SlideShare uma empresa Scribd logo

8000506 98.2017.8.24.0000

8000506 98.2017.8.24.0000

1 de 7
Baixar para ler offline
ESTADO DE SANTA CATARINA
TRIBUNAL DE JUSTIÇA
1
Gabinete Desembargador Jorge Luiz de Borba
Petição n. 8000506-98.2017.8.24.0000 de Criciúma
Requerente : Ministério Público do Estado de Santa Catarina
Promotor : Luiz Fernando Góes Ulysséa (Promotor)
Requerido : Município de Criciúma
Proc. Município : Patricia Tatiana Schmidt (OAB: 15034/SC)
Relator(a) : Desembargador Jorge Luiz de Borba
DECISÃO MONOCRÁTICA TERMINATIVA
O Ministério Público do Estado de Santa Catarina postula a
atribuição de efeito suspensivo à apelação que interpôs à sentença de extinção,
sem resolução do mérito, da ação civil pública n. 0902112-23.2014.8.24.0020.
Alega que, diferentemente do que se colocou na sentença
recorrida, não há "perda de objeto" e que, como por meio dela se revogou a
liminar anteriormente deferida, há veemente risco ao meio ambiente tendo em
vista a possibilidade de a municipalidade se omitir em fiscalizar os lançamentos
diários de esgoto no Rio Linha Anta e em seus afluentes.
É a síntese do essencial.
Trata-se de pedido de atribuição de efeito suspensivo ao recurso de
apelação (art. 1.012, § 3º, I e § 4º, do CPC/2015) interposto pelo ora postulante à
sentença assim fundamentada:
Vistos etc.
Cuida-se de Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público do Estado
de Santa Catarina em face do Município de Criciúma, narrando, em síntese,
que foi constatado o lançamento de efluentes domésticos e cloacais a céu
aberto no bairro Imigrantes, neste Município de Criciúma, mais especificamente
na Rua Domingos de Villa, esquina com a Rua João Manuel Debrandino, os
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso8000506-98.2017.8.24.0000ecódigoA6018C.
Estedocumentofoiliberadonosautosem17/10/2017às12:01,écópiadooriginalassinadodigitalmenteporJORGELUIZDEBORBA.
fls. 10
ESTADO DE SANTA CATARINA
TRIBUNAL DE JUSTIÇA
2
Gabinete Desembargador Jorge Luiz de Borba
quais atingem o Rio Linha Anta.
Narrou que tal situação é do conhecimento do réu, que deveria exigir a
adoção de soluções individuais pelos moradores já que a rede pública de
esgoto ainda não atende aquela região.
Requereu a procedência do pedido para condenar o Município de
Criciúma a identificar todas as ligações irregulares/clandestinas de esgoto na
rede pluvial, ou a céu aberto, que atinjam o Rio Linha Anta, lacrando-as.
O Município de Criciúma foi notificado para manifestação preliminar, tendo
apresentado informações, sendo a liminar então deferida (páginas 105/106).
Citado, o Município de Criciúma contestou (páginas 150/159), alegando
preliminarmente sua ilegitimidade passiva, atribuindo à CASAN a
responsabilidade pela obrigação referida na exordial. No mérito, informou que
está implantando uma rede pública de esgotamento sanitário, mas que ainda
assim encaminhou a fiscalização ao local para solução do problema. Pugnou ao
final pela improcedência do pedido.
Houve réplica.
Foi proferida decisão saneadora (páginas 241/242), afastando a preliminar
e determinando a prestação de informações pela Casan e pelo réu.
Após outras providências, vieram os autos conclusos.
É o relatório.
Decido.
Não obstante estarem em andamento as providências para realização da
prova pericial, é sabido que o magistrado, ao prolatar a sentença, deve
considerar eventual alteração dos fatos que influenciem no julgamento do
mérito (art. 493 do CPC).
É o caso dos autos, pois sobreveio questão que torna desnecessária a
produção de prova pericial e permite o julgamento imediato do feito.
Ocorre que na ação civil pública de autos n. 0900399-76.2015.8.24.0020
já houve deliberação judicial no tocante à questão do saneamento básico em
todo o território municipal, desde a regularização das ligações clandestinas ou
irregulares até a ligação à rede pública, nos seguintes termos:
"[...]
1) efetue a fiscalização e regularização dos sistemas individuais e das
ligações à rede pública de esgotamento sanitário, nos seguintes termos:
[...]
1.2) na bacia do Rio Linha Anta, em que a rede pública está em fase de
conclusão, o prazo de 18 (dezoito) meses para tomada das medidas
descritas acima contará a partir da conclusão da obra, desde que a
conclusão ocorra no prazo máximo de 12 (doze) meses; do contrário, se
neste interregno a rede pública na referida bacia não estiver em pleno
funcionamento, deverão ser exigidas soluções individuais;
[...]"
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso8000506-98.2017.8.24.0000ecódigoA6018C.
Estedocumentofoiliberadonosautosem17/10/2017às12:01,écópiadooriginalassinadodigitalmenteporJORGELUIZDEBORBA.
fls. 11
ESTADO DE SANTA CATARINA
TRIBUNAL DE JUSTIÇA
3
Gabinete Desembargador Jorge Luiz de Borba
Como se pode observar, a matéria, no que envolve a microbacia do Rio
Linha Anta (abrangendo portanto toda a área mencionada na inicial), foi
esgotada naquela ACP, acarretando nesta a perda superveniente de objeto,
dispensando nova manifestação deste juízo sobre ponto já decidido.
Ante o exposto, reconheço a falta de interesse de agir ante a perda
superveniente de objeto e, consequentemente, JULGO EXTINTO o processo
nos termos do art. 485, VI, do CPC.
Sem custas nem honorários (art. 18 da Lei n. 7.347/85).
Oficie-se ao Exmo. Sr. Des. Rel. do agravo de instrumento de autos n.
8000430-74.2017.8.24.0000 dando ciência da presente sentença.
É incontroverso que o Município de Criciúma ainda não cumpriu
aquilo que se determinou liminarmente em decisão que, aliás, foi objeto do
