O slideshow foi denunciado.

Os sete saberes: Edgar Morin (síntese)

81

Compartilhar

1 de 26
1 de 26

Os sete saberes: Edgar Morin (síntese)

  1. 1. Os sete saberes necessários à Educação do Futuro
  2. 2. Os sete saberes necessários à Educação do Futuro Morin (2004) apresenta idéias que podem contribuir para o educador redefinir a sua posição nas instituições de ensino nas relações com os estudantes, o currículo, as disciplinas e a avaliação.
  3. 3. Sete são os saberes que precisam ser ensinados... 1. Considerar erros e ilusões constantes nas concepções; 2. Construir o conhecimento pertinente; 3. Reaprender a nossa própria condição humana; 4. Reconhecer nossa identidade terrena; 5. Enfrentar as incertezas constantes no conhecimento científico; 6. Ensinar a compreensão por meio do diálogo e do entendimento; 7. Discutir e exercitar a ética.
  4. 4. O erro e a ilusão... A ciência se acostumou a afastar o erro de suas concepções, contudo é preciso considerar o erro e a ilusão constantes nas concepções para que o conhecimento avance.
  5. 5. O erro e a ilusão... Todo conhecimento comporta o risco do erro e da ilusão. [...] A educação deve mostrar que não há conhecimento que não esteja, em algum grau, ameaçado pelo erro e pela ilusão. [...] O conhecimento não é um espelho das coisas ou do mundo externo. Todas as percepções são ao mesmo tempo, traduções e reconstruções cerebrais com base em estímulos ou sinais captados e codificados pelos sentidos. (MORIN, 2004, p.19-20)
  6. 6. O erro e a ilusão... [...] O desenvolvimento do conhecimento científico é poderoso meio de detecção dos erros e de luta contra as ilusões. Entretanto, os paradigmas que controlam a ciência podem desenvolver ilusões, e nenhuma teoria científica está imune para sempre contra o erro. Além disso o conhecimento científico não pode tratar sozinho dos problemas epistemológicos, filosóficos e éticos. (MORIN, 2004, p.19-20)
  7. 7. Conhecimento pertinente Morin (2004) defende que não é preciso aniquilar a idéia da disciplina, mas rearticular a idéia da disciplina em outros contextos.
  8. 8. Conhecimento pertinente Para que o conhecimento seja pertinente a educação deve tornar o contexto, o global, o multidimensional e o complexo evidentes. Há ciências que já praticam o conhecimento pertinente, como a Ecologia que junta áreas variadas do conhecimento. Portanto, o conhecimento pertinente é uma idéia contra a fragmentação.
  9. 9. Condição humana Precisamos aprender que temos multidimensionalidades, além de seres culturais somos, também, naturais, físicos, psíquicos, míticos e imaginários. É necessário reconhecer a nossa própria condição humana de dualidade, expressa na idéia de sapiensdemens.
  10. 10. Condição humana Conhecer o humano é situá-lo no universo [...]. Devemos reconhecer nosso duplo enraizamento no cosmos físico e na esfera viva e, ao mesmo tempo, nosso desenraizamento propriamente humano. Estamos simultaneamente dentro e fora da natureza. (MORIN, 2004, p.47-48)
  11. 11. Condição humana [...] Somos originários do cosmos, da natureza, da vida, mas, devido à própria humanidade, à nossa cultura, à nossa mente, à nossa consciência, tornamo-nos estranhos a este cosmos, que nos parece secretamente íntimo. [...] O humano é um ser a um só tempo plenamente biológico e plenamente cultural, que traz em si a unidualidade originária. (MORIN, 2004, p.51-52)
  12. 12. Condição humana [...] O homem somente se realiza plenamente como ser humano pela cultura e na cultura. Não há cultura sem cérebro humano (aparelho biológico dotado de competências para agir, perceber, saber, aprender), mas não há mente (mind), isto é, capacidade de consciência e pensamento, sem cultura. (MORIN, 2004, p.52)
  13. 13. Condição humana O ser humano é a um só tempo físico, biológico, psíquico, cultural, social e histórico. Esta unidade complexa da natureza humana é totalmente desintegrada na educação por meio das disciplinas, tendo se tornado impossível aprender o que significa ser humano. É preciso restaurá-la, de modo que cada um, onde quer que se encontre, tome conhecimento e consciência, ao mesmo tempo de sua identidade complexa e de sua identidade comum a todos os outros seres humanos. (MORIN, 2004, p.15)
