FARMACOLOGIADef. Ciência que estuda o mecanismo de ação dos fármacos bem como seudestino no organismo, toxicidade e possív...
Difusão de Fármacos através de Membranas Celulares Modelo do mosaico fluído proposto por Singer e Nicholson (1972)Tipos de...
Passagem de fármacos através da membranaBarreiras Biológicas    Tecido epitelial    Endotélio    Barreira Hematoencefálica...
Tecido epitelial                                   Endotélio  Barreira Hematoencefálica: projeções astrocitárias, glicopro...
Vias de AdministraçãoEnterais:     Oral (preparações convencionais e de liberação prolongada)     Sublingual     RetalPare...
Vias Enterais: oral, sublingual, retal.Vantagens:  Geralmente segura, formas farmacêuticas, auto-medicação, indolor,  lava...
Diferenças no processo absortivo      Solução – Comprimido – Cápsula – Comprimido Revestido.      Suspensão – Emulsão
Efeito do volume de águaFatores que influenciam o tempo de esvaziamento gástrico
pH do meio x pKa do fármacoEquação de HENDERSON-HASSELBALCH
Via Oral: Absorção TGI – circulação porta – fígado (biotransformação) –metabolismo de primeira passagem – menor concentraç...
Vias Parenterais: intravenosa, intramuscular, subcutânea, intraperitoneal,intraarterial, intratecal, transdérmica.Vantagen...
Via Inalatória:Grande área absortiva (mucosa nasal ao epitélio alveolar)Alta velocidadeDepósito oralEfeitos locais e sistê...
Perspectivas da administração nasalOutras Vias: intravaginal (óvulos, cremes e pomadas), intrapeniana (intra-uretal e intr...
DistribuiçãoDef: É a passagem do fármaco do sangue para os tecidos e órgãos.Formas no sangue: livre x ligadaProteínas Plas...
Volume de Distribuição       A água corporal está distribuída em 4 compartimentos principais:              Plasma – 5 %   ...
Def: É o volume do fluído exigido para conter a quantidade total (Q), dofármaco no corpo, na mesma concentração que se apr...
EnzimasGrupos   Microssomais (REL)   Não-microssomais (mitocôndria, lisossomas, plasma, citoplasma)   Da flora intestinalT...
CYP + número (família) + letra (subfamília) + número (gen individual)     CYP + número(família) + letra(subfamília) + núme...
Fases:   Analítica (fase I) = não-sintética   Conjugação (fase II) = sintéticaFase I = oxidação, redução e hidróliseEnzima...
Formação de metabólito ativo
Indução do Metabolismo:           Fenobarbital, hormônios esteroidais, benzopireno, nicotina, ddt,álcool, fenitoína, polue...
Fatores que afetam a eliminação renal de fármacos:      Idade, pH, ligação às proteínas plasmáticas, interaçõesmedicamento...
Materia de farmaco p1
Materia de farmaco p1
Materia de farmaco p1
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Materia de farmaco p1

2.331 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.331
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
59
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Materia de farmaco p1

  1. 1. FARMACOLOGIADef. Ciência que estuda o mecanismo de ação dos fármacos bem como seudestino no organismo, toxicidade e possíveis interações medicamentosas.Objetivo Terapêutico: atingir a concentração adequada do fármaco no sítio deação. FarmacocinéticaAbsorção: é a passagem do fármaco do meio externo para a correntesanguínea.
  2. 2. Difusão de Fármacos através de Membranas Celulares Modelo do mosaico fluído proposto por Singer e Nicholson (1972)Tipos de transportes celulares:Difusão Passiva Passivo simples - diretamente proporcional ao gradiente de concentraçãoe ao coeficiente de partição o/a. Filtração - passagem pelos poros da membrana.Processo Especializado Transporte Ativo - contra um gradiente de concentração e com gasto deenergia. Difusão Facilitada - contra um gradiente de concentração e sem gasto deenergia. Pinocitose e FagocitoseFatores que influenciam o transporte: Tamanho da molécula Grau de ionização (não-ionizado/ionizado): varia com o pH
  3. 3. Passagem de fármacos através da membranaBarreiras Biológicas Tecido epitelial Endotélio Barreira HematoencefálicaAlterações – inflamação – barreiras mais frágeis.
  4. 4. Tecido epitelial Endotélio Barreira Hematoencefálica: projeções astrocitárias, glicoproteína p.
