A leitura em sala de aula de língua inglesa2

8.496 visualizações

Publicada em

0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.496
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
174
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A leitura em sala de aula de língua inglesa2

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS – XIV Colegiado de Letras com Inglês ANA CLÉCIA DA SILVA SANTOSA leitura em sala de aula de Língua Inglesa Conceição do coité 2012
  2. 2. ANA CLÉCIA DA SILVA SANTOSA leitura em sala de aula de Língua Inglesa Monografia apresentada à Universidade do Estado da Bahia - Campus XIV como requisito final para conclusão do Curso de Letras com habilitação em língua Inglesa. Orientador: Prof. Fernando Sodré. Conceição do coité 2012
  3. 3. AgradecimentosAgradeço a Deus pelas oportunidades que me são dadas na vida, principalmentepor ter conhecido pessoas interessantes no decorrer de mais essa caminhada, mastambém por ter vivido fases difíceis, que foram matérias-primas de aprendizado.Aos meus pais e irmãos pelo apoio e carinho oferecidos em todo momento de minhavida e principalmente neste.Ao meu professor orientador Fernando Sodré pela orientação e incentivo aconstrução deste trabalho.Aos meus amigos e colegas de curso, Pela cumplicidade, ajuda e amizade.Aos demais professores que direta ou indiretamente me ajudaram no decorrer dessacaminhada."A cada vitória o reconhecimento devido ao meu Deus, pois só Ele é digno de todahonra, glória e louvor" Senhor, obrigada pelo fim de mais essa etapa.
  4. 4. RESUMOConsiderando a leitura um elemento fundamental no processo de aprendizagem,organização e construção do conhecimento, buscou-se através de diversos textos,um apoio teórico para a proposta deste trabalho que se dedica a valorizar a leituraem língua inglesa na formação do estudante. Aliando teoria e pratica, apresenta seum texto objetivo que tem como finalidade levar o professor a compreender melhorcomo é o processo de leitura e proporcionar a melhoria do desempenho e o gostopela leitura entre os alunos, criando e despertando o interesse dos mesmos. Foi feitauma pesquisa de campo que teve como objetivo analisar como é a pratica da leituraem sala de aula de LI. Os resultados mostram que foi possível perceber que osprofessores precisam rever seus conceitos em relação à forma de trabalhar asestratégias de leitura com seus alunos para que estes se motivem a gostar da leituraem LI.Palavras-chave- Leitura. estratégias de leitura. ensino/aprendizagem.
  5. 5. ABSTRACTTaking into consideration the reading as a fundamental element in the learningprocess, in the organization and in the knowledge building, we aimed at, based onseveral readings, providing a theoretical support for the purpose of this work whichhas as its objective to value the reading in English during the student´s courseattendance. By Combining theory and practice, an objective text is presented whichintends to help teachers to understand better how the reading process is and toprovide the improving of performance and the pleasure for reading among students.Besides, it aims at creating and calling students´ attention to reading. A fieldresearch was made and intended to analyse how the practice of reading in Englishis. The results show that it was possible to notice that teachers need to reflect ontheir beliefs in relation to how to work with reading with their students so that they getmotivated and start enjoying reading in English.Keywords- Reading. reading strategies. teaching /learning.
  6. 6. SUMÁRIOINTRODUÇÃO-------------------------------------------------------------------------------------------61 ESTRATÉGIAS DE LEITURA NA AULA DE LÍNGUA INGLESA-----------------------81.1 Conceitos sobre leitura e estratégias------------------------------------------------------81.2 Os PCNs e a leitura na aula de Língua Estrangeira----------------------------------101.3 Alguns tipos de estratégias de leitura usualmente aplicadas na aula de Língua Inglesa------------------------------------------------------------------------------------121.4 A variedade de gêneros discursivos e as estratégias de leitura em LínguaInglesa---------------------------------------------------------------------------------------------------142 METODOLOGIA----------------------------------------------------------------------------------173 ANÁLISE DE DADOS--------------------------------------------------------------------------19CONSIDERAÇÕES FINAIS-----------------------------------------------------------------------24REFERÊNCIAS---------------------------------------------------------------------------------------25APENDICES-------------------------------------------------------------------------------------------26
