Fisiologia – neuromuscular 2

1.287 visualizações

Publicada em

Aula de Fisiologia Neuromuscular - parte 2

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.287
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fisiologia – neuromuscular 2

  1. 1. FISIOLOGIA – NEUROMUSCULAR 2 Profª Ms. Andréa Gonçalves Brandão CREF2/RS: 4358-G E-mail: agbrandao@yahoo.com.br
  2. 2. ASPECTOS FISIOLOGICOS DO SISTEMA NEUROMUSCULAR- PLT CAP7 PÁG.80 A Fibra Muscular Esquelética Miofibrilas: os filamentos de Actina e Miosina Cada fibra muscular é formada por miofibrilas, que por sua vez contém cerca de 1500 filamentos de Miosina e 3000 filamentos de Actina, que são moléculas de proteína responsáveis pela contração muscular.  Os filamentos grossos são de Miosina e os finos de Actina, formando faixas claras e escuras alternadas (superpostas);  As faixas claras, só contém actina e formam as faixas I.  As faixas escuras, que contém filamentos de Miosina e as extremidades dos filamentos de actina, formam a faixa A.  Os filamentos de Actina estão fixados à membrana Z (disco/linha Z).  A porção de miofibrila situada entre duas sucessivas membranas Z é o Sarcômero.
  3. 3. ASPECTOS FISIOLOGICOS DO SISTEMA NEUROMUSCULAR- PLT CAP7 PÁG.82 A contração muscular A contração do músculo esquelético é voluntária e ocorre pelo deslizamento dos filamentos de actina sobre os de miosina. É na miofribila que se pode observar o mecanismo da contração muscular. Durante a mesma, os filamentos de actina (banda I) são tracionados em direção aos de miosina (banda A) - fato que ocorre quando da penetração dos íons de cálcio no interior do sarcoplasma. Ocorre, então, uma adesão dos prolongamentos transversais dos filamentos de miosina (pontes) aos filamentos delicados de actina. Os filamentos de miosina inclinam-se (como os movimentos do remo) ao passo que os filamentos de actina são puxados para o seu interior, em direção à zona H, ocorrendo, como conseqüência, o encurtamento do músculo, fato que pode ser observado a olho nu. LOGO:  os discos Z se aproximam das bandas A;  as bandas I se estreitam ;  não ocorre alteração na largura das bandas A, mas as mesmas ficam mais próximas e;  a zona H é obliterada.
  4. 4. ASPECTOS FISIOLOGICOS DO SISTEMA NEUROMUSCULAR- PLT CAP7 PÁG.82 A contração muscular
  5. 5. ASPECTOS FISIOLOGICOS DO SISTEMA NEUROMUSCULAR- PLT CAP7 PÁG.86 Tipos de contração muscular O termo contração refere-se ao desenvolvimento de tensão dentro do mesmo. Isto não implica, necessariamente, no encurtamento do mesmo.  Contração Isométrica - é quando um músculo desenvolve tensão insuficiente para mover uma parte do corpo contra uma dada resistência. Ex.: empurrar uma parede.  Contrações Isotônicas- é quando um músculo desenvolve tensão suficiente para mover uma parte do corpo contra uma dada resistência. Pode ser concêntrica ou excêntrica:  Contração concêntrica - quando um músculo desenvolve tensão suficiente para superar uma dada resistência, de modo que se encurte visivelmente e mova uma parte do corpo, vencendo a resistência. Ex.: o bíceps braquial, quando se eleva um peso.  Contração excêntrica - quando uma dada resistência é maior que a tensão desenvolvida pelo músculo, de modo que este, na verdade, se alongue. Embora o músculo esteja desenvolvendo tensão, ele é superado pela resistência. Ex.: o inverso da concêntrica, quando o bíceps braquial, na fase de descida, realiza a frenagem do movimento, aumentando seu comprimento.
  6. 6. ASPECTOS FISIOLOGICOS DO SISTEMA NEUROMUSCULAR- PLT CAP7 PÁG.86 A Unidade motora A unidade motora pode ser considerada como a unidade funcional fundamental da contração muscular. Cada fibra nervosa motora, que sai da medula espinhal, inerva, na maioria dos casos, muitas e diversas fibras musculares, com esse número variando na dependência do tipo de músculo. Todas as fibras musculares inervadas pela mesma fibra nervosa motora formam a Unidade Motora. Um valor médio para todos os músculos do corpo pode ser considerado como em torno de 150 fibras musculares em cada unidade motora.
