Espaço industrial novo

4.698 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.698
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.482
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Espaço industrial novo

  1. 1. Profª Nilza M. P. Alonso
  2. 2. A atividade industrial faz parte do SETOR SECUNDÁRIO DE PRODUÇÃO. Ela está ligada à TRANSFORMAÇÃO de matérias primas diversas em diferentes tipos de produtos. Sua dinâmica relaciona-se às CONSTANTES INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS.A produção do açúcar e suacadeia produtiva, no séc.XVI e hoje
  3. 3. Objetos de cerâmica (argila), alimentos (farinha), tecidos, armas e jóias, já eram produzidos desde as mais antigas civilizações: são produtos cujas técnicas de produção antecedem a Revolução Industrial – e são classificadas como artesanato e manufatura.A transformação de produtos sempre existiu e serelaciona à própria evolução da humanidade.Tecidos, roupas, alimentos, jóias, armas,ferramentas de trabalho são encontradas nasmais diferentes civilizações.Artesanato, manufatura e maquinofatura foramas formas de transformação que antecederam a chamada REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
  4. 4. PRODUÇÃO ARTESANAL E MANUFATUREIRA•A produção artesanal se caracteriza pelotrabalho solitário do artesão – no máximocom ajudante ou aprendiz – que realizatodas as etapas de produção, apenas comferramentas simples. O artesanato,bastante difundido na Europa e em muitascolônias até o século XVII, tem suaprodução voltada para mercados restritose foi perdendo espaço como atividadeeconômica na medida em que asmáquinas foram sendo aperfeiçoadas,embora não tenha desaparecidototalmente.•A produção manufatureira surgiu noséculo XVII e pode ser considerada umaetapa intermediária entre o artesanato e aindústria, na qual já se utilizavammáquinas muito simples, mas o trabalhomanual ainda era o fator principal daprodução. Nessa etapa muitostrabalhadores eram reunidos em grandesoficinas, o trabalho era dividido e a mão deobra assalariada
  5. 5. As sucessivas INOVAÇÕESTECNOLÓGICAS geraram inúmeras transformações e estão na base de funcionamento do SISTEMA CAPITALISTA DE PRODUÇÃO, que desde o século XVI, tem sido o principal responsável pelos processos de organização do espaço.
  6. 6. Cada etapa da evoluçãohumana permitiu oDESENVOLVIMENTO DE NOVASTECNOLOGIAS e de novasformas de se “domar” a naturezae transformá-la para criar bens,mercadorias, produtos e serviços. Tudo isso só se tornoupossível com o uso deMATÉRIAS–PRIMAS e ENERGIA...buscadas em qualquer parte doplaneta para atender asdemandas cada vez maiores dassociedades humanas. Mas é com a estruturaçãoe expansão do SISTEMACAPITALISTA MUNDIAL, a partirdo século XVI, que astransformações e os processosligados à PRODUÇÃO e aoCONSUMO atingiram níveis cadavez maiores.
  7. 7. FEUDALISMO A cada etapa de evolução capitalista ocorrem mudanças nas relações econômicas, políticas e socioculturais, que se estabelecem entre os países capitalistas centrais e suas periferias, responsáveis pela organização dos espaços nacionais e mundial.
  8. 8. G L O B A L I Z A Ç Ã OO mundo em que vivemos e todas as características associadas a ele,foram estruturadas a partir do final da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Esse conjunto de transformações desembocam no que échamado, hoje, de GLOBALIZAÇÃO.
