O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Preservação digital, gestão de dados de pesquisa e biodversidade

19 visualizações

Publicada em

Preservação digital, gestão de dados de pesquisa e biodversidade - Miguel Ángel Márdero Arellano, Maria de Fátima Duarte Tavares

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Preservação digital, gestão de dados de pesquisa e biodversidade

  1. 1. Preservação Digital, Gestão de Dados de Pesquisa e Biodiversidade Miguel Ángel Márdero Arellano – IBICT Maria de Fátima Duarte Tavares – IBICT
  2. 2.  1.A preservação digital na política de gestão de dados de pesquisa  2.Políticas de reuso de dados de pesquisa e a biodiversidade  3.Considerações finais
  3. 3.  1. A preservação digital na política de gestão de dados de pesquisa  Reconhecimento da demanda de institucionalização de políticas de gestão de dados de pesquisa, nos termos de movimento de acesso aberto;
  4. 4.  Dominância dos processos eletrônicos e volume crescente de dados digitais, mas raramente é considerado o problema da preservação digital no longo prazo;  suporte de infraestrutura de repositórios de dados exige políticas abrangentes;  Relação de co-responsabilidade entre produtor de conteúdo e gestores de repositórios;
  5. 5.  Os pesquisadores e os gestores dos repositórios são os agentes imprescindíveis na condução dos processos acerca da preservação dos materiais por longos períodos, quando o acesso ilimitado e irrestrito é uma condição necessária;
  6. 6.  A preservação digital é um processo que deve ser atualizado com o objetivo de estar sempre adaptado às mudanças do contexto, integrado às outras políticas institucionais que envolvem seu financiamento, recursos humanos e planejamento;
  7. 7.  As ações de preservação em longo prazo, dentro da política de gestão de dados, têm o propósito de garantir a permanência e acesso aos dados, como ações que, implantadas no curto prazo, antecipam, preveem, retardam ou detêm o deterioro dos dados digitais.  O processo de preservação deve estar presente em todo o ciclo de vida dos objetos digitais – itens ou coleções;
  8. 8.  A política institucional de gestão de dados científicos deverá conter especificações de uma política de preservação digital;
  9. 9.  2. Políticas de reuso de dados de pesquisa e a biodiversidade  Implicações do uso do sistema Dataverse como instrumento de institucionalização da gestão de dados de pesquisa e de preservação digital no IBICT;  Práticas científicas e memória digital da biodiversidade;
  10. 10.  Memória científica digital no Brasil- a política nacional de informatização e de acesso a coleções científicas prevalece sobre a temática da biodiversidade (Ex: SiBBr/MCTIC; INCT – Flora e Fungos);  O reuso de dados, neste caso associado ao bioma Cerrado, deve-se à disponibilidade informatizada das coleções botânicas, que permite explorar traços históricos das relações entre agentes diversos e suas práticas e saberes científicos, no quadro temporal da ocupação da região central do Brasil após os anos 50 do século XX;
  11. 11.  Dupla ordem de instâncias críticas– o do reconhecimento territorial nos traços da biodiversidade do Cerrado, bioma em progressivo processo de perda e fragmentação, e o da preservação de dados de pesquisa e futuro acesso, associados a esse território, que não se enquadram na macro política de informatização;
  12. 12.  No caso em estudo, o reuso de dados de coleções botânicas, com o suporte do Dataverse, está investido de diversas temporalidades e de retomadas possíveis de interlocução sobre o contexto de produção dos saberes e sobre o meio ambiente de referência;  A nova circulação dos materiais pesquisados incrementa o acesso à informação científica local e valoriza as instituições detentores desses acervos;
  13. 13.  As instâncias existentes de acesso às coleções científicas são extremamente relevantes, mas não são suficientes para o quadro atual, se introduzirmos a ausência de políticas de gestão de dados de pesquisa e sua preservação digital no longo prazo para os demais saberes e áreas de conhecimento direcionados ao Cerrado brasileiro;
  14. 14.  3. Considerações finais  Política de gestão de dados em repositórios deve oferecer à comunidade científica e à sociedade em geral diretrizes para a gestão de repositórios que assegurem o acesso gratuito, online, ao conteúdo digital da produção técnico-científica, de diversas áreas do conhecimento, garantindo a sua integridade e preservação, assim como direitos autorais;
  15. 15.  Para o cumprimento de política institucional de gestão de dados de pesquisa, a instituição deve definir estratégias que estimulem as ações de registro e depósito dos arquivos em bases confiáveis, contando com a colaboração dos produtores e dos especialistas de informação, além dos mecanismos específicos de plataformas de repositórios digitais;
  16. 16.  A gestão eficiente a longo prazo dos dados de pesquisa possibilita o acesso universal e equitativo às informações e dados científicos de qualidade, mas leva a um processo de seletividade, que necessita ser pautado expressamente por políticas institucionais , de forma a que se contemple toda a gama de disciplinas, das ciências naturais às sociais e às humanas.
  17. 17.  Espera-se que os indicadores resultantes dessas atividades permitam uma gestão mais equânime, atendendo às dimensões do país, mas também às condições estratégicas em que a pesquisa torna-se fundamental à preservação de seus recursos naturais e à elaboração de políticas públicas.
  18. 18.  Fim!  Obrigada. Outubro 2018. fatimatavares@ibict.br miguel@ibict.br

×