Ausculta

479 visualizações

Publicada em

Auculta

Publicada em: Carreiras
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
479
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ausculta

  1. 1. Semiologia Cardiovascular Ausculta Normal e Bulhas – Fonese e Desdobramentos por Cássio Martins Ausculta Normal Introdução A ausculta cardíaca é parte fundamental não somente do exame cardiovascular, mas também do exame clínico geral. Através dela, é possível realizar o diagnóstico, e muitas vezes, avaliar a gravidade da enfermidade apresentada pelo paciente. Contudo, cabe a observação de que a ausculta somente é parte de um exame muito mais amplo, que engloba a anamnese e a avaliação dos diversos outros sistemas presentes no organismo humano. Através da ausculta do coração, pode-se indentificar sons originados do mesmo, que serão classificados de acordo comdiversos parâmetros, dentre os quais estão: frequência; localização no ciclo cardíaco; melhor foco de ausculta e irradiação; duração; etc. Para o reconhecimento e entendimento adequado desses sons, é preciso que médico e pacientes estejam em um ambiente adequado para o exame, que inclui um ambiente agradável (sem barulho; com privacidade para o paciente), uma posição confortável para o paciente e para o médico, e uma relação médico- paciente consistente. De maneira geral, a ausculta é realizada com o paciente em decúbito dorsal, mas isso é constantemente alterado de acordo com o objetivo do examinador, que poder realizar o exame como paciente sentado, em decúbito semi- lateral esquerdo e até de cócoras. Cada modificação de posição tem uma influência sobre determinados sons cardíacos, o que será abordado adiante. O Exame A ausculta será realizada após a devida inspeção e palpação do precórdio, os quais trarão muitas informações que auxiliarão o correto entendimento dos fenômenos auscultatórios. A ausculta pode ser feita de maneira direta, com o examinador posicionando o pavilhão auricular no tórax do paciente. Esse método é menos utilizado depois do advento do estetoscópio, através do qual se realiza a ausculta indireta. O estetoscópio possui três componentes básicos (mostrados na figura abaixo): peças auriculares; sistema de tubos; e as peças torácicas. Estas últimas se dividem em diafragma, útil para a ausculta de sons agudos (alta frequência), ou seja, da maioria dos sons cardíacos, e a outra parte é a campânula, usada para a ausculta dos sons mais graves (baixa frequência), representados pelas bulhas acessórias (B3 e B4) e o ruflar diatólico da estenose mitral.
  2. 2. Em posse do estetoscópio, pode-se começar a ausculta. Mas onde auscultar ? Para direcionar o exame físico, existem áreas onde fenômenos originados de determinadas estruturas do coração são melhor percebidas. Estes são os focos de ausculta. Portanto, o foco aórtico é o local no precórdio onde os fenômenos originados da valva aórtica são melhor auscultados, e isso se repete para os demais focos. O focos clássicos estão mostrados na figura abaixo (juntos de outros), sendo eles: Foco Aórtico (valva aórtica): segundo espaço intercostal na linha paraesternal direita. Foco Pulmonar (valva pulmonar): segundo espaço intercostal na linha paraesternal esquerda. Foco aórtico acessório (melhor local para ausculta da Insuficiência Aórtica): terceiro espaço intercostalna linha paraesternal esquerda. Foco tricúspide (valva tricúspide): borda esternal esquerda inferior Foco mitral (valva mitral): quinto espaço intercostal na linha hemiclavicular esquerda.
