A Logística Joga o Mercado Para Cima ou Para Baixo? 
São Salvador Hotéis e Convenções, 21 e 22 de Agosto de 2014
Operadores Logísticos: 
Um setor em transformação 
Apresentação: Carlos Cesar Meireles Vieira Filho 
Agosto de 2014
Data de Fundação: 
17 de Julho de 2012
Associados 
Em ordem alfabética
Associados 
Em ordem alfabética
Nacionalidades - Associados 
Argentina 
França 
Alemanha 
Estados Unidos 
Brasil 
Japão Rússia
Onde estamos 
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OPERADORES LOGÍSTICOS (ABOL) 
Centro Empresarial Mário Garnero – Torre Sul 
Av. Bri...
Posicionamento 
Institucional
Propósito 
Regulamentar as atividades dos Operadores 
Logísticos (OLs), estabelecendo marco legal 
que garanta segurança j...
Missão 
Representar as empresas operadoras logísticas junto 
aos órgãos governamentais, aos setores da 
economia, ao meio ...
Visão 
Ser, nos próximos 05 (cinco) anos, a entidade 
que melhor represente as empresas 
operadoras logísticas no Brasil, ...
Valores 
• Ética empresarial e associativa. 
• Respeito às leis nacionais e internacionais. 
• Compromisso com a verdade e...
Operador Logístico: 
Histórico e definição
“Se queres conhecer o passado, 
examina o presente que é o 
resultado; se queres conhecer o 
futuro, examina o presente qu...
A Década de 80 
Que Brasil era aquele? 
Gestão Privada: 
Origem dos Operadores Logísticos 
Transporte de Carga Armazém Ger...
A Década de 80 
Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? 
Constituição de 1988 
Fim da Guerra Fria 
(1945 – 1991) 
Queda do ...
A Década de 80 
Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? 
Constituição de 1988 
Fim da Guerra Fria 
(1945 – 1991) 
Queda do ...
A Década de 80 
Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? 
Constituição de 1988 
Fim da Guerra Fria 
(1945 – 1991) 
Queda do ...
A Década de 80 
Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? 
Constituição de 1988 
Fim da Guerra Fria 
(1945 – 1991) 
Queda do ...
1ª Metade da Década de 90 
A Lei 8.630/93 e as primeiras 
privatizações de portos, 
ferrovias e rodovias a partir de 
1995...
1ª Metade da Década de 90 
Dando adeus a década perdida (1980) 
com a efervescência de novos tempos!!! 
= Formam-se os Blo...
1ª Metade da Década de 90 
Dando adeus a década perdida (1980) 
com a efervescência de novos tempos!!! 
= Formam-se os Blo...
1ª Metade da Década de 90 
Dando adeus a década perdida (1980) 
com a efervescência de novos tempos!!! 
= Formam-se os Blo...
1ª Metade da Década de 90 
Dando adeus a década perdida (1980) 
com a efervescência de novos tempos!!! 
= Formam-se os Blo...
2ª Metade da Década de 90 
Governo FHC (1995 – 2002): 
compromisso com a estabilidade econômica. 
Globalização demanda mai...
2ª Metade da Década de 90 
Os desdobramentos e os impactos para o setor... 
• Primeiros PSLs / 3PLs estrangeiros aportam n...
2ª Metade da Década de 90 
Os desdobramentos e os impactos para o setor... 
• Primeiros PSLs / 3PLs estrangeiros aportam n...
2ª Metade da Década de 90 
Os desdobramentos e os impactos para o setor... 
• Primeiros PSLs / 3PLs estrangeiros aportam n...
O Século XXI (a 1ª década) 
A terceirização veio para ficar!!! 
Criação das Agências Reguladoras: 08 anos 
após a Lei 8.63...
O Século XXI (a 1ª década) 
Derrubada das Torres 
Gêmeas (11/09/2001) 
A Crise de 2008
O Século XXI (a 1ª década) 
Derrubada das Torres 
Gêmeas (11/09/2001) 
A CrFisae tdoes 2 0p0o8líticos geram 
forte insegur...
O Século XXI (a 1ª década) 
Derrubada das Torres 
Gêmeas (11/09/2001) 
Em decorrência: 
A Crise de 2008 
Demanda por soluç...
O Século XXI (a 1ª década) 
Governo Lula (2003 – 2010): Inserção das classes “C” e “D”. 
