SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Sistema
Tegumentar
Pele e seus anexos
Anatomia Humana
Docente
Joelcy tavares
Acadêmicas:
Francielle Apolinário de Andrade
Leidimar da Silva carvalho
Maisa Bruna de M. T. do Nascimento
Maryana Isac
Mariana Pires
Weslline bezerra saraiva
Sistema Tegumentar
O sistema tegumentar recobre o corpo, protegendo-o contra o atrito, a perda de água, a invasão
de micro-organismos e a radiação ultravioleta. Tem papel na percepção sensorial (tato, calor,
pressão e dor), na síntese de vitamina D, na termorregulação, na excreção de íons e na secreção
de lipídios protetores e de leite.
(JUNQUEIRA, L. C.; CARNEIRO,2013)
Maior órgão em peso e área no nosso corpo; possui anexos(glândulas,
pelos e unhas)
Responsável por cerca de 16% do peso corporal total e medindo cerca de
2m²;
Espessura e características variam de acordo com região do corpo;
Dividida em camadas, da mais externa para interna, respectivamente:
Epiderme
Derme
Hipoderme
Linhas de Langer
Resultado da direção em que as fibras
colágenas e elásticas da derme se dispõe.
Epiderme
Camada mais externa;
Epitélio estratificado pavimentoso queratinizado;
Desprovido de vasos;
Nutrição por difusão a partir da Derme;
Apresenta cinco subcamadas:
 Camada Córnea:
 Renovação celular;
 Proteção dupla, ultima barreira;
 Constituída por 25 a 30 camadas de células
Achatadas;
 Fricção na superfície da pele, estimula a atividade
miótica adicional na camada basal e espinhosa.
(formação de calo = maior proteção)
 Discos de Merkel Tato e pressão
Camada Granulosa
 Possui três ou quatro camadas de células achatadas;
Contém grânulos cheios com ceratoialina (precursor químico da queratina)
 Impermeabilidade a pele
Camada Lúcida:
 Núcleos, organelas e membranas celulares não estão visíveis, delgada camada de células achatadas translúcidas
Histologicamente esta camada aparece bem clara, existe apenas nos lábios, palmas das mãos e plantas dos pés.
Camada Espinhosa
 Contém algumas camadas de células
 Formada por 4 a 10 fileiras de células cubóides ou ligeiramente
achatadas, com núcleo central e pequenas expansões no citoplasma que dá
o aspecto espinhoso.
 Os queratinócitos continuam produzindo queratina e apresentam-se
ligeiramente achatados e unidos entre si, permanecendo na camada
 espinhosa por aproximadamente 26 a 42 dias.
Camada Basal
 Tipos de Células
1.Queratinócitos: queratina (fortalece e impermeabiliza a pele)
2.Melanócitos: melanina (barreira protetora contra raios UV)
3.Células táteis: receptoras de sensibilidade (recepção tátil)
4.Dentrócitos granulosos não pigmentosos: células macrofágicas
protetoras (destroem bactérias e resíduos estranhos)
Pele grossa x Pele fina
Como acontece a coloração da pele?
Soma dos Queratinócitos (produzem queratina) + Melanócitos (produzem melanina)
presentes na Epiderme
Albinismo
 No albinismo (do latim albus, branco), não há produção de melanina pela ausência de tirosinase. Essa doença é
autossômica recessiva.
 Um grupo de doenças hereditárias caracterizadas por pouca ou nenhuma produção de melanina.
 O tratamento pode ajudar, mas essa doença não tem cura, geralmente diagnosticável pela própria pessoa
 Não requer exames laboratoriais ou de imagem
 Crônico: pode durar anos ou a vida inteira
 Essa condição aumenta o risco de câncer de pele.
 A maioria das pessoas com albinismo tem pele pálida, problemas oculares e são sensíveis ao sol.
 Não existe cura, mas a pele pode ser protegida e os problemas oculares podem ser tratados.
 Camada mais profunda e espessa que a epiderme
 Constituída por tecido conjuntivo Fibras colágenas e elásticas
(padrão definido linhas de tensões da pele (contração muscular)
 Fibras elásticas no jovem idoso (envelhecimento)
 Extensa rede de vasos sanguíneos Nutrição
 Glândulas sudoríferas, sebáceas e folículos pilosos
Derme
Camadas da Derme
Camada Papilar mais superficial Camada : em contato com a epiderme.
 As papilas dão base para a formação de cristas de fricção
Camada Reticular: mais profunda e espessa