  3. 3. Contudo, além desses focos clássicos, recomenda-se a ausculta de outras áreas como o pescoço e a fúrcula esternal (irradiação do sopro da estenose aórtica), as regiões infraclaviculares (sopro da Persintência do canal arterial), região axilar (sopro de Colececil), entre outras. Além disso, pode e deve-se auscultar toda a área próximo do foco de ausculta, pois devido a variações anatômicas indivíduais, os sons cardíacos podem ser melhor audíveis nessas áreas. Sabendo-se os locais onde posicionar o estetoscópio pode-se iniciar a ausculta, e para evitar que o examinador se esqueça de algum dado do exame, recomenda-se que o mesmo tenha uma rotina, que permita a avaliação das diversas informações que o exame apresenta. A melhor rotina será aquela criada pelo próprio examinador, contudo que não esqueça de nenhum passo. A Metodologia do Exame O examinador pode começar pelos focos da base do coração (aórtico e pulmonar) ou pelos do ápice cardíaco (mitral e tricúspide), contanto que não deixe de exminar nenhum dos focos. O primeiro passo após posicionar o estetoscópio no tórax do paciente é identificar o que é a primeira bulha (fechamento da valvas atrioventriculares) e o que é a segunda bulha (fechamento das semilunares). A melhor forma para tal é palpar a artéria carótida do paciente ao mesmo tempo que ausculta-o. A bulha que coincide com o pulso da artéria é a B1. Outra forma de fazer essa diferenciação, que requer mais experiência por parte do examinador, é avaliar a característica auscultatória de B1, que é um som mais suave e prolongado, como uma batida de surdo (“Tum”), e de B2, que é um som mais seco (“Tá”). Após identificar esses sons, pode-se identificar a sístole auscultatória, que é o período entre B1e B2, e a diástole auscultatória, que compreende o espaço entre B2 e B1. Realizado esse passo, o examinador está apto a localizar qualquer som dentro do ciclo cardíaco, o que essencial para a correta compreensão do mesmo. A partir desse momento o examinador deve-se perguntar: 1. O ritmo é regular ? 2. Como estão as Bulhas ? Hiper ou Hipofonéticas ? Desdobradas ? Apresenta B3 ou B4 ? 3. Como está a sístole ? Tem Sopro ? Click ? Atrito ? 4. Como está a diástole ? Tem Sopro ? Estalido ? Atrito ? Importante lembrar que esse é um roteiro resumido do que o examinador pode encontrar na ausculta cardíaca e funciona somente para o mesmo não deixar os dados mais básicos passarem despercebidos. Além de que, como dito anteriormente, a mehor rotina é aquela criada pelo próprio examinador, desde que ela não deixe de contemplar nenhuma parte do exame.
  4. 4. Manobras Auxiliares Muitas vezes, o examinador ficará em dúvida ao auscultar um determinado som cardíaco, de modo que não consiga diferencia-lo de um outro som, ou que seja necessário amplificar esse som auscultado. Para tal, o profissional lança mão da ausculta dinâmica, que se caracteriza pelo uso de diversas manobras como mudança de posição ou respiração para melhorar a acurácia do exame. A principais manobras são: Inspiração profunda: quando o paciente inspira, a pressão intra-torácica diminui, o que aumenta o retorno venoso e consequentemente aumenta o volume no lado direito do coração, por isso, essa manobra amplifica os fenômenos oriundos destas câmaras cardíacas, por exemplo na Insuficiência tricúspide. Müller: uma variante da inspiração profunda, onde o paciente irá inspirar mas com o dedo indicador de uma das mãos na boca e a outra mão “tapando”o nariz. Será como se o paciente estivesse “chupando o dedo”. O resultado é o mesmo que o da inspiração, com a vantagem de se eliminar os ruídos respiratórios. É particulamente indicada nos pacientes com a respiração muito ruidosa. Valsalva: é o contrário da inspriração profunda, onde o paciente fará uma expiração com a glote fechada ou contra algum obstáculo que impeça a saída de ar dos pulmões, como a mão do próprio paciente. Nesse caso, a pressão intratóracia aumenta e diminui o retorno venoso, o que diminui o volume em todas a cavidades do coração. Essa manobra diminui a intensidade de todos os sopros do