Criação das Agências Reguladoras ...
O Século XXI (a 1ª década) 
Governo Lula (2003 – 2010): Inserção das classes “C” e “D”. 
Criação das Agências Reguladoras ...
O Século XXI (os dias atuais) 
Infraestrutura precária => 
gargalos e entraves ao 
crescimento econômico!! 
Falta de clare...
O Século XXI (os dias atuais) 
Infraestrutura precária => 
gargalos e entraves ao 
crescimento econômico!! 
Falta de clare...
O Século XXI (os dias atuais) 
Infraestrutura precária => 
gargalos e entraves ao 
crescimento econômico!! 
Falta de clare...
O Século XXI (os dias atuais) 
Crise na Europa, baixo 
crescimento dos EUA e 
desaceleração nos 
emergentes!!! 
Freio no c...
O Século XXI (os dias atuais) 
Crise na Europa, baixo 
crescimento dos EUA e 
desaceleração nos 
emergentes!!! 
Freio no c...
Assim, a figura dos Operadores 
Logísticos (OLs), como conhecemos 
hoje, vem sendo constituída ao 
longo dos últimos 25 an...
Definição 
Operador Logístico (OL) é um 
Prestador de Serviços Logísticos (PSL) 
especializado em gerenciar e 
operar, de ...
Definição 
Operador Logístico (OL) é um 
Prestador de Serviços Logísticos (PSL) 
especializado em gerenciar e 
operar, de ...
Operador Logístico: 
Números do setor
Números do Setor(*) 
• Estima-se que no país são cerca de 300 
Prestadores de Serviços Logísticos (PSLs), dos 
quais 145 s...
Números da ABOL(*) 
• Os 19 associados da ABOL representam cerca 
de 28% do grupo dos maiores OLs. 
• Estão em todos os es...
Fatos Relevantes 
sobre os OLs
Tudo o que é produzido no país; tudo o que é 
importado e/ou exportado; tudo o que se 
consome, passa, invariavelmente, 
p...
O Operador Logístico (OL) pode ou não ter 
ativos próprios, mas gerencia todos os 
recursos necessários para o aporte de 
...
O Operador Logístico (OL) pode ou não ter 
ativos próprios, mas gerencia todos os 
recursos necessários para o aporte de 
...
O Operador Logístico (OL) pode ou não ter 
ativos próprios, mas gerencia todos os 
recursos necessários para o aporte de 
...
Operadores Logísticos (OLs) 
estão academicamente definidos, 
atuam na prática, mas 
não estão regulamentados.
Os OLs integram e 
gerenciam toda a 
cadeia logística
• Transportes de carga nos seus vários serviços (coleta, 
distribuição, transferência, transporte doméstico, 
internaciona...
• Centros de consolidação e distribuição. 
• Agenciamento de carga (aérea, marítima, rodo-ferro-hidroviária). 
• Documenta...
Os OLs atuam em 
todos os setores da 
economia
• Alimentos e bebidas. 
• Automotivo e autopeças. 
• Aviação e aeronáutica. 
• Agronegócio 
(commodities). 
• Agropecuária...
Os Marcos Legais 
As Classificações Nacionais de Atividade 
Econômica (CNAEs)
= Setores não regulados ou com vazios 
regulatórios. 
As CNAEs das Atividades Logísticas 
4911-6 - Transporte 
Ferroviário...
= Setores não regulados ou com vazios 
regulatórios. 
As CNAEs das Atividades Logísticas 
4911-6 - Transporte 
Ferroviário...
Pauta Regulatória 
Da Auto-regulação a Regulamentação...
1. Contextualização do setor. 
2. Análise benchmarking – melhores referenciais. 
3. Marco Jurídico das leis que regem as a...
1. Revisão das leis que regem as atividades dos OLs 
(ex. Lei nº 9.611/1998 - OTM e Decreto nº 
1.102/1903 – Arm. Gerais)....
1. Revisão das leis que regem as atividades dos OLs 
(ex. Lei nº 9.611/1998 - OTM e Decreto nº 
1.102/1903 – Arm. Gerais)....
Referências Bibliográficas
• GUEDES, Paulo Roberto, Tendências dos Operadores Logísticos, Revista Mundo 
Logística, Curitiba, Janeiro, 2013. 
• _____...
