Miastenia Grave

2.031 visualizações

Publicada em

Imunopatogenia da Miastenia Grave, Diagnósticos, Intervenções e Cuidados de Enfermagem.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.031
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
54
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Miastenia Grave

  1. 1. Disciplina: Saúde do Adulto II Professora: Rosemeire Pegas Aluno: Julio Cesar Matias MIASTENIA GRAVE
  2. 2.  As palavras "Myasthenia gravis" têm origem grega e latina: "mys" = músculo "astenia" = fraqueza "gravis" = pesado, severo É caracterizada como Doença Auto-imune que causa fraqueza muscular focal ou generalizada.  Anticorpos lesionam receptores colinérgicos pós sinápticos na junção neuromuscular. ( Idiopático) DEFINIÇÃO E ETIOLOGIA
  3. 3.  Incidência: 1-9 / milhão de habitantes  Prevalência: 25-142/ milhão de habitantes  Mulheres: 20-34 anos  Homens: 70-75 anos  Predomínio: Em mulheres EPIDEMIOLOGIA
  4. 4. Anatomofisiologia da Junção Neuromuscular FISIOPATOLOGIA
  5. 5. Anatomofisiologia da Junção Neuromuscular Neurônio pré-sináptico libera a ACh com a abertura dos canais de Cálcio, esses neurotransmissores são recepcionados na membrana pós sináptica localizada no músculo onde se ligam a seus receptores específicos abrindo assim os canais de Sódio e gerando o potencial de ação para contração. FISIOPATOLOGIA
  6. 6. FISIOPATOLOGIA • Alteração da Morfologia da Membrana Pós Sináptica • Anticorpos anti ACh: - Ativação do Complemento - Modulação Antigênica - Bloqueio Funcional
  7. 7. FISIOPATOLOGIA Ativação do Complemento
  8. 8. Ativação do Complemento Danifica a membrana pós-sináptica. As pregas pós- sinápticas perdem-se, devido à lise pelo complexo de ataque à membrana. FISIOPATOLOGIA
  9. 9. FISIOPATOLOGIA Modulação Antigênica
  10. 10. Modulação Antigênica Consiste na ligação cruzada do AC com duas moléculas antigênicas neste caso, 2 AChR, que induz uma mudança na conformação do AChR, desencadeando uma via de sinalização que resulta na endocitose acelerada e degradação dos receptores. FISIOPATOLOGIA
  11. 11. FISIOPATOLOGIA Bloqueio Funcional
  12. 12. Bloqueio Funcional O Receptor de Acetilcolina é bloqueado devido à ligação dos AC. É um mecanismo patogênico incomum na MG mas pode ser clinicamente importante, causando fraqueza muscular aguda e severa em roedores sem inflamação ou necrose da JNM. FISIOPATOLOGIA
  13. 13.  Paresia  Letargia  Fadiga  Ptose  Diplopia  Disfasia  Disfagia  Insuficiência Respiratória MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
  14. 14. CLASSIFICAÇÃO OSSERMAN (1971)
  15. 15.  Exame Físico - Fixação do olhar para cima - Contração Muscular repetida ( braço, pernas ...) DIAGNÓSTICO
  16. 16.  EletroMioGrafia (EMG) DIAGNÓSTICO
  17. 17.  Sorologia para anticorpos anti ACh - Normais : até 0,15 nmol/L - Miastenia Gravis : 0,40 a 1500,00 nmol/L DIAGNÓSTICO
  18. 18.  Anticolinesterásicos - Cloreto de Edrofônio Intravascular - Metilsufato de Neostigmina Intravascular ANTES DEPOIS DIAGNÓSTICO
  19. 19. Timectomia  A maioria dos pacientes com MG anti-AChR tem alterações patológicas do timo, como hiperplasia, em 60-70% dos casos, ou timoma, em 10-12% dos casos.  O timo possui todos os elementos necessários para iniciar uma resposta autoimune AChR-específica.  A doença frequentemente melhora muito com a timectomia. TRATAMENTO
  20. 20. Corticóides  Atuam no sistema imunitário diminuindo a produção dos anticorpos anti Ach.  Efeitos adversos - Aumento de peso ( Metabolismo Lipídico alterado) - Infecções ( Imunossupressão) - Osteoporose ( ↑↑ Atividade Osteoclastos e ↓↓ Reabsorção Intestinal de Cálcio) - Hipertensão ( ↑↑ Sódio) - HipoCalemia ( Eliminação de Potássio na urina) - Edema ( Retenção de àgua) TRATAMENTO
  21. 21. Anticolinesterásicos - Inibidores da acetilcolinesterase - Aumenta a disponibilidade de ACh e a probabilidade dela se ligar aos receptores. - Efeitos muscarínicos: hipermotilidade intestinal, sudorese, secreções respiratórias e gastrointestinais aumentadas e bradicardia. - Efeitos nicotínicos: fasciculações e cãibras musculares. TRATAMENTO
  22. 22. Plasmaférese - Remoção rápida de AC circulantes, citocinas, complexos imunes e outros mediadores inflamatórios do plasma. - São retirados proteínas e àgua (Precisam de reposição). - Somente em casos mais graves TRATAMENTO
  23. 23. Legenda: N – Título do Diagnóstico N – Fatores relacionados N - Características Definidoras POSSÍVEIS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM Deglutição prejudicada relacionada a lesão neuromuscular evidenciado por dificuldade para deglutir observada e falta de mastigação. Deambulação prejudicada relacionado a força muscular insuficiente evidenciado por capacidade prejudicada para percorrer as distâncias necessárias.