  7. 7. ASPECTOS FISIOLOGICOS DO SISTEMA NEUROMUSCULAR Nutrição e Irrigação Sanguínea do músculo  O músculo é irrigado, imprescindivelmente, pelas artérias. Logo, é do sistema circulatório que ele recebe seu suprimento de oxigênio, açúcar e demais substâncias nutritivas. Cada artéria se divide em arteríolas menores, e estas, por sua vez, se dividem finalmente num número incrível de pequenos capilares situados no endomísio.  As paredes dos capilares são extremamente finas e possibilitam uma fácil passagem de substâncias necessárias, desde o sangue até a própria fibra muscular. Se a fibra muscular está inativa, suas necessidades metabólicas são exíguas, e pelos seus capilares circula pouco ou nenhum sangue. Quando se inicia o exercício, os metabólitos locais, originados pela contração muscular, dilatam os capilares, permitindo, assim, um influxo do
  8. 8. ASPECTOS FISIOLOGICOS DO SISTEMA NEUROMUSCULAR- PLT CAP7 PÁG.89 Tônus e Relaxamento  O relaxamento refere-se ao processo de relaxar - fase durante a qual diminui a força de contração - ou de inatividade ou ausência de qualquer contração.  O tônus muscular é o tugor residual ou sensação de firmeza que possui o músculo, mesmo quando relaxado. O tônus é função natural do tecido muscular e fibroso e da resposta do sistema nervoso ao estímulo.  Os músculos muito utilizados possuem um tônus maior do que os menos usados.
  9. 9. ASPECTOS FISIOLOGICOS DO SISTEMA NEUROMUSCULAR- PLT CAP7 PÁG.89 Contraturas - qualquer estado de resistência prolongada ao estiramento passivo de um músculo. Ex.: no caso de um corredor esgotado; ou pode ocorrer depois da imobilização de um membro com aparelho de gesso, de ruptura ou despregamento de um tendão, ou paralisia. Cãimbras - é uma contração involuntária, contínua e dolorosa nos músculos esqueléticos. Não se sabe ao certo se o fenômeno da Cãimbra têm origem no músculo, nos nervos periféricos ou na medula espinhal. Há evidências de que o início da cãimbra, durante intensas atividades físicas, resulte da perda de sódio e cloro, devido à sudorese, mas se desconhece as alterações no músculo ou no nervo. Estiramento - quando um músculo se estende, as bandas A permanecem constantes, as bandas I aumentam de comprimento, logo, os filamentos de actina são mobilizados para fora das bandas A e as zonas H tornam-se mais longas (proporcionalmente iguais ao comprimento das bandas I). Um músculo pode resistir a um estiramento com uma força maior do que ele desenvolve numa contração isométrica.
  10. 10. 1 ASPECTOS FISIOLOGICOS DO SISTEMA NEUROMUSCULAR- PLT CAP7 PÁG.89 Hipertrofia Muscular Quanto mais é usado um músculo, maior será seu tamanho e sua força. O aumento da massa muscular é chamada de Hipertrofia. Associada à hipertrofia muscular existe o aumento da eficiência da contração muscular visto que os músculos hipertrofiados armazenam quantidades muito aumentadas de glicogênio, de substâncias gordurosas e de outros nutrientes. Além disso, o número de miofibrilas contráteis também aumenta. Uma atividade muscular fraca, não resulta em hipertrofia significativa. A hipertrofia é o resultado de atividade muscular intensa, mesmo sendo realizada por alguns minutos. O tipo ideal de exercício para o aumento muscular são os resistidos ou isométricos. Atrofia Muscular Quando a inervação de um músculo é destruída, o músculo entra em atrofia – as fibras musculares começam a degenerar. Mesmo quando uma pessoa não usa muito seus músculos, os impulsos tônicos intermitentes são suficientes para manter o tônus muscular, mas sem esses impulsos, as fibras musculares, dentro de pouco tempo, atrofiam completamente.

×