  7. 7. 6 INTRODUÇÃO A leitura é uma das habilidades que atende as necessidades educacionais, eque o aprendiz pode usar em seu próprio meio. É, assim, uma das habilidades que oaprendiz pode continuar a usar autonomamente ao termino de seu curso de LE.Uma vez que ela é uma prática indispensável em qualquer meio e constitui um dosfatores essenciais para aquisição do conhecimento. O desenvolvimento destahabilidade em língua inglesa oferece a possibilidade de aumentar conhecimentosatravés da exposição continuada a textos escritos que facilitem o processo deaquisição da linguagem. Alem disso, ―uma boa leitura de textos também é capaz defornecer bons modelos de escrita, e proporcionar oportunidades para introduzirnovos temas, para estimular o debate e para o estudo da língua, por exemplo, ovocabulário, gramática e expressões idiomáticas‖ (RICHARDS, 2002, p. 273). Pensando na importância da leitura em LI buscou-se investigar como elaacontece a em sala de aula de língua Inglesa, pois apesar da exigência dooferecimento de uma língua estrangeira no ensino fundamental e médio e dassugestões apresentadas nas diretrizes dos Parâmetros Curriculares Nacionais –PCNs (1998), a prática da leitura em língua inglesa nas escolas de ensinofundamental e médio não tem sido uma atividade prazerosa, participativa esignificativa. O resultado é que os alunos saem do ensino fundamental para o ensinomédio sem noções básicas para a prática de leitura em LE. Diante desta situação, foilevantada a seguinte questão: Como o professor de língua inglesa vem trabalhandoa habilidade de leitura de textos em sala de aula? Esse trabalho objetivou identificar as causas do déficit da habilidade deleitura em sala de aula de língua estrangeira do ensino público, por meio dequestionários para professores e alunos de LI do ensino fundamental II das escolaspublicas da cidade de Retirolândia. Foi feito uma analise de como acontece à práticada leitura na sala de aula de língua inglesa. Através da analise do o material didáticousado nas aulas de LI, e avaliando o envolvimento dos alunos nas atividades deleitura em sala de aula. A leitura em língua inglesa é uma maneira de preparar os alunos para a vida.Mas, para isso, é preciso realizar um trabalho com textos em língua inglesa capazesde desenvolver no aluno a capacidade de interpretação e compreensão. Sendo
  8. 8. 7importante ressaltar que o uso de estratégias na leitura desses textos em LE é muitoimportante, pois ajudará o aprendiz a se desenvolver com mais facilidade. Destaforma, esse trabalho se justifica por apresentar uma discussão voltada para anecessidade de desenvolvimento da habilidade de leitura em língua inglesa, comfoco em suas estratégias, e que seja capaz de despertar o interesse do aluno pelaleitura, pelo material assim como o seu envolvimento nas aulas de LI. Para este trabalho foi realizada uma revisão bibliográfica que buscou teóricosconceituados que serviram de base teórica. Esta pesquisa foi feita na forma depesquisa de campo. Tendo como participantes professores e alunos do ensinofundamental II de escolas públicas da cidade de Retirolândia. Para a coleta dedados foram aplicados questionários. Os dados coletados foram analisados atravésde reflexões feitas com base nos teóricos estudados, que ressaltam a importância dapratica da leitura em Língua Inglesa. No primeiro capitulo foi tratado teoricamente da leitura em sala de aula de LI como referencial de teóricos da área que embasaram esse trabalho mostrando querealmente é importante trabalhar leitura em LI, e seus benefícios para professores ealunos que estão envolvidos no processo de ensino/aprendizagem de LI. Nosegundo capitulo foi exposta a metodologia usada para esse trabalho e no terceirocapitulo foram apresentados os dados e sua respectiva analise que mostra osresultados da pesquisa reafirmando a base teórica sobre o assunto. E no quartocapitulo são apresentadas as considerações finais apresentando o resultado de todoo estudo realizado.
  9. 9. 81 ESTRATÉGIAS DE LEITURA NA AULA DE LÍNGUA INGLESA A leitura em língua inglesa é muito importante, pois ajuda a preparar osalunos para a vida. Neste capitulo, serão abordados os conceitos de leitura eestratégias, bem como o que os PCNs falam sobre a leitura em aula de LI, ealgumas das estratégias que são usadas nessas aulas. Serão também abordados osgêneros discursivos na aula de LI.1.1Conceitos sobre leitura e estratégias Uma das atividades fundamentais desenvolvidas pela escola para a formaçãodos alunos é a leitura. Essa por sua vez é uma extensão na vida das pessoas. Amaioria do que se aprende na vida é conseguido por meio da leitura, então se podedizer que ela é de fundamental importância na vida de um aprendiz de línguaestrangeira. Já que a mesma proporciona aquisição de vocabulário edesenvolvimento da habilidade de escrever, e dependendo do objetivo da aula, otrabalho com pronuncia. Segundo Ferreira (2007, p. 91); ―a leitura é um ato de compreensão e derecriação‖. Para que a leitura possa ser assim definida ela precisa passar do simplesfato de decodificação de códigos, ou seja, a leitura vai além de decifrar letras eformar palavras. Pois a leitura como um ato de compreensão se concretiza nomomento que o leitor consegue entender a mensagem deixada pelo autor. Esseentendimento é facilitado pelo conhecimento prévio daquele que ler. E com issoproduz a comunicação necessária para a troca de conhecimento. Disso conclui-seque a recriação citada acima é a formação ou reafirmação da opinião do leitor. Quando um indivíduo ler e compreende o que foi lido, esse por sua vez, temmuito que contribuir, pois além de adquirir novas informações ele organiza o seuconhecimento prévio com base na leitura feita. Mas, se ele não entende o que leu,não poderá fazer contribuições, já que não saberá dizer nada nem organizar o que jápossui de conhecimento de mundo. Portanto, fica claro que o bom gerenciamento daexperiência empírica fará com que o leitor faça boas contribuições nas suas leituras. Ainda segundo os PCNs (1998), a leitura é o processo no qual o leitor realizaum trabalho ativo de compreensão e interpretação do texto, a partir de seus
