Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 72

4.529 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.529
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.706
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 72

  1. 1. Passa o primeiro trecho para discurso indireto livre já não chegava o péssimo tempo que fazia, aquela chuva, aquele frio, irra!, teriam feito bem melhor se a tivesse casado na primavera, apre!
  2. 2. Passa o segundo trecho para discurso direto. um oficial. D. Maria Bárbara ordenou-lhe: — Mande saber que homens são aqueles, que crimes fizeram e se vão para o Limoeiro ou para a África.
  3. 3. um oficial. — Capitão, mande saber que homens são aqueles, que crimes fizeram e se vão para o Limoeiro ou para a África. — ordenou-lhe D. Maria Bárbara.
  4. 4. Passa o quarto trecho para discurso indireto. ainda se recordará do mavioso diálogo, e perguntar-se-á então como estaria ela naquele momento, passados todos aqueles anos.
  5. 5. Texto 1 — discurso direto;
  6. 6. Texto 1 — discurso direto; Texto 2 — discurso direto e indireto livre;
  7. 7. Texto 1 — discurso direto; Texto 2 — discurso direto e indireto livre; Texto 3 — discurso direto e indireto;
  8. 8. Texto 1 — discurso direto; Texto 2 — discurso direto e indireto livre; Texto 3 — discurso direto e indireto; Texto 4 — discurso indireto.
  9. 9. a) O Carlos anunciou que se ia casar no ano seguinte. vou (presente) > ia (imperfeito) me > se para o ano > no ano seguinte
  10. 10. b) A Joana prometeu à irmã que estaria lá no dia seguinte às 10 horas e que não faltaria. estarei (futuro) > estaria (condicional) faltarei (futuro) > faltaria (condicional) amanhã > no dia seguinte
  11. 11. c) O Paulo insistiu com a Eva que tinha mesmo de ir à sua casa / à casa dele.
  12. 12. d) O funcionário da loja explicou que se devia ligar aquele fio ao vermelho e carregar no botão, que, assim, a Terra explodiria e seria um belo espetáculo. deve (presente) > devia (imperfeito) este > aquele
  13. 13. e) O Pedro perguntou onde ia no dia seguinte.
  14. 14. f) O António admitiu que mentira / tinha mentido porque tivera / tinha tido medo. Prometeu à mãe que não voltaria a acontecer.
  15. 15. g) O Duarte concordou com o Rui que aquela nota era falsa.
  16. 16. h) A Maria exclamou que não aguentava mais aquela situação.
  17. 17. O detetive perguntou ao mordomo onde tinha estado/estivera no dia anterior/ na véspera à noite. Este respondeu que tinha estado/estivera toda a noite ali, no seu quarto. Por sua vez, o detetive perguntou ao mordomo o que tinha estado/estivera a fazer. Este respondeu que tinha estado/estivera a ver televisão até às 11 horas e depois tinha começado/começara a ler um livro porque estava com insónias. O detetive
  18. 18. quis saber que programa o mordomo tinha visto/vira na televisão. Ele afirmou que tinha visto/vira o funeral do Eusébio e depois tinha pegado/pegara num livro. Então, o detetive perguntou-lhe como se chamava o livro. O mordomo respondeu ao inspetor que era aquele livro que ele ali tinha. O detetive perguntou-lhe se tinha ouvido/ouvira algum barulho estranho durante a noite.
  19. 19. O mordomo respondeu que não, que não tinha ouvido/ouvira, que tinha dormido/dormira profundamente durante a noite. Por fim, o detetive agradeceu ao mordomo a sua colaboração, bem como o facto de, em breve, o poder incriminar pelo assassinato de um famoso antigo futebolista.
  20. 20. TPC — Resolve este item — que é a parte B do grupo I do exame que começámos a resolver na última ou penúltima aula. (O ideal é ter já lido toda o Memorial. No entanto, uma leitura que inclua o quinto capítulo já fornece matéria suficiente para este comentário.)
  21. 21. A reflexão da princesa Maria Bárbara — «teriam feito bem melhor se me casassem na primavera» — revela que outros, e não ela, é que decidiram sobre o seu casamento. O mesmo não se passa com o casal Baltasar e Blimunda, cuja relação não foi imposta e na qual ninguém interfere. Fazendo apelo à sua experiência de leitura de Memorial do Convento, comente, num texto de oitenta a cento e vinte palavras, a relação amorosa de Baltasar e Blimunda.
  22. 22. Por favor, escrever texto próprio. (É claro que há muitas soluções destas coisas saídas em exames em sebentas ou na net, mas não é isso que pretendo.)

×