Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2a

365 visualizações

Publicada em

Aula sobre arte Bizantina

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
365
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2a

  1. 1. Aula 07 Profª. Lila Donato IDADE MÉDIA a produção artística CRISTÃ PARTE 2a Aula 07 Prof. Lila Donato AA AARRTTEE BIZANTINA
  2. 2. Aula 07 Prof. Lila Donato 1. RELEMBRANDO E REFORÇANDO arte & arquitetura PALEOCRISTÃ 1ª etapa CATACUMBAS 2ª etapa BASÍLICAS 1° momento SEPULCRO Congregação clandestina EDIFICAÇÃO RELIGIOSA Concebida para a liturgia Direcionadas aos RITUAIS RELIGIOSOS Aula 07 Prof. Lila Donato 1. RELEMBRANDO E REFORÇANDO CATACUMBAS GALERIAS VESTÍBULOS (ambulacre) SEPULCROS LOCUS Ambulacrum: átrio SEPULCROS circundado por colunas 1° momento (nichos) e arcos. 1 ambulacrum 5 ambulacre ARCOSOLIUM LOCUS (nichos) Arcosolium: nicho arqueado rebaixado usado como local de sepultamento (latim). ARCUS (arco) SOLIUM (parapeito)
  3. 3. Aula 07 Prof. Lila Donato 1. RELEMBRANDO E REFORÇANDO CATACUMBAS GALERIAS VESTÍBULOS (ambulacre) SEPULCROS LOCUS Ambulacrum: átrio circundado por colunas SEPULCROS 1° momento (nichos) e arcos. 1 ambulacrum 5 ambulacre ARCOSOLIUM LOCUS (nichos) Arcosolium: nicho arqueado rebaixado usado como local de sepultamento (latim). ARCUS (arco) SOLIUM (parapeito) Locus: lugar (latim). Neste tema, refere-se aos nichos escavados nas galerias subterrâneas. Aula 07 Prof. Lila Donato 1. RELEMBRANDO E REFORÇANDO 1° momento Locus Arcosolium Ambulacrum
  4. 4. Aula 07 Prof. Lila Donato 1. RELEMBRANDO E REFORÇANDO 1° momento Antioquia Alexandria ROMA • arte realizada por homens comuns, sem preparo artístico • produção simples e rudimentar • arte simbólica, ornamental e figurativa Mapa das Catacumbas na cidade de Roma Aula 07 Prof. Lila Donato 2. O ESTILO BIZANTINO: contextualização histórica O USO DOS ESPAÇOS NO EXERCÍCIO DA FÉ “... as missas eram realizadas em moradias privadas, onde cômodos domésticos comuns – normalmente o triclinium (sala de jantar) – bastavam para rezar. Os cristãos desenvolveram ritos com uma liturgia que focava na celebração da eucaristia (também conhecida como comunhão), símbolo da Última Ceia de Jesus com seus discípulos e da importância de seu sacrifício pela humanidade. Uma mesa era usada para a eucaristia e outra para as oferendas, e os participantes da missa sentavam-se nos móveis restantes ou permaneciam em pé. À medida que a liturgia tornou-se mais bem elaborada e a congregação cresceu, mais cômodos se tornaram necessários e estes precisavam ser mais espaçosos. Em muitas cidades, os cristãos estabeleceram casas comunitárias com um salão de culto, um batistério e cômodos para ajudar os necessitados. Eles também organizaram cemitérios separados para afastar seus funerais dos de outras religiões. Os cristãos desaprovavam a cremação; quando um terreno adequado para o cemitério não estava disponível, a comunidade criava cemitérios subterrâneos, geralmente iniciados em pedreiras abandonadas, hoje reconhecidos como catacumbas.”
  5. 5. Aula 07 Prof. Lila Donato 2. O ESTILO BIZANTINO: contextualização histórica A CONVERSÃO DE CONSTANTINO • Sua mãe, a imperatriz Helena teria descoberto em Jerusalém, a cruz em que Cristo teria sido crucificado; • Essa cruz teria curado um leproso diante de dezenas de pessoas, fato que impressionou CCoonnssttaannttiinnoo;; • Durante uma batalha, Constantino teria visto no céu a frase: Im hoc signus vincas ... que significa: Com esse signo vencerás O signo ao lado da frase era a Cruz de Cristo, que ele passou a adotar nos documentos do Império. Aula 07 Prof. Lila Donato 2. O ESTILO BIZANTINO: contextualização histórica ÉDITO DE MILÃO 313 d.C. Imperador Constantino Também conhecido como Édito da Tolerância. • declarava que o Império Romano seria neutro em relação ao credo religioso de cada um •• aaccaabbaa ooffiicciiaallmmeennttee aa ppeerrsseegguuiiççããoo aa ttooddooss ooss que não seguem as crenças romanas, em particular os cristãos • devolveu os lugares de culto e as propriedades que haviam sido confoscadas aos cristãos • desestabeleceu o paganismo como religião oficial do Império • deu a todas as religiões estatuto de legitimidade
  6. 6. Aula 07 Prof. Lila Donato 2. O ESTILO BIZANTINO: contextualização histórica 323 d.C. Transferência da capital do Império de Roma para Bizâncio BIZÂNCIO: • Antiga cidade grega, fundada pelos povos Gregos Megara em 657 a.C. • Restaurada e reinaugurada pelo Imperador RRoommaannoo CCoonnssttaannttiinnoo,, eemm 330 d.C., e a fez a nova capital do Império Romano. • Bizâncio passou a ser chamada de Constantinopla em homenagem ao Imperador. BIZÂNCIO CONSTANTINOPLA ISTAMBUL Aula 07 Prof. Lila Donato 2. O ESTILO BIZANTINO: contextualização histórica CRISTIANISMO OFICIALIZADO Imperador Teodósio (391 d.C.) • o Imperador Teodósio declarou o Cristianismo a religião oficial do Império • outros cultos foram considerados pagãos e passaram a ser proibidos A CISÃO DO IMPÉRIO 395 d.C. Imperador Teodósio • o Imperador Teodósio dividiu o Império Romano entre seus dois filhos: ®Honório – Ocidente (Roma) ®Arcádio – Oriente (Bizâncio)
