SlideShare uma empresa Scribd logo

Aula 04 arquitetura românica parte 1

Arquitetura na Idade Média - Aula 04

1 de 30
Baixar para ler offline
Arquitetura medieval primitiva e
Aula 04
Arquitetura medieval primitiva e
ROMÂNICA
Parte 1
Profª. Lila Donato
1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04
Profª. Lila Donato
1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04
Profª. Lila Donato
O Império Bizantino tem seu auge no
governo de Justiniano, entre 527 e
565, que estabelece a paz com os
persas e dedica-se a reconnquistar a
região ocidental do Império Romano.
O norte da África é retomado entre
534 e 535, a Itália entre 535 e 553 e o
sul da Espanha em 554.
1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04
Profª. Lila Donato
“Enquanto as culturas bizantina e islâmica floresciam no
leste europeu e na orla sul do Meditarrâneo, as regiões da
Europa Ocidental que no passado constituíram o Império
Romano entraram em um período contínuo de declínio.
Já nos primeiros séculos da era cristã, os postos avançadosJá nos primeiros séculos da era cristã, os postos avançados
do Império vinham sendo repetidamente atacados pelas
ondas de povos nômades oriundos da Ásia Central. Estas
tribos, chamadas de bárbaros pelos romanos civilizados,
finalmente cruzaram as fronteiras estabelecidas por Roma
e ocuparam a Cidade Eterna [Roma] em 476.”
1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04
Profª. Lila Donato
Mapa do apogeu do Império Bizantino, cerca de 565 d.C.
1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04
Profª. Lila Donato
As perdas de território do Império Bizantino, após a morte de Justiniano.
1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04
Profª. Lila Donato
“… os nômades gradualmente se
assentaram, se converteram ao cristia-
nismo e tentaram dar continuidade às
tradições de governo romanas, as quais
admiravam profundamente, ainda
que carecessem da mesma capacidade
como administradores.como administradores.
A cultura romana se baseava
na vida urbana e dependia de um
governo centralizado e forte. No caos
que se seguiu às invasões bárbaras, a
educação básica necessária para se
manter tal autoridade governamental,
como a alfabetização, praticamente
desapareceu.”
1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04
Profª. Lila Donato
“Os assentamentos urbanos e a economia monetária
que sustentava o governo de Roma foram substituídos por
pequenas unidades agrícolas organizadas por líderes locais,
que moravam em habitações fortificadas e controlavam à
força as terras do entorno.”
1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04
Profª. Lila Donato
“Os camponeses cultivavam o solo em troca de subsistência
miserável e da proteção militar oferecidas pelos líderes. Com
o passar dos séculos, este arranjo de serviços e proteção
mútua formou o sistema feudal, abarcando todos os níveis
sociais, do vassalo ao rei, em
uma complexa ordem social,
política e econômica.”política e econômica.”
1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04
Profª. Lila Donato
“Uma vez que o feudalismo significou a fragmentação
geopolítica da Europa, os estilos de arquitetura tinham caráter
obrigatoriamente regional ou mesmo local.”
arquitetura
CAROLÍNGIA
arquitetura
DOS VICKINGS
arquitetura
PRÉ-ROMÂNICACAROLÍNGIA
arquitetura
ROMÂNICA
(Sacro Império Romano)
DOS VICKINGS
igrejas nas
ROTAS DE
PEREGRINAÇÃO
PRÉ-ROMÂNICA
a ordem de
CLUNY
AQUITÂNIA &
PROVENÇA
monastérios
CISTERCIENSES
arquitetura
NORMANDA
1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04
Profª. Lila Donato
“Essa desunião não correspondeu,
no entanto, a um provincianismo
da arquitetura em todos os
lugares, em parte porque os papas
ainda residiam em Roma e o
papado controlava, ou ao menos
influenciava bastante, uma boainfluenciava bastante, uma boa
parte da Itália central. As
comunidades monásticas
prosperaram em todas as regiões e
muitas vezes se tornaram centros
de inovação em arquitetura, assim
como em agricultura, educação e
religião.”
1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04
Profª. Lila Donato
“Na Itália e no sul da França, o classicismo romano
permaneceu muito visível nas edificações e nos sítios
abandonados e periodicamente reocupados.
Em termos de desenvolvimento da arquitetura, foi
mais significativo o esforço que surgiu por toda a Europa, de
modo tímido até um tanto grosseiro, de construção de igrejasmodo tímido até um tanto grosseiro, de construção de igrejas
e monastérios de alvenaria e com abóbadas que resistissem a
incêndios.
Aos poucos, os pedreiros e canteiros medievais, um dos
poucos grupos de indivíduos dentro do sistema feudal que
tinha o direito de ir e vir com bastante liberdade, passaram
a migrar, fazendo da Idade Média um período de construção
de muitas edificações extraordinárias.”
Anúncio

