound.org. Para consultar toda a lista de efeitos, acesse: https://freesound.org/people/Trilhas_Vanzolini/downloaded_sounds/.
  • 20. Materiais desta aula – referência/fonte
  • 21. Brasil século XIX: Leis abolicionistas Crédito - Professora: Janaina Jardim HISTÓRIA – 8º ANO (EFAF) Equipe do CMSP COPED/SEDUC-SP