A vida é bela

952 visualizações

Publicada em

Apresentação oral relativa ao filme "A Vida É Bela"

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
952
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A vida é bela

  1. 1. A Vida é Bela (1997) O filme lançado em 1997 e que ganhou o mundo em 1998, é um filme estrangeiro que faz sucesso em Hollywood. O forte do filme é Roberto Benigni que consegue equilibrar comédia e drama, de uma maneira perfeita.
  2. 2. A Vida É Bela/La Vita È Bella Realizado por Roberto Benigni Itália, 1997 Duração - 116 min. Actores: Roberto Benigni (Guido Orefice), Nicoletta Braschi (Dora), Giorgio Cantarini (Giosuè Orefice), Giustino Durano (tio de Guido), Sergio Bini Bustric (Ferruccio Papini), Marisa Paredes (mãe de Dora), Horst Buchholz (dr. Lessing), Amerigo Fontani (Rodolfo), Pietro De Silva (Bartolomeo), Francesco Guzzo (Vittorino).
  3. 3. Roberto Remigio Benigni (Guido Orefice) nasceu a 27 de Outubro de 1952, em Castiglion Fiorentino, Toscana, Itália. «A Vida É Bela» é um one-man- show, pois Roberto Benigni (co-)escreve, dirige e interpreta. É um premiado actor e director de cinema e televisão italiano. Já participou em 25 filmes, alguns deles: • 2005 – “O tigre e a neve”; • 2003 – “Sobre café e cigarros”; • 2002 – “Pinóquio”; • 1999 – “Asterix e Obelix contra César”; • 1994 – “O monstro”; • 1993 – “O filho da Pantera Cor-de-Rosa”; • 1991 – “Uma noite sobre a Terra”.
  4. 4. Nicoletta Braschi (Dora) nasceu em Cesena, Itália, a 10 de Agosto de 1960. Participou em vários filmes, tais como: • Tu mi turbi (1983) • Segreti segreti,direção (1985) • Daunbailò (Down by Law) (1986) • Il piccolo diavolo,direção (1988) • Come sono buoni i bianchi (1988)
  5. 5. Na Itália de 1939, Guido Orefice muda-se para a cidade de Arezzo para aí abrir uma livraria. Fica maravilhado pela mulher com que se cruza, uma professora chamada Dora, com a qual se vai encontrando das formas mais invulgares, primeiro casualmente, depois propositadamente. Entretanto casam-se e têm um filho, Giosué. O regime fascista vai interromper a harmonia que entretanto se instala na vida de Guido, judeu, que é levado com o filho Giosué para um campo de concentração. Determinado a poupar o pequeno Giosué ao horror da situação, elabora uma complicada justificação, que vai adaptando à medida das necessidades, e que consiste sumariamente em convencê-lo que se trata tudo de uma brincadeira, um jogo que tinha como objectivo fazer várias actividades, e quem acumulasse mais pontos ganharia um tanque, coisa que Giosué sempre quisera, e que os soldados Alemães estavam apenas a fazer o papel de pessoas que gritam muito e são muito maus.
  6. 6. Óscar 1999 (EUA) Venceu nas categorias de Melhor Actor (Roberto Benigni), Melhor Filme em Língua Estrangeira e Melhor Canção Original. Indicado nas categorias de Melhor Filme, Melhor Director, Melhor Montagem e Melhor Roteiro. Original. Festival de Cannes 1998 (França) Recebeu o Grande Prémio do Júri. Indicado à Palma de Ouro. Prémio César 1999 (França) Recebeu o prémio de Melhor Filme Estrangeiro.
  7. 7. Prémio Goya (Espanha) Venceu na categoria de Melhor Filme Europeu. Prémio Grammy (EUA) Indicado na categoria de Melhor Composição Instrumental escrita para o Cinema. Academia Japonesa de Cinema 2000 (Japão) Indicado na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. BAFTA 1999 (Reino Unido) Venceu na categoria de Melhor Actuação de um Actor em Papel Principal (Roberto Benigni). Indicado nas categorias de Melhor Filme em Língua Não Inglesa e Melhor Roteiro Original. Prémio David di Donatello 1998 (Itália) Venceu nas categorias de Melhor Actor (Roberto Benigni), Melhor Fotografia, Melhor Figurino Melhor Director, Melhor Filme, Melhor Produção, Melhor Cenografia e Melhor Roteiro. Indicado na categoria de Melhor Música.
  8. 8. A actriz Nicoletta Braschi, que fez o papel de Dora, mulher de Guido, é casada com o actor Roberto Benigni na vida real. O Óscar de melhor actor que Roberto Benigni recebeu foi o segundo na história da academia em que um actor que dirigiu o filme também foi escolhido o melhor actor; a outra vez aconteceu em 1948, em Hamlet, quando Laurence Olivier foi o director e também o actor premiado.

×