Cosmetologia corporal Fisioterapia Dermato Funcional

12.749 visualizações

Publicada em

Pequena síntese sobre a Cosmetologia.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
23 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.749
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
505
Comentários
0
Gostaram
23
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cosmetologia corporal Fisioterapia Dermato Funcional

  1. 1. COSMETOLOGIA CORPORAL Julho, 2014
  2. 2. Considerações iniciais • Os produtos cosméticos são os meios técnicos adequados para a manutenção da estética do corpo humano.
  3. 3. Considerações iniciais • Hoje podemos nos beneficiar do produto que colore e trata a pele, limpa, perfuma e protege os cabelos, como nunca antes na história da humanidade. • Atualmente, vivemos sob a ditadura de um corpo perfeito e, a todo o momento, surgem novas dietas, tratamentos estéticos, tipos de ginásticas ou produtos que prometem alcançar esta perfeição. (MENEZES, 2006)
  4. 4. Cosmetologia • A ciência da Cosmetologia estuda: • As formulações cosméticas são preparadas tendo como objetivo principal a zona de atuação. (BORGES, 2010) Formas de ação Aplicação Efeitos
  5. 5. A legislação brasileira e acosmética • As leis Brasileiras que regem a preparação e comercialização de produtos cosméticos são: • Lei 6360/76, Decreto-Lei 79094/77 e Portarias: estabelecidas pelo Sistema de Vigilância Sanitária e são coordenadas pela Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS),que atende ao Ministério da Saúde (MS). • Código de Defesa do Consumidor – Lei 8078/90 • O fabricante é obrigado a informar ao consumidor, no rótulo do produto cosmético, a respeito de: composição química do produto ; A data de fabricação do produto e o prazo de validade; O modo de uso e as devidas precauções que devem ser tomadas, em caso de necessidade.
  6. 6. A legislação brasileira e a cosmética • Inmetro – Instituto Nacional de Metrologia e Normatização e Qualidade Industrial. • Esse órgão exige a especificação da quantidade em massa ou volume contida na embalagem do produto. • Controla a embalagem que deverá estar adequada ao produto contido. • Cetesb – Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. • Responsável pelo meio ambiente, controla a poluição causada pelas fábricas
  7. 7. Formulação cosmética • A formulação de um cosmético envolve três partes fundamentais: Veículo Princípio ativo Aditivos
  8. 8. Classificação dos cosméticos • Segundo a ANVISA as formulações cosméticas são classificadas de acordo com sua finalidade em: Produtos de Higiene Pessoal Perfumes Cosméticos Produtos infantis.
  9. 9. Formulação cosmética • 1. Veículos Cosméticos • São quase sempre compostos de uma ou mais substâncias • Podem ser: • Emulsões; • Géis; • Líquidos; • Pós; • Vetoriais.
  10. 10. Formulação cosmética • Veículos vetoriais • São estruturas capazes de carrear princípios ativos hidrossolúveis e lipossolúveis ate as camadas mais profundas da epiderme, colocando-as a disposição do tecido. • A absorção do princípio ativo dependerá do mecanismo de ação da forma selecionada, que pode ser por:  Difusão  Endocitose  Osmose • Os principais veículos vetoriais são: Lipossomos, nanosfera e silanóis.