 Fibras densas e dispostas regularmente para formar uma rede resistente e flexível;
 Totalmente distensível (mulheres grávidas/indivíduos obesos)
 Distendida em demasia, pode deixar marcas permanentes
Digitais
 Formadas pela tração das fibras elásticas Derme
 Estabelecidas antes do nascimento
Hipoderme
Tem como função
 Armazenamento de Lipídeos
 Isolante térmico
 Amortecedor do corpo
 Local para injeções subcutâneas
Funções da pele
 Proteção física
 Barreira contra invasões, água e luz solar
 Secreções oleosas película ácida protetora
 Queratinização impermeabilização
 Camada córnea externa – resistência
 Hidrorregulação
 Adaptações contra exposição continua ao ar
 Espessamento Queratinização Cornificação
 Proteção do corpo contra desidratação e hiperabsorção
Funções da pele
 Termorregulação
 Perda de calor vasodilatação
 Evaporação transpiração
 Retenção de calor vasocondrição
 Absorção cutânea
 Absorção é limitada
 Substancias absorvidas Alguns gases Raios UV
 Toxinas lipossolúveis e pesticidas
Funções da pele
 Síntese
 Sistema tegumentar melanina e queratina vitamina D
 Sensibilidade
 Presença de receptores cutâneos
 Localização : ao longo da derme
 Quanto mais fina a pele, maior sensibilidade
 Comunicação
 “As emoções a flor da pele...”
 “O poder de um sorriso...”
 “Quantas coisas um odor pode falar ao subconsciente
Derivados da Epiderme
 Pelos, unhas e glândulas
 Formam se a partir da camada epidérmica
 Pelos e unhas características estruturais do tegumento
 Glândulas importantes na defesa do corpo e homeostasia
Pelos
Característica distintiva dos mamíferos
Pelos em humanos : distribuição e densidades variáveis
Função principal : proteção
Outras funções distinção dos indivíduos atração sexual
Estrutura haste Raiz e Bulbo
Unhas
 Formação compressão da camada córnea
 Dureza fibrilas de queratina densa
 Funções proteção e auxílio na apreensão de objetos
 Constituição Corpo margem livre margem oculta
 Crescimento Transformação das células superficiais da matriz
Glândulas
Principal função :produção de hormônios e equilíbrio do
metabolismo
Existem dois tipos: endócrino e exócrino
Glândulas Sebáceas
 Associadas com folículos pilosos
 Glândulas Sebo Haste do pelo
 Funções
 Lubrificar e impermeabilizar camada córnea
 Impedir fragilização do pelo
 Obstrução dos pelos acne.
Glândulas Sudoríparas
Função
 Transpiram e excretam o suor
 Composição do suor
 Função do suor Resfriamento evaporação
 Excreção de resíduos
Localização das glândulas:
 Sudoríparas écrinas
Função resfriamento
 Glândulas sudoríferas apócrinas
Função secreções odoríferas
Glândulas Mamárias
Classificadas como exócrinas (secretoras),estão presentes em ambos os
sexos de todos os mamíferos. No entanto, a produção de leite ocorre
geralmente nas fêmeas.
Cada mama 15 a 25 lobos, e cada um desses lobos corresponde a
uma glândula.
Cada glândula possui uma estrutura de tecido epitelial que secreta leite
(parte secretora da glândula), o qual é drenado em uma série de ductos
(galactóforos) que se abrem na papila mamária ou mamilo.
Glândulas Ceruminosas
Encontrada no ouvido são responsáveis por produzir
a cera, para proteção do canal auditivo.
Envelhecimento
 Características da pele envelhecida
 Fina seca sem elasticidade
 Fibras colágenas na derme mais espessas e duras
 Diminuição tecido adiposo na hipoderme
folículos pilosos ativos
Glândulas sudoríparas e sebáceas
 Enfraquecimento dos cabelos e pelos
 Atrofia dos melanócitos
Algumas patologias da pele
Acne
Os poros (pequenos orifícios na pele) se ligam às glândulas por um
canal chamado folículo. Estas glândulas fabricam uma substância
chamada sebo. Quando o folículo de uma glândula na pele entope,
uma espinha cresce. Acne é uma da doenças de pele mais comuns;
estima-se que 80 por cento de todas as pessoas tenha acne em
algum momento da vida. O tratamento precoce é a melhor maneira
de evitar cicatrizes.
Eczema
Também conhecida como Eczema Atópica ou Dermatite Atópica,