  9. 9. Cada etapa de evolução capitalista privilegiou uma determinada atividade econômica : O comércio, na fase MERCANTILISTA criou as pré-condições de acumulação primitiva de capitais e a ascensão de potências europeias, que organizam o espaço mundial à sua imagem e semelhança. Mas, as principais transformações foram desencadeadas pelaREVOLUÇÃO INDUSTRIAL e o rápido desenvolvimento dossistemas de transportes e comunicações, que “encolheu” os espaços e acelerou o tempo
  10. 10. A INDÚSTRIAÉ O SETOR MAIS DINÂMICO DA ECONOMIA. ELA AFETA TODOS OS DEMAIS SETORES DEPRODUÇÃO E É CONSIDERADA COMO FATOR DE SETORES DESENVOLVIMENTO QUATERNÁRIO E QUINÁRIO SETOR PRIMÁRIO CAPITAIS MATÉRIAS-PRIMAS (FINANCEIRO ALIMENTOS RECURSOS MINERAIS TECNOLÓGICO IMOBILIZADO) SETOR TERCIÁRIO INDÚSTRIA INFRAESTRUTURA TRANSPORTE ENERGIA RELAÇÕES DE COMÉRCIO E SEVIÇOS PRODUÇÃO MÃO-DE-OBRA &CONSUMO MERCADO CONSUMIDOR
  11. 11. A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL que se inicia no final doséculo XVIII é responsável por um conjunto detransformações entre o homem e a natureza; entre ohomem e as relações de trabalho. As máquinas mudaramas formas de trabalho e os processos produtivos. Asfábricas passam a se concentrar em regiões próximas àsfontes de matérias-primas e grandes portos, ocasionando asgrandes concentrações urbano-industriais. Muitosoperários vinham das áreas rurais e cumpriam jornadasde 12 a 14 horas em condições adversas. A legislação sósurgiu muito lentamente ao longo do século XIX e adiminuição da jornada só se concretiza no início do séculoXX.
  12. 12. CADA ETAPA DEEVOLUÇÃOCAPITALISTA MARCAAS RELAÇÕESPOLÍTICAS EECONÔMICAS ENTREOS PAÍSESCAPITALISTASCENTRAIS E OSPAÍSESPERIFÉRICOS. É ACHAMADA DIVISÃOINTERNACIONAL DOTRABALHO (DIT).NO MUNDO ATUAL ADIT É ESTABELECIDAEM FUNÇÃO DOSFLUXOS DECAPITAIS.
  13. 13. A atividadeindustrialapresenta-seCONCENTRADA.Essaconcentraçãodepende daexistência decondiçõesfavoráveis àsuaimplantação:são oschamadosFATORESLOCACIONAIS
  14. 14. FATORES LOCACIONAISDisponibilidade de capitais (financeiro etecnológico)Infraestrutura de transportes ecomunicaçõesFontes de energiaIncentivos governamentaisInfraestrutura de transportes ecomunicaçõesDisponibilidade de água e matériasprimasMercado consumidor
  15. 15. ETAPAS DE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE INDUSTRIAL PRINCIPAIS DIT MATÉRIAS- TIPO DE ÁREAS (divisãoPERÍODO MATRIZ ENERGÉTICA PRIMAS MAIS INDÚSTRIA VALORIZADAS PREDOMINANTE URBANO- internacional do INDUSTRIAIS trabalho) CARVÃO, SIDERURGIA, PAÍSES CLÁSSICA FERRO, METALÚRGICA CENTRAIS PAÍSES 1ª MANGANÊS , MECÂNICA, Grã-Bretanha, INDUSTRIALI CARVÃO MINERALRevolução , MATERIAL DE França, ZADOS X (MÁQUINAS AIndustrial FIBRAS TRANSPORTES Alemanha, PAÍSES VAPOR)séc XVIII TÊXTEIS (FERROVIAS, Estados PRODUTORES (ALGODÃO IND. NAVAL), Unidos, DE MATÉRIAS- ) TÊXTEIS Rússia. PRIMAS principalment e nos PAÍSES CLÁSSICA PETRÓLEO QUÍMICA CENTRAIS iniciam-se 2ª HIDROELETRICIDA PETROQUÍMIC inicia-se transformaçõe PETRÓLEORevolução DE A o PROCESSO s em função MATÉRIAS-Industrial MATERIAL DE da expansão PRIMAS final do DE SUBSTITUIÇÃ de diversas séc XIX TRANSPORTES O DAS investimentos que até 2ª (VEÍCULOS IMPORTAÇÕE dos países atendem às Guerra AUTOMOTORE S em centrais para indústrias Mundial S, MATERIAL determinados os NIC’s, e de bens de ELÉTRICO, países novas formas produção e INDÚSTRIAS periféricos de relações de de DE BENS de (custo de trocas consumo PRODUÇÃO E produção e internacionais CONSUMO crises nas (capitais X (duráveis e economias empréstimos, não-duráveis), centrais) juros)