  10. 10. 9objetivos, de seu conhecimento sobre o assunto, sobre o autor, e de tudo o quesabe sobre a linguagem, etc. Com isso, o leitor faz uma leitura participativa, pois ele vai está interagindocom o texto através do seu entendimento sobre o mesmo. A leitura feita com objetivoespecífico faz do leitor um bom construtor, isto é, ele constrói o sentido do texto apartir de tudo que ele já sabe. De acordo com os PCNs (1998), é na fase de leitura que o aluno projeta o seuconhecimento de mundo e a organização textual nos elementos sistêmicos do texto,isto é, através dos traços lingüísticos que compõem o texto e sua forma deorganização é que o aluno vai projetar seu conhecimento. Com base no nível decompreensão previamente estabelecido, o professor busca identificar nasestratégias de leitura o que o aluno tem como leitor em sua língua materna, e ositens lexicais e gramaticais que permitem uma compreensão melhor do texto. É claro que para níveis de compreensão mais detalhada, a familiarização comelementos sistêmicos diferentes da língua materna será necessária. É importantetambém que o aluno aprenda a descobrir o significado de palavras que não conhecepor meio de pistas contextuais. Da mesma forma, espera-se que o aprendiz estejaconsciente de que não é obrigatório conhecer todos os itens lexicais para fazer umaboa leitura. Miller 1978 (apud CORACINI, 2002, p. 14) afirma que: ao estudar os itens lexicais, considera que a interpretação semântica dos mesmos estaria acoplada à sua representação formal (significado transcendental, imanente no dizer de Derrida, 1967b). Ao leitor caberia, então, a tarefa de decodificar, Isto é de reconhecer os itens lingüísticos lá conhecidos e des-cobrir (tirar as cobertas) o significado dos itens desconhecidos. São importantes as estratégias de integração de uma informação a outra, quesão mecanismos usados para garantir a compreensão do que está sendo lido. Oestabelecimento dos elos coesivos e a utilização de estratégias de inferênciase dá muitas vezes de modo implícito, baseado em conhecimentos anteriores que oleitor têm do tema. É importante que o leitor aprenda a distinguir entre informaçõescentrais na estrutura do texto e os detalhes, ou seja, para o aprendiz entender umtexto ele observa os detalhes estruturais do mesmo para contribuir com a formaçãodo sentido do texto.
  11. 11. 10 Podemos perceber que estratégias são meios que o professor ensina, e que oaprendiz busca para facilitar a sua leitura, quando esta não está muito clara.Podemos dizer ainda que estratégia é a arte de alcançar resultados. Sendo assim oaprendiz que usa estratégias de leitura pode ser considerado como um serestratégico capaz de analisar e solucionar problemas encontrados em um texto lidona língua alvo. Apesar das estratégias de leitura funcionar para o leitor como instrumento quefacilita a compreensão dos dados contidos no texto, os procedimentos adotados porcada um são diferentes, uma vez que a forma de assimilação do conhecimento nemsempre é igual para todos. Algumas pessoas possuem dificuldades para ler, poiselas acham cansativo, monótono e difícil. Isso acontece porque, na maioria dasvezes, o indivíduo ainda não encontrou um meio estratégico para promover sualeitura de maneira prática.1.2 Os PCNs e a leitura na aula de Língua Estrangeira Os PCNs definem o leitor competente como alguém capaz de compreenderaquilo que lê, ultrapassando o nível explícito a ponto de identificar elementosimplícitos. Além disso, estabelecer relações entre os textos que lê e outros jáconhecidos, atribuindo-lhes sentidos e ainda justificando e validando a sua leitura apartir da localização de elementos discursivos. Portanto, nos PCNs, a concepção deleitura é interacionista. Trata-se de uma atividade que implica estratégias de seleção,antecipação, inferência e verificação, sem as quais não é possível proficiência.(PCN, 1998, p. 68). Uma leitura interacionista produz bons resultados para o leitor, já que esteparticipa ativamente da construção do sentido do texto usando de seus artefatos,como sua estrutura social, familiar, e educacional, pois todos esses itens serelacionam quando uma leitura é feita tendo como base os conhecimentos préviosde quem ler. A aprendizagem da leitura em LE colabora no desenvolvimento de umahabilidade que é central na escola (MOITA LOPES, 1996). Em outras palavras,aprender a ler em LE ajuda no desenvolvimento da habilidade de leitura em língua
  12. 12. 11materna, que é uma das fontes de muitos problemas com os quais as crianças sedefrontam na escola em todas as disciplinas. De acordo com os PCNs, o aprendizado de língua estrangeira através daleitura acontece por meio de três tipos diferentes de conhecimentos: o conhecimentosistêmico, que se refere ao conhecimento da organização lingüística: oconhecimento de mundo, também denominado conhecimento prévio, refere-se aoconhecimento que o aluno já possui sobre o tópico do texto lido, e o conhecimentode gêneros textuais. Portanto, é importante que o aprendiz leia diversos tipos detexto para conhecer as variadas estruturas textuais existentes, sendo que osignificado é atribuído ao texto por meio de quem o lê. A leitura supre a necessidadeda educação formal e ao mesmo tempo é uma habilidade que o aprendiz usa emseu contexto social fora da sala de aula. Outro aspecto que deve ser levado em consideração é que se espera que oprofessor estimule o seu aprendiz a construir o sentido do texto. Afinal de contas oconstrutivismo tem um papel