é uma das doenças de pele cujos sintomas mais comuns são pele
seca e coceira, erupções cutâneas na face, no interior dos
cotovelos, atrás dos joelhos e nas mãos e nos pés. Atualmente,
não há nenhum teste para diagnosticar o eczema, por isso, os
médicos dependem de informações sobre você e sua família e
não há cura. É mais comum em crianças e é hereditária.
Câncer de pele
O câncer de pele é o tipo mais comum de câncer. Existem três tipos principais de câncer de pele:
 Carcinoma basocelular
 Câncer de células escamosas
 Melanoma
Essa doença de pele se desenvolve em áreas mais expostas à luz solar direta, incluindo:
 Face
 Pescoço
 Peito
 Braços
 Mãos
O câncer de pele pode ser difícil de detectar e diagnosticar ,simples mudança na sua pele.
Ferida que não cicatriza , manchas ou inchaços anormais, levantadas, brilhantes, firmes e estranhamente
coloridas, tais como violeta, amarelo ou azul.
Tratamentos para câncer de pele são mais bem sucedidos quando o câncer é detectado precocemente,
especialmente antes que se espalhe para outros órgãos, em um processo conhecido como “Metástase.”
Câncer de pele
 Carcinoma basocelular
O carcinoma basocelular é o tipo de câncer menos grave e o
mais frequente, surgindo em mais de 95% dos casos. Ele
surge como uma mancha rosa na pele que cresce lentamente,
como mostra a imagem, sendo mais comum em pessoas de
pele clara, depois dos 40 anos.
Onde pode surgir: surge quase sempre em regiões de muita
exposição solar, como rosto, pescoço, orelhas e couro cabeludo,
mas também pode surgir em outras partes do corpo.
Como se proteger: utilizar protetor solar diariamente com fator de
proteção adequado, especialmente durante as horas mais quentes
do dia.
Câncer de pele
 Carcinoma espinocelular
Segundo tipo mais comum do câncer de pele e surge mais
comumente em homens, embora também possa se
desenvolver em mulheres de qualquer idade. Ele tem a
forma de um nó que cresce rápido e forma uma casquinha,
como mostra a imagem. Este tipo pode aparecer devido à
exposição solar, mas também pode acontecer em quem faz
tratamentos de quimioterapia e radioterapia ou tem
problemas na pele crônicos, como feridas que não
cicatrizam ou cicatrizes.
Onde pode surgir: é mais comum em locais expostos ao
sol, mas também pode acontecer em áreas cobertas com
danos como pele enrugada ou com perda de elasticidade.
Como se proteger: passar protetor solar todos os dias,
evitar a exposição ao cigarro e outras substâncias tóxicas.
Além disso, deve-se consultar o dermatologista sempre
que surgem alterações na pele.
Câncer de pele
 Melanoma maligno
Mais perigoso de todos, ele aparece como uma pintinha escura,
como mostra a imagem, que vai se deformando ao longo do
tempo. Pode ser fatal se não for identificado precocemente, pois
pode se desenvolver rápido e atingir outros órgãos como o
pulmão.
Onde pode surgir: frequentemente se desenvolve nas regiões
expostas ao sol ou que sofrem rapidamente queimadura, como
rosto, ombros, couro cabeludo ou orelhas, especialmente em
pessoas de pele muito clara.
Como se proteger: além de utilizar o protetor solar diariamente é
importante fazer um exame constante da pele para observar se
alguma pinta, sinal ou mancha muda de características,
consultando rapidamente um dermatologista caso isso aconteça.
Referências
 JUNQUEIRA, L. C.; CARNEIRO, J. Histologia básica: texto e atlas. 12.ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2013. p. 354.
 LOWE, J. S.; ANDERSON, P. G. Stevens & Lowe´s Human Histology. 4.ed.
Philadelphia: Elsevier, Mosby, 2015. pp. 49, 363.
 OVALLE, W. K.; NAHIRNEY, P. C. Netter Bases da Histologia. Rio de Janeiro:
Elsevier, 2008. p. 244.
 Disponível em http://www.ufrgs.br/livrodehisto/pdfs/11Tegumen.pdf
 Disponível em https://pt.slideshare.net/Danielly27/pele-e-anexos2012
Sistema
Tegumentar
Pele e seus anexos
Anatomia Humana
Docente
Joelcy tavares
Acadêmicas:
Francielle Apolinário de Andrade
Leidimar da Silva carvalho
Maisa Bruna de M. T. do Nascimento
Maryana Isac
Mariana Pires
Weslline bezerra saraiva

