Unidade 4

198 visualizações

Publicada em

Curso de Economia Monetária

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
198
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Unidade 4

  1. 1. 22/05/2015 1 Demanda por Moeda Unidade 4 Profa. Gisele F.Tiryaki ECO 174 – Economia Monetária FCE/UFBA Sumário  Teoria Quantitativa da Moeda  Keynes e a Preferência pela Liquidez  OutrasTeorias deTradição Keynesiana: O Modelo de Baumol- Tobin  Friedman e aVersão Moderna daTeoria Quantitativa  Evidência Empírica
  2. 2. 22/05/2015 2 Teoria Quantitativa da Moeda Introdução  TQM: desenvolvida no século XIX e início do século XX (Irving Fisher, 1911)  Objetivo: estabelecer como o valor nominal da renda é determinado  Motivação para se manter moeda: realização de transações  Conceitos utilizados:  Encaixes reais: demanda por moeda levando em consideração variações no poder de compra  M/P, onde M = demanda por moeda para transações e P = nível de preços  Velocidade de circulação da moeda: número médio de vezes que uma unidade monetária (R$ 1) é gasta a cada ano na aquisição de bens e serviços
  3. 3. 22/05/2015 3 Teoria Quantitativa da Moeda  Equação de troca de Fisher: M.V = P.Y Onde,  M = quantidade de moeda  V = velocidade de circulação da moeda  Y = volume de transações reais (produto ou renda agregada)  P = nível de preços  Logo, P.Y = gasto total em bens e serviços * Note que a equação é derivada da identidadeV = P.Y/M, já que V é o número de vezes que cada real é utilizado em transações Teoria Quantitativa da Moeda  Exemplo: se o PIB nominal em um ano é R$ 3 trilhões e a quantidade da moeda em circulação é R$ 1 trilhão, a velocidade é igual a 3  Cada Real foi utilizado em média 3 vezes na aquisição de bens e serviços  Transformando uma identidade em teoria:  Velocidade é determinada por instituições e características tecnológicas da economia que impactam na forma como indivíduos conduzem transações  Exemplo: quando transações são realizadas de forma crescente com uso de cartões de crédito, menos moeda é utilizada para conduzir transações (M se reduz em relação a P.Y eV se eleva)  Fisher pressupôs que V era relativamente constante: variações nas características institucionais e tecnológicas afetamV de forma lenta ao longo do tempo
  4. 4. 22/05/2015 4 Teoria Quantitativa da Moeda  Implicação do pressuposto de Fisher: renda nominal é determinada unicamente por variações na quantidade de moeda  Economistas clássicos: mão invisível e o pleno emprego  Produção: determinada por fatores reais  Conclusão: variações na quantidade de moeda são traduzidas em variações no nível de preço  Dado que o mercado monetário está em equilíbrio, a quantidade de moeda em circulação é a demanda por moeda PY V M D        1 Demanda por moeda é função unicamente da renda nominal Velocidade de Circulação da Moeda – Brasil Fonte: BCB (2015) 0 0.5 1 1.5 2 2.5 3 3.5 4 jan/95 dez/95 nov/96 out/97 set/98 ago/99 jul/00 jun/01 mai/02 abr/03 mar/04 fev/05 jan/06 dez/06 nov/07 out/08 set/09 ago/10 jul/11 jun/12 mai/13 abr/14 mar/15 Velocidade M1
  5. 5. 22/05/2015 5 Como Explicar Variações na Velocidade de Circulação?  O que, além da renda, interfere na velocidade de circulação da moeda?  Inovações financeiras: uso de cartão de crédito e débito reduz a demanda por encaixes e eleva a velocidade de circulação da moeda  Taxas de juros: elevações na taxa de juros elevam o custo de oportunidade de se manter encaixes, reduzindo a demanda por moeda e elevando a velocidade de circulação da moeda  Alocação de portfólio: variações no retorno esperado, risco, liquidez e custo de informação da moeda enquanto ativo levará a alterações na demanda por moeda Teoria da Preferência pela Liquidez de Keynes
