As Setenta Semanas de Daniel - lição 10

1.468 visualizações

Publicada em

estudo

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.468
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As Setenta Semanas de Daniel - lição 10

  1. 1. LIÇÃO - 10 AS SETENT AS SEMANA
  2. 2. LEITURA BÍBLICA DANIEL 9:20-27
  3. 3. 20 - Estando eu ainda falando e orando, e confessando o meu pecado, e o pecado do meu povo Israel, e lançando a minha súplica perante a face do SENHOR, meu Deus, pelo monte santo do meu Deus, 21 - Estando eu, digo, ainda falando na oração, o homem Gabriel, que eu tinha visto na minha visão ao princípio, veio, voando rapidamente, e tocou-me, à hora do sacrifício da tarde. 22 - Ele me instruiu, e falou comigo, dizendo: Daniel, agora saí para fazer-te entender o sentido.
  4. 4. 23 - No princípio das tuas súplicas, saiu a ordem, e eu vim, para te declarar, porque és mui amado; considera, pois, a palavra, e entende a visão. 24 - Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniquidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo. 25 - Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos.
  5. 5. 26 - E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações. 27 - E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador.
  6. 6. INTRODUÇÃO Em Daniel 9.3-20 vemos a oração do profeta, para que Deus desse inicio ao regresso de seu povo, do cativeiro Babilônico. Diante do clamor insistente de Daniel, Deus lhe envia um mensageiro com a resposta da sua petição, mostrando-lhe o panorama profético estabelecido por Deus, para restaurar completamente a nação de Israel. As 70 semanas = 490 anos revelaria a soberania de Deus em relação ao seu povo, Israel. A revelação das setenta semanas a Daniel é a chave para a compreensão da doutrina das últimas coisas.
  7. 7. COMENTANDO
  8. 8. O período das setenta semanas seria para: 1) Extinguira transgressão. 2) Dar fim aos pecados. 3) Expiar a iniquidade. 4) Trazer a justiça eterna. 5) Selar a visão e a profecia. 6) Ungir o Santo dos santos (Dn.9:24). Tudo isso tem relação direta com a nação de Israel.
  9. 9. O CENÁRIO HISTÓRICO DA PROFECIA
  10. 10. “No ano primeiro de Dario, filho de Assuero, da linhagem dos medos, o qual foi constituído rei sobre o reino dos caldeus” (Dn 9.2). “A expressão “No primeiro ano de Dario […] constituído sobre o reino dos caldeus”, nos mostra que Daniel não o confunde com Ciro. Dario era rei mas apenas sobre a Babilônia e não sobre o império Medo-Persa. Este registro histórico data aproximadamente de 539- 538 a.C. sessenta e sete anos depois de Daniel ter sido levado no verão de 605 a.C.; cerca de cinquenta e nove anos do começo do cativeiro do Rei Jeoaquim (II Cr 36.9,10; Ez 1.1); um pouco menos que cinquenta anos a partir da destruição final de Jerusalém em 586 a.C. Isto explica o interesse de Daniel em Jerusalém (Dn 9.2). Ele imaginou que o tempo já estava sendo contado”.
  11. 11. DANIEL INTERCEDE PELO SEU POVO
  12. 12. O tempo da profecia de Jeremias: Daniel ainda em atividades políticas sob o domínio de Dario e já com a idade avançada, analisa a profecia do profeta Jeremias e descobre que a mesma determinava um tempo de setenta anos de cativeiro para o povo judeu. Daniel reconhece que o tempo está no fim. Ao compreender a mensagem, Daniel ora a Deus pedindo-lhe o cumprimento da promessa, isto é, a restauração do reino a Israel. Daniel clamava a Deus e, não tinha terminado a sua oração, eis que se lhe apresenta o anjo Gabriel (vs.20,21).
  13. 13. A confissão dos pecados: Daniel busca a Deus com oração e súplicas, com jejum, pano de saco e cinza (v.3). Quatro graus de intensidade compõem a oração de Daniel: 1) Oração, pedidos em geral a Deus. 2) Rogos, súplicas com insistência. 3) Jejum, para subjugar o corpo. 4) Saco de cinza, para mostrar humildade e indignidade em extremo.
  14. 14. Daniel busca a Deus de forma confessional e de reconhecimento da culpa. Ele expõe não só a culpa do povo, mas também a sua (vs.4,5). Daniel pede perdão pelo pecado do povo e também pelos seus. Aqui vemos mais uma vez a integridade de Daniel, ele não foi presunçoso diante da justiça de Deus.
  15. 15. Daniel reconhece a justiça de Deus: Mesmo em meio a tanto sofrimento, Daniel estava convicto acerca da perfeição da justiça divina. Daniel reconhece que a justiça de Deus não iguala a justiça dos homens (v.7).
  16. 16. DEUS REVELA O FUTURO DO SEU POVO
  17. 17. A Bíblia mostra que Deus puniu o seu povo com o cativeiro por dois motivos: 1) Eles haviam dado as costas ao Senhor e serviram aos ídolos (Jr 3.13; 18.11; 19.13; 25.5,6; 35.15). 2) Os setenta anos de cativeiro sobre a nação foi para “que a terra se agradasse dos seus sábados; todos os dias da desolação repousou, até que os setenta anos se cumpriram” (2 Cr 36.21). Deus havia ordenado a Israel, no deserto, que: 1) Trabalhasse seis dias em sete e, semelhantemente, seis anos em sete (Êx 20.9,10; Lv 25.1-7). A guarda do sábado a risca foi observada por Israel logo no deserto, e um homem foi morto porque o violou (Nm 15.32-36). 2) Guardasse o ano sabático só entraria em vigor com a entrada da nação na terra prometida (Lv 25.2-4). Durante esse ano de repouso, a terra não era lavrada, o fruto era livre, e a confiança do povo em Deus era provada. Durante os 490 anos da monarquia, esta lei não foi observada, como devia ter sido por 70 vezes. Por isso, foram dados ao povo 70 anos de cativeiro.
  18. 18. O sentido da profecia: A profecia das setenta semanas diz respeito ao futuro IMEDIATO e ESCATOLÓGICO de Israel. Enquanto Daniel, orava, no período de três da tarde (Dn 9.21), um anjo, chamado Gabriel, lhe entregar uma mensagem explicativa (Dn 9.22-b). O anjo apresenta a profecia no sentido completo, e depois mostra a Daniel as suas divisões (Dn 9.24,25,27). Entre os hebreus, em lugar da palavra “semana” usava-se a palavra “shabua”,que em hebraico significa, literalmente, um “sete”. Pode ter o sentido de um “sete” de dias como também um “sete” de anos. Precisamente nesta profecia tem o sentido profético de anos e não de dias (Nm 14.34; Ez 4.6) Assim sendo, estas “setenta semanas” são setenta “grupos de sete anos”, ou seja, 490 anos.
  19. 19. O bloco que forma os versículos 24-27 é profeticamente dividido em três grupos: Sete semanas = 49 anos Sessenta e duas semanas = 434 anos Uma semana = 7 anos
  20. 20. O primeiro grupo (49 anos): Deu-se início com o decreto de Artaxerxes Longímano em 445 a.C