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Sistema Tegumentar
Sistema TegumentarSistema Tegumentar
Sistema Tegumentar
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
Capítulo 5 sistema tegumentar
Capítulo 5   sistema tegumentarCapítulo 5   sistema tegumentar
Capítulo 5 sistema tegumentar
 
Pele
PelePele
Pele
 
Introducao.dermato funcional
Introducao.dermato funcionalIntroducao.dermato funcional
Introducao.dermato funcional
 
A Pele (2010)
A Pele (2010)A Pele (2010)
A Pele (2010)
 
Estrutura e Funções da Pele - Reacções de Hipersensibilidade Associadas à Ú...
Estrutura e Funções da Pele - Reacções de Hipersensibilidade Associadas à Ú...Estrutura e Funções da Pele - Reacções de Hipersensibilidade Associadas à Ú...
Estrutura e Funções da Pele - Reacções de Hipersensibilidade Associadas à Ú...
 
Aula limpeza de pele
Aula limpeza de peleAula limpeza de pele
Aula limpeza de pele
 
Celulite 1
Celulite 1Celulite 1
Celulite 1
 
Apost sistema tegumentar humano parte 4
Apost sistema tegumentar humano parte 4Apost sistema tegumentar humano parte 4
Apost sistema tegumentar humano parte 4
 
Epilação e depilação
Epilação e depilaçãoEpilação e depilação
Epilação e depilação
 
Pele e anexos
Pele e anexosPele e anexos
Pele e anexos
 
Biotipos cutaneos
Biotipos cutaneosBiotipos cutaneos
Biotipos cutaneos
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 
Anatomia - sistema tegumentar
Anatomia -  sistema tegumentarAnatomia -  sistema tegumentar
Anatomia - sistema tegumentar
 
Pele humana
Pele humanaPele humana
Pele humana
 
Aula cosmetologia pele
Aula cosmetologia   peleAula cosmetologia   pele
Aula cosmetologia pele
 
Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01
 
Pele e anexos2012
Pele e anexos2012Pele e anexos2012
Pele e anexos2012
 
Aula 1-e-2-de-cosmetologia
Aula 1-e-2-de-cosmetologiaAula 1-e-2-de-cosmetologia
Aula 1-e-2-de-cosmetologia
 

Semelhante a Sistema tegumentar

Curso clareamento de manchas - Edduc
Curso clareamento de manchas - EdducCurso clareamento de manchas - Edduc
Curso clareamento de manchas - Edducedduc
 
Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.ppt
Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.pptAnatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.ppt
Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.pptFranciscoAudisio2
 
UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdfUFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdfIsaura Mourão
 
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdfAndressaLeite22
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentarMalu Correia
 
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edducApostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edducedduc
 
UFCD 6569 -Pele e sua integridade.pptx
UFCD 6569 -Pele e sua integridade.pptxUFCD 6569 -Pele e sua integridade.pptx
UFCD 6569 -Pele e sua integridade.pptxNome Sobrenome
 
Apostila Peeling de Verão - Edduc
Apostila Peeling de Verão - EdducApostila Peeling de Verão - Edduc
Apostila Peeling de Verão - Edducedduc
 