  16. 16. ETAPAS DE EVOLUÇÂO DA ATIVIDADE INDUSTRIAL (continuação) MATÉRIAS- PRIMAS TIPO DE PRINCIPAIS PERÍODO MATRIZ ENERGÉTICA MAIS INDÚSTRIA ÁREAS URBANO- DIT VALORIZAD PREDOMINANTE INDUSTRIAIS AS transferência Nova divisão mantêm-se o uso BÉLICA das unidades internacional do carvão, AEROESPACIA de produção do trabalho: petróleo e L para os PAÍSES 3ª hidroelétricas INFORMÁTICA PAÍSES CENTRAIS sãoRevolução ENERGIA ROBÓTICA PERIFÉRICOS fornecedoresIndustrial NUCLEAR amplia-se TELECOMUNIC os de capitais ea partir da FONTES o leque de AÇÕES PAÍSES tecnologias2ª Guerra ALTERNATIVAS DE opções: BIOTECNOLOG CENTRAIS PAÍSES Mundial ENERGIA novos IA permanecem PERIFÉRICOS (Biocombustíveis) materiais (ligadas à como centros (NIC’s) com chamada de receptores de destaque revolução investimento, investimentos para o uso técnico- gestão, e empresas, do silício científica controle e exportam, novas informacional) planejamento além de ligas das atividades produtos, metálicas econômicas. também Atuam em capitais. todo o planeta através de empresas multi e transnacionais
  17. 17. A atividade industrial cria diferentes FLUXOS e PROCESSOS que dinamizam os setores de produção, integram os espaços geográficos e explicam as relações socioeconômicas,políticas e culturais dos diferentes países.
  18. 18. COMO SE REALIZA A PRODUÇÃO FINANCEIRO CAPITAIS TECNOLÓGICO MÃO DE OBRA TRABALHO CONSUMO LUCRO TODA E QUALQUER MERCADORIA, BEM OU SERVIÇO É FRUTO DA RELAÇÃO ENTRE NATUREZA E INVESTIMENTOS DE CAPITALMEDIADAS PELO TRABALHO E A PARTIR DELAS FORMAM-SE CADEIAS PRODUTIVAS CADA VEZ MAIS COMPLEXAS
  19. 19. CADEIA PRODUTIVA A PRODUÇÃO INDUSTRIAL DINAMIZA TODOS OS SETORES DE PRODUÇÃO .
  20. 20. Em função do volume decapitais necessários. daquantidade de mão de obrautilizada, e do tipo demercado consumidor a quese destina, as indústrias sãoclassificadas em três tiposprincipais: BENS DEEQUIPAMENTO E PRODUÇÃO(também chamadas deindústrias de base) BENS DE CAPITAL EINTERMEDIÁRIAS BENS DE CONSUMO(DURÁVEIS E NÃO-DURÁVEIS)
  21. 21. O caráterconcentradorda atividadeindustrial explicaas desigualdadessocioeconomicasmundias ecaracteriza asrelações CENTROPERIFERIA ,baseadas naDIVISÃOINTERNACIONALDO TRABALHO.
  22. 22. BERÇO DA PRIMEIRAREVOLUÇÃOINDUSTRIAL, OS PAÍSESEUROPEUS – GRÃBRETANHA (Inglaterra),FRANÇA, ALEMANHA EITÁLIA APRESENTAMÁREAS DE GRANDEDESENVOLVIMENTOURBANO INDUSTRIAL. Junto com os Estados Unidos - Canadá e Japão, compõem oconjunto das principais economias mundiais edominam as relações de produção e consumoque se disseminam por todo o planeta.
  23. 23. Os Estados Unidos apresentam as Líder do G7, grupo dos países mais ricos e principais áreas desenvolvidos do mundo, os EUA são URBANO considerados como a maior potência mundial.INDUSTRIAIS do planeta.Lá se encontrammais da metade das200 maioresempresas doplaneta, quepossuem filiais emoutros países, entreeles o Brasil. Suas principais concentrações formam oMANUFACTORING BELT e o SUN BELT.
  24. 24. O Vale do Silício é a principal área de concentração de indústrias de altatecnologia que sedesenvolveram a partir da Guerra Fria e são as principaisrepresentantes da 3ª Revolução Industrial
  25. 25. O Japão é, HOJE, aterceira maior potênciaindustrial do planeta.(perdeu a posição de 2ªpotência para a China)Seu desenvolvimento seacelerou no pós SegundaGuerra Mundial,principalmente graças àsinovações tecnológicas,entre elas aminiaturização e arobótica. Investimentos maciçosem TECNOLOGIA DEPONTA que permitiram“driblar” sua carência emmatérias primas e a faltade combustíveis fósseis.