Agravo de Instrumento n. 0116868-96.2015.8.24.0000, desprovido por decisão
desta Câmara com base nos seguintes argumentos:
Trata-se de agravo de instrumento em que se questiona a determinação
de que o agravante, o Município de Criciúma, realizasse "vistoria no local sub
judice com o intuito de averiguar a existência de ligações
irregulares/clandestinas junto à galeria pluvial existentes naquela região,
lacrando-as se encontradas" (fl. 61), listando "os proprietários dos imóveis
responsáveis pelas ligações irregulares/clandestinas que porventura sejam
encontradas no local, tudo no prazo máximo de 30 dias" (fl. 61).
Isso porque, segundo se colhe da exordial da ação civil pública de origem,
"no Bairro Imigrantes, mais especificamente na Rua Domingos de Villa, esquina
com a Rua João Manuel Debrandino, está ocorrendo o lançamento a céu aberto
de efluentes domésticos e cloacais, e que esses efluentes estão terminando por
atingir o Rio Linha Anta" (fl. 9). A alegação tem suporte em vistoria e parecer
técnico efetivados por agentes da Fundação Municipal do Meio Ambiente de
Criciúma – Famcri.
Segundo o Parquet, a investigação ordenada por meio da decisão aqui
recorrida é necessária "para que se saiba quem está fazendo desse Rio a sua
fossa séptica e/ou sumidouro" (fl. 10), evitando com isso um "possível surto de
cólera, problemas com o borrachudo e outras doenças provenientes da água
parada ou do próprio Rio, ou ainda do próprio esgoto a 'céu aberto' que passa
pela via pública (ibidem).
No agravo de instrumento, a municipalidade não nega os fatos em
questão e tece considerações imprecisas sobre o suposto custo de semelhante
vistoria, que oneraria em demasia os cofres públicos. Além disso, afirma que
cumpre o seu papel como supervisor do saneamento básico e que a efetiva
responsável pelo meio ambiente no âmbito de seu território seria a Famcri.
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso8000506-98.2017.8.24.0000ecódigoA6018C.
Estedocumentofoiliberadonosautosem17/10/2017às12:01,écópiadooriginalassinadodigitalmenteporJORGELUIZDEBORBA.
fls. 12
ESTADO DE SANTA CATARINA
TRIBUNAL DE JUSTIÇA
4
Gabinete Desembargador Jorge Luiz de Borba
Ora, de um lado, a alegação a respeito do alto custo da medida não
encontra respaldo em nenhum elemento probatório. De outro lado, a assertiva
de que cumpriria – em termos gerais – a sua função como gestor do
saneamento básico não o desincumbe de solucionar a pendência específica
retratada na exordial. Por fim, a Famcri é autarquia vinculada à administração
municipal e, conquanto por certo poderá auxiliar o agravante no cumprimento
da ordem questionada, a sua existência não serve como justificativa para a
municipalidade esquivar-se de suas responsabilidades perante o meio
ambiente.
Quanto ao prazo, como bem enfatizou o recorrido em suas contrarrazões,
verifica-se que já foi elastecido para 120 (cento e vinte) dias em decisão
posteriormente lançada na actio originária, o que se aproxima em muito dos 180
(cento e oitenta) dias sugeridos no recurso.
Ademais, desde o interlocutório recorrido, datado de dezembro de 2014,
já decorreram mais de dois anos e meio e, aparentemente, ao menos do que se
colhe da movimentação processual colhida do SAJ-PG, não há informação
quanto ao cumprimento da expressa ordem.
No mais, adotam-se como razão de decidir os bem lançados fundamentos
pelos quais o Exmo. Sr. Des. Subst. Luiz Zanelato, nestes autos, indeferiu a
antecipação da tutela recursal:
A tutela concedida pelo juízo a quo encontra respaldo constitucional, pois,
visa a proteção do direito fundamental ao meio ambiente ecologicamente
equilibrado, no qual se insere a proteção à flora e à fauna, previsto no art.
225 da Constituição da República, que assim estabelece:
Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado,
bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-
se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo
para as presentes e futuras gerações.
§ 1º - Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder
Público:
[...];
VII - proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que
coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies
ou submetam os animais a crueldade. (grifou-se).
Deve, portanto, o magistrado, como representante do Poder Judiciário,
pautar as decisões visando a concretização das garantias constitucionais
concernentes aos direitos difusos e coletivos, nos quais o direito ao meio
ambiente ecologicamente equilibrado encontra-se encampado.
Com efeito, leciona Romeu Thomé:
O Poder Público é detentor de efetivos meios para "incentivar" a efetiva
preservação do meio ambiente, evitando a concretização do dano ambiental.
(...) É imperioso reconhecer que a preservação do meio ambiente
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso8000506-98.2017.8.24.0000ecódigoA6018C.
Estedocumentofoiliberadonosautosem17/10/2017às12:01,écópiadooriginalassinadodigitalmenteporJORGELUIZDEBORBA.
fls. 13
ESTADO DE SANTA CATARINA
TRIBUNAL DE JUSTIÇA
5
Gabinete Desembargador Jorge Luiz de Borba
ecologicamente equilibrado constitui dever do Estado e esse relevante papel
de proteção ambiental exercido pelo Poder Público não fica restrito apenas à
atuação do Poder Executivo. Nesse sentido, o princípio onze da Declaração
do Tio/92: "Os Estados deverão promulgar leis eficazes sobre o meio
ambiente". O dever de intervenção do Estado na preservação do meio
ambiente incumbe aos três Poderes da República, em todas as esferas de