  7. 7. Aula 07 Prof. Lila Donato 2. O ESTILO BIZANTINO: contextualização histórica fim do séc III ( 395 ) IMPÉRIO ROMANO Imperador Teodósio IMPÉRIO ROMANO DO ORIENTE IMPÉRIO ROMANO DO OCIDENTE (Bizâncio / Constantinopla) (Roma) • sofreu muitas invasões bárbaras • pestes • dificuldades econômicas • prevaleceu até 1453 (muçulmanos) • após sucessivas invasões bárbaras, foi totalmente dominado em 476 Aula 07 Prof. Lila Donato 2. O ESTILO BIZANTINO: contextualização histórica
  8. 8. Aula 07 Prof. Lila Donato 2. O ESTILO BIZANTINO: contextualização histórica Império Romano FÉ CRISTÃ unificada I. R. do ORIENTE (Bizâncio / Constantinopla) …divisão da igreja… I. R. do OCIDENTE (Roma) • Igreja Ortodoxa • patriarca da igreja e Imperador governavam juntos • tinham poder absoluto • Igreja Católica Apostólica Romana • a igreja é autônoma e é governada pelo Papa Devido ao rápido declínio do I.R. do Ocidente, a nova arte e arquitetura cristãs (agora livres de expressão) se manifestam principalmente no Oriente. Por ser Bizâncio a capital, esta produção levou seu nome. Aula 07 Prof. Lila Donato 3. O ESTILO BIZANTINO: regras para o uso da arte ®a arte tinha por objetivo doutrinar os fiéis que não sabiam ler ®também pretendia expressar a autoridade absoluta do imperador, que era visto como rreepprreesseennttaannttee ddee DDeeuuss,, portanto um ser sagrado com poderes espirituais ¨ Para melhor alcançar estes objetivos, uma série de regras foram estabelecidas para a execução das pinturas e mosaicos
  9. 9. Aula 07 Prof. Lila Donato 3. O ESTILO BIZANTINO: regras para o uso da arte LEI DA FRONTALIDADE A postura rígida da figura leva o observador a uma atitude de respeito e veneração pelo personagem representado. Quando oo aarrttiissttaa rreepprroodduuzz frontalmente as figuras, ele demonstra respeito pelo observador, que vê os personagens representados – os soberanos e membros da igreja – como seus senhores e protetores. Aula 07 Prof. Lila Donato 3. O ESTILO BIZANTINO: regras para o uso da arte Além da frontalidade, outras regras minuciosas foram estabelecidas pelos sacerdotes, determinando o lugar de cada personagem sagrado na composição, e indicando como deveriam ser os gestos, as mãos, os ppééss,, aass ddoobbrraass ddaass rroouuppaass ee ooss símbolos. Tudo o que podia ser representado estava rigorosamente determinado. O artista não tinha liberdade de criação ou expressão.
  10. 10. Aula 07 Prof. Lila Donato 3. O ESTILO BIZANTINO: regras para o uso da arte As personalidades oficiais, como o Imperador, e os personagens sagrados, como os santos, eram representados com elementos típicos que os caracterizavam. Ao trocar os elementos caracterizadores na representação dos personagens – usando a auréola santa na cabeça dos imperadores, por exemplo – induzia-se à interpretação de que o Imperador era uma figura sagrada e santa. Aula 07 Prof. Lila Donato 3. O ESTILO BIZANTINO: regras para o uso da arte Teodora. c.547 d.C. Mosaico. San Vitale, Ravena. Justiniano e seu Séquito. c.547 d.C. Mosaico. San Vitale, Ravena.
  11. 11. Aula 07 Prof. Lila Donato 3. O ESTILO BIZANTINO: regras para o uso da arte Por sua vez, os personagens sagrados eram representados como personalidades do império. Em uma das representações existentes, Cristo aparece representado ccoommoo uumm rreeii,, ee aa Virgem Maria como uma raínha. Numa outra representação em mosaico, a procissão dos santos e apóstolos aproxima-se de Cristo ou de Maria de forma solene, como era costume fazer o cortejo do imperador nas cerimônias da corte. Aula 07 Prof. Lila Donato 4. O ESTILO BIZANTINO: os mosaicos Gregos: usavam os mosaicos nos pisos usavam na decoração, demonstrando grande habilidade na composição de figuras e no uso da cor a variedade de cores era limitada Romanos: mosaico atingiu sua mais perfeita realização as figuras rígidas e a pompa da arte de Bizâncio fizeram do mosaico a forma de expressão artística preferida do Império Romano no Oriente Bizantinos:
  12. 12. Aula 07 Prof. Lila Donato 4. O ESTILO BIZANTINO: os mosaicos Mosaicos Gregos: Aula 07 Prof. Lila Donato 4. O ESTILO BIZANTINO: os mosaicos Mosaicos Romanos:
  13. 13. Aula 07 Prof. Lila Donato 4. O ESTILO BIZANTINO: os mosaicos Mosaicos Romanos: Aula 07 Prof. Lila Donato 4. O ESTILO BIZANTINO: os mosaicos Mosaicos Bizantinos:
  14. 14. Aula 07 Prof. Lila Donato 4. O ESTILO BIZANTINO: os mosaicos Mosaicos Bizantinos:

×