r e p o rtag e m

Na hora certa

Novo projeto do MEC pretende alfabetizar
todas as crianças até os 8 anos de idade
Por Isa...
ra de ­ lfabetização, as políticas públicas
A
conseguem modificar o entorno das escolas, mas é difícil chegar ao universo ...
R e p o rtag e m

As pesquisas
indicam criar
oportunidades
para que
as crianças
escrevam desde
cedo, rompendo
a lógica de
...
joão c alda s/folhapre s s

código, o aluno precisa ser leitor e também
produtor de textos. Dentro da escola, houve
uma mu...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Na hora certa

188 visualizações

Publicada em

Novo projeto do MEC pretende alfabetizar todas as crianças até os 8 anos de idade. Reportagem divulgada na versão impressa da revista Carta Fundamental 43, de novembro de 2012.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
188
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Na hora certa

  1. 1. r e p o rtag e m Na hora certa Novo projeto do MEC pretende alfabetizar todas as crianças até os 8 anos de idade Por Isabela Morais e Tory Oliveira O governo federal está investindo em uma estratégia para acabar com um dos principais gargalos da educação brasileira, a alfabetização nas séries iniciais do Ensino Fundamental. O objetivo é alfabetizar todas as crianças em Língua Portuguesa e Matemática até os 8 anos de idade, ao final do 3º ano, e eliminar, assim, os altos índices de analfabetismo funcional entre crianças que estão na escola. A ideia do chamado Pacto Nacional de Educação na Idade Certa, aderido por mais de 5 mil municípios, é que as redes municipais e estaduais participem de avaliações anuais aplicadas pelo Inep ao fim do 3º ano do Ensino Fundamental e os gestores cumpram a meta de alfabetizar seus alunos, em troca do apoio técnico e financeiro do MEC. Na prática, o ministério disponibilizará material didático e pedagógico, como jogos, obras de referência e tecnologias educacionais que auxiliem os educadores, e entregará os acervos baseado no número de turmas de alfabetização e não mais por escola. Serão criadas também minibibliotecas, com cerca de 25 livros, dentro de cada sala de aula que receber essas turmas. Além do material voltado especificamente para essa etapa do ensino, os professores passarão a contar com um sistema informatizado para inserir os resultados da Provinha Brasil de cada criança, no início e no final do 2º ano. A aplicação de uma avaliação pelo Inep junto aos alunos do final do 3º ano vai aferir o nível de alfabetização alcançado. Outra frente do programa é a formação de professores alfabetizadores. Quatro instâncias vão gerir o Pacto: um Comitê Nacional, uma Coordenação Institucional em cada estado e coordenações estadual e municipal. Sem conhecer o que acontece dentro da sala de aula, porém, as melhorias podem ser restritas. De acordo com Maria do Rosário Longo Mortatti, professora da Unesp de Marília e presidente da Associação Brasilei- Escola e ensino O aumento de crianças matriculadas não é proporcional ao de domínio de leitura 54 carta fundamental •CFReportagem1_43.indd 54 23/10/12 18:21
  2. 2. ra de ­ lfabetização, as políticas públicas A conseguem modificar o entorno das escolas, mas é difícil chegar ao universo da sala de aula. “As propostas em si não são nada se não chegarem à sala de aula. Naquele lugar específico da relação entre professor e alunos não temos clareza sobre o que acontece, não há estudos. Ali dentro, quem decide é o professor com seus alunos.” Para a especialista, a definição de uma “idade certa” para aprender a ler não é científica, mas diz respeito ao contexto atual, em que as crem alfabetizadas. “Os índices de analfabetismo estão relacionados também, mas não apenas, com as dificuldades da ­ scola em ensinar a ler e ­ screver”, e e explica a professora da Unesp. ­ Dados do Indicador de Analfabetismo Funcional 2011 mostram que o índice de fernand o d ona sci/folhapre s s analfabetismo funcional entre aqueles que cursaram até a 5ª série caiu 8 pontos porcentuais de 2001 a 2011, passando de 73% para 65%. Mas, entre as pessoas que estudaram até a 8ª série, há uma estabilidade na proporção de analfabetos ao longo da década (entre 27% e 26%). Nos anos posteriores, a situação não melhora. Dentre os brasileiros com Ensino Médio completo ou incompleto há um decréscimo nos níveis de alfabetização plena, de 49% para 35%. Apesar do aumento da proporção de pessoas que chegam ao Médio, há uma forte diminuição do nível de habilidades entre os estudantes. Ou seja, o Brasil avançou nos níveis iniciais da alfabetização, mas não conseguiu progressos visíveis ao longo de todo o ensino básico e deixou de formar pessoas capazes de ler e compreender textos de média extensão, localizar informações, resolver problemas com sequência de operações simples e com noções de proporcionalidade. “Isso mostra que temos uma maioria de sujeitos alfabetizados, mas que são capazes de ler apenas textos curtos, de fazer interpretações literais e que não se constituem como leitores plenos”, explica Sílvia Colello, especialista em alfabetização e autora do livro A Escola Que (não) Ensina a Escrever. Para ela, o Brasil resolveu apenas o problema quantitativo com a democratização e ampliação do acesso ao ensino nos últimos anos, deixando de lado a qualidade. Despreparada para lidar com as diferentes origens socioculturais das crianças, a escola acaba privilegiando o público detentor de uma experiência letrada prévia. “Com isso, as outras crianças entram na escola, mas não conseguem alcançar o sucesso esperado.” Responsável por uma turma de primeiro ano na Emef Marechal Eurico Gaspar Dutra, localizada na zona sul de São Paulo, a professora Lupe Fernanda Marques conta que a diferença entre os alunos é gritante. “Trabalho em uma escola pública que atende crianças de uma comunidade carente. Muitas não têm contato com livros e revistas em casa, enquanto outras conseguem ter acesso a esse tipo de coisa. Mas meu papel como educadora é amenizar essas diferenças”, diz. A mesma carta fundamental •CFReportagem1_43.indd 55 55 23/10/12 18:21
  3. 3. R e p o rtag e m As pesquisas indicam criar oportunidades para que as crianças escrevam desde cedo, rompendo a lógica de aprender para depois usar a língua escrita, afirma Sílvia Colello diferença entre seus alunos é observada por Graziele Gonçalves da Rocha, professora de Educação Infantil na Escola Materna de Santo André: “Alguns aprendem rápido, mas outros são ainda muito novinhos e imaturos para entrar no primeiro ano. Quando eles chegam lá, até acompanham, mas não sabem o que estão fazendo”. Para a educadora, o Pacto será positivo se não apressar o letramento dos alunos, comportamento comum entre os pais, que querem ver o quanto antes seus filhos na educação básica. “Temos de respeitar o tempo de cada criança.” Fundamental para o sucesso da trajetória escolar, o conceito de alfabetização e de como alfabetizar mudou ao longo dos anos. O processo já foi entendido como o domínio do funcionamento do sistema de escrita, ou se- ja, conhecer as letras e juntá-las para construir palavras, que, por sua vez, formam frases e textos. Para o ato de apenas decodificar, as antigas cartilhas cumpriam bem esse papel, afirma Sérgio Leite, psicólogo e professor no Departamento de Psicologia Educacional da Faculdade de Educação, na Unicamp. Uma das consequências históricas do antigo modelo de alfabetização é que a escola não se interessava em envolver as crianças: “Como as gerações até os anos 80 sabiam identificar o código, mas eram incapazes de compreender o conteúdo do texto, surgiu o conceito de analfabeto funcional”. Atualmente, apenas dominar o código não é mais considerado suficiente, e as práticas que privilegiam esse tratamento mecânico são consideradas ultrapassadas. “No sentido de ensinar a ler e escrever, o que os trabalhos de ponta estão fazendo é criar oportunidades para que as crianças escrevam desde muito cedo, rompendo com aquela lógica de primeiro aprender para depois usar a língua escrita”, analisa Colello. Um dos marcos dessa mudança de concepção foi a publicação no Brasil, na década de 1980, do livro Psicogênese da Língua Escrita, da psicolinguista argentina Emilia Ferreiro. A partir daí, estudos sobre o letramento passaram a levar em conta experiências socioculturais da criança e a importância de inserir a leitura e a escrita em seu contexto social. Ou seja, mais do que entender o Do Ceará para o Brasil O projeto do governo federal baseou-se no Programa Alfabetização na Idade Certa (Paic) do Ceará, que nasceu por iniciativa do Comitê Cearense para a Eliminação do Analfabetismo Escolar, em 2004. O empurrão inicial deu-se por um estudo de números preocupantes: dos 8 mil alunos avaliados naquele ano, apenas 15% eram capazes de ler e compreen- der um pequeno texto de forma adequada. Em parceria com o Unicef, o Comitê iniciou o projeto para auxiliar as cidades do estado na melhora da qualidade do ensino, da escrita e da leitura nas séries iniciais do Ensino Fundamental. O governo estadual assumiu a execução do programa em 2007, tornando-o política pública, com a meta de alfabetizar todas as crianças até o 2º ano. No projeto cearense, o estado se compromete a oferecer apoio às gestões municipais, formação continuada para os professores, livros de literatura infantil para as salas de aula e material didático para as escolas. Uma ampliação do projeto foi lançada em 2005, com o nome Paic Mais, com as metas de melhorar a aprendizagem dos alunos da rede pública até o 5º ano. Em 2007, das 184 cidades cearenses, 15 possuíam nível desejável de alfabetização infantil e duas encontravam-se em situação crítica. No último levantamento realizado em 2011 pela Secretaria de Educação, o número de cidades com nível desejável aumentou para 178, cerca de 96% das redes públicas municipais do estado. 56 carta fundamental •CFReportagem1_43.indd 56 23/10/12 18:21
  4. 4. joão c alda s/folhapre s s código, o aluno precisa ser leitor e também produtor de textos. Dentro da escola, houve uma mudança também no foco do conteúdo do que era ensinado para o sujeito que aprende, o aluno. Além disso, a mudança acabou causando confusões. “De repente, saiu-se do modelo cartilhesco centrado no professor e se caminhou para uma posição radical, em que tudo dependia do aluno”, conta Leite. Ao lado das mudanças teóricas houve também influência do cenário político internacional, a partir da globalização ocorrida na década de 1990. Foi quando organismos multilaterais lançaram desafios para que os países, em especial os subdesenvolvidos, reorganizassem suas estruturas sociais e educacionais em torno de metas de desenvolvimento. paradigma Com os estudos de Emilia Ferreiro, mais do que entender o código, o aluno precisa ser leitor e produtor de textos É o caso, por exemplo, dos Objetivos do Milênio da Organização das Nações Unidas, que estabelecem como meta a educação de qualidade para todos. “O Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa é uma iniciativa do atual MEC para tentar enfrentar essas dificuldades históricas e, em particular, atingir as metas dos organismos internacionais”, contextualiza Maria do Rosário Mortatti. Outro ponto de tensão é que a cultura escolar é muito enraizada, habitando não só o imaginário dos professores, mas também o dos pais, que esperam ver na alfabetização de seus filhos os mesmos procedimentos vividos por eles. “Os professores, mesmo aqueles que recebem cursos e atualizações, no sufoco, recorrem aos métodos que para eles são a referência”, afirma Colello. A mudança, no entanto, vem sendo assimilada desde então tanto nos cursos de formação inicial quanto nos de formação continuada. “Houve avanços. É uma ingenuidade acreditar que se alfabetiza hoje como nos anos 80”, completa. Na linha de frente da sala de aula, Lupe Marques demonstra que as mudanças estão acontecendo. “Hoje as crianças já nascem no mundo da informação. Seria muito sem graça apresentar para o menino de 5 ou 6 anos uma cartilha com lições do tipo ‘a vovó usa xale’. Está completamente fora do contexto. As coisas se transformam.” Além disso, a leitura parece não ocupar um espaço privilegiado dentro da sala de aula. “Ou a leitura é de livro didático ou é feita no tempo que sobra”, resume Maria do Rosário. No mais das vezes, ler um bom texto em sala é encarado como luxo. Maria do Rosário defende que a utilização de textos literários de qualidade na escola são pontos de partida para que o aluno aprenda, de fato, a gostar de ler. Nesse ponto, é importante que o professor seja ele próprio um intenso leitor e produtor de textos, até para que seja capaz de estimular essa vivência em seus alunos. “Um bom texto literário ajuda a compreender que ler é muito bom. A motivação tem de partir da relação dos leitores e de quem ensina com o texto”, explica a organizadora do livro Alfabetização no Brasil: Uma história de sua história, vencedor do Prêmio ­ abuti J 2012 na categoria Educação. carta fundamental •CFReportagem1_43.indd 57 57 23/10/12 18:21

×