• REVISTA TECNOLOGÍSTICA, Especial Operadores Logísticos 2013 – ABOL: 
Associação busca reconhecimento da atividade, Ano X...
Obrigado!!! 
Carlos Cesar Meireles Vieira Filho 
Fone ABOL: (11) 3192-3939 
Fone Celular: (11) 9.8865-9119 
E-mail ABOL: c...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Operadores Logísticos: Um setor em transformação

1.422 visualizações

Publicada em

Carlos Cesar Meireles Vieira Filho - ABOL

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.422
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
68
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
59
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Operadores Logísticos: Um setor em transformação

  1. 1. A Logística Joga o Mercado Para Cima ou Para Baixo? São Salvador Hotéis e Convenções, 21 e 22 de Agosto de 2014
  2. 2. Operadores Logísticos: Um setor em transformação Apresentação: Carlos Cesar Meireles Vieira Filho Agosto de 2014
  3. 3. Data de Fundação: 17 de Julho de 2012
  4. 4. Associados Em ordem alfabética
  5. 5. Associados Em ordem alfabética
  6. 6. Nacionalidades - Associados Argentina França Alemanha Estados Unidos Brasil Japão Rússia
  7. 7. Onde estamos ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OPERADORES LOGÍSTICOS (ABOL) Centro Empresarial Mário Garnero – Torre Sul Av. Brig. Faria Lima, nº 1.461 – 6º Andar – Cj. 61 – Sl. 04 Cep.: 01.452-002 – Pinheiros – São Paulo – SP Fone: (11)3192-3939 / (11)9.8865-9119 www.abolbrasil.org.br
  8. 8. Posicionamento Institucional
  9. 9. Propósito Regulamentar as atividades dos Operadores Logísticos (OLs), estabelecendo marco legal que garanta segurança jurídica, com o objetivo de assegurar a competitividade e sustentabilidade do setor no longo prazo.
  10. 10. Missão Representar as empresas operadoras logísticas junto aos órgãos governamentais, aos setores da economia, ao meio acadêmico e à sociedade civil em geral, no Brasil e no Exterior, zelando pela imagem dos associados, na defesa do marco regulatório das atividades pertinentes, mantendo-se atualizada quanto às melhores práticas e tecnologias envolvidas.
  11. 11. Visão Ser, nos próximos 05 (cinco) anos, a entidade que melhor represente as empresas operadoras logísticas no Brasil, contribuindo para a segurança jurídica de suas atividades, para o aperfeiçoamento do setor, e para a competitividade e sustentabilidade no longo prazo.
  12. 12. Valores • Ética empresarial e associativa. • Respeito às leis nacionais e internacionais. • Compromisso com a verdade e a transparência. • Comprometimento com a livre concorrência. • Valorização das pessoas. • Comprometimento com a inovação, boas práticas e desenvolvimento tecnológico. • Respeito aos associados e parceiros. • Atuação responsável.
  13. 13. Operador Logístico: Histórico e definição
  14. 14. “Se queres conhecer o passado, examina o presente que é o resultado; se queres conhecer o futuro, examina o presente que é a causa.” Confúcio (550 a.c. – 479 a.c.), pensador e filósofo chinês
  15. 15. A Década de 80 Que Brasil era aquele? Gestão Privada: Origem dos Operadores Logísticos Transporte de Carga Armazém Geral Gestão Pública Hiperinflação TRAs: 1987 ABTRA: 1989
  16. 16. A Década de 80 Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? Constituição de 1988 Fim da Guerra Fria (1945 – 1991) Queda do Muro de Berlim (1989)
  17. 17. A Década de 80 Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? Constituição de 1988 Fim da Guerra Fria (1945 – 1991) Queda do Muro de Berlim (1989)
  18. 18. A Década de 80 Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? Constituição de 1988 Fim da Guerra Fria (1945 – 1991) Queda do Muro de Berlim (1989)
  19. 19. A Década de 80 Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? Constituição de 1988 Fim da Guerra Fria (1945 – 1991) Queda do Muro de Berlim (1989)
