Unidade 5 parte 1

464 visualizações

Publicada em

Curso de Economia Monetária

Publicada em: Economia e finanças
  • Seja o primeiro a comentar

Unidade 5 parte 1

  1. 1. 14/07/2014 1 Modelo IS-LM: Política Fiscal e Monetária Unidade 5 – Parte 1 Profa. Gisele F.Tiryaki ECO 174 – Economia Monetária FCE/UFBA Sumário  O Modelo IS-LM  Pressupostos Básicos  Curva IS  Curva LM  Pleno Emprego  Políticas econômicas e choques de produtividade no modelo IS-LM  Aplicação do Caso Clássico ao modelo IS-LM  Política monetária quando a moeda não é neutra  O Modelo IS-LM em uma Economia Aberta  O modelo Mundell-Fleming: taxas fixas vs. taxas flutuantes  Mobilidade imperfeita: taxas fixas vs. taxas flutuantes  O modelo de Dornbush
  2. 2. 14/07/2014 2 Modelo IS-LM Introdução  Ortodoxia clássica:  Dicotomia clássica: variáveis reais, como produção e emprego, não são afetadas por variáveis nominais, como a moeda e preços  O mecanismo de ajuste de preços permite o equilíbrio entre oferta e demanda  Problemas: Como justificar a existência de desemprego involuntário? Qual a justificativa para as flutuações na demanda agregada,que são a fonte central das flutuações na atividade econômica no curto prazo?
  3. 3. 14/07/2014 3 Introdução  Keynes: aspectos essenciais  Não existe uma tendência automática ao pleno emprego  Demanda efetiva versus demanda realizada  O nível de emprego depende do consumo esperado e dos novos investimentos esperados (perspectiva ex-ante dos empresários): renda realizada atual  Firmas tomam as decisões fundamentais numa economia capitalista  Consumo: função da renda atual e esperada (variável psicológica)  Investimento: função da eficiência marginal do capital e da taxa de juros  Importância das expectativas dos agentes econômicos no ambiente econômico dominado pela incerteza:“animal spirits”  Mercados: mecanismos rígidos e imperfeitos  Importância da política econômica na determinação da demanda efetiva Introdução  Síntese Neoclássica:  Re-construção da teoria clássica:“filtragem” do modelo de Keynes  Explicação única para os problemas da ortodoxia clássica: “preços nominais” são rígidos no curto prazo  Demais aspectos da análise semelhantes à ortodoxia clássica: mercados competitivos, ausência de externalidades e informação perfeita  Salário nominal: o mais relevante dentre os “preços nominais”  Problema: Porque a rigidez de salário nominal persiste em um ambiente competitivo, sem falhas de mercado?A síntese neoclássica não provém justificativa...
  4. 4. 14/07/2014 4 Introdução  Síntese Neoclássica:  Expoentes: Hicks (1937), Hansen (1953), Patinkin (1948, 1956)  Modelo IS-LM: estabelece a conexão entre (i) a taxa de juros estabelecida no mercado de ativos financeiros e (ii) o nível de produção de uma economia determinado no mercado de bens e serviços  Conclusões centrais:  Tendência de longo prazo ao pleno emprego  Armadilha pela liquidez: modelo de Keynes como caso especial Modelo IS-LM  Pressupõe a existência de equilíbrio geral: oferta e demanda no mercado de bens e serviços e no mercado de ativos financeiros estão em equilíbrio simultaneamente  Mercados de bens: comercialização de todas os bens produzidos em uma economia em determinado momento  Mercado monetário: comercialização de ativos utilizados enquanto meio de troca ou de pagamento (moeda, depósitos à vista e outros substitutos próximos para a moeda)  Mercado de ativos não-monetários: comercialização de outros ativos, exceto moeda, que são utilizados enquanto reserva de valor (ações, títulos, residências, etc)  Variáveis básicas do modelo: produção (Y) e taxa de juros esperada  Assume-se nível de preços fixo: curto prazo