atuação. (Manual de Direito Ambiental. 2.Ed. Salvador: Juspodivm, 2012, p.
79/80).
Ora, sendo a proteção do meio ambiente saudável e equilibrado dever de
todos, inclusive, com a interferência do Poder Judiciário, descabido o
argumento do agravante de que não dispõe de meios para efetivar a medida
determinada, pois, não foi omisso e a competência para realizar tal ato seria
da Fundação Municipal do Meio Ambiente.
Os autos relatam a existência de esgoto a céu aberto junto à galeria
pluvial localizada na Rua Domingos de Villa, ou seja, o problema ambiental é
ainda mais grave, pois, afeto à própria saúde pública, sendo perfeitamente
legal a determinação da medida em face da municipalidade, ante sua inércia
em resolvê-lo, seja por si ou por meio de suas secretarias, autarquias ou
concessionárias.
Não se olvida que o município não só pode, mas deve, distribuir suas
funções entre os diversos entes em que se desdobra a estrutura da
administração pública, a fim de cumprir o princípio constitucional da
eficiência, todavia, não pode se valer de tal permissivo para se esquivar de
suas obrigações, notadamente, quanto àquelas de proteção constitucional,
como o meio ambiente, a saúde e a educação. Se o agravante entende que
a Fundação Municipal do Meio Ambiente é quem detém condições de
cumprir a obrigação, é dotado dos meios administrativos de coerção para
determinar que o faça.
Nesse sentido, colhe-se da jurisprudência de nossa Corte de Justiça:
AGRAVO POR INSTRUMENTO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. DECISÃO
DETERMINANDO A TOMADA DE PROVIDÊNCIAS PARA RECUPERAÇÃO
DO RIO ARAÚJO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ,
CONSISTENTES NO IMPEDIMENTO DE EVENTUAIS INVASÕES,
DESVIOS E ATERROS, ALÉM DO DESASSOREAMENTO E LIMPEZA DE
TODO O CURSO, COM A RETIRADA DE ENTULHO E LIXO,
PROMOVENDO-SE, AINDA, O REFLORESTAMENTO DO ENTORNO COM
VEGETAÇÃO DE FLORA NATIVA. PROCESSUAL CIVIL. ANÁLISE
VERTICALMENTE SUMARIZADA E NÃO EXAURIENTE, RESTRITA AO
ACERTO OU DESACERTO DO PRONUNCIAMENTO JUDICIAL
COMBATIDO. IMPOSSIBILIDADE DE APRECIAÇÃO DAS ASSERTIVAS
RELACIONADAS A RESPONSABILIDADE DO MUNICÍPIO DE
FLORIANÓPOLIS NO AVENTADO DANO AMBIENTAL PORQUANTO NÃO
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso8000506-98.2017.8.24.0000ecódigoA6018C.
Estedocumentofoiliberadonosautosem17/10/2017às12:01,écópiadooriginalassinadodigitalmenteporJORGELUIZDEBORBA.
fls. 14
ESTADO DE SANTA CATARINA
TRIBUNAL DE JUSTIÇA
6
Gabinete Desembargador Jorge Luiz de Borba
APRECIADAS EM PRIMEIRO GRAU DE JURISDIÇÃO, SOB PENA DE
SUPRESSÃO DE INSTÂNCIA. Tratando-se de agravo por instrumento,
somente se admite a análise do pronunciamento judicial combatido sob a
ótica do acerto ou desacerto do ato hostilizado, desautorizado o exame
aprofundado acerca do mérito da ação em trâmite na origem, sob pena de
supressão de instância. MÉRITO. IRRESIGNAÇÃO DO MUNICÍPIO DE
SÃO JOSÉ, SOB O FUNDAMENTO DE SER DA CASAN,
CONCESSIONÁRIA DO SERVIÇO PÚBLICO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO
SANITÁRIO, A RESPONSABILIDADE PELA DEGRADAÇÃO DO MEIO
AMBIENTE. INCONSISTÊNCIA DAS ALEGAÇÕES. OMISSÃO DO ENTE
PÚBLICO MUNICIPAL NA FISCALIZAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS
NORMAS AMBIENTAIS E DO CONTRATO DE CONCESSÃO. DEVER DE
FISCALIZAR ORIUNDO DO PODER DE POLÍCIA. OBRIGAÇÃO
CONSTITUCIONAL DE PROTEGER O MEIO AMBIENTE. DECISÃO
ESCORREITA. DEFESA DO INTERESSE DA COLETIVIDADE. APLICAÇÃO
DO PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO. [...]. (TJSC, Agravo de Instrumento n.
2012.020756-0, de São José, rel. Des. Carlos Adilson Silva, j. 21-5-2013).
Dessa forma, não se descarta que a referida fundação poderia constar do
polo passivo da lide, o que não é objeto deste recurso, mas impossível
excluir a responsabilidade do município em solucionar um problema
ambiental grave, cuja ciência possui há mais de dois anos. Pouco crível,
ainda, supor que não houve omissão por parte do agravante em permitir que
problema tão grosseiro persista por tantos anos.
Aliás, destaca-se que nas informações prestadas ao juízo de origem,
conforme se extrai de consulta realizada no Sistema de Automação do
Judiciário (SAJ), o recorrente, ao contrário do que sustenta neste recurso,
afirmou que a responsabilidade pela solução do problema é da CASAN.
Possível perceber, portanto, que a municipalidade tenta, de toda forma,
esquivar-se de sua obrigação em manter o meio ambiente equilibrado.
No que toca ao prazo de trinta dias para a execução da medida, não
obstante os argumentos do recorrente, verifica-se que a ação civil pública é
datada de 19-2-2013 (fl. 28-v), ou seja, há mais de dois anos que a
municipalidade tem conhecimento dos fatos, sem, contudo, realizar medida
efetiva para solucioná-lo. Ora, se o problema é anterior ao ano de 2013, ao
recorrente já foi concedido prazo bastante extenso para que o resolvesse
voluntariamente, porém, pelo que refletem os autos, prefere a inércia. Aliás,
destaca-se que não colacionou ao presente agravo de instrumento qualquer
documento hábil a demonstrar a razão do prazo ser exíguo, ônus que lhe
incumbia a teor do que dispõe o art. 525, II do CPC (fls. 66-69).
Ante o exposto, o recurso deve ser conhecido mas desprovido (grifos do
original).
Data venia, sem que haja o efetivo cumprimento daquilo que aqui
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso8000506-98.2017.8.24.0000ecódigoA6018C.
Estedocumentofoiliberadonosautosem17/10/2017às12:01,écópiadooriginalassinadodigitalmenteporJORGELUIZDEBORBA.
fls. 15

