SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Pintor francês –  Realismo 1819-1877
“  jamais poderei pintar um anjo porque nunca vi nenhum ” Gustave Courbet
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],O Realismo:  a pintura da vida real 1845-1870 Jean François Millet
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Honoré Daumier
Gustave Courbet  (1817-1877) começou por ser um romântico neo-barroco , nos começos da década de 1840. Porém, por volta de 1848, sob o choque das convulsões revolucionárias que varriam a Europa, convenceu-se de que a importância dada pelo  Romantismo  ao sentimento e à imaginação não passava de uma  fuga às realidades da época .  Para Courbet,  o artista devia reger-se pela sua experiência directa , isto é,  ser um realista .
Courbet foi um artista totalmente livre que denunciou as injustiças e crueldades sociais da sua época. Como tal,  a sua obra tem apenas uma finalidade: a verdade .  E choca, ora pela banalidade do assunto, ora pela sua atitude.  Por ser como é e por querer evidenciar aquilo que todos teimam em ignorar, Courbet foi essencialmente um  auto-didacta . Aquilo que sabe, aprendeu, sobretudo, no Museu do Louvre, a copiar as grandes obras  de artistas como Velásquez, Goya e outros.
“ Ser capaz de reflectir os costumes, as ideias, o aspecto da minha época; ser não só um pintor, mas também um homem; numa palavra: fazer arte viva. Esse é o meu objectivo.” Gustave Courbet Retrato de Gustave Courbet, Félix Nadar
Retrato de Prudhon e seus filhos, 1865 Retrato de Baudelaire, c. 1848 Teve contacto com personalidades distintas. Entre elas,  Baudelaire  (poeta e crítico de arte francês) e  Proudhon , que o influenciaram ideologicamente. Proudhon  preconizava uma arte com fins sociais e um artista comprometido com a causa humana. Denunciou, inclusive, nas suas obras, as injustiças e as desigualdades da sociedade.
Para o  Salão de 1850 , Courbet apresentou alguns quadros, entre os quais se destacam:   “ Os Camponeses em Flagey”   “ Os Britadores de Pedra”   “ O Enterro em Ornans”
Os Britadores de Pedra , 1849 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Mulher pobre da Aldeia 1866 As Peneiradoras do Trigo 1855
O Enterro em Ornans , 1850 Quadro de Figuras Humanas. Histórico de um Enterro em Ornans Óleo sobre Tela 314 x 663 cm  Museu d’Orsay
Para pintar esta enorme tela, em  tamanho real , Courbet recorreu a  50 modelos : habitantes de diferentes classes sociais da sua terra natal –  Ornans   [Influência de Rembrandt, Hals…]
Este funeral – de um  anónimo  – foi tratado com  banalidade e contenção , num ambiente calmo e íntimo.  As  personagens  foram tratadas com imparcialidade.
Composição  equilibrada e ritmo solene: Personagens dispostas horizontalmente, num único plano As linhas verticais das figuras contrastam com as linhas horizontais da paisagem.
Bonjour, Monsieur Courbet , 1854 Em pleno campo, Gustave Courbet encontra monsieur  Alfred Bruyas  (coleccionador de arte e seu mecenas).  O artista estava preparado para  pintar ao ar livre  (varapau, cavalete às costas…)
O carácter de Courbet está neste quadro bem patente: Este  recebe com altivez  o comprimento e a veneração que lhe presta o mecenas, através da presunçosa, embora inocente,  inclinação da cabeça  e na condescendia do seu  sorriso afável . Por sua vez, Alfred Bruyas e o seu criado fazem uma  vénia   deferente ao artista  como se este fosse seu superior. Courbet não se mostra inferior. Foi rejeitada na  Exposição Universal de Paris de 1855 : pelo realismo e simplicidade da obra e pela banalidade do assunto.
Interior do meu Atelier, uma Alegoria Real, Resumo de Sete Anos da Minha Vida de Artista , 1854-55