Recomendados

Aula 04 arquitetura românica parte 2
Aula 04 arquitetura românica parte 2Aula 04 arquitetura românica parte 2
Aula 04 arquitetura românica parte 2Lila Donato
 
Aula 03 arquitetura e arte bizantina
Aula 03 arquitetura e arte bizantinaAula 03 arquitetura e arte bizantina
Aula 03 arquitetura e arte bizantinaLila Donato
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura góticaAna Barreiros
 
Aula 05 arquitetura gótica
Aula 05 arquitetura góticaAula 05 arquitetura gótica
Aula 05 arquitetura góticaLila Donato
 
Brunelleschi- Santa Maria del Fiore
Brunelleschi- Santa Maria del FioreBrunelleschi- Santa Maria del Fiore
Brunelleschi- Santa Maria del FioreAlfai Bene
 
Arte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquiteturaArte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquiteturaCarlos Vieira
 
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de RatesMódulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de RatesCarla Freitas
 
Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românicaMódulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românicaCarla Freitas
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo 6 arquitetura barroca
Módulo 6   arquitetura barrocaMódulo 6   arquitetura barroca
Módulo 6 arquitetura barrocaCarla Freitas
 
02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica02 arquitetura gótica
02 arquitetura góticaVítor Santos
 
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantinaCultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantinaCarlos Vieira
 
Tempietto di San Pietro
Tempietto di San PietroTempietto di San Pietro
Tempietto di San Pietroruadopaiol
 
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]glauci coelho
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaSusana Simões
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaCarla Freitas
 
03 arquitectura renascentista
03 arquitectura renascentista03 arquitectura renascentista
03 arquitectura renascentistaVítor Santos
 
O barroco em frança
O barroco em françaO barroco em frança
O barroco em françaAna Barreiros
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românicabecresforte
 
Cultura do Palácio - O Palácio
Cultura do Palácio - O PalácioCultura do Palácio - O Palácio
Cultura do Palácio - O PalácioCarlos Vieira
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaAna Barreiros
 
Cultura do Mosteiro - Românico Portugal
Cultura do Mosteiro - Românico PortugalCultura do Mosteiro - Românico Portugal
Cultura do Mosteiro - Românico PortugalCarlos Vieira
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romanaCarla Freitas
 
Arquitetura no Renascimento
Arquitetura no RenascimentoArquitetura no Renascimento
Arquitetura no RenascimentoJoão Coutinho
 

Mais procurados (20)

Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
Módulo 6 arquitetura barroca
Módulo 6   arquitetura barrocaMódulo 6   arquitetura barroca
Módulo 6 arquitetura barroca
 
02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica
 
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantinaCultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
 
Gótico
GóticoGótico
Gótico
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
Tempietto di San Pietro
Tempietto di San PietroTempietto di San Pietro
Tempietto di San Pietro
 
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românica
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
 
03 arquitectura renascentista
03 arquitectura renascentista03 arquitectura renascentista
03 arquitectura renascentista
 
