Aula 3 macro- modelo clássico

16.625 visualizações

Publicada em

Macroeconomia

1 comentário
19 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.625
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
401
Comentários
1
Gostaram
19
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 3 macro- modelo clássico

  1. 1. 1 MACROECONOMIA
  2. 2. 2 A Teoria Clássica AULA 03
  3. 3. 3 A Teoria Clássica: Pressupostos 1- Economia trabalha ao nível de pleno emprego- visão de longo prazo 2-Flexibilização de preços e salários- ajuste automático ao pleno emprego - “mão invisível” : Cenário: concorrência perfeita 3-Foco na Oferta: Lei de Say- “A oferta cria sua própria procura”. Oferta determinada pela disponibilidade de fatores de produção e pela tecnologia.Combinação ótima gerava a renda suficiente para demandar a produção dada.
  4. 4. 4 A Teoria Clássica: Pressupostos 4- Tese da neutralidade da moeda: O oferta de moeda não influencia o emprego e a produção, apenas atua no aumento da demanda e elevação dos preços . Teoria quantitativa da moeda: MV=PT V e T constantes,logo aumento de M implicará em aumento de P. Relação direta e proporcional.
  5. 5. 5 A Teoria Clássica: O Modelo • Determinação da Oferta agregada Clássica • Oferta: Quantidade de produto que é oferecido num determinado período de tempo a um determinado preço • Y= f (T, N,K): Função de produção, sendo T= Terra, N= Trabalho e K= Capital
  6. 6. 6 A Teoria Clássica: O Modelo y N Produção cresce a taxas decrescentes se um fator é variável ( no exemplo , o N ) e demais constantes. Porque isso acontece? Porque a produtividade marginal de qualquer fator de produção é decrescente
  7. 7. 7 A Teoria Clássica: O Modelo • Equilíbrio no Mercado de Trabalho w/p N © Oferta de trabalho ( Ns) superior a demanda por trabalho (Nd),o salário real ( W/P ) cai , até o nível de equilíbrio, ou seja w/p= pmgN Não existe desemprego involuntário É o mercado de trabalho, e não o mercado de bens e serviços que determina o nível de emprego. Ns Nd w/pe= pmgN Ne © Nd Ns
  8. 8. 8 A Teoria Clássica: O Modelo • A oferta no modelo Clássico Y OA é inelástica com relação aos preços. Alteração na oferta de bens e serviços só podem ser obtidas por mudanças nas variáveis reais da economia ( terra, capital, nível de emprego, salário real , produtividade marginal do trabalho, aumento da população ), ou seja tudo o que interfere na função de produção. Sendo : AO= oferta agregada nominal Y- renda nominal P= nível geral de preços P OA
  9. 9. 9 A Teoria Clássica: O Modelo A demanda Agregada Clássica Base: Teoria Quantitativa da Moeda MV = PT Sendo M= oferta de moeda, V = velocidade de circulação da moeda ( constante no c/p ), P= nível geral de preços e T= Nível da atividade econômica ( constante no c/p) Recursos Produto
  10. 10. 10 A Teoria Clássica: O Modelo Um aumento de M eleva o consumo,porque as pessoas desejam se livrar do excesso de moeda , como o produto é fixo no curto prazo, então os preços se elevam para alcançar o equilíbrio. M e P tem relação direta e proporcional Recursos Produto MV = PT
  11. 11. 11 A Teoria Clássica: O Modelo • A demanda Agregada Clássica Y P OA DA= f ( M0,V0) DA= f ( M1,V1)P0 P1 A demanda agregada por bens e serviços depende da oferta monetária real da economia . Se houver aumento de M a DA se expandirá. DA se expandindo determinará aumento dos preços e não do produto real ( Y) A demanda não se constitui uma restrição à expansão da oferta agregada ( Lei de Say)
  12. 12. 12 A Teoria Clássica: O Modelo • O princípio da Neutralidade da Moeda • Proposição segundo a qual as alterações na oferta de moeda não afetam as variáveis reais da economia ( cf slide anterior) • M DA P • É a tese da dicotomia clássica entre o lado real e nominal da economia . • Demanda agregada tem papel passivo na determinação do produto . É dependente da oferta de moeda. E essa( demanda agregada), por sua vez, é neutra na determinação da oferta agregada da economia