  5. 5. 14/07/2014 5 Curva IS  Definição: mostra o equilíbrio no mercado de bens e serviços produzidos em uma economia em um determinado período de tempo  Gastos totais em uma economia fechada: Y = C + I + G Y – C – G = I SP + SG = I S = I Determinantes da Poupança e do Investimento  Poupança Nacional  Poupança das unidades familiares:  Nível de renda atual disponível  Nível de renda futura esperada  Riqueza  Taxa real de juros esperada  Poupança governamental  Investimento: investimento fixo + investimento em estoques  Rentabilidade esperada do capital  Taxa real de juros esperada  Taxa efetiva de impostos
  6. 6. 14/07/2014 6 Curva IS: Especificação Geral  Combinações de produto e taxas de juros que levem ao equilíbrio entre a renda e o dispêndio planejado (E) Renda=Y e E = C + I + G, onde C = f(i – πe,Y –T), I = f(re) e re = i – πe Logo: E = E(Y, i – πe, G,T) 0< EY < 1; Er < 0; EG > 0; ET < 0 “Cruz Keynesiana” 45º Y E E = E(Y, i – πe, G, T) A O que acontece com o equilíbrio (Y = E) se a taxa nominal de juros é elevada (dG = dT = 0)? Y*Y** A’
  7. 7. 14/07/2014 7 A Curva IS – Diagrama Y i IS Y > E E > Y Taxas de juros elevadas: retornos em projetos de investimento tendem a ser menores que o custo dos recursos de terceiros necessários para implementar o projeto; custo de oportunidade do consumo é elevado Taxas de juros são inversamente relacionados com o investimento e com o consumo, particularmente de bens duráveis Deslocamentos da Curva IS  Variações...  Gastos do governo com bens e serviços  Nível de impostos  Taxa esperada de inflação  Disposição a consumir das unidades familiares  Rentabilidade esperada do capital
  8. 8. 14/07/2014 8 Deslocamentos da Curva IS – Diagrama Y i IS IS’ IS” Curva IS: Economia Aberta  Dispêndio planejado: depende da demanda estrangeira por bens e serviços produzidos no mercado doméstico  Nível de renda no mercado internacional (Y*)  Taxas de câmbio (ε): inversamente relacionadas com a taxa de juros (Efeito Fisher Internacional)  Logo... Y = E(Y, i – πe, G,T,Y*, ε) Onde EY* > 0 e Eε > 0
  9. 9. 14/07/2014 9 A Curva LM  Representa o equilíbrio no mercado monetário: alocação de portfólio  Mercado por moeda (base monetária)  Mercado por outros ativos DM + DO =W (riqueza total) OM + OO =W Equilíbrio: DM – OM = OO – DO Derivando a Curva LM i M/P MS )( 11 YM D )( 22 YM D )( 33 YM D Elevações no nível de renda, dada a oferta de moeda, deslocam a curva de demanda por moeda para a direita e elevam a taxa de juros PM  Yif P M S ,
  10. 10. 14/07/2014 10 A Curva LM – Diagrama Y i LM OM > DM DM > OM  Yif P M , Curva LM: Deslocamentos da Curva LM  Fatores:  Política Monetária  Mas os bancos centrais trabalham com metas de taxas de juros, e não estoque de moeda!!!  Romer (2000) vs. Mankiw (2007)  Variações na demanda por encaixes reais  Variações no nível de preços  Variações na taxa de inflação esperada: lembrem-se que i = r + πe
  11. 11. 14/07/2014 11 Deslocamentos da Curva LM – Diagrama Y i LM LM” LM’ A Linha de Pleno Emprego  Produção atual:  Estoque de capital disponível: investimento acumulado ao longo do tempo  Uso de fatores de produção variáveis (e.g. trabalho)  Produção em pleno emprego: nível de produção alcançado quando se utiliza todos os fatores de produção disponíveis  Determinante: variações na produtividade dos fatores de produção em utilização
  12. 12. 14/07/2014 12 A Linha de Pleno Emprego– Diagrama Y i PE PE’PE” Equilíbrio Geral Y i LM IS Y* i* PE