  20. 20. 1ª Metade da Década de 90 A Lei 8.630/93 e as primeiras privatizações de portos, ferrovias e rodovias a partir de 1995... A Era Collor e a Abertura de Mercado (1990 – 1992) Gov. Itamar Franco (1994): Fim da Inflação Início dos anos 90 (1991 – 1995)
  21. 21. 1ª Metade da Década de 90 Dando adeus a década perdida (1980) com a efervescência de novos tempos!!! = Formam-se os Blocos Econômicos = Tratado de Maastricht, 1992 – Comunidade Europeia Tratado de Assunção, 1991 – Mercosul
  22. 22. 1ª Metade da Década de 90 Dando adeus a década perdida (1980) com a efervescência de novos tempos!!! = Formam-se os Blocos Econômicos = Tratado de Maastricht, 1992 – Comunidade Europeia Tratado de Assunção, 1991 – Mercosul
  23. 23. 1ª Metade da Década de 90 Dando adeus a década perdida (1980) com a efervescência de novos tempos!!! = Formam-se os Blocos Econômicos = Tratado de Maastricht, 1992 – Comunidade Europeia Tratado de Assunção, 1991 – Mercosul
  24. 24. 1ª Metade da Década de 90 Dando adeus a década perdida (1980) com a efervescência de novos tempos!!! = Formam-se os Blocos Econômicos = Tratado de Maastricht, 1992 – Comunidade Europeia Tratado de Assunção, 1991 – Mercosul
  25. 25. 2ª Metade da Década de 90 Governo FHC (1995 – 2002): compromisso com a estabilidade econômica. Globalização demanda mais integração das cadeias de valor e Melhores Serviços Logísticos. Estrutura-se o conceito de Prestador de Serviços Logísticos (PSL / 3PL)
  26. 26. 2ª Metade da Década de 90 Os desdobramentos e os impactos para o setor... • Primeiros PSLs / 3PLs estrangeiros aportam no Brasil 1995 1997 1998 • Ciclos de produção / comercial se encurtam demandando um PSL / 3PL mais completo...
  27. 27. 2ª Metade da Década de 90 Os desdobramentos e os impactos para o setor... • Primeiros PSLs / 3PLs estrangeiros aportam no Brasil 1995 1997 1998 • Ciclos de produção / comercial se encurtam demandando um PSL / 3PL mais completo...
  28. 28. 2ª Metade da Década de 90 Os desdobramentos e os impactos para o setor... • Primeiros PSLs / 3PLs estrangeiros aportam no Brasil 1995 1997 1998 • Ciclos de produção / comercial se encurtam demandando um PSL / 3PL mais completo...
  29. 29. O Século XXI (a 1ª década) A terceirização veio para ficar!!! Criação das Agências Reguladoras: 08 anos após a Lei 8.630/93... 2001 2001 2005
  30. 30. O Século XXI (a 1ª década) Derrubada das Torres Gêmeas (11/09/2001) A Crise de 2008
  31. 31. O Século XXI (a 1ª década) Derrubada das Torres Gêmeas (11/09/2001) A CrFisae tdoes 2 0p0o8líticos geram forte insegurança mundial!
  32. 32. O Século XXI (a 1ª década) Derrubada das Torres Gêmeas (11/09/2001) Em decorrência: A Crise de 2008 Demanda por soluções logísticas de baixo custo, elevada segurança (ISPS Code) e eficiência...
  33. 33. O Século XXI (a 1ª década) Governo Lula (2003 – 2010): Inserção das classes “C” e “D”. Criação das Agências Reguladoras (08 anos após a Lei 8.630/93) 2001 2005 2001 Novo mercado de consumo demanda logística mais eficiente... Terceirização começa a ser vista como Governança melhoria de qualidade e redução de custo!!! Sustentabilidade Gestão Integrada Competitividade Redução de Custo Eficiência Operacio-nal Nova Agenda Corporativa
  34. 34. O Século XXI (a 1ª década) Governo Lula (2003 – 2010): Inserção das classes “C” e “D”. Criação das Agências Reguladoras (08 anos após a Lei 8.630/93) 2001 2005 2001 Novo mercado de consumo demanda logística mais eficiente... Terceirização começa a ser vista como Governança melhoria de qualidade e redução de custo!!! Sustentabilidade Gestão Integrada Competitividade Redução de Custo Eficiência Operacio-nal Nova Agenda Corporativa
  35. 35. O Século XXI (os dias atuais) Infraestrutura precária => gargalos e entraves ao crescimento econômico!! Falta de clareza dos marcos regulatórios e insegurança jurídica frustram concessões no governo Dilma!!