Exposição Universal de Paris de 1855 : Por não se enquadrarem nos objectivos dos patrocinadores, as obras de Courbet foram rejeitadas. No entanto, a fim de as apresentar ao público, organizou uma exposição próxima da primeira num pavilhão de madeira:  Le Réalisme, G. Courbet Como peça fundamental desta mostra apresentava uma tela enorme, intitulada  Interior do Meu Atelier, uma Alegoria Real, Resumo de Sete Anos da Minha Vida de Artista.
Interior do Meu Atelier A cena desenrola-se no interior do estúdio do pintor, representando a sua história física e mental. Uma Alegoria Real Courbet procurou retratar a realidade pintando não o real, mas aquilo que nele está implícito. Resumo de Sete Anos da Minha Vida de Artista É, pois, uma obra intensamente pessoal que reflecte todas as influências significativas da sua vida.
Composição Courbet poderá ter-se inspirado n’ As Meninas  de Velásquez, 1656. As figuras ocupam apenas metade da altura da tela e o artista está retratado no quadro. Agora, porém, o artista ocupa o centro. Para ele e para a sua obra convergem todas as outras figuras.  Sendo assim, nesta pintura podem-se distinguir três grupos.
Ao  centro , para além do auto-retrato de  Courbet  (a pintar a sua terra natal –  Ornans ) e do  cão , estão retratadas mais duas figuras: Uma  criança  e uma  mulher nua .  De todas as personagens do quadro, apenas estas duas observam o artista e a sua obra. ,[object Object],[object Object],[object Object]
No  lado esquerdo  do quadro estão representadas diversas classes sociais (ricos e pobres; muitas destas pessoas foram identificadas como sendo de Ornans) – aparentam ser pessoas simples e humildes. Pode-se distinguir um padre, um judeu, caçadores, operários, camponeses, um jovem com uma criança, etc. O chapéu, a guitarra e a faca no chão podem ser considerados como  símbolos do Romantismo  já decadente. Acredita-se que possa haver um retrato desfarçado de Napoleão III, vestido de caçador.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Todos se encontram estranhamente passivos, como se esperassem qualquer coisa. Alguns conversam tranquilamente entre si; outros parecem mergulhados nos seus pensamentos. E embora estejam em redor do artista, não formam um auditório.
Courbet mostra nesta enorme tela a sua desaprovação em relação à sociedade da sua época.
Raparigas nas Margens do Sena,  1856-57 Pela escolha dos seus  temas , pelos seus  métodos comerciais  e pela sua  pintura , este pintor realista rompeu com tudo o que o havia precedido. Gustave Courbet foi um revolucionário e pretendeu fazer da sua própria liberdade um modelo.  Constituiu, assim, o fim de uma etapa e o início de outra:  Pôs fim ao Romantismo e anunciou os temas  Impressionistas.
Gustave Courbet Paul Cézanne Jean-Baptiste Siméon Chardin
Outras obras
Homem ferido, 1844-54
Retrato de H. J. van Wisselingh, 1846 Retrato de Chenavard, 1869
Jo, a Irlandesa, c.1865
O Sono, 1866
Mulher com Papagaio, 1866
Paisagens Falésias de Étretat depois do temporal, 1870
A Gruta do Loue, 1863
Paisagem, 1865
Carvalho em Flagey, 1864
O Oceano em Palavas, 1854
FIM Trabalho realizado por: Joana Coelho 12F Janeiro 2009 História da Cultura e das Artes Prof. Nuno Nabais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaCarlos Pinheiro
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Ana Barreiros
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoCarlos Pinheiro
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas Paulo Gomes
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAna Barreiros
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)Vasco L
 
