Seminário 07: A Pele do Bebê

100 visualizações

Publicada em

A apresentação faz parte do curso: Estrutura, fisiologia e bioquímica da pele aplicadas à ciência cosmética. Devido a questões éticas a pele do bebê acaba sendo pouco estudada. O objetivo da presente apresentação é o de apresentar a estrutura de pele do bebê que são relevantes do ponto de vista cosmético e de higiene pessoal.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
100
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminário 07: A Pele do Bebê

  1. 1. Estrutura, fisiologia e bioquímica da pele aplicadas à ciência cosmética. Alexandre Ferreira A Pele do Bebê
  2. 2. Considerações Iniciais • Ainda pouco se sabe sobre a fisiologia de pele do bebê – Aspectos éticos em realizar estudos em bebês – Estudos usando métodos não invasivos • Desenvolvimento do sistema imunológico pouco compreendido
  3. 3. Desenvolvimento da Pele Fecundação 23 semanas 0 32 4039 Pré-maturoNão Viável Maduro 3722 Desenvolvimento Epiderme Parto Barreira Não Funcional Não completamente funcional: • Glândulas sudoríparas • Glândulas sebáceas
  4. 4. Estrutura Microscópica 26 semanas 37 semanas Epiderme Estrato Córneo • Similar à pele adulta • Barreira cutânea eficaz
  5. 5. Fases Infância Meses0 36 Recém Nascido 1 12 24 Amadurecimento Barreira Cutânea Bebê Criança Relação: Superfície/Volume corporal risco de toxicidade por absorção percutânea de drogas imaturidade dos sistemas de metabolização de drogas
  6. 6. Superfície/Volume corporal • Maior quanto mais novo o Infante – > susceptibilidade a agentes externos – > perda transepidermal de líquidos – < capacidade de manutenção da homeostase – > absorção percutânea > Toxicidade sistêmica
  7. 7. Sensibilidade • Excesso de secreções glandulares (suor e sebo) • Ácaros do pó da casa • Bactérias do ambiente • Fezes e urina acumuladas na área da fralda • Oclusão pelo material das fraldas • Condições atmosféricas extremas
  8. 8. Características • Desenvolvimento da epiderme e derme não são completos no nascimento – Passam por um processo de amadurecimento na fase de bebê • Termorregulação por vasoconstrição dos capilares dérmicos é limitado
  9. 9. Estrutura Macroscópica 2,5anos38anos Linhas de microrrelevo Glifos Papilas Dérmicas ↑ Hidratação • Relação perdida no adulto Cristas papilares com > ondulação e quantidade de células
  10. 10. Espessura Epiderme/SC 0,5 a 2 anos Camada Granular • Células menores • Mais compacto Estrato Córneo • - 30% Epiderme • -20% • Queratinócitos menores Corneócitos • menores > Renovação celular Sensível Fina Frágil
  11. 11. Função Barreira Corneócitos • menores Alteração estrutura Barreira • Caminho de absorção menos tortuoso Estrato Córneo • - 30% ↑ TEWL Barreira em processo de maturação do 1º ao 24º mês
  12. 12. Glândula Sudorípara • Completamente formada após fase de recém nascido • Menor sudorese por temperatura e emocional (principalmente em recém nascidos)
  13. 13. Glândulas sebáceas • Muito ativa no último trimestre da gestação – Formação do vernix caseosa • Após parto – ↓ atividade glândulas sebáceas
  14. 14. Lipídeos • ↓ lipídeos superficiais – ↓ sebo – Pode contribuir para um efeito barreira não maduro • Lipídeos camadas mais profundas – Igual a adulto
  15. 15. Rugosidade e Hidratação Tempo (dias) 30 HidrataçãoRugosidade Suavização 0 • Maturação das Glândulas sudoríparas écrinas • Outros Fatores Até 2 anos > que Adulto • ↓ Quantidade de NMF • EC mais fino • ↑ taxa de descamação • Estrutura da superfície de pele
  16. 16. Derme e MEC Matriz Extracelular • Fibra de colágeno menos densa • Sem diferenciação derme reticular e papilar • Maior conteúdo de proteoglicanos • Maior retenção de água