  24. 24. Padrão respiratório ineficaz relacionado a disfunção neuromuscular evidenciado por dispnéia e alterações na profundidade respiratória. Isolamento social. relacionado a diminuição da capacidade de fala e aumento de secreções evidenciado por afastamento de atividades sociais. Fadiga relacionado estado de doença evidenciado por relato de cansaço e letargia. POSSÍVEIS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM
  25. 25. Volume de líquidos excessivo relacionado a corticoterapia evidenciado por edema e eletrólitos alterados. Déficit no autocuidado para banho, vestir-se, alimentar- se, higiene ... ( FR: estado de doença CD: dificuldade para vestir, auxilio para banho e higiene, etc ) Risco de disfunção neurovascular periférica relacionado a compressão mecânica e imobilidade prolongada. Risco de síndrome do desuso relacionado a diminuição de movimentos. POSSÍVEIS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM
  26. 26. Risco de quedas relacionado a força diminuída nas extremidades inferiores e mobilidade física prejudicada. Risco de função hepática prejudicada relacionado a uso de medicamentos hepatotóxicos. Risco de aspiração relacionado a deglutição prejudicada. Risco de infecção relacionado a imunossupressão. POSSÍVEIS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM
  27. 27.  Facilitar a Dietoterapia.  Monitorar as respostas frente a terapia medicamentosa  Prevenir a úlcera de decúbito  Prevenir aspiração  Prevenir quedas  Minimizar Fadiga  Promover a independência do paciente  Promover a interação social do paciente  Inserir os familiares no tratamento INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM
  28. 28.  Atentar a mastigação e deglutição do paciente para adequação da dietoterapia.  Administrar remédios 30 minutos antes conforme possibilidade e interação medicamentosa para facilitar a mastigação e deglutição.  Monitorar balanço hídrico( ingestão, débito, cor, quantidade, etc)  Monitorar evacuações ( cor, consistência, etc) CUIDADOS DE ENFERMAGEM
  29. 29.  Controle de Sinais Vitais  Exame Físico ( Ênfase na avaliação dos nervos cranianos, AP→ Ruídos Adventícios e AC→ Arritmias)  Atentar a sinais de infecção ( febre, secreção purulenta)  Manter grades do leito elevadas  Deambulação assistida e/ou com auxílio ( conforme capacidade funcional) CUIDADOS DE ENFERMAGEM
  30. 30.  Ajudar paciente a desenvolver um esquema realista de atividades que promovam segurança.  Mudança de decúbito a cada 2 horas  Massagem de conforto  Manter elevação da cabeceira em 30º  Avaliar estado respiratório ( dispnéia, fraqueza respiratória, mrpm, AP, etc)  Ter material de aspiração em que o paciente possa operar CUIDADOS DE ENFERMAGEM
  31. 31.  Banho por aspersão ( conforme capacidade funcional)  Proporcionar um tapa olho e alternar os olhos de fixação para o paciente com diplopia.  Incentivar as tarefas simples conforme capacidade funcional ( higiene oral, comer sozinho, etc)  Inserir a família no cuidado dando dicas de adaptações  Esclarecer a patologia à família e ao paciente  Ser empático CUIDADOS DE ENFERMAGEM
  32. 32. PLANO DE ALTA  Mostrar ao paciente a importância de não se afastar de eventos sociais e de lazer que estejam dentro de sua capacidade funcional.  Auxiliar ao paciente e a família a realizar mudanças na residência para torná-la segura.  Mostrar a importância da manutenção da terapia medicamentosa como prevenção de crises.  Alertar para que o paciente realize apenas atividades físicas dentro de sua capacidade funcional.
  33. 33. Encaminhar paciente ao serviço de Atenção Domiciliar ( se houver disponibilidade e for necessário) ou UBS local. Ensinar a manobra de Heimlich. Ensinar como prevenir as crises: não se expor a resfriados e outras infecções, evitar calor e frio excessivos, evitar o estresse, nutrição equilibrada. Anticolinesterásicos devem ser administrados entre 30- 45 min das refeições. PLANO DE ALTA
  34. 34.  Demonstra um ótimo cuidado no banho, para alimentar-se, no toalete e vestir-se sem fadiga  Respira efetivamente, tosse é efetiva  Aspira suas próprias secreções e mantém pulmões limpos  Visita amigos, participa em atividades sociais, utilizando métodos alternativos de comunicação. POSSÍVEIS RESULTADOS
  35. 35. AME: Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem. 9 ed. São Paulo: EPUB, 2013. BRASIL. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas – Miastenia gravis . Portaria SAS/MS nº 229 de 10 de maio de 2010. CARNEIRO, Sandra C. Rodrigues. Fisiopatologia e Tratamento da Miastenia Gravis : Atualidade e Perspectivas Futuras. Disponível em: <https://ubithesis.ubi.pt/bitstream/10400.6/1108/1/Dissertação%20de%20me strado-Sandra%20carneiro1.pdf>.Acesso em: 24/02/2015. Diagnósticos de enfermagem da NANDA : definições e classificação 2012- 2014/[NANDA international]; tradução: Regina Machado Garcez. - Porto Alegre : Artmed, 2013. SMELTZER, S. C; BARE, B.G. BRUNNER & SUDDARTH: Tratado de Enfermagem Médico- Cirúrgica. 10 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. Vol. 1 e 2. REFERÊNCIAS

×