SlideShare uma empresa Scribd logo

Teoria Musical - Conceitos Estruturais

Andrea Dressler
Andrea Dressler
Andrea DresslerProfessora de Artes

Elementos estruturais da música: notação musical, acentuação e compasso, forma musical e textura,

Teoria Musical - Conceitos Estruturais

1 de 14
Baixar para ler offline
ESTRUTURA MUSICAL 
Professora 
Andrea Dressler 
A L G U N S C O N C E I T O S B Á S I C O S S O B R E O S E L E M E N T O S 
Q U E F A Z E M P A R T E D A E S T R U T U R A M U S I C A L
JÁ VIMOS QUE 
A MÚSICA É 
UM FENÔMENO UNIVERSAL 
E NÃO 
UMA LINGUAGEM UNIVERSA 
L. 
OU SEJA, 
A MÚSICA PODE ESTAR 
PRESENTE EM QUALQUER 
LUGAR DO PLANETA, 
MAS NÃO SE COMUNICA 
NEM PRECISA SER, 
NECESSARIAMENTE, 
COMPREENDIDA DA MESMA 
FORMA EM TODAS AS 
PARTES.
A P R E N D E M O S 
Q U E , A N T E S D A 
M Ú S I C A , E X I S T E 
O S O M . 
O S S O N S P O D E M S E R 
C L A S S I F I C A D O S D E A C O R D O 
C O M S U A S P R O P R I E D A D E S 
( O U Q U A L I D A D E S ) 
Q U E S Ã O : 
A A LT U R A , 
A I N T E N S I D A D E , 
A D U R A Ç Ã O 
E O T I M B R E . 
O S S O N S S Ã O R E P R E S E N TA D O S P E L A S 
N O TA S M U S I C A I S . 
E , P O R F I M , 
V I M O S Q U E PA R A A M Ú S I C A E X I S T I R , 
T R Ê S E L E M E N T O S B Á S I C O S S E 
R E L A C I O N A M : 
A M E L O D I A , 
O R I T M O 
E A H A R M O N I A .
VAMOS CONHECER 
AGORA OUTROS 
CONCEITOS: 
ELEMENTOS QUE 
ESTRUTURAM A MUSICA
1. A ESCRITA MUSICAL (OU NOTAÇÃO MUSICAL) 
Grande parte do desenvolvimento da notação musical deriva do trabalho do monge católico italiano 
Guido d’Arezzo, durante a Idade Média. Ele criou os nomes pelos quais as notas são conhecidas atualmente 
(Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si). Os nomes foram retirados das sílabas iniciais do “Hino a São João Batista” , 
chamado Ut queant laxis. 
Essas sete notas ouvidas sucessivamente formam uma série de sons aos quais dá-se o nome de escala.
2. O PENTAGRAMA (OU PAUTA MUSICAL) 
É o sistema de notação com pautas moderno. Consiste em um sistema gráfico que utiliza símbolos escritos sobre 
uma pauta de 5 linhas paralelas e equidistantes e que formam entre si quatro espaços onde ficam os símbolos que 
indicam as notas musicais. Exemplo: 
Por que é tão importante? Por que simboliza a representação da nota musical. Essa nota, por sua vez, 
representa um único som e sua duração e altura. Além disso pode representar as variações de intensidade, expressão 
ou técnicas de execução de um instrumento musical. Assim, por meio da pauta, qualquer pessoa em qualquer época 
pode tocar uma música escrita há muito tempo! 
E o ritmo? Em um pauta musical, além da indicação das alturas, necessitamos indicar também o tempo de 
emissão de cada nota, ou seja, o seu ritmo. Para isso usamos as figuras de duração que indicam quanto tempo 
devemos emitir determinado som.

Recomendados

Historia da musica
Historia da musica Historia da musica
Historia da musica Shinnayder
 
Slide música – estilos e gêneros musicais diversos
Slide música – estilos e gêneros musicais diversosSlide música – estilos e gêneros musicais diversos
Slide música – estilos e gêneros musicais diversosNatália Matos
 
Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2
Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2
Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2Henrique Antunes
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musicalOMAESTRO
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da MúsicaBE/CRE
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da MúsicaMeire Falco
 
Parâmetros do som
Parâmetros do somParâmetros do som
Parâmetros do somAline Raposo
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6ano 01 elementos da musica
6ano 01 elementos da musica6ano 01 elementos da musica
6ano 01 elementos da musicaEliezer REIS
 