  6. 6. 22/05/2015 6 Introdução  Papel duplo da moeda:  Meio de pagamentos  Reserva de valor  Retorno esperado de se manter encaixes reais:  Retorno pecuniário: zero  Mas o retorno de fato é positivo: prêmio de liquidez  Ativo que envolve menor risco em fases de instabilidade da economia: “acalma as inquietações dos agentes frente às incertezas do futuro” (CARVALHO et al, 2005)  Taxa de juros: recompensa por abrir mão da liquidez  Clássicos: taxa de juros é o preço que equilibra a poupança (abstenção do consumo imediato) e a demanda de recursos para investimento Introdução  Taxa de juros: recompensa por não entesourar  Determinação da taxa de juros: fenômeno monetário resultante da preferência pela liquidez dos agentes e da política monetária  Motivações para se demandar moeda:  Realização de transações: renda afeta a demanda por moeda  Precaução: demanda por moeda depende das transações futuras esperadas pelos agentes (função da renda)  Especulação: pessoas demandam moeda enquanto reserva de valor  Títulos: retorno pecuniário esperado é normalmente maior que zero (juros + ganhos de capital)  Moeda: retorno pecuniário esperado é zero
  7. 7. 22/05/2015 7 Preferência pela Liquidez “As expectativas quanto ao futuro da taxa de juros, fixadas pela psicologia de massa, têm seus reflexos na preferência pela liquidez; ... o indivíduo, para quem as futuras taxas de juros estarão acima daquelas previstas pelo mercado, tem motivos para conservar em caixa dinheiro líquido, ao passo que quem diverge do mercado em sentido oposto terá motivos para pedir dinheiro emprestado a curto prazo... O preço do mercado se fixará no nível em que a venda dos‘baixistas’ (bears/ursos) se equilibrar com as compras dos‘altistas’ (bulls/touros)” (Keynes, 1936) Motivo Especulação  Keynes acreditava que existia uma taxa “normal” de juros  Se a taxa atual estivesse acima da taxa normal: expectativa de queda da taxa de juros e elevação do preço dos títulos  Retorno esperado em se manter títulos é maior do que se manter moeda: demanda por moeda é reduzida  Se a taxa atual estivesse abaixo da taxa normal: expectativa de elevação da taxa de juros e redução do preço dos títulos  Retorno esperado em se manter títulos é menor do que se manter moeda (ganho de capital negativo): demanda por moeda é elevada  Resultado: demanda por moeda é negativamente relacionada com as taxas de juros
  8. 8. 22/05/2015 8 Demanda por Moeda  Demanda por encaixes reais: colocando os três motivos juntos...  Yif P M D , Função de Preferência pela Liquidez 0   Y f 0   i f Demanda por Moeda – Keynes i M   PYifM D *, Efeito renda: elevações no nível de renda aumentam a quantidade de transações realizadas e possibilitam um direcionamento maior de encaixes para precaução Deslocamentos da curva de demanda por moeda: Efeito preço: elevações no nível de preços fazem com que indivíduos precisem de uma maior quantidade de encaixes reais para realizar uma mesma quantidade de transações
  9. 9. 22/05/2015 9 Demanda por Moeda e a Preferência pela Liquidez i M/P Taxas de juros muito baixas: expectativa que taxas de juros não podem declinar mais, todos demandam moeda Armadilha da Liquidez MD Preferência pela Liquidez e a Ineficácia da Política Monetária i M Taxas de juros muito baixas: variações da oferta de moeda não afetam a taxa de juros e a política monetária não tem impacto sobre a economia MD MS
  10. 10. 22/05/2015 10 Demanda por Moeda e a Velocidade de Circulação  Note que: Y VP M D        1 PY V M D        1 ),( iYf Y PM Y V D  Como a taxa de juros flutua significativamente,a velocidade de circulação será volátil Velocidade de circulação da moeda é positivamente relacionada com a taxa de juros Velocidade de Circulação e Taxas de Juros – Brasil Fonte: BCB (2015) 0 0.5 1 1.5 2 2.5 3 3.5 4 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 jan/95 dez/95 nov/96 out/97 set/98 ago/99 jul/00 jun/01 mai/02 abr/03 mar/04 fev/05 jan/06 dez/06 nov/07 out/08 set/09 ago/10 jul/11 jun/12 mai/13 abr/14 mar/15 Selic (%aa, no mês) Velocidade M1