  17. 17. pH Tempo (dias) 90 ACIDIFICAÇÃO 0 • Contato líquido Aminiótico • ↓ quantidade de NMF • Falta de flora bacteriana • Imaturidade do sistema enzimático do EC 5,5 7,5 2 30 Produção de ácidos graxos Quebra de fosfolipídeos Quebra de Triglicerídeos Quebra a Filagrina Produção de Aminoácidos e derivados ↑ [H+] Bombas de H+/Na+ Produção de ácido lático Glândula Sudorípara Significativo pH pele Adulta
  18. 18. pH ACIDIFICAÇÃO Maturação e manutenção de uma barreira cutânea funcional Processamento de lipídeos por enzimas sensíveis ao pH Controle do processo de descamação do estrato córneo (EC) pH Alcalino Regulação da proliferação de bactérias Pele de recém nascido ou pele em contato com fralda ↑ permeabilidade irritação Infecção por MOs Degradação de corneodesmossomos por serina- proteases sensíveis ao pH
  19. 19. Sensorial • Sistema sensorial da pele formado nos primeiros meses de gestação • Mesmo os prematuros mais imaturos são capazes de sentir através da pele
  20. 20. Suscetibilidade ao UV Estrato Córneo • Mais hidratado • ↓ espalhamento de luz • Mais transparente Epiderme • Mais fina Melanina • ↓ quantidade UV > Penetração > Suscetibilidade à danos > Superfície/volume Foto-proteção natural • Não está madura
  21. 21. Preparações tópicas para Bebê • Muitas vezes produtos são testados apenas em Adultos • Apelos: – “dermatologicamente testado” – “pH balanceado” – “ingredientes naturais ou orgânicos” NÃO garantem a segurança dos ingredientes do produto
  22. 22. Preparações tópicas para Bebê • Requerem cuidado especial na formulação • Excluir ingredientes que possam constituir potencial agressão cutânea – perfumes e corantes Dermatite de contato Estimular a ingestão
  23. 23. Composto Produto Risco Triclosan abonetes, desodorantes, antissépticos Mesmo risco de toxicidade de outros compostos fenólicos Propilenoglicol Emolientes, agentes de limpeza Irritação e ardência cutânea. Uso enteral e parenteral excessivo: risco de hiperosmolaridade e convulsões Cloreto de benzetônio Agentes de limpeza Envenenamento pela ingestão, carcinogênese Glicerina Emolientes, agentes de limpeza Hiperosmolaridade e convulsões Lactato de amônio Esfoliante, emoliente Possível acidose lática Coaltar Xampus, produtos queratolíticos Risco de câncer pelo uso excessivo de hidrocarbonetos aromáticos Tetracaína Anestésico tópico Dermatite de contato Etanol Soluções de limpeza oral Carcinogênese oral Metilisotiazolina Xampus Defeitos neurológicos Sódio lauril sulfato Sabonetes, xampus Irritação cutânea/dermatite de contato Sódio laureth sulfato Pastas de dente, sabonetes, gel debanho, espuma de banheira Irritação cutânea/dermatite de contato
  24. 24. Veículos Ação: absorventes, protetoras, secantes e minimizam a fricção Exemplos: Óxidos de zinco e titânio, argila, caulim e amido Não recomendada para bebes talco e pó de amido risco de inalação acidental irritação, pneumonite, com formação de granuloma e fibrose pulmonar Pós Suspensões Ação: tratamento de dermatoses exsudativas e intertriginosas Líquidos + pós
  25. 25. Veículos Gorduras ou excipientes lipofílicos Ação: propriedades oclusivas Fluídas/óleos: óleo de amêndoas doces, parafina líquida Não devem ser usadas em dermatoses inflamatórias e/ou exsudativas, nem em pregas cutâneas oclusão ↑ permeação ↑ possibilidade de irritação Semi-sólidas: lanolina, vaselina Sólidas: parafina sólida, ceras
  26. 26. Veículos Emulsões Multiplicidade de agentes cuja composição nem sempre é conhecida Irritante água em óleo (A/O): fase aquosa < 45%; pomadas ou unguentos óleo em água (O/A): fase aquosa > 45%; cremes e loções Gordurosas e oclusivas pele seca xerose eczema crônico permitirem melhor absorção do produto ativo Dermatoses agudas, exsudativas Pregas Onde oclusão por emulsões mais gordurosas não é aconselhada
