O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Gestão editorial: tendências e desafios na transição para a ciência aberta

72 visualizações

Publicada em

Slides da palestra de lançamento do livro "Gestão Editorial: Tendências e Boas Práticas" proferida por Solange Santos e Lilian Caló no dia 02/06/2020.

Publicada em: Ciências
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Gestão editorial: tendências e desafios na transição para a ciência aberta

  1. 1. Solange Santos Lilian Caló Lançamento: Gestão editorial de Periódicos científicos – tendências e boas práticas, 02 de Junho de 2020 Solange Santos and Lilian Caló, 2020, CC-BY
  2. 2. Nova mentalidade carregando.... O ajuste das políticas e da gestão editorial na perspectiva da adoção progressiva da ciência aberta
  3. 3. 1 Preprints comunicação rápida da pesquisa 2 Dados Abertos reprodutibilidade, reusabilidade, investimento 3 Artigos de Dados- Periódicos de dados Data papers e Data journals 4 Avaliação por pares transparência e abertura Capítulo 1 Gestão editorial: tendências e desafios na transição para a ciência aberta Práticas editoriais abertas:
  4. 4. O primeiro serviço de pré-impressão foi fundado no Laboratório Nacional Los Alamos. “ O Laboratório Científico Los Alamos publicou The Atom, uma revista de funcionários. Em 1974, a revista destacou mulheres cientistas e destacou Julia Hardin na capa. " Começou em 1990, quando artigos no domínio da física passaram a ser depositados em um servidor situado no Laboratório Nacional Los Alamos, do Departamento de Energia dos Estados Unidos. Logo passou a armazenar artigos de astronomia, matemática, ciências da computação, biologia quantitativa e estatística. PREPRINT - Antecedentes
  5. 5.  Resultado da insatisfação da comunidade científica pressionando algumas estruturas da publicação científica tradicional – velocidade e eficiência (pesado processo editorial e revisão por pares tradicional).  Agências de fomento passam a aceitar o depósito em servidores de preprints (Wellcome Trust, Gates Foundation, NIH). Em termos de infraestrutura de publicação, o Crossref agora permite atribuir DOIs aos preprints, vínculo ao histórico de publicação subsequente, e o ORCID. Preprint - Antecedentes
  6. 6.  Havia receio de que os periódicos pudessem rejeitar artigos que haviam sido depositados em servidores preprint. Isso está mudando rapidamente. Com tantos editores importantes no setor de preprints, a maioria permite a publicação de pré- impressões antes do envio para seus periódicos.  Hoje, observamos que além das comunidades de preprints que normalmente são organizadas em torno de um campo ou conjunto de campos, nos últimos anos, as grandes editores também passaram a fazer seus próprios investimentos em plataformas de preprints. Preprints – Antecedentes
  7. 7.  Os editores estão integrando o depósito de preprint em seus fluxos de trabalho de envio de manuscritos e adotando uma estratégia comum projetada para retomar o controle das pré-impressões.  Quase uma dúzia de novos serviços de preprints surgiram no último ano - usando uma variedade de modelos organizacionais - lançados no ano passado.  Outra tendência no ambiente de preprints é o estabelecimento de novas plataformas nacionais e regionais por defensores da ciência aberta (AfricArxiv; IndiaRxiv; SciELO Preprints, etc) Preprint - Antecedentes
  8. 8. O que aprenderemos sobre a publicação acadêmica como resultado do COVID-19?