  11. 11. 22/05/2015 11 Questão  A demanda por moeda em uma economia é dada por: a) Assuma que P = 100,Y = 1000 e i = 0,10. Qual a demanda real por moeda, a demanda nominal e a velocidade de circulação? b) Se o nível de preços duplica de 100 para 200, qual a demanda real por moeda, a demanda nominal e a velocidade de circulação? c) Assumindo os valores dados na parte (a) e que a demanda por moeda acima é correta, determine como a velocidade de circulação é afetada por uma elevação na renda real, na taxa de juros nominal e no nível de preços. iY P M D 10002,0500  Questão  Considere uma economia com uma oferta nominal de moeda constante, um nível de produção real constante e igual a 100, e uma taxa de juros real constante e igual a 0,10.Assuma que a elasticidade renda da demanda por moeda é 0,5 e que a elasticidade juros da demanda por moeda é – 0,1.  Em que percentual o preço de equilíbrio será diferente do nível inicial se a produção cresce paraY = 106, ceteris paribus?  Em que percentual o preço de equilíbrio será diferente do nível inicial se a taxa de juros real cresce para r = 0,11, ceteris paribus?  Assuma que a taxa de juros se eleva para r = 0,11. Qual o nível de produção que garantirá que o nível de preços permanecerá constante?
  12. 12. 22/05/2015 12 Outras Teorias de Tradição Keynesiana: O Modelo de Baumol-Tobin Introdução  Objetivo: tornar aTeoria da Preferência pela Liquidez mais precisa  Baumol (1952) eTobin (1956): modelos desenvolvidos mostram que até mesmo a demanda pelos motivos transação e precaução é sensível à taxa de juros  Pressuposto: indivíduo hipotético que recebe um pagamento uma vez por período e gasta durante o transcorrer deste período  Objetivo de se manter moeda: realização de transações  Exemplo: assuma que João recebe R$ 2.500 por mês e que ele utiliza para realizar transações durante um mês
  13. 13. 22/05/2015 13 Modelo de Baumol-Tobin Encaixes 30 Tempo R$ 2.500 R$ 1.250 Durante o mês, os encaixes de João serão, em média, R$ 1.250 Se esse processo se repete todos os meses, qual o encaixe médio durante o ano? Dado que sua renda anual é R$ 30.000 e que o encaixe médio durante o ano é R$ 1.250, qual a velocidade média de circulação da moeda? 24 Modelo de Baumol-Tobin  Exemplo (cont.): depois de assistir ao curso de economia monetária, João percebe que sua situação pode melhorar se ele não mantiver toda a sua renda sob forma de moeda  Metade do pagamento é mantido sob forma de moeda e metade é investida em títulos do governo que pagam 1% ao mês Encaixes 30 Tempo R$ 625 R$ 1.250 Se João investe em títulos, seus encaixes terminam no meio do mês No meio do mês, ele vende os títulos e recompõe seus encaixes até o final do mês Qual a velocidade de circulação da moeda agora? 48
  14. 14. 22/05/2015 14 Modelo de Baumol-Tobin  Exemplo (cont.): Qual o ganho de João com a transação?  Ganho mensal: 0,01 * 1.250 * 0,5 = R$ 6,25  Quanto menor o encaixe médio de João, maior o seu ganho  Qual o custo de oportunidade desta estratégia? Custos de transação (taxas, idas ao banco, etc)  Conclusão: à medida que a taxa de juros se eleva, o ganho em se adquirir títulos se eleva em relação aos custos de transação e João irá manter mais títulos e menos moeda O componente da demanda por moeda associado a transações é negativamente relacionado com a taxa de juros Modelo de Baumol-Tobin  Motivo precaução: seguindo a mesma linha de raciocínio, o componente da demanda por moeda associado ao motivo precaução também é negativamente relacionado com o nível das taxas de juros  À medida que a taxa de juros declina, o custo de oportunidade de se manter encaixes por precaução reduz e elevando a demanda por moeda  Elevação da incerteza acerca das transações futuras: demanda por moeda aumenta