  13. 13. 14/07/2014 13 Política Fiscal – “Crowding Out” Y i LM IS Y* i* PE LM’ 1 2 IS’ 3 Aumento em G: IS se desloca para a direita (1 para 2) Ponto 2: elevação da taxa de juros é acompanhada por aumento em Y (movimento ao longo da LM) * Y > Y* (pressão por aumento de preços) i** * Aumento de preços: reduz M/P , deslocando LM (2 para 3) * Elevação na taxa de juros reduz C e I (2 para 3 na IS) “Crowding Out” pressupõe a existência de pleno emprego!! Política Monetária Operação de compra de títulos no mercado aberto pelo Bacen: Aumento em OM: LM se desloca para a direita, levando a uma redução nas taxas de juros Ponto 2: a queda na taxa de juros estimula C e I, fazendo com que Y > Y* (pressão por aumento de preços) * Aumento de preços: reduz M/P (2 para 1) Com pleno emprego, a moeda é neutra: política monetária não tem impacto real sobre a economia!! Y i LM IS Y* i* PE LM’ 1 2
  14. 14. 14/07/2014 14 Choques de Produtividade Y i LM IS Y* i* PE LM’ 1 2 Redução no preço de energia: PE se desloca para a direita Ponto 2: redução da taxa de juros leva ao desequilíbrio no mercado de moeda (DM > OM) PE’ Y** i** Ponto 2: aumento em Y reduz nível de preços * Redução na taxa de juros: aumento em C e I (1 para 2) * Redução de preços: eleva M/P (1 para 2) Política Fiscal – Monetização de Déficits  Sem pleno emprego e com preços rígidos...  Não há, necessariamente,“crowding out”  É possível que as taxas de juros não cresçam: acomodação com a política monetária Y i LM IS Y1 i* LM’ 1 2 IS’ Y2
  15. 15. 14/07/2014 15 O Caso Clássico  Demanda por moeda é perfeitamente inelástica em relação à taxa de juros: Curva LM é vertical  Teoria quantitativa da moeda: MV = PY ou  Implicação: a moeda é neutra e a política fiscal não tem impacto sobre a renda Equação de Troca (Irving Fisher) Política Monetária – O Caso Clássico Y i IS i* LM LM’ 2 1 i** Política monetária tem um impacto máximo sobre a renda, mas esse impacto é temporário! A expansão em OM, leva a um aumento no nível de preços, reduzindo (M/P). Efeito Fisher: no longo prazo, variações em OM não afetam variáveis reais. Y*YPE
  16. 16. 14/07/2014 16 Política Fiscal – O Caso Clássico Y i IS i* LM IS’ 2 1 i** Política fiscal não tem impacto sobre a renda, mas como o nível de produção em equilíbrio é fixo, o aumento em G tem que ser compensado por reduções em C e I Existe “Crowding Out” completo!! YPE Armadilha da Liquidez  A curva LM é horizontal a níveis baixos da taxa de juros  O público está preparado para absorver qualquer volume de moeda que for ofertado  As taxas de juros estão tão baixas que se espera que elas cresçam no futuro  O público absorve qualquer volume de moeda porque não é interessante investir em títulos no presente, somente no futuro, quando as taxas de juros se elevarem
  17. 17. 14/07/2014 17 Política Monetária – Armadilha da Liquidez Operação de compra de títulos no mercado aberto pelo Bacen: Aumento em OM: LM se desloca para a direita, mas a taxa de juros já está tão baixa, provavelmente próxima a zero, que não leva a reduções futuras da taxa de juros A política monetária não tem impacto sobre a economia real!! Y i LM IS Y* i* LM’ YPE Política Fiscal – Armadilha da Liquidez Y i LM IS Y* i* Aumento em G: IS se desloca para a direita, mas não há elevação da taxa de juros. Não ocorre “Crowding Out”!! IS’ Y** YPE
  18. 18. 14/07/2014 18 Limitações da Síntese Neoclássica  Não desenvolve um modelo que justifique a rigidez nominal  Não incorpora expectativas à sua análise (Crítica de Lucas)  Choque monetário que afete a curva LM pode deslocar a curva IS em função das expectativas (racionais) dos agentes econômicos: resultado final é indeterminado  Não há justificativa para a ocorrência simultânea de inflação e desemprego: OECD durante os anos 70 Questão  Utilize o Modelo de IS-LM, assumindo que a economia está abaixo do pleno emprego (ou seja, ignorando a linha de pleno emprego), para demonstrar as diferenças entre uma política de metas de taxas de juros e uma política de metas monetárias.  Com base na análise acima, é possível explicar a recente tendência das políticas monetárias de estabelecerem metas para taxas de juros?
