Dissertação mestrado Ciência da Educação / Neldilene G. Soares

1.449 visualizações

Publicada em

Slides TDAH: estudo de caso / apresentação de Mestrado Ciência da educação pela ISEL, na cidade de Aurora - CE

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.449
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dissertação mestrado Ciência da Educação / Neldilene G. Soares

  1. 1. INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROFESSORA LÚCIA DANTAS – ISEL DEPARTAMENTO DE PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE MESTRADO MULTIDISCIPLINAR PROFISSIONAL CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO NELDILENE GALDINO SOARES TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO/HIPERATIVIDADE: ESTUDO DE CASO BRASÍLIA-DF 2015 ORIENTADOR: PROF. DR. MARCUS NASCIMENTO COELHO
  2. 2. Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. Augusto Cury
  3. 3. INTRODUÇÃO Analisar o trabalho das equipes gestora, pedagógica, e docentes da Escola Municipal Major Hortêncio de Brito, da cidade Acari RN, com relação ao desenvolvimento educacional de um aprendente com déficit de atenção e Hiperatividade.
  4. 4. Quais as estratégias pedagógicas que os docentes utilizam na prática, com a finalidade de resolver questões de aprendizagem e relações afetivas - emocionais do aluno com Déficit de Atenção Hiperatividade?
  5. 5. OBJETIVOS GERAL  Analisar o trabalho pedagógico, a desatenção e a impulsividade como sintomas, em um aprendente em sala de aula com Transtorno de Atenção Hiperatividade.
  6. 6. ESPECÍFICOS  Historiar o trajeto do TDAH junto às esferas educacionais.  Pesquisar a maneira como os docentes resolvem situações de conflito interpessoal na sala de aula, quando se depara com um aprendente com diagnostico de Déficit de Atenção Hiperatividades para educá-lo.  Desenvolver o anamnese pedagógico com o aprendente com TDAH.  Discutir as metodologias e o projeto da sala de Atendimento Educacional Especializado.
  7. 7. A metodologia utilizada na pesquisa é de caráter quantitativa e qualitativa descritiva, com questionário de perguntas e respostas, considerando que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito entrevistado de acordo com Machado, (2010). Os objetivos serão alcançados na medida em que as observações, registros, analises e correlações de fatos ou fenômenos, sejam realizados, partindo das informações que os entrevistados relatarem como ações. METODOLOGIA
  8. 8. Foram trabalhados os aspectos históricos, referencial teórico do transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade.  A historiar, Características, Causas e Tratamentos do TADH  Avaliações do TDAH no Brasil  O TDAH em adolescentes  O TDAH e a participação do psicopedagogo  TDAH X diagnóstico A DISSERTAÇÃO SUBDIVIDE EM TRÊS CAPÍTULOS. CAPITULO I: TDAH: ALGUNS ENTENDIMENTOS
  9. 9. - Surge a Disfunção Cerebral Mínima (DCM), com as seguintes manifestações clínicas: hiperatividade, agressividade, distúrbio de aprendizagem, de linguagem, falta de coordenação motora, déficit de concentração, instabilidade de humor, baixa tolerância à frustração, entre outros menos comuns. “não conseguiram comprovar a existência de nenhuma lesão, apenas verificaram que as alterações características desse transtorno referiam-se às disfunções das vias nervosas e não lesões”. (COLLARES; MOYSÉS, 2010, p. 10). O tratamento diante do diagnostico pode ser com ou sem medicamentos.
  10. 10. CAPITULO II: O TDAH NA ESCOLA.  Formações de professores para atuar com TDAH  Rede de apoio ao atendimento de professores  Estratégias necessárias para atuar com alunos com TDAH  O atendimento na sala de AEE  O TDAH Anamnese/Medicação do aprendente
  11. 11. - Apresentação da metodologia e o estudo de caso, considerando a descrição, sugestão de orientação no ensino aprendizagem. Foi a apresentado o perfil do município da escola e sua discrição em foco o trabalho pedagógico na sala regular e de AEE. - O segundo capítulo, enfatiza uma problematização referente ao diagnóstico e o TDAH na escola. “Numa sociedade alfabética, ninguém ensina as crianças como escrever silabicamente, no entanto elas inventam esse tipo de escrita construindo ao mesmo tempo um poderoso esquema interpretativo’. (FERREIRO, 2010, p. 34). O professor da sala de AEE vem como suporte para essa aprendizagem
  12. 12. CAPITULO III METODOLOGIA E ANÁLISE DOS DADOS Apresentação da metodologia e o estudo de caso, considerando a descrição, sugestão de orientação no ensino aprendizagem.  A escolha do método de pesquisa  Breve História da Cidade de Acari  Discrições da Escola Municipal Major Hortêncio de Brito  Trabalho pedagógico dos professores da sala regular e de AEE
  13. 13. - Foram trabalhados os aspectos históricos, referencial teórico do transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade. Em busca de esclarecer com a participação do psicopedagogo O profissional especializado em Psicopedagogia pode atuar em uma perspectiva preventiva ou curativa. Vincular-se a uma instituição (escola, hospital, centro comunitário, empresas, etc.). O psicopedagogo tem um papel decisivo e importante na construção do bom desempenho escolar. - Campo de atuação em saúde e educação que lida com o processo de aprendizagem humana, “seus padrões normais e patológicos, considerando a influência do meio-família, escola e sociedade, no seu desenvolvimento, utilizando procedimentos próprios da psicopedagogia.” (ABPp, 1996, P.21).