Exame físico Pele e Fâneros.pdf
Exame físico Pele e Fâneros.pdfExame físico Pele e Fâneros.pdf
Exame físico Pele e Fâneros.pdfdouglas870578
 
Abordagem terapêutica no tratamento das estrias - Edduc
Abordagem terapêutica no tratamento das estrias - EdducAbordagem terapêutica no tratamento das estrias - Edduc
Abordagem terapêutica no tratamento das estrias - Edducedduc
 
4ª aula saúde & beleza refeito
4ª aula  saúde & beleza refeito4ª aula  saúde & beleza refeito
4ª aula saúde & beleza refeitoJeremias Salomão
 
Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-
Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-
Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-Jauru Freitas
 
Técnica de indução de colágeno
Técnica de indução de colágeno Técnica de indução de colágeno
Técnica de indução de colágeno Amanda Hamaue
 
Sistema Tegumentar tati senac-ma
Sistema Tegumentar tati senac-ma Sistema Tegumentar tati senac-ma
Sistema Tegumentar tati senac-ma Anne Ribeiro
 

Semelhante a Sistema tegumentar (20)

Curso clareamento de manchas - Edduc
Curso clareamento de manchas - EdducCurso clareamento de manchas - Edduc
Curso clareamento de manchas - Edduc
 
Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.ppt
Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.pptAnatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.ppt
Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.ppt
 
Treinamento Nivea Visage
Treinamento Nivea VisageTreinamento Nivea Visage
Treinamento Nivea Visage
 
UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdfUFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdf
 
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edducApostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
 
UFCD 6569 -Pele e sua integridade.pptx
UFCD 6569 -Pele e sua integridade.pptxUFCD 6569 -Pele e sua integridade.pptx
UFCD 6569 -Pele e sua integridade.pptx
 
Apostila Peeling de Verão - Edduc
Apostila Peeling de Verão - EdducApostila Peeling de Verão - Edduc
Apostila Peeling de Verão - Edduc
 
Exame físico Pele e Fâneros.pdf
Exame físico Pele e Fâneros.pdfExame físico Pele e Fâneros.pdf
Exame físico Pele e Fâneros.pdf
 
apostila2.pdf
apostila2.pdfapostila2.pdf
apostila2.pdf
 
Abordagem terapêutica no tratamento das estrias - Edduc
Abordagem terapêutica no tratamento das estrias - EdducAbordagem terapêutica no tratamento das estrias - Edduc
Abordagem terapêutica no tratamento das estrias - Edduc
 
Estrias atróficas
Estrias atróficas  Estrias atróficas
Estrias atróficas
 
4ª aula saúde & beleza refeito
4ª aula  saúde & beleza refeito4ª aula  saúde & beleza refeito
4ª aula saúde & beleza refeito
 
Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-
Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-
Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-
 
aula 2 AFH SO.pdf
aula 2 AFH  SO.pdfaula 2 AFH  SO.pdf
aula 2 AFH SO.pdf
 
Sistema Tegumentar
Sistema TegumentarSistema Tegumentar
Sistema Tegumentar
 
Siste teg
Siste tegSiste teg
Siste teg
 
Técnica de indução de colágeno
Técnica de indução de colágeno Técnica de indução de colágeno
Técnica de indução de colágeno
 
Sistema Tegumentar tati senac-ma
Sistema Tegumentar tati senac-ma Sistema Tegumentar tati senac-ma
Sistema Tegumentar tati senac-ma
 

Último

Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (9)

Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 

Sistema tegumentar

  • 1. Sistema Tegumentar Pele e seus anexos Anatomia Humana Docente Joelcy tavares Acadêmicas: Francielle Apolinário de Andrade Leidimar da Silva carvalho Maisa Bruna de M. T. do Nascimento Maryana Isac Mariana Pires Weslline bezerra saraiva
  • 2. Sistema Tegumentar O sistema tegumentar recobre o corpo, protegendo-o contra o atrito, a perda de água, a invasão de micro-organismos e a radiação ultravioleta. Tem papel na percepção sensorial (tato, calor, pressão e dor), na síntese de vitamina D, na termorregulação, na excreção de íons e na secreção de lipídios protetores e de leite. (JUNQUEIRA, L. C.; CARNEIRO,2013)
  • 3. Maior órgão em peso e área no nosso corpo; possui anexos(glândulas, pelos e unhas) Responsável por cerca de 16% do peso corporal total e medindo cerca de 2m²; Espessura e características variam de acordo com região do corpo; Dividida em camadas, da mais externa para interna, respectivamente: Epiderme Derme Hipoderme
  • 4. Linhas de Langer Resultado da direção em que as fibras colágenas e elásticas da derme se dispõe.
  • 5. Epiderme Camada mais externa; Epitélio estratificado pavimentoso queratinizado; Desprovido de vasos; Nutrição por difusão a partir da Derme; Apresenta cinco subcamadas:  Camada Córnea:  Renovação celular;  Proteção dupla, ultima barreira;  Constituída por 25 a 30 camadas de células Achatadas;  Fricção na superfície da pele, estimula a atividade miótica adicional na camada basal e espinhosa. (formação de calo = maior proteção)  Discos de Merkel Tato e pressão
  • 6. Camada Granulosa  Possui três ou quatro camadas de células achatadas; Contém grânulos cheios com ceratoialina (precursor químico da queratina)  Impermeabilidade a pele Camada Lúcida:  Núcleos, organelas e membranas celulares não estão visíveis, delgada camada de células achatadas translúcidas Histologicamente esta camada aparece bem clara, existe apenas nos lábios, palmas das mãos e plantas dos pés.
  • 7. Camada Espinhosa  Contém algumas camadas de células  Formada por 4 a 10 fileiras de células cubóides ou ligeiramente achatadas, com núcleo central e pequenas expansões no citoplasma que dá o aspecto espinhoso.  Os queratinócitos continuam produzindo queratina e apresentam-se ligeiramente achatados e unidos entre si, permanecendo na camada  espinhosa por aproximadamente 26 a 42 dias.
  • 8. Camada Basal  Tipos de Células 1.Queratinócitos: queratina (fortalece e impermeabiliza a pele) 2.Melanócitos: melanina (barreira protetora contra raios UV) 3.Células táteis: receptoras de sensibilidade (recepção tátil) 4.Dentrócitos granulosos não pigmentosos: células macrofágicas protetoras (destroem bactérias e resíduos estranhos)
  • 9. Pele grossa x Pele fina
  • 10. Como acontece a coloração da pele? Soma dos Queratinócitos (produzem queratina) + Melanócitos (produzem melanina) presentes na Epiderme
  • 11. Albinismo  No albinismo (do latim albus, branco), não há produção de melanina pela ausência de tirosinase. Essa doença é autossômica recessiva.  Um grupo de doenças hereditárias caracterizadas por pouca ou nenhuma produção de melanina.  O tratamento pode ajudar, mas essa doença não tem cura, geralmente diagnosticável pela própria pessoa  Não requer exames laboratoriais ou de imagem  Crônico: pode durar anos ou a vida inteira  Essa condição aumenta o risco de câncer de pele.  A maioria das pessoas com albinismo tem pele pálida, problemas oculares e são sensíveis ao sol.  Não existe cura, mas a pele pode ser protegida e os problemas oculares podem ser tratados.
  • 12.  Camada mais profunda e espessa que a epiderme  Constituída por tecido conjuntivo Fibras colágenas e elásticas (padrão definido linhas de tensões da pele (contração muscular)  Fibras elásticas no jovem idoso (envelhecimento)  Extensa rede de vasos sanguíneos Nutrição  Glândulas sudoríferas, sebáceas e folículos pilosos Derme
