Realismo

528 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
528
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Realismo

  1. 1. Realismo
  2. 2. Você viu que a arte em muitos momentos propôs mudanças, contrapondo-se a um modelo artístico anterior ou mesmo dialogando com o contexto social e político em que estava inserida. Na segunda metade do século XIX, em oposição ao Romantiso, alguns artistas começaram a apresentar um interesse e trabalhar a partir da realidade, ou seja, sem os excessos e ímpetos agressivos do Romantismo, mas criando obras que retratassem a realidade, o indivíduo e a vida cotidiana.
  3. 3. Entre 1850 e 1900 surge nas artes europeias, sobretudo na pintura francesa, uma nova tendência estética chamada Realismo, que se desenvolveu ao lado da crescente industrialização das sociedades, O homem europeu, que tinha aprendido a utilizar o conhecimento científico e a técnica para interpretar e dominar a natureza, convenceu-se de que precisava ser realista, inclusive em suas criações artísticas, deixando de lado as visões subjetivas e emotivas da realidade.
  4. 4. São características gerais: • o cientificismo • a valorização do objeto • o sóbrio e o minucioso • a expressão da realidade e dos aspectos descritivos
  5. 5. Pintura: caracteriza-se sobretudo pelo princípio de que o artista deve representar a realidade com a mesma objetividade com que um cientista estuda um fenômeno da natureza. Ao artista não cabe “melhorar” artisticamente a natureza, pois a beleza está na realidade tal qual ela é. Sua função é apenas revelar os aspectos mais característicos e expressivos da realidade. Em vista disso, a pintura realista deixou completamente de lado os temas mitológicos, bíblicos, históricos e literários, pois o que importa é a criação a partir de uma realidade imediata e não imaginada. A volta do artista para a representação do real teve uma consequência: sua politização
  6. 6. Se a industrialização trouxe um grande desenvolvimento tecnológico, ela provocou também o surgimento de uma grande massa de trabalhadores, vivendo nas cidades em condições precárias e trabalhando em situações desumanas. Surge então a chamada “pintura social”, denunciando as injustiças e as imensas desigualdades entre a miséria dos trabalhadores e a opulência da burguesia. Dentre os representantes da pintura realista podemos apontar Gustave Courbet(1819-1877) e Jean-Fronçois Millet (1814-175).
  7. 7. Temas da pintura: Politização: a arte passa a ser um meio para denunciar uma ordem social que consideram injusta; a arte manifesta um protesto em favor dos oprimidos. Pintura social denunciando as injustiças e as imensas desigualdades entre a miséria dos trabalhadores e a opulência da burguesia. As pessoas das classes menos favorecidas - o povo, em resumo - tornaram-se assunto frequente da pintura realista. Os artistas incorporavam a rudeza, a fealdade, a vulgaridade dos tipos que pintavam, elevando esses tipos à categoria de heróis. Heróis que nada têm a ver com os idealizados heróis da pintura romântica.
  8. 8. Principais pintores: *Courbet Foi considerado o criador do realismo social na pintura, pois procurou retratar em suas telas temas da vida cotidiana, principalmente das classes populares. Manifesta sua simpatia particular pelos trabalhadores e pelos homens mais pobres da sociedade no século XIX. Obra destacada: Moças Peneirando o Trigo.
  9. 9. Jean-François Millet Sensível observador da vida campestre, criou uma obra realista na qual o principal elemento é a ligação atávica do homem com a terra. Foi educado num meio de profunda religiosidade e respeito pela natureza. Trabalhou na lavoura desde muito cedo. Seus numerosos desenhos de paisagens influenciaram, mais tarde, Pissarro e Van Gogh. É o caso, por exemplo, "Angelus".
  10. 10. Escultura: não se preocupou com a idealização da realidade, ao contrário, procurou recriar os seres tais como eles são. Além disso, os escultores preferiram os temas contemporâneos, assumindo muitas vezes uma intenção política em suas obras.
  11. 11. Dentre os escultores do período realista, o que mais se destaca é Auguste Rodin, cuja produção desperta severas polêmicas. Sua característica fundamental: a fixação do momento significativo de um gesto humano. Essa mesma tentativa de surpreender o homem em suas ações aparece em O Pensador seguramente sua obra mais conhecida.
  12. 12. A-O beijo de Rodin B-O beijo de Rodin
  13. 13. 1. O que as imagens representam? Como são as figuras? O que parecem fazer? 2. Qual técnica artística foi usada para fazê-las? Quais materais? Como são as suas características físicas (mole, duro, frio, quente, resistente, perecível). Foram usadas cores? Quais predominam? 3. Qual é a posição das figuras? Parecem paradas ou em movimento? 4. Quais são suas impressões sobre as obras? Quais significados você atribui a elas? Qual você acha ter sido a intenção dos artistas que a fizeram?
  14. 14. Arquitetura: ao adaptar-se ao novo contexto social, tende a tornar-se realista ou científica, os arquitetos e engenheiros procuram responder adequadamente às novas necessidades urbanas, criadas pela industrialização. As cidades não exigem mais ricos palácios e templos. Elas precisam de fábricas, estações ferroviárias, armazéns, lojas, bibliotecas, escolas, hospitais e moradias, tanto para os operários quanto para a nova burguesia.
  15. 15. Para seu conhecimento: Courbet dizia: "Sou democrata, republicano, socialista, realista, amigo da verdade e verdadeiro" A palavra realismo designa uma maneira de agir, de interpretar a realidade. Esse comportamento caracteriza-se pela objetividade, por uma atitude racional das coisas pode ocorrer em qualquer tempo da história. O termo Realismo significa um estilo de época que predominou na segunda metade do século XIX.
  16. 16. Nada é impossível de mudar Bertold Brecht Desconfiai do mais trivial na aparência singelo. E examinai, sobretudo, o que parece habitual. Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente, de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural nada deve parecer impossível de mudar.

×