A Escultura de Rodin
A Escultura de RodinA Escultura de Rodin
A Escultura de RodinMichele Pó
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidadeAna Barreiros
 
Vanguardas Europeias - I Modernismo
Vanguardas Europeias - I ModernismoVanguardas Europeias - I Modernismo
Vanguardas Europeias - I ModernismoCarlos Vieira
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXCarla Freitas
 

Mais procurados (20)

O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
A Escultura de Rodin
A Escultura de RodinA Escultura de Rodin
A Escultura de Rodin
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
Arte Conceitual
Arte ConceitualArte Conceitual
Arte Conceitual
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Vanguardas Europeias - I Modernismo
Vanguardas Europeias - I ModernismoVanguardas Europeias - I Modernismo
Vanguardas Europeias - I Modernismo
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 

Destaque (20)

Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»
 Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»   Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»
Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»
 
Gustave courbet
Gustave courbetGustave courbet
Gustave courbet
 
Gustave courbet
Gustave courbetGustave courbet
Gustave courbet
 
O realismo na pintura
O realismo na pinturaO realismo na pintura
O realismo na pintura
 
Gustave courbet
Gustave courbetGustave courbet
Gustave courbet
 
Gustave Courbet
Gustave CourbetGustave Courbet
Gustave Courbet
 
Courbet and realism
Courbet and  realismCourbet and  realism
Courbet and realism
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Gustave Courbet by Will
Gustave Courbet by WillGustave Courbet by Will
Gustave Courbet by Will
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Gustave Courbet
Gustave CourbetGustave Courbet
Gustave Courbet
 
Biografia y obra de Gustave Courbet (figura humana)
Biografia y obra de Gustave Courbet (figura humana)Biografia y obra de Gustave Courbet (figura humana)
Biografia y obra de Gustave Courbet (figura humana)
 
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIXPintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
 
Apresenta o - realismo
Apresenta  o - realismoApresenta  o - realismo
Apresenta o - realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Retrato e auto retrato
Retrato e auto retratoRetrato e auto retrato
Retrato e auto retrato
 
La pintura realista en el XIX
La pintura realista en el XIXLa pintura realista en el XIX
La pintura realista en el XIX
 
O impressionismo
O impressionismoO impressionismo
O impressionismo
 
Gustave coubert
Gustave coubertGustave coubert
Gustave coubert
 
Pintores
PintoresPintores
Pintores
 

Semelhante a Gustave Courbet e o Realismo na pintura 1819-1877

DOC-20230815-WA0004^.pdf_20230815_201151_0000.pdf
DOC-20230815-WA0004^.pdf_20230815_201151_0000.pdfDOC-20230815-WA0004^.pdf_20230815_201151_0000.pdf
DOC-20230815-WA0004^.pdf_20230815_201151_0000.pdfJooPedro878820
 
Aula 5 Fauvismo Expressionismo Cubismo
Aula 5   Fauvismo Expressionismo CubismoAula 5   Fauvismo Expressionismo Cubismo
Aula 5 Fauvismo Expressionismo CubismoAline Okumura
 
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaO interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaSusana Simões
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoMarcio Duarte
 
3227realismo ronaldo
3227realismo ronaldo3227realismo ronaldo
3227realismo ronaldoRivaldo Reis
 
Realismo e Naturalismo na Europa
Realismo e Naturalismo na EuropaRealismo e Naturalismo na Europa
Realismo e Naturalismo na EuropaHildalene Pinheiro
 
Aula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismoAula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismoMarcio Duarte
 
Trabalho pintores internacionais
Trabalho pintores internacionaisTrabalho pintores internacionais
Trabalho pintores internacionaisPIEF OEIRAS
 
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaO interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaSusana Simões
 

Semelhante a Gustave Courbet e o Realismo na pintura 1819-1877 (20)

DOC-20230815-WA0004^.pdf_20230815_201151_0000.pdf
DOC-20230815-WA0004^.pdf_20230815_201151_0000.pdfDOC-20230815-WA0004^.pdf_20230815_201151_0000.pdf
DOC-20230815-WA0004^.pdf_20230815_201151_0000.pdf
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
Aula 5 Fauvismo Expressionismo Cubismo
Aula 5   Fauvismo Expressionismo CubismoAula 5   Fauvismo Expressionismo Cubismo
Aula 5 Fauvismo Expressionismo Cubismo
 
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaO interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
 
Naturalismo e realismo
Naturalismo e realismoNaturalismo e realismo
Naturalismo e realismo
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismo
 
3227realismo
3227realismo3227realismo
3227realismo
 
3227realismo ronaldo
3227realismo ronaldo3227realismo ronaldo
3227realismo ronaldo
 
Aula realismo
Aula realismoAula realismo
Aula realismo
 
Realismo e Naturalismo na Europa
Realismo e Naturalismo na EuropaRealismo e Naturalismo na Europa
Realismo e Naturalismo na Europa
 
Impressionismo
Impressionismo Impressionismo
Impressionismo
 
Impressionismo
Impressionismo Impressionismo
Impressionismo
 
Aula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismoAula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismo
 