O barroco em frança
O barroco em françaO barroco em frança
O barroco em frança
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românica
 
Cultura do Palácio - O Palácio
Cultura do Palácio - O PalácioCultura do Palácio - O Palácio
Cultura do Palácio - O Palácio
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 
Cultura do Mosteiro - Românico Portugal
Cultura do Mosteiro - Românico PortugalCultura do Mosteiro - Românico Portugal
Cultura do Mosteiro - Românico Portugal
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
 
Arquitetura no Renascimento
Arquitetura no RenascimentoArquitetura no Renascimento
Arquitetura no Renascimento
 

Destaque

Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românicaAna Barreiros
 
Aula 02 arquitetura e arte paleocristã
Aula 02 arquitetura e arte paleocristãAula 02 arquitetura e arte paleocristã
Aula 02 arquitetura e arte paleocristãLila Donato
 
Aula 01 revisão e contextualização
Aula 01 revisão e contextualizaçãoAula 01 revisão e contextualização
Aula 01 revisão e contextualizaçãoLila Donato
 
Aula 05 o mundo egeu
Aula 05   o mundo egeuAula 05   o mundo egeu
Aula 05 o mundo egeuLila Donato
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 1
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 1Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 1
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 1Lila Donato
 
Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01
Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01
Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01Lila Donato
 
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.Lila Donato
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 4
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 4Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 4
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 4Lila Donato
 
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.Lila Donato
 
Aula 02 a pré-história
Aula 02   a pré-históriaAula 02   a pré-história
Aula 02 a pré-históriaLila Donato
 
Aula 06 os engenhos de açúcar
Aula 06 os engenhos de açúcarAula 06 os engenhos de açúcar
Aula 06 os engenhos de açúcarLila Donato
 
Arte Romanica
Arte RomanicaArte Romanica
Arte Romanicatorga
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaAna Barreiros
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2b
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2bAula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2b
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2bLila Donato
 
Arquitectura Românica dos Castelos
Arquitectura Românica dos Castelos  Arquitectura Românica dos Castelos
Arquitectura Românica dos Castelos kyzinha
 

Destaque (20)

Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
Aula 02 arquitetura e arte paleocristã
Aula 02 arquitetura e arte paleocristãAula 02 arquitetura e arte paleocristã
Aula 02 arquitetura e arte paleocristã
 
Aula 01 revisão e contextualização
Aula 01 revisão e contextualizaçãoAula 01 revisão e contextualização
Aula 01 revisão e contextualização
 
Românico
RomânicoRomânico
Românico
 
Aula 05 o mundo egeu
Aula 05   o mundo egeuAula 05   o mundo egeu
Aula 05 o mundo egeu
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 1
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 1Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 1
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 1
 
Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01
Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01
Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
 
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
 
ARTE ROMÂNICA TRABALHO PERFEITO PARA APRESENTAR
ARTE ROMÂNICA TRABALHO PERFEITO PARA APRESENTARARTE ROMÂNICA TRABALHO PERFEITO PARA APRESENTAR
ARTE ROMÂNICA TRABALHO PERFEITO PARA APRESENTAR
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 4
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 4Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 4
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 4
 
Arquitetura medieval
Arquitetura medievalArquitetura medieval
Arquitetura medieval
 
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
 
Aula 02 a pré-história
Aula 02   a pré-históriaAula 02   a pré-história
Aula 02 a pré-história
 
Aula 06 os engenhos de açúcar
Aula 06 os engenhos de açúcarAula 06 os engenhos de açúcar
Aula 06 os engenhos de açúcar
 
Arte Romanica
Arte RomanicaArte Romanica
Arte Romanica
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românica
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2b
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2bAula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2b
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2b
 
Arquitectura Românica dos Castelos
Arquitectura Românica dos Castelos  Arquitectura Românica dos Castelos
Arquitectura Românica dos Castelos
 