  5. 5. Vias de AdministraçãoEnterais: Oral (preparações convencionais e de liberação prolongada) Sublingual RetalParenterais: Intravenosa (IV) (contínua ou em bolus) Intramuscular (IM) Subcutânea (SC)Outras: Tópica, Transdérmica, Inalatória, Intratecal, Intracardíaca, Intra-articular, Epidural, Intraperitoneal, Intra-arterial
  6. 6. Vias Enterais: oral, sublingual, retal.Vantagens: Geralmente segura, formas farmacêuticas, auto-medicação, indolor, lavagem gástrica, baixo custo.Desvantagens: Taxa de absorção variável, irritação de mucosas, efeito de primeira passagem (exceto sublingual), sabor ou odor desagradável (oral), coma, vômitos, cooperação do paciente, estômago vazio/cheio, peristaltismo.
  7. 7. Diferenças no processo absortivo Solução – Comprimido – Cápsula – Comprimido Revestido. Suspensão – Emulsão
  8. 8. Efeito do volume de águaFatores que influenciam o tempo de esvaziamento gástrico
  9. 9. pH do meio x pKa do fármacoEquação de HENDERSON-HASSELBALCH
  10. 10. Via Oral: Absorção TGI – circulação porta – fígado (biotransformação) –metabolismo de primeira passagem – menor concentração na circulaçãosistêmica na sua forma ativa (biodisponibilidade).
  11. 11. Vias Parenterais: intravenosa, intramuscular, subcutânea, intraperitoneal,intraarterial, intratecal, transdérmica.Vantagens: sem efeito de primeira passagem, controle da quantidadeadministrada, grandes volumes (gota/gota), efeito mais rápido que a oral(emergências), paciente inconsciente.Desvantagens: esterilização, colaterais mais rápidos, administração lenta,necessidade de ajuda especializada, alterações de pH, choque. IM: dor, abcessos, hematoma, volume máximo de 6 mL, pH entre 5 e 9,absorção variável.IMPORTANTE: Fármacos em veículos oleosos e aqueles que precipitam ouhemolisam eritrócitos não devem ser administrados via intravenosa!!!!!!Intramuscular: soluções aquosas/oleosas (rápida) e soluções de depósito(lenta).Subcutânea: lenta, volumes pequenos (< 2 mL), menores riscos que iv, uso devasoconstritores, calor e massagem, implantes de liberação prolongada.Outras: intra-arterial, intracardíaca, intraperitoneal, intra-articular Intratecal – espaço subaraquinoidiano e ventrículos cerebrais (fármaconão atravessa BHC, anestesia, exames) Peridural – espaço delimitado pela duramáter – anestesia.Intradérmica: mais lenta que sc, mínimos volumes, testes de diagnóstico ouvacinação,Via tópica: efeito local (colírios, cremes, pomadas, loções) e sistêmico Adesivos transdérmico: velocidade de absorção variável Colírios: epitélio conjuntival – Timolol: broncoespasmo
  12. 12. Via Inalatória:Grande área absortiva (mucosa nasal ao epitélio alveolar)Alta velocidadeDepósito oralEfeitos locais e sistêmicos90 % é deglutido – espaçadoresIrritação da mucosaFatores que determinam deposição eficaz: Tamanho da partícula (1 a 5 micrômetros) Freqüência respiratória Prender a respiração (5 a 10 s) Ação local: alergia, congestão, infecção Ação sistêmica: urgência, tratamento
  13. 13. Perspectivas da administração nasalOutras Vias: intravaginal (óvulos, cremes e pomadas), intrapeniana (intra-uretal e intra-cavernosa).Fatores que afetam a absorção • Desintegração e/ou dissolução incompleta da formulação (comprimidos, drágeas, cápsulas); • Concentração e lipossolubilidade do fármaco; • Efeito de primeira passagem (intestinal e hepático); • Tempo de esvaziamento gástrico; • pH TGI e pKa do fármaco; • Fluxo sanguíneo no local da administração (ex: adrenalina x anestésicos locais); • Área disponível; • Inativação pelo suco gástrico; • Presença de alimento no TGI; • Interações medicamentosas.Biodisponibilidade e Efeito de Primeira PassagemDef: A fração da dose que entra na circulação sistêmica após a administração.Fatores que reduzem a biodisponibilidade: • Baixa solubilidade • Absorção incompleta no TGI • Metabolismo hepáticoMedicamento referência – Genérico – Similar Área sob a curva Bioequivalência
  14. 14. DistribuiçãoDef: É a passagem do fármaco do sangue para os tecidos e órgãos.Formas no sangue: livre x ligadaProteínas Plasmáticas: • albumina = 0,6 mmol/L (4 g/100mL) • - glicoproteína ácida •  globulina
  15. 15. Volume de Distribuição A água corporal está distribuída em 4 compartimentos principais: Plasma – 5 % Interstício – 16 % Intracelular – 35 % Transcelular – 2 % (cérebro-espinhal, intra-ocular, peritoneal,pleural e sinovial).
  16. 16. Def: É o volume do fluído exigido para conter a quantidade total (Q), dofármaco no corpo, na mesma concentração que se apresenta no plasma (Cp). Vd = Q / Cp1. Fármacos confinados ao compartimento plasmático: Vd muito baixoO volume do plasma é 0,05 L/Kg do peso corporal. Ex: Heparina e Warfarina.2. Fármacos distribuídos no compartimento extracelular: Vd baixoO volume extracelular total é 0,2 L/Kg do peso corporal.Compostos polares: tubocurarina, gentamicina e carbenicilina.Baixa lipossolubilidade – não atravessam as membranas.3. Fármacos distribuídos através da água corporal: Vd altoÁgua total do corpo é 0,55 L/Kg do peso corporal.Compostos apolares: fenitoína, etanol e diazepam.Alta lipossolubilidade – atravessam todas as membranas.BiotransformaçãoDef: é a alteração da estrutura química do medicamento dentro do organismo,através da ação de enzimas.
  17. 17. EnzimasGrupos Microssomais (REL) Não-microssomais (mitocôndria, lisossomas, plasma, citoplasma) Da flora intestinalTipos Haloenzimas (completa): apoenzima (proteica) + coenzima (aproteica) Apoenzima: flavoproteínas, citocromo, hidrolases, amidases, transferases Coenzima: a) NADH (reduzido) e NAD (oxidado) = nicotinamida adenina dinucleotidio. b) NADPH (red.) e NADP (oxid.) = nicotinamida adenina dinucleotidio fosfato. c) FADH (red.) e FAD (oxid.) = flavina adenina dinucleotidio.Locais Hepatócitos e enterócitos Pulmão, sangue, rim, estômagoObjetivos Inativação da substância Aumentar a polaridade - hidrossolubilidade - facilitar a eliminaçãoConseqüências Ativação (o metabólito é mais ativo que o medicamento) Pró-fármaco Desativação (o metabólito é menos ativo que o medicamento) Metabólitos Tóxicos
  18. 18. CYP + número (família) + letra (subfamília) + número (gen individual) CYP + número(família) + letra(subfamília) + número(gen individual)
  19. 19. Fases: Analítica (fase I) = não-sintética Conjugação (fase II) = sintéticaFase I = oxidação, redução e hidróliseEnzimas envolvidas: oxidases de função mista, hidrolases, redutases ouesterases.Co-fatores necessários: O2, NADP, NADPH, MgReações de Fase I: Oxidação de fármacos
  20. 20. Formação de metabólito ativo
  21. 21. Indução do Metabolismo: Fenobarbital, hormônios esteroidais, benzopireno, nicotina, ddt,álcool, fenitoína, poluentes ambientais (policlorados)Inibição do Metabolismo: Butóxido de piperonil (oxidases e hidrolases), dissulfiram (aldeído-desidrogenase), ácido etacrínico (aldeído-desidrogenase), metronidazol,(aldeído-desidrogenase), imao, antiachase (ach), iibidores deacetilcolinesteraseInfluência da idade e do tabaco no metabolismo do diazepamEliminação Definição: saída do fármaco do meio interno para o meio externo. Condições para eliminação: Hidrossolubilidade Forma livre Cinética do paciente vias principais: renal, biliar, pulmonar, fecal vias secundárias: salivar, mamária, sudorípara, lacrimalExcreção Renal Filtração gromerular Secreção ativa Reabsorção tubularpH da Urina urina ácida – eliminação de substâncias básicas urina alcalina – eliminação de substâncias ácidas
  22. 22. Fatores que afetam a eliminação renal de fármacos: Idade, pH, ligação às proteínas plasmáticas, interaçõesmedicamentosas, patologias

×