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Liminar bairro imigrantes
Liminar   bairro imigrantesLiminar   bairro imigrantes
Liminar bairro imigrantes
 
Liminar prad
Liminar   pradLiminar   prad
Liminar prad
 
Liminar construtora peruchi
Liminar   construtora peruchiLiminar   construtora peruchi
Liminar construtora peruchi
 
Adin apa
Adin apaAdin apa
Adin apa
 
Sentença valmir
Sentença   valmirSentença   valmir
Sentença valmir
 
Decisão
DecisãoDecisão
Decisão
 
Acp 0900057 31.2016.8.24.0020
Acp 0900057 31.2016.8.24.0020Acp 0900057 31.2016.8.24.0020
Acp 0900057 31.2016.8.24.0020
 
Sentença locks - frankfurt
Sentença   locks - frankfurtSentença   locks - frankfurt
Sentença locks - frankfurt
 
Sentença - aeroporto Diomício Freitas
Sentença - aeroporto Diomício FreitasSentença - aeroporto Diomício Freitas
Sentença - aeroporto Diomício Freitas
 
Autos n° 0019685 36.2013.8.24.0020
Autos n° 0019685 36.2013.8.24.0020Autos n° 0019685 36.2013.8.24.0020
Autos n° 0019685 36.2013.8.24.0020
 
Autos nº 0900399 76.2015
Autos nº 0900399 76.2015Autos nº 0900399 76.2015
Autos nº 0900399 76.2015
 
Liminar valmir zoche
Liminar   valmir zocheLiminar   valmir zoche
Liminar valmir zoche
 
Sentença muro
Sentença   muroSentença   muro
Sentença muro
 
Document (4)
Document (4)Document (4)
Document (4)
 
Petição Inicial - aeroporto Diomício Freitas
Petição Inicial - aeroporto Diomício FreitasPetição Inicial - aeroporto Diomício Freitas
Petição Inicial - aeroporto Diomício Freitas
 
0900522 06.2017.8.24.0020 (1)
0900522 06.2017.8.24.0020 (1)0900522 06.2017.8.24.0020 (1)
0900522 06.2017.8.24.0020 (1)
 
0900727 35.2017.8.24.0020 (1)
0900727 35.2017.8.24.0020 (1)0900727 35.2017.8.24.0020 (1)
0900727 35.2017.8.24.0020 (1)
 
Reexame necessário
Reexame necessárioReexame necessário
Reexame necessário
 
Sentença 0902113-08.2014.8.24.0020
Sentença 0902113-08.2014.8.24.0020Sentença 0902113-08.2014.8.24.0020
Sentença 0902113-08.2014.8.24.0020
 
Acordão agravo
Acordão agravoAcordão agravo
Acordão agravo
 

Semelhante a 8000506 98.2017.8.24.0000

Inicial acp 0900022 37.2017.8.24.0020 loteamento vitória ii - criciúma
Inicial acp 0900022 37.2017.8.24.0020   loteamento vitória ii - criciúmaInicial acp 0900022 37.2017.8.24.0020   loteamento vitória ii - criciúma
Inicial acp 0900022 37.2017.8.24.0020 loteamento vitória ii - criciúmaMinistério Público de Santa Catarina
 
Sentença habite-se para fornecimento de água
Sentença habite-se para fornecimento de águaSentença habite-se para fornecimento de água
Sentença habite-se para fornecimento de águaEduardo Sens Dos Santos
 
Decisão 020.13.019685-1
Decisão 020.13.019685-1Decisão 020.13.019685-1
Decisão 020.13.019685-1Gabrielrf
 
Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...
Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...
Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...Ministério Público de Santa Catarina
 
Sentença 139.98.000591 1 - praia de zimbros
Sentença 139.98.000591 1 - praia de zimbrosSentença 139.98.000591 1 - praia de zimbros
Sentença 139.98.000591 1 - praia de zimbrosGabrielrf
 
Texto água em Petrolina
Texto água em PetrolinaTexto água em Petrolina
Texto água em PetrolinaPortal NE10
 
Decisão dos autos n. 020.13.022326-3
Decisão dos autos n. 020.13.022326-3Decisão dos autos n. 020.13.022326-3
Decisão dos autos n. 020.13.022326-3Gabrielrf
 
Sentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
Sentença - Vila união - Casas em APP - DemoliçãoSentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
Sentença - Vila união - Casas em APP - DemoliçãoEduardo Sens Dos Santos
 

Semelhante a 8000506 98.2017.8.24.0000 (20)

Acórdão 01168689620158240000 (2)
Acórdão 01168689620158240000 (2)Acórdão 01168689620158240000 (2)
Acórdão 01168689620158240000 (2)
 
Decisão liminar loteamento girassóis
Decisão liminar   loteamento girassóisDecisão liminar   loteamento girassóis
Decisão liminar loteamento girassóis
 
Sentença flávio luiz locks
Sentença   flávio luiz locksSentença   flávio luiz locks
Sentença flávio luiz locks
 
Sentença saneamento básico - nova veneza
Sentença   saneamento básico - nova venezaSentença   saneamento básico - nova veneza
Sentença saneamento básico - nova veneza
 
Inicial acp 0900022 37.2017.8.24.0020 loteamento vitória ii - criciúma
Inicial acp 0900022 37.2017.8.24.0020   loteamento vitória ii - criciúmaInicial acp 0900022 37.2017.8.24.0020   loteamento vitória ii - criciúma
Inicial acp 0900022 37.2017.8.24.0020 loteamento vitória ii - criciúma
 
Sentença habite-se para fornecimento de água
Sentença habite-se para fornecimento de águaSentença habite-se para fornecimento de água
Sentença habite-se para fornecimento de água
 
Decisão 020.13.019685-1
Decisão 020.13.019685-1Decisão 020.13.019685-1
Decisão 020.13.019685-1
 
Decisão 020.13.019685-1
Decisão 020.13.019685-1Decisão 020.13.019685-1
Decisão 020.13.019685-1
 
310003052240 - eproc - __
   310003052240 - eproc - __   310003052240 - eproc - __
310003052240 - eproc - __
 
Loteamento altos da floresta
Loteamento altos da florestaLoteamento altos da floresta
Loteamento altos da floresta
 
Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...
Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...
Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...
 