  9. 9. https://github.com/nicholasmfraser/covid19_preprints O coronavírus forçou a pesquisa médica a acelerar e os preprints decolaram!!! Preprints – Papel e o uso de preprints na pesquisa COVID-19
  10. 10.  O medRxiv foi listado como um dos links diretos na página inicial do Google Scholar para artigos depositados sobre o COVID-19.  As mídias sociais tornaram-se um dos principais canais de descoberta de preprints, aumentando a preocupação com os riscos associados à pesquisa que não passou pela revisão por pares que circulam amplamente.  No centro de sua apreensão está o risco potencial de o público confiar em um preprint, sem perceber que ainda não passaram por um processo de validação e podem não ser confiáveis. Preprints – Tendências
  11. 11.  Em fevereiro de 2020, um artigo sobre o coronavírus publicado no bioRxiv foi imediatamente retirado devido às críticas ferozes à metodologia e aos argumentos do estudo.  Houve um intenso debate nas mídias sociais sobre os riscos associados a artigos não revisados sendo distribuídos através de servidores de preprints e o valor do modelo tradicional de publicação na filtragem de lixo eletrônico.  Houve a rápida disseminação e retirada do artigo foi um bom momento para a ciência, ilustrando o papel que os servidores de preprint podem desempenhar na geração de reações rápidas da comunidade científica e na aceleração da ciência. Preprints – Tendências
  12. 12.  A importância das políticas e práticas de curadoria de preprints e conteúdo como indicadores de qualidade, a fim de estabelecer as preprints como um formato acadêmico confiável.  Há esforços para aumentar a conscientização sobre a necessidade de todos os tipos de leitores, inclusive jornalistas, para examinar os preprints com cautela e reconhecer que os resultados apresentados são preliminares e ainda não passaram por um processo de verificação científica  Durante a pandemia do COVID-19, o bioRxiv e o medRxiv adicionaram novas políticas e observações de advertência para enfatizar que os preprints são relatórios preliminares de trabalho que não foram certificados pela revisão por pares e não devem ser relatados pela mídia como informações estabelecidas. Preprints – Tendências
  13. 13.  Artigo do britânico Wakefield de 1998, que relacionava o autismo em crianças à vacina tríplice viral.  Suspeitas importantes foram trazidas a público, mas o trabalho na prestigiada The Lancet foi retratado somente 12 anos depois.  Wakefield teve todo esse tempo para convencer milhares de pais a desistir de imunizar seus filhos, dando início a um surto de caxumba e sarampo no Reino Unido Notório caso de “ fake news ” da ciência Preprints – Tendências
  14. 14. Preprints – A Política editorial dos periódicos deve ser transparente  Política editorial – definir o posicionamento do periódico sobre aceitação preprints? Aceita? Não Aceita? Não diz nada? - Qual é o posicionamento acerca do Ineditismo e revisão duplo cego  Sistema de gestão de manuscritos – Perguntar no check list - É um preprint? - Sim. nome do servidor de preprint - URL do preprint  Quais servidores de preprints são aceitos? aceitáveis/confiáveis - O servidor estabelece critérios para aceitação dos manuscritos? - há atribuição de DOI no momento do deposito? - opera com controle de versões? - preservação? - Interoperabilidade? link para a versão publicada em um periódico?
  15. 15.  Algoritmos  Amostras  Arquivos de áudio  Arquivos de log  Artefatos  Cadernos de campo  Cadernos de laboratório  Códigos  Contribuições em redes sociais  Diários  Documentos textuais  Entrevistas  Estatísticas  Fotografias / Imagens  Metodologias e fluxos de trabalho  Modelos  Padrões  Planilhas  Procedimentos operacionais Dados de pesquisa são como fontes primárias na investigação científica. Os registros produzidos, obtidos ou usados durante o processo de pesquisa e que são necessários para validar os resultados de investigação. DADOS ABERTOS - Dados de Pesquisa  Protocolos  Questionários  Scripts  Sequências de genéticas ou de proteínas  Simulações  Softwares  Transcrições  Vídeos  Workflows
  16. 16. Os dados abertos são os dados de pesquisa que estão disponíveis para todos acessarem, usarem e compartilharem. Possibilitam: Uso na avaliação por pares; Validação; Reanálise; Reinterpretação; Inclusão em metanálises; Reprodutibilidade da pesquisa. Dados Abertos Boas práticas na apresentação de dados abertos O depósito de dados em repositórios deve obedecer aos Princípios FAIR – Findable, Accessible, Interoperable & Reusable
  17. 17. + CC-BY Machine readable A descrição de conjuntos de dados – datasets – promove a documentação, intercâmbio e reutilização de dados que servem de base para as descobertas, aumentando a eficiência e sustentabilidade da pesquisa http://dx.doi.org/10.1037/a0028240 Citações WoS Data Citation Index; Data Citation Elsevier Dados de Pesquisa - repositórios de dados abertos
  18. 18. O que aprenderemos sobre a publicação acadêmica como resultado do COVID-19?