  26. 26. A rússia, como país líder da antiga urss, era considerada como a 2ª grande potência mundial, durante o período da guerra fria. a crise do socialismo (1991) fez com que país despencassepara a 70ª posição. Sua recuperação o coloca, hoje, como país emergente, que é considerado parte dos brics.
  27. 27. A partir dos anos de 1950 o processo industrial se dissemina em direção aos países periféricos. É a chamada SUBSTITUIÇÃO DAS IMPORTAÇÕES Graças à abundância de matérias primas, mão de obra mais barata e incentivos governamentais formam-se áreas urbano industriais, onde se instalam FILIAIS de grandes empresas, diretamente vinculadas aos países capitalistas centrais. É a DESCONCENTRAÇÃO CONCENTRADA, que iráreproduzir nos países periféricos as etapas que marcaram a industrialização dos países centrais, caracterizando sua INDUSTRIALIZAÇÃO TARDIA. É em função desse processo que surgem os PAÍSESEMERGENTES: China, Índia, Brasil (junto com a Rússia) e a República Sul Africana, que formam os BRIC, que são osprincipais NOVOS PAÍSES INDUSTRIALIZADOS (ou NIC’s, a sigla em inglês que os identifica) Além deles, há cerca de 20 outros países emergentes, cuja industrialização recente os coloca no grupo de países de desenvolvimento intermediário, que formam o G20.
  28. 28. OS GRUPOS: G7, G8, BRIC, G20
  29. 29. ESTADOS UNIDOS, JAPÃO,FRANÇA, ITÁLIA E ALEMANHASÃO OS PRINCIPAIS PAÍSESINDUSTRIAIS DO MUNDO.Suas empresas tem filiais por todoo mundo : são as MULTI eTRANSNACIONAIS.
  30. 30. OS NICs - Novos PaísesIndustrializados - são áreas deexpansão urbano - industriais que sedesenvolveram no pós SegundaGuerra Mundial, através dadescentralização industrialempreendida pelos paísescapitalistas centrais. Entre elesdestacam-se a china e os tigresasiáticos
  31. 31. A partir do final doséculo XIX, o Brasilinicia seu processode industrialização. Ele é considerado como um típico PROCESSO DE SUBSTITUIÇÃO DAS IMPORTAÇÕES, que ganha força a partir da Segunda Guerra Mundial.
  32. 32. A atividade industrial é umfenômeno tipicamente urbano.Ela se apresenta altamenteconcentrada em função doconjunto de FATORESLOCACIONAIS (capitais, mãode obra, mercado consumidore infraestrutura).No Brasil, a concentraçãoocorre especialmente noCENTRO SUL onde sedestacam as duas metrópolesnacionais: São Paulo e Rio deJaneiro, responsáveis pelaorganização e pela produçãodo espaço nacional e quefuncionam como elos deligação com os centroscapitalistas mundiais.
  33. 33. No brasil oprocessoUrbanoindustrialconsolidao eixo Rio - SãoPaulo como o centro dinâmicoda economianacional .
  34. 34. Os modernossistemas decomunicação etransportespermitem“fragmentar” aprodução emvárias unidades deprodução“especializadas”,distribuídas pordiferentes países.As grandesempresas, cujassedes se mantêmnos paísescapitalistascentrais planejame gerenciam todoesse processo.
  35. 35. As inovações tecnológicas e anecessidade de estimular oconsumo geram novos produtosque tornam rapidamenteobsoletos e ultrapassadosprodutos pré existentes. É a OBSOLESCÊNCIA PLANEJADA.Como tudo o que é produzidocontêm INVESTIMENTO TRABALHO E NATUREZAa sociedade contemporâneacaracteriza-se por provocargrandes impactos ambientais eser grande produtora de lixo.
  36. 36. Países de industrialização recenteAs relações de produção consumo integram todas asáreas do planeta sob o controle dos países capitalistascentrais, caracterizando a chamada GLOBALIZAÇÃO

×