Apostila Teoria Musical
Apostila Teoria MusicalApostila Teoria Musical
Apostila Teoria Musicalroseandreia
 
Apostila de educação musical 8º ano ensino fundamental
Apostila de educação musical   8º ano ensino fundamentalApostila de educação musical   8º ano ensino fundamental
Apostila de educação musical 8º ano ensino fundamentalPartitura de Banda
 
História da música 1
História da música 1História da música 1
História da música 1Deborah Oliver
 
Desafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestre
Desafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestreDesafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestre
Desafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestreRenata Duarte
 
Parâmetros do Som
Parâmetros do SomParâmetros do Som
Parâmetros do SomLuciano Dias
 
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical InfantilEvangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical InfantilAntonino Silva
 
DANÇA – A relação da dança com a música, a arte visual e o teatro.pptx
DANÇA – A relação da dança com a música, a arte visual e o teatro.pptxDANÇA – A relação da dança com a música, a arte visual e o teatro.pptx
DANÇA – A relação da dança com a música, a arte visual e o teatro.pptxLinaLouvem
 
Música, Origem e História
Música, Origem e HistóriaMúsica, Origem e História
Música, Origem e Históriajosenmd
 
8ano 08 atividades de fixacao.pdf de música cpii
8ano 08 atividades de fixacao.pdf de música cpii8ano 08 atividades de fixacao.pdf de música cpii
8ano 08 atividades de fixacao.pdf de música cpiiFabiana Rabello
 

Mais procurados (20)

Musica
MusicaMusica
Musica
 
6ano 01 elementos da musica
6ano 01 elementos da musica6ano 01 elementos da musica
6ano 01 elementos da musica
 
Apostila Teoria Musical
Apostila Teoria MusicalApostila Teoria Musical
Apostila Teoria Musical
 
Apostila de educação musical 8º ano ensino fundamental
Apostila de educação musical   8º ano ensino fundamentalApostila de educação musical   8º ano ensino fundamental
Apostila de educação musical 8º ano ensino fundamental
 
História da música 1
História da música 1História da música 1
História da música 1
 
Propriedades do som
Propriedades do somPropriedades do som
Propriedades do som
 
A Importância da Musica nas Nossas Vidas
A Importância da Musica nas Nossas VidasA Importância da Musica nas Nossas Vidas
A Importância da Musica nas Nossas Vidas
 
Desafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestre
Desafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestreDesafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestre
Desafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestre
 
Parâmetros do Som
Parâmetros do SomParâmetros do Som
Parâmetros do Som
 
Gêneros musicais
Gêneros musicaisGêneros musicais
Gêneros musicais
 
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical InfantilEvangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
 
MúSica
MúSicaMúSica
MúSica
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
 
DANÇA – A relação da dança com a música, a arte visual e o teatro.pptx
DANÇA – A relação da dança com a música, a arte visual e o teatro.pptxDANÇA – A relação da dança com a música, a arte visual e o teatro.pptx
DANÇA – A relação da dança com a música, a arte visual e o teatro.pptx
 
Historia da musica atividades
Historia da musica atividadesHistoria da musica atividades
Historia da musica atividades
 
Música, Origem e História
Música, Origem e HistóriaMúsica, Origem e História
Música, Origem e História
 
Arte e música
Arte e músicaArte e música
Arte e música
 
Sintaxe musical
Sintaxe musicalSintaxe musical
Sintaxe musical
 
teoria musical
teoria musical teoria musical
teoria musical
 
8ano 08 atividades de fixacao.pdf de música cpii
8ano 08 atividades de fixacao.pdf de música cpii8ano 08 atividades de fixacao.pdf de música cpii
8ano 08 atividades de fixacao.pdf de música cpii
 

Destaque

Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte MedievalSugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte MedievalAndrea Dressler
 
Arte Medieval - Românica, Bizantina e Gótica
Arte Medieval -  Românica, Bizantina e GóticaArte Medieval -  Românica, Bizantina e Gótica
Arte Medieval - Românica, Bizantina e GóticaAndrea Dressler
 
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e IncaArte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e IncaAndrea Dressler
 
As civilizações pré colombianas
As civilizações pré colombianasAs civilizações pré colombianas
As civilizações pré colombianasAndrea Dressler
 
Origens do Teatro Ocidental
Origens do Teatro OcidentalOrigens do Teatro Ocidental
Origens do Teatro OcidentalAndrea Dressler
 
Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas   Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas Andrea Dressler
 
Apostila musica em 01
Apostila musica em 01Apostila musica em 01
Apostila musica em 01Elvis Live
 
Teatro Medieval e Renacentista
Teatro Medieval e RenacentistaTeatro Medieval e Renacentista
Teatro Medieval e RenacentistaAndrea Dressler
 
Teoria musical para crianças
Teoria musical para criançasTeoria musical para crianças
Teoria musical para criançasneilcraveiro
 
Arte indígena - índios Karajás
Arte indígena - índios KarajásArte indígena - índios Karajás
Arte indígena - índios KarajásAndrea Dressler
 
Apostila infantil - Teoria Musical
Apostila infantil - Teoria MusicalApostila infantil - Teoria Musical
Apostila infantil - Teoria MusicalED FOGAÇA
 

Destaque (20)

Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte MedievalSugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
 
Arte Medieval - Românica, Bizantina e Gótica
Arte Medieval -  Românica, Bizantina e GóticaArte Medieval -  Românica, Bizantina e Gótica
Arte Medieval - Românica, Bizantina e Gótica
 
Arte Bizantina
Arte BizantinaArte Bizantina
Arte Bizantina
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e IncaArte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
 
As civilizações pré colombianas
As civilizações pré colombianasAs civilizações pré colombianas
As civilizações pré colombianas
 
Origens do Teatro Ocidental
Origens do Teatro OcidentalOrigens do Teatro Ocidental
Origens do Teatro Ocidental
 
Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas   Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
 
Apostila musica em 01
Apostila musica em 01Apostila musica em 01
Apostila musica em 01
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
 
Teatro Medieval e Renacentista
Teatro Medieval e RenacentistaTeatro Medieval e Renacentista
Teatro Medieval e Renacentista
 
Arte Egípcia
Arte Egípcia Arte Egípcia
Arte Egípcia
 
Teoria musical para crianças
Teoria musical para criançasTeoria musical para crianças
Teoria musical para crianças
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Arte Pré-Histórica
Arte Pré-HistóricaArte Pré-Histórica
Arte Pré-Histórica
 
Arte indígena - índios Karajás
Arte indígena - índios KarajásArte indígena - índios Karajás
Arte indígena - índios Karajás
 
Apostila infantil - Teoria Musical
Apostila infantil - Teoria MusicalApostila infantil - Teoria Musical
Apostila infantil - Teoria Musical
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 

Semelhante a Teoria Musical - Conceitos Estruturais

Aula de Fabiane Viana Dantas - Educação Musical
Aula de Fabiane Viana Dantas - Educação MusicalAula de Fabiane Viana Dantas - Educação Musical
Aula de Fabiane Viana Dantas - Educação Musicalfabianedantas
 
Curso Básico de Violão Prático
Curso Básico de Violão PráticoCurso Básico de Violão Prático
Curso Básico de Violão PráticoEvertonBorba7
 
Apostila de teoria musical básica - Miguel Urtado
Apostila de teoria musical básica - Miguel UrtadoApostila de teoria musical básica - Miguel Urtado
Apostila de teoria musical básica - Miguel UrtadoPartitura de Banda
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Jorge Oliveira
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]vanalenne
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Luis Silva
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]patti_slip
 
Apostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdfApostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdfRenato Monteiro
 
MÚSICA – As escalas musicais.ppt
MÚSICA – As escalas musicais.pptMÚSICA – As escalas musicais.ppt
MÚSICA – As escalas musicais.pptCarlaMotta9
 
2 aula notao_musical_e_digitao
2 aula notao_musical_e_digitao2 aula notao_musical_e_digitao
2 aula notao_musical_e_digitaoSaulo Gomes
 
Apostila de violao
Apostila de violaoApostila de violao
Apostila de violaoJúlio Rocha
 
Apostila de Teoria -M.Jorge Nobre.pdf
Apostila de Teoria -M.Jorge Nobre.pdfApostila de Teoria -M.Jorge Nobre.pdf
Apostila de Teoria -M.Jorge Nobre.pdfRcivalAlves1
 

Semelhante a Teoria Musical - Conceitos Estruturais (20)

Aula de Fabiane Viana Dantas - Educação Musical
Aula de Fabiane Viana Dantas - Educação MusicalAula de Fabiane Viana Dantas - Educação Musical
Aula de Fabiane Viana Dantas - Educação Musical
 
