Políticas de preservação Digital para Repositórios Institucionais

1.305 visualizações

Publicada em

Políticas de preservação Digital para Repositórios Institucionais Apresentação foruns unicamp 2015

Publicada em: Educação

Políticas de preservação Digital para Repositórios Institucionais

  1. 1. PoliticasdePreservaçãoDigitalpara RepositóriosInstitucionais Miguel Ángel Márdero Arellano IBICT Rede Cariniana
  2. 2. PRESERVAR É UMA ATIVIDADE SOCIAL DE CURTO E DE LONGO PRAZO
  3. 3. 2115
  4. 4. A política é o RX do planejamento
  5. 5. PORQUE DOCUMENTAR AS POLÍTICAS As políticas devem ser inteligíveis para as equipes dos repositórios, com o fim de que eles possam realizar seu trabalho. As ações e as políticas devem ser apresentadas para serem entendidas e implementadas. ISO 16363: 2012 SIERMAN (2015)
  6. 6. CIÊNCIA POLÍTICA Tem por objeto a felicidade humana e divide-se em ética (que se preocupa com a felicidade individual do homem na pólis) e na política propriamente dita (que se preocupa com a felicidade coletiva da pólis).ARISTÓTELES (384-322 a. C)
  7. 7. POLÍTICA PÚBLICA Ações desenvolvidas por instituições governamentais através do processo político. Essas ações são desencadeadas por atores que pretendem lidar com algum problema que é público. CARVALHO (2010)
  8. 8. POLÍTICA PÚBLICA DE INFORMAÇÃO Decisão governamental, que regula todas as atividades e direitos do setor informacional e é resultado de uma correlação de forças dentro do âmbito do estado. AUN (1999)
  9. 9. POLÍTICAS PÚBLICA DE INFORMAÇÃO Necessitam de convergência de mídias, de tecnologias e de serviços. São ações constituídas que na maioria das vezes têm a forma de programa ou plano. BARRETO (2004)
  10. 10. POLÍTICA PÚBLICA DE INFORMAÇÃO Define as responsabilidades quanto a políticas setoriais tanto no aparelho do Estado quanto, por adesão, na sociedade. E contempla os aspectos administrativos, legais, científicos, culturais, tecnológicos, de produção, uso e preservação da informação de natureza pública ou privada de interesse da sociedade. JARDIM (2005)
  11. 11. Diferentes políticas de repositórios • Política de Dados • Política de Conteúdo • Política de Submissão • Política de Preservação • Política de Metadados
  12. 12. POLÍTICAS DE REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS Possuem elementos essenciais: - Definição institucional - Conteúdo acadêmico - Acumulativo e perpetuo - Aberto e interoperável JOHNSON (2002)
  13. 13. Cabe aos bibliotecários e demais profissionais das ciências da informação o apoio técnico na fase de implementação do Repositório Institucional, assim como definição de políticas de depósito, promoção das vantagens dos Repositórios Institucionais, treinamento da comunidade ao auto-arquivamento e conscientização da importância do frequente uso, de modo a proporcionar visibilidade aos pesquisadores da instituição em nível nacional e internacional.
  14. 14. Servem como uma base de dados on-line de material acadêmico definido como institucional, acumulativa e perpetua, aberta e interoperável. Nela são coletados, armazenados e disseminados coleções de registros, sendo uma das suas funções principais a preservação digital a longo prazo. (MARK WARE (2004) REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS
  15. 15. REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS Conjunto de serviços que a universidade oferece para os membros da sua comunidade, para o gerenciamento e disseminação do material digital criado pela instituição e pelos seus membros. É essencialmente o compromisso de uma instituição de cuidar do material digital, incluindo a preservação a longo prazo, quando apropriada, a organização, acesso e distribuição. LYNCH (2005)
  16. 16. POLÍTICAS DE REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS A responsabilidade administrativa e o estabelecimento das políticas para repositórios institucionais em centros de pesquisa e universidades é das bibliotecas especializadas. A biblioteca pode estabelecer uma estrutura de consultoria ou um comitê conselheiro para formular as políticas. LYNCH (2005)
  17. 17. QUAL É A PERSPECTIVA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL?
  18. 18. POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL INSTITUCIONAL Deverá indicar as diretrizes que o instituto adotará relacionadas à informação científica e tecnológica que ela produz.
  19. 19. Plato: The PLANETS Preservation Planning Tool
  20. 20. Connecting Preservation Planning and Plato with Digital Repository Interface, iPRES 2010
  21. 21. POR QUE TER UMA POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL A informação digital é frágil e fugaz, necessita de gerenciamento cuidadoso desde o momento da sua criação e uma abordagem política e estratégica de modo a garantir a preservação. BOERES (2004)
  22. 22. PARA QUE SERVE UMA POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL Para guiar as ações de preservação a serem definidas no programa de preservação digital. Uma ação vem precedida de uma identificação de risco, baseada no monitoramento de áreas de interesse institucional. A identificação da ação mais apropriada é feita no processo de planejamento da preservação digital, o qual tem como resultado o programa de preservação. PLATO: uma ferramenta de monitoramento de riscos http://www.ifs.tuwien.ac.at/dp/plato/intro/
  23. 23. PARA QUE SERVE UMA POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL • Para resumir a abordagem institucional com relação ao arquivamento seguro das suas coleções digitais. • Para explicar como a sua aplicação servirá para atender às necessidades de confiabilidade, autenticidade e acessibilidade a esses documentos. • Para orientar o uso e os direitos de salvaguarda dos acervos digitais. • Para explicar como uma comunidade se encaixa na estratégia global de preservação digital.
  24. 24. OS REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS SÃO REPOSITÓRIOS DE PRESERVAÇÃO?
  25. 25. COMO É FEITA A PRESERVAÇÃO DIGITAL NO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL?
  26. 26. NDSA Standards and Practices Working Group Persistent URL: http://hdl.loc.gov/loc.gdc/lcpub.2013655113.1
  27. 27. NDSA Standards and Practices Working Group Persistent URL: http://hdl.loc.gov/loc.gdc/lcpub.2013655113.1
  28. 28. A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL DEVERIA SER MANTADÓRIA?
  29. 29. Como está sendo interpretada a política de preservação nas instituições Os profissionais da informação das bibliotecas, arquivos e centros de informação convergem no uso da terminologia usada para interpretar os termos mas, a política é influenciada pelo tipo de repositório no qual trabalham.
  30. 30. Como está sendo interpretada a política de preservação nas instituições Nas bibliotecas digitais, os acervos digitais podem ser cópias, links para portais de periódicos, operam com acordos ou mandatos de depósito e retenção de direitos autorais e controle dos dados depositados.
  31. 31. Como está sendo interpretada a política de preservação nas instituições Os centros de informação refletem usualmente o mandato, as coleções e a cooperação dentro de uma comunidade de usuários específica. Suas coleções são únicas e especializadas e resultado de doações ou adquisição de material que resulta em acervos de memória técnica digital.
  32. 32. Como está sendo interpretada a política de preservação nas instituições Os repositórios de acervo arquivísticos incluem arquivos governamentais, mantem registros únicos e seguem instrumentos legais para transferir a custódia física dos arquivos.
  33. 33. A confiabilidade é demonstrada na medida em que as políticas de preservação digital contemplam os requisitos arquivísticos e diplomáticos. FLORES (2015)
  34. 34. FLORES (2015)
  35. 35. Política de preservação digital da rede Cariniana Objetivos: • preservar para benefício das futuras gerações; • Definir ações e estratégias para a preservação digital para preservar e acessar ao longo do tempo.
  36. 36. Elementos essenciais: V. Preservar o conteúdo independente de fontes e características de layout; VI. Buscar parcerias ou consórcios de forma colaborativa (financeira e pesquisa); VII. Manter a autenticidade da informação preservada; Política de preservação digital da rede Cariniana
  37. 37. Política de preservação digital da rede Cariniana • Analisar soluções tecnológicas ... considerando os custos que elas envolvem; X. Garantir a perenidade, integridade, acessibilidade e usabilidade dos conteúdos digitais.
  38. 38. Política de preservação digital da rede Cariniana Capacitação e tecnologia: • Adotar soluções que amenizem os problemas advindos da obsolescência dos softwares e dos hardware; • Capacitar periodicamente as equipes das instituições parceiras. • Determinar após estudos de prospecção as ferramentas que serão sugeridas na preservação dos acervos digitais selecionados;
  39. 39. Política de preservação digital da rede Cariniana III. Propor orçamento para a criação e desenvolvimento da rede, tendo como base um diagnóstico da quantidade e o nível de acesso que pretende oferecer, gastos com treinamento de pessoal e com a compra de equipamentos.
  40. 40. Política de preservação digital da rede Cariniana Funcionalidade: Art. 9º. A funcionalidade da rede dependerá das soluções tecnológicas • selecionadas de acordo com os formatos dos arquivos digitais usados nas organizações participantes.
  41. 41. Política de preservação digital da rede Cariniana Questões práticas: • Art. 11º. A rede CARINIANA será mantida pelo IBICT... profissionais com formação em biblioteconomia, em ciência da informação; e em tecnologias da informação e da comunicação. • Art. 12º. As instituições parceiras serão responsáveis... • Art. 13º. As instituições usuárias da Rede poderão contribuir com uma taxa anual... • Art. 14º. Os casos omissos ou em necessidade de esclarecimentos surgidos em virtude da aplicação desta Política serão solucionados pela Equipe da Rede Brasileira de Serviços de Preservação Digital.
  42. 42. QUAL TIPO DE PRESERVAÇÃO UM REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DEVERIA FAZER?
  43. 43. POLÍTICAS DE PRESERVAÇÃO DIGITAL A preservação digital é um conjunto de políticas de gestão e atividades necessárias para garantir a usabilidade douradora, a autenticidade, recuperação e acessibilidade de conteúdos através do tempo.
  44. 44. Há diferentes tipos de políticas de preservação digital Para redes: • Genéricas nos procedimentos; • Focadas na rede como um todo. Para instituições: • Detalhada nos procedimentos; • Focada na instituição: equipe, técnicas, instrumentos…
  45. 45. POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL “A Política de preservação digital é o pilar do programa de preservação digital, ela guia todas as ações de preservação.” “A Política de Preservação deve ser independente da tecnologia.” (Projeto SCAPE 2010-2014)
  46. 46. Projeto SCAPE: Catálogo de Elementos da Política de Preservação Digital • Detalhes da cada elemento da política com informações sobre a sua necessidade e dos riscos de não cumpri-la, assim como, sua relação com cada nível estratégico do programa de preservação. • Segue as sugestões do DCC sobre a responsabilidade pela descrição da política e exemplos de aplicação em casos reais. • Sugere a identificação das políticas institucionais existentes e como elas são relevantes para a politica de preservação digital.
  47. 47. British Library Digital Preservation Strategy (PDF) Cheshire Archives (UK) Digital Preservation Policy Dartmouth College Library Digital Preservation Policy Florida Digital Archive FDA Policy and Procedures Guide, version 3.0 (PDF) Hampshire County Council Archives Digital Preservation Policy HathiTrust Digital Library Digital Preservation Policy Illinois Digital Environment for Access to Learning and Scholarship IDEALS Digital Preservation Policy John Hopkins Sheridan Libraries JScholarship Digital Preservation Policy London Metropolitan Archives Interim Digital Preservation Policy (PDF) National Archives of Australia Digital Preservation Policy National Library of Australia Digital Preservation Policy 4th Edition National Library of Wales Digital Preservation Policy and Strategy (PDF) National Museum Australia Digital Preservation and Digitization Policy (PDF) North Carolina Department of Cultural Resources Archival Process for Data and Image Preservation: The Management and Preservation of Digital Media (PDF) PlymouthCity Council (UK) Plymouth and West Devon Record Office Digital Preservation Policy Public Record Office of Northern Ireland Digital Preservation Strategy (PDF) Purdue University Research Repository PURR Digital Preservation Policy Rhizome at the New Museum Digital Preservation Practices and the Rhizome Artbase (PDF) State Library of Queensland Digital Preservation Policy (PDF) StatsBiblioteket State and University Library Digital Preservation Strategy for State and University Library, Denmark, version 2.0 (PDF) Swiss Federal Archives Digital Archiving Policy The Royal Library: The National Library of Denmark and Copenhagen University Library Policy for long term preservation of digital materials at the Royal Library (PDF) United Kingdom Data Archive Preservation Policy (PDF) United Kingdom Parliamentary Archives A Digital Preservation Policy for Parliament (PDF) United Kingdom Parliamentary Archives A Digital Preservation Strategy for Parliament (PDF) University of British Columbia Library Digital Preservation Policy (Draft) University of Manchester Library Digital Preservation Strategy (PDF) University of Massachusetts Amherst Libraries Digital Preservation Policy (PDF) University of North Carolina at Chapel Hill: The Howard W. Odum Institute for Social Science Digital Preservation Policies University of South Carolina Libraries USCL Digital Preservation Policy Framework (PDF)
  48. 48. POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL Deverá estar baseada numa lista de requisitos funcionais para garantir a validade dos registros e a sua permanência. Assim como também comprovar sua conformidade com o modelo de referência OAIS.
  49. 49.  Modelo para aplicar conceitos necessários para a preservação digital.  Termos relacionados com metadados de preservação e com a descrição e representação do conteúdo.  Modelo de componentes necessários para a criação de um sistema que suporte a gama de serviços de preservação.
  50. 50. POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL INSTITUCIONAL Deverá indicar: (a) Critérios para retenção permanente de documentos digitais. (b) Critérios para retenção temporária de documentos digitais. (c) Mecanismos para garantir a acessibilidade e legibilidade dos conteúdos digitais (requisitos funcionais).
  51. 51. Metadados para suporte da preservação digital Os repositórios devem colaborar na produção de um conjunto comum de metadados de preservação. Progressos em ambos problemas serão de importância, mas a preservação de longo prazo do conteúdo dos repositórios dependerá do desenvolvimento de estratégias organizacionais apropriadas. Os repositórios institucionais devem eventualmente vir a se tornar repositórios digitais confiáveis (trusted).
  52. 52.  São metadados técnicos ou administrativos gerados automaticamente pelo hardware e software usado no momento da captura do conteúdo  Eles registram aspectos legais, financeiros, tais como, direitos autorais, custos, autorizações, autenticação, etc. (National Library of New Zealand’s metadata standard framework)
  53. 53. Implicação da política de metadados  Aplicação de um sub-conjunto de metadados para gerenciamento de objetos digitais.  Permitem o acesso permanente ao conteúdo digital.  Compromisso no uso de ferramentas que expõem, validam e extraem metadados.
  54. 54. PARA QUE SERVE O DICIONÁRIO PREMIS?  Para descrever os metadados de preservação.  Define o conjunto central de metadados de preservação que devem ser implementados.  Identifica e avalia as estratégias para codificação, armazenamento e gerenciamento ou melhoria dos metadados de preservação nos sistemas de arquivamento digital.
  55. 55. ISO 16363 • Como todas as normas ISO, ela é um sistema consistente de avaliação orientada a repositórios, auditada por especialistas credenciados. A cada estagio existe um conjunto de normas cujo cumprimento deve ser julgado. • O processo é testado e é a base da segurança, confiabilidade e qualidade dos produtos e serviços de um repositório. • Ele demostra a aderência pela qualidade, consistência, respeito pela integridade dos dados e compromisso pela preservação e acesso a longo prazo da informação sob custodia.
  56. 56. QUEM DEVERIA PROVEER O SERVIÇO DE PRESERVAÇÃO A LONGO PRAZO?
  57. 57. Ingestão •Unidades de Arquivamento •Metadados Preservação •Monitoramento •Integridade Gerência •Interface Gráfica •Integração •Baixo custo Acesso •Proxy •Servidor básico de conteúdo •Servidor OpenURL
  58. 58. http://archivematica.org/wiki/images/d/dc/Archivematica-architecture-7May2010-2.png Micro- services Open source tools employed SIP>AIP
  59. 59. Para concluir… A política de preservação é uma das ferramentas de gestão das instituições. Uma política de preservação digital deve declarar os princípios, que nortearão as decisões sobre o acesso e permanência dos arquivos digitais. Ela deve ser, clara, integradora, refletir os valores institucionais e ser independente da tecnologia. Este é o momento para que os profissionais da informação dimensionem o papel de um repositório institucional de conhecimento, confiável, persistente, reconhecido.
  60. 60. Devemos... • Desenvolver uma Política de Preservação Digital • Desenvolver um Programa de Preservação Digital • Revisar a abrangência do escopo do Programa • Documentar o workflow para aumentar a automação • Expandir a prevenção de desastres ao conteúdo digital
  61. 61. 2115
  62. 62. PoliticasdePreservaçãoDigitalpara RepositóriosInstitucionais Miguel Ángel Márdero Arellano IBICT Rede Cariniana

×