  14. 14. O trabalho se deu através de referenciais bibliográficos com embasamento nos teóricos; Barkley (2008), Coutinho (2009), Damásio (2000), Gomes (2007), Mattos, (2007), Moysés e Collares (2010), Neto (2010), Smith e Strick (2001), dente outros. Analisando as dificuldades de aprendizagem dos alunos com TDAH. As discussões dos teóricos servirão de suporte para melhorar a compreensão e proximidade de soluções para o ensino aprendizagem de aprendentes com TDAH.
  15. 15. O TDAH do tipo predominantemente desatento parece estar associado a mais devaneios, passividade, preguiça, dificuldades de concentração e com a atenção seletiva (filtrar as informações importantes daquelas não- importantes), processamento lento das informações, perturbação e confusão mental, reserva ou apreensão social, hiperatividade e recuperação inconsistente de informações da memória. É também consideravelmente menos provável que esteja associado com a impulsividade (por definição), assim como com o comportamento desafiador e opositivo, problemas de conduta ou delinquência. São característica de quem apresenta um quadro de TDAH na escola é a falha na produção da escrita, tanto no seu aspecto gráfico, quanto no ortográfico, dificuldade para compreender, interpretar, produzir textos, esquece instruções, direções e lições, memoriza com muita dificuldade as informações, muitas vezes distrai-se com seus próprios devaneios.. Segundo Barkley, (2008, p. 16).
  16. 16. ANÁLISE E DISCURSÃO DOS DADOS Faz-se necessário apresentar o método da pesquisa realizada. Breve Histórico do município onde a escola situa-se. Descrição da escola em estudo, o trabalho Pedagógico dos Professores da sala regular e de Atendimento Educacional Especializado e a análise de dados que contribuirão para a realização desse trabalho.
  17. 17. DISCRIÇÕES DA ESCOLA MUNICIPAL MAJOR HORTÊNCIO DE BRITO Localização Rua Silvino Adonias Bezerra, nº 151 – Bairro, Ary de Pinho na Cidade de Acari - RN. Promove uma educação 2º fase do ensino fundamental, (6º ano ao 9º), Educação de Jovens e Adultos – EJA. Equipe Educacional 01 Gestor e 01 Gestora Escolar, 01 Coordenadora. A equipe Técnica Pedagógica 02 Supervisoras Administração 01 Secretária, 01 Auxiliar de Secretária, também conta com o apoio Pedagógico com 01 Profissional Pedagógico. Apoio Educacional Sala de A E E Equipe de Educadores Oito Professores da sala regular, 01 da sala de A.E. E, 01 do Educador da EJA Equipe do quadro Suplementar 04 Auxiliar de Serviço Admirativo e 01 Merendeira A escola é composta Por 204 alunos e 33 funcionários. Estrutura física da escola 08 Salas de aula, 01 Biblioteca, 01 Área de serviço, 01 Sala de laboratório de informática, 04 Espaços pequenos para guardar materiais diversos, 01 Sala de professores, 01 Diretoria, 01 Sala de Recursos Multifuncional, 01 Secretaria, 01 Hall de entrada, 01 Pavilhão, e 05 Banheiros; todos esses espaços de fácil acessibilidade.
  18. 18. De acordo com os dados expostos no gráfico 01, percebemos que os profissionais que fazem parte da equipe de gestão (gestor, orientador, supervisor e professores), da escola têm uma boa e experiência profissional na área da educação pedagógica, 48%, está há mais de vinte anos, quanto que 28% há mais de dez anos, 18% estar a cinco anos ficando 08% com menos de cinco anos.
