Almeida Garrett era um homem depaixões. Além da pelas mulheres e da pelapolítica, na primeira metade do século XIXmanifest...
Neste trecho de «Garrett e nós (II)»,Eugénio Lisboa, depois de recordar comoos alunos costumavam interrogá-lo sobrea relaç...
• Na síntese, temos de usar palavras  nossas (quase não se devem repetir palavras do original)  lancinante relevância  fre...
• Antes de escrever, perceber a ideia  essencial• Não se deve inventar• Nem nos devemos prender a aspetos  que não são rel...
Frei Luís de Sousa«Ler Frei Luís de Sousa hoje»Frei Luís de Sousa (obra) vs. escritoras obras de Frei Luís de Sousa
São os jovens que põem a perguntaEugénio / Eugénio Lisboa / Lisboa
4-2-1799
escolar — homem de letras, cultogravidade — sensatez, ponderaçãoherege — que está contra os dogmasreligiosos       primor ...
Telmo Filhos continuou parado, masreparou que a mosca estava ansiosa.Permaneceu mudo e, quando Aurora —assim se chamava a ...
— Não, obrigada. Estou cansada!Seria uma péssima companhia. E o filmeA Missão é demasiado monótono. E jáagora: estas frase...
O professor considerava erradaaquela ideia. Por mais que pensasse noassunto, não vencia o impasse. Então,comia o salmão cr...
transitivo-predicativo   complemento direto         Elejo este texto gramatical comoo mais estúpido de todos.predicativo d...
Elejo Almeida Garrett como meudramaturgo preferido. Porém, tambémconsidero António Vieira estimulanteorador. Já José Luís ...
Reescreve a última fala de Madalenana cena II (p. 160), transpondo a mesmasituação (espera por alguém que vem deLisboa par...
TPC — Prepara a leitura (compreen-são) das cenas III, IV, V, VI (pp. 162-168).
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70

111 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
111
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70

  1. 1. Almeida Garrett era um homem depaixões. Além da pelas mulheres e da pelapolítica, na primeira metade do século XIXmanifestaram-se a sua paixão pela palavra,na vívida oratória parlamentar, e a paixãopela literatura, talvez a principal. Delaresultou obra inovadora e diversificada(textos ensaísticos, narrativos, líricos,dramáticos). O mérito de Garrett pôde atéser reconhecido ainda em vida.
  2. 2. Neste trecho de «Garrett e nós (II)»,Eugénio Lisboa, depois de recordar comoos alunos costumavam interrogá-lo sobrea relação de Frei Luís de Sousa com osnossos tempos, defende a atualidade daobra. O tópico do afastamento do homem— por guerra, emigração, etc. —, seudesaparecimento presumido e posteriorregresso inesperado estaria cada vezmais na ordem do dia, num presente emque a instituição familiar tende afragilizar-se.
  3. 3. • Na síntese, temos de usar palavras nossas (quase não se devem repetir palavras do original) lancinante relevância freis luíses de sousa reencenações o seu tanto «impertinente» … …
  4. 4. • Antes de escrever, perceber a ideia essencial• Não se deve inventar• Nem nos devemos prender a aspetos que não são relevantes (Universidade de Estocolmo; aluno dinamarquês; …)• Usa-se a 3.ª pessoa e há referência à circunstância do original (Neste texto, Eugénio Lisboa…)
  5. 5. Frei Luís de Sousa«Ler Frei Luís de Sousa hoje»Frei Luís de Sousa (obra) vs. escritoras obras de Frei Luís de Sousa
  6. 6. São os jovens que põem a perguntaEugénio / Eugénio Lisboa / Lisboa
  7. 7. 4-2-1799
  8. 8. escolar — homem de letras, cultogravidade — sensatez, ponderaçãoherege — que está contra os dogmasreligiosos primor — distinçãofunesto — fatal quitar — tirar, roubardesarrazoar — disparatar guapo — elegantepor acinte — intencionalmentequimera — fantasia (monstro fabuloso)enodoar — manchar falua – tipo de embarcaçãomalquerença — inimizadeviração — brisa
  9. 9. Telmo Filhos continuou parado, masreparou que a mosca estava ansiosa.Permaneceu mudo e, quando Aurora —assim se chamava a mosca — ficou maiscalma, perguntou-lhe se queria ir aocinema.
  10. 10. — Não, obrigada. Estou cansada!Seria uma péssima companhia. E o filmeA Missão é demasiado monótono. E jáagora: estas frases parecem estúpidas(ou feitas à pressa numa tarde dedomingo antes das aulas de segunda) —respondeu Aurora.
  11. 11. O professor considerava erradaaquela ideia. Por mais que pensasse noassunto, não vencia o impasse. Então,comia o salmão cru. Todos achavam asfrases uma tontice, mas ele julgava-assobretudo deselegantes. E tinha deeleger o texto gramatical mais estúpidode todos. Era mesmo aquele.
  12. 12. transitivo-predicativo complemento direto Elejo este texto gramatical comoo mais estúpido de todos.predicativo do complemento direto verbo transitivo complemento direto Elejo o texto gramatical mais estúpido de todos
  13. 13. Elejo Almeida Garrett como meudramaturgo preferido. Porém, tambémconsidero António Vieira estimulanteorador. Já José Luís Peixoto julgo-o umpouco irregular ainda. Enfim, acho todosos escritores portugueses um merdelim.
  14. 14. Reescreve a última fala de Madalenana cena II (p. 160), transpondo a mesmasituação (espera por alguém que vem deLisboa para a Outra Banda) para aatualidade. Registo linguístico também deve sero que conviria a personagens do nossoséculo.
  15. 15. TPC — Prepara a leitura (compreen-são) das cenas III, IV, V, VI (pp. 162-168).

×