  36. 36. O Século XXI (os dias atuais) Infraestrutura precária => gargalos e entraves ao crescimento econômico!! Falta de clareza dos marcos regulatórios e insegurança jurídica frustram concessões no governo Dilma!!
  37. 37. O Século XXI (os dias atuais) Infraestrutura precária => gargalos e entraves ao crescimento econômico!! Falta de clareza dos marcos regulatórios e insegurança jurídica frustram concessões no governo Dilma!!
  38. 38. O Século XXI (os dias atuais) Crise na Europa, baixo crescimento dos EUA e desaceleração nos emergentes!!! Freio no crescimento econômico mundial!!!
  39. 39. O Século XXI (os dias atuais) Crise na Europa, baixo crescimento dos EUA e desaceleração nos emergentes!!! Freio no crescimento econômico mundial!!!
  40. 40. Assim, a figura dos Operadores Logísticos (OLs), como conhecemos hoje, vem sendo constituída ao longo dos últimos 25 anos...
  41. 41. Definição Operador Logístico (OL) é um Prestador de Serviços Logísticos (PSL) especializado em gerenciar e operar, de modo integrado, as atividades logísticas, nas várias etapas da cadeia de suprimentos e distribuição de seus clientes produtores e embarcadores, agregando valor e utilidade aos seus processos e produtos, com capacidade e competência para, no mínimo e simultaneamente, prestar serviços em três atividades básicas:
  42. 42. Definição Operador Logístico (OL) é um Prestador de Serviços Logísticos (PSL) especializado em gerenciar e operar, de modo integrado, as atividades logísticas, nas várias etapas da cadeia de suprimentos e distribuição de seus clientes produtores e embarcadores, agregando valor e utilidade aos seus processos e produtos, com capacidade e competência para, no mínimo e simultaneamente, prestar serviços em três atividades básicas:
  43. 43. Operador Logístico: Números do setor
  44. 44. Números do Setor(*) • Estima-se que no país são cerca de 300 Prestadores de Serviços Logísticos (PSLs), dos quais 145 são de médio a grande porte, com receita bruta anual de R$49 bilhões. • O setor cresce a taxas bem superiores ao PIB e movimenta mais de R$520 bilhões em gastos logísticos, i.e. cerca de 11,5% do PIB. (*) Fonte: ILOS apud Valor Setorial , 2014 – Logística / Revista Tecnologística nº 223 – Jun.2014
  45. 45. Números da ABOL(*) • Os 19 associados da ABOL representam cerca de 28% do grupo dos maiores OLs. • Estão em todos os estados brasileiros, operam em todos os setores da economia, prestando todo o elenco de serviços logísticos, empregando mais de 50 mil pessoas tanto nas grandes cidades quanto nos rincões mais distantes do país. (*) Fonte: ABOL – Associação Brasileira de Operadores Logísticos – dados estimados.
  46. 46. Fatos Relevantes sobre os OLs
  47. 47. Tudo o que é produzido no país; tudo o que é importado e/ou exportado; tudo o que se consome, passa, invariavelmente, por um Operador Logístico (OL). Ele atua em suas próprias instalações e/ou nas instalações dos clientes (in house).
  48. 48. O Operador Logístico (OL) pode ou não ter ativos próprios, mas gerencia todos os recursos necessários para o aporte de soluções completas na prestação de serviços logísticos, responsabilizando-se pela efetiva gestão de todo o processo crítico dos seus clientes.
  49. 49. O Operador Logístico (OL) pode ou não ter ativos próprios, mas gerencia todos os recursos necessários para o aporte de soluções completas na prestação de serviços logísticos, responsabilizando-se pela efetiva gestão de todo o processo crítico dos seus clientes.
  50. 50. O Operador Logístico (OL) pode ou não ter ativos próprios, mas gerencia todos os recursos necessários para o aporte de soluções completas na prestação de serviços logísticos, responsabilizando-se pela efetiva gestão de todo o processo crítico dos seus clientes.
  51. 51. Operadores Logísticos (OLs) estão academicamente definidos, atuam na prática, mas não estão regulamentados.
  52. 52. Os OLs integram e gerenciam toda a cadeia logística
  53. 53. • Transportes de carga nos seus vários serviços (coleta, distribuição, transferência, transporte doméstico, internacional, carga expressa e gestão de transportes) e vários modais (rodo-ferro-hidro-aero-dutoviários). • Terminais intermodais e multimodais. • Armazenagem geral e alfandegada (seca, granel e frigorificada). • Terminais portuários e retroportuários alfandegados (carga contêinerizada, frigorificada, veículos e granéis).