  19. 19. O gráfico 02: A formação profissional da equipe de educadores da escola, se apresenta com 68% 05 anos, 38% 08 anos e 28% de 08/10 anos, os educadores conhece a realidades dos seus alunos. Em relação à vida profissional da equipe de educadores da escola Municipal Major Hortêncio de Brito percebeu que as maiorias dos funcionários trabalham no ambiente escolar há um bom tempo.
  20. 20. No Gráfico 03, se tornando unanimidade tendo 100%, como resposta sim, todos os colaboradores afirmaram que a escola tem uma sala de Atendimento Educacional Especializado, que todos os discentes que tem dificuldades de aprendizagem e déficits incluindo o aluno com TADH,
  21. 21. Diante do Gráfico 04, os colaboradores se sentem satisfeitos na margem de 70%, com o ensino aprendizagem que a equipe pedagógica administra segundo as orientações da secretaria de educação, sendo que 30% de insatisfação requer uma busca de melhoria dos problemas precisam melhorar.
  22. 22. Dados coletados, Gráfico 05 18% que já acontece as capacitações especificas, 18% a equipe multifuncional atuar na escola, 8% citaram projetos de inclusão e 48% a presença do psicopedagogo da rede municipal acontece. Projetos como o mais educação envolve os esportes, Reforço escolar no contra turno com revisão dos conteúdos estudado
  23. 23. O gráfico 06 mostra dificuldades de aprendizagem que 18% a falta de interesse sendo 28% ausência da família na escola, 8% material didático direcionado ao aluno, e 38% o acompanhamento médico. Relata os professores que. “Nunca dá tempo repassar os conteúdos para sala em geral”.
  24. 24. Gráfico 07 as ações 28% coletivo, 08% planejamento, 38% projetos e 38% sala AEE. É desenvolvida atividades discursivas em roda de conversa, soluções para os problemas de aprendizagem, inclui-lo em atividades diversos, objetivando descobrir e aproveita suas habilidades e competências no contexto escolar.
  25. 25. No gráfico 08, com 100%, a escola mostrou conhecedora desse transtorno pelo motivo de ter uma criança com diagnóstico. No que depende da formação que recebe da secretaria de educação como suporte para saberem lhe dá com esse problema eles confirmam que ajuda bastante.
  26. 26. O gráfico 09, apresenta uma variação de visitas da família na escola, 28% quando é convidada a vir na escola, 38% nas reuniões de pais e mestres, 18% quando é chamada com urgência pontuando com mais intensidades nas reuniões de pais e mestres.
  27. 27. No gráfico 10, com 58% responderam que sim, sendo professores do 6º ano, 38% os colaboradores participam da elaboração das atividades da sala de Atendimento Educacional Especializado, porque é de fundamental importância essa interação para que o aprendente não fique atrasado com o conteúdo desenvolvido e com todas as disciplinas na sala regular.
  28. 28. O gráfico 11, mostra que28% da equipe de funcionários da escola estar atentos as mudanças, 18% sempre apresenta estratégias, 18% participam com sugestões didáticas e 28% contribui com a orientação com motivação e incentivo. Está sempre se interagindo dando importância a ao desenvolvimento educacional do discente com TDAH, sempre orientando os professores a incentivar para aprender como estão atentemos a mudanças do mesmo.
  29. 29. No gráfico 12, mostra a manifestação de toda a equipe para realizar um projeto educacional que esteja voltado a educação inclusiva. Sendo que 38% participação dos professores, 18% participação da equipe pedagógica, 28% participação do educador do A.E.E e 08% da participação do psicopedagogo institucional no P.P.P da escola. mesmo com imparcialidade da participação da família com a educação do seu filho a escola procura realizar o seu papel, parte de suas obrigações para com o ensino de sua sociedade.
  30. 30. No gráfico 13, Com 08% dos professores afirmam conhecer as deficiências, 18% tem conhecimento com problemas mentais, 28% conhece transtornos mentais e 38% revela o profissional que visa a criança como um ser humano e mais outros problemas que o ser racional tem e pode viver com eles mediante orientações de um profissional da saúde e educacional.
  31. 31. SÍNTESE DA PESQUISA Diante do trabalho realizado em campo, no intuito de conhecer a realidade e a ação pedagógica em uma escola municipal da cidade de Acari - RN, os colaboradores apresentaram um trabalho participativo, no que diz respeito a cumprir com as Diretrizes Básica da Educação, fazendo seu papel de escola no processo ensino aprendizagem de uma sociedade escolar. Percebe-se que os educadores estão focados em trabalhar os conteúdos da sua área de formação, porém demostram preocupação em direcionar os conteúdos para subsidiar as dificuldades educacionais dos alunos que apresentam necessidades especiais.