Sentença 139.98.000591 1 - praia de zimbros
Sentença 139.98.000591 1 - praia de zimbrosSentença 139.98.000591 1 - praia de zimbros
Sentença 139.98.000591 1 - praia de zimbros
 
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
 
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
 
Evento 3 despadec1
Evento 3   despadec1Evento 3   despadec1
Evento 3 despadec1
 
Texto água em Petrolina
Texto água em PetrolinaTexto água em Petrolina
Texto água em Petrolina
 
Acp nº 020.14.003623 7 - liminar
Acp nº 020.14.003623 7 - liminarAcp nº 020.14.003623 7 - liminar
Acp nº 020.14.003623 7 - liminar
 
Decisão dos autos n. 020.13.022326-3
Decisão dos autos n. 020.13.022326-3Decisão dos autos n. 020.13.022326-3
Decisão dos autos n. 020.13.022326-3
 
acórdão ação civil pública loteamento coronel freitas
acórdão ação civil pública loteamento coronel freitas acórdão ação civil pública loteamento coronel freitas
acórdão ação civil pública loteamento coronel freitas
 
Sentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
Sentença - Vila união - Casas em APP - DemoliçãoSentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
Sentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
 

Mais de Luiz Fernando Góes Ulysséa

Mais de Luiz Fernando Góes Ulysséa (20)

Document (2)
Document (2)Document (2)
Document (2)
 
Pasta digital 0900700-09.2018.8.24.0023
Pasta digital    0900700-09.2018.8.24.0023Pasta digital    0900700-09.2018.8.24.0023
Pasta digital 0900700-09.2018.8.24.0023
 
Scanned image-2
Scanned image-2Scanned image-2
Scanned image-2
 
Scanned image-2
Scanned image-2Scanned image-2
Scanned image-2
 
Cartilha conselho municipalidoso
Cartilha conselho municipalidosoCartilha conselho municipalidoso
Cartilha conselho municipalidoso
 
Ageu spillere 2.pdf
Ageu spillere 2.pdfAgeu spillere 2.pdf
Ageu spillere 2.pdf
 
0900762 92.2017.8.24.0020 (1)
0900762 92.2017.8.24.0020 (1)0900762 92.2017.8.24.0020 (1)
0900762 92.2017.8.24.0020 (1)
 
Digitalizar 2017 12_06_10_28_45_445
Digitalizar 2017 12_06_10_28_45_445Digitalizar 2017 12_06_10_28_45_445
Digitalizar 2017 12_06_10_28_45_445
 
Sentença para o blog
Sentença para o blogSentença para o blog
Sentença para o blog
 
Denuncia08 170714122334
Denuncia08 170714122334Denuncia08 170714122334
Denuncia08 170714122334
 
Recomendação dpft
Recomendação dpftRecomendação dpft
Recomendação dpft
 
Recomendação famcri
Recomendação famcriRecomendação famcri
Recomendação famcri
 
0900139 96.2015.8.24.0020
0900139 96.2015.8.24.00200900139 96.2015.8.24.0020
0900139 96.2015.8.24.0020
 
Document (2)
Document (2)Document (2)
Document (2)
 
Digitalizar 2017 06_14_17_57_58_700
Digitalizar 2017 06_14_17_57_58_700Digitalizar 2017 06_14_17_57_58_700
Digitalizar 2017 06_14_17_57_58_700
 
Sentença ete casan
Sentença ete casanSentença ete casan
Sentença ete casan
 
Digitalizar 2017 05_08_16_20_35_253
Digitalizar 2017 05_08_16_20_35_253Digitalizar 2017 05_08_16_20_35_253
Digitalizar 2017 05_08_16_20_35_253
 
Digitalizar 2017 04_27_18_19_05_104
Digitalizar 2017 04_27_18_19_05_104Digitalizar 2017 04_27_18_19_05_104
Digitalizar 2017 04_27_18_19_05_104
 
0900560 52.2016.8.24.0020.pdf
0900560 52.2016.8.24.0020.pdf0900560 52.2016.8.24.0020.pdf
0900560 52.2016.8.24.0020.pdf
 
(Decisão efeito suspensivo.pdf)
(Decisão efeito suspensivo.pdf)(Decisão efeito suspensivo.pdf)
(Decisão efeito suspensivo.pdf)
 

Último

As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...mariaclarinhaa2723
 
Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!
Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!
Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!francielekeren
 
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSCATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSJulioCesarrPro
 
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024Dl assessoria S3
 
E-book Mercado Financeiro finanças fáceis
E-book Mercado Financeiro finanças fáceisE-book Mercado Financeiro finanças fáceis
E-book Mercado Financeiro finanças fáceisSergio Augusto da Luz
 
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...mariaclarinhaa2723
 
MANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
MANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSMANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
MANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSJulioCesarrPro
 
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...dl assessoria9
 
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023Henry Quaresma
 
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.brBolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.brPatriciagomes889620
 
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...DL assessoria 29
 
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024assedlsam
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...sdl192405
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...sdl192405
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024DL assessoria 30
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...DL assessoria 31
 
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024Dl assessoria S3
 
Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...
Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...
Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...DL assessoria 29
 
MaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdf
MaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdfMaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdf
MaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdfNilsonSouza49
 
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...Dl assessoria S3
 

Último (20)

As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
 
Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!
Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!
Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!
 
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSCATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
 
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
 
E-book Mercado Financeiro finanças fáceis
E-book Mercado Financeiro finanças fáceisE-book Mercado Financeiro finanças fáceis
E-book Mercado Financeiro finanças fáceis
 
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
 
MANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
MANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSMANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
MANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
 
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
 
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
 
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.brBolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
 
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
 
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
 
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
 
Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...
Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...
Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...
 
MaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdf
MaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdfMaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdf
MaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdf
 
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
 

8000506 98.2017.8.24.0000

  • 1. ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA 1 Gabinete Desembargador Jorge Luiz de Borba Petição n. 8000506-98.2017.8.24.0000 de Criciúma Requerente : Ministério Público do Estado de Santa Catarina Promotor : Luiz Fernando Góes Ulysséa (Promotor) Requerido : Município de Criciúma Proc. Município : Patricia Tatiana Schmidt (OAB: 15034/SC) Relator(a) : Desembargador Jorge Luiz de Borba DECISÃO MONOCRÁTICA TERMINATIVA O Ministério Público do Estado de Santa Catarina postula a atribuição de efeito suspensivo à apelação que interpôs à sentença de extinção, sem resolução do mérito, da ação civil pública n. 0902112-23.2014.8.24.0020. Alega que, diferentemente do que se colocou na sentença recorrida, não há "perda de objeto" e que, como por meio dela se revogou a liminar anteriormente deferida, há veemente risco ao meio ambiente tendo em vista a possibilidade de a municipalidade se omitir em fiscalizar os lançamentos diários de esgoto no Rio Linha Anta e em seus afluentes. É a síntese do essencial. Trata-se de pedido de atribuição de efeito suspensivo ao recurso de apelação (art. 1.012, § 3º, I e § 4º, do CPC/2015) interposto pelo ora postulante à sentença assim fundamentada: Vistos etc. Cuida-se de Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público do Estado de Santa Catarina em face do Município de Criciúma, narrando, em síntese, que foi constatado o lançamento de efluentes domésticos e cloacais a céu aberto no bairro Imigrantes, neste Município de Criciúma, mais especificamente na Rua Domingos de Villa, esquina com a Rua João Manuel Debrandino, os Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso8000506-98.2017.8.24.0000ecódigoA6018C. Estedocumentofoiliberadonosautosem17/10/2017às12:01,écópiadooriginalassinadodigitalmenteporJORGELUIZDEBORBA. fls. 10
  • 2. ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA 2 Gabinete Desembargador Jorge Luiz de Borba quais atingem o Rio Linha Anta. Narrou que tal situação é do conhecimento do réu, que deveria exigir a adoção de soluções individuais pelos moradores já que a rede pública de esgoto ainda não atende aquela região. Requereu a procedência do pedido para condenar o Município de Criciúma a identificar todas as ligações irregulares/clandestinas de esgoto na rede pluvial, ou a céu aberto, que atinjam o Rio Linha Anta, lacrando-as. O Município de Criciúma foi notificado para manifestação preliminar, tendo apresentado informações, sendo a liminar então deferida (páginas 105/106). Citado, o Município de Criciúma contestou (páginas 150/159), alegando preliminarmente sua ilegitimidade passiva, atribuindo à CASAN a responsabilidade pela obrigação referida na exordial. No mérito, informou que está implantando uma rede pública de esgotamento sanitário, mas que ainda assim encaminhou a fiscalização ao local para solução do problema. Pugnou ao final pela improcedência do pedido. Houve réplica. Foi proferida decisão saneadora (páginas 241/242), afastando a preliminar e determinando a prestação de informações pela Casan e pelo réu. Após outras providências, vieram os autos conclusos. É o relatório. Decido. Não obstante estarem em andamento as providências para realização da prova pericial, é sabido que o magistrado, ao prolatar a sentença, deve considerar eventual alteração dos fatos que influenciem no julgamento do mérito (art. 493 do CPC). É o caso dos autos, pois sobreveio questão que torna desnecessária a produção de prova pericial e permite o julgamento imediato do feito. Ocorre que na ação civil pública de autos n. 0900399-76.2015.8.24.0020 já houve deliberação judicial no tocante à questão do saneamento básico em todo o território municipal, desde a regularização das ligações clandestinas ou irregulares até a ligação à rede pública, nos seguintes termos: "[...] 1) efetue a fiscalização e regularização dos sistemas individuais e das ligações à rede pública de esgotamento sanitário, nos seguintes termos: [...] 1.2) na bacia do Rio Linha Anta, em que a rede pública está em fase de conclusão, o prazo de 18 (dezoito) meses para tomada das medidas descritas acima contará a partir da conclusão da obra, desde que a conclusão ocorra no prazo máximo de 12 (doze) meses; do contrário, se neste interregno a rede pública na referida bacia não estiver em pleno funcionamento, deverão ser exigidas soluções individuais; [...]" Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso8000506-98.2017.8.24.0000ecódigoA6018C. Estedocumentofoiliberadonosautosem17/10/2017às12:01,écópiadooriginalassinadodigitalmenteporJORGELUIZDEBORBA. fls. 11
  • 3. ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA 3 Gabinete Desembargador Jorge Luiz de Borba Como se pode observar, a matéria, no que envolve a microbacia do Rio Linha Anta (abrangendo portanto toda a área mencionada na inicial), foi esgotada naquela ACP, acarretando nesta a perda superveniente de objeto, dispensando nova manifestação deste juízo sobre ponto já decidido. Ante o exposto, reconheço a falta de interesse de agir ante a perda superveniente de objeto e, consequentemente, JULGO EXTINTO o processo nos termos do art. 485, VI, do CPC. Sem custas nem honorários (art. 18 da Lei n. 7.347/85). Oficie-se ao Exmo. Sr. Des. Rel. do agravo de instrumento de autos n. 8000430-74.2017.8.24.0000 dando ciência da presente sentença. É incontroverso que o Município de Criciúma ainda não cumpriu aquilo que se determinou liminarmente em decisão que, aliás, foi objeto do Agravo de Instrumento n. 0116868-96.2015.8.24.0000, desprovido por decisão desta Câmara com base nos seguintes argumentos: Trata-se de agravo de instrumento em que se questiona a determinação de que o agravante, o Município de Criciúma, realizasse "vistoria no