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
Trabalho pintores internacionais
Trabalho pintores internacionaisTrabalho pintores internacionais
Trabalho pintores internacionais
 
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaO interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
 
Surrealismo e Cubismo
Surrealismo e CubismoSurrealismo e Cubismo
Surrealismo e Cubismo
 
10 realismo 2020
10 realismo 202010 realismo 2020
10 realismo 2020
 

Mais de hcaslides

Alphonse Mucha
Alphonse MuchaAlphonse Mucha
Alphonse Muchahcaslides
 
Literatura do Romantismo e Pré Rafaelitas
Literatura do Romantismo e Pré RafaelitasLiteratura do Romantismo e Pré Rafaelitas
Literatura do Romantismo e Pré Rafaelitashcaslides
 
Michelangelo Merisi da Caravaggio
Michelangelo Merisi da CaravaggioMichelangelo Merisi da Caravaggio
Michelangelo Merisi da Caravaggiohcaslides
 
Frank Lloyd Wright
Frank Lloyd WrightFrank Lloyd Wright
Frank Lloyd Wrighthcaslides
 
Neoclassicismo Nos Estados Unidos Da América
Neoclassicismo Nos Estados Unidos Da AméricaNeoclassicismo Nos Estados Unidos Da América
Neoclassicismo Nos Estados Unidos Da Américahcaslides
 
Gian Lorenzo Bernini 2
Gian Lorenzo Bernini 2Gian Lorenzo Bernini 2
Gian Lorenzo Bernini 2hcaslides
 
Arte Barroca Arquitectura
Arte Barroca ArquitecturaArte Barroca Arquitectura
Arte Barroca Arquitecturahcaslides
 
1ª Grande Exposição de Londres
1ª Grande Exposição de Londres1ª Grande Exposição de Londres
1ª Grande Exposição de Londreshcaslides
 
Rococó - Artes Decorativas
Rococó - Artes DecorativasRococó - Artes Decorativas
Rococó - Artes Decorativashcaslides
 
Le Corbusier - Villa Savoye
Le Corbusier - Villa SavoyeLe Corbusier - Villa Savoye
Le Corbusier - Villa Savoyehcaslides
 
Campo Pequeno
Campo PequenoCampo Pequeno
Campo Pequenohcaslides
 
Baixa Pombalina
Baixa PombalinaBaixa Pombalina
Baixa Pombalinahcaslides
 
Antoni Placid Gaudí I Cornet
Antoni Placid Gaudí I CornetAntoni Placid Gaudí I Cornet
Antoni Placid Gaudí I Cornethcaslides
 
Panteão de Paris
Panteão de ParisPanteão de Paris
Panteão de Parishcaslides
 
Victor Horta
Victor HortaVictor Horta
Victor Hortahcaslides
 
Palácio da Pena
Palácio da PenaPalácio da Pena
Palácio da Penahcaslides
 
Walter Gropius - Bauhaus
Walter Gropius - BauhausWalter Gropius - Bauhaus
Walter Gropius - Bauhaushcaslides
 

Mais de hcaslides (20)

Alphonse Mucha
Alphonse MuchaAlphonse Mucha
Alphonse Mucha
 
Literatura do Romantismo e Pré Rafaelitas
Literatura do Romantismo e Pré RafaelitasLiteratura do Romantismo e Pré Rafaelitas
Literatura do Romantismo e Pré Rafaelitas
 
Michelangelo Merisi da Caravaggio
Michelangelo Merisi da CaravaggioMichelangelo Merisi da Caravaggio
Michelangelo Merisi da Caravaggio
 
Picasso
PicassoPicasso
Picasso
 
Frank Lloyd Wright
Frank Lloyd WrightFrank Lloyd Wright
Frank Lloyd Wright
 
Degas
DegasDegas
Degas
 
Neoclassicismo Nos Estados Unidos Da América
Neoclassicismo Nos Estados Unidos Da AméricaNeoclassicismo Nos Estados Unidos Da América
Neoclassicismo Nos Estados Unidos Da América
 
Gian Lorenzo Bernini 2
Gian Lorenzo Bernini 2Gian Lorenzo Bernini 2
Gian Lorenzo Bernini 2
 
Arte Barroca Arquitectura
Arte Barroca ArquitecturaArte Barroca Arquitectura
Arte Barroca Arquitectura
 