  14. 14. Identidade terrena A Terra é a nossa pátria. A idéia da identidade terrena está ligada a idéia da sustentabilidade. Precisamos ensinar que a Terra é um pequeno planeta que precisa ser sustentado a qualquer custo.
  15. 15. Identidade terrena Construir um planeta sustentável significa construir um planeta viável para as futuras gerações. Se nós não conseguirmos manter um planeta sustentável o planeta pode apresentar sinais de irritabilidade, como já é possível constatar.
  16. 16. Enfrentar as incertezas A ciência cartesiana construiu a idéia de que tudo que é científico pertence ao reino da certeza.
  17. 17. Enfrentar as incertezas Em 1927 Werner Heisenberg construiu o princípio da incerteza, ganhando um Prêmio Nobel. O princípio da incerteza afirma que um determinado elemento atômico pode se comportar simultaneamente como onda e partícula. Nós humanos, também somos partículas e ondas; somos partículas enquanto seres individualizados e somos ondas como seres portadores de muitas multiplicidades.
  18. 18. Enfrentar as incertezas Temos que ensinar o princípio da incerteza, no qual o conhecimento científico, nunca é um produtor absoluto de certezas. Ao contrário, tudo aquilo que foi criado pelo homem é crivado pela idéia da incerteza. A incerteza pode comandar o avanço do saber e da cultura. Esta idéia precisa ser incorporada no ensino da física, da química, história, geografia, línguas, filosofia...
  19. 19. Ensinar a compreensão A compreensão deve ser o meio e o fim da comunicação humana. A comunicação humana deve ser voltada para a compreensão. Nossas instituições de ensino são caracterizadas pela incompreensão: disciplinas que brigam com as outras, departamentos que não se entendem com ou outros, áreas do conhecimento que não se falam com as outras.
  20. 20. Ensinar a compreensão É preciso introduzir o ensino da compreensão nas unidades de ensino em qualquer nível que elas exerçam. A idéia da compreensão pode ser estendida ao planeta que precisa de mais compreensão. O que caracteriza hoje nosso planeta, enquanto terra pátria é a incompreensão políticas, ideológicas, econômicas.
  21. 21. Ética do gênero humano A ética é uma palavra de entendimento complexo. Poderíamos resumir o significado da ética com a seguinte expressão: não desejar para os outros, aquilo que você não deseja para você.
  22. 22. Ética do gênero humano A antropoética é a ética do gênero humano. O ensino da antropoética precisa ser reintroduzido nas escolas. A antropoética está ancorada em três elementos: o indivíduo, a sociedade e a espécie. Precisamos construir uma antropoética para religar indivíduo, sociedade e espécie.
  23. 23. O propósito dos Sete Saberes Como aplicar os sete saberes na reforma da educação é um problema a ser discutido e decidido coletivamente nas instituições de ensino. Os sete saberes podem contribuir para juntar as disciplinas. Na prática se propõe uma redefinição dos currículos que integrem os saberes e propiciem a formação e a ações de um novo tipo de professor.
  24. 24. O propósito dos Sete Saberes O pensamento complexo não é contra a disciplina, mas abre outros campos para a disciplina. Sua introdução no ensino pode nos levar possivelmente para rumos inovadores na construção do conhecimento.
  25. 25. O propósito dos Sete Saberes 1. Revisar currículos; 2. Integrar as disciplinas e religar os saberes; 3. Reorganizar o pensamento; 4. Abrir outros campos de saberes; 5. Recusar a separação entre razão e emoção, ciência e arte, ciência e mito; 6. Estimular o diálogo entre diferentes, reconhecendo que pode haver relações de tensão entre opostos (singular e universal, local e global, sujeito e objeto).
  26. 26. Referências CARVALHO, Edgard de Assis. Morin. São Paulo: Atta - Mídia e Educação, 2006. (Coleção Grandes Educadores). Vídeo, 55min. MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 9.ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2004. Slides organizados por Sandra Freitas, em 2010, para atender o Curso – Prática Docente no Ensino Superior, realizado pela UFPA.

×