Semelhante a Aula 04 arquitetura românica parte 1

A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românicahistoriando
 
casopratico_mod6.cultura palco.pptx
casopratico_mod6.cultura palco.pptxcasopratico_mod6.cultura palco.pptx
casopratico_mod6.cultura palco.pptxMariana Neves
 
Cultura do mosteiro_2_arquitetura
Cultura do mosteiro_2_arquiteturaCultura do mosteiro_2_arquitetura
Cultura do mosteiro_2_arquiteturaVítor Santos
 
A arte românica (1)
A arte românica (1)A arte românica (1)
A arte românica (1)giordanireis
 
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngiaCultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngiaCarlos Vieira
 
Arte românica
Arte românica Arte românica
Arte românica 10B
 
Arte romanica
Arte romanicaArte romanica
Arte romanica10B
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroAna Barreiros
 
7o. ano- - Arte Românica
7o. ano-  - Arte Românica7o. ano-  - Arte Românica
7o. ano- - Arte RomânicaArtesElisa
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingiohistoriando
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingiohistoriando
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingiohistoriando
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 3
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 3Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 3
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 3Lila Donato
 

Semelhante a Aula 04 arquitetura românica parte 1 (20)

Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românica
 
casopratico_mod6.cultura palco.pptx
casopratico_mod6.cultura palco.pptxcasopratico_mod6.cultura palco.pptx
casopratico_mod6.cultura palco.pptx
 
Cultura do mosteiro_2_arquitetura
Cultura do mosteiro_2_arquiteturaCultura do mosteiro_2_arquitetura
Cultura do mosteiro_2_arquitetura
 
A arte românica (1)
A arte românica (1)A arte românica (1)
A arte românica (1)
 
Roteiro visita2
Roteiro visita2Roteiro visita2
Roteiro visita2
 
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngiaCultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngia
 
Arte românica
Arte românica Arte românica
Arte românica
 
Arte romanica
Arte romanicaArte romanica
Arte romanica
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
 
Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020
 
7o. ano- - Arte Românica
7o. ano-  - Arte Românica7o. ano-  - Arte Românica
7o. ano- - Arte Românica
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
 
Romanico final 2
Romanico final 2Romanico final 2
Romanico final 2
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 3
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 3Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 3
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 3
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
 