coração, mas aumenta o sopro da cardiomiopatia hipertrófica e antecipa o click e prolonga o sopro do prolapso mitral. Essas alterações serão explicadas melhor nas aulas de Estenose Aórtica e Insuficiência Mitral. Essa manobra é contra-indicada no paciente com Síndrome coronariana ou Insuficiência Cardíaca. Mudança de posição do paciente de deitado para ortostático ou de cócoras para em pé: ambas as manobras reduzem o retorno venoso e portanto diminuem todos o sopros do coração, com excessão do sopro da cardiomiopatia hipertrófica e do prolapso mitral, que irão sofrer a mesma influência da manobra de Valsalva. Mudança de posição do paciente de em pé para cócoras: causa aumento do retorno venoso, aumentando o volume em todas as cavidades cardíacas, o que acentua ou não altera todos os sopros do coração, mas diminui o sopro da cardiomiopatia hipertrófica e atrasa o click e o sopro do prolapso mitral. Elevação passiva dos membros inferiores do paciente: aumenta o retorno venoso para o lado direito do coração, de modo que amplifica o fenômenos oriundos dessas câmaras. Por aumentar o volume no ventrículo esquerdo, essa manobra causa a diminuição no sopro da cardiomiopatia hipertrófica. Exercício isométrico: caracterizado pelo handgrip; pede-se para o paciente cerrar os punhos fortemente, isso aumenta a resistência vascular periférica, o que aumenta os sopros gerados no lado esquerdo do coração, com excessão do sopro da
  5. 5. estenose aórtica. Isso explica-se pelo fato do aumento da pré-carga, diminuir a saída de sangue do ventrículo esquerdo, de modo que diminui a intensidade do sopro da estenose aórtica. Está contra-indicado na doença coronariana. Execício isotônico: caracterizado pela repetição de um exercício, como fazer polichinelos; isso aumenta o fluxo sanguíneo, o que aumenta os sopros originados do lado esquerdo do coração. Utilização de drogas vasoativas: caracteriza-se pelo uso de drogas vasoconstrictoras ou vasodilatadoras para estudo dos respectivos efeitos. Devido à insegurança da administração dessas drogas nos paciente e pela efetividade dos outros métodos, são muito pouco utilizadas. Primeira Bulha A primeira bulha (B1) é um som de curta duração originado do fechamento das valvas atrioventriculares, mitral (M1) e tricúspide (T1). É melhor percebida com o paciente em decúbito dorsal, com o diafragma do estetoscópio nos focos mitral e tricúspide. Como dito anteriormente, é identificada por ser a bulha que coincide com o pulso carotídeo. Desdobramento Fisiológico de B1 Normalmente, a valva mitral fecha-se antes da valva tricúspide. Contudo esse intervalo é muito pequeno e o ouvido humano não consegue perceber, de modo que M1 e T1 geram um mesmo som, tipicamente representado como um “Tum”. Em algumas pessoas, esse intervalo é um pouco maior e os dois componentes de B1 conseguem ser auscultados, gerando um som tipicamente representado por um “Trum”. Isso não reflete morbidade, é somente uma variante do normal. Esse desdobramento somente é auscultado no foco tricúspide, porque esse é o único foco onde é possível ouvir T1, em todos os demais focos o som de M1, por ser muito mais alto, ofusca T1. Hiperfonese de B1 Quando a primeira bulha possui sua intensidade maior do que quando auscultada normalmente, ou seja, quando ela está mais “alta”, diz-se que está hiperfonética. As principais causas para da hiperfonese de B1 se dividem em causas extra-cardíacas e causas cardíacas. Extra-cardíacas: atuam facilitando a transmissão do som gerado no coração até o tórax do paciente. Portanto se resumem basicamente ao diâmetro ântero- posterior do tórax do doente. De modo que crianças e adultos muito magros podem ter a primeira bulha aumentada ao exame físico. Cardíacas: diversas são as causas cardíacas que levam à hiperfonese de B1, dentre elas cabe destacar:
  6. 6.  Síndromes hipercinéticas: uma vez que os sons gerados no coração são oriundos da aceleração e desaceleração do sangue e das estruturas cardíacas, situações em que esses componentes estão atuando com velocidade aumentada geram sons mais altos. Basicamente, as vávulas AV fecham com uma velocidade muito grande gerando uma B1 hiperfonética.  Sobrecarga de Pressão: situações em que o ventrículo está submetido à uma pressão muito grande (Estenose aórtica e HAS de longa data) fazem com que este responda se hipertrofiando, de modo a gerar uma contração mais forte. Essa contratilidade aumentada faz com que a valva se feche mais rápido e gera uma bulha hiperfonética.  Estenose mitral: a limitação do fluxo do átrio para o ventrículo gera um acúmulo de sangue no primeiro, o que aumenta a pressão dentro do mesmo. Dessa forma, na diástole, a pressão no átrio é muito maior do que no ventrículo, deixando a valva mais aberta. Conforme a pressão no ventrículo aumenta (pelo acúmulo de sangue e contração ventricular) a valva atrioventricular, que deveria ir fechando em situações fisiológicas, se mantém aberta porque a pressão no átrio é muito grande. Dessa forma, quando o ventrículo finalmente supera a pressão reinante no átrio, a valva ainda está muito aberta e fecha dessa posição mais aberta, gerando um som mais intenso, que é uma B1 hiperfonética. Além disso, a valva anatomicamente alterada, por si só, é fator que gera hiperfonese de B1. Conforme a doença progride e surge calcificação, levando a imobilização da valva, essa intensidade diminui podendo chegar até a hipofonese.  Intervalo PR curto: a valva atrioventricular não se fecha de uma posição totalmente aberta para uma posição totalmente fechada. Conforme ela fecha, no meio do caminho, ela dá uma “paradinha” e termina de se fechar a partir dessa posição. Portanto, fisiologicamente, a valva se fecha de uma posição menos aberta quando comparada com o início da diástole. Nas situações com intervalo PR curto no eletrocardiograma, como nas taquiarritmias, a contração do ventrículo é tão rápida que não dará tempo de valva dar essa “paradinha” e ela fechará de uma posição mais aberta, gerando uma B1 hiperfonética. Outro fato que contribui para a hiperfonese, é que como o PR é curto, o ventrículo inicia a sua contração no momento em que o átrio ainda está terminando a sua contração, e portanto está mantendo essa valva atrioventricular mais aberta. Hipofonese de B1 Quando a primeira bulha encontra-se com sua intensidade menor do que o normal, diz-se que ela está hipofonética. As causas de B1 hipofonética também se dividem em cardíacas e extra-cardíacas.
  7. 7. Extra-cardíacas: atuam dificultando a transmissão dos sons cardíacos para o tórax do paciente. Os principais exemplos são o aumento do diâmetro ântero-posterior do tórax, observado no DPOC, e o Derrame Pericárdico, onde o líquido no interior do saco pericárdico atua como uma barreira para a transmissão dos sons gerados no coração. Cardíacos: Também são diversas as causas de hipofonese de B1, mas pode- se destacar:  Insuficiência Cardíaca: conforme a função ventricular entra em falência, a contratilidade fica menor e a velocidade de fechamento das valvas é menor, gerando uma B1 hipofonética.  Síndrome Isquêmica: possui a mesma explicação que a anterior, ou seja, menor contratilidade miocárdica.  Estenose mitral grave: quando a estenose mitral evolui para calcificação dos folhetos valvares, ela gera uma imobilidade dos mesmos, que passam a gerar uma B1 hipofonética. Isso é sinal de gravidade na doença.  Intervalo PR longo: ao contrário do que acontece com o intervalo PR curto, a valva atrioventricular tem tempo de sobra para dar a “paradinha” e assumir uma posição mais fechada para fechar, de modo que irá gerar uma B1 hipofonética. Além disso, o longo espaço entre a contração atrial e a contração ventricular permite que o ventriculo se
