Publicações em acesso aberto na área de Ciências Agrárias

654 visualizações

Publicada em

Comunicação apresentada à CONFOA 2013 (Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, de 06 a 08 de outubro de 2013) em Comunicações II - Percepção do Acesso Aberto - Jean Carlos Ferreira dos Santos e Marko Synésio Alves Monteiro

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
654
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Publicações em acesso aberto na área de Ciências Agrárias

  1. 1. Publicações em acesso aberto na área de Ciências Agrárias: o que pensam os pesquisadores? JEAN CARLOS FERREIRA DOS SANTOS (DPCT/UNICAMP) MARKO SYNÉSIO ALVES MONTEIRO (DPCT/UNICAMP)
  2. 2. Objetivos Compreender, a partir de dados qualitativos, a percepção de Pesquisadores da área de Ciências Agrárias acerca dos meios de publicação em acesso aberto e Movimento Open Access. Discutir os elementos frequentemente levados em consideração pelos pesquisadores nas escolhas de onde e por que publicar. O que orienta as escolhas de publicação dos pesquisadores? Atualmente, o acesso aberto é algo presente nessas escolhas?
  3. 3. Recorte de área: Ciências Agrárias Ciências Agrárias: Elevada Produção Científica de destaque nacional e internacional; Caráter Multidisciplinar. De acordo com dados do MCTI, em 2009, o percentual de artigos brasileiros publicados em periódicos científicos indexados pela Thomson/ISI, de 2007/2009 foi de 9,89% em relação à produção científica mundial na área. Em relação à produção científica interna, entre 2007 e 2010, as Ciências Agrárias foram responsáveis por 20% Artigos completos publicados em periódicos especializados (CNPQ, 2011).
  4. 4. Materiais e Métodos Estudo baseado em uma metodologia qualitativa, centrada na aplicação de entrevistas semiestruturadas com um grupo de pesquisadores da área selecionada.  Nas entrevistas semiestruturadas as questões são formuladas de maneira a permitir que o sujeito entrevistado possa discorrer e verbalizar seus pensamentos, tendências e reflexões sobre o tema abordado (ROSA; ARNOLDI, 2008). Os questionamentos buscam ser mais aprofundados e subjetivos, levando, frequentemente, a uma avaliação de valores, opiniões, motivações, fatos e comportamentos (ROSA; ARNOLDI, 2008).
  5. 5. Materiais e Métodos Utilização de um roteiro com tópicos selecionados; Buscou-se que esses pesquisadores expressassem suas opiniões a respeito das iniciativas existentes associadas ao acesso aberto; O que os pesquisadores compreendem por acesso aberto;  Motivações e possíveis restrições em publicar em periódicos de acesso aberto; Papel atribuído pelos pesquisadores à publicação científica; Os critérios e elementos que influenciam as escolhas de publicação e o público-alvo de suas publicações;
  6. 6. Grupo de 6 docentes pesquisadores que atuam em Ciências Agrárias, pertencentes à UNICAMP e USP; orientadores em cursos de pós-graduação; participam de grupos de pesquisa; Predominância na área de Agronomia, Engenharia Agrícola, Solos. Pesquisador Entrevistado Instituição Pesq.1 UNICAMP -Engenharia Agrícola / Subárea: Sensoriamento proximal e geofísica dos solos; manejo e conservação do solo; Avaliação de terras; Gênese, morfologia e classificação dos solos; Geotecnologias; Modelagem da erosão e acelerada do solo. Pesq.2 UNICAMP -Engenharia Agrícola / Engenharia de Água e Solo: Especialidade: Física do solo; Conservação do solo e água; Agricultura de precisão. Pesq.3 UNICAMP -Engenharia Agrícola / Subárea: Engenhara de Água e Solo/ Especialidade: Irrigação e Drenagem; -Agronomia / Subárea: Agrometeorologia / Especialidade: Evapotranspiração. Pesq.4 UNICAMP -Engenharia Sanitária / Subárea: Tratamento de Águas de Abastecimento e Residuárias; Saneamento Ambiental; -Engenharia Agrícola / Subárea: Engenharia de água e solo / Especialidade: irrigação e drenagem Pesq.5 USP Pesq.6 USP Área de Atuação/Linha de Pesquisa -Agronomia / Subárea: Ciência do Solo / Especialidade: Química do Solo, Fertilidade do solo e Adubação. -Agronomia / Subárea: Ciência do Solo / Especialidade: química do solo; Fitossanidade / especialidade: defesa fitossanitária.
  7. 7. Apresentação dos Resultados Aspectos variados acerca do contexto acadêmico em que os pesquisadores estão inseridos; Conhecimento do Acesso Aberto; Referência a iniciativas como SciELO, Bibliotecas de Teses e Dissertações... Manifestações de Apoio/Crítica ao Acesso Aberto: Essas editoras cobram e muito. Eu acho um absurdo, quer dizer: você paga para publicar e depois a universidade ainda paga para acessar as bases de dados deles. Isso é um absurdo, isso não é a favor da divulgação. [Pesq.3]
  8. 8. Ideia de que os periódicos em acesso aberto possuem um sistema de revisão por pares frágil. O que eu percebo desses periódicos eletrônicos é que vira e mexe eu recebo convite para liderar uma revista ou para participar de algum número específico e eu não sei como eles estão se organizando, eu admito a minha ignorância, mas de repente tem duzentas mil revistas Open Access, e como eles vão estabelecer a revisão dos artigos? Quem está revisando tudo isso? O quanto essas informações são revisadas? Queira ou não queira, essas outras revistas tenham um caráter comercial, mas a gente já sabe que elas têm um corpo editorial, têm um respeito. Passam coisas ruins? Passam, mas, de forma geral, existe um controle. [Pesq.6] Taxas de publicação em periódicos de acesso aberto.