  19. 19.  A epidemia é um argumento poderoso para os dados abertos da pesquisa, as pandemias o tornam irrefutável.  Centenas de milhares de vidas dependem da realização de meta-análises robustas dos estudos COVID-19 e, para essas meta-análises, precisamos dos dados brutos do estudo.  Quaisquer que sejam os obstáculos para abrir os dados da pesquisa, eles ESTÃO SENDO serão REMOVIDOS. Dados Abertos - Dados de Pesquisa
  20. 20.  Preprints e outros compartilhamentos on-line se tornaram a norma quando o atraso de algumas semanas para publicação pode significar vidas perdidas.  O sigilo e a acumulação habituais de dados que podem levar a subsídios e promoções estão foram deixados de lado pela urgência do momento.  As falhas fundamentais das práticas tradicionais de pesquisa e compartilhamento estão sendo reveladas pela pandemia. Se esse nível de colaboração aberta e global é o necessário para combater o COVID-19, por que não Alzheimer e câncer? Por que não as mudanças climáticas? Veremos maior abertura e colaboração na pesquisa? Dados Abertos - Dados de Pesquisa
  21. 21. Abertura em tempos de Covid19 - monitoramento e dados globais
  22. 22. Dados abertos - Transparência dos periódicos em relação à abertura de dados de pesquisa  Política editorial – o posicionamento do periódico sobre abertura dos dados de pesquisa Encoraja? Exige? Não diz nada?  Instruções aos autores – orientar claramente sobre os procedimentos para citar e referenciar e disponibilizar os dados, códigos, programas, outros materiais. Três comprometimentos: (a) incentivar/promover a citação e referenciamento; (b) exigir a citação e referenciamento e indicar como norma para citar dados; e, (c) exigir que os conteúdos citados e referenciados sejam disponibilizados livremente exceto em casos especiais.  Quais repositórios de dados são aceitos/indicados como aceitáveis/confiáveis? - Principios FAIR: metadatos, dados, ... - atribuição DOI - preservação  Publicação de artigos de dados
  23. 23.  O artigo de dados é um tipo de publicação cujo principal objetivo é descrever uma coleção/conjunto de dados de pesquisa. Esse tipo de publicação não apenas descreve os metadados dos dados de pesquisa também relata as etapas metodológicas de obtenção dos dados (descrição minuciosa dos dados e dos ativos que compõem o conjunto de dados).  São semelhantes a um artigo científico convencional, podendo incluir tópicos como: resumo, introdução e contextualização, procedimentos metodológicos e conflito de interesses, agradecimentos e referências.  Normalmente os periódicos solicitam que seja incluída na seção que detalha a descrição dos dados a composição, o formato, a localização e as formas de acesso e manipulação dos dados, sistemas e softwares para processamento, entre outros. ARTIGOS DE DADOS e PERIÓDICOS DE DADOS – Tendências
  24. 24. Seções de um artigo de dados Artigo de Dados e Periódicos de dados – Tendências
  25. 25.  Dada a importância crescente dos dados de pesquisa e seu reconhecimento como contribuição intelectual original, os conjuntos de dados de pesquisa também devem ser citados e referenciados da mesma forma como acontece com livros, artigos e outras fontes comumente citadas em artigos científicos.  Referências levam o usuário/leitor a detectar através destes dados qual é o objeto referido e no objeto usualmente é possível associar mais dados dos que os disponíveis na citação. Assim, a citação é útil, indiretamente, para acessar conjuntos maiores de metadados e por isso deve ser mencionada nas instruções aos autores que pretendem submeter seus artigos como parte obrigatória do processo de submissão para periódicos alinhados com a ciência aberta Gestão de dados de pesquisaArtigo de Dados e Periódicos de dados – Tendências