  8. 8. contraia quando o átrio já relaxou e diminui a pressão dentro dessa cavidade, de modo a não segurar mais essa valva em uma posição mais aberta. Desdobramento Patológico de B1 O desdobramento de B1 é patológico quando o intervalo entre o fechamento de T1 e M1 é muito grande e gera dois sons muito separados, além de estarem associados à alguma morbidade por parte do paciente. O principal mecanismo que gera o desdobramento de B1 é o atraso no fechamento de T1, sendo a principal causa o Bloqueio de ramo direito do Feixe de Hiss. É fácil entender a razão, uma vez que nessa patologia o estímulo demora mais para chegar ao ventrículo direito, que começará sua contração mais tardiamente, ocasionando o fechamento mais tardio da valva tricúspide. Outras causas são mecânicas, sendo possível citar a Comunicação Interatrial e a Anomalia de Ebstein. Diagnóstico diferencial O desdobramento amplo de B1 pode ser confundido com outros sons que acontecem no ciclo cardíaco próximo da primeira bulha. Dentre eles, pode-se destacar a quarta bulha (B4) e o click de ejeção tanto da valva aórtica como da pulmonar. A principais diferenças entre esses sons são destacadas no quadro abaixo. Desdobramento de B1 B4 Click de Ejeção Palpável Não Sim Não Peça do Estetoscópio Diafragma Campânula Diafragma Foco de Ausculta FT FM FA ou FP Resultado com a posição ereta Não se altera Diminui Aumenta Lembrar de levar em consiração outros dados do exame clínico !!!
  9. 9. Segunda Bulha A segunda bulha cardíaca (B2) é um som de curta duração, que é gerado pelo fechamento das valvas semilunares, aórtica (A2) e pulmonar (P2). É usualmente examinada com o paciente em decúbito dorsal, mas muitas vezes precisa-se examiná- la com o paciente sentado, por exemplo para avaliaçãode desdobramentos e do sopro da insuficiência aórtica. Para o exame, usa-se o diafragma do estetoscópio posicionado nos focos aórtco (A2) e pulmonar (P2). Ao exame, ela é a bulha que não coincide como impulso do pulso carotídeo. Normalmente, a ausculta de B2 no foco aórtico (A2) gera um som de maior intensidade do que quando ausculta-se B2 nofoco pulmonar (P2), ou seja, o componente aórtico de B2 é normalmente mais intenso que o componente pulmonar, daí retira-se a “regra” A2>P2. Isso se explica porque as pressões que a valva aórtica suporta são muito maiores que aquelas presentes no lado pulmonar. Quando no exame encontra-se P2>A2 significa que a circulação pulmonar encontra-se com uma pressão muito aumentada, caracterizando um quadro de Hipertensão Arterial Pulmonar. Desdobramento Fisiológico de B2 A segunda bulha cardíaca normalmente encontra-se como um som seco e único, tipicamente caracterizado como um “Tá”. Ele é único, porque apesar de a valva aórtica fechar-se antes da pulmonar, esse intervalo não é captado pela audição humana. Contudo, em algumas pessoas sem doença cardíaca, esse intervalo pode estar um pouco aumentado, a ponto de ser possível auscultar ambos os componentes de B2 no exame. Esse fenômeno recebe o nome de Desdobramento Fisiológico, e é reconhecido tipicamente, na ausculta, como um “Tra”. O desdobramento fisiológico possui uma característica própria, que é a de aparecer ou aumentar com a inspiração e desaparecer ou diminuir com a expiração. Isso acontece porque na inspiração, a pressão intratorácica diminui e leva à um aumento no retorno venoso, o que aumenta o volume de sangue no ventrículo direito, levando o mesmo a demorar mais para ejetar todo o seu débito, de modo a atrasar o fechamento da valva pulmonar, levando ao aparecimento do desdobramento à ausculta. Portanto, tipicamente, o desdobramento fisiológico é aquele que aparece com a inspiração e desaparece com a expiração, podendo estar presente nessas duas fases. Mas quando coloca-se o paciente sentado ou em pé, ele tipicamente desaparece na expiração. De modo que um paciente com desdobramento de B2 que, quando deitado, aparece na expiração e, quando sentado ou em pé, desaparece na expiração, pode-se dizer que ele tem um desdobramento fisiológico. Por último, cabe dizer que a ausculta desse desdobramento e dos demais desdobramentos que serão discutidos daqui pra frente será realizada no foco pulmonar, pois esse é o único foco onde ausculta-se P2 , uma vez que em todos os outros focos ausculta-se somente A2 em função de sua maior intensidade. Hiperfonese de B2 Quando a segunda bulha cardíaca encontra-se com intensidade aumentada, diz-se que B2 está hiperfonética. As causas, assim como em B1, são de origem cardíacas e extra-cardíacas.