Aula 04 arquitetura românica parte 1

  • 1. Arquitetura medieval primitiva e Aula 04 Arquitetura medieval primitiva e ROMÂNICA Parte 1 Profª. Lila Donato 1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04 Profª. Lila Donato
  • 2. 1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04 Profª. Lila Donato O Império Bizantino tem seu auge no governo de Justiniano, entre 527 e 565, que estabelece a paz com os persas e dedica-se a reconnquistar a região ocidental do Império Romano. O norte da África é retomado entre 534 e 535, a Itália entre 535 e 553 e o sul da Espanha em 554. 1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04 Profª. Lila Donato “Enquanto as culturas bizantina e islâmica floresciam no leste europeu e na orla sul do Meditarrâneo, as regiões da Europa Ocidental que no passado constituíram o Império Romano entraram em um período contínuo de declínio. Já nos primeiros séculos da era cristã, os postos avançadosJá nos primeiros séculos da era cristã, os postos avançados do Império vinham sendo repetidamente atacados pelas ondas de povos nômades oriundos da Ásia Central. Estas tribos, chamadas de bárbaros pelos romanos civilizados, finalmente cruzaram as fronteiras estabelecidas por Roma e ocuparam a Cidade Eterna [Roma] em 476.”
  • 3. 1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04 Profª. Lila Donato Mapa do apogeu do Império Bizantino, cerca de 565 d.C. 1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04 Profª. Lila Donato As perdas de território do Império Bizantino, após a morte de Justiniano.
  • 4. 1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04 Profª. Lila Donato “… os nômades gradualmente se assentaram, se converteram ao cristia- nismo e tentaram dar continuidade às tradições de governo romanas, as quais admiravam profundamente, ainda que carecessem da mesma capacidade como administradores.como administradores. A cultura romana se baseava na vida urbana e dependia de um governo centralizado e forte. No caos que se seguiu às invasões bárbaras, a educação básica necessária para se manter tal autoridade governamental, como a alfabetização, praticamente desapareceu.” 1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04 Profª. Lila Donato “Os assentamentos urbanos e a economia monetária que sustentava o governo de Roma foram substituídos por pequenas unidades agrícolas organizadas por líderes locais, que moravam em habitações fortificadas e controlavam à força as terras do entorno.”
  • 5. 1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04 Profª. Lila Donato “Os camponeses cultivavam o solo em troca de subsistência miserável e da proteção militar oferecidas pelos líderes. Com o passar dos séculos, este arranjo de serviços e proteção mútua formou o sistema feudal, abarcando todos os níveis sociais, do vassalo ao rei, em uma complexa ordem social, política e econômica.”política e econômica.” 1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04 Profª. Lila Donato “Uma vez que o feudalismo significou a fragmentação geopolítica da Europa, os estilos de arquitetura tinham caráter obrigatoriamente regional ou mesmo local.” arquitetura CAROLÍNGIA arquitetura DOS VICKINGS arquitetura PRÉ-ROMÂNICACAROLÍNGIA arquitetura ROMÂNICA (Sacro Império Romano) DOS VICKINGS igrejas nas ROTAS DE PEREGRINAÇÃO PRÉ-ROMÂNICA a ordem de CLUNY AQUITÂNIA & PROVENÇA monastérios CISTERCIENSES arquitetura NORMANDA
  • 6. 1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04 Profª. Lila Donato “Essa desunião não correspondeu, no entanto, a um provincianismo da arquitetura em todos os lugares, em parte porque os papas ainda residiam em Roma e o papado controlava, ou ao menos influenciava bastante, uma boainfluenciava bastante, uma boa parte da Itália central. As comunidades monásticas prosperaram em todas as regiões e muitas vezes se tornaram centros de inovação em arquitetura, assim como em agricultura, educação e religião.” 1. CONTEXTUALIZANDO Aula 04 Profª. Lila Donato “Na Itália e no sul da França, o classicismo romano permaneceu muito visível nas edificações e nos sítios abandonados e periodicamente reocupados. Em termos de desenvolvimento da arquitetura, foi mais significativo o esforço que surgiu por toda a Europa, de modo tímido até um tanto grosseiro, de construção de igrejasmodo tímido até um tanto grosseiro, de construção de igrejas e monastérios de alvenaria e com abóbadas que resistissem a incêndios. Aos poucos, os pedreiros e canteiros medievais, um dos poucos grupos de indivíduos dentro do sistema feudal que tinha o direito de ir e vir com bastante liberdade, passaram a migrar, fazendo da Idade Média um período de construção de muitas edificações extraordinárias.”
