SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
 Tales de Mileto – VI a.C. – água como principio.
 Xenófanes – V a.C. – fosseis.
 Aristóteles – IV a. C. – inorgânicoorgânico.
 Idade média, fixismo e o gênesis.
 Cuvier – fosseis X catastrofismo.
 Jean-Baptiste Pierre Antonine de Monet, Cavaleiro de
Lamarck – filosofia zoológica.
 Alfred Russel Wallace e Charles Robert Darwin –
evolução das espécies.
 Neo-Darwinismo.
•Lei do uso e desuso.
•Lei da herança dos caracteres adquiridos.
•Mérito de Lamarck –
Adaptação e mutabilidade das
espécies.
•Falha de Lamarck – Não
transmissão dos caracteres
adquiridos.
 Thomas Malthus
 Seleção artificial de
pombos
 Tentilhões das ilhas
Galápagos
Wallace e Darwin
 Variação hereditária existe
em populações de
organismos.
 Os organismos produzem
mais descendentes do que
podem sobreviver.
 Estes descendentes tem
capacidade variável para
sobreviver e
reproduzirem-se.
Variabilidade
Seleção natural
Adaptação
A falha de Wallace e Darwin?
De onde vem a variabilidade?
Exemplos atuais de como atua
a seleção natural
Bactérias X Antibióticos
DDT X Insetos
Genótipo X Fenótipo
 Estabilizadora
 Direcional
 Disruptiva
 Sexual
 Seleção direcional: A seleção direcional ocorre quando
um dos extremos de uma variação fenotípica tem maior
aptidão e, portanto, uma maior chance de sobrevivência
e reprodução. Por exemplo, em uma população de
mariposas, se houver uma pressão seletiva para a
coloração mais escura, indivíduos com coloração mais
escura terão maior sucesso reprodutivo.
 Seleção estabilizadora: A seleção estabilizadora ocorre
quando os indivíduos com valores intermediários de um
traço apresentam maior aptidão, enquanto os extremos
têm menor aptidão. Por exemplo, em uma população de
aves, um tamanho de bico intermediário pode ser
selecionado porque é mais eficiente para a obtenção de
alimento, enquanto bicos muito grandes ou muito
pequenos são menos adaptados para essa tarefa.
 Seleção disruptiva: Ocorre quando os indivíduos com
valores extremos de um traço têm maior aptidão do que
os indivíduos com valores intermediários. Isso pode
levar a uma divisão da população em dois ou mais
grupos distintos com características diferentes. Por
exemplo, em uma população de pássaros, se houver
uma pressão seletiva para diferentes tamanhos de bico
associados a diferentes recursos alimentares.
 Seleção disruptiva: Ocorre quando os indivíduos com
valores extremos de um traço têm maior aptidão do que
os indivíduos com valores intermediários. Isso pode
levar a uma divisão da população em dois ou mais
grupos distintos com características diferentes. Por
exemplo, em uma população de pássaros, se houver
uma pressão seletiva para diferentes tamanhos de bico
associados a diferentes recursos alimentares.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Evolução.ppt (20)

Evolução - Especiação
Evolução - EspeciaçãoEvolução - Especiação
Evolução - Especiação
 
Teorias da Evolução - Prof. Arlei
Teorias da Evolução - Prof. ArleiTeorias da Evolução - Prof. Arlei
Teorias da Evolução - Prof. Arlei
 
EVOLUÇÃO - I
EVOLUÇÃO - IEVOLUÇÃO - I
EVOLUÇÃO - I
 
Evolucao i
Evolucao iEvolucao i
Evolucao i
 
A origem das espécies charles darwin
A origem das espécies charles darwinA origem das espécies charles darwin
A origem das espécies charles darwin
 
Teoria da Evolução
Teoria da EvoluçãoTeoria da Evolução
Teoria da Evolução
 
3 teorias evolucionistas
3 teorias evolucionistas3 teorias evolucionistas
3 teorias evolucionistas
 
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptx
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptxevoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptx
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptx
 
Evolutiva
EvolutivaEvolutiva
Evolutiva
 
Evolucao teorias 2014
Evolucao teorias 2014Evolucao teorias 2014
Evolucao teorias 2014
 
Aula 25 teorias da evolução
Aula 25   teorias da evoluçãoAula 25   teorias da evolução
Aula 25 teorias da evolução
 
Teorias da evolução
Teorias da evoluçãoTeorias da evolução
Teorias da evolução
 
(Lamarckismo e Darwinismo).pptx
(Lamarckismo e Darwinismo).pptx(Lamarckismo e Darwinismo).pptx
(Lamarckismo e Darwinismo).pptx
 
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivos
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivosBiologia Evolutiva - a origem dos seres vivos
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivos
 
A teoria sintética do Darwin
A teoria sintética do DarwinA teoria sintética do Darwin
A teoria sintética do Darwin
 
19- evolucao.ppt
19- evolucao.ppt19- evolucao.ppt
19- evolucao.ppt
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Seleonaturaleadaptao 131019100421-phpapp01
Seleonaturaleadaptao 131019100421-phpapp01Seleonaturaleadaptao 131019100421-phpapp01
Seleonaturaleadaptao 131019100421-phpapp01
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Genética Geral - Evolução
Genética Geral - EvoluçãoGenética Geral - Evolução
Genética Geral - Evolução
 

Mais de DaniDu3

Aula 12 - Isomeria optica.pptx
Aula 12 - Isomeria optica.pptxAula 12 - Isomeria optica.pptx
Aula 12 - Isomeria optica.pptxDaniDu3
 
Aula 6 - Cetonas.pptx
Aula 6 - Cetonas.pptxAula 6 - Cetonas.pptx
Aula 6 - Cetonas.pptxDaniDu3
 
Aula 8 - Radioatividade.pdf
Aula 8 - Radioatividade.pdfAula 8 - Radioatividade.pdf
Aula 8 - Radioatividade.pdfDaniDu3
 
Aula 3 - Toxicologia Ambiental.pdf
Aula 3 - Toxicologia Ambiental.pdfAula 3 - Toxicologia Ambiental.pdf
Aula 3 - Toxicologia Ambiental.pdfDaniDu3
 
Aula 4 e 5- Metais.pdf
Aula 4 e 5- Metais.pdfAula 4 e 5- Metais.pdf
Aula 4 e 5- Metais.pdfDaniDu3
 
Aula 2 - O papel da empresa.pptx
Aula 2 - O papel da empresa.pptxAula 2 - O papel da empresa.pptx
Aula 2 - O papel da empresa.pptxDaniDu3
 
Anelideos.ppt
Anelideos.pptAnelideos.ppt
Anelideos.pptDaniDu3
 
Ciclos Biogeoquímicos.pptx
Ciclos Biogeoquímicos.pptxCiclos Biogeoquímicos.pptx
Ciclos Biogeoquímicos.pptxDaniDu3
 
Aula_8_Avaliacao_do_Desempenho_Ambiental.ppt
Aula_8_Avaliacao_do_Desempenho_Ambiental.pptAula_8_Avaliacao_do_Desempenho_Ambiental.ppt
Aula_8_Avaliacao_do_Desempenho_Ambiental.pptDaniDu3
 
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptxAula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptxDaniDu3
 
Aula 2 - Hidrocarbonetos.pptx
Aula 2 - Hidrocarbonetos.pptxAula 2 - Hidrocarbonetos.pptx
Aula 2 - Hidrocarbonetos.pptxDaniDu3
 
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptxAula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptxDaniDu3
 
Aula 11 bioensaios - parte 1
Aula 11   bioensaios - parte 1Aula 11   bioensaios - parte 1
Aula 11 bioensaios - parte 1DaniDu3
 

Mais de DaniDu3 (13)

Aula 12 - Isomeria optica.pptx
Aula 12 - Isomeria optica.pptxAula 12 - Isomeria optica.pptx
Aula 12 - Isomeria optica.pptx
 
Aula 6 - Cetonas.pptx
Aula 6 - Cetonas.pptxAula 6 - Cetonas.pptx
Aula 6 - Cetonas.pptx
 
Aula 8 - Radioatividade.pdf
Aula 8 - Radioatividade.pdfAula 8 - Radioatividade.pdf
Aula 8 - Radioatividade.pdf
 
Aula 3 - Toxicologia Ambiental.pdf
Aula 3 - Toxicologia Ambiental.pdfAula 3 - Toxicologia Ambiental.pdf
Aula 3 - Toxicologia Ambiental.pdf
 
Aula 4 e 5- Metais.pdf
Aula 4 e 5- Metais.pdfAula 4 e 5- Metais.pdf
Aula 4 e 5- Metais.pdf
 
Aula 2 - O papel da empresa.pptx
Aula 2 - O papel da empresa.pptxAula 2 - O papel da empresa.pptx
Aula 2 - O papel da empresa.pptx
 
Anelideos.ppt
Anelideos.pptAnelideos.ppt
Anelideos.ppt
 
Ciclos Biogeoquímicos.pptx
Ciclos Biogeoquímicos.pptxCiclos Biogeoquímicos.pptx
Ciclos Biogeoquímicos.pptx
 
Aula_8_Avaliacao_do_Desempenho_Ambiental.ppt
Aula_8_Avaliacao_do_Desempenho_Ambiental.pptAula_8_Avaliacao_do_Desempenho_Ambiental.ppt
Aula_8_Avaliacao_do_Desempenho_Ambiental.ppt
 
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptxAula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
 
Aula 2 - Hidrocarbonetos.pptx
Aula 2 - Hidrocarbonetos.pptxAula 2 - Hidrocarbonetos.pptx
Aula 2 - Hidrocarbonetos.pptx
 
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptxAula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
 
Aula 11 bioensaios - parte 1
Aula 11   bioensaios - parte 1Aula 11   bioensaios - parte 1
Aula 11 bioensaios - parte 1
 

Último

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 

Último (20)

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 

Evolução.ppt

  • 1.
  • 2.  Tales de Mileto – VI a.C. – água como principio.  Xenófanes – V a.C. – fosseis.  Aristóteles – IV a. C. – inorgânicoorgânico.  Idade média, fixismo e o gênesis.  Cuvier – fosseis X catastrofismo.  Jean-Baptiste Pierre Antonine de Monet, Cavaleiro de Lamarck – filosofia zoológica.  Alfred Russel Wallace e Charles Robert Darwin – evolução das espécies.  Neo-Darwinismo.
  • 3.
  • 4.
  • 5. •Lei do uso e desuso. •Lei da herança dos caracteres adquiridos. •Mérito de Lamarck – Adaptação e mutabilidade das espécies. •Falha de Lamarck – Não transmissão dos caracteres adquiridos.
  • 6.  Thomas Malthus  Seleção artificial de pombos  Tentilhões das ilhas Galápagos Wallace e Darwin
  • 7.  Variação hereditária existe em populações de organismos.  Os organismos produzem mais descendentes do que podem sobreviver.  Estes descendentes tem capacidade variável para sobreviver e reproduzirem-se.
  • 8. Variabilidade Seleção natural Adaptação A falha de Wallace e Darwin? De onde vem a variabilidade?
  • 9. Exemplos atuais de como atua a seleção natural
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 19.  Estabilizadora  Direcional  Disruptiva  Sexual
  • 20.  Seleção direcional: A seleção direcional ocorre quando um dos extremos de uma variação fenotípica tem maior aptidão e, portanto, uma maior chance de sobrevivência e reprodução. Por exemplo, em uma população de mariposas, se houver uma pressão seletiva para a coloração mais escura, indivíduos com coloração mais escura terão maior sucesso reprodutivo.
  • 21.  Seleção estabilizadora: A seleção estabilizadora ocorre quando os indivíduos com valores intermediários de um traço apresentam maior aptidão, enquanto os extremos têm menor aptidão. Por exemplo, em uma população de aves, um tamanho de bico intermediário pode ser selecionado porque é mais eficiente para a obtenção de alimento, enquanto bicos muito grandes ou muito pequenos são menos adaptados para essa tarefa.
  • 22.  Seleção disruptiva: Ocorre quando os indivíduos com valores extremos de um traço têm maior aptidão do que os indivíduos com valores intermediários. Isso pode levar a uma divisão da população em dois ou mais grupos distintos com características diferentes. Por exemplo, em uma população de pássaros, se houver uma pressão seletiva para diferentes tamanhos de bico associados a diferentes recursos alimentares.
  • 23.  Seleção disruptiva: Ocorre quando os indivíduos com valores extremos de um traço têm maior aptidão do que os indivíduos com valores intermediários. Isso pode levar a uma divisão da população em dois ou mais grupos distintos com características diferentes. Por exemplo, em uma população de pássaros, se houver uma pressão seletiva para diferentes tamanhos de bico associados a diferentes recursos alimentares.