Um representante do Neoclassicismo
<ul><li>Nasceu em Paris, a 30 de Agosto de 1748. </li></ul><ul><li>Aos nove anos, pela mãe ,ficou ao cuidado dos tios abas...
<ul><li>Após 4 tentativas falhadas de ganhar o Prémio de Roma à 5º em 1774 foi de vez, com a tela &quot;Antíoco e Estraton...
 
<ul><li>Em Paris instalou-se no Louvre, privilégio concedido apenas a alguns grandes artistas. </li></ul><ul><li>Desposou ...
 
 
Pormenor do quadro <ul><li>Todos os elementos do quadro se destinam a facilitar o nosso entendimento do drama: os três bra...
Pormenor do quadro <ul><li>Os homens são duros, concentrados, activos; do outro lado do recinto agrupam-se as mulheres, su...
<ul><li>Em 1787 foi concluída a sua obra  “A morte de Sócrates “  a qual Diderot qualificou como : “absolutamente perfeita...
<ul><li>As seguintes obras de  David  em  1788  “ Os litores trazendo a Brutus os corpos de seus filhos ” e “ Retrato de L...
 
Pormenor do quadro <ul><li>Madame Récamier  é o epítome do encanto neoclássico. Percebemos que ela sabe que tem encanto e ...
<ul><li>David apoiou a Revolução desde o início. </li></ul><ul><li>Não deixou o país, permanecendo assim para auxiliar na ...
 
Pormenor do quadro <ul><li>A Morte de Marat é um símbolo revolucionário. David idealiza Marat como um santo moderno, foi a...
Pormenor do quadro <ul><li>David mostra-o belo e martirizado, abatido, nos intervalos das suas tarefas em prol do bem comu...
<ul><li>Se esquecermos o próprio Marat e generalizarmos, temos aqui uma imagem da morte em toda a sua pureza. Tudo conspir...
 
<ul><li>No reinado de Napoleão o ambiente mudara radicalmente. </li></ul><ul><li>Os mártires da Revolução foram removidos ...
<ul><li>Napoleão e David admiravam-se mutuamente. David desde o primeiro encontro ficara impressionado com o então general...
 
Cúpido e Psiquê de Jacques-Louis David 1817 <ul><li>Na monarquia Bourbon rejeita uma posição na corte oferecida por Luís X...
 
Pormenor do quadro <ul><li>A sua última grande criação foi “ Marte desarmado por Vénus e as três Graças” , terminada um an...
<ul><li>Faleceu depois de ter sido atropelado por um carro na saída do teatro ,  a 29 de Dezembro de 1825 . O seu espólio ...
 
Trabalho elaborado por Filipa Galo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Jacques Louis David

12.038 visualizações

Publicada em

Trabalho elaborado por Filipa Galo

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.038
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
36
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
159
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jacques Louis David

  1. 1. Um representante do Neoclassicismo
  2. 2. <ul><li>Nasceu em Paris, a 30 de Agosto de 1748. </li></ul><ul><li>Aos nove anos, pela mãe ,ficou ao cuidado dos tios abastados devido à morte do pai em duelo. E estes providenciaram-lhe uma primorosa educação com esperança que ele se tornasse arquitecto. </li></ul><ul><li>Não obstante, nunca foi um bom aluno, passava o tempo todo a desenhar e sofria de um tumor na face que lhe afectava a fala. </li></ul><ul><li>Procurou ser aceite como discípulo de Boucher (importante personagem na pintura do Rococó ) contudo este enviou-o para aprender com Joseph-Marie Vien. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Após 4 tentativas falhadas de ganhar o Prémio de Roma à 5º em 1774 foi de vez, com a tela &quot;Antíoco e Estratonice“. </li></ul><ul><li>Dirigiu-se a Roma e lá tornou-se o mais entusiasta defensor do neoclassicismo. Permaneceu lá por 5 anos. </li></ul><ul><li>Executou inúmeros desenhos e esboços das ruínas da cidade histórica, material que o proveu de inspiração para as arquitecturas das suas telas ao longo de toda a vida. </li></ul><ul><li>Ao visitar Pompeia ficou maravilhado pela sua magnificência </li></ul><ul><li>Possuía também uma predilecção pelo trabalho de Rafael Sanzio </li></ul>.
  4. 5. <ul><li>Em Paris instalou-se no Louvre, privilégio concedido apenas a alguns grandes artistas. </li></ul><ul><li>Desposou Marguerite Charlotte e com ela teve 4 filhos. </li></ul><ul><li>Em 1784 recebeu a encomenda do rei para pintar “ O juramento dos Horácios” e para tal retornou a Roma. </li></ul><ul><li>Ainda em Roma o pintor pensou em tornar-se director da secção da Academia Francesa mas devido à sua idade este desejo foi-lhe recusado. </li></ul>
  5. 8. Pormenor do quadro <ul><li>Todos os elementos do quadro se destinam a facilitar o nosso entendimento do drama: os três bravos romanos arriscam a vida pelo seu país. A justeza da sua intenção revela-se no modo como estendem os braços quando recebem as espadas da mão do pai. Grandes arcos simétricos estabilizam o acto do juramento, inserindo-o num contexto nobre. A austeridade e a claridade das cores realçam a abnegação e a totalidade do seu fervor. </li></ul>
  6. 9. Pormenor do quadro <ul><li>Os homens são duros, concentrados, activos; do outro lado do recinto agrupam-se as mulheres, suaves, passivas, pesarosas… O contraste entre eles é absoluto, e é neste clima não comprometedor de absolutos que David se sente mais à vontade. Quando David pintou o juramento dos Horácios, a Revolução não vinha longe, e o quadro encerra uma clara referência a esse acontecimento. Não precisamos de enquadrá-lo no seu contexto histórico para podermos reagir inteiramente: é maravilhoso na concisão total da sua visão. Não há elementos supérfluos, mas o despojamento é adequado. </li></ul>
  7. 10. <ul><li>Em 1787 foi concluída a sua obra “A morte de Sócrates “ a qual Diderot qualificou como : “absolutamente perfeita”. </li></ul>
  8. 11. <ul><li>As seguintes obras de David em 1788 “ Os litores trazendo a Brutus os corpos de seus filhos ” e “ Retrato de Lavoisier e sua esposa ”deveriam ser aprovadas de antemão para serem exibidas devido à Revolução e estas duas obras não foram aprovadas. Uma pela sua simbologia republicana e a outra pelas associações do famoso químico com o partido Jacobino. </li></ul><ul><li>Contudo devido à reacção do público face à proibição o Júri teve que reconsiderar e expôs os quadro sob uma escolta voluntária de estudantes de arte. </li></ul>
  9. 13. Pormenor do quadro <ul><li>Madame Récamier é o epítome do encanto neoclássico. Percebemos que ela sabe que tem encanto e que quase observa o efeito que este provoca no pintor. Tudo o que a cobre e a rodeia é de uma simplicidade sofisticada: sentimos que ela troça da vulgaridade dos artifícios, mas ela é um artifício vivo, obrigando-nos a aceita-la pelo seu próprio valor. David vê que ela é encantadora e dá-no-la a ver também: ela reclina-se porque está certa do poder do seu encanto, segura por trás da frieza marfínica da sua pose. Mas ele procura conhece-la a um nível que se situa abaixo do consciente e é nisso que reside a força da imagem. </li></ul>
  10. 14. <ul><li>David apoiou a Revolução desde o início. </li></ul><ul><li>Não deixou o país, permanecendo assim para auxiliar na queda do antigo regime, votando pela morte do rei; de facto, na primeira Convenção Nacional em que se reuniu ele foi alcunhado de &quot; terrorista feroz&quot; . </li></ul><ul><li>Um dos seus mais célebres quadros foi &quot; Marat assassinado&quot; de 1793 , obra cuja mestria técnica realça uma sincera emoção. </li></ul><ul><li>Quando apresentou a tela na Convenção, disse: &quot;Cidadãos, o povo novamente clamou por seu amigo; sua voz desolada foi ouvida: 'David, toma teus pincéis, vinga Marat!'... Eu ouvi a voz do povo, e obedeci&quot;. </li></ul><ul><li>Apesar de manifestar seu apoio a Marat, David não foi executado, apenas preso. Na prisão fez um auto-retrato, mostrando-se muito mais jovem do que aparentava. Visitado por sua esposa no cárcere, concebeu a ideia para uma nova obra, “ A intervenção das Sabinas” , como um apelo pela reunião nacional e pela paz, depois de tanto sangue derramado. </li></ul>
  11. 16. Pormenor do quadro <ul><li>A Morte de Marat é um símbolo revolucionário. David idealiza Marat como um santo moderno, foi assassinado pela adepta da realeza Charlotte Corday, que se preparou para o seu acto com jejum e orações. </li></ul><ul><li>Na vida real, Marat foi um politico de aspecto particularmente desagradável, que era obrigado a tomar banho com frequência devido a uma grave infecção de pele. </li></ul>
  12. 17. Pormenor do quadro <ul><li>David mostra-o belo e martirizado, abatido, nos intervalos das suas tarefas em prol do bem comum. Mas a verdade literal não é importante neste caso. David pintou a verdade em que quis acreditar, um acto deliberado de propaganda, e a ansiedade total, a crença apaixonada na revolução e no seu poder santificador conferem à obra uma força gigantesca. </li></ul>
  13. 18. <ul><li>Se esquecermos o próprio Marat e generalizarmos, temos aqui uma imagem da morte em toda a sua pureza. Tudo conspira para recordar os mártires cristãos – o fundo escuro ilumina-se para a direita, como se a glória celeste aguardasse o santo moribundo. </li></ul><ul><li>No entanto, trata-se de um truque, pois David engana-nos com imagens cristãs: tudo é obra de uma reminiscência subtil. </li></ul>
  14. 20. <ul><li>No reinado de Napoleão o ambiente mudara radicalmente. </li></ul><ul><li>Os mártires da Revolução foram removidos do Panteão e reenterrados na vala comum, e as suas estátuas destruídas. </li></ul><ul><li>Desde o regicídio que David estava divorciado, contudo em 1796 volta a casar-se com a sua ex-mulher após ela lhe ter confessado que nunca o deixara de amar. </li></ul><ul><li>Reabilitado e reintegrado no seu atelier e posição, voltou a aceitar alunos e retirou-se da política. </li></ul>
  15. 21. <ul><li>Napoleão e David admiravam-se mutuamente. David desde o primeiro encontro ficara impressionado com o então general, e quando este subiu ao trono solicitou David para fazer o seu retrato . </li></ul><ul><li>Depois pintou-o na cena da coroação, nas bodas com Josefina , outra grande composição, e de novo na da Passagem dos Alpes , montado num fogoso cavalo. </li></ul><ul><li>Por sua vez, Napoleão o indicou-o pintor oficial da corte, e pediu que ele o acompanhasse na campanha do Egipto, mas o pintor recusou, alegando que era velho demais para aventuras, e enviou no seu lugar um dos seus estudantes, Antoine-Jean Gros. </li></ul>
  16. 23. Cúpido e Psiquê de Jacques-Louis David 1817 <ul><li>Na monarquia Bourbon rejeita uma posição na corte oferecida por Luís XVIII, preferindo o auto-exílio em Bruxelas. </li></ul><ul><li>Lá pintou “Cupido e Psiquê ”, vivendo tranquilamente com a sua esposa, e dedicando-se a composições em pequena escala e retratos. </li></ul>
  17. 25. Pormenor do quadro <ul><li>A sua última grande criação foi “ Marte desarmado por Vénus e as três Graças” , terminada um ano antes da sua morte. Segundo expressou, desejava que a obra fosse o seu testamento artístico . Exposta em Paris, reuniu uma multidão de admiradores. </li></ul>
  18. 26. <ul><li>Faleceu depois de ter sido atropelado por um carro na saída do teatro , a 29 de Dezembro de 1825 . O seu espólio foi vendido, mas as pinturas remanescentes obtiveram baixos valores. Pelas suas actividades revolucionárias o seu corpo foi impedido de retornar à pátria, e foi sepultado no cemitério Evere, em Bruxelas. O seu coração, porém, repousa no cemitério Père Lachaise, em Paris. </li></ul>
  19. 28. Trabalho elaborado por Filipa Galo

×