Aqui, tudo é
questão de
ensinamento.
Mãe Stella de
Oxóssi
Os profetas não são homens ou mulheres
desarrumados, desengonçados, barbudos,
cabeludos, sujos, metidos em roupas
andrajos...
1. ASSUNTO: “O papel do Educador na
consciência crítica do Educando.”
2. OBJETIVO: Em se tratando de
novos professores que...
4. PONTOS A SEREM ENFOCADOS:
a) Conteúdo atual e crítico;
b) Ética e Atitude;
c) Autonomia e responsabilidade;
d) Didática...
SABERESSABERES
NECESSÁRIOS ÀNECESSÁRIOS À
EDUCAÇÃO DO FUTUROEDUCAÇÃO DO FUTURO
AS CEGUEIRAS DO CONHECIMENTO: O ERRO E A ILUSÃOAS CEGUEIRAS DO CONHECIMENTO: O ERRO E A ILUSÃO
• É impressionante que a ed...
•É necessário introduzir e desenvolver na educação o estudo
das características cerebrais, mentais, culturais dos
conhecim...
•A supremacia do
conhecimento
fragmentado de acordo
com as disciplinas
impede freqüentemente
de operar o vínculo entre
as ...
•É necessário desenvolver a aptidão natural do espírito humano para
situar todas essas informações em um contexto e um con...
•Existe um problema capital, sempre ignorado, que é o da
necessidade de promover o conhecimento capaz de apreender
problem...
Ser
professor é
gostar do
outro.
Juvany Viana
ENSINAR A CONDIÇÃO HUMANAENSINAR A CONDIÇÃO HUMANA
• O ser humano é a um só tempo físico, biológico, psíquico, cultural,
s...
•Desse modo, a condição humana deveria ser o
objeto essencial de todo o ensino.
•É possível, com base nas disciplinas atuais, reconhecer a unidade e a
complexidade humanas, reunindo e organizando conhec...
ENSINAR A IDENTIDADE TERRENAENSINAR A IDENTIDADE TERRENA
• O destino planetário do gênero humano é outra realidade-chave
a...
• Convém ensinar a
história da era
planetária, que se
inicia com o
estabelecimento da
comunicação entre
todos os
continent...
• Será preciso indicar o complexo de crise planetária que marca
o século XX, mostrando que todos os seres humanos,
confron...
ENFRENTAR AS INCERTEZASENFRENTAR AS INCERTEZAS
• As ciências permitiram que adquiríssemos muitas certezas, mas
igualmente ...
• Seria preciso ensinar princípios de estratégia que permitiriam enfrentar
os imprevistos, o inesperado e a incerteza, e m...
• A fórmula do poeta grego Eurípedes, que data de vinte e cinco séculos,
nunca foi tão atual: “O esperado não se cumpre, e...
• O abandono das concepções deterministas da história humana que
acreditavam poder predizer nosso futuro, o estudo dos gra...
• É necessário que todos os que se ocupam da educação constituam a
vanguarda ante a incerteza de nossos tempos.
ENSINAR A COMPREENSÃOENSINAR A COMPREENSÃO
•A compreensão mútua entre os seres humanos, quer próximos,
quer estranhos, é d...
• A compreensão é a um só tempo meio e fim da comunicação humana.
Entretanto, a educação para a compreensão está ausente d...
• Daí decorre a necessidade de estudar a incompreensão a partir de suas
raizes, suas modalidades e seus efeitos. Este estu...
A ÉTICA DO GÊNERO HUMANOA ÉTICA DO GÊNERO HUMANO
• A educação deve conduzir à “antropo-ética” levando em conta o caráter
t...
• A ética não poderia ser ensinada por meio de lições de moral.
Deve formar-se nas mentes com base na consciência de que o...
• Partindo disso, esboçam-se
duas grandes finalidades
ético-políticas do novo
milênio: estabelecer uma
relação de controle...
O povo das cinzas...
A sabedoria !!!
Saberes necessários a educação do futuro
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Saberes necessários a educação do futuro

2.261 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.261
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
30
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Saberes necessários a educação do futuro

  1. 1. Aqui, tudo é questão de ensinamento. Mãe Stella de Oxóssi
  2. 2. Os profetas não são homens ou mulheres desarrumados, desengonçados, barbudos, cabeludos, sujos, metidos em roupas andrajosas e pegando cajados. Os profetas são aqueles ou aquelas que se molham de tal forma nas águas da sua cultura e da sua história, da cultura e da história de seu povo, dos dominados do seu povo, que conhecem o seu aqui e o seu agora e, por isso, podem prever o amanhã que eles mais do que adivinham, realizam... Eu diria aos educadores e educadoras, ai daqueles e daquelas, que pararem com a sua capacidade de sonhar, de inventar a sua coragem de denunciar e de anunciar. Ai daqueles e daquelas que, em lugar de visitar de vez em quando o amanhã, o futuro, pelo profundo engajamento com o hoje, com o aqui e com o agora, se atrelem a um passado, de exploração e de rotina. Paulo Freire. In: Brandão, C. R. (Org.). Educador: vida e morte.
