Resiliência organizacional

341 visualizações

Publicada em

Apresentação realizada no Serviço Federal de Processamento de Dados - SERPRO em Brasília, 2013

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
341
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resiliência organizacional

  1. 1. ResiliResiliência organizacionalência organizacional André Dantas Brasília, 3 de Abril de 2013.Brasília, 3 de Abril de 2013. SERPROSERPRO
  2. 2. Estrutura da apresentaçãoEstrutura da apresentação  Contexto;  Objetivos do programa Resorgs;  Principais resultados;  Implicações práticas;  …  Contato.
  3. 3. ContextoContexto  Nova Zelândia  Pequeno país isolado no Pacífico  Empresas  Competição internacional; e  Foco em nichos de mercado.  Governo  Recursos financeiros e humanos limitados; e  Papel de facilitador sem subsidiar.  Riscos  Variações internacionais;  Desastres naturais;e  “Complexo“ DIY (Do it yourself).
  4. 4. ContextoContexto  Nova Zelândia  Universidade, Governo e Empresas  Pesquisa  Aplicada;  Competitiva;  Supervisionada e continuamente avaliada por mentores do setores público e privado; e  Pressão para mudar criar novos produtos e tornar empresas e setor público mais eficientes.
  5. 5. Objetivos do ResorgsObjetivos do Resorgs  Para entender e reduzir os impactos de eventos, busca-se avaliar como as organizações principais agem antes, durante e depois de crises.  Especificamente: 1. O planejamento organizacional para eventos de risco; 2. Priorização e utilização de recursos; 3. Estruturas legais e contratuais.
  6. 6. Objetivos do ResorgsObjetivos do Resorgs  Premissas:  O conhecimento sobre crises decorre do direto envolvimento e aprendizagem com aqueles impactados (organizações e sociedade civil); e  Para realmente influenciar a realidade das organizações, os métodos, as técnicas e as descobertas científicas devem ser conjuntamente concebidas e testadas.
  7. 7. Principais resultadosPrincipais resultados Resiliência = f (Vulnerabilidade, Capacidade de adaptação) “Choque” Response RecoveryReadinessReduction Vulnerabilidade Capacidade Adaptação ∆KPIs Tempo Percepção do ambiente
  8. 8. Principais resultadosPrincipais resultados Resiliência Organizacional: Abilidade de uma organização em enfrentar uma crise e superá-la em um ambiente de incerteza.
  9. 9. Principais resultadosPrincipais resultados
  10. 10. Principais resultadosPrincipais resultados  Resiliência de organizações individuais  Foco no dia-a-dia: ignorância sobre eventos e riscos que não tiveram contato;  Gerenciamento de emergências: “exercício de apagar incêndios”;  Dúvidas - plano efetivo para crises: sindrome da “caixa mágica”;  Prioridades de recuperação não são bem entendidas: dependem do muito indivíduo e pouco da organização;  Para desenvolver resiliência: preciso rever a cultura da organização e reconhecer os pontos e fortes que essa cultura gera em tempos de crise.
  11. 11. Principais resultadosPrincipais resultados
  12. 12. Principais resultadosPrincipais resultados  Resiliência entre organizações interconectadas  Sistemas de Informações: especificamente desenvolvidos, testados e implantados para situações de crise;  Padrões: compartilhamento, comunicação e análise de dados, informações e conhecimento devem ser estabelecidos em conjunto;  Processo de tomada de decisão: alocação de recursos depende das experiências anteriores; situações desconhecidas têm impactos sérios sobre toda organização, inclusive os mais experientes.
  13. 13. Principais resultadosPrincipais resultados  Resiliência entre grupos diversos de atores  Relações contratuais são críticas para estabelecer confiança entre parceiros;  Não existem instrumentos legais que especificamente estabeleçam a “cobertura” para os eventos e riscos;
  14. 14. Implicações práticasImplicações práticas  Encontrando o equilíbrio entre “o que é possível “ e “o que é viável”;  Apesar de todos compreenderem a importância, preciso saber “vender” a visão da resiliência organizacional internamente;  Sem apoio contínuo das “altas esferas de poder organizacional”, pouco pode-se mudar.
  15. 15. ……
  16. 16. ……  Terremoto em Christhchurch, Fevereiro de 2011  Destruição;  Mortes;  Prejuízos financeiros para empresas  Inúmeras desapareceram;  Muitas lutando para sobreviver; e  Poucas retornaram rapidamente a normalidade.  Governo “reorganizou” fundos para pesquisa  RESORGS foi reestruturado.
  17. 17. ContatoContato  www.resorgs.org.nz  Erica Seville, erica.seville@rsr.co.nz  André Dantas, asdantasjp@yahoo.com

×