  19. 19. 14/07/2014 19 Metas de Taxas de Juros vs. Agregados Monetários Y i LM IS* i* IS’ IS” O que acontece quando a curva IS é instável e a curva LM é estável (a demanda por moeda é estável)? Meta de taxa de juros: Se o BC quer atingirY*, vai tentar operar com taxa de juros i* (meta) * Sempre que IS flutuar, o BC vai comprar e vender títulos para manter i* * Produção varia entreY” eY’, ao invés deY1 eY2 Y*Y” Y’Y1 Y2 Metas de taxas de juros leva a grande volatilidade na produção! Metas de Taxas de Juros vs. Agregados Monetários Y i LM IS* i* IS’ IS” O que acontece quando a curva IS é instável e a curva LM é estável (a demanda por moeda é estável)? Meta de Agregados Monetários: nesse caso, LM é mantida fixa * Sempre que IS flutuar, produção varia entreY1 eY2 Y*Y1 Y2 Metas de agregados monetários leva a menor volatilidade na produção!
  20. 20. 14/07/2014 20 Metas de Taxas de Juros vs. Agregados Monetários Y i LM IS* i* O que acontece quando a curva IS é estável e a curva LM é instável (a demanda por moeda é instável)? Meta de taxa de juros: Se o BC quer atingirY*, vai tentar operar com taxa de juros i* (meta) * Sempre que LM flutuar em função de variações inesperadas na demanda por moeda, o BC vai comprar e vender títulos para manter a meta i* * Produção mantém-se emY* Y* Metas de taxas de juros leva a pequena volatilidade na produção, muito embora a oferta monetária flutue! LM’ LM” Metas de Taxas de Juros vs. Agregados Monetários Y i LM IS* i* O que acontece quando a curva IS é estável e a curva LM é instável (a demanda por moeda é instável)? Meta de agregados monetários: O BC vai manter a oferta monetária fixa * LM flutua em função de variações inesperadas na demanda por moeda * Produção varia entreY’ eY” Y* Metas de agregados monetários leva a maior volatilidade na produção! LM’ LM” Y”Y’
  21. 21. 14/07/2014 21 Modelo IS-LM em uma Economia Aberta Economia Aberta  Poupança nacional pode financiar investimento doméstico e externo Y = C + I + G + (X – M) ouY – C – G = I + (X – M) S = I + (X – M) X – M investimento estrangeiro líquido
  22. 22. 14/07/2014 22 Economia Aberta  Relembrando a paridade da taxa de juros: quando ativos domésticos e estrangeiros são substitutos perfeitos (ausência de oportunidades de arbitragem)† onde † Exceções: custos de transação, riscos de default, risco político, legislação discriminatória (risco país) Economia Aberta  Balanço de Pagamentos: ∆R =TC + CK, ondeTC = (X – M) +Tr ∆R =Variação nas reservas TC = compra/venda de bens & serviços CK = compra/venda de ativos Determinantes de (X – M)? Determinantes de CK? Y, Y*, e i, i*
  23. 23. 14/07/2014 23 A Curva BP  Curva BP: ∆R = NX(Y,Y*, e) + k(i, i*)  Combinações de i,Y de forma que CC + CK = 0  Inclinação: positiva?  Grau de mobilidade  Tamanho da economia A Curva BP i BP Y BPLIVRE BPRESTRITA Mobilidade Imperfeita
  24. 24. 14/07/2014 24 A Curva BP i BP Y ∆R < 0 ∆R > 0 Economia Aberta  Relembrando... Curva IS: Y = E(Y,Y*, i – πe, G,T, εP*/P) Curva LM: Curva BP: ∆R = NX(Y,Y*, εP*/P) + k(i, i*) = 0  Yif P M ,
  25. 25. 14/07/2014 25 Equilíbrio Geral – Economia Aberta Y i LM IS Yeq ieq BP Modelo de Mundell-Fleming  Pressupostos:  Mobilidade de capital perfeita  Taxa de câmbio fixa: investidores não esperam que haja variações na taxa de câmbio i = i*  Implicações:  Curva LM: (M/P) = L(i*,Y)  Curva IS: E(Y,Y*, i* – πe, G,T, εP*/P)  Curva BP: perfeitamente elástica
  26. 26. 14/07/2014 26 Política Monetária? Y i LM IS Yeq i* BP LM’ 1 2 Política monetária expansionista: * Pressão para redução na taxa de juros * Para manter o câmbio fixo, a oferta de moeda tem que declinar Política Fiscal? Y i LM IS Yeq i* BP LM’ 1 2 IS’ 3 Política fiscal expansionista: * Elevação dos gastos do governo desloca a IS para a direita * A pressão para aumento na taxa de juros leva à entrada de capital até que a taxa de juros retorne ao equilíbrio * Para que o câmbio seja mantido fixo, a oferta de moeda tem que se elevar