  • 13. Camadas da Derme Camada Papilar mais superficial Camada : em contato com a epiderme.  As papilas dão base para a formação de cristas de fricção Camada Reticular: mais profunda e espessa  Fibras densas e dispostas regularmente para formar uma rede resistente e flexível;  Totalmente distensível (mulheres grávidas/indivíduos obesos)  Distendida em demasia, pode deixar marcas permanentes Digitais  Formadas pela tração das fibras elásticas Derme  Estabelecidas antes do nascimento
  • 14. Hipoderme Tem como função  Armazenamento de Lipídeos  Isolante térmico  Amortecedor do corpo  Local para injeções subcutâneas
  • 15. Funções da pele  Proteção física  Barreira contra invasões, água e luz solar  Secreções oleosas película ácida protetora  Queratinização impermeabilização  Camada córnea externa – resistência  Hidrorregulação  Adaptações contra exposição continua ao ar  Espessamento Queratinização Cornificação  Proteção do corpo contra desidratação e hiperabsorção
  • 16. Funções da pele  Termorregulação  Perda de calor vasodilatação  Evaporação transpiração  Retenção de calor vasocondrição  Absorção cutânea  Absorção é limitada  Substancias absorvidas Alguns gases Raios UV  Toxinas lipossolúveis e pesticidas
  • 17. Funções da pele  Síntese  Sistema tegumentar melanina e queratina vitamina D  Sensibilidade  Presença de receptores cutâneos  Localização : ao longo da derme  Quanto mais fina a pele, maior sensibilidade  Comunicação  “As emoções a flor da pele...”  “O poder de um sorriso...”  “Quantas coisas um odor pode falar ao subconsciente
  • 18. Derivados da Epiderme  Pelos, unhas e glândulas  Formam se a partir da camada epidérmica  Pelos e unhas características estruturais do tegumento  Glândulas importantes na defesa do corpo e homeostasia
  • 19. Pelos Característica distintiva dos mamíferos Pelos em humanos : distribuição e densidades variáveis Função principal : proteção Outras funções distinção dos indivíduos atração sexual Estrutura haste Raiz e Bulbo
  • 20. Unhas  Formação compressão da camada córnea  Dureza fibrilas de queratina densa  Funções proteção e auxílio na apreensão de objetos  Constituição Corpo margem livre margem oculta  Crescimento Transformação das células superficiais da matriz
  • 21. Glândulas Principal função :produção de hormônios e equilíbrio do metabolismo Existem dois tipos: endócrino e exócrino
  • 22. Glândulas Sebáceas  Associadas com folículos pilosos  Glândulas Sebo Haste do pelo  Funções  Lubrificar e impermeabilizar camada córnea  Impedir fragilização do pelo  Obstrução dos pelos acne.
  • 23. Glândulas Sudoríparas Função  Transpiram e excretam o suor  Composição do suor  Função do suor Resfriamento evaporação  Excreção de resíduos Localização das glândulas:  Sudoríparas écrinas Função resfriamento  Glândulas sudoríferas apócrinas Função secreções odoríferas
  • 24. Glândulas Mamárias Classificadas como exócrinas (secretoras),estão presentes em ambos os sexos de todos os mamíferos. No entanto, a produção de leite ocorre geralmente nas fêmeas. Cada mama 15 a 25 lobos, e cada um desses lobos corresponde a uma glândula. Cada glândula possui uma estrutura de tecido epitelial que secreta leite (parte secretora da glândula), o qual é drenado em uma série de ductos (galactóforos) que se abrem na papila mamária ou mamilo.
  • 25. Glândulas Ceruminosas Encontrada no ouvido são responsáveis por produzir a cera, para proteção do canal auditivo.
  • 26. Envelhecimento  Características da pele envelhecida  Fina seca sem elasticidade  Fibras colágenas na derme mais espessas e duras  Diminuição tecido adiposo na hipoderme folículos pilosos ativos Glândulas sudoríparas e sebáceas  Enfraquecimento dos cabelos e pelos  Atrofia dos melanócitos
  • 27. Algumas patologias da pele Acne Os poros (pequenos orifícios na pele) se ligam às glândulas por um canal chamado folículo. Estas glândulas fabricam uma substância chamada sebo. Quando o folículo de uma glândula na pele entope, uma espinha cresce. Acne é uma da doenças de pele mais comuns; estima-se que 80 por cento de todas as pessoas tenha acne em algum momento da vida. O tratamento precoce é a melhor maneira de evitar cicatrizes.