Teoriamusical
TeoriamusicalTeoriamusical
Teoriamusical
 
Teoria Cintra
Teoria CintraTeoria Cintra
Teoria Cintra
 
Curso Básico de Violão Prático
Curso Básico de Violão PráticoCurso Básico de Violão Prático
Curso Básico de Violão Prático
 
Apostila de teoria musical básica - Miguel Urtado
Apostila de teoria musical básica - Miguel UrtadoApostila de teoria musical básica - Miguel Urtado
Apostila de teoria musical básica - Miguel Urtado
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]
 
Apostilamusica
ApostilamusicaApostilamusica
Apostilamusica
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]
 
Apostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdfApostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdf
 
MÚSICA – As escalas musicais.ppt
MÚSICA – As escalas musicais.pptMÚSICA – As escalas musicais.ppt
MÚSICA – As escalas musicais.ppt
 
As escalas musicais.ppt
As escalas musicais.pptAs escalas musicais.ppt
As escalas musicais.ppt
 
Música 1
Música 1Música 1
Música 1
 
Petilson filho
Petilson filhoPetilson filho
Petilson filho
 
2 aula notao_musical_e_digitao
2 aula notao_musical_e_digitao2 aula notao_musical_e_digitao
2 aula notao_musical_e_digitao
 
Apostila de violao
Apostila de violaoApostila de violao
Apostila de violao
 
Teoria I.pptx
Teoria I.pptxTeoria I.pptx
Teoria I.pptx
 
Apostila de Teoria -M.Jorge Nobre.pdf
Apostila de Teoria -M.Jorge Nobre.pdfApostila de Teoria -M.Jorge Nobre.pdf
Apostila de Teoria -M.Jorge Nobre.pdf
 
Apostila de Música.pdf
Apostila de Música.pdfApostila de Música.pdf
Apostila de Música.pdf
 

Mais de Andrea Dressler

Mais de Andrea Dressler (20)

Pós - Impressionismo
Pós - ImpressionismoPós - Impressionismo
Pós - Impressionismo
 
Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)
 
Impressionismo no Brasil
Impressionismo no BrasilImpressionismo no Brasil
Impressionismo no Brasil
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Academicismo no Brasil: Romantismo e Realismo
Academicismo no Brasil: Romantismo e RealismoAcademicismo no Brasil: Romantismo e Realismo
Academicismo no Brasil: Romantismo e Realismo
 
Op Art
Op ArtOp Art
Op Art
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Expressionismo Abstrato
Expressionismo AbstratoExpressionismo Abstrato
Expressionismo Abstrato
 
Missão Langsdorff no Brasil
Missão Langsdorff no BrasilMissão Langsdorff no Brasil
Missão Langsdorff no Brasil
 
NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro
 
Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
 
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte NeoclássicaNeoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
 
Arte Rococó
Arte RococóArte Rococó
Arte Rococó
 
Movimentos Dadaísmo e Surrealismo
Movimentos Dadaísmo e SurrealismoMovimentos Dadaísmo e Surrealismo
Movimentos Dadaísmo e Surrealismo
 
Arte Barroca no Brasil
Arte Barroca no BrasilArte Barroca no Brasil
Arte Barroca no Brasil
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 

Último

Relatório Ação Saberes Indígenas na Escola - Grupo de Pesquisa Unã Baina
Relatório Ação Saberes Indígenas na Escola - Grupo de Pesquisa Unã BainaRelatório Ação Saberes Indígenas na Escola - Grupo de Pesquisa Unã Baina
Relatório Ação Saberes Indígenas na Escola - Grupo de Pesquisa Unã Bainaifacasie
 
As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...
As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...
As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...excellenceeducaciona
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoPaula Meyer Piagentini
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxssuser86fd77
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEIS
CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEISCIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEIS
CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEISColaborar Educacional
 
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...pj989014
 
Introdução à teoria do cinema - Robert Stam.pdf
Introdução à teoria do cinema - Robert Stam.pdfIntrodução à teoria do cinema - Robert Stam.pdf
Introdução à teoria do cinema - Robert Stam.pdfssuser2af87a
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfalexandrerodriguespk
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...
Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...
Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...Unicesumar
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfkeiciany
 
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfLINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfAnaRitaFreitas7
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...manoelaarmani
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfkeiciany
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfkeiciany
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...manoelaarmani
 
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...Colaborar Educacional
 

Último (20)