  11. 11. Formulação cosmética • Veículos vetoriais • Lipossomos • São pequenas vesículas delimitadas por uma membrana constituída por uma camada bimolecular de glicerofosfolipídeos, intercaladas por compartimentos aquosos. (BORGES, 2010) Aceleram a eficácia e a permeação de ativos na epiderme As características específicas de cada lipossomo dependerão do princípio ativo nele contido
  12. 12. Formulação cosmética • Tipos de lipossomos existentes no mercado de cosméticos, de acordo com o número de compartimentos e com o tamanho. São eles: • MLV: Lipossomos multilamelares • SUV: Lipossomos unilamelares • LUV: Lipossomos unilamelares, são iguais ao anterior diferem apenas no tamanho. (BORGES, 2010)
  13. 13. Formulação cosmética • Desvantagem dos lipossomos: • São bastante instáveis quimicamente – oxidam-se com facilidade. • OBS: A tecnologia desenvolveu o lipossomo não iônico. Sendo portanto mais estáveis que os demais e apresentam similaridade com os lipidios do estrato córneo, o que facilita a coesão do cimento celular formado pela ceratina e, consequentemente, promove a regeneração do epitélio. (BORGES, 2010)
  14. 14. Formulação cosmética • Nanosferas • Estruturas poliméricas inertes, capazes de armazenar princípios ativos de natureza diversa que podem estar em seu interior dissolvidos, dispersados ou encapsulados. • O princípio ativo dará, então, objetividade e potencialidade ao produto final. Assim, temos, por exemplo: • Vitamina E nanosferada (tocoferol); Vitamina C nanosferada (fosfato de ascorbil magnésio); nanosfera com silanol e elastina e outros. (BORGES, 2010)
  15. 15. Formulação cosmética • Silício orgânico • Elemento fundamental para o desenvolvimento do ser humano; • Faz parte da estrutura molecular de várias substâncias proteicas que formam os tecidos. • Capta radicais livres. • Silanóis – São biocosméticos agregados ao elemento silício que possuem grande capacidade de penetração cutânea e absorção celular, fazendo do silício um vetor de grande potencial. (BORGES, 2010)
  16. 16. Formulação cosmética • Benefícios dos silanóis: • Reduzem consideravelmente a oxidação; • Consequentemente reduzem o processo de envelhecimento; • Melhora e acelera a regeneração celular; • Melhora o processo de hidratação. • Apresentam maior eficácia nos tratamentos em que é necessária maior penetrabilidade, como é o caso do tecido conjuntivo/adiposo nos tratamento de celulite e gordura localizada. (BORGES, 2010)
  17. 17. Formulação cosmética 2. Princípios ativos • São substâncias químicas ou biológicas (matérias primas) com ação específica sobre a pele e, quando associados adequadamente aos veículos cosméticos, determinam a eficácia do produtos final. • O principio ativo promove a ação específica sobre a célula; • Os principios ativos juntamente com as formas veiculares precisam estar em perfeita afinidade e estabilidade quimica; (BORGES, 2010)
  18. 18. Princípios ativos para hidratação • Por se tratar de um órgão externo, a pele é submetida a todos os tipos de agentes agressores. Dentre eles, temos: • O sol, o vento, a baixa umidade relativa do ar etc., • Fatores que acabam por retirar a água da camada córnea, comprometendo, desse maneira, a qualidade do manto hidrolipídico e, consequentemente, desidratando a pele.
  19. 19. Princípios ativos para hidratação • A hidratação da pele ocorre de duas formas distintas: Na superfície da pele; Em nível celular.
  20. 20. Hidratação na superfície da pele • Hidratação com óleos • Os óleos de origem vegetal e animal, assim como os óleos modificados, pela propriedade de difusão, permeiam o tecido epitelial. • Proporcionam uma leve oclusão, reduzindo a perda de água, também possuem propriedades emolientes, dando a pele maciez e textura aveludada. • Os mais usados são: óleo de amêndoas, de semente de uva, de jojoba, de macadâmia, lanolina, etc.
  21. 21. Hidratação na superfície da pele • Hidratação por umectação • Outra forma de hidratar a pele é com o uso de agentes ‘’molhantes’’, ou seja, substâncias que por possuirem propriedade de higroscopia, retém água, são capazes de manter a superfície de contato úmida, e por isso são chamadas de agentes umectantes. • Os mais usados na Cosmetologia são: glicerol, propilenoglicol, sorbitol, etilenoglicol, D-Pantenol, etc.
  22. 22. Hidratação em nível celular • A hidratação por concentração de ativos do fator natural (NMF) é obtida por meios de seus princípios ativos – ureia, PCA, pentaglycans, ácido hialurônico e outros – que em ação conjunta com os umectantes e as substâncias graxas de origem animal e vegetal, que garantem a qualidade da fase lipídica, promovem a reidratação da pele. • NMF são formados naturalmente a partir da camada granular durante o processo de ceratinização.
  23. 23. PROTEÍNA FIBRILA QUERATO HIALINA Aminoácidos: Ácido pirrolidona carboxílico(PCA) Ureia Ácido hialurônico Lisina Ácido Láctico NMF
  24. 24. Hidratação em nível celular • É necessário, entretanto, que se preserve a quantidade e qualidade desses componentes por meio dos princípios ativos de hidratação que atuam diretamente no epitélio e são formados na camada granular. • As substâncias mais utilizadas para hidratação em nível celular são: ureia, PCA-Na, ácido hialurônico, ácido láctico e sulfato de condroitina.
  25. 25. Mecanismo de hidratação • Portanto a retenção de água acontece de duas maneiras: 1ª Formação de uma leve oclusão causada pelos óleos (naturais e modificados) que se difundem lentamente pelo tecido epitelial. 2ª Substâncias com alto grau de higroscopia que mantém a umidade da pele. Manutenção do fator natural de hidratação!!!
  26. 26. Nanotecnologia aplicada aos cosméticos • A nanotecnologia fundamenta-se na habilidade de caracterizar, manipular e organizar materiais em escala nanométrica. Trata- se de um campo científico multidisciplinar que se aplica a praticamente todos os setores da pesquisa, da engenharia de materiais e processos e de mercado (LEE, 2004; DURÁN et al, 2006).
  27. 27. Nanotecnologia aplicada aos cosméticos • Empresa pioneira a introduzir um cosmético de base nanotecnológica, no âmbito internacional, foi a Lancôme, divisão de luxo da L`Oréal, em 1995, com o lançamento de um creme para o rosto constituído por nanocápsulas de vitamina E pura, para combater o envelhecimento da pele.
  28. 28. Nanotecnologia aplicada aos cosméticos • Diversas outras empresas internacionais renomadas também passaram a investir em pesquisa para desenvolver produtos nesta linha (FAPESP, 2008, NEVES, 2008). • Anna Pegova, • Procter & Gamble, • Revlon, • Dermazone Solution, • Chanel, • Skinceuticals, • Estee Lauder, • Shiseido, • Garnier, • Johnsons e Johnsons • O Boticário
  29. 29. Nanotecnologia aplicada aos cosméticos “Os produtos cosméticos nano têm três apelos irresistíveis: melhor absorção, ação prolongada e um toque mais leve” Sonia Tuccori, doutoura em Química, empresa Natura
  30. 30. Princípios ativos lipolíticos • Metilxantinas; • Retinol; • Fosfatidilcolina; • L-Carnitina • Hormônio do crescimento; • Extrato de gelidium.
  31. 31. Metilxantinas • Atuam sobre o tecido adiposo tem-se a cafeína, a teofilina, a aminofilina e a teobromina; • Atuam causando a lipólise dos adipócitos, através da inibição da fosfodiesterase e aumento da adenosina monofosfato cíclica (AMPc); • A cafeína ou 1,3,7-trimetilxantina é lipossolúvel e, quando ingerida, é rapidamente absorvida pelo trato gastrointestinal;
  32. 32. Metilxantinas • Sua ação lipolítica se deve à mobilização dos ácidos graxos livres dos tecidos ou estoques intramusculares; • Atua como competidor dos receptores de adenosina; • A sua ingestão tem ação termogênica e de oxidação da gordura; • A cafeína atua inibindo a fosfodiesterase;
  33. 33. Princípios ativos lipolíticos • RETINOL: • Atua como antiadipogênico por inibir a diferenciação dos pré- adipocitos, através da redução do gene ob. • Pode aunebtar as proteínas mitocondriais de desacoplamento (ucp) e gerar dissipação de calor promovendo redução da gordura subcutânea. (KRUPEK e COSTA, 2012)
  34. 34. Princípios ativos lipolíticos • FOSFATIDILCOLINA: • Também chamada de lecitina; • O nome comercial da preparação cosmética é Lipostabil®; (KRUPEK e COSTA, 2012)
  35. 35. • Hexsel et al. (2003), fizeram aplicações subcutâneas de fosfatidilcolina (250 mg/ ml) em 205 pacientes, estando o princípio ativo puro ou dissolvido em solução salina, dependendo da extensão da área tratada; • Em cada sessão o volume máximo de aplicação foi de 10 ml de produto. Foram realizadas de 1 a 5 sessões com intervalo de 15 dias. • Lipoproteína presente na membrana plasmática; sendo assim, a utilização desta em fórmulas cosméticas podem influenciar na integridade e funcionamento da mesma . (ANVISA)
  36. 36. Teorias sobre o mecanismo de ação da fosfatidilcolina: • São três: • 1- Ativaria a transferência da lipase do citoplasma do adipócito para o vacúolo; • 2- Ocorreria ativação de receptores específicos na membrana dos adipócitos, o que desencadearia reações bioquimicas e resultaria na hidrólise de triacilgliceróis; • 3- Caratér anfifílico teria a ação de solubilidade sobre os adipócitos dissolvendo a gordura e destruindo as celulas. (KRUPEK e COSTA, 2012)
  37. 37. Teorias sobre o mecanismo de ação da fosfatidilcolina: • Pela sua ação anfifílica, seu uso tópico pode chegar facilmente as camadas mais profundas da pele; • A ANVISA determina que só pode ser utilizado os cosméticos: • Desde que seja comprovada sua segurança; • E que traga algum benefício a pele e anexos. (KRUPEK e COSTA, 2012)
  38. 38. Princípios ativos lipolíticos • L- carnitina • Geralmente é adicionada aos cosméticos lipolíticos por atuar como co-adjuvante; • Pode ocorrer acumulo de acidos graxos dentro dos adipócitos, o que tende a inibir a mesma; • Atua aumentando a transferência de ácidos graxos para o interior das mitocôndrias, assim eles podem ser oxidados pela adenosina trifosfato. (KRUPEK e COSTA, 2012)
  39. 39. Princípios ativos lipolíticos • Hormônio do crescimento • O hormônio do crescimento também tem sido apontado como potencial redutor de gordura localizada desde 1948; • Atua na regulação do crescimento somático, também regula processos metabólicos por aumentar a oxidação de ácidos graxos quando da restrição calórica; • Acelerar a lipólise; • Promover conservação de nitrogênio e alterações na composição corporal. (KRUPEK e COSTA, 2012)
  40. 40. Princípios ativos lipolíticos • Seus efeitos podem ser explicados pelo aumento da lípase (estimulação de receptores β adrenérgicos); • Esta lipase tem efeito indutor da lipólise maior no tecido adiposo visceral, mas também atua no tecido subcutâneo. (KRUPEK e COSTA, 2012)
  41. 41. Princípios ativos lipolíticos • Extrato de gelidium • É obtido da alga vermelha Gelidium sp, com marca comercial Rhodysterol®, e contém 1,5% de esterol ativo; • O extrato apresentou efeitos comparáveis ao da cafeína e teofilina; • Atua como sinalizador para os receptores dos adipócitos, estimulando a lipólise; • Parece estimular os fibroblastos, promovendo reorganização do tecido conectivo devolvendo sua elasticidade e tonicidade. (KRUPEK e COSTA, 2012)
  42. 42. Mecanismo de ação dos ativos (KRUPEK e COSTA, 2012)
  43. 43. Princípios ativos anticelulíticos • Nicotinato de metila; • Ginko Biloba • Mentol; • Cânfora; • Centelha asiática; • Silício.
  44. 44. Princípios ativos anticelulíticos • Os cosméticos anticelulíticos possuem substâncias vasoprotetoras, com ações vasodilatadoras; • Apresentam como princípios ativos: • vasoprotetores os extratos vegetais ricos em flavonoides, as leucoantocianidinas e saponinas que melhoram a circulação sanguínea e linfática; (KRUPEK e COSTA, 2012)
  45. 45. Princípios ativos anticelulíticos • Os anti-inflamatórios como castanha da índia, alcaçuz, camomila, ácido glicirrízico, abisabolol e mucopolissacaridase: • Que inibem a síntese de prostaglandinas, leucotrienos, mediadores inflamatórios e a liberação de histamina; • Estimuladores da circulação periférica como a arnica, urtiga e nicotinato de metila. (KRUPEK e COSTA, 2012)
  46. 46. Nicotinato de metila • É um éster do álcool metílico e do acido nicotínico, com característica polar, muito solúvel em água e álcool etílico; • Possui ação vasodilatadora após 5 minutos de aplicação que se mantém por pelo menos 60 minutos e reduzindo em até 2 horas; • O processo se deve ao extravazamento de sangue visualizado pelo rubor causado na área de aplicação, porém não induz a resposta imunológica ou formação de edema. (ANVISA, 2005)
  47. 47. Nicotinato de metila • Tem ação direta na musculatura lisa e/ou o envolvimento de um mediador, elevando a prostaglandina D e cerca de 58 a 122 x; • A velocidade de fluxo é influenciada também pelo periodo do dia em que ocorre a administração: Maior pela manhã e menor a noite; • É classificado como grau 2, devendo ser apresentado a autoridade sanitária para fins de registro. (ANVISA, 2005)
  48. 48. Ginko biloba • Aumenta a resistência dos capilares; • Diminui a permeabilidade vascular; • Aumenta a tonicidade dos vasos; • Diminui a agregação plaquetária; • Tem ação antirradical livre; • Ativa o metabolismo celular e inibe a fosfodiesterase. (KRUPEK e COSTA, 2012)
  49. 49. Mentol • Pode ser utilizado na concentração de n° máximo 1% em cosméticos, segundo a Anvisa no 8, de 1º de novembro de 2005; • Caracterizado como vasodilatador; • Analgésico quando aplicado sobre a pele. (KRUPEK e COSTA, 2012)
  50. 50. Cânfora • Em produtos cosméticos deve ter concentração máxima de 2,5%; • Classificados como grau de risco 2; • Não pode ser aplicadas em crianças com menos de 2 anos pela hepatotoxicidade; • Deve conter na rótulo do produto que não pode ser aplicado sobre a pele irritada ou lesada e não dever ser usado durante a gravidez. (KRUPEK e COSTA, 2012)
  51. 51. Centelha asiática • É de origem vegetal; • Composta de asiaticosídeo (40%), ácido madecássico (30%) e ácido asiático (30%); • Normaliza o tecido conjuntivo e seus derivados; • Acelera a integração e o metabolismo de lisina e prolina fundamentais na estrutura do colágeno; • Tem flavonoides cujo efeito na microcirculação reduz edemas. (MACEDO et al., 2013; KRUPEK et al., 2012)
  52. 52. Silício/Silanóis • Há uma grande receptividade do organismo pelo silício. • A industria cosmética elaborou produtos agregados ao silício; • Torna-os cosméticos com grande capacidade de penetração cutânea e absorção celular; • Esses produtos são chamados no mercado de silanóis; • Os silanóis são biocosméticos compostos por moléculas que se encontram combinadas com o silicio; (KRUPEK e COSTA, 2012; ;BORGES, 2010)
  53. 53. Silício/Silanóis • Normatizam a bioatividade celular, reduzindo a oxidação (reduz o envelhecimento); • Melhorando e acelerando a regeneração celular; • Gerando melhora da hidratação; • Induzindo e regulando a proliferação fibroblástica; • Favorecendo a regeneração de fibras elásticas e colágenas; • Antirradicais livres, anti-inflamatórias, favorece a drenagem dos tecidos e ativa a adenilciclase (ação na lipólise). (KRUPEK e COSTA, 2012)
  54. 54. Estudos RIES, ISSN 2238-832X, Caçador, v.2, n.2, p. 139-153, 2013. Universidade Alto Vale do Rio do Peixe - UNIARP- Caçador-SC. Universidade Federal de Santa Catarina
  55. 55. Considerações finais • É sabido que já existem alguns estudos demonstrando a eficácia desses princípios, porém ainda há muito que esclarecer, devido a escassez ainda de conhecimento. É relevante para os fisioterapeutas realizarem mais estudos com essa temática, pois dessa forma eles garantirão melhorias em sua intervenção. No que diz respeito as metilxantinas para tratar a gordura localizada eles atuam na microcirculação e dessa forma ainda prevalecem para esta finalidade .
  56. 56. Referencias • BORGES, F. S. 2 ed. Dermato-funcional: modalidades terapêuticas nas disfunções estéticas. São Paulo, SP: Phorte, 2010. • BRASIL. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Parecer técnico n° 5, de 22 de agosto de 2005. Avaliação toxicológica do nicotinato de metila. Acesso em: 12 de julho.
  57. 57. Obrigada!

×