Trabalho variaveis macroeconomicas

8.868 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.868
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
66
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho variaveis macroeconomicas

  1. 1. 1
  2. 2. 2
  3. 3. 3
  4. 4. Introdução Este trabalho tem como objetivo apresentar de forma clara e objetiva as variáveis macroeconômicas, nas quais se relacionam de forma que um afete aos outros. Essas variáveis afetam o crescimento econômico, a inflação, o comércio exterior, e a distribuição de renda. 4
  5. 5. 1.Variáveis Macroeconômicas São variáveis econômicas que influenciam o país como um todo. Por exemplo: * Taxa de Juros (no caso do Brasil, a Selic) * Taxa de Desemprego * Taxa de Inflação * Taxa de cambio * PIB dentre outras. 1.1 Taxa de juros Segundo a economia, Taxa de juro é o chamado custo do dinheiro, o que é cobrado para emprestá-lo, basicamente. A taxa de juros básica de uma economia é fixada pelo Banco Central do país, através de títulos do Governo (e não através de decretos, por exemplo). Essa taxa, entretanto, difere da taxa de juros corrente nos bancos e financiadoras, por exemplo. Essas instituições cobram uma diferença para essa taxa, basicamente condicionada ao risco que têm em emprestar dinheiro. Como o Governo é o mais confiável pagador que um país pode ter (se assim não o for, o país está em forte crise econômica), emprestar para outros representa um risco maior (pode ser um pouco maior ou muito maior). Além disso, o empréstimo estará condicionado a impostos, seguros, entre outras taxas. Baixar muito as taxas de juros pode provocar, dependendo da situação do país, inflação. Grosso modo, a redução das taxas provoca um aumento do consumo, já que fica mais fácil financiar bens. Assim, se um país não está preparado para esse aumento de demanda, os bens podem escassear e provocar um aumento de preços. Em Economia, uma regra básica é: quanto mais difícil de encontrar um produto, mais seu preço tende a subir. A taxa de juros é função da oferta de moeda em relação à demanda, que é controlada pelo governo através da emissão de títulos. O governo, ao vender títulos aumenta a oferta de títulos no mercado, diminuindo o preço destes, o que acaba por aumentar a demanda por esses títulos que, ao serem vendidos, retiram moeda da economia, aumentando a taxa de juros. De forma inversa, ao comprar títulos o governo diminui a oferta de títulos no mercado e eleva o preço destes, aumentando a oferta de moeda na economia e por consequência baixando a taxa de juros. O aumento da taxa de juros ou a queda da taxa de juros tem impacto na economia na medida em que interfere na expectativa de lucro dos empresários através da demanda agregada. 5
  6. 6. 1.2 - Taxade inflação A Inflação representa o crescimento contínuo e generalizado dos preços dos bens. Ou seja, se você ganha "x" e os preços dos produtos que você consome passam a subir desenfreadamente, e o seu salário "x" continua o mesmo, o que você vai notar é uma perda de valor do seu salário. Se antes "x" comprava "y" produtos, hoje, com a inflação, "x" só compra "y-z" produtos. Em outras palavras, a taxa de inflação é a taxa do decréscimo do poder de compra da moeda. Geralmente, a taxa inflacionária é utilizada para calcular a taxa de juro real e também o aumento real dos salários, embora, não raramente, o aumento deste último (salários) seja reajustado abaixo da taxa de inflação. Existem, basicamente, dois métodos gerais de cálculo de taxas de inflação: um utiliza um período base de um ano para, a partir desse período base, calcular-se a inflação referente a esse período. Ou seja, a taxa de inflação será o aumento ocorrido em todo o período de um ano nos preços dos bens e serviços. O outro método é o que utiliza não um período base, mas um encadeamento de medições ao longo do tempo, sendo a taxa de inflação a soma dessas medições. Portanto, numa economia de mercado, os preços dos bens e serviços não são tabelados. Por isso eles podem mudar. Alguns preços sobem, outros descem. Dá-se a inflação quando se verifica um aumento geral dos preços dos bens e serviços e não quando apenas o preço de um determinado artigo subiu. Imagine o seguinte: as famílias têm os seus hábitos de consumo próprios: umas possuem automóveis e comem carne, outras utilizam apenas os transportes públicos e são vegetarianas. A ponderação dos vários produtos e serviços na medida da inflação é determinada em função da média da despesa de consumo do conjunto dessas famílias. Assim, na medição da inflação leva-se em conta todos os bens e serviços consumidos pelas famílias, o que inclui o consumo das famílias ricas e pobres, não interessando em que patamar subiram (ou desceram) os produtos consumidos por uma ou outra família. Em outras palavras, isso quer dizer que os bens e serviços consumidos pelas famílias ao longo do ano são representados por uma "cesta" de produtos, que têm os seus preços (aumentados ou diminuídos) considerados para efeito da formação da taxa de inflação no período. 1.3 - Taxa de desemprego A taxa de desemprego representa a proporção de pessoas capazes de exercer uma profissão e que procuram um emprego remunerado, mas que, por diversas razões, não entram no mercado de trabalho. Também podem estar incluídos na taxa de desemprego aqueles que exercem trabalhos não remunerados. A taxa de desemprego é o número dos trabalhadores desempregados dividido pela força de trabalho total. 6