Relatório Ação Saberes Indígenas na Escola - Grupo de Pesquisa Unã Baina
Relatório Ação Saberes Indígenas na Escola - Grupo de Pesquisa Unã BainaRelatório Ação Saberes Indígenas na Escola - Grupo de Pesquisa Unã Baina
Relatório Ação Saberes Indígenas na Escola - Grupo de Pesquisa Unã Baina
 
As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...
As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...
As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEIS
CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEISCIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEIS
CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEIS
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
 
Introdução à teoria do cinema - Robert Stam.pdf
Introdução à teoria do cinema - Robert Stam.pdfIntrodução à teoria do cinema - Robert Stam.pdf
Introdução à teoria do cinema - Robert Stam.pdf
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...
Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...
Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
 
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfLINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
 
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
 

Teoria Musical - Conceitos Estruturais

  • 1. ESTRUTURA MUSICAL Professora Andrea Dressler A L G U N S C O N C E I T O S B Á S I C O S S O B R E O S E L E M E N T O S Q U E F A Z E M P A R T E D A E S T R U T U R A M U S I C A L
  • 2. JÁ VIMOS QUE A MÚSICA É UM FENÔMENO UNIVERSAL E NÃO UMA LINGUAGEM UNIVERSA L. OU SEJA, A MÚSICA PODE ESTAR PRESENTE EM QUALQUER LUGAR DO PLANETA, MAS NÃO SE COMUNICA NEM PRECISA SER, NECESSARIAMENTE, COMPREENDIDA DA MESMA FORMA EM TODAS AS PARTES.
  • 3. A P R E N D E M O S Q U E , A N T E S D A M Ú S I C A , E X I S T E O S O M . O S S O N S P O D E M S E R C L A S S I F I C A D O S D E A C O R D O C O M S U A S P R O P R I E D A D E S ( O U Q U A L I D A D E S ) Q U E S Ã O : A A LT U R A , A I N T E N S I D A D E , A D U R A Ç Ã O E O T I M B R E . O S S O N S S Ã O R E P R E S E N TA D O S P E L A S N O TA S M U S I C A I S . E , P O R F I M , V I M O S Q U E PA R A A M Ú S I C A E X I S T I R , T R Ê S E L E M E N T O S B Á S I C O S S E R E L A C I O N A M : A M E L O D I A , O R I T M O E A H A R M O N I A .
  • 4. VAMOS CONHECER AGORA OUTROS CONCEITOS: ELEMENTOS QUE ESTRUTURAM A MUSICA
  • 5. 1. A ESCRITA MUSICAL (OU NOTAÇÃO MUSICAL) Grande parte do desenvolvimento da notação musical deriva do trabalho do monge católico italiano Guido d’Arezzo, durante a Idade Média. Ele criou os nomes pelos quais as notas são conhecidas atualmente (Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si). Os nomes foram retirados das sílabas iniciais do “Hino a São João Batista” , chamado Ut queant laxis. Essas sete notas ouvidas sucessivamente formam uma série de sons aos quais dá-se o nome de escala.
  • 6. 2. O PENTAGRAMA (OU PAUTA MUSICAL) É o sistema de notação com pautas moderno. Consiste em um sistema gráfico que utiliza símbolos escritos sobre uma pauta de 5 linhas paralelas e equidistantes e que formam entre si quatro espaços onde ficam os símbolos que indicam as notas musicais. Exemplo: Por que é tão importante? Por que simboliza a representação da nota musical. Essa nota, por sua vez, representa um único som e sua duração e altura. Além disso pode representar as variações de intensidade, expressão ou técnicas de execução de um instrumento musical. Assim, por meio da pauta, qualquer pessoa em qualquer época pode tocar uma música escrita há muito tempo! E o ritmo? Em um pauta musical, além da indicação das alturas, necessitamos indicar também o tempo de emissão de cada nota, ou seja, o seu ritmo. Para isso usamos as figuras de duração que indicam quanto tempo devemos emitir determinado som.
  • 7. 3. ACENTUAÇÃO MUSICAL O ritmo da música é o que vai determinar o estilo musical (ou gênero), ou seja, se é uma música erudita, se é rock, se é sertanejo, etc. Por isso, depois de saber o tempo de duração de cada som é preciso saber o momento exato em que cada nota deve ser destacada para dar o ritmo da música. Para entender melhor pense em uma música escrita, e não instrumental apenas. Geralmente, quando cantamos uma música as notas que são acentuadas, ou seja, cantadas fortemente, são associadas à acentuação das palavras que compõem sua letra. As acentuações determinam a intensidade do som e alterna-se entre sons fortes e fracos. Essa alternação é chamada de pulsação. Uma pulsação regular pode ter acentuações que se repetem de maneira regular. Por exemplo:
  • 8.  Acentos que se repetem a cada dois pulsos regulares: Vamos comparar essa pulsão com as palavras de 2 sílabas em que a 1ª sílaba é mais forte que a segunda. Por exemplo: Ca sa – Ca ma- Ca rro- Bo la- Ba la etc.  Acentos que se repetem a cada três pulsos regulares: Essa pulsação de 3 em 3 pulsos pode ser comparada a palavras com 3 sílabas onde a primeira sílaba é mais forte que a segunda e terceira. Por exemplo: Cár cere – Sí laba – Mé dico etc.  Acentos que se repetem a cada quatro pulsos regulares: Nas pulsações de 4 em 4 podemos pensar em duas palavras com acento na 1ª sílaba. Por exemplo: Be la casa – Bar co verde – Me sa grande etc. Notou? Ao cantar e enfatizar as sílabas das palavras você está determinando o compasso da música. O mesmo acontece ao tocar as notas musicais.
  • 9. 4. COMPASSO MUSICAL Compasso é uma forma de expressar a regularidade da pulsação. Existem várias fórmulas de compasso:  o compasso de dois tempos e é um compasso binário;  o compasso de três tempos e é um compasso ternário;  o compasso de quatro tempos e é um compasso quaternário; Cada um desses compassos ainda podem ser classificados como simples ou compostos.
  • 10. 5. ESTRUTURA E FORMA MUSICAL Todos esses conceitos apresentados até aqui são importantes para que você saiba identificar em uma música todas as partes que constituem a sua estrutura musical. Toda vez que ouvimos, tocamos ou cantamos uma música, percebemos que ela possui partes que se repetem ou partes que se contrastam. Para entendermos melhor, vamos analisar a cantiga Escravos de Jó: Escravos de Jó jogavam caxangá Tira, bota deixa o Zé Pereira ficar Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá! Nessa cantiga de roda a mesma melodia se repete várias vezes, não é mesmo?
  • 11. As formas musicais podem ser expressas com símbolos gráficos ou com letras do alfabeto. Assim podemos representar a música Escravos de Jó como uma forma A A A (...)  Quando, ao invés de repetir a melodia (a mesma ideia musical), resolvemos criar uma parte contrast ante, a música passa a ter duas partes e então chamamos essa estrutura de forma binária. A forma binária pode ser abreviada pelas letras A (primeira parte) e B (parte contrastante). Então temos uma forma: A B  A forma ternária é uma extensão da forma binária. Também possui uma parte inicial A e uma parte contrastante, a parte B. A diferença é que a música termina com um retorno à parte A. Assim temos: A B A  Além da forma binárias e ternária temos ainda outra que ao invés de possuir somente uma parte contrastante, pode ter mais partes contrastantes. É a chamada forma rondó, que pode ser representada assim: A B A C A D A (...)
  • 12. PRA FIXAR: BINÁRIA AB TERNÁRIA ABA RONDÓ ABACADA
  • 13. 6. TEXTURA (OU TESSITURA) MUSICAL Em música chamamos de textura a maneira como os sons são organizados numa música. Pense num tecido, cheio de fibras e linhas. Na música a textura é como um tecido composto por sons, as linhas, que dão a liga na música e formam o todo  Quando ouvimos só uma pessoa cantando (ou um coro em uníssono) ou um único instrumento soando, dizemos que a música possui uma textura monofônica. Exemplo: canto gregoriano (típico da idade média)  Quando existem mais vozes cantando junto, formando um bloco sonoro único, dizemos que esta música possui uma textura homofônica. Exemplo: uma banda de rock  E quando uma melodia é acompanhada de uma ou mais melodias simultâneas, chamamos de polifônica. Exemplo: os estilos polifônicos mais conhecidos são o cânone e a fuga – do período barroco
  • 14. BIBLIOGRAFIA A P O S T I L A D E M Ú S I C A D O P O R T A L D E E D U C A Ç Ã O M U S I C A L D O C O L É G I O P E D R O I I E L A B O R A D O P O R : P R O F ª M Ô N I C A L E M E P R O F ª M I L E N A T I B Ú R C I O P R O F ª I S A B E L C R I S T I N A B O R G E S D E M E D E I R O S