  3. 3. 1. ASSUNTO: “O papel do Educador na consciência crítica do Educando.” 2. OBJETIVO: Em se tratando de novos professores que irão lecionar na UNYAHNA, pretende-se dialogar a Linha Pedagógica sugerida pela Instituição com estes profissionais. 3. JUSTIFICATIVA: Via de regra, o perfil técnico especializado e a fragmentação da ciência devem ter uma visão crítica do Educar, que se constitue um formador de opinião.
  4. 4. 4. PONTOS A SEREM ENFOCADOS: a) Conteúdo atual e crítico; b) Ética e Atitude; c) Autonomia e responsabilidade; d) Didática e aperfeiçoamento; e) Busca da Cidadania; f) Métodos e caminhos.
  5. 5. SABERESSABERES NECESSÁRIOS ÀNECESSÁRIOS À EDUCAÇÃO DO FUTUROEDUCAÇÃO DO FUTURO
  6. 6. AS CEGUEIRAS DO CONHECIMENTO: O ERRO E A ILUSÃOAS CEGUEIRAS DO CONHECIMENTO: O ERRO E A ILUSÃO • É impressionante que a educação que visa a transmitir conhecimentos seja cega quanto ao que é o conhecimento humano, seus dispositivos, enfermidades, dificuldades, tendências ao erro e à ilusão, e não se preocupe em fazer conhecer o que é conhecer. • De fato, o conhecimento não pode ser considerado uma ferramenta ready made, que pode ser utilizada sem que sua natureza seja examinada. Da mesma forma, o conhecimento do conhecimento deve aparecer como necessidade primeira, que serviria de preparação para enfrentar os riscos permanentes de erro e de ilusão, que não cessam de parasitar a mente humana. Trata-se de armar cada mente no combate vital rumo à lucidez.
  7. 7. •É necessário introduzir e desenvolver na educação o estudo das características cerebrais, mentais, culturais dos conhecimentos humanos, de seus processos e modalidades, das disposições tanto psíquicas quanto culturais que o conduzem ao erro ou à ilusão.
  8. 8. •A supremacia do conhecimento fragmentado de acordo com as disciplinas impede freqüentemente de operar o vínculo entre as partes e a totalidade, e deve ser substituída por um modo de conhecimento capaz de apreender os objetos em seu contexto, sua complexidade, seu conjunto. OS PRINCÍPIOS DO CONHECIMENTO PERTINENTEOS PRINCÍPIOS DO CONHECIMENTO PERTINENTE
  9. 9. •É necessário desenvolver a aptidão natural do espírito humano para situar todas essas informações em um contexto e um conjunto. É preciso ensinar os métodos que permitam estabelecer as relações mútuas e as influências recíprocas entre as partes e o todo em um mundo complexo.
  10. 10. •Existe um problema capital, sempre ignorado, que é o da necessidade de promover o conhecimento capaz de apreender problemas globais e fundamentais para neles inserir os conhecimentos parciais e locais.
  11. 11. Ser professor é gostar do outro. Juvany Viana
  12. 12. ENSINAR A CONDIÇÃO HUMANAENSINAR A CONDIÇÃO HUMANA • O ser humano é a um só tempo físico, biológico, psíquico, cultural, social, histórico. Esta unidade complexa da natureza humana é totalmente desintegrada na educação por meio das disciplinas, tendo-se tornado impossível aprender o que significa ser humano. E preciso restaurá-la, de modo que cada um, onde quer que se encontre, tome conhecimento e consciência, ao mesmo tempo, de sua identidade complexa e de sua identidade comum a todos os outros humanos.
  13. 13. •Desse modo, a condição humana deveria ser o objeto essencial de todo o ensino.
  14. 14. •É possível, com base nas disciplinas atuais, reconhecer a unidade e a complexidade humanas, reunindo e organizando conhecimentos dispersos nas ciências da natureza, nas ciências humanas na literatura e na filosofia, e põe em evidência o elo indissolúvel entre a unidade e a diversidade de tudo que é humano.
  15. 15. ENSINAR A IDENTIDADE TERRENAENSINAR A IDENTIDADE TERRENA • O destino planetário do gênero humano é outra realidade-chave até agora ignorada pela educação. O conhecimento dos desenvolvimentos da era planetária, que tendem a crescer no século XXI, e o reconhecimento da identidade terrena, que se tornará cada vez mais indispensável a cada um e a todos, devem converter-se em um dos principais objetos da educação.