  • 7. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Carlos Magno: → unificou grande parte dos territórios que hoje chamamos França, Países Baixos e Alemanha → sonhava com o renascimento da civilização romana – incluindo a excelência que Roma alcançara na administração do Estado, na literatura e nas artes → levou para sua corte os maiores intelectuais do ocidentelevou para sua corte os maiores intelectuais do ocidente → fundou escolas para a educação de administradores governamentais → fez com que seus escribas reunissem e copiassem antigos manuscritos romanos → encorajou a arquitetura doando terras e dinheiro para a construção de igrejas e monastérios → à produção arquitetônica incentivada por ele denominou-se arquitetura carolíngia – de Carolus, o nome latino de Carlos Magno 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Características: → baseia-se nos antigos prédios paleocristãos e bizantinos “Como primeira edificação ao norte dos Alpes a ser coberta por uma cúpula após a queda do Império Romano, a Capela Palatina pode ser comparada em tamanho, mas não em elegância, a San Vitale [de Ravena] e ela reflete o grandeem elegância, a San Vitale [de Ravena] e ela reflete o grande desejo do imperador de fazer renascer os ideais clássicos da arquitetura.” • igrejas paleocristãs – campanários ou torres de sino independentes • igrejas carolíngias – campanários e torres incorporados à arquitetura
  • 8. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Palácio de Carlos Magno, Aachen, 792-814: → composto por: - capela palatina - átrio - galeria - basílica ou salão de audiências ou ainda sala das assembléias → a planta do conjunto baseia-se no Palácio de Latrão, em Roma na atual Alemanha → a planta do conjunto baseia-se no Palácio de Latrão, em Roma → a capela foi inspirada na Capela de San Vitale, em Ravena → o salão de audiências segue o esquema de uma basílica romana → pouco conhecimento técnico para replicar as edificações romanas → comparadas às romanas, as construções carolíngias têm aspecto mais grosseiro → sobram somente os prédios construídos em pedra ou suas fundações 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Palácio de Carlos Magno, Aachen, 792-814: na atual Alemanha 1 – capela palatina 2 – metatorium 3 – secretarium 4 - átrio 5 – galeria de união 6 – tribunal e guarnição 7 – grande portão 8 – salão de adiências 2 39 10 9 – pórtico 10 – tesouro e arquivos 1 4 5 7 8 2 3 6 9
  • 9. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Palácio de Carlos Magno, Aachen, 792-814: na atual Alemanha 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Palácio de Carlos Magno plano geral 1 – obelisco e fonte 2 – campanário e pórtico lateral da basílica 3 – palácio 4 – Scala Santa 5 – obelisco caído
  • 10. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Palácio de Carlos Magno – plano geral Capela palatina em Aarchen. Maquetes de reconstrução. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Palácio de Carlos Magno – salão de audiências Basílica de Tréveris, Alemanha Salão de audiências, Aarchen
  • 11. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Palácio de Carlos Magno – capela Capela palatina em AarchenCapela San Vitale, Ravena 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Palácio de Carlos Magno – capela Capela palatina em Aarchen Capela San Vitale, Ravena
  • 12. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Palácio de Carlos Magno – capela Capela palatina em AarchenCapela San Vitale, Ravena 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Palácio de Carlos Magno – capela Capela palatina em Aarchen
  • 13. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Palácio de Carlos Magno – capela Interior da capela palatina em Aarchen 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Palácio de Carlos Magno – capela Interior da capela palatina em Aarchen
  • 14. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Palácio de Carlos Magno – capela • abóbada de aresta sobre o claustro • abóbadas de berço Abóbada de claustro da capela palatina em Aarchen 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Palácio de Carlos Magno – capela Os vários tipos de abóbadas na arquitetura