  9. 9. Cobrança das agências de fomento e das instituições para que o pesquisadores publique cada vez mais nos periódicos bem avaliados: Os programas de pós-graduação não têm como fugir, ou eles entram na regra do jogo ou eles têm menos recursos, uma nota baixa. Eu faço parte de um programa nota 7 na CAPES e as regras do nosso programa são bem definidas: cada artigo publicado em uma revista A1 com aluno vale 15 pontos, cada artigo publicado em uma revista B1 vale 3 pontos, abaixo de B1 a gente não conta. Então são regras que os programas ajustam e isso implica, no nosso programa, na divisão de recursos. [Pesq.5] Papel da CAPES e de suas avaliações.
  10. 10. Preocupação em Publicar em canais de maior visibilidade e interesse na internacionalização das pesquisa: O que o pesquisador na área de agrárias está se convencendo aos poucos é que é importante a divulgação dos seus resultados em revistas de alto impacto. Agora, se isso está ligado a uma revista de editora de acesso aberto ou não eu acredito que ainda não seja objetivo de estudo na hora de escolher uma revista. O pesquisador escolhe, eu escolho, na área dele, dentro daquele assunto, a revista que acolha melhor o artigo, o artigo que tenha a ver com o escopo daquela revista, com potencial de leitura e de citação. [Pesq.5]
  11. 11. O Qualis do periódico aparece como um critério que exerce bastante influência nas escolhas dos pesquisadores. Relação entre avaliação acadêmica, reconhecimento, prestígio, internacionalização e publicação científica; Até por uma necessidade a gente tá procurando a internacionalização, porque isso nos é exigido. Nossas revistas também estão incentivando isso. A nossa Revista Brasileira de Ciências do Solo ela já incentiva que a gente publique em inglês, então eu tenho publicado sempre que possível em inglês. [Pesq.1]
  12. 12.  Problemas que emergem com a internacionalização: isolamento linguístico; Especificidades de algumas subáreas das Ciências Agrárias. Eu diria assim que eu não tenho a preocupação de desenvolver, primeiro, uma pesquisa que seja internacional. Portanto, mesmo que às vezes eu queira publicar em uma revista internacional, ela não vai ter o interesse, porque o foco é um trabalho nacional, então começa nesse aspecto. Então mesmo que eu queira publicar em uma revista internacional, eu não vou fazer porque a revista não vai aceitar o artigo. E isso eu já tive. Já tive artigos meus que não foram aceitos no exterior. Quer dizer, quando você vai para uma revista nacional você consegue. Então, o que eu quero na verdade é atingir um público nacional, no mínimo. [Pesq.3]
  13. 13. Importância do Portal de Periódicos da CAPES. Periódicos nacionais de qualidade insuficientes para atender a demanda dos pesquisadores; Fluxo Editorial lento, se comparado com os periódicos de editoras científicas, por essa razão alguns pesquisadores afirmaram preferir publicar em periódicos estrangeiros, especificamente de editoras científicas; Importância do reconhecimento do Editor científico para a qualidade dos periódicos nacionais;
  14. 14. Considerações Finais De maneira geral, os pesquisadores manifestaram apoio à proposta do acesso aberto: Apontam a relação necessária entre acesso gratuito e resultados de pesquisa financiada com recursos públicos; embora parte deles tenham afirmado não conhecer as propostas relacionadas ao Movimento Open Access. Os pesquisadores têm se orientado para publicar em periódicos tradicionais e bem classificados no sistema de avaliação Qualis da área em que atuam (mesmo quando publicam em periódicos de acesso aberto), destacando a importância desses critérios para fins de avaliação acadêmica e visibilidade das pesquisas.
  15. 15. O sistema de recompensas vigente incentiva os pesquisadores a publicarem internacionalmente e em periódicos de alto impacto. De que modo a proposta do acesso aberto diálogo ou entra em conflito com isso? Necessidade de reflexão acerca do papel das agências de fomento no apoio ao acesso aberto; Conscientização do pesquisador sobre as publicações em acesso aberto, buscando enfraquecer determinados “mitos” sobre esse tipo de publicação; Fortalecimento dos periódicos nacionais.
  16. 16. Referências CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO (CNPq). Indicadores de Pesquisa, 2011. Disponível em: <http://www.cnpq.br/indicadores1>. Acesso em: 05 de Ago. 2013. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. Indicadores: Percentual de artigos brasileiros publicados em periódicos científicos indexados pela Thomson/ISI, em relação ao mundo, por área do conhecimento, 2007/2009. Disponível em: http://www.mcti.gov.br/index.php/content/view/5709/Percentual_de_artigos_brasileiros_public ados_em_periodicos_cientificos_indexados_pela_ThomsonISI_em_relacao_ao_mundo_por_area _do_conhecimento.html. Acesso em: 30 de Ago. 2013. ROSA, M. V. F. P. C.; ARNOLDI, M. A. G. C. A entrevista na pesquisa qualitativa. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.
  17. 17. Obrigado! Contato: jeancarloscid@gmail.com

×