  16. 16. • Convém ensinar a história da era planetária, que se inicia com o estabelecimento da comunicação entre todos os continentes no século XVI, e mostrar como todas as partes do mundo se tornaram solidárias, sem, contudo, ocultar as opressões e a dominação que devastaram a humanidade e que ainda não desapareceram.
  17. 17. • Será preciso indicar o complexo de crise planetária que marca o século XX, mostrando que todos os seres humanos, confrontados de agora em diante aos mesmos problemas de vida e de morte, partilham um destino comum.
  18. 18. ENFRENTAR AS INCERTEZASENFRENTAR AS INCERTEZAS • As ciências permitiram que adquiríssemos muitas certezas, mas igualmente revelaram, ao longo do século XX, inúmeras zonas de incerteza. A educação deveria incluir o ensino das incertezas que surgiram nas ciências físicas (microfísicas, termodinâmica, cosmologia), nas ciências da evolução biológica e nas ciências históricas.
  19. 19. • Seria preciso ensinar princípios de estratégia que permitiriam enfrentar os imprevistos, o inesperado e a incerteza, e modificar seu desenvolvimento, em virtude das informações adquiridas ao longo do tempo. É preciso aprender a navegar em um oceano de incertezas em meio a arquipélagos de certeza.
  20. 20. • A fórmula do poeta grego Eurípedes, que data de vinte e cinco séculos, nunca foi tão atual: “O esperado não se cumpre, e ao inesperado um deus abre o caminho”.
  21. 21. • O abandono das concepções deterministas da história humana que acreditavam poder predizer nosso futuro, o estudo dos grandes acontecimentos e desastres de nosso século, todos inesperados, o caráter doravante desconhecido da aventura humana devem-nos incitar a preparar as mentes para esperar o inesperado, para enfrentá-lo.
  22. 22. • É necessário que todos os que se ocupam da educação constituam a vanguarda ante a incerteza de nossos tempos.
  23. 23. ENSINAR A COMPREENSÃOENSINAR A COMPREENSÃO •A compreensão mútua entre os seres humanos, quer próximos, quer estranhos, é daqui para a frente vital para que as relações humanas saiam de seu estado bárbaro de incompreensão.
  24. 24. • A compreensão é a um só tempo meio e fim da comunicação humana. Entretanto, a educação para a compreensão está ausente do ensino. O planeta necessita, em todos os sentidos, de compreensão mútua. Considerando a importância da educação para a compreensão, em todos os níveis educativos e em todas as idades, o desenvolvimento da compreensão pede a reforma das mentalidades. Esta deve ser a obra para a educação do futuro.
  25. 25. • Daí decorre a necessidade de estudar a incompreensão a partir de suas raizes, suas modalidades e seus efeitos. Este estudo é tanto mais necessário porque enfocaria não os sintomas, mas as causas do racismo, da xenofobia, do desprezo. Constituiria, ao mesmo tempo, uma das bases mais seguras da educação para a paz, à qual estamos ligados por essência e vocação.
  26. 26. A ÉTICA DO GÊNERO HUMANOA ÉTICA DO GÊNERO HUMANO • A educação deve conduzir à “antropo-ética” levando em conta o caráter ternário da condição humana, que é ser ao mesmo tempo indivíduo/sociedade/espécie. Nesse sentido, a ética indivíduo/espécie necessita do controle mútuo da sociedade pelo indivíduo e do indivíduo pela sociedade, ou seja, a democracia; a ética indivíduo/espécie convoca, ao século XXI, a cidadania terrestre.
  27. 27. • A ética não poderia ser ensinada por meio de lições de moral. Deve formar-se nas mentes com base na consciência de que o humano é, ao mesmo tempo, indivíduo, parte da sociedade, parte da espécie. Carregamos em nós esta tripla realidade. Desse modo, todo desenvolvimento verdadeiramente humano deve compreender o desenvolvimento conjunto das autonomias individuais, das participações comunitárias e da consciência de pertencer à espécie humana.
  28. 28. • Partindo disso, esboçam-se duas grandes finalidades ético-políticas do novo milênio: estabelecer uma relação de controle mútuo entre a sociedade e os indivíduos pela democracia e conceber a Humanidade como comunidade planetária. A educação deve contribuir não somente para a tomada de consciência de nossa Terra-Pátria, mas também permitir que esta consciência se traduza em vontade de realizar a cidadania terrena.
  29. 29. O povo das cinzas... A sabedoria !!!

×