  • 15. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Portal da Abadia, Lorsch, c. 800 → arcos – arcos de triunfo romanos → arco tríplice – marcava a entrada do átrio da antiga Basílica de São Pedro. → padrões decorativos geométricos – sarcófagos do período Romano Tardio Portal da Abadia, vista externa ao pátio Portal da Abadia, vista interna ao pétio 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Portal da Abadia, Lorsch, c. 800 → colunas e pilaretes de influência romana → foge do classicismo romano: - telhado com duas águas muito íngrimes - azuleijos decorativos vermelho e brancos Portal da Abadia, detalhesPortal da Abadia, detalhes
  • 16. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Portal da Abadia, Lorsch, c. 800 Portal da Abadia, vista aérea 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Oratório de Germigny-des-Prés 806-10 → construído por Teodolfo, Bispo de Orleans, Abade de Fleury e conselheiro íntimo de Carlos Magno → concebido como uma pequena capela para isolamento e rezacapela para isolamento e reza
  • 17. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Oratório de Germigny-des-Prés, 806-10 … Oratório de Germigny-des-Prés O mosaico da Arca da Aliança 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Oratório de Germigny-des-Prés, 806-10 → mosaico representando a Arca da Aliança – influência bizantina Oratório de Germigny-des-Prés O mosaico da Arca da Aliança
  • 18. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Oratório de Germigny-des-Prés, 806-10 → planta baixa em cruz grega Plantas baixas de Santa Sofia, Constantinopla (1); San Vitale, Ravena (2); São Sérgio e São Baco, Constantinopla (3); São Marcos, Veneza (4). 1 Oratório de Germigny-des-Prés, Planta baixa. 2 3 4 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Oratório de Germigny-des-Prés, 806-10 → torre central de base quadrada Oratório de Germigny-des-Prés, Vistas posteriores – torre.
  • 19. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Oratório de Germigny-des-Prés → arcos em ferradura na planta e elevações – influência de igrejas moçárabes da Espanha * Igrejas moçárabes: aquelas cuja arte e arquitetura foi produzida por cristãos submetidos ao domínio islâmico Planta Corte 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Oratório de Germigny-des-Prés, 806-10
  • 20. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Oratório de Germigny-des-Prés, 806-10 Germigny-des-Prés antes da ampliação. Perspectiva 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Oratório de Germigny-des-Prés Germigny-des-Prés, Antes da restauração de 1868. Germigny-des-Prés, Fachada posterior.
  • 21. 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Oratório de Germigny-des-Prés, 806-10 Germigny-des-Prés, A nova entrada/fachada principal. Germigny-des-Prés e as fases de ampliação… 2. ARQUITETURA CAROLÍNGIA Aula 04 Profª. Lila Donato • Oratório de Germigny-des-Prés, 806-10 Germigny-des-Prés, vista aérea.
  • 22. 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato “A obra unificadora de Carlos Magno não durou muito após a sua morte. Em 843, com a morte do seu filho e herdeiro, Luís, o Pio, o Império Carolíngio foi dividido entre os três netos dp grande imperador, e o poder estatal na Europa Ocidental gradualmente retornou às mãos dos lordes locais e regionais. A única instituição socialmente coesa que transcendiaA única instituição socialmente coesa que transcendia os grupos regionais era a Igreja, que organizou a Europa medieval em dioceses eclesiásticas, cada qual administrada por um bispo. A sede da autoridade episcopal frequentemente era uma cidade que havia sido o centro de uma província romana, e grande parte da estrutura governamental da Roma Antiga foi preservada na organização da Igreja.” 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato “Além dessa divisão de dioceses baseada nas cidades, havia os monastérios, na maioria rurais, que cresceram e prosperaram como nunca durante o período medieval. Carlos Magno havia encorajado a fundação dessas entidades como meio prático de controlar os territórios conquistados, além, é claro, de suas contribuições espirituais e educacionais. Poucas instituições tiveram impacto tão amplo na arquitetura doinstituições tiveram impacto tão amplo na arquitetura do período medieval como o monasticismo.”
  • 23. 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato “Na maioria dos casos bastavam doze monges e um abade para fundar um monastério e se costumava selecionar terrenos remotos. A principal exigência para a construção de um monastério era a disponibilidade de uma fonte de água segura. Durante a Idade Média, os monastérios chegaram a serDurante a Idade Média, os monastérios chegaram a ser construídos aos milhares. Suas escolas promoveram educação em todas as partes da Europa, e os edifícios monásticos e suas fazendas preservaram e aperfeiçoaram o que havia de melhor na arquitetura, nas artes e na agricultura. A civilização medieval por toda a Europa foi desenvolvida em grande parte por meio da obra de seus monges.” 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato
  • 24. 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato “Em 817, os abades dos principais monastérios carolíngios fizeram uma conferência (…) dela surgiu um documento detalhando o leiaute básico de uma abadia beneditina.” 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato → o leiaute básico das abadias beneditinas é conhecido pela planta baixa da Abadia de Saint Gall → desenho de arquitetura mais antigo do período medieval → c. 817 → a planta determina quais os principais elementos de um monastério beneditino → se tornou um modelo que seria usado como base dos projetos monásticos nos 400 anos seguintes
  • 25. 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato • Abadia de Saint Gall, c. 817 → contém os componentes necessários para uma comunidade religiosa autossuficiente → foi projetado para 110 monges → 130 a 150 trabalhadores e criados IGREJA CLAUSTROIGREJA CLAUSTRO CASA DO CAPÍTULO REFEITÓRIO SALA DE TRABALHO DORMITÓRIO SALA DE AQUECIMENTO ADEGA 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato • Abadia de Saint Gall, c. 817
  • 26. 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato • Abadia de Saint Gall, c. 817 Abadia de Saint Gall, perspectiva. 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato • Abadia de Saint Gall, c. 817 → a maior edificação do monastério era a igreja → igreja: - basílica com duas extremidades com um semi-círculo oeste - torres cilíndricas gêmeas - telhado com tesouras de madeira - espaço de culto reservado para os monges - altares distribuídos ao longo de todo o comprimento da nave- altares distribuídos ao longo de todo o comprimento da nave central, nos transeptos e na ábside → liturgia medieval exigia altares múltiplos para se homenagear individualmente os santos - claustro, ao sul: • pátio central com planta quadrada de 30 metros de lado • rodeado por um pórtico coberto com arcada que conectava os principais prédios
  • 27. 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato • IGREJA da Abadia de Saint Gall Igreja da Abadia de Saint Gall, vista frontal. 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato • IGREJA da Abadia de Saint Gall Igreja da Abadia de Saint Gall, nave central.nave central.
  • 28. 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato • IGREJA da Abadia de Saint Gall 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato • IGREJA da Abadia de Saint Gall Igreja da Abadia de Saint Gall, detalhe da cúpula.
  • 29. 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato • IGREJA da Abadia de Saint Gall Igreja da Abadia de Saint Gall, biblioteca. 3. MONASTÉRIOS Aula 04 Profª. Lila Donato • IGREJA da Abadia de Saint Gall Igreja da Abadia de Saint Gall, biblioteca
  • 30. Aula 04 Profª. Lila DonatoA ARQUITETURA MEDIEVAL PRIMITIVA E ROMÂNICA TAREFA DE CASA Considere os sub-estilos da arquitetura Românica apresentados no início da aula. arquitetura CAROLÍNGIA arquitetura ROMÂNICA (Sacro Império Romano) arquitetura DOS VICKINGS igrejas nas ROTAS DE PEREGRINAÇÃO arquitetura PRÉ-ROMÂNICA a ordem de CLUNY AQUITÂNIA & monastérios arquiteturaAQUITÂNIA & PROVENÇA monastérios CISTERCIENSES arquitetura NORMANDA ♦ Em grupos de 5 a 6 alunos, pesquisar sobre o sub-estilo que lhe foi sorteado em sala de aula, e preparar, além de uma breve explanação das características principais do estilo, um repertório de imagens de cada uma das edificações mais importantes (no mínimo 25 por edificação). As imagens coletadas devem, por sí só, explicar o que são essas edificações e quais são as suas características mais importantes. É como contar uma estória em quadrinhos… ♦ O trabalho deverá ser entregue no dia 31/03. Aula 04 Profª. Lila DonatoA ARQUITETURA MEDIEVAL PRIMITIVA E ROMÂNICA PRIMEIRO TRABALHO PRÁTICO Em grupos de 5 a 6 alunos, pesquisar sobre: A ARQUITETURA ISLÂMICA … e preparar uma apresentação de 20 minutos. O trabalho deverá ser apresentado em sala de aula no dia 14/04,O trabalho deverá ser apresentado em sala de aula no dia 14/04, na forma de seminários. Todos os alunos do grupo deverão participar da apresentação do seminário, e as notas dadas serão individuais e irão depender do desempenho de cada aluno durante a apresentação. Cada grupo deverá entregar uma cópia (material ou digital) de todo o material à professora no dia da apresentação.