  10. 10. Extra-cardíacas: atuam, assim como em B1, facilitando a transmissão do som. Representado pelo tórax de crianças e de indivíduos magras. Cardíacas: são várias as causas, mas pode-se destacar:  Hipertensão Arterial Pulmonar: aumenta a intensidade de P2 por aumento da pressão no interior do vaso gerando uma maior velocidade no fechamento das valvas, levando à hiperfonese. Conforme descrito anteriormente, o exame físico mostrará P2>A2.  Hipertensão Arterial Sistêmica: aumenta a intensidade de A2 pelo mesmo mecanismo descrito acima. Podendo tambem contibuir o fato de que uma hipertensão de longa data pode gerar algum grau de dilatação da aorta, o que aproxima a artéria da parede torácica, contibuindo para a hiperfonese.  Aneurisma de Aorta ascendente: independente da causa (endocardite, sífilis, HAS, Marfan), o mecanismo é a aproximação da aorta da parede torácica.  Estados Hipercinéticos: nesses estados o débito encontra-se muito aumentado, o que gera um volume ejetado muito grande no vaso, que passa a apresentar uma maior pressão no seu interior e se distende mais, quando esse vaso regride, ele volta com uma velocidade muito alta e leva à um fechamento mais rápido da valva, gerando uma hiperfonese. Hipofonese de B2 Quando a segunda bulha cardíaca encontra-se com sua intensidade diminuída, diz que B2 está hipofonética. As causas também se dividem em cardíacas e extra- cardíacas. Estas últimas são exatamente iguais àquelas comentadas no tópico “Hipofonese de B1” e portanto não serão comentadas aqui. Cardíacas: são diversas as causas, merecendo destaque:  Falência miocárdica: na insuficiência cardíaca sistólica, o débito cardíaco encontra-se muito diminuído, de modo que menos sangue chega a aorta, ocupando menos espaço, originando uma baixa pressão no interior desse vaso, o que faz com que a valva aórtica se feche mais lentamente e assim causa uma B2 hipofonética. O ventrículo em falência tambem se relaxa mais lentamente, de modo que o sangue volta mais lentamente para a fechar a valva aórtica, que se fecha mais lentamente.