muito relevante no processo de aprendizagem de umaLE e mais especificamente no desenvolvimento da leitura. A leitura caracteriza-secomo uma habilidade que merece uma atenção especial tanto por parte dos alunoscomo do professor, para que ela proporcione um melhoramento pessoal. Umindivíduo só pode ser considerado um leitor quando passa a compreender o que lê.Pode- se neste caso afirmar que ler é antes de tudo, compreender, pois não bastaapenas decodificar os signos, mas também se posicionar ante o texto lido deixandomuitas vezes o texto transformar o leitor e o leitor por sua vez transformar o textoatravés da sua compreensão. O texto quando lido com intenção de compreendê-lotem o poder de transformar o indivíduo em um cidadão crítico e capaz de modificar eformar conceitos. Portanto, espera-se uma leitura participativa, ou seja, que haja uma interaçãoentre o leitor e o autor, pois um pode contribuir com o outro nesse processo deconstrução de sentido.1.3 Alguns tipos de estratégias de leitura usualmente aplicadas na aula deLíngua Inglesa
  13. 13. 12 A leitura é um momento onde existe uma troca de intenções entre o leitor e oautor, e neste processo, tenta-se satisfazer muitos objetivos que guiam essa leitura.Em um processo de aquisição ou aprendizagem de uma língua estrangeira érelevante compreender a leitura como objeto de conhecimento. As estratégias de leitura não são regras que obrigatoriamente devam serseguidas e, sim, um conjunto de procedimentos, que podem auxiliar o aluno a atingirseus objetivos na leitura. Então, é preciso que se ensinem estratégias de leitura paraque haja compreensão do texto lido, já que um dos objetivos é formar leitoresautônomos, capazes de enfrentar de forma inteligente, diversos textos, sobretudoem Língua Inglesa. O leitor deve ser capaz de relacionar as informações jáexistentes com o seu conhecimento prévio durante a leitura de textos que o ajudarãoa formular opiniões, idéias novas e modificar conceitos anteriores. No entanto, há também, outras estratégias de leitura com as quais o professorde língua estrangeira pode trabalhar com os alunos. O uso delas favorece, porexemplo, ao aprendiz um desenvolvimento melhor, sobretudo em relação aovocabulário na língua alvo. Neste caso, o desenvolvimento da habilidade de leiturade textos em língua inglesa, oferece a possibilidade de aumentar o conhecimento doléxico. Então, a leitura configura-se como uma habilidade que merece receber umaatenção especial dos alunos, uma vez que estes nem sempre tem como objetivos,desenvolver uma proficiência na língua-alvo, mas sim se tornarem aptos a ler textosneste idioma, seja por lazer, trabalho ou estudo. A leitura é uma das habilidades em língua estrangeira mais trabalhada emnosso país. Ao apresentar a justificativa social para a inclusão da Língua Estrangeirano Ensino Fundamental, os Parâmetros Curriculares Nacionais (1998) afirmam que: o uso de uma língua estrangeira parece estar, em geral, mais vinculado à leitura de literatura técnica ou de lazer. Note-se também que os únicos exames formais em Língua Estrangeira (...) requerem o domínio da habilidade de leitura. Portanto, a leitura atende, por um lado, às necessidades da educação formal e, por outro, é a habilidade que o aluno pode usar em seu contexto social imediato. (p.20) A leitura é muito importante na nossa vida cotidiana, pois ela nos dá suportepara um desenvolvimento de leitura intensiva e extensiva, e ao mesmo tempo nospermite usar esse conhecimento no nosso dia-a-dia fora do contexto escolar e essaleitura quando feita em outro idioma que não o de origem do leitor abre ainda maisas fronteiras do conhecimento.
  14. 14. 13 Sabemos que ler não é uma tarefa fácil, ler é um fator decisivo na vida doestudante, pois é através da leitura que ele amplia seu conhecimento, buscainformações, organiza o pensamento, amplia o vocabulário. Alem disso, através doenvolvimento com o texto, ele pode ter contato com outras culturas. Diante desse cenário, aparecem as estratégias de leitura em línguaestrangeira que têm a finalidade de ajudar na leitura de textos, pois fazem com queos estudantes aumentem o nível de consciência sobre as idéias principais domesmo. Existem varias estratégias de leitura. As principais aqui apresentadas serão:skimming, scanning, leitura intensiva, leitura extensiva.  Scanning - Estratégia de leitura rápida utilizada quando se lê em busca de informação específica no texto, como procurar uma palavra no dicionário, ver um artigo num catálogo, procurar um n.º de telefone na agenda, etc. Clarke e Silberstein (1997 apud TOTIS, 1991, p. 35) definem scanning como"leitura na qual o leitor busca uma informação bastante específica (por exemplo,uma data, um nome, um número)". É uma habilidade que ajuda o leitor a obter informação de um texto sem lercada palavra. Scanning envolve mover os olhos de cima para baixo na página,procurando palavras chaves, frase especifica ou idéias. O processo de scanning émuito útil para encontrar informações específicas. Sendo assim essa estratégia podeajudar bastante o aprendiz de LI. O leitor que usa o scanning nas suas leituras, principalmente em sala de aulapode ter o entendimento de um texto com mais rapidez e eficácia, sendo que atravésdos pontos específicos que ele observar por meio dessa estratégia ele entenderá doque se trata o texto e ainda terá seus objetivos de leitura alcançados.  Skimming – Estratégia de leitura rápida em busca da idéia geral do texto. Permite, por exemplo, perceber se determinado texto nos interessa e se vale a pena ou não continuar a lê-lo. Clarke e Silberstein (1997 apud TOTIS, 1991, p.35) definem skimming como"leitura rápida para a obtenção do sentido global do texto" O processo de skimming permite ao leitor identificar rapidamente a idéiaprincipal ou o sentido geral do texto. O uso do skimming é freqüente quando apessoa tem muito material para ler em pouco tempo. Geralmente a leitura noskimming é realizada com a velocidade de três a quatro vezes maior que a leitura
  15. 15. 14normal. Diferentemente do scanning, skimming é mais abrangente; exigeconhecimento de organização de texto, a percepção de dicas de vocabulário,habilidade para inferir idéias e outras habilidades de leitura mais avançadas.  Leitura intensiva— Consiste na intensidade de uma leitura feita com concentração e muito cuidado, buscando compreender exatamente o significado do que se lê. Geralmente após esse tipo de leitura o aprendiz tem que responder a um questionário, em um determinado prazo estabelecido pelo professor, devido à necessidade da informação que está buscando, como quando se lê principalmente documentos legais, relatórios acadêmicos entre ouros. Esse tipo de leitura é usado na maioria das vezes por estudantes, quandoesses querem perceber do que se trata o texto, observando também as estruturasdo mesmo. Por isso que o leitor ao fazer uma leitura intensiva precisa conhecer oselementos que compõem o texto lido.  Leitura extensiva— É a leitura feita através da diversidade de livros lidos principalmente para o prazer, a fim de obter neles a compreensão geral do conteúdo. A leitura extensiva pode ser entendida como uma prática de aprendizagemrelevante, já que envolve o desenvolvimento de diversas competências relativas aoestudo da língua em suas dimensões formal, e sociocultural, que vão além deatitudes e valores, ao mesmo tempo em que ao desenvolverem a habilidade de ler,os alunos melhoram a capacidade de aprender a língua estrangeira estudada.1.4 A variedade de gêneros discursivos e as estratégias de leitura em LínguaInglesa Os gêneros discursivos se referem aos vários tipos de textos tais como:descrição, dissertação, narração, romance, fábula, parábola, notícia, certidão, carta,tese, artigo, etc. Eles possuem características próprias em relação à forma,conteúdo entre outros. Esses são os detalhes que determinam a que tipo de gênerocada texto pertence. São muitos os tipos de textos existentes, portanto o professorprecisa passar para o aluno na aula de leitura as informações necessárias para queeles percebam os fatores que constituem um enunciado. De acordo com Bakhtin(1992),
  16. 16. 15 para falar, utilizamo-nos sempre dos gêneros do discurso, em outras palavras, todos os nossos enunciados dispõem de uma forma padrão e relativamente estável de estruturação de um todo. Possuímos um rico repertorio dos gêneros do discurso orais (e escritos). (p. 301). Nessa perspectiva, podemos entender que os gêneros discursivos nospermitem entender melhor o sentido do texto. Sendo assim os gêneros textuais sãoentendidos como ferramentas indispensáveis para compreensão de cada tipo desocialização, seja ele por meio de texto escrito ou falado. Para Bazerman (2006, p.76) ―a familiarização com os gêneros e registros, correspondentes aos sistemas deque as pessoas participam, permite que o indivíduo, de alguma forma, compreendaa complexidade das interações e equacione seus atos comunicativos em relação àsações comunicativas de muitas outras pessoas‖. Toda leitura é feita com um objetivo específico, quem ler, o faz porque queralgo dessa leitura, como: lemos para obter informações, para adquirirmos idéiasnovas, e até mesmo por prazer. Muitas vezes os objetivos da nossa leitura sãoinconscientes, mas, o fato é que sempre existe um objetivo para ela, seja paraaplicação prática, aprendizagem, ou entretenimento. Na aula de leitura pode se usar de acordo com os gêneros textuais diversasestratégias. Por exemplo, se lemos um texto do gênero receita culinária podemosusar a estratégia de scanning, já se lemos um texto de gênero literário podemos usara estratégia de skimming, como também pode ser usado a leitura intensiva no casode um estudo minucioso do texto, ou pode ser usado a leitura extensiva se esta forcomo forma de conhecimento geral do texto em questão. O conhecimento dosgêneros textuais possibilita a realização de leituras mais eficientes, pois permite aoleitor localizar informações mais rápidas. Porém, assim como é importante o conhecimento dos gêneros é tambémimportante o conhecimento das estratégias para que essas possam ser trabalhadasem conjunto para assim promover um bom resultado na compreensão do leitor anteo texto. Uma vez que a nossa comunicação seja ela através de texto ou não, ésempre feita por meio de gêneros discursivos. Precisamos então estar sempreconectados com os mesmos para podermos distingui-los quando formos fazerleituras, sejam elas por um motivo ou outro.
  17. 17. 16 Segundo Coracini (2002, p.15) ―a leitura como processo discursivo seencontra na interface entre a análise do discurso e a desconstrução que considera oato de ler como um processo discursivo no qual se inserem os sujeitos produtores desentido‖. Sendo assim esse processo discursivo acontece com a colaboração tantodo autor como do leitor do texto, pois ambos colocam em questão suas ideologias eseus aspectos e conhecimentos sócio-cultuais para formação de sentido.
  18. 18. 172 METODOLOGIA Para a realização desse trabalho foi feito inicialmente uma pesquisabibliográfica, por ser a melhor forma de buscar suporte e reflexões a cerca do temaem questão. Essa investigação foi realizada por meio de um estudo minucioso daprática de ensino de leitura em sala de aula de língua inglesa, utilizando algunsteóricos que tratam do assunto como: Campos (2006), Consolo (2004), Harmer(2007), Leventhal (2007), Moita Lopes (1996), Richards (2002), Bakhtin (1992),Bazerman (2006). Coracini (2002). Totis ( 1991). Além dos PCNs (1998). Dentreoutros. Foi feito também uma pesquisa de campo onde foram feitas observações emsalas de aula de língua inglesa do ensino fundamental nas escolas Valdeci Lobão,Antonio Militão Rodrigues, e Escola Yeda Barradas Carneiro, todas situadas nacidade de Retirolândia e foi feito também questionários para coletar dados. Das trêsescolas foram entrevistados 4 professores e 40 alunos, todos do ensino fundamentalII, pois estes foram vistos como objetos fundamentais neste estudo de campo. Esse estudo não se caracteriza apenas por informações advindas de materialbibliográfico, mas, também, pela inserção da pesquisa de campo que visa conseguirinformações concretas sobre determinado problema para o qual se procura umaresposta. O interesse da pesquisa de campo está voltado para o estudo deindivíduos, grupos, comunidade, instituições e outros campos, visando àcompreensão de vários aspectos da sociedade. É uma investigação empírica, quese realiza no local onde ocorre um fenômeno, dispondo de elementos, como, porexemplo, questionários, entrevistas e testes para coletar os dados e desenvolver apesquisa, (VERGARA, 1998). Com base nesse contexto esse trabalho visa estudarcomo acontece a leitura em sala de aula de LI.2.1 Dados da pesquisa A pesquisa de campo foi desenvolvida por meio de observações realizadas noperíodo do estágio e foram feitos questionários com o objetivo de saber se realmenteos professores estão trabalhando a leitura por meio de estratégias em suas aulas, osquais foram respondidos por professores e alunos das escolas de ensino
  19. 19. 18fundamental, Valdecy Lobão, Antonio Militão Rodrigues e Yêda Barradas Carneiro.Todos os professores atuam no ensino de língua inglesa alem de outras disciplinas. A escola Municipal Valdecy Lobão possui em seu ambiente interno, as salasde aula, uma biblioteca, secretaria, sala de professores, cozinha, sala de vídeo. Asoutras escolas possuem as mesmas instalações sendo que as mesmas nãopossuem sala de vídeo. Todas as escolas possuem aparelhos de TV, DVD, microssistem,computadores com acesso a internet, retroprojetores com data show, TV pen drive. Dos quatro professores entrevistados um afirma ser formado em Letras comhabilitação em Inglês, um é formado em geografia possuindo experiência no ensinode inglês, e dois afirmaram serem formados em Letras com habilitação emportuguês, inglês e literaturas. Foram entrevistados também 40 alunos todos doensino fundamental II.
  20. 20. 193 ANÁLISE DE DADOS Foram analisadas as respostas dos questionários aplicados tanto aos alunoscomo aos professores e percebi que por parte dos alunos ainda é muito vago ointeresse pela leitura em língua inglesa, levando em consideração as respostas damaioria dos alunos entrevistados. Aos alunos foram feitas as seguintes questões:1- Você consegue fazer a leitura dos textos propostos pelo seu professor de línguainglesa? 0 Nas turmas 1 e 3, 12 dos 20 alunos responderam que só conseguem fazer aleitura com a ajuda do professor. Na turma 2, cerca de 6 disseram que sóconseguem ler algumas palavras. Na turma 4, os alunos responderam em suamaioria que não conseguem fazer a leitura dos textos. Segundo Ferreira (2007, p. 91); ―a leitura é um ato de compreensão e derecriação‖. Mas apesar de acreditarmos nessa afirmação podemos perceber queesses alunos não estão vivenciando essa afirmação já que eles afirmam que nãoconseguem compreender os textos apresentados a eles.2- Como seu professor tem trabalhado os textos nas aulas de leitura? Em relação à segunda pergunta feita nas quatro turmas pesquisadas osalunos responderam que os professores trabalham com tradução dos textos. De acordo com os estudos feitos pode-se perceber que a tradução não e omelhor método de se trabalhar a leitura em sala de aula para isso os PCNs afirmaque a concepção de leitura é interacionista. Trata-se de uma atividade que implicaestratégias de seleção, antecipação, inferência e verificação, sem as quais não épossível proficiência. (PCN, 1998, p. 68).3- O seu professor ensina estratégias de leitura para facilitar o entendimento dostextos lidos?
  21. 21. 20 Nas quatro turmas os alunos responderam que os professores usamestratégias, mas só foi citado o uso de cognatos e de palavras já conhecida no texto.Ficando claro que os professores estão conscientes de que o uso de estratégias éimportante, apesar de usarem apenas essas citadas acima. Também não se pode usar apenas um ou dois tipos de estratégias nas aulasde leitura, pois nem sempre uma estratégia serve para todos os alunos.4-Os textos trabalhados pelo seu professor de língua inglesa têm alguma relaçãocom o seu dia-a-dia? Em relação a este questionamento os alunos das turmas 1 e 2 disseram queas vezes sim, já os das turmas 3 e 4 disseram que sempre existe relação dos textospropostos com o seu dia a dia. Pode se perceber com isso que essa atitude de usar textos que tenhamrelação com o dia a dia dos alunos estimule os mesmos a se interessarem pelasaulas5-Você gosta de ler textos em inglês? Em relação a ultima pergunta feita os alunos de todas as turmas pesquisadasresponderam que não gostam de ler textos em inglês porque não conseguementender os textos, pois não conhecem o vocabulário dos mesmos. Com essa afirmação vinda dos alunos pode se perceber que o uso dasestratégias de leitura é fundamental para que haja compreensão dos textos pelosalunos principalmente por aqueles que não possuem um vocabulário suficiente paraler. Quanto aos professores foram feitas as seguintes perguntas:1-Como você tem trabalhado a leitura em suas aulas? O professor 1 respondeu que trabalha com atividades de interpretação. Oprofessor 2 respondeu que trabalha com leitura de imagens e procura fazer umaleitura dinâmica para melhor compreensão dos alunos. O professor 3 respondeu queusa textos curtos por causa da dificuldade dos alunos. O professor 4 respondeu que
  22. 22. 21trabalha com leitura de imagens, dá prioridade as palavras conhecidas e voltadasempre para os conteúdos gramaticais. Foi percebido nesse primeiro questionamentos que existe uma variedade naforma de trabalhar os textos que os professores propõem aos alunos em sala deaula.2- Que tipo de texto você (autêntico ou de livro didático) você tem utilizado em suasaulas? O professor 1 respondeu que usa textos de livros didáticos assim comocharges. O professor 2 respondeu que busca textos de fácil vocabulário na internet .o Professor 3 respondeu que na maioria das vezes usa textos de livros didáticosmas que também usa textos autênticos. O professor 4 respondeu que usaprincipalmente textos de livros didáticos. Podemos perceber que mesmo variando as fontes de busca para os textosque os professores utilizam o livro didático ainda continua em alta, mesmo que umou dois já estejam abrindo espaço para os textos de internet ou coisa parecida epara isso podemos citar Bakhtin (1992) quando ele afirma que: para falar, utilizamo-nos sempre dos gêneros do discurso, em outras palavras, todos os nossos enunciados dispõem de uma forma padrão e relativamente estável de estruturação de um todo. Possuímos um rico repertorio dos gêneros do discurso orais (e escritos). (p. 301).3-Os alunos tem se envolvido de forma satisfatória nas aulas de leitura? O professor 1 respondeu que no inicio os alunos tiveram resistência quanto aleitura em língua inglesa mas com o tempo eles passaram a se envolver melhor nasaulas. O professor 2 respondeu que sim e ainda disse que os alunos temcuriosidade quanto a disciplina. O professor 3 respondeu que os alunos não seenvolvem nas aulas e ainda demonstram rejeição quanto a disciplina. O professor 4respondeu que os alunos não se envolvem nas aulas de leitura e ele acrescentaque talvez seja por conta da dificuldade que eles tem em relação a disciplina.4-Quais são os tipos de estratégias de leitura que você tem usado em suas aulas?
  23. 23. 22 O professor 1 respondeu que usa a repetição de palavras, leitura de imagens,palavras transparentes e cognatos. O professor 2 respondeu que faz leitura deimagens, leitura previa para identificar os cognatos. O professor 3 respondeu queidentifica as palavras conhecidas bem como a leitura de imagens. O professor 4respondeu que usa as técnicas de descobrimento das palavras cognatos, explora ovocabulário já conhecido, varredura do texto para extração das idéias principais. Com essas respostas pode se perceber que a variação no uso dasestratégias é muito pouco. Sabemos que as estratégias de leitura não são regras,porem elas ajuda muito no entendimento dos textos com isso é preciso que seensinem estratégias de leitura para que haja compreensão do texto lido, já que umdos objetivos é formar leitores autônomos, capazes de enfrentar de formainteligente, diversos textos, sobretudo em Língua Inglesa. Então é preciso que seensinem outras estratégias de leitura com as quais o professor de língua estrangeirapode trabalhar com os alunos. O uso delas favorece, por exemplo, ao aprendiz umdesenvolvimento melhor, sobretudo em relação ao vocabulário na língua alvo. Percebe-se que o uso das estratégias de scanning e sakimming não sãoainda usadas pelos professores entrevistados, porem essas estratégias tem afinalidade de ajudar na leitura de textos, pois fazem com que os estudantesaumentem o nível de consciência sobre as idéias principais do mesmo. O leitor queusa o scanning nas suas leituras, principalmente em sala de aula pode ter oentendimento de um texto com mais rapidez e eficácia, sendo que através dospontos específicos que ele observar por meio dessa estratégia ele entenderá do quese trata o texto e ainda terá seus objetivos de leitura alcançados. Ao mesmo, otempo processo de skimming permite ao leitor identificar rapidamente a idéiaprincipal ou o sentido geral do texto.5-Você tem percebido que o aprendizado dos seus alunos tem tido bomdesenvolvimento no aprendizado por meio das aulas de leitura? O professor 1 respondeu que mais ou menos pois os alunos não seinteressam pela disciplina. O professor 2 respondeu que na maioria das vezes simficando assim mais fácil para contextualizar a leitura. O professor 3 respondeu queuma parte dos alunos sim pois são os que se interessam, ela ainda citou a
  24. 24. 23dificuldade por conta da falta de material. O professor 4 respondeu que existe umavariação nos resultados pois nem todos se envolvem de forma satisfatória.6- Qual a sua formação acadêmica? O professor 1 respondeu que é formada em Letras com Inglês. O professor 2respondeu que é formada em Geografia, mas que possui experiência com o ensinoda língua inglesa. O professor 3 respondeu que é formada em Letras comhabilitação em português, inglês e literatura. O professor 4 respondeu que é formadoem Letras com habilitação em português, inglês e literaturas. Nenhuns dos professores disseram estar fazendo algum curso de formaçãocontinuada para melhorar o seu trabalho com os alunos. Ao longo desse estudo foram tidas como base as observações bem como arevisão bibliográfica para constatar que no processo ensino/aprendizagem devehaver um comprometimento por parte tanto dos alunos como dos professores.Sendo que o professor é o mediador entre o aluno e o que ele estiver estudando,então fica para o professor a responsabilidade de motivar os alunos quanto à leituraem língua inglesa.
  25. 25. 24 CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante de tudo que foi mostrado nesta pesquisa fica evidente que já existeuma preocupação em relação à prática de leitura em sala de aula de língua inglesa.Apesar de que a prática de leitura em língua inglesa ainda não é suficiente, poisinfelizmente existe uma resistência por parte tanto dos alunos como dos professoresque ainda não se conscientizaram por completo da real importância da leitura navida de um estudante de língua inglesa e isso acaba por mostrar que eles aindaestão desmotivados e muitas vezes se esquecem de que a leitura na sala de aula émuito alem do que decodificar um texto, pois ela vai muito, além disso, os PCNs(1998), diz que é na fase de leitura que o aluno projeta o seu conhecimento demundo. Então os professores precisam se conscientizar disso para estimular seusalunos a gostar de ler em LI, porque com essa leitura ele vai ter suas fronteiras doconhecimento abertas para novas culturas. Contudo é preciso entender que não se deve atribuir tudo isso a todos osprofessores, pois alguns já estão tentando usar de novos conceitos para trabalharleitura com seus alunos, como foi visto na analise dos dados coletados nestapesquisa. Pode ser percebido também que o professor precisa ter uma formaçãocontinuada, pois com a entrevista feita por meio dos questionários ficou evidente quealguns professores não tem se preocupado em buscar aprender a usar novasestratégias de leitura para passar para seus alunos.
  26. 26. 25 REFERÊNCIASBrasil. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensinofundamental: língua estrangeira. Secretaria de Educação Fundamental – Brasília:MEC/SEF, 1998.BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1992.BAZERMAN, C. Escrita, gênero e interação social. São Paulo: Cortez, 2006.CORACINI, Maria José Rodrigues Ferreira. O jogo discursivo na aula de leitura:Língua materna e Língua estrangeira. 2 ed. Campinas, SP:Pontes,2002.CAMPOS, G. P. C. As crenças sobre leitura em língua estrangeira de umaprofessora e seus alunos: um estudo de Caso. Dissertação (Mestrado em Letras eLingüística) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2006.CONSOLO, Douglas Altamiro, VIEIRA-ABRAHÃO, Maria Helena. Pesquisas emLinguística Aplicada: ensino e aprendizagem de língua estrangeira. São Paulo:Editora UNESP, 2004.HARMER, Jeremy. How to Teach English: an introduction to the practice of Englishlanguage teaching. 2 ed. Harlow: Longman, Pearson, 2007.HARMER, Jeremy. The Practice of English Language Teaching Book. 4 ed.Harlow: Longman, Pearson 2007.LEVENTHAL, Lilian Itzicovitch; ZAJDENWERG Ruth Bron; SILVÉRIO, Tatiana.Inglês é 11! O ensino de inglês no ensino fundamental I. Barueri, SP: Editora Disal,2007.MOITA LOPES, L. P. A função da aprendizagem de línguas estrangeiras na escolapública. In: MOITA LOPES, L. P. Oficina de Lingüística Aplicada. Campinas, SP:Mercado de Letras. 1996.RICHARDS, Jack C.; RENANDYA, Willy A. Methodology in Language Teaching:an anthology of current practice. New York: Cambridge University Press, 2002.TOTIS, V. P. Língua Inglesa: leitura. São Paulo: Cortez, 1991.VERGARA, Silvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 2ed. São Paulo: Atlas, 1998.MARCONI, M. A e LAKATOS, E.M. Técnicas de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas,2002.
  27. 27. 26 APÊNDICE AQuestionários aplicados para a coleta de dados: UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO – CAMPUS XIV – Conceição do Coité COLEGIADO DO CURSO DE LETRAS Componente curricular: TCC- Trabalho de conclusão de curso Discente- Ana Clécia da Silva Santos Professor orientador: Fernando Sodré Questionário para coleta de dados Questionário para professor1-Como você tem trabalhado a leitura em suas aulas?____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________2- Que tipo de texto você (autêntico ou de livro didático) você tem utilizado em suasaulas?____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________3-Os alunos tem se envolvido de forma satisfatória nas aulas de leitura?____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________4-Quais são os tipos de estratégias de leitura que você tem usado em suas aulas?____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  28. 28. 275-Você tem percebido que seus alunos tem tido bom desenvolvimento noaprendizado por meio das aulas de leitura?____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________6- Qual a sua formação acadêmica?______________________________________________________________________________________________________________________________
  29. 29. 28 APÊNDICE B UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO – CAMPUS XIV – Conceição do Coité COLEGIADO DO CURSO DE LETRAS Componente curricular: TCC- Trabalho de conclusão de curso Discente- Ana Clécia da Silva Santos Professor orientador: Fernando Sodré Questionário para coleta de dadosQuestionário para aluno1- Você consegue fazer a leitura dos textos propostos pelo seu professor de línguainglesa?____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________2- Como seu professor tem trabalhado os textos nas aulas de leitura?____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________3- O seu professor ensina estratégias de leitura para facilitar o entendimento dostextos lidos?___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 4-Os textos trabalhados pelo seu professor de língua inglesa têm alguma relaçãocom o seu dia-a-dia?______________________________________________________________________________________________________________________________________
  30. 30. 29______________________________________________________________________________________________________________________5-Você gosta de ler textos em inglês?____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

×