  32. 32. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados demonstram o quanto é importante à escola está consciente das dificuldades e déficit de aprendizagem, conforme comprovações de laudos do aluno com TDAH, precisando inclui-lo nas atividades educativas, para que possa ter uma vida social no âmbito escolar e fora dele. Sugere-se uma metodologia dinâmica e atrativa com o objetivo de construir junto com o aluno uma educação que venha dar suporte as possíveis dificuldades, tornando-o um aprendente mais autônomo e capaz de superar suas limitações.
  33. 33. REFERENCIAS ABDA. Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade- Guia para início de tratamento 27p. Kit Inicial de Tratamento. Novartis Biociências S/A, 2008. Alves, I. C. B. & Duarte, J. L. M. (1993). Escala de maturidade mental Colúmbia: padronização brasileira. São Paulo: Casa do Psicólogo. AMERICAN, Psychiatric Association. (1994). DSM-IV: Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. Washington D.C.: American Psychiatric Association. ANTUNES, C. Miopia da atenção: problemas de atenção e hiperatividade em sala de aula. São Paulo: Salesiana, 2001. ANTUNES, C. Novas maneiras de ensinar, novas formas de aprender. Porto Alegre: Ed. Artmed, 2002. LDSTEIN, S. M. Hiperatividade: Compreensão, Avaliação e Atuação: Uma Visão Geral sobre TDAH. Artigo: Publicação, novembro2006. Disponívelhttp://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/Pedagogia/transtorno_de_deficit_de_atenc ao.pdf>. Acessado em 20 de Novembro de 2011. AZEVEDO, Cleomar. Psicopedagogia e alfabetização: um processo de mobilização social. In: SCOZ, Beatriz Judith Lima. et al. Psicopedagogia: contribuições para a educação pósmoderna. Petrópolis, RJ: Vozes; São Paulo: ABPp, 2004. Benczik, E. B. P. (2000). Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: atualização diagnóstica e terapêutica. São Paulo: Casa do Psicólogo. BENCZIK, Edyleine Bellini Peroni. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: atualização diagnóstica e terapeuta. São Paulo: casa do Psicólogo, 2000, 2ª edição, p. 25-90. BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDBEN 9394/96. 1996. Brasília. COLLARES, C.A.L.; Moysés, M.A.A. (2010). Dislexia e TDAH: uma análise a partir da ciência médica. In: Conselho Regional de Psicologia de São Paulo; Grupo Interinstitucional Queixa Escolar (Orgs.). Medicalização de Crianças e Adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo.
  34. 34. CORRÊA, Roberto Lobato, org GEOGRAFIA: conceitos e temas . 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007. 49-76 p. COUTINHO, G. et alii. Concordância entre relato de pais e professores para sintomas de TDAH: resultados de uma amostra clínica brasileira. Revista de Psiquiatria Clínica, 36 (3), 97-100. 2009. Cury, Augusto Jorge. O código da inteligência. Editora Ltda. 2008. CURY, Augusto Jorge. Pais brilhantes, professores fascinantes. Editora Ltda. 2003. DAMÁSIO, A.R. O Erro de Descartes; trad. Dora Vicente e Georgina Segurado. - São Paulo: Companhia das letras, 1996/2000. ERBS, Gislene Carla – As Várias Formas de Avaliação do TDAH na Cidade de Joinville. Joinville, 2010, 15p. FACCI, M. G. D. "Professora, é verdade que ler e escrever é uma coisa fácil?"- Reflexões em torno do processo ensino- aprendizagem na perspectiva vigotskiniana. In: Meira, M. E. W. & Facci, M. G. D. (Org.). Psicologia Histórico-Cultural: contribuições para o encontro entre a subjetividade e a educação. (pp. 135-155). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007. FERREIRA, M.E.C. & Guimarães, M. Educação Inclusiva. Rio de Janeiro. DP&A, 2006. FERREIRO, E. Reflexões sobre alfabetização. 25. Ed. São Paulo: Cortez, 2010. (Coleção questões da nossa época; v.6). FERREIRO, Emília. Reflexões sobre alfabetização. 24 ed. São Paulo: Cortez Editora, 2001. 104 p. FRIEL, P. N. (2007). EEG biofeedback in the treatment of attention deficit hyperactivity disorder. Alternative Medicine Review, 12(2), 146-151. 2007. FRIEL, P. N. (2007). EEG biofeedback in the treatment of attention deficit hyperactivity disorder. Alternative Medicine Review, 12(2), 146-151. GARCÍA, I. Hiperatividade: prevenção, avaliação e tratamento na infância. Tradução de Jorge Ávila de Lima. Portugal: McGraw-Hill, 2001. GOLDSTEIN, S; GOLDSTEIN, M. Hiperatividade: como desenvolver a capacidade de atenção da criança. 9. ed. Campinas: Papirus, 2003. GOLDSTEIN, Sam; GOLDSTEIN, Michael. HIPERATIVIDADE: Como desenvolver a capacidade de atenção da criança. Campinas, SP: Papirus, 1994, 240 p.
  35. 35. GOMES M, Palmini A, Barbirato F, Rohde LA, Mattos P. Conhecimento sobre o transtorno do déficit de atenção/hiperatividade no Brasil. J Bras Psiquiatr. 2007; 56 (2): 94-101. GOMES, M. et alii (2007). Conhecimento sobre o transtorno do déficit de atenção/hiperatividade no Brasil. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 56 (2) 94-101. GUARDIOLA, A. Distúrbio de hiperatividade com déficit de atenção:um estudo de prevalência e fatores associados em escolares de 1ªsérie de Porto Alegre. Porto Alegre: UFRGS, 1994. IBGE - Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2008. https://www.google.com.br/search? Wikipedia/acesso: 11de Setembro de 2015. LDB – Lei de Diretrizes e Bases nº 9394 / 96. Brasília, 20 de dezembro de 1996, MACEDO, L. Coleção Psicologia e Educação: Ensaios Construtivistas. São Paulo: Ed. Casa do Psicólogo, 2002. MACHADO, L. F. J. & Cezar, M. J. C. Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) em crianças- reflexões iniciais. Revista Psicopedagogia On-line. Recuperado de http://www.psicopedagogia.com.br/artigos/artigo. asp? entrI D=1030 em 14 de novembro, 2008/2009. MARTINS, L. M. (2007). Algumas reflexões sobre o desenvolvimento omnilateral dos educandos. In: Meira, M. E. W. & FACCI, M. G. D. (Org.). Psicologia Histórico-Cultural: contribuições para o encontro entre a subjetividade e a educação. (pp. 117-134). São Paulo: Casa do Psicólogo. MATTOS, Paulo. No mundo da lua: perguntas e respostas sobre transtorno do déficit de atenção com hiperatividade em crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Lemos Editorial, 2003/2007. MEIRA, M. E. M. (2007). Psicologia Histórico-Cultural: fundamentos, pressupostos e articulações com a psicologia da educação. In: Meira, M. E. W. & Facci, M. G. D. (Org.). Psicologia Histórico-Cultural: contribuições para o encontro entre a subjetividade e a educação. (pp. 27-62). São Paulo: Casa do Psicólogo. MOYSÉS, MAA. A institucionalização invisível: crianças que não-aprendem-na-escola. Campinas: Mercado das Letras/ São Paulo: FAPESP, 2001.
  36. 36. NEVES, I. F.; SCHOCHAT, E. Maturação do processamento auditivo em crianças com e sem dificuldades escolares. Pró-Fono Revista de Atualização Científica. Barueri, SP, set-dez. 2005. ONU, International Narcotics Control Board. Psychotropic Substances- Statistics for 2006: Assessments of Annual Medical and Scientific Requirement. Março, 2008. (Disponível em www.incb.org, acesso em 02/12/2008). RESOLUÇÃO CNE/CEB 4/2009. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de outubro de 2009, Seção 1, p.17. ROHDE, Luis Augusto, Mattos Paulo &Cols. Princípios e Práticas em TDAH: Transtorno de Déficit de Atenção/Hipertividade. Porto Alegre: Artmed, 2003. SERRA-PINHEIRO MA, Mattos P, Regalla MA. Inattention, hyperactivity, and oppositional-defiant symptoms in Brazilian adolescents: gender prevalence and agreement between teachers and parents in a nonEnglish speaking population. J Att Dis. 2008;12(2):135-40. 10. SILVA, Adriano Campelo, Alani Oliveira Vital, Cícero José de Araújo Silva, Ivan Simplício Neto, Josias Ivo de Sousa e Maria Suely da silva Medeiros. Acari: um diálogo com a geografia a história e a linguagem. Secretaria de Educação e Cultura de Acari – SEMEC. 2015. SMITH, C. STRICK, L. Dificuldades de aprendizagem de A a Z. Porto Alegre: Ed. Artmed, 2001. TIBA, Içami. Quem ama educa. 6 ed. São Paulo: Gente, 2002. VYGOTSKY, L. S. (2001). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes.
  37. 37. OBRIGADA!

×