  15. 15. 22/05/2015 15 Modelo de Baumol-Tobin  Motivo especulação:  Crítica ao modelo de Keynes: nenhum indivíduo iria manter um portfólio diversificado  Retorno em títulos > retorno com moeda: adquire-se títulos  Retorno em títulos < retorno com moeda: mantém-se somente moeda  Indivíduos são idênticos?  Solução proposta porTobin (1958): preferência pela liquidez como resultado do comportamento dos agentes em relação ao risco  Como a maioria dos agentes são avessos ao risco, eles estariam dispostos a manter um ativo com menor retorno, desde que envolvesse menor risco  Importante característica da moeda: retorno é certo (zero)  Conclusão: existe incentivo para diversificação Friedman e a Versão Moderna da Teoria Quantitativa
  16. 16. 22/05/2015 16 Introdução  Demanda por moeda em Friedman (1956): Onde YP = renda permanente (valor presente da renda futura esperada) rM = retorno esperado da moeda rB = retorno esperado em títulos rE = retorno esperado em ações πe = taxa de inflação esperada ),,,( M e MEMBP D rrrrrYf P M   Implicações da Especificação de Friedman para a Demanda por Moeda  Note que Friedman utiliza renda permanente, ao invés de renda atual  Renda permanente: renda média de longo prazo é mais estável  Implicação: demanda por moeda não flutua significativamente durante os ciclos econômicos  Retorno da moeda: juros pagos em depósitos em conta corrente  Diferencial no retorno de ativos (títulos, ações, bens duráveis) em relação ao retorno da moeda influencia a demanda por moeda  Friedman acreditava que esse diferencial não era significativo  Conclusão: demanda por moeda é relativamente estável  Retorno àTQM...
  17. 17. 22/05/2015 17 Implicações da Especificação de Friedman para a Demanda por Moeda  Friedman não assumia que o retorno em manter moeda era constante e igual a zero  Retorno da moeda é positivo: bancos competem por depósitos remunerando-os  Quanto maior a competição no mercado bancário, menor o diferencial entre o retorno da moeda e o retorno de outros ativos (variações no retorno da moeda acompanha as variações das demais taxas de juros do mercado)  E se não fosse permitido o pagamento de juros sobre depósitos? Bancos competiriam na dimensão qualidade de serviços (retorno esperado nos depósitos se elevaria)  Logo, diferentemente de Keynes, Friedman acreditava que as variações nas taxas de juros não afetavam a demanda por moeda de forma significativa Friedman versus Keynes  Friedman distinguiu entre os diversos ativos financeiros, enquanto Keynes acreditava que o retorno em títulos era um bom indicador do retorno esperado de outros ativos financeiros  Friedman considerava que moeda e bens eram substitutos  Implicação: variações na quantidade de moeda tem um efeito direto sobre gastos agregados  Monetarismo: variações na oferta de moeda de moeda são a origem primária das variações no nível de preço e na produção agregada
  18. 18. 22/05/2015 18 Evidência Empírica  A demanda por moeda responde a variações nas taxas de juros?  Evidência incontestável: demanda por moeda é sensível a variações nas taxas de juros  Caso extremo: armadilha da liquidez  Demanda por moeda é extremamente sensível a variações nas taxas de juros (perfeitamente elástica)  Empiricamente observável somente quando as taxas de juros estão próximas a zero Evidência Empírica  A demanda por moeda é estável ao longo do tempo?  Até os anos 70: demanda por moeda era relativamente estável  Após os anos 70: inovação financeira acelerada levou à desestabilização da demanda por moeda  Difícil prever a velocidade da moeda: estabelecer metas para agregados monetários de forma rígida não é indicado

×