  54. 54. • Centros de consolidação e distribuição. • Agenciamento de carga (aérea, marítima, rodo-ferro-hidroviária). • Documentação internacional e desembaraço aduaneiro. • Gerenciamento de estoque e controle de inventário. • Gerenciamento de pedidos e entregas. • Montagens de kits, processos e serviços de valor agregado. • Projetos e desenhos de soluções logísticas. • Gestão de outros PSLs. • Logística Reversa.
  55. 55. Os OLs atuam em todos os setores da economia
  56. 56. • Alimentos e bebidas. • Automotivo e autopeças. • Aviação e aeronáutica. • Agronegócio (commodities). • Agropecuária. • Bens de consumo em largo espectro. • Cargas vivas e frigorificadas. • Comércio eletrônico. • Construção civil. • Cosméticos. • Eletroeletrônicos e telecomunicações. • Fármacos e domissaneantes. • Meio-ambiente. • Metal-mecânico. • Mineração. • Óleo & gás. • Petroquímicos. • Químicos e agroquímicos. • Saúde humana e animal. • Suprimento bancário. • Têxteis e confecções.
  57. 57. Os Marcos Legais As Classificações Nacionais de Atividade Econômica (CNAEs)
  58. 58. = Setores não regulados ou com vazios regulatórios. As CNAEs das Atividades Logísticas 4911-6 - Transporte Ferroviário de Carga. Operador Logístico (OL) = Não dispõe de CNAE = 4930-2 - Transporte Rodoviário de Carga. 5212-5 - Carga e Descarga. 5211-7 - Armazenamento. 5211-7/01 - Armazéns Gerais – Emissão de Warrant. 5211-7/99 - Depósitos de Mercadorias para Terceiros, Exceto Armazéns Gerais e Guarda Móveis. 5011-4 - Transporte Marítimo de Cabotagem. 5012-2 - Transporte Marítimo de Longo Curso. 5021-1 - Transporte por Navegação Interior de Carga. 5120-0 - Transporte Aéreo de Carga 5231-1 - Gestão de Portos e Terminais: 5231-1/02 - Operações de Terminais. 5232-0 - Atividades de Agenciamento Marítimo. 5250-8 - Atividades Relacionadas à Organização de Transporte de Carga: 5250-8/01 - Comissária de Despacho. 5250-8/02 - Atividades de Despachantes Aduaneiros. 5250-8/03 - Agenciamento de Cargas, Exceto para o Transporte Marítimo. 5250-8/04 - Organização Logística do Transporte de Carga. 5250-8/05 – Operador de Transporte Multimodal (OTM). 5320-2 - Atividades de Malote e de Entrega: 5320-2/01 - Serviço de Malote Não Realizado pelo Correio Nacional. = Setores regulados
  59. 59. = Setores não regulados ou com vazios regulatórios. As CNAEs das Atividades Logísticas 4911-6 - Transporte Ferroviário de Carga. Operador Logístico (OL) = Não dispõe de CNAE = 4930-2 - Transporte Rodoviário de Carga. 5212-5 - Carga e Descarga. 5211-7 - Armazenamento. 5211-7/01 - Armazéns Gerais – Emissão de Warrant. 5211-7/99 - Depósitos de Mercadorias para Terceiros, Exceto Armazéns Gerais e Guarda Móveis. 5011-4 - Transporte Marítimo de Cabotagem. 5012-2 - Transporte Marítimo de Longo Curso. 5021-1 - Transporte por Navegação Interior de Carga. 5120-0 - Transporte Aéreo de Carga 5231-1 - Gestão de Portos e Terminais: 5231-1/02 - Operações de Terminais. 5232-0 - Atividades de Agenciamento Marítimo. 5250-8 - Atividades Relacionadas à Organização de Transporte de Carga: 5250-8/01 - Comissária de Despacho. 5250-8/02 - Atividades de Despachantes Aduaneiros. 5250-8/03 - Agenciamento de Cargas, Exceto para o Transporte Marítimo. 5250-8/04 - Organização Logística do Transporte de Carga. 5250-8/05 – Operador de Transporte Multimodal (OTM). 5320-2 - Atividades de Malote e de Entrega: 5320-2/01 - Serviço de Malote Não Realizado pelo Correio Nacional. = Setores regulados
  60. 60. Pauta Regulatória Da Auto-regulação a Regulamentação...