  27. 27. Cuidados com a Pele • Uso de emolientes (hidratantes) – ↓ a frequência de dermatite – previne ressecamentos e fissuras – ↓ a perda de água transepidermal – melhora a integridade da pele • Óleo de girassol • Conter balanço fisiológico de lipídios epidérmicos - melhorar a função de barreira epidérmica
  28. 28. Estratégia Emolientes Emolientes Contem ingredientes inativos: • conservantes • corantes • perfumes risco de irritação e sensibilização Isentos dos ingredientes promovem efeito lubrificante Quando em locais quentes e úmidos • acne • foliculite • miliaria • prurido oclusiva pomadaCreme e Loção • fáceis de espalhar • melhor aderência ao tratamento • Promovem efeito umectante
  29. 29. Agentes de Limpeza Sabões em barra • são irritantes • pH alcalino pode destruir a camada superficial lipídica • ressecamento cutâneo • boa detergência • bom poder emulsionante • produzem bastante espuma Sabões de Glicerinaumectante potente Absorver água para fora da pele, causando mais secura e irritação cutânea
  30. 30. Outros Agentes de Limpeza Xampus Não recomendados: • Contem sabões • Risco de remover o filme lipídico • Causar sensibilização Contato continuado com a pele: • Pode lesar a barreira cutânea • Pode provocando dermatite de contato Realizar enxague após o uso Lenços umedecidos Loções e sabões antissépticos Devem ser evitados Inexiste formula pediátrica padronizada. • Suaves, apenas levemente detergentes, com pH próximo neutro • Evitar irritação nos olhos nem na pele Uso de agentes anfotéricos, não iônicos Cabelo curto, fino e frágil: • usar o mesmo produto pode ser utilizado para o corpo Não devem alterar as raízes do cabelo ou agredir o couro cabeludo
  31. 31. Agente Ideal • Deve ser: – Líquido – suaves – Sem sabão – Sem fragrância – pH neutro / ligeiramente ácido – Não irritante – pele/olhos – Não altere o manto ácido protetor da superfície cutânea • Syndets - “sabões sem sabão” • Adição de agente emoliente
  32. 32. Fotoproteção • Evitar exposição até 6 meses – ↑ relação Superfície/massa – Possíveis diferenças em absorção, metabolismo e excreção dos filtros solares – Falta de produtos provados através de testes de serem seguros para recém nascidos • Aconselhamento de fotoproteção pelo pediatra
  33. 33. Fotoprotetores • Não existe fotoprotetor ideal – Proteção solar – Estabilidade física e fotoestabilidade – Absorção cutânea – Resistência microbiana – Resistência à água • Frequentemente uma propriedade dever ser sacrificada em detrimento à outra
  34. 34. Fotoprotetores • Deve ser: – Não irritante para apele e olhos – Foto estável e fácil de espalhar (universal) – Transparência e resistência a água dispensável – Ter o mínimo potencial de irritação e sensibilização • Uso de filtros inorgânicos (menos irritantes) • Reações adversas não tem sido avaliada (19% em adultos) • Poucos produtos no mercado satisfazem todas as necessidades listadas.
  35. 35. Fotoprotetores Emulsões a base de óleo c/ filtro inorgânico Mais oleosa, baixa aceitação, alta acidez (pode causar irritação) Minimizam a sensibilização, irritação e penetração cutânea Filtro, fragrância, fotoestabilizadores, conservantes, vários outros químicos da fórmula • Novas estruturas para incorporar filtros inorgânicos • Mas fácil aplicação • Melhor aceitação em testes clínicos • Não testados em bebês
  36. 36. KnowWhy treinamentos especializados Alexandre HP Ferreira, Ph.D. www.linkedin.com/company/knowwhy alexhpf@yahoo.com.br Campinas - SP www.facebook.com/KnowWhy.br twitter.com/knowwhy_br br.linkedin.com/in/alexandrehpferreira/

×