  27. 27. 14/07/2014 27 O que Aconteceria se as Taxas de Câmbio Fossem Flexíveis?  Assuma agora:  Mobilidade de capital perfeita: i = i*  Taxa de câmbio flexível  Implicações:  Curva LM: (M/P) = L(i*,Y)  Curva IS: E(Y,Y*, i* – πe, G,T, εP*/P)  Curva BP: perfeitamente elástica Política Monetária? Y i LM IS Yeq i* BP LM’ 1 2 3 IS’ Política monetária expansionista: * Deslocamento da curva LM faz com que i* > i * Estímulo à saída de capital do país, depreciando a taxa de câmbio * Elevação nas exportações faz com que a curva IS se desloque para a direita
  28. 28. 14/07/2014 28 Política Fiscal? Y i LM IS Yeq i* BP 1 2 IS’ Política fiscal expansionista: * Deslocamento da curva IS faz com que i* < i * Estímulo à entrada de capital do país, apreciando a taxa de câmbio * Redução nas exportações líquidas faz com que a curva IS se desloque para a posição inicial Em Resumo...  Na presença de mobilidade perfeita: i = i*  Com taxas de câmbio fixas:  Política monetária é inócua  Política fiscal influencia a demanda agregada e tem impacto real  Com taxas de câmbio flutuantes:  Política monetária tem efeito real  Política fiscal é inócua
  29. 29. 14/07/2014 29 Problemas com o Modelo de Mundell- Fleming  Assume-se que as expectativas são estáticas:  Pressuposto irreal se as taxas de câmbio são flexíveis: erros sistemáticos Quando i > i*: só é possível se existe a expectativa de depreciação da moeda nacional Adaptando a Análise do Modelo de Mundell- Fleming  Mobilidade de capital imperfeita: possibilidade de i ≠ i*  Curva BP: inclinada positivamente e desloca-se em função de políticas fiscal ou monetária (exceção: quando o Banco Central estabelece um regime de câmbio fixo)  Caso 1:Taxa de Câmbio Fixa/Política Monetária  Caso 2:Taxa de Câmbio Fixa/Política Fiscal  Caso 3:Taxa de Câmbio Flutuante/Política Monetária  Caso 4:Taxa de Câmbio Flutuante /Política Fiscal
  30. 30. 14/07/2014 30 Taxa de Câmbio Fixa/Política Monetária Y i LM IS Yeq i* BP LM’ 1 2 * Redução na taxa de juros e saída de capitais do país (ΔR < 0) * Pressão para a depreciação da taxa de câmbio * Para que o câmbio mantenha-se fixo, o banco central tem que reduzir a oferta de moeda Política monetária expansionista Taxa de Câmbio Fixa/Política Fiscal Y i LM IS Yeq i* BP LM’ 1 2 IS’ 3 Ponto 2: taxa de juros é inferior ao nível que manteria o equilíbrio externo (ΔR < 0) * Para restabelecer o equilíbrio, é necessário uma política monetária restritiva Novo equilíbrio: ponto 3 Política fiscal expansionista
  31. 31. 14/07/2014 31 Em Resumo  Baixa mobilidade de capital e câmbio fixo:  A curva BP não se desloca, pois taxas de câmbio mantêm-se inalteradas  Política monetária é inócua  Política fiscal tem efeitos reais Taxa de Câmbio Flutuante/Política Monetária Y i BP’ IS Yeq i* BP LM’ 1 2 IS’ LM 3 Política monetária expansionista * Redução na taxa de juros: deslocamento ao longo da curva IS * Depreciação do câmbio * Estímulo ao investimento e consumo e às exportações: curva IS se desloca * Curva BP se desloca para reestabelecer o equilíbrio
  32. 32. 14/07/2014 32 Taxa de Câmbio Flutuante/Política Fiscal Y i BP’ IS Yeq i* BP IS” 1 2 IS’ LM 3 Ponto 2: taxa de juros é inferior àquela que equilibraria o setor externo * Depreciação da moeda * NX se eleva, deslocando a curva IS e a curva BP Política fiscal expansionista Em Resumo  Baixa mobilidade de capital e câmbio flutuante:  A curva BP se desloca em resposta a variações na balança comercial, restabelecendo o equilíbrio  Política monetária e política fiscal têm efeitos reais

×