local sub judice com o intuito de averiguar a existência de ligações irregulares/clandestinas junto à galeria pluvial existentes naquela região, lacrando-as se encontradas" (fl. 61), listando "os proprietários dos imóveis responsáveis pelas ligações irregulares/clandestinas que porventura sejam encontradas no local, tudo no prazo máximo de 30 dias" (fl. 61). Isso porque, segundo se colhe da exordial da ação civil pública de origem, "no Bairro Imigrantes, mais especificamente na Rua Domingos de Villa, esquina com a Rua João Manuel Debrandino, está ocorrendo o lançamento a céu aberto de efluentes domésticos e cloacais, e que esses efluentes estão terminando por atingir o Rio Linha Anta" (fl. 9). A alegação tem suporte em vistoria e parecer técnico efetivados por agentes da Fundação Municipal do Meio Ambiente de Criciúma – Famcri. Segundo o Parquet, a investigação ordenada por meio da decisão aqui recorrida é necessária "para que se saiba quem está fazendo desse Rio a sua fossa séptica e/ou sumidouro" (fl. 10), evitando com isso um "possível surto de cólera, problemas com o borrachudo e outras doenças provenientes da água parada ou do próprio Rio, ou ainda do próprio esgoto a 'céu aberto' que passa pela via pública (ibidem). No agravo de instrumento, a municipalidade não nega os fatos em questão e tece considerações imprecisas sobre o suposto custo de semelhante vistoria, que oneraria em demasia os cofres públicos. Além disso, afirma que cumpre o seu papel como supervisor do saneamento básico e que a efetiva responsável pelo meio ambiente no âmbito de seu território seria a Famcri. Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso8000506-98.2017.8.24.0000ecódigoA6018C. Estedocumentofoiliberadonosautosem17/10/2017às12:01,écópiadooriginalassinadodigitalmenteporJORGELUIZDEBORBA. fls. 12
  • 4. ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA 4 Gabinete Desembargador Jorge Luiz de Borba Ora, de um lado, a alegação a respeito do alto custo da medida não encontra respaldo em nenhum elemento probatório. De outro lado, a assertiva de que cumpriria – em termos gerais – a sua função como gestor do saneamento básico não o desincumbe de solucionar a pendência específica retratada na exordial. Por fim, a Famcri é autarquia vinculada à administração municipal e, conquanto por certo poderá auxiliar o agravante no cumprimento da ordem questionada, a sua existência não serve como justificativa para a municipalidade esquivar-se de suas responsabilidades perante o meio ambiente. Quanto ao prazo, como bem enfatizou o recorrido em suas contrarrazões, verifica-se que já foi elastecido para 120 (cento e vinte) dias em decisão posteriormente lançada na actio originária, o que se aproxima em muito dos 180 (cento e oitenta) dias sugeridos no recurso. Ademais, desde o interlocutório recorrido, datado de dezembro de 2014, já decorreram mais de dois anos e meio e, aparentemente, ao menos do que se colhe da movimentação processual colhida do SAJ-PG, não há informação quanto ao cumprimento da expressa ordem. No mais, adotam-se como razão de decidir os bem lançados fundamentos pelos quais o Exmo. Sr. Des. Subst. Luiz Zanelato, nestes autos, indeferiu a antecipação da tutela recursal: A tutela concedida pelo juízo a quo encontra respaldo constitucional, pois, visa a proteção do direito fundamental ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, no qual se insere a proteção à flora e à fauna, previsto no art. 225 da Constituição da República, que assim estabelece: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo- se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações. § 1º - Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público: [...]; VII - proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade. (grifou-se). Deve, portanto, o magistrado, como representante do Poder Judiciário, pautar as decisões visando a concretização das garantias constitucionais concernentes aos direitos difusos e coletivos, nos quais o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado encontra-se encampado. Com efeito, leciona Romeu Thomé: O Poder Público é detentor de efetivos meios para "incentivar" a efetiva preservação do meio ambiente, evitando a concretização do dano ambiental. (...) É imperioso reconhecer que a preservação do meio ambiente Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso8000506-98.2017.8.24.0000ecódigoA6018C. Estedocumentofoiliberadonosautosem17/10/2017às12:01,écópiadooriginalassinadodigitalmenteporJORGELUIZDEBORBA. fls. 13
  • 5. ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA 5 Gabinete Desembargador Jorge Luiz de Borba ecologicamente equilibrado constitui dever do Estado e esse relevante papel de proteção ambiental exercido pelo Poder Público não fica restrito apenas à atuação do Poder Executivo. Nesse sentido, o princípio onze da Declaração do Tio/92: "Os Estados deverão promulgar leis eficazes sobre o meio ambiente". O dever de intervenção do Estado na preservação do meio ambiente incumbe aos três Poderes da República, em todas as esferas de atuação. (Manual de Direito Ambiental. 2.Ed. Salvador: Juspodivm, 2012, p. 79/80). Ora, sendo a proteção do meio ambiente saudável e equilibrado dever de todos, inclusive, com a interferência do Poder Judiciário, descabido o argumento do agravante de que não dispõe de meios para efetivar a medida determinada, pois, não foi omisso e a competência para realizar tal ato seria da Fundação Municipal do Meio Ambiente. Os autos relatam a existência de esgoto a céu aberto junto à galeria pluvial localizada na Rua Domingos de Villa, ou seja, o problema ambiental é ainda mais grave, pois, afeto à própria saúde pública, sendo perfeitamente legal a determinação da medida em face da municipalidade, ante sua inércia em resolvê-lo, seja por si ou por meio de suas secretarias, autarquias ou concessionárias. Não se olvida que o município não só pode, mas deve, distribuir suas funções entre os diversos entes em que se desdobra a estrutura da administração pública, a fim de cumprir