  7. 7. Na prática, medir o número de trabalhadores desempregados que procuram emprego é notoriamente difícil. Há diversos métodos diferentes para medir o número de trabalhadores desempregados. Cada método utiliza suas próprias polarizações e sistemas diferentes para fazer e comparar estatísticas do desemprego entre os países, em especial aqueles com sistemas diferentes. uma Entretanto, a taxa de desemprego difere de país para país, porque cada um sofre conjuntura diferente e é sujeito a condições estruturais diferentes. 1.4 - Taxa de cambio A taxa de câmbio pode ser definida em termos diretos (ao incerto) ou em termos indiretos (ao certo). A taxa de câmbio está definida em termos diretos quando exprime o preço de uma unidade monetária estrangeira em unidades monetárias de moeda nacional (exemplo: a taxa de câmbio USD/EUR está definida de forma direta para os habitantes da zona euro; ou está definida de forma indireta para os habitantes dos EUA). A taxa de câmbio está definida de forma indireta quando exprime o preço de uma unidade monetária de moeda nacional em unidades monetárias de moeda estrangeira (exemplo: taxa de câmbio EUR/USD está definida em termos indiretos para os habitantes da zona euro, pois exprime o preço de 1 unidade monetária nacional, o euro, em unidades monetárias de moeda estrangeira, o dólar). A taxa de câmbio reflete, assim, o custo de uma moeda em relação a outra, dividindo-se em taxa de venda e taxa de compra. Pensando sempre do ponto de vista do banco (ou outro agente autorizado a operar pelo Banco Central), a taxa de venda é o preço que o banco cobra para vender a moeda estrangeira (a um importador, por exemplo), enquanto a taxa de compra reflete o preço que o banco aceita pagar pela moeda estrangeira que lhe é ofertada (por um exportador, por exemplo). Portanto, o câmbio é uma das variáveis mais importantes da macroeconomia, sobretudo no que se refere ao comércio internacional. Quando se deseja negociar ativos de um país para outro, quase invariavelmente temos de mudar a unidade de conta do valor desses ativos – da moeda doméstica para a moeda estrangeira. Nesse sentido, pode-se definir a taxa de câmbio de um país como o número de unidades de moeda de um país necessário para se comprar uma unidade de moeda de outro país. Em outras palavras, é o preço de uma moeda em termos de outra. 1.5 - PIB PIB (Produto Interno Bruto) é a soma de todos os serviços e bens produzidos num período (mês, semestre, ano) numa determinada região (país, estado, cidade, continente). O PIB é expresso em valores monetários (no caso do Brasil em Reais). Ele é um importante indicador da atividade econômica de uma região, representando o crescimento econômico. Vale dizer que no cálculo do PIB não são considerados os insumos de produção (matérias-primas, mão-de-obra, impostos 7
  8. 8. energia). A Fórmula para o cálculo do PIB de uma região é a seguinte: PIB = C+I+G+X-M. Onde, C (consumo privado), I (investimentos totais feitos na região), G (gastos dos governos), X (exportações) e M (importações). O PIB per capita (por pessoa), também conhecido como renda per capita, é obtido ao pegarmos o PIB de uma região, dividindo-o pelo número de habitantes desta região. O PIB do Brasil no ano de 2009, em valores correntes, foi de R$ 3,143 trilhões (recuo de 0,2 % sobre o ano de 2008) 8
  9. 9. Conclusão Graças à oportunidade cedida pela professora Christine Carvalho para a realização deste trabalho foi possível um maior entendimento sobre o tema, variáveis macroeconômicas, cujos são fatores que podem ser medidos e que influenciam economicamente o comportamento do mercado, tanto de forma positiva quanto negativa, apresentando também influencia muito forte no desempenho das organizações. 9
  10. 10. Referências Bibliográficas VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de. Economia: micro e macro. – 5ª. Ed. – São Paulo: Atlas, 2011. Referências Complementares http://pt.wikipedia.org/wiki/Taxa_de_juro http://www.notapositiva.com/dicionario_gestao/taxa_juro.htm http://www.notapositiva.com/dicionario_economia/inflacao.htm http://pt.wikipedia.org/wiki/Infla%C3%A7%C3%A3o http://pt.wikipedia.org/wiki/Taxa_de_desemprego http://www.suapesquisa.com/o_que_e/pib.htm 10

×