1ª Grande Exposição de Londres
1ª Grande Exposição de Londres1ª Grande Exposição de Londres
1ª Grande Exposição de Londres
 
Rococó - Artes Decorativas
Rococó - Artes DecorativasRococó - Artes Decorativas
Rococó - Artes Decorativas
 
Le Corbusier - Villa Savoye
Le Corbusier - Villa SavoyeLe Corbusier - Villa Savoye
Le Corbusier - Villa Savoye
 
Zurbaran
ZurbaranZurbaran
Zurbaran
 
Campo Pequeno
Campo PequenoCampo Pequeno
Campo Pequeno
 
Baixa Pombalina
Baixa PombalinaBaixa Pombalina
Baixa Pombalina
 
Antoni Placid Gaudí I Cornet
Antoni Placid Gaudí I CornetAntoni Placid Gaudí I Cornet
Antoni Placid Gaudí I Cornet
 
Panteão de Paris
Panteão de ParisPanteão de Paris
Panteão de Paris
 
Victor Horta
Victor HortaVictor Horta
Victor Horta
 
Palácio da Pena
Palácio da PenaPalácio da Pena
Palácio da Pena
 
Walter Gropius - Bauhaus
Walter Gropius - BauhausWalter Gropius - Bauhaus
Walter Gropius - Bauhaus
 

Último

Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 

Último (20)

Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 

Gustave Courbet e o Realismo na pintura 1819-1877

  • 1. Pintor francês – Realismo 1819-1877
  • 2. “ jamais poderei pintar um anjo porque nunca vi nenhum ” Gustave Courbet
  • 3.
  • 4.
  • 5. Gustave Courbet (1817-1877) começou por ser um romântico neo-barroco , nos começos da década de 1840. Porém, por volta de 1848, sob o choque das convulsões revolucionárias que varriam a Europa, convenceu-se de que a importância dada pelo Romantismo ao sentimento e à imaginação não passava de uma fuga às realidades da época . Para Courbet, o artista devia reger-se pela sua experiência directa , isto é, ser um realista .
  • 6. Courbet foi um artista totalmente livre que denunciou as injustiças e crueldades sociais da sua época. Como tal, a sua obra tem apenas uma finalidade: a verdade . E choca, ora pela banalidade do assunto, ora pela sua atitude. Por ser como é e por querer evidenciar aquilo que todos teimam em ignorar, Courbet foi essencialmente um auto-didacta . Aquilo que sabe, aprendeu, sobretudo, no Museu do Louvre, a copiar as grandes obras de artistas como Velásquez, Goya e outros.
  • 7. “ Ser capaz de reflectir os costumes, as ideias, o aspecto da minha época; ser não só um pintor, mas também um homem; numa palavra: fazer arte viva. Esse é o meu objectivo.” Gustave Courbet Retrato de Gustave Courbet, Félix Nadar
  • 8. Retrato de Prudhon e seus filhos, 1865 Retrato de Baudelaire, c. 1848 Teve contacto com personalidades distintas. Entre elas, Baudelaire (poeta e crítico de arte francês) e Proudhon , que o influenciaram ideologicamente. Proudhon preconizava uma arte com fins sociais e um artista comprometido com a causa humana. Denunciou, inclusive, nas suas obras, as injustiças e as desigualdades da sociedade.
  • 9. Para o Salão de 1850 , Courbet apresentou alguns quadros, entre os quais se destacam:  “ Os Camponeses em Flagey”  “ Os Britadores de Pedra”  “ O Enterro em Ornans”
  • 10.
  • 11. Mulher pobre da Aldeia 1866 As Peneiradoras do Trigo 1855
  • 12. O Enterro em Ornans , 1850 Quadro de Figuras Humanas. Histórico de um Enterro em Ornans Óleo sobre Tela 314 x 663 cm Museu d’Orsay
  • 13. Para pintar esta enorme tela, em tamanho real , Courbet recorreu a 50 modelos : habitantes de diferentes classes sociais da sua terra natal – Ornans [Influência de Rembrandt, Hals…]
  • 14. Este funeral – de um anónimo – foi tratado com banalidade e contenção , num ambiente calmo e íntimo. As personagens foram tratadas com imparcialidade.
  • 15. Composição equilibrada e ritmo solene: Personagens dispostas horizontalmente, num único plano As linhas verticais das figuras contrastam com as linhas horizontais da paisagem.
  • 16. Bonjour, Monsieur Courbet , 1854 Em pleno campo, Gustave Courbet encontra monsieur Alfred Bruyas (coleccionador de arte e seu mecenas). O artista estava preparado para pintar ao ar livre (varapau, cavalete às costas…)
  • 17. O carácter de Courbet está neste quadro bem patente: Este recebe com altivez o comprimento e a veneração que lhe presta o mecenas, através da presunçosa, embora inocente, inclinação da cabeça e na condescendia do seu sorriso afável . Por sua vez, Alfred Bruyas e o seu criado fazem uma vénia deferente ao artista como se este fosse seu superior. Courbet não se mostra inferior. Foi rejeitada na Exposição Universal de Paris de 1855 : pelo realismo e simplicidade da obra e pela banalidade do assunto.
  • 18. Interior do meu Atelier, uma Alegoria Real, Resumo de Sete Anos da Minha Vida de Artista , 1854-55
  • 19. Exposição Universal de Paris de 1855 : Por não se enquadrarem nos objectivos dos patrocinadores, as obras de Courbet foram rejeitadas. No entanto, a fim de as apresentar ao público, organizou uma exposição próxima da primeira num pavilhão de madeira: Le Réalisme, G. Courbet Como peça fundamental desta mostra apresentava uma tela enorme, intitulada Interior do Meu Atelier, uma Alegoria Real, Resumo de Sete Anos da Minha Vida de Artista.
  • 20. Interior do Meu Atelier A cena desenrola-se no interior do estúdio do pintor, representando a sua história física e mental. Uma Alegoria Real Courbet procurou retratar a realidade pintando não o real, mas aquilo que nele está implícito. Resumo de Sete Anos da Minha Vida de Artista É, pois, uma obra intensamente pessoal que reflecte todas as influências significativas da sua vida.
  • 21. Composição Courbet poderá ter-se inspirado n’ As Meninas de Velásquez, 1656. As figuras ocupam apenas metade da altura da tela e o artista está retratado no quadro. Agora, porém, o artista ocupa o centro. Para ele e para a sua obra convergem todas as outras figuras. Sendo assim, nesta pintura podem-se distinguir três grupos.
  • 22.
  • 23. No lado esquerdo do quadro estão representadas diversas classes sociais (ricos e pobres; muitas destas pessoas foram identificadas como sendo de Ornans) – aparentam ser pessoas simples e humildes. Pode-se distinguir um padre, um judeu, caçadores, operários, camponeses, um jovem com uma criança, etc. O chapéu, a guitarra e a faca no chão podem ser considerados como símbolos do Romantismo já decadente. Acredita-se que possa haver um retrato desfarçado de Napoleão III, vestido de caçador.
  • 24.
  • 25. Todos se encontram estranhamente passivos, como se esperassem qualquer coisa. Alguns conversam tranquilamente entre si; outros parecem mergulhados nos seus pensamentos. E embora estejam em redor do artista, não formam um auditório.
  • 26. Courbet mostra nesta enorme tela a sua desaprovação em relação à sociedade da sua época.
  • 27. Raparigas nas Margens do Sena, 1856-57 Pela escolha dos seus temas , pelos seus métodos comerciais e pela sua pintura , este pintor realista rompeu com tudo o que o havia precedido. Gustave Courbet foi um revolucionário e pretendeu fazer da sua própria liberdade um modelo. Constituiu, assim, o fim de uma etapa e o início de outra: Pôs fim ao Romantismo e anunciou os temas Impressionistas.
  • 28. Gustave Courbet Paul Cézanne Jean-Baptiste Siméon Chardin
  • 31. Retrato de H. J. van Wisselingh, 1846 Retrato de Chenavard, 1869
  • 35. Paisagens Falésias de Étretat depois do temporal, 1870
  • 36. A Gruta do Loue, 1863
  • 39. O Oceano em Palavas, 1854
  • 40. FIM Trabalho realizado por: Joana Coelho 12F Janeiro 2009 História da Cultura e das Artes Prof. Nuno Nabais