  • 28. Eczema Também conhecida como Eczema Atópica ou Dermatite Atópica, é uma das doenças de pele cujos sintomas mais comuns são pele seca e coceira, erupções cutâneas na face, no interior dos cotovelos, atrás dos joelhos e nas mãos e nos pés. Atualmente, não há nenhum teste para diagnosticar o eczema, por isso, os médicos dependem de informações sobre você e sua família e não há cura. É mais comum em crianças e é hereditária.
  • 29. Câncer de pele O câncer de pele é o tipo mais comum de câncer. Existem três tipos principais de câncer de pele:  Carcinoma basocelular  Câncer de células escamosas  Melanoma Essa doença de pele se desenvolve em áreas mais expostas à luz solar direta, incluindo:  Face  Pescoço  Peito  Braços  Mãos O câncer de pele pode ser difícil de detectar e diagnosticar ,simples mudança na sua pele. Ferida que não cicatriza , manchas ou inchaços anormais, levantadas, brilhantes, firmes e estranhamente coloridas, tais como violeta, amarelo ou azul. Tratamentos para câncer de pele são mais bem sucedidos quando o câncer é detectado precocemente, especialmente antes que se espalhe para outros órgãos, em um processo conhecido como “Metástase.”
  • 30. Câncer de pele  Carcinoma basocelular O carcinoma basocelular é o tipo de câncer menos grave e o mais frequente, surgindo em mais de 95% dos casos. Ele surge como uma mancha rosa na pele que cresce lentamente, como mostra a imagem, sendo mais comum em pessoas de pele clara, depois dos 40 anos. Onde pode surgir: surge quase sempre em regiões de muita exposição solar, como rosto, pescoço, orelhas e couro cabeludo, mas também pode surgir em outras partes do corpo. Como se proteger: utilizar protetor solar diariamente com fator de proteção adequado, especialmente durante as horas mais quentes do dia.
  • 31. Câncer de pele  Carcinoma espinocelular Segundo tipo mais comum do câncer de pele e surge mais comumente em homens, embora também possa se desenvolver em mulheres de qualquer idade. Ele tem a forma de um nó que cresce rápido e forma uma casquinha, como mostra a imagem. Este tipo pode aparecer devido à exposição solar, mas também pode acontecer em quem faz tratamentos de quimioterapia e radioterapia ou tem problemas na pele crônicos, como feridas que não cicatrizam ou cicatrizes. Onde pode surgir: é mais comum em locais expostos ao sol, mas também pode acontecer em áreas cobertas com danos como pele enrugada ou com perda de elasticidade. Como se proteger: passar protetor solar todos os dias, evitar a exposição ao cigarro e outras substâncias tóxicas. Além disso, deve-se consultar o dermatologista sempre que surgem alterações na pele.
  • 32. Câncer de pele  Melanoma maligno Mais perigoso de todos, ele aparece como uma pintinha escura, como mostra a imagem, que vai se deformando ao longo do tempo. Pode ser fatal se não for identificado precocemente, pois pode se desenvolver rápido e atingir outros órgãos como o pulmão. Onde pode surgir: frequentemente se desenvolve nas regiões expostas ao sol ou que sofrem rapidamente queimadura, como rosto, ombros, couro cabeludo ou orelhas, especialmente em pessoas de pele muito clara. Como se proteger: além de utilizar o protetor solar diariamente é importante fazer um exame constante da pele para observar se alguma pinta, sinal ou mancha muda de características, consultando rapidamente um dermatologista caso isso aconteça.
  • 33. Referências  JUNQUEIRA, L. C.; CARNEIRO, J. Histologia básica: texto e atlas. 12.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013. p. 354.  LOWE, J. S.; ANDERSON, P. G. Stevens & Lowe´s Human Histology. 4.ed. Philadelphia: Elsevier, Mosby, 2015. pp. 49, 363.  OVALLE, W. K.; NAHIRNEY, P. C. Netter Bases da Histologia. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. p. 244.  Disponível em http://www.ufrgs.br/livrodehisto/pdfs/11Tegumen.pdf  Disponível em https://pt.slideshare.net/Danielly27/pele-e-anexos2012
  • 34. Sistema Tegumentar Pele e seus anexos Anatomia Humana Docente Joelcy tavares Acadêmicas: Francielle Apolinário de Andrade Leidimar da Silva carvalho Maisa Bruna de M. T. do Nascimento Maryana Isac Mariana Pires Weslline bezerra saraiva