O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Análise relacional entre princípios FAIR de gestão
de dados de pesquisa e normativas internacionais
de acessibilidade às p...
CONTEXTUALIZAÇÃO
● Movimento crescente de incentivo à curadoria
digital de dados de pesquisa ao nível nacional e
internaci...
CONTEXTUALIZAÇÃO
Mapa dos Países Signatários e Reconhecedores da Convenção
sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (...
CONTEXTUALIZAÇÃO
IBGE – CENSO – 2010 (45,6 milhões de brasileiros)
OBJETIVO
• Realizar uma análise relacional entre padrões
internacionais de acessibilidade e o conjunto dos
princípios FAIR...
CONSIDERAÇÕES
1. Duas normativas de acessibilidade:
• Web Content Accessibility Guidelines (WCAG 2.0) / Diretrizes de
Aces...
CONSIDERAÇÕES
2. Não se pretende identificar semelhanças, mas sim, diretrizes
complementares ao se produzir dados de pesqu...
METODOLOGIA
• Pesquisa descritiva com abordagem metodológica
qualitativa, e quanto aos objetivos, exploratória.
• Revisão ...
RESULTADOS
Princípios FAIR WCAG 2.0
EN 301 549
V.1.1.2
Desde a criação dos
dados de pesquisa
até o seu Acesso
futuro
Desde...
RESULTADOS DOS LEVANTAMENTOS
Websites
Princípios
FAIR
WCAG 2.0 EN 301 549
V.1.1.2
ASES
Australian National Data Service Me...
CONCLUSÃO
Embora existem semelhanças entre os documentos que
versam sobre requisitos de acessibilidade e os princípios
FAI...
CONCLUSÃO
“A deficiência não precisa ser um obstáculo para o sucesso.
Durante praticamente toda a minha vida adulta sofri ...
AGRADECIMENTOS
Sonia Aguiar Cruz-Riascos: sonia.cruzriascos@gmail.com
(Universidade Federal de Pernambuco)
Daniela Frances...
REFERÊNCIAS
EUROPEAN TELECOMMUNICATIONS STANDARDS INSTITUTE (ETSI) (2015).
Accessibility requirements suitable for public ...
REFERÊNCIAS
UNITED NATIONS – DISABILITY – DEPARTMENT OF ECONOMIC AND SOCIAL
AFFAIRS. Home. Convention on the Rights of Per...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Análise relacional entre princípios FAIR de gestão de dados de pesquisa e normativas internacionais de acessibilidade às pessoas com deficiência

94 visualizações

Publicada em

Análise relacional entre princípios FAIR de gestão de dados de pesquisa e normativas internacionais de acessibilidade às pessoas com deficiência - Sonia Aguiar Cruz-Riascos, Daniela Francescutti Martins Hott, Laura Viela Rodrigues Rezende

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Análise relacional entre princípios FAIR de gestão de dados de pesquisa e normativas internacionais de acessibilidade às pessoas com deficiência

  1. 1. Análise relacional entre princípios FAIR de gestão de dados de pesquisa e normativas internacionais de acessibilidade às pessoas com deficiência Sonia Aguiar Cruz-Riascos Daniela Francescutti Martins Hott Laura Vilela Rodrigues Rezende
  2. 2. CONTEXTUALIZAÇÃO ● Movimento crescente de incentivo à curadoria digital de dados de pesquisa ao nível nacional e internacional; ● Pessoas com deficiência ainda permanecem excluídas do acesso e uso destes conteúdos digitais.
  3. 3. CONTEXTUALIZAÇÃO Mapa dos Países Signatários e Reconhecedores da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (2017, s.p.)
  4. 4. CONTEXTUALIZAÇÃO IBGE – CENSO – 2010 (45,6 milhões de brasileiros)
  5. 5. OBJETIVO • Realizar uma análise relacional entre padrões internacionais de acessibilidade e o conjunto dos princípios FAIR, a partir do escopo da acessibilidade e do contexto da gestão de dados de pesquisa.
  6. 6. CONSIDERAÇÕES 1. Duas normativas de acessibilidade: • Web Content Accessibility Guidelines (WCAG 2.0) / Diretrizes de Acessibilidade ao Conteúdo da Web • Accessibility requirements suitable for public procurement of Information and Communication Technology (ICT) products and services in Europe (EN 301 549 v1.1.2) / Requisitos de acessibilidade adequados aos contratos públicos de produtos e serviços em Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) na Europa. Emanadas pela World Wide Web Consortium (W3C) e pelo European Telecommunications Standards Institute.
  7. 7. CONSIDERAÇÕES 2. Não se pretende identificar semelhanças, mas sim, diretrizes complementares ao se produzir dados de pesquisa em ambientes digitais, considerando aspectos de acessibilidade fundamentais que proporcionarão o acesso e uso de forma autônoma por pessoas com deficiência.
  8. 8. METODOLOGIA • Pesquisa descritiva com abordagem metodológica qualitativa, e quanto aos objetivos, exploratória. • Revisão bibliográfica sobre gestão de dados de pesquisa e acessibilidade para pessoas com deficiência. • Pesquisa documental e levantamentos em websites pertinentes para realização de análises. • Análise relacional conforme explicitado.
  9. 9. RESULTADOS Princípios FAIR WCAG 2.0 EN 301 549 V.1.1.2 Desde a criação dos dados de pesquisa até o seu Acesso futuro Desde a criação de conteúdos Web até o seu acesso futuro contemplando acessibilidade de pessoas com deficiência Baseada no WCAG 2.0, contempla a fase de concepção e desenvolvimento de TIC SÍNTESE DO OBJETO DE ESTUDO DAS RECOMENDAÇÕES E ORIENTAÇÕES: As três recomendações enfatizam a importância de dados acessíveis desde a concepção de conteúdos web com viés de acesso futuro, porém a abordagem direcionada para a acessibilidade aparece somente em WCAG 2.0 e EN 301 549 v.1.1.2.
  10. 10. RESULTADOS DOS LEVANTAMENTOS Websites Princípios FAIR WCAG 2.0 EN 301 549 V.1.1.2 ASES Australian National Data Service Mencionam o uso Mencionam o uso do WCAG - 89,91% Research Councils Aparentemente não adotam Mencionam a adoção nas prioridades A e AA - 80,31% Projeto Horizon 2020 Não há informação Não há informação - 82,58% 4C Project Não há informação Não há informação - 70,9% Fundação de Amparo à Pesquisa SP Não há informação Não há informação. - 77,98% Comissão Nac. Energia Nuclear Não há informação Não há informação. - 64,86% Laboratório Interinst. Astronomia Não há informação Não há informação. - 81,55% ADOÇÃO DE REQUISITOS DE ACESSIBILIDADE: Aplicação da ferramenta ASES “Avaliador e Simulador de Acessibilidade em Sítios” para identificar o grau de acessibilidade.
  11. 11. CONCLUSÃO Embora existem semelhanças entre os documentos que versam sobre requisitos de acessibilidade e os princípios FAIR, ainda não há visibilidade no tocante à importância da acessibilidade universal. Espera-se que ao aplicar as principais recomendações e diretrizes de gestão de dados de pesquisa em conjunto com as normativas de acessibilidade, possa ser disponibilizado o acesso universal para contemplar as pessoas com deficiência.
  12. 12. CONCLUSÃO “A deficiência não precisa ser um obstáculo para o sucesso. Durante praticamente toda a minha vida adulta sofri da doença do neurônio motor. Mesmo assim, isso não me impediu de ter uma destacada carreira como astrofísico e uma vida familiar feliz”. Professor Stephen W Hawking (1942-2018)
  13. 13. AGRADECIMENTOS Sonia Aguiar Cruz-Riascos: sonia.cruzriascos@gmail.com (Universidade Federal de Pernambuco) Daniela Francescutti Martins Hott: daniela.martins@camara.leg.br / francescutti69@gmail.com (Câmara dos Deputados) Laura Vilela Rodrigues Rezende: lauravil.rr@gmail.com (Universidade Federal de Goiás)
  14. 14. REFERÊNCIAS EUROPEAN TELECOMMUNICATIONS STANDARDS INSTITUTE (ETSI) (2015). Accessibility requirements suitable for public procurement of ICT products and services in Europe (EN 301 549 v1.1.2 – 2015-04). [Em linha]. Belgium: France, 2015. [Consult. 30 Mai. 2018]. Disponível na Internet: <URL:http://www.etsi.org/deliver/etsi_en/301500_301599/301549/01.01.02_60/en_3015 49v010102p.pdf>. HOTT, Daniela Francescutti Martins; REZENDE, Laura Vilela Rodrigues; CRUZ- RIASCOS, Sonia Aguiar (2018). [No prelo]. A curadoria de dados de pesquisa: da criação à reutilização considerando aspectos de acessibilidade às pessoas com deficiência. In: Congresso Internacional de Humanidades Digitais. Rio de Janeiro : Fundação Getúlio Vargas. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEORGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE. Censo Demográfico 2010: Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência.
  15. 15. REFERÊNCIAS UNITED NATIONS – DISABILITY – DEPARTMENT OF ECONOMIC AND SOCIAL AFFAIRS. Home. Convention on the Rights of Persons with Disabilities (CRPD). CRPD and Optional Protocol Signatures and Ratifications. Map No. 4496 Rev.8. [Em linha]. New York: United Nation – Disability, November 2017. [Consult. 30 Ago. 2018]. Disponível na Internet: <URL: http://www.un.org/disabilities/documents/maps/enablemap.jpg>. WEB CONTENT ACCESSIBILITY GUIDELINES (WCAG) 2.0. [Em linha]. São Paulo: W3C Escritório Brasil. [Consult. 21 abr. 2018]. Disponível na Internet: <URL: https://www.w3.org/Translations/WCAG20-pt-br/> W3C BRASIL. World Wide Web Brasil. W3C.br. Sobre o W3C. [Em linha]. São Paulo: W3C Escritório Brasil. [Consult. 21 abr. 2018] Disponível na Internet: <URL: http://www.w3c.br/Sobre/>.

×