Eixos do pensamento de Edgar Morin

2.643 visualizações

Publicada em

Seminário sobre os eixos do pensamento de Edgar Morin

Publicada em: Educação
2 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.643
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
221
Comentários
2
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Eixos do pensamento de Edgar Morin

  1. 1. EDGAR MORIN Os eixos do pensamento complexo
  2. 2. OS EIXOS DO PENSAMENTO INFLUÊNCIAS: SOCIOLOGIA, FILOSOFIA E HISTÓRIA  Morin sempre relaciona cultura, sociologia e política em seus estudos;  Conviveu com um universo de incertezas e das perdas ainda muito cedo.  Relação entre razão e afetividade.  Sua formação teórica e acadêmica dialoga com diversas áreas do conhecimento humano.  Graduou-se em História, Geografia, Direito. Desenvolveu também estudos nas áreas de Ciência Política, Sociologia, Filosofia e Economia.
  3. 3. OS EIXOS DO PENSAMENTO INFLUÊNCIAS: SOCIOLOGIA, FILOSOFIA E HISTÓRIA  Friedrick Hegel  Thedor Adorno  Max Horkheimer  Max Weber  Michel Montaigne  Karl Popper  Pierre Bourdieu  Ernst Cassirer  Cornelius Castoriadis  Hannah Arendt  Noel Chomsky  Georges Dumezil  Michel Foucault  Mircea Eliade  Martin Heidegger  Edmund Husserl  Michel Maffesoli  Antônio Damásio  Jean Baudrillard  Thomas Kuhn  Jurgen Habermas
  4. 4. OS EIXOS DO PENSAMENTO DIMENSÕES DO HUMANO  Homo Sapiens – Inteligência, Racionalidade  Homo Demens – Capaz de loucuras  Homo Fabers – Técnicas do fazer, da produção  Homo Economicus - Age em função do seu interesse econômico  Homo Mitologicus – Vive em função de crenças e mitos  Homo Ludens – que joga, consome, desperiça “Eu digo que o homo sapiens é ao mesmo tempo o homo demens, capaz das maiores loucuras, até as mais criminosas, as mais insensatas. Não se pode separar os dois, porque entre os dois circula a afetividade, o sentimento, não existe racionalidade pura, até o matemático completamente dedicado à racionalidade matemática o faz com paixão."
  5. 5. OS EIXOS DO PENSAMENTO AS TRÊS TEORIAS  1969/70 – Instituto Salk – Califórnia  Inicia-se na “três teorias” que considera interpenetrantes e inseparáveis: a cibernética, a teoria dos sistemas e a teoria da informação.  1977 – 1980 Publicação de “La Méthode: La Nature de la Nature”, no qual procura apresentar um conhecimento “enciclopedante” – ao invés de enciclopédico – ou seja, ”que põe em ciclo os conhecimentos dispersos a fim de que façam sentido, ligando-se uns aos outros” e introduz  A epistemologia da complexidade.
  6. 6. OS EIXOS DO PENSAMENTO OS OPERADORES DE COMPLEXIDADE  Operador dialógico Envolve coisas que aparentemente estão separadas Razão e emoção Sensível e inteligível O real e o imaginário A razão e os mitos A ciência e a arte  Operador recursivo Na recursividade a causa produz um efeito, que por sua vez produz uma causa. Somos produto de uma união biológica, entre um homem e uma mulher e por nossa vez seremos geradores de outras uniões.
  7. 7. OS EIXOS DO PENSAMENTO OS OPERADORES DE COMPLEXIDADE  Operador hologramático Trata de situações em que você não consiga separar a parte do todo A parte está no todo, assim como o todo está na parte.  Esses três operadores são as bases do pensamento complexo. Juntar coisas que estavam separadas. Fazer circular o efeito sobre a causa, Idéia de totalidade: Não dissociar a parte do todo.
  8. 8. OS EIXOS DO PENSAMENTO SOBRE A REFORMA DO PENSAMENTO  Pensamento não fragmentado  Problemas universais X Percepção apenas econômica  Crítica sobre uma ideia simplista e redutora de mundo: Tudo que foge ao cálculo é eliminado no pensamento econômico  Terceira via: desenvolvimento de uma economia pluralista  Repostas juntas por uma defesa conjunta da vida  Defesa da Cultura = Defesa da qualidade de vida  Resistência contra o pensamento homogêneo do mundo = Mcdonaldização
  9. 9. OS EIXOS DO PENSAMENTO SOBRE A REFORMA DO PENSAMENTO  A simplificação é a barbárie do pensamento  A complexidade é a civilização das ideias  As ideias são instrumentos conceituais para conhecer o mundo  Não podemos nos deixar sermos esmagados por elas, mas devemos sim dialogarmos com elas  Cultura científica + cultura humanística. União das 2 culturas
  10. 10. OS EIXOS DO PENSAMENTO SOBRE A REFORMA DO PENSAMENTO  Lazer: o espaço da vida vivida  Quanto mais individualismo, quanto mais individualização, mais o indivíduo teme a morte  Quanto mais o indivíduo vive pelo coletivo, menos teme a morte  Não viemos ao mundo para sobreviver e sim viver.