  26. 26. São periódicos especializados na publicação de artigo de dados. Disponível aqui Periódicos de dados/Data Journals – Tendências
  27. 27. A denominada “crise da avaliação por pares” envolvendo a saturação da demanda por pareceres, consequente baixa qualidade das avaliações e notícias de fraude e má conduta ética deu origem a uma ampla discussão sobre formas alternativas de avaliação, tendo em vista as críticas ao modelo vigente 1. Pouco fidedigno e inconsistente Nem sempre detecta erros, ou pode haver inconsistências entre os informes dos pareceristas. Atribui um selo de qualidade que muitas vezes não se justifica 2. É muito demorado e oneroso Dificuldade em encontrar bons pareceristas e obter pareceres no tempo preconizado pelo processo editorial dos periódicos 3. Falta de responsabilidades e risco de vieses Anonimato permite vieses sociais e de publicação. Falta de treinamento adequado de pareceristas 4. Sem incentivo aos pareceristas Os pareceristas raramente recebem créditos por seu esforço. Plataformas como Publons e ReviewerCredits buscam preencher esta lacuna. 5. Desperdício de esforços O mesmo manuscrito pode ser revisado muitas vezes, à medida que passa por ciclos de envio e reprovação. O trabalho minucioso é descartado após a aprovação do manuscrito REVISÃO POR PARES ABERTA - Peer review antecedentes Críticas ao modelo atual de avaliação por pares
  28. 28. OPR Vantagens Informes sobre peer review Pareceres são parte integral do registro do artigo Material de aprendizagem Registra o trabalho do parecerista e reconhece sua expertise Pareceres construtivos Transparência Pareceres abertos e de melhor qualidade Open Peer review – revisão aberta /transparente
  29. 29. Open Peer Review Identidades abertas Informes abertos Interação aberta Abrir os manuscritos previamente à revisão Abrir a versão final aos comentarios (pós-publicação) Plataformas abertas (third party peer review) Reutilização de pareceres Participação aberta Open Peer review (OPR) – Revisão por pares abertura e transparência Há pelo menos umas 22 variações/combinações
  30. 30. OPR Desvantagens Pareceristas de diferentes área reagem diferentemente Peer review é mais que o relato dos pareceristas Temos por represálias Uso indevido dos pareceres para avaliar pesquisadores Uso indevido por opositores de pesquisas controversas Contestar a decisão final do editor com base nas avaliações Aspectos operacionais Peer review – abertura e transparência
  31. 31. https://transpose-publishing.github.io/#/ Informação sobre as políticas editoriales de + 3000 periódicos - principalmente las modalidades de revisão por pares
  32. 32. Informação sobre transparência dos processos editoriais + 380 periódicos https://www.responsiblejournals.org/database/statistics
  33. 33.  Política definir o posicionamento abertura progressiva do processo de avaliação por pares Aceita? Não Aceita? Encoraja? Não diz nada?  Instruções aos autores – informar claramente sobre os procedimentos que serão adotados e oferecer opções de abertura - Abertura opcional das identidades dos autores e pareceristas; - Publicação opcional de informes dos pareceristas – um novo tipo de documento - Publicação do nome do editor responsável pelo processo/aprovação no artigo - .... Revisão por pares – A Política editorial dos periódicos deve ser transparente
  34. 34. Solange Santos Solangesan@gmail.com Lilian Caló calolilian@gmail.com Obrigada!!!

×