  61. 61. 1. Contextualização do setor. 2. Análise benchmarking – melhores referenciais. 3. Marco Jurídico das leis que regem as atividades dos OLs. 4. Norma de Pré-qualificação dos OLs. 5. Código Brasileiro de Boas Práticas Empresariais em Logística. 6. Certificação de Qualificação e Selo ABOL de Boas Práticas em Gestão de Logística Empresarial. 7. Índice de Performance Logística (LPI)
  62. 62. 1. Revisão das leis que regem as atividades dos OLs (ex. Lei nº 9.611/1998 - OTM e Decreto nº 1.102/1903 – Arm. Gerais). 2. Estabelecimento da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) para os OLs. 3. Inserção na Norma Brasileira de Serviço (NBS). 4. Inserção dos OLs no Código Comercial Brasileiro.
  63. 63. 1. Revisão das leis que regem as atividades dos OLs (ex. Lei nº 9.611/1998 - OTM e Decreto nº 1.102/1903 – Arm. Gerais). 2. Estabelecimento da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) para os OLs. 3. Inserção na Norma Brasileira de Serviço (NBS). 4. Inserção dos OLs no Código Comercial Brasileiro.
  64. 64. Referências Bibliográficas
  65. 65. • GUEDES, Paulo Roberto, Tendências dos Operadores Logísticos, Revista Mundo Logística, Curitiba, Janeiro, 2013. • _____________________, Novas Exigências se Impõem aos Operadores Logísticos, Revista Mundo Logística, Curitiba, Dezembro, 2012. • _____________________, Importância Estratégica da Logística Caracteriza Operadores de Serviços Logísticos, Revista Mundo Logística, Curitiba, Outubro, 2012. • _____________________, O Crescimento dos Gastos Logísticos no Brasil e no Mundo, Revista Mundo Logística, Curitiba, Junho, 2012. • OLIVEIRA NEVES, Marco Antônio, Por que e Como Contratar um Operador Logístico, Revista Mundo Logística, Ano VI, nº 35, Julho & Agosto, 2013, Editora MAG, Curitiba, 2013. • PANORAMA INSTITUTO ILOS, Operadores Logísticos e Ferrovias, ILOS – Instituto de Logística e Supply Chain, Rio de Janeiro, 2013. • PANORAMA LOGÍSTICO, Terceirização Logística no Brasil, CEL/Coppead, Rio de Janeiro, 2009. • RESENDE, Paulo, Custos Logísticos no Brasil, Fundação Dom Cabral, Minas Gerais, 2013.
  66. 66. • REVISTA TECNOLOGÍSTICA, Especial Operadores Logísticos 2013 – ABOL: Associação busca reconhecimento da atividade, Ano XIX, nº 211, Publicare, São Paulo, Junho, 2013. • REVISTA VALOR SETORIAL, Especial Logística: Ajuste Estratégico, Valor Econômico S.A., São Paulo, Março, 2013. • SHEFFI, Yosef, Logistics Clusters: delivering value and driving growth, Massachusetts Institute of Technology, Cambridge, MA, USA, 2012. • VIEIRA FILHO, Carlos Cesar Meireles, Operador Logístico: Importância e Perspectiva Futura, Revista do II Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes, Instituto BESC de Humanidades e Economia, Belo Horizonte, Dezembro, 2013. • ______________________________, Operador Logístico: Centro de Inteligência de Distribuição, Revista Transpodata, Especial Viatranspo, Ano 6, nº 46, Letra Editora, São Paulo, Outubro/Novembro, 2013. • ______________________________, Evolução e Futuro dos Operadores Logísticos. Revista Tecnologística (online), dia 26/04/2013, Publicare, São Paulo, 2013. http://www.tecnologistica.com.br/artigos/evolucao-e-futuro-dos-operadores-logisticos/
  67. 67. Obrigado!!! Carlos Cesar Meireles Vieira Filho Fone ABOL: (11) 3192-3939 Fone Celular: (11) 9.8865-9119 E-mail ABOL: cesar.meireles@abolbrasil.org.br Home Page: www.abolbrasil.org.br

×