  13. 13. 13 • Poupança, Investimento e Taxa de juros no Modelo Clássico • S= f (i) e C= f(i) • i= taxa de juros é o prêmio pela espera , custo de oportunidade do consumo atual • Quanto maior i , mais caro o consumo presente. Logo, aumento de i, reduz o consumo e aumenta a poupança . • I= f( i) , sendo i= custo de oportunidade na imobilização da produção .Comparada a eficiência marginal do capital ( EMC é decrescente) Quanto maior i mais caro o investimento atual (melhor aplicar em títulos) Variáveis Variação com i i Por quê? C inversa Consumo atual é caro S direta Prêmio de se deixar de consumir hoje é mais atraente I inversa Custo do Invest. produtivo é alto A Teoria Clássica: O Modelo
  14. 14. 14 • Poupança, Investimento e Taxa de juros no Modelo Clássico • A taxa de juros não é afetada pela política monetária . Ela depende da eficiência marginal do capital e das preferências intertemporais dos indivíduos ( prêmio). • As decisões de S e I não são afetadas pela política monetária. • A taxa de juros, no modelo clássico, tem a função de equilibrar o mercado de produtos. • A poupança determina o I através da i S= I S (i) I (i) ie S=I S1 (i) ie1 Se a poupança aumentou ( deslocamento de S para S1), a taxa de juros cai ( mais recursos são oferecidos) em conseqüência o nível de I aumenta equilibrando S e I num novo patamar S1=I A Teoria Clássica: O Modelo
  15. 15. 15 C= f( Yd, i) S= f (Yd, i) Yd= Y-T No equilíbrio : S(Y-T,i) +T= I (i) + G S + T S+T= I+G i0 Fontes de recursos Gastos ( demanda de recursos) I + G •Introduzindo o governo no Modelo Clássico Sendo T = tributos (arrecadação) e G= gastos do Governo) A Teoria Clássica: O Modelo
  16. 16. 16 S + T S+T= I+G i0 I + G0 •Introduzindo o governo no Modelo Clássico •Hipótese: aumento de G I + G1 i1 Aumento de G , maior pressão por recursos , aumento a taxa de juros , aumenta S , cai C e cai I . Ou seja não há influência em Y porque apenas recompõe o consumo privado(– C e – I ) em + G . O aumento dos gastos públicos se faz em detrimento dos gastos privados: efeito - deslocamento A Teoria Clássica: O Modelo
  17. 17. 17 A Teoria Clássica: O Modelo •Introduzindo o governo no Modelo Clássico •Conclusão: Para a teoria clássica, a introdução do governo só faz recompor a demanda agregada via taxa de juros , mas não afeta a produção agregada que sempre se encontra em pleno emprego. •O papel do governo como agente econômico impulsionador do produto é inócuo.
  18. 18. 18 CONCEITOS PRESSUPOSTOS CLÁSSICOS CONTEXTO Concorrência Perfeita OFERTA AGREGADA Independe da Demanda Agregada Papel ATIVO . Determinada pelos fatores de produção Nível de Pleno Emprego ( LP) PREÇOS E SALÁRIOS Flexíveis DESEMPREGO Voluntário . O trabalhador se nega a igualar Pmg= W/p Pmg= produtividade marginal do trabalho W/p= salário real Quadro resumo da Teoria Clássica
  19. 19. 19 Quadro resumo da Teoria Clássica DEMANDA AGREGADA Papel Passivo não afeta a produção Só afeta o lado monetário ( aumento de preços) OFERTA MONETÁRIA Afeta os preços ( através da demanda )mas não o lado real da economia Tese da neutralidade da moeda: dicotomia entre o lado monetário e real Conceitos Pressupostos teóricos
  20. 20. 20 Quadro resumo da Teoria Clássica Conceitos Pressupostos teóricos TAXA DE JUROS Determinada pela pref consumidores e pela EMC S e I A poupança determina o investimento ( para fechar equil.pleno emprego) pela taxa de juros S sempre igual a investimento ( identidade) S = I POLÍTICA FISCAL Inócua na determinação do produto: apenas efeito- deslocamento
  21. 21. 21 Fixando Conceitos Falsa ou verdadeira, justifique 1-Segundo a teoria clássica,o aumento da oferta de Moeda pode elevar o nível de emprego, mas provoca tensões inflacionárias.
  22. 22. 22 Fixando Conceitos Falsa ou verdadeira, justifique 2-Segundo a teoria clássica um choque adverso de oferta, em uma economia com oferta monetária fixa,provoca queda no nível de emprego e elevação do nível de preços.
  23. 23. 25 REFERÊNCIAS BÁSICAS PINHO, Diva. Manual de Economia. São Paulo: Saraiva, 2006.
  24. 24. 26 REFERÊNCIAS BÁSICAS VASCONCELOS, Marco Antônio S. Manual de Macroeconomia: nível básico e nível intermediário. São Paulo: Atlas, 2008.

×