  11. 11.  Síndrome Isquêmica aguda: é basicamente o mesmo mecanismo do descrito acima, causado pela isquemia que leva à uma disfunção miocárdica.  Estenose Aórtica ou Pulmonar: a própria calcificação da valva em função da doença pode levar à imobilidade da mesma, levando à hipofonese. Além disso, a limitação da passagem do fluxo gera um volume dentro do vaso menor, que contrinui para uma menor pressão e fechamento mais lento da valva, levando à hipofonese.  Insuficiência Aórtica ou Pulmonar: B2 é oriunda do fechamento das valvas semilunares, logo se elas não fecharem corretamente a B2 será hipofonética. Desdobramentos Patológicos Como dito anteriormente, existem situações em que A2 e P2 fecham-se muito distantes um do outro originando uma situação chamada de desdobramento. Este pode ser fisiológico, como já discutimos anteriormente, e pode ser patológico e estar associado à alguma patologia cardíaca. Vamos estudar os principais desdobramentos patológicos. Desdobramento Amplo de B2 Este ocorre por qualquer patologia que atrase o fechamento do componente pulmonar ou adiante o fechamento do componente aórtico. Caracteriza-se por ser um desdobramento presente tanto na inspiração (onde ele aumenta) como na expiração (onde ele diminui), e não desaparece nem com o paciente sentado ou em pé, o que auxilia muito na diferenciação do desdobramento fisiológico. Apresenta causas elétricas, destacando-se o Bloqueio de Ramo Direito do Feixe de Hiss, que irá atrasar a contração do ventrículo direito, atrasando o fechamento da valva pulmonar. Mas também apresenta causas mecânicas, como a Insuficiência Mitral, que encurta a sístole do VE, antecipando o fechamento da valva aórtica. Outras causas são Estenose Pulmonar, Embolia Pulmonar e Insuficiência de VD, todas cursando com prolongamento do tempo de ejeção do VD, atrasando o fechamento da valva pulmonar. Desdobramento Fixo de B2 Este desdobramento ocorre por um atraso no fechamento da valva pulmonar, mas apresenta uma característica que o distingue de todos os outros que é o fato de não se alterar com a respiração. Ele está tipicamente presente na Comunicação Interatrial (CIA). Nessa situação, durante a inspiração ocorre aumento do retorno venoso, levando a um maior volume no VD e consequentemente maior tempo de ejeção. Na expiração, quando esse volume de VD deveria diminuir, ele se mantem alto, porque agora o AD está recebendo sangue do AE, por um shunt esquerda-direita,
  12. 12. o que mantem o volume do VD alto, mantendo o atraso de fechamento da valva pulmonar. Desdobramento Paradoxal de B2 Este desdobramento ocorre quando alguma doença cardíaca antecipa o fechamento da valva pulmonar, ou atrasa o fechamento da valva aórtica. De modo que, quando o paciente inspirar fundo, o componente pulmonar se atrasa (como já explicado anteriormente) e se junta ao aórtico, levando o desdobramento à desaparecer. Portanto, ele recebe esse nome, porque na inspiração, quando ele deveria aumentar, ele diminui ou (mais comumente) desaparece. Apresenta causas elétricas, como o Bloqueio de Ramo Esquerdo do Feixe de Hiss, que atrasa a contração do VE, atrasando o fechamento da valva aórtica, ou a presença de Marca- Passo de VD, que irá estimular antes o VD, levando ao fechamento precoce da valva pulmonar. Mas também possui causas mecânicas, como a Estenose Aórtica, HAS com comprometimento miocárdico e as demais cardiomiopatias, todas apresentando um tempo de ejeção aumentado – seja por obstrução fluxo, seja por disfunção miocárdica- o que atrasa o fechamento da valva aórtica. Diagnóstico diferencial Os desdobramentos de B2 podem ser confundidos com outros sons de curta duração que acontecem no ciclo cardíaco próximos de B2, como a terciera bulha (B3) e o estalido de abertura. Os principais elementos usados para a diferenciação entre eles estão listados na tabela abaixo. Desdobramento de B2 B3 Estalido de abertura Palpável Não Sim Pode ser Foco de ausculta FP FM Difuso Peça do estetoscópio Diafragma Campânula Diafragma Inspiração Aparece ou acentua Não se altera Não se altera Sonoridade Igual à B2 Suave e abafada Agudo, seco
  13. 13. Bibliografia • Semiologia Cardiovascular; Couto, A., A.; Nani, E.; Mesquita, E., T.; Pinheiro, L., A., F.; Filho, L., J., M., R.; Bruno, W.; editora Atheneu • Tratado de Semiologia Médica; Swartz, M., H.; editora Saunders elsevier • Tratado de Doenças Cardiovasculares; Braunwald; oitava edição; editora Saunders elsevier • Medicina Interna; Harrison; décima sétima edição; editora Artmed • Semiologia Médica; Mário Lopes; terceira edição; editora Atheneu

×