  11. 11. OS EIXOS DO PENSAMENTO O PENSAMENTO COMPLEXO  Tratado epistemológico sobre o conhecimento.  Introduz o leitor aos meandros da sua filosofia científica  Questiona os paradigmas reducionistas da ciência clássica  Mostra, a partir de reflexões sobre várias áreas do conhecimento, que o fazer científico modificou-se e continua sendo modificadas num processo dialógico transdisciplinar.  O PC figura como uma abordagem inclusiva, pluralizante e não-reducionista sobre a organização do conhecimento  Revela uma ciência que leva em conta os princípios da incerteza e do acaso.
  12. 12. OS EIXOS DO PENSAMENTO SIMPLES X COMPLEXO  Pensamento simples segmentado e direto demais  Tentativa de apropriação da verdade  Parte de um pensamento  Tenta controlar a informação  Busca pela completude: exatas, simétricas e conclusivas  Pensamento mutilador = ações mutilantes  Pensamento complexo profundo e interligado  Aproximação da realidade  Busca clareza e exatidão  Articulação entre os diversos campos de pesquisas e disciplinas  Buscas possibilidades, e entende assimetria  Pensamento agregador = ações de integração
  13. 13. OS EIXOS DO PENSAMENTO A DESORDEM E A ORGANIZAÇÃO  Método de aprendizagem pelo erro e pela incerteza  Na humanidade existem dois flagelos, a desordem e a organização, no meio desse grande intervalo, os humanos tentam viver com as suas angústias  A angústia faz parte da complexidade humana, pois é para muitos o motor das transformações.
  14. 14. OS EIXOS DO PENSAMENTO TETRAGRAMA ORGANIZACIONAL
  15. 15. OS EIXOS DO PENSAMENTO OS 7 SABERES NECESSÁRIOS À EDUCAÇÃO DO FUTURO 1 – AS CEGUEIRAS DO CONHECIMENTO  Todo o conhecimento comporta o risco de erro e da ilusão.  Erros mentais, intelectuais, da razão. 2 – OS PRINCÍPIOS DO CONHECIMENTO PERTINENTE  Quanto mais poderosa é a inteligência geral, maior é a sua faculdade de tratar de problemas especiais.  A hiperespecialização impede tanto a percepção do global, pois fragmenta, quanto do essencial, pois dissolve.  Saberes desunidos X problemas multidisciplinares, globais e planetários
  16. 16. OS EIXOS DO PENSAMENTO OS 7 SABERES NECESSÁRIOS À EDUCAÇÃO DO FUTURO 3 – CONHECER A CONDIÇÃO HUMANA  Conhecer o humano é, antes de mais nada, situá-lo no universo.  Somos a um só tempo seres terrestres, cósmicos, biológicos e culturais. 4 – CONHECER A IDENTIDADE TERRENA  Ser simultaneamente indivíduo, sociedade e espécie. Era planetária.  Consciência antropológica, ecológica, cívica e espiritual.
  17. 17. OS EIXOS DO PENSAMENTO OS 7 SABERES NECESSÁRIOS À EDUCAÇÃO DO FUTURO 5 – ENFRENTAR INCERTEZAS  Ainda não incorporamos a ideia de estarmos prontos para o inesperado.  É uma ilusão prever o destino humano. O futuro chama-se incerteza. “Navegar sem perder a racionalidade e o sentimento, sobretudo o amor” 6 – APRENDER A COMPREENSÃO  A compreensão não pode ser quantificada e menos ainda explicada.  Compreender inclui simpatia, generosidade, sinceridade, identificação, empatia. Significa apreender em conjunto, abraçar junto.
  18. 18. OS EIXOS DO PENSAMENTO OS 7 SABERES  7 – A ÉTICA DA COMPREENSÃO  A ética da compreensão é a arte de viver que nos demanda, em primeiro lugar, compreender de modo desinteressado.  Demanda grande esforço, pois não pode esperar nenhuma reciprocidade. É compreender porque e como se odeia e se despreza.  A ética da compreensão pede que se compreenda a incompreensão.
  19. 19. A CONSCIÊNCIA DA COMPLEXIDADE NOS FAZ COMPREENDER QUE NÃO PODEREMOS ESCAPAR JAMAIS DA INCERTEZA E QUE JAMAIS PODEREMOS TER UM SABER TOTAL: A TOTALIDADE É A NÃO VERDADE(EDGAR MORIN)
  20. 20. ”É PRECISO SUBSTITUIR UM PENSAMENTO QUE ISOLA E SEPARA POR UM PENSAMENTO QUE DISTINGUE E UNE.” (EDGAR MORIN) OBRIGADO!
  21. 21. BIBLIOGRAFIA  Resenha livro http://www.uniararas.br/revistacientifica/_documentos/art.4-001-2013.pdf  Timeline http://www.edgarmorin.org.br/vida.php?secao=con  Roda Viva https://www.youtube.com/watch?v=ptITr1Zl9UQ  Use à vontade mas não esqueça de citar as fontes.   Autores: Rodrigo Volponi e Raquel Rieckmann – Mestrandos em Comunicação na Contemporaneidade. Parte do Seminário sobre Edgar Morin da disciplina: Comportamento, subjetividade e cultura da mídia - Professor Dimas. A. Künsch Faculdade Cásper Líbero – Abril/2014

×