o princípio constitucional da eficiência, todavia, não pode se valer de tal permissivo para se esquivar de suas obrigações, notadamente, quanto àquelas de proteção constitucional, como o meio ambiente, a saúde e a educação. Se o agravante entende que a Fundação Municipal do Meio Ambiente é quem detém condições de cumprir a obrigação, é dotado dos meios administrativos de coerção para determinar que o faça. Nesse sentido, colhe-se da jurisprudência de nossa Corte de Justiça: AGRAVO POR INSTRUMENTO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. DECISÃO DETERMINANDO A TOMADA DE PROVIDÊNCIAS PARA RECUPERAÇÃO DO RIO ARAÚJO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ, CONSISTENTES NO IMPEDIMENTO DE EVENTUAIS INVASÕES, DESVIOS E ATERROS, ALÉM DO DESASSOREAMENTO E LIMPEZA DE TODO O CURSO, COM A RETIRADA DE ENTULHO E LIXO, PROMOVENDO-SE, AINDA, O REFLORESTAMENTO DO ENTORNO COM VEGETAÇÃO DE FLORA NATIVA. PROCESSUAL CIVIL. ANÁLISE VERTICALMENTE SUMARIZADA E NÃO EXAURIENTE, RESTRITA AO ACERTO OU DESACERTO DO PRONUNCIAMENTO JUDICIAL COMBATIDO. IMPOSSIBILIDADE DE APRECIAÇÃO DAS ASSERTIVAS RELACIONADAS A RESPONSABILIDADE DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO AVENTADO DANO AMBIENTAL PORQUANTO NÃO Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso8000506-98.2017.8.24.0000ecódigoA6018C. Estedocumentofoiliberadonosautosem17/10/2017às12:01,écópiadooriginalassinadodigitalmenteporJORGELUIZDEBORBA. fls. 14
  • 6. ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA 6 Gabinete Desembargador Jorge Luiz de Borba APRECIADAS EM PRIMEIRO GRAU DE JURISDIÇÃO, SOB PENA DE SUPRESSÃO DE INSTÂNCIA. Tratando-se de agravo por instrumento, somente se admite a análise do pronunciamento judicial combatido sob a ótica do acerto ou desacerto do ato hostilizado, desautorizado o exame aprofundado acerca do mérito da ação em trâmite na origem, sob pena de supressão de instância. MÉRITO. IRRESIGNAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ, SOB O FUNDAMENTO DE SER DA CASAN, CONCESSIONÁRIA DO SERVIÇO PÚBLICO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO, A RESPONSABILIDADE PELA DEGRADAÇÃO DO MEIO AMBIENTE. INCONSISTÊNCIA DAS ALEGAÇÕES. OMISSÃO DO ENTE PÚBLICO MUNICIPAL NA FISCALIZAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS NORMAS AMBIENTAIS E DO CONTRATO DE CONCESSÃO. DEVER DE FISCALIZAR ORIUNDO DO PODER DE POLÍCIA. OBRIGAÇÃO CONSTITUCIONAL DE PROTEGER O MEIO AMBIENTE. DECISÃO ESCORREITA. DEFESA DO INTERESSE DA COLETIVIDADE. APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO. [...]. (TJSC, Agravo de Instrumento n. 2012.020756-0, de São José, rel. Des. Carlos Adilson Silva, j. 21-5-2013). Dessa forma, não se descarta que a referida fundação poderia constar do polo passivo da lide, o que não é objeto deste recurso, mas impossível excluir a responsabilidade do município em solucionar um problema ambiental grave, cuja ciência possui há mais de dois anos. Pouco crível, ainda, supor que não houve omissão por parte do agravante em permitir que problema tão grosseiro persista por tantos anos. Aliás, destaca-se que nas informações prestadas ao juízo de origem, conforme se extrai de consulta realizada no Sistema de Automação do Judiciário (SAJ), o recorrente, ao contrário do que sustenta neste recurso, afirmou que a responsabilidade pela solução do problema é da CASAN. Possível perceber, portanto, que a municipalidade tenta, de toda forma, esquivar-se de sua obrigação em manter o meio ambiente equilibrado. No que toca ao prazo de trinta dias para a execução da medida, não obstante os argumentos do recorrente, verifica-se que a ação civil pública é datada de 19-2-2013 (fl. 28-v), ou seja, há mais de dois anos que a municipalidade tem conhecimento dos fatos, sem, contudo, realizar medida efetiva para solucioná-lo. Ora, se o problema é anterior ao ano de 2013, ao recorrente já foi concedido prazo bastante extenso para que o resolvesse voluntariamente, porém, pelo que refletem os autos, prefere a inércia. Aliás, destaca-se que não colacionou ao presente agravo de instrumento qualquer documento hábil a demonstrar a razão do prazo ser exíguo, ônus que lhe incumbia a teor do que dispõe o art. 525, II do CPC (fls. 66-69). Ante o exposto, o recurso deve ser conhecido mas desprovido (grifos do original). Data venia, sem que haja o efetivo cumprimento daquilo que aqui Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso8000506-98.2017.8.24.0000ecódigoA6018C. Estedocumentofoiliberadonosautosem17/10/2017às12:01,écópiadooriginalassinadodigitalmenteporJORGELUIZDEBORBA. fls. 15
  • 7. ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA 7 Gabinete Desembargador Jorge Luiz de Borba se pretende, inviável cogitar da perda do interesse de agir; a mera existência de uma outra demanda, cujo escopo abrangeria a medida colimada nesta actio – específica quanto ao deságue de esgoto no Rio Linha Anta, em Criciúma –, em tese pode ensejar litispendência, continência ou coisa julgada, mas não a "perda de objeto". Ademais, a revogação da liminar antes deferida traz consigo risco de graves danos ao meio-ambiente, pois com isso, implicitamente, está-se autorizando temporariamente se renovem os lançamentos de resíduos sólidos no rio em questão. Assim, em vista da relevância na fundamentação recursal e no risco de dano grave ao meio-ambiente, estão preenchidos os requisitos do art. 1.012, § 4º, do CPC/2015. Ante o exposto, defiro o pedido retro e atribuo efeito suspensivo ao apelo interposto na ação civil pública n. 0902112-23.2014.8.24.0020, mantendo- se os efeitos da liminar anteriormente deferida até o julgamento do recurso. Comunique-se ao MM. Juízo a quo. Intimem-se e, esvaído o prazo recursal, arquivem-se, com as baixas cadastrais de estilo. Florianópolis, 16 de outubro de 2017 Desembargador Jorge Luiz de Borba Relator Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso8000506-98.2017.8.24.0000ecódigoA6018C. Estedocumentofoiliberadonosautosem17/10/2017às12:01,écópiadooriginalassinadodigitalmenteporJORGELUIZDEBORBA. fls. 16