Novas estrategias para o transporte coletivo

345 visualizações

Publicada em

Apresentação no 7o. Encontro de Logística e transportes da FIESP, São Paulo-SP

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
345
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Novas estrategias para o transporte coletivo

  1. 1. 1 Novas estratégias para o transporte coletivo André Dantas Diretor Técnico São Paulo (SP), 21/05/2012
  2. 2. 2 ESTRUTURA 1. Mensagem principal; 2. Contexto; 3. Estratégias; 4. Implicações; e 5. Conclusão.
  3. 3. 1. MENSAGEM PRINCIPAL & Significativa melhoria da qualidade de milhões de Brasileiros! 
  4. 4. 2. CONTEXTO
  5. 5. 3. ESTRATÉGIAS Ciclo Virtuoso
  6. 6. 3. ESTRATÉGIAS Ciclo Virtuoso  Lei 12.587/2012  Definições, princípios, objetivos e diretrizes claras (“regras do jogo”);  Exigência do Plano de Mobilidade Urbana (cidades acima de 20 mil habitantes);  Criação de uma nova mentalidade e modus operandi: - Entes federativos; - Setor privado; e - Comunidade.  Iniciativas em andamento:  Curitiba;  Belo Horizonte; e  Rio de Janeiro.  Configuração de redes multi modo integradas.
  7. 7. 3. ESTRATÉGIAS Ciclo Virtuoso
  8. 8. 3. ESTRATÉGIAS Ciclo Virtuoso CIDADES¹ RECURSOS TOTAIS PROJETOS PROJETOS BRT 12 R$11,8 Bilhões 50 17 CIDADES² RECURSOS TOTAIS PROJETOS CORREDORES PROJETOS BRT 51 R$32 Bilhões 600 KM 4 ¹Cidades sede da Copa do Mundo 2014. 2Cidades com mais de 700 mil habitantes.
  9. 9. 3. ESTRATÉGIAS Ciclo Virtuoso
  10. 10. 3. ESTRATÉGIAS Ciclo Virtuoso
  11. 11. 3. ESTRATÉGIAS Ciclo Virtuoso  Carga tributária penaliza todos os setores da sociedade:  Nível de serviço de acordo com os custos e inexistência de subsídios:  Exclusão social e econômica; e  Repasse para outros setores econômicos.  Necessária para permitir investimentos:  Frota; e  ITS.  PL 310/2009:  Regime Especial de Incentivos para o Transporte Coletivo Urbano e Metropolitano de Passageiros (REITUP).
  12. 12. 12 4. Implicações &  Necessita de esforços coletivos e organizados para que os instrumentos sejam efetivados;  Tem potencial para transformar:  a realidade do transporte público;  a qualidade de vida das cidades brasileiras;  a estrutura de custos incidentes sobre outros setores; e  as desigualdades sociais e econômicas.
  13. 13. 13 5. Conclusões  A situação do transporte coletivo é crítica!  Esforços imediatos já foram iniciados para evitar o agravamento da crise de mobilidade urbana;  Estratégias:  Investimentos em infraestrutura não deveriam se restringir aos PAC da Copa e das Grandes Cidades;  É essencial buscar a eficiência nos investimentos (benefícios e custos);  Lei 12.587/2012 (“Código Brasileiro de Transportes) representa um marco histórico;  PL 310/2009 poderá contribuir para a inclusão socioeconômica de milhares de brasileiros.
  14. 14. 14 Muito Obrigado! André Dantas Diretor Técnico Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos andre.dantas@ntu.org.br

×