SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
Avaliação de
Desempenho Ambiental
Prof. Juliana Mirian Dolenkei Braga
Maio 2015
Avaliação de Desempenho
Ambiental
É um processo de gestão interna à
empresa, constituindo-se em ferramenta
destinada em prover a gestão da
empresa com informações reais e
mensuráveis em relação a uma base e/ou
critérios estabelecidos, que mostrarão
se, ao longo do tempo, o desempenho
ambiental da empresa está indo ao
encontro desses parâmetros.
Avaliação de Desempenho
Ambiental
É o processo para facilitar a tomada de
decisões gerenciais com relação ao
desempenho ambiental da organização
através da seleção de indicadores, coleta
e análise de dados, avaliação da
informação em comparação com os
critérios de desempenho ambiental,
relatando, comunicando e
periodicamente revisando e melhorando
este processo.
Áreas de avaliação/
indicadores
Sistemas de gestão: implantação de
políticas e de programas,
conformidades, desempenho financeiro,
relações com a comunidade.
 Meio ambiente: ar; água; solo; fauna;
flora; seres humanos; comunidade;
estética; etc.
Áreas de avaliação/
indicadores
Sistema operacional: quantidade de
materiais utilizados no processo;
quantidade de energia utilizada nos
processos; serviços de suporte às
operações da empresa; infra-estrutura e
equipamentos utilizados pela empresa;
fornecedores e clientes; produtos;
serviços executados pela empresa;
resíduos da produção; emissões.
Modelo do processo de ADA
(PDCA)
 Plan
Selecionar indicadores para Avaliação de
Desempenho Ambiental
 Do
Usar dados e informações que incluem:
Coletar dados
Analisar e converter dados.
Avaliar as informações.
Relatar e comunicar as informações
 Check e Act
Revisar e melhorar (análise crítica) a
Avaliação de Desempenho Ambiental
Usos
Determinar ações necessárias
para atingir seus critérios de
D.A.
Identificar aspectos ambientais
significativos.
Identificar oportunidades para
um melhor gerenciamento de
seus aspectos ambientais.
Usos
Identificar tendências em seu
desempenho ambiental.
Aumentar a eficiência e a eficácia
da organização.
Identificar oportunidades
estratégicas.
Classificação
(NBR ISO 14031/1999)
 Indicadores de Desempenho Ambiental (IDA): fornece
informações sobre o desempenho ambiental de uma
organização.
 Indicador de Desempenho Gerencial (IDG): fornece
informações sobre os esforços de gestão que influenciam
no desempenho ambiental da organização.
 Indicador de Desempenho Operacional (IDO): fornece
informações sobre o desempenho ambiental das
operações de uma organização.
 Indicador de Condição Ambiental (ICA): fornece
informações sobre condições locais, regionais, nacionais ou
globais do meio ambiente.
Exemplo de Indicadores
 Uma organização de serviço localizada em uma área onde a qualidade
do ar é conhecida como insatisfatória utiliza informações sobre a
qualidade do ar para a seleção apropriada dos indicadores de ADA,
consistente em relação ao seu objetivo para reduzir suas emissões de
veículo automotor.
 ICA
 Concentração de contaminantes do ar associado as emissões de veículos
automotores
 IDO
 Redução de emissão de veículos automotores
 Quantidade total de combustível consumido
 Eficiência da combustão do motor do veículo
 Frequencia da manutenção do veículo
 Número de veículos equipados com tecnologias para o controle ambiental
 IDG
 Número de horas gastas no treinamento oara beneficiar o uso de transportes
públicos
 Total de dinheiro investido na promoção do transporte público.
Exemplo de Indicadores
 Em uma região onde a informação ambiental indica
uma redução no fornecimento de água, uma
organização pode selecionar indicadores para Avaliação
de Desempenho Ambiental relacionados a medidas de
conservação da água que não poderiam ser
selecionadas sem estas informações.
 ICAs
 Nível de água subterrânea
 Taxa de reabastecimento
 IDO
 Quantidade de água usada por dia
 Quantidade de água usada por unidade de produção
 IDG
 Total de dinheiro investido em pesquisas de métodos para redução
do consumo de água.
Exemplos de IDA
Exemplos de IDA
Construção sustentável
e suas certificações
Contexto atual mundial
 Crescimento em áreas de proteção ambiental
 Crescimento acelerado  construções
desordenadas
 Aquecimento global  desequilíbrio ambiental:
saúde (doenças); agricultura (problemas de
irrigação), vegetação (interrupção de
ecossistema), inundação de áreas costeiras e
mortalidade de espécies (fauna e flora)
Impactos negativos da construção
civil
 Construção
Consumo de materiais com alto nível de
energia embutida
Consumo de materiais com alta emissão de
CO2
Produção de entulho
Grandes movimentação de terra
Transporte da construção
CASADO, M. – GBC Brasil
Impactos negativos da construção
civil
 Operação
Grande consumo de energia
Grande consumo de água
Grande produção de esgotos e lixo
Impermeabilização do terreno
Transporte das pessoas
Poluição Interna dos edifícios – Síndrome do
Edifício Doente
CASADO, M. – GBC Brasil
Calcule a poluição ...
 1 tonelada de cimento produzido gera 600kg de CO2
 1 tonelada de aço produzido gera 2500kg de CO2
 1 tonelada de areia ou brita produzida consome 10 kWh
de energia
 1 tonelada de gesso produzido consome 1.000 kWh de
energia
 1tonelada de cimento produzido consome 2.200 kWh de
energia
 1 tonelada de aço produzido consome 10.000 kWh de
energia
 1 tonelada de alumínio produzido consome 56.000 kWh
de energia
gerada pelas construções
Como reduzir o impacto ...
 Menor consumo de energia
Medição individual
Lâmpadas PL
Automação (elevadores,
iluminação etc.)
Como reduzir o impacto ...
 Aquecimento solar de água
Sensores de presença
 Menor consumo de água
Medição individual
Metais de baixo consumo
Vaso sanitário dupla descarga
Reaproveitamento do esgoto tratado
Reaproveitamento de águas de chuvas
Automação na irrigação
 Menor produção de esgoto e lixo
Economia de água
Reaproveitamento do esgoto
Reciclagem do lixo
 Menor impermeabilização do terreno
Áreas de infiltração natural
Caixas de retardo
Grande áreas de jardins
 Menor movimentação de terra
Otimização da implantação
Respeitar a “vocação” do terreno
 Melhor qualidade do ambiente para os usuários
Renovação do ar
Proibição do fumo em todo o edifício
Proteção dos dutos de ar durante a construção
Projeto que maximize a iluminação natural e vista
externa para a maior parte dos ocupantes
Não utilização de produtos com compostos orgânicos
voláteis
 Materiais de menor impacto em sua produção e
transporte
Uso de material reciclado
Uso de madeira certificada ou reflorestamento
Fornecedores regionais (num raio de 800km)
Construção sustentável
 O conceito de Construção Sustentável
surge na primeira Conferência
Internacional de Construção
Sustentável em Tampa, Estados
Unidos, por Charles Kibert em 1994.
 Definida como a “criação e gestão
responsável de um ambiente
construído saudável, baseado na
eficiência de recursos e princípios
ecológicos”.
Outros conceitos ...
 “Permite a integração entre o
homem e a natureza, com um
mínimo de alteração e impacto
sobre o meio ambiente, usa
recursos naturais de maneira
integrada e, quase sempre,
instintiva e intuitivamente” (IDHEA)
Outros conceitos ...
 “Proporciona ambiente saudável e
adequado para as pessoas desenvolverem
as suas atividades, minimiza os impactos
ambientais e preserva recursos naturais,
gera resultados financeiros sustentáveis
para os negócios e promove o
desenvolvimento da sociedade sem
comprometer as gerações futuras
(CASADO, M. – GBC Brasil)
Diretrizes para
construções sustentáveis
a) Planejamento Sustentável da obra:
econômica, ter longa vida útil e conter apenas
materiais com potencial para, ao término de
sua vida útil (ao chegar o instante de sua
demolição), ser reciclados ou reutilizados
b) Aproveitamento passivo dos recursos
naturais: conforto e bem-estar dos ocupantes,
integrando a habitação com o entorno, além
de economizar recursos finitos, como energia
e água.
c) Eficiência energética: uso de energias renováveis e
sistemas para redução no consumo de energia e
climatização do ambiente.
d) Gestão e economia da água: tratá-la localmente e
reciclá-la, além de aproveitar recursos como a água da
chuva.
e) Gestão dos resíduos: eficiência na gestão pelos
usuários da edificação, resolver localmente ou
minimizar tal geração.
f) Qualidade do ar e do ambiente interior: criar um
ambiente interno e externo com elevada qualidade no
tocante a paisagem local e qualidade atmosférica e
elétrica do ar
g) Conforto termo-acústico: prover excelentes condições termo-acústicas,
de forma a melhorar a qualidade de vida física e psíquica dos indivíduos;
h) Uso racional de materiais: usar materiais que não comprometam o meio
ambiente, saúde dos ocupantes e que contribuam para promover um
estilo de vida sustentável e a consciência ambiental dos indivíduos;
i) Uso de produtos e tecnologias ambientalmente amigáveis: estimular um
novo modelo econômico-social, que gere empresas de produtos serviços
sustentáveis e dissemine consciência ambiental entre colaboradores,
fornecedores, comunidade e clientes
IDHEA - Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica: os Nove
Passos para a Obra Sustentável
Green building
São edificações nas quais foram aplicadas medidas
construtivas que buscam o aumento de sua eficiência no uso
de recursos, com foco na redução dos impactos
socioambientais. Isto é feito por meio de um processo que
abrange CICLO DE VIDA completo das edificações.
 Deste modo, englobam:
Localização
Projeto
Construção
Operação e Manutenção
Remoção de resíduos
Remoção/renovação da edificação ao final de sua vida útil.
Ciclo de vida de uma
construção
sustentável
1. Planejamento - Estudos, Projetos;
2. Implantação – Construção/ Obra;
3. Utilização - Habitação/ Viver o espaço;
4. Manutenção - Durabilidade;
5. Demolição.
No planejamento, considerar:
1. Localização: aspectos locais (bairro,
clima, vento, solo e tipo de ocupação);
2. Desenho do Projeto (orientação do
edifício, luz e ventilação natural, cor
das superfícies);
3. Mobilidade: zona servida por
transporte público, estacionamento,
ciclovias;
4. Materiais (materiais naturais – terra
madeira, cortiça; sem compostos
voláteis e uso de resíduos)
5. Resíduos: Reciclagem em pontos de
coleta, em edifícios, em ecopontos, por
compostagem ou hortas urbanas;
6. Águas e Afluentes: Torneiras
temporizadoras; aproveitamento de
águas pluviais para rega;
7. Energia (energia solar passiva, energia
renovável, equipamentos eficientes);
8. Certificação Energética e/ou Ambiental
(LEED, Caixa Azul)
Benefícios da construção
sustentável
 Benefícios sociais: desenvolver a economia local através da
geração de emprego e renda, benefícios a partir dos impostos
pagos, promove a integração de ocupantes (do empreendimento)
com sua vizinhança e uma adequação arquitetônica com seu
entorno.
 Benefícios ambientais: devem ser planejados para que suprimam
menores áreas de vegetação, otimizem o uso de materiais, gerem
menos lançamentos de resíduos durante sua fase de construção;
demandem menos energia e água durante sua fase de operação;
sejam duráveis, flexíveis e passíveis de requalificação e possam
ser amplamente reaproveitados e reciclados no fim de seu ciclo de
vida. Muitos dos benefícios ambientais se traduzem em ganhos
econômicos, com a redução de custos de construção, uso e
operação e manutenção das edificações.
FLORIM (2005)
Benefícios ...
 Benefícios econômicos: aumento da eficiência no uso de
recursos financeiros na construção, a oferta de um retorno
financeiro justo aos empreendedores e acionistas, indução
de aumento da produtividade de trabalhadores por
encontrarem-se em um ambiente saudável e confortável.
FLORIM (2005)
COM ISSO, HÁ ...
 Valorização de até 3% no valor do m2 do imóvel.
 Redução dos custos operacionais em até 25%
 Aumento da produtividade em até 16%
 Associação da marca ao conceito de sustentabilidade
Certificação de construção
sustentável
 Selo LEED (Leadership in Energy and Environmental
Design) – atesta a qualidade ambiental de prédios
residenciais e comerciais. Desenvolvido pelo United States
Green Building Council (USGBC) e funciona através de um
sistema de pontuação que certifica (ou não) edificações
novas e existentes como sustentáveis.
 Existem atualmente mais de 1.253 empreendimentos
certificados e mais de 11.250 em processo de aprovação
 As edificações interessadas em
conquistar o selo LEED devem
entrar com pedido de certificação
na Plataforma LEED On line,
referente ao seu tipo de
empreendimento.
 No Brasil, existem oito selos
diferentes:
- LEED NC, para novas construções
ou grandes projetos de renovação;
- LEED ND, para projetos de
desenvolvimento de bairro;
- LEED CS, para projetos na
envoltória e parte central do
edifício;
- LEED Retail NC e CI, para lojas de
varejo;
- LEED Healthcare, para unidades
de saúde;
- LEED EB_OM, para projetos de
manutenção de edifícios já
existentes;
- LEED Schools, para escolas e
- LEED CI, para projetos de interior
ou edifícios comerciais
 O BREEAM é o primeiro método de avaliação de
desempenho ambiental de edifícios, desenvolvido pelo
Building Research Establishment (BRE), no Reino
Unido, já no início da década de 1990, contendo
exigências que enfocavam: o interior da edificação, o
seu entorno próximo e o meio ambiente
 O GBTool é uma ferramenta internacional de avaliação
ambiental de edifícios, resultante de um consórcio que
envolve vários países da Europa, Ásia e América
(Green Building Challenge) na busca do
desenvolvimento de incentivos à execução de edifícios
mais adequados do ponto de vista ambiental. Não
possui um órgão certificador específico, sendo uma
ferramenta de discussão e aprimoramento de projetos
podendo ser adotada por qualquer entidade de
avaliação que defina fatores de ponderação para os
elementos considerados.
 O CASBEE (Japão) possui instrumentos de
avaliação para quatro tipos de
empreendimentos: voltados ao projeto
(ainda em desenvolvimento), construções
novas, edifícios existentes e reformas. Os
critérios de avaliação abordam a qualidade
ambiental e desempenho do edifício e
diminuição de cargas ambientais quanto à
eficiência energética, gestão de recursos e
impactos na vizinhança.
 O HQE (França) é uma base de avaliação
que consiste em dois sistemas relacionados
entre si, que aferem o desempenho
ambiental de edifícios. Sua estrutura
subdivide-se em gestão do empreendimento
– SMO (Système de Management de
l'Opération) – e qualidade ambiental – QEB
(Qualité Environnementale du Bâtiment) –,
que avaliam as fases de projeto, execução e
uso, cada qual com uma certificação em
separado
 O método desenvolvido pelo IPT visa oferecer uma
avaliação ambiental de edifícios adequada às
condições brasileiras e, caso o resultado seja
satisfatório, conceder uma Referencia Ambiental-
IPT. Sua estrutura é semelhante à do LEED e
BREEAM, com itens com caráter de atendimento
obrigatório e outros classificatórios.
 A sistemática do IPT enfatiza os aspectos
ambientais tradicionais como características do
terreno, de água, energia, materiais, resíduos e
conforto ambiental. Considera também aspectos
mais abrangentes como de acessibilidade e relação
do edifício com o meio urbano.
 Como parte do Programa Brasileiro de
Etiquetagem, o PROCEL EDIFICA incentiva a
adoção de medidas mais sustentáveis nos
edifícios do país. O Inmetro e a Eletrobrás
lançaram a Etiqueta de Eficiência Energética
de Edificações, que avaliará e classificará os
prédios públicos, comerciais e de serviços de
acordo com seu consumo de energia.
Considera, basicamente, três aspectos:
envoltório – em que serão avaliados a fachada
e o entorno dos prédios –, sistema de
iluminação e condicionamento de ar. Cada
conceito receberá uma classificação entre A,
que é o melhor nível de eficiência, e E, que é o
pior.
 A Certificação de Construção Sustentável -
Processo AQUA demonstra, de forma inegável
e inequívoca, a Alta Qualidade Ambiental do
Empreendimento, provada por meio de
auditorias independentes. O AQUA é a
adaptação para o Brasil da HQE (Démarche
HQE), da França. Desenvolvido pelos
professores da Escola Politecnica da USP e pela
Fundação Vanzolini, possui a sua certificação é
realizada 100% no Brasil, por meio de auditorias
presenciais
 “Selo Casa Azul CAIXA: Boas Práticas para Habitação
Mais Sustentável” foi produzido com apoio de uma
equipe de especialistas da USP, UNICAMP e UFSC. Tem
como objetivo o reconhecimento e incentivo de
projetos que demonstrem suas contribuições para a
redução de impactos ambientais, considerando 53
critérios em relação aos temas qualidade urbana,
projeto e conforto, eficiência energética,
conservação de recursos materiais, gestão da água
e práticas sociais. O Selo Casa Azul CAIXA é o
primeiro sistema de classificação da sustentabilidade
de projetos desenvolvido para a realidade da
construção habitacional brasileira. O objetivo do
manual é dar suporte aos projetistas e
empreendedores com estratégias adaptadas para a
realidade habitacional do país e na incorporação da
“agenda do empreendimento” como forma de escolha
para a adoção de ações que sejam mais relevantes
desde o ponto de vista socioambiental.
Construções sustentáveis - Brasil
 1. Mc
Donald´s
Bertioga (SP)
 2. Rochaverá
Corporate
Towers (SP)
 3. Eco
Mercado
Palhano
(Londrina)
 4. Banco Real
(Cotia,SP)
 5. Ventura
Corporate
Towers (RJ)
Outras ...
 Construções brasileiras que receberam o selo LEED:
- Eldorado Business Tower (São Paulo – SP)
- Morgan Stanley (São Paulo – SP)
- Delboni Auriemo – Dumont Villares (São Paulo – SP)
- Centro de Distribuição Bomi Matec (Itapevi – SP)
- Edifício Cidade Nova – Bracor (Rio de Janeiro – RJ)
- WTorre Nacoes Unidas 1 e 2 (São Paulo – SP)
- Centro de Cultura Max Feffer (Pardinho – SP)
- Torre Vargas 914 (Rio De Janeiro – RJ)
- Escritório Brasken (São Paulo – SP)
- Pão de Açúcar – Loja Indaiatuba (Indaiatuba SP)
- Fleury Medicina e Saúde – Rochaverá Corporate Towers (São Paulo – SP)
- Laboratório Boehringer Ingelheim (São Paulo – SP)
BLANCO, P.V. (2011)
Avaliação ambiental e indicadores

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Avaliação ambiental e indicadores

Seminário construções sustentáveis 19-11-2010 - apresentação de andré aranh...
Seminário construções sustentáveis   19-11-2010 - apresentação de andré aranh...Seminário construções sustentáveis   19-11-2010 - apresentação de andré aranh...
Seminário construções sustentáveis 19-11-2010 - apresentação de andré aranh...FecomercioSP
 
Sustentabilidade nas pm es
Sustentabilidade nas pm esSustentabilidade nas pm es
Sustentabilidade nas pm esfabiofm
 
Inovações Tecnológicas e Processos Ecoeficientes no Mercado Imobiliário - Da ...
Inovações Tecnológicas e Processos Ecoeficientes no Mercado Imobiliário - Da ...Inovações Tecnológicas e Processos Ecoeficientes no Mercado Imobiliário - Da ...
Inovações Tecnológicas e Processos Ecoeficientes no Mercado Imobiliário - Da ...Instituto Besc
 
Construções sustentáveis
Construções sustentáveisConstruções sustentáveis
Construções sustentáveisMaster Ambiental
 
Green Logistics - Logística Verde
Green Logistics - Logística VerdeGreen Logistics - Logística Verde
Green Logistics - Logística VerdeManuel Garcia Garcia
 
Aula3gestaoambiental 140421131658-phpapp01
Aula3gestaoambiental 140421131658-phpapp01Aula3gestaoambiental 140421131658-phpapp01
Aula3gestaoambiental 140421131658-phpapp01Natália Michelan
 
Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental sionara14
 
Bruno bedinelli apresentação sustentar 2012 - sustentabilidade diedro
Bruno bedinelli   apresentação sustentar 2012 - sustentabilidade diedroBruno bedinelli   apresentação sustentar 2012 - sustentabilidade diedro
Bruno bedinelli apresentação sustentar 2012 - sustentabilidade diedroforumsustentar
 
Gestão ambiental empresarial
Gestão ambiental empresarialGestão ambiental empresarial
Gestão ambiental empresarialAlexandre Miranda
 
08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics
08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics
08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 IcsConstrução Sustentável
 
Apresentação sustentabilidade e gestão de risco
Apresentação sustentabilidade e gestão de riscoApresentação sustentabilidade e gestão de risco
Apresentação sustentabilidade e gestão de riscoDilmer Rodrigues
 
App ciências ambientais - síntese
App   ciências ambientais - sínteseApp   ciências ambientais - síntese
App ciências ambientais - sínteseCamila Silva
 
Entenda o que é um outsourcing de impressão neutralizado
Entenda o que é um outsourcing de impressão neutralizadoEntenda o que é um outsourcing de impressão neutralizado
Entenda o que é um outsourcing de impressão neutralizadoGabriela Bornhausen Branco
 
Sustentabilidade - História dos encontros
Sustentabilidade - História dos encontrosSustentabilidade - História dos encontros
Sustentabilidade - História dos encontrosCarlos Elson Cunha
 
Oportunidades de Inovação_Juliano Araújo_CICI2011
Oportunidades de Inovação_Juliano Araújo_CICI2011Oportunidades de Inovação_Juliano Araújo_CICI2011
Oportunidades de Inovação_Juliano Araújo_CICI2011CICI2011
 
Sustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obrasSustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obrasTiago Machado, MBA
 
Apresentação sustentar ronaldo malard
Apresentação sustentar ronaldo malardApresentação sustentar ronaldo malard
Apresentação sustentar ronaldo malardforumsustentar
 

Semelhante a Avaliação ambiental e indicadores (20)

Seminário construções sustentáveis 19-11-2010 - apresentação de andré aranh...
Seminário construções sustentáveis   19-11-2010 - apresentação de andré aranh...Seminário construções sustentáveis   19-11-2010 - apresentação de andré aranh...
Seminário construções sustentáveis 19-11-2010 - apresentação de andré aranh...
 
Gestão Ambiental
Gestão AmbientalGestão Ambiental
Gestão Ambiental
 
Sustentabilidade nas pm es
Sustentabilidade nas pm esSustentabilidade nas pm es
Sustentabilidade nas pm es
 
Inovações Tecnológicas e Processos Ecoeficientes no Mercado Imobiliário - Da ...
Inovações Tecnológicas e Processos Ecoeficientes no Mercado Imobiliário - Da ...Inovações Tecnológicas e Processos Ecoeficientes no Mercado Imobiliário - Da ...
Inovações Tecnológicas e Processos Ecoeficientes no Mercado Imobiliário - Da ...
 
Construções sustentáveis
Construções sustentáveisConstruções sustentáveis
Construções sustentáveis
 
Green Logistics - Logística Verde
Green Logistics - Logística VerdeGreen Logistics - Logística Verde
Green Logistics - Logística Verde
 
Inovação e sustentabilidade
Inovação e sustentabilidadeInovação e sustentabilidade
Inovação e sustentabilidade
 
Aula3gestaoambiental 140421131658-phpapp01
Aula3gestaoambiental 140421131658-phpapp01Aula3gestaoambiental 140421131658-phpapp01
Aula3gestaoambiental 140421131658-phpapp01
 
Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental
 
Bruno bedinelli apresentação sustentar 2012 - sustentabilidade diedro
Bruno bedinelli   apresentação sustentar 2012 - sustentabilidade diedroBruno bedinelli   apresentação sustentar 2012 - sustentabilidade diedro
Bruno bedinelli apresentação sustentar 2012 - sustentabilidade diedro
 
Indústrias e meio ambiente novo
Indústrias e meio ambiente novoIndústrias e meio ambiente novo
Indústrias e meio ambiente novo
 
Gestão ambiental empresarial
Gestão ambiental empresarialGestão ambiental empresarial
Gestão ambiental empresarial
 
08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics
08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics
08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics
 
Apresentação sustentabilidade e gestão de risco
Apresentação sustentabilidade e gestão de riscoApresentação sustentabilidade e gestão de risco
Apresentação sustentabilidade e gestão de risco
 
App ciências ambientais - síntese
App   ciências ambientais - sínteseApp   ciências ambientais - síntese
App ciências ambientais - síntese
 
Entenda o que é um outsourcing de impressão neutralizado
Entenda o que é um outsourcing de impressão neutralizadoEntenda o que é um outsourcing de impressão neutralizado
Entenda o que é um outsourcing de impressão neutralizado
 
Sustentabilidade - História dos encontros
Sustentabilidade - História dos encontrosSustentabilidade - História dos encontros
Sustentabilidade - História dos encontros
 
Oportunidades de Inovação_Juliano Araújo_CICI2011
Oportunidades de Inovação_Juliano Araújo_CICI2011Oportunidades de Inovação_Juliano Araújo_CICI2011
Oportunidades de Inovação_Juliano Araújo_CICI2011
 
Sustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obrasSustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obras
 
Apresentação sustentar ronaldo malard
Apresentação sustentar ronaldo malardApresentação sustentar ronaldo malard
Apresentação sustentar ronaldo malard
 

Mais de DaniDu3

Evolução.ppt
Evolução.pptEvolução.ppt
Evolução.pptDaniDu3
 
Aula 12 - Isomeria optica.pptx
Aula 12 - Isomeria optica.pptxAula 12 - Isomeria optica.pptx
Aula 12 - Isomeria optica.pptxDaniDu3
 
Aula 6 - Cetonas.pptx
Aula 6 - Cetonas.pptxAula 6 - Cetonas.pptx
Aula 6 - Cetonas.pptxDaniDu3
 
Aula 8 - Radioatividade.pdf
Aula 8 - Radioatividade.pdfAula 8 - Radioatividade.pdf
Aula 8 - Radioatividade.pdfDaniDu3
 
Aula 3 - Toxicologia Ambiental.pdf
Aula 3 - Toxicologia Ambiental.pdfAula 3 - Toxicologia Ambiental.pdf
Aula 3 - Toxicologia Ambiental.pdfDaniDu3
 
Aula 4 e 5- Metais.pdf
Aula 4 e 5- Metais.pdfAula 4 e 5- Metais.pdf
Aula 4 e 5- Metais.pdfDaniDu3
 
Aula 2 - O papel da empresa.pptx
Aula 2 - O papel da empresa.pptxAula 2 - O papel da empresa.pptx
Aula 2 - O papel da empresa.pptxDaniDu3
 
Anelideos.ppt
Anelideos.pptAnelideos.ppt
Anelideos.pptDaniDu3
 
Ciclos Biogeoquímicos.pptx
Ciclos Biogeoquímicos.pptxCiclos Biogeoquímicos.pptx
Ciclos Biogeoquímicos.pptxDaniDu3
 
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptxAula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptxDaniDu3
 
Aula 2 - Hidrocarbonetos.pptx
Aula 2 - Hidrocarbonetos.pptxAula 2 - Hidrocarbonetos.pptx
Aula 2 - Hidrocarbonetos.pptxDaniDu3
 
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptxAula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptxDaniDu3
 
Aula 11 bioensaios - parte 1
Aula 11   bioensaios - parte 1Aula 11   bioensaios - parte 1
Aula 11 bioensaios - parte 1DaniDu3
 

Mais de DaniDu3 (13)

Evolução.ppt
Evolução.pptEvolução.ppt
Evolução.ppt
 
Aula 12 - Isomeria optica.pptx
Aula 12 - Isomeria optica.pptxAula 12 - Isomeria optica.pptx
Aula 12 - Isomeria optica.pptx
 
Aula 6 - Cetonas.pptx
Aula 6 - Cetonas.pptxAula 6 - Cetonas.pptx
Aula 6 - Cetonas.pptx
 
Aula 8 - Radioatividade.pdf
Aula 8 - Radioatividade.pdfAula 8 - Radioatividade.pdf
Aula 8 - Radioatividade.pdf
 
Aula 3 - Toxicologia Ambiental.pdf
Aula 3 - Toxicologia Ambiental.pdfAula 3 - Toxicologia Ambiental.pdf
Aula 3 - Toxicologia Ambiental.pdf
 
Aula 4 e 5- Metais.pdf
Aula 4 e 5- Metais.pdfAula 4 e 5- Metais.pdf
Aula 4 e 5- Metais.pdf
 
Aula 2 - O papel da empresa.pptx
Aula 2 - O papel da empresa.pptxAula 2 - O papel da empresa.pptx
Aula 2 - O papel da empresa.pptx
 
Anelideos.ppt
Anelideos.pptAnelideos.ppt
Anelideos.ppt
 
Ciclos Biogeoquímicos.pptx
Ciclos Biogeoquímicos.pptxCiclos Biogeoquímicos.pptx
Ciclos Biogeoquímicos.pptx
 
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptxAula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
 
Aula 2 - Hidrocarbonetos.pptx
Aula 2 - Hidrocarbonetos.pptxAula 2 - Hidrocarbonetos.pptx
Aula 2 - Hidrocarbonetos.pptx
 
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptxAula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
Aula 1 - Estrutura atômica e eletrônica.pptx
 
Aula 11 bioensaios - parte 1
Aula 11   bioensaios - parte 1Aula 11   bioensaios - parte 1
Aula 11 bioensaios - parte 1
 

Último

deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAdeferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAmjhordam
 
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol AquecedoresCatálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedoresdiogodidi3
 
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíRelatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíMarcelo Guerra
 
APR - LIMPEZA E ORGANIZAÇÃO nos ambientes de trabalho
APR - LIMPEZA E ORGANIZAÇÃO nos ambientes de trabalhoAPR - LIMPEZA E ORGANIZAÇÃO nos ambientes de trabalho
APR - LIMPEZA E ORGANIZAÇÃO nos ambientes de trabalhoosnikobus1
 
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdfRenandantas16
 
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfUFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfManuais Formação
 

Último (6)

deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAdeferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
 
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol AquecedoresCatálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
 
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíRelatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
 
APR - LIMPEZA E ORGANIZAÇÃO nos ambientes de trabalho
APR - LIMPEZA E ORGANIZAÇÃO nos ambientes de trabalhoAPR - LIMPEZA E ORGANIZAÇÃO nos ambientes de trabalho
APR - LIMPEZA E ORGANIZAÇÃO nos ambientes de trabalho
 
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
 
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfUFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
 

Avaliação ambiental e indicadores

  • 1. Avaliação de Desempenho Ambiental Prof. Juliana Mirian Dolenkei Braga Maio 2015
  • 2. Avaliação de Desempenho Ambiental É um processo de gestão interna à empresa, constituindo-se em ferramenta destinada em prover a gestão da empresa com informações reais e mensuráveis em relação a uma base e/ou critérios estabelecidos, que mostrarão se, ao longo do tempo, o desempenho ambiental da empresa está indo ao encontro desses parâmetros.
  • 3. Avaliação de Desempenho Ambiental É o processo para facilitar a tomada de decisões gerenciais com relação ao desempenho ambiental da organização através da seleção de indicadores, coleta e análise de dados, avaliação da informação em comparação com os critérios de desempenho ambiental, relatando, comunicando e periodicamente revisando e melhorando este processo.
  • 4. Áreas de avaliação/ indicadores Sistemas de gestão: implantação de políticas e de programas, conformidades, desempenho financeiro, relações com a comunidade.  Meio ambiente: ar; água; solo; fauna; flora; seres humanos; comunidade; estética; etc.
  • 5. Áreas de avaliação/ indicadores Sistema operacional: quantidade de materiais utilizados no processo; quantidade de energia utilizada nos processos; serviços de suporte às operações da empresa; infra-estrutura e equipamentos utilizados pela empresa; fornecedores e clientes; produtos; serviços executados pela empresa; resíduos da produção; emissões.
  • 6. Modelo do processo de ADA (PDCA)  Plan Selecionar indicadores para Avaliação de Desempenho Ambiental  Do Usar dados e informações que incluem: Coletar dados Analisar e converter dados. Avaliar as informações. Relatar e comunicar as informações  Check e Act Revisar e melhorar (análise crítica) a Avaliação de Desempenho Ambiental
  • 7. Usos Determinar ações necessárias para atingir seus critérios de D.A. Identificar aspectos ambientais significativos. Identificar oportunidades para um melhor gerenciamento de seus aspectos ambientais.
  • 8. Usos Identificar tendências em seu desempenho ambiental. Aumentar a eficiência e a eficácia da organização. Identificar oportunidades estratégicas.
  • 9. Classificação (NBR ISO 14031/1999)  Indicadores de Desempenho Ambiental (IDA): fornece informações sobre o desempenho ambiental de uma organização.  Indicador de Desempenho Gerencial (IDG): fornece informações sobre os esforços de gestão que influenciam no desempenho ambiental da organização.  Indicador de Desempenho Operacional (IDO): fornece informações sobre o desempenho ambiental das operações de uma organização.  Indicador de Condição Ambiental (ICA): fornece informações sobre condições locais, regionais, nacionais ou globais do meio ambiente.
  • 10. Exemplo de Indicadores  Uma organização de serviço localizada em uma área onde a qualidade do ar é conhecida como insatisfatória utiliza informações sobre a qualidade do ar para a seleção apropriada dos indicadores de ADA, consistente em relação ao seu objetivo para reduzir suas emissões de veículo automotor.  ICA  Concentração de contaminantes do ar associado as emissões de veículos automotores  IDO  Redução de emissão de veículos automotores  Quantidade total de combustível consumido  Eficiência da combustão do motor do veículo  Frequencia da manutenção do veículo  Número de veículos equipados com tecnologias para o controle ambiental  IDG  Número de horas gastas no treinamento oara beneficiar o uso de transportes públicos  Total de dinheiro investido na promoção do transporte público.
  • 11. Exemplo de Indicadores  Em uma região onde a informação ambiental indica uma redução no fornecimento de água, uma organização pode selecionar indicadores para Avaliação de Desempenho Ambiental relacionados a medidas de conservação da água que não poderiam ser selecionadas sem estas informações.  ICAs  Nível de água subterrânea  Taxa de reabastecimento  IDO  Quantidade de água usada por dia  Quantidade de água usada por unidade de produção  IDG  Total de dinheiro investido em pesquisas de métodos para redução do consumo de água.
  • 14.
  • 16. Contexto atual mundial  Crescimento em áreas de proteção ambiental  Crescimento acelerado  construções desordenadas  Aquecimento global  desequilíbrio ambiental: saúde (doenças); agricultura (problemas de irrigação), vegetação (interrupção de ecossistema), inundação de áreas costeiras e mortalidade de espécies (fauna e flora)
  • 17. Impactos negativos da construção civil  Construção Consumo de materiais com alto nível de energia embutida Consumo de materiais com alta emissão de CO2 Produção de entulho Grandes movimentação de terra Transporte da construção CASADO, M. – GBC Brasil
  • 18. Impactos negativos da construção civil  Operação Grande consumo de energia Grande consumo de água Grande produção de esgotos e lixo Impermeabilização do terreno Transporte das pessoas Poluição Interna dos edifícios – Síndrome do Edifício Doente CASADO, M. – GBC Brasil
  • 19. Calcule a poluição ...  1 tonelada de cimento produzido gera 600kg de CO2  1 tonelada de aço produzido gera 2500kg de CO2  1 tonelada de areia ou brita produzida consome 10 kWh de energia  1 tonelada de gesso produzido consome 1.000 kWh de energia  1tonelada de cimento produzido consome 2.200 kWh de energia  1 tonelada de aço produzido consome 10.000 kWh de energia  1 tonelada de alumínio produzido consome 56.000 kWh de energia gerada pelas construções
  • 20. Como reduzir o impacto ...  Menor consumo de energia Medição individual Lâmpadas PL Automação (elevadores, iluminação etc.)
  • 21. Como reduzir o impacto ...  Aquecimento solar de água Sensores de presença  Menor consumo de água Medição individual Metais de baixo consumo Vaso sanitário dupla descarga Reaproveitamento do esgoto tratado Reaproveitamento de águas de chuvas Automação na irrigação
  • 22.  Menor produção de esgoto e lixo Economia de água Reaproveitamento do esgoto Reciclagem do lixo  Menor impermeabilização do terreno Áreas de infiltração natural Caixas de retardo Grande áreas de jardins  Menor movimentação de terra Otimização da implantação Respeitar a “vocação” do terreno
  • 23.  Melhor qualidade do ambiente para os usuários Renovação do ar Proibição do fumo em todo o edifício Proteção dos dutos de ar durante a construção Projeto que maximize a iluminação natural e vista externa para a maior parte dos ocupantes Não utilização de produtos com compostos orgânicos voláteis  Materiais de menor impacto em sua produção e transporte Uso de material reciclado Uso de madeira certificada ou reflorestamento Fornecedores regionais (num raio de 800km)
  • 24. Construção sustentável  O conceito de Construção Sustentável surge na primeira Conferência Internacional de Construção Sustentável em Tampa, Estados Unidos, por Charles Kibert em 1994.  Definida como a “criação e gestão responsável de um ambiente construído saudável, baseado na eficiência de recursos e princípios ecológicos”.
  • 25. Outros conceitos ...  “Permite a integração entre o homem e a natureza, com um mínimo de alteração e impacto sobre o meio ambiente, usa recursos naturais de maneira integrada e, quase sempre, instintiva e intuitivamente” (IDHEA)
  • 26. Outros conceitos ...  “Proporciona ambiente saudável e adequado para as pessoas desenvolverem as suas atividades, minimiza os impactos ambientais e preserva recursos naturais, gera resultados financeiros sustentáveis para os negócios e promove o desenvolvimento da sociedade sem comprometer as gerações futuras (CASADO, M. – GBC Brasil)
  • 27. Diretrizes para construções sustentáveis a) Planejamento Sustentável da obra: econômica, ter longa vida útil e conter apenas materiais com potencial para, ao término de sua vida útil (ao chegar o instante de sua demolição), ser reciclados ou reutilizados b) Aproveitamento passivo dos recursos naturais: conforto e bem-estar dos ocupantes, integrando a habitação com o entorno, além de economizar recursos finitos, como energia e água.
  • 28. c) Eficiência energética: uso de energias renováveis e sistemas para redução no consumo de energia e climatização do ambiente. d) Gestão e economia da água: tratá-la localmente e reciclá-la, além de aproveitar recursos como a água da chuva. e) Gestão dos resíduos: eficiência na gestão pelos usuários da edificação, resolver localmente ou minimizar tal geração. f) Qualidade do ar e do ambiente interior: criar um ambiente interno e externo com elevada qualidade no tocante a paisagem local e qualidade atmosférica e elétrica do ar
  • 29. g) Conforto termo-acústico: prover excelentes condições termo-acústicas, de forma a melhorar a qualidade de vida física e psíquica dos indivíduos; h) Uso racional de materiais: usar materiais que não comprometam o meio ambiente, saúde dos ocupantes e que contribuam para promover um estilo de vida sustentável e a consciência ambiental dos indivíduos; i) Uso de produtos e tecnologias ambientalmente amigáveis: estimular um novo modelo econômico-social, que gere empresas de produtos serviços sustentáveis e dissemine consciência ambiental entre colaboradores, fornecedores, comunidade e clientes IDHEA - Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica: os Nove Passos para a Obra Sustentável
  • 30. Green building São edificações nas quais foram aplicadas medidas construtivas que buscam o aumento de sua eficiência no uso de recursos, com foco na redução dos impactos socioambientais. Isto é feito por meio de um processo que abrange CICLO DE VIDA completo das edificações.  Deste modo, englobam: Localização Projeto Construção Operação e Manutenção Remoção de resíduos Remoção/renovação da edificação ao final de sua vida útil.
  • 31. Ciclo de vida de uma construção sustentável 1. Planejamento - Estudos, Projetos; 2. Implantação – Construção/ Obra; 3. Utilização - Habitação/ Viver o espaço; 4. Manutenção - Durabilidade; 5. Demolição.
  • 32. No planejamento, considerar: 1. Localização: aspectos locais (bairro, clima, vento, solo e tipo de ocupação); 2. Desenho do Projeto (orientação do edifício, luz e ventilação natural, cor das superfícies); 3. Mobilidade: zona servida por transporte público, estacionamento, ciclovias; 4. Materiais (materiais naturais – terra madeira, cortiça; sem compostos voláteis e uso de resíduos)
  • 33. 5. Resíduos: Reciclagem em pontos de coleta, em edifícios, em ecopontos, por compostagem ou hortas urbanas; 6. Águas e Afluentes: Torneiras temporizadoras; aproveitamento de águas pluviais para rega; 7. Energia (energia solar passiva, energia renovável, equipamentos eficientes); 8. Certificação Energética e/ou Ambiental (LEED, Caixa Azul)
  • 34. Benefícios da construção sustentável  Benefícios sociais: desenvolver a economia local através da geração de emprego e renda, benefícios a partir dos impostos pagos, promove a integração de ocupantes (do empreendimento) com sua vizinhança e uma adequação arquitetônica com seu entorno.  Benefícios ambientais: devem ser planejados para que suprimam menores áreas de vegetação, otimizem o uso de materiais, gerem menos lançamentos de resíduos durante sua fase de construção; demandem menos energia e água durante sua fase de operação; sejam duráveis, flexíveis e passíveis de requalificação e possam ser amplamente reaproveitados e reciclados no fim de seu ciclo de vida. Muitos dos benefícios ambientais se traduzem em ganhos econômicos, com a redução de custos de construção, uso e operação e manutenção das edificações. FLORIM (2005)
  • 35. Benefícios ...  Benefícios econômicos: aumento da eficiência no uso de recursos financeiros na construção, a oferta de um retorno financeiro justo aos empreendedores e acionistas, indução de aumento da produtividade de trabalhadores por encontrarem-se em um ambiente saudável e confortável. FLORIM (2005) COM ISSO, HÁ ...  Valorização de até 3% no valor do m2 do imóvel.  Redução dos custos operacionais em até 25%  Aumento da produtividade em até 16%  Associação da marca ao conceito de sustentabilidade
  • 36. Certificação de construção sustentável  Selo LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) – atesta a qualidade ambiental de prédios residenciais e comerciais. Desenvolvido pelo United States Green Building Council (USGBC) e funciona através de um sistema de pontuação que certifica (ou não) edificações novas e existentes como sustentáveis.  Existem atualmente mais de 1.253 empreendimentos certificados e mais de 11.250 em processo de aprovação
  • 37.  As edificações interessadas em conquistar o selo LEED devem entrar com pedido de certificação na Plataforma LEED On line, referente ao seu tipo de empreendimento.  No Brasil, existem oito selos diferentes: - LEED NC, para novas construções ou grandes projetos de renovação; - LEED ND, para projetos de desenvolvimento de bairro; - LEED CS, para projetos na envoltória e parte central do edifício; - LEED Retail NC e CI, para lojas de varejo; - LEED Healthcare, para unidades de saúde; - LEED EB_OM, para projetos de manutenção de edifícios já existentes; - LEED Schools, para escolas e - LEED CI, para projetos de interior ou edifícios comerciais
  • 38.  O BREEAM é o primeiro método de avaliação de desempenho ambiental de edifícios, desenvolvido pelo Building Research Establishment (BRE), no Reino Unido, já no início da década de 1990, contendo exigências que enfocavam: o interior da edificação, o seu entorno próximo e o meio ambiente  O GBTool é uma ferramenta internacional de avaliação ambiental de edifícios, resultante de um consórcio que envolve vários países da Europa, Ásia e América (Green Building Challenge) na busca do desenvolvimento de incentivos à execução de edifícios mais adequados do ponto de vista ambiental. Não possui um órgão certificador específico, sendo uma ferramenta de discussão e aprimoramento de projetos podendo ser adotada por qualquer entidade de avaliação que defina fatores de ponderação para os elementos considerados.
  • 39.  O CASBEE (Japão) possui instrumentos de avaliação para quatro tipos de empreendimentos: voltados ao projeto (ainda em desenvolvimento), construções novas, edifícios existentes e reformas. Os critérios de avaliação abordam a qualidade ambiental e desempenho do edifício e diminuição de cargas ambientais quanto à eficiência energética, gestão de recursos e impactos na vizinhança.  O HQE (França) é uma base de avaliação que consiste em dois sistemas relacionados entre si, que aferem o desempenho ambiental de edifícios. Sua estrutura subdivide-se em gestão do empreendimento – SMO (Système de Management de l'Opération) – e qualidade ambiental – QEB (Qualité Environnementale du Bâtiment) –, que avaliam as fases de projeto, execução e uso, cada qual com uma certificação em separado
  • 40.  O método desenvolvido pelo IPT visa oferecer uma avaliação ambiental de edifícios adequada às condições brasileiras e, caso o resultado seja satisfatório, conceder uma Referencia Ambiental- IPT. Sua estrutura é semelhante à do LEED e BREEAM, com itens com caráter de atendimento obrigatório e outros classificatórios.  A sistemática do IPT enfatiza os aspectos ambientais tradicionais como características do terreno, de água, energia, materiais, resíduos e conforto ambiental. Considera também aspectos mais abrangentes como de acessibilidade e relação do edifício com o meio urbano.
  • 41.  Como parte do Programa Brasileiro de Etiquetagem, o PROCEL EDIFICA incentiva a adoção de medidas mais sustentáveis nos edifícios do país. O Inmetro e a Eletrobrás lançaram a Etiqueta de Eficiência Energética de Edificações, que avaliará e classificará os prédios públicos, comerciais e de serviços de acordo com seu consumo de energia. Considera, basicamente, três aspectos: envoltório – em que serão avaliados a fachada e o entorno dos prédios –, sistema de iluminação e condicionamento de ar. Cada conceito receberá uma classificação entre A, que é o melhor nível de eficiência, e E, que é o pior.
  • 42.  A Certificação de Construção Sustentável - Processo AQUA demonstra, de forma inegável e inequívoca, a Alta Qualidade Ambiental do Empreendimento, provada por meio de auditorias independentes. O AQUA é a adaptação para o Brasil da HQE (Démarche HQE), da França. Desenvolvido pelos professores da Escola Politecnica da USP e pela Fundação Vanzolini, possui a sua certificação é realizada 100% no Brasil, por meio de auditorias presenciais
  • 43.  “Selo Casa Azul CAIXA: Boas Práticas para Habitação Mais Sustentável” foi produzido com apoio de uma equipe de especialistas da USP, UNICAMP e UFSC. Tem como objetivo o reconhecimento e incentivo de projetos que demonstrem suas contribuições para a redução de impactos ambientais, considerando 53 critérios em relação aos temas qualidade urbana, projeto e conforto, eficiência energética, conservação de recursos materiais, gestão da água e práticas sociais. O Selo Casa Azul CAIXA é o primeiro sistema de classificação da sustentabilidade de projetos desenvolvido para a realidade da construção habitacional brasileira. O objetivo do manual é dar suporte aos projetistas e empreendedores com estratégias adaptadas para a realidade habitacional do país e na incorporação da “agenda do empreendimento” como forma de escolha para a adoção de ações que sejam mais relevantes desde o ponto de vista socioambiental.
  • 44. Construções sustentáveis - Brasil  1. Mc Donald´s Bertioga (SP)  2. Rochaverá Corporate Towers (SP)  3. Eco Mercado Palhano (Londrina)  4. Banco Real (Cotia,SP)  5. Ventura Corporate Towers (RJ)
  • 45. Outras ...  Construções brasileiras que receberam o selo LEED: - Eldorado Business Tower (São Paulo – SP) - Morgan Stanley (São Paulo – SP) - Delboni Auriemo – Dumont Villares (São Paulo – SP) - Centro de Distribuição Bomi Matec (Itapevi – SP) - Edifício Cidade Nova – Bracor (Rio de Janeiro – RJ) - WTorre Nacoes Unidas 1 e 2 (São Paulo – SP) - Centro de Cultura Max Feffer (Pardinho – SP) - Torre Vargas 914 (Rio De Janeiro – RJ) - Escritório Brasken (São Paulo – SP) - Pão de Açúcar – Loja Indaiatuba (Indaiatuba SP) - Fleury Medicina e Saúde – Rochaverá Corporate Towers (São Paulo – SP) - Laboratório Boehringer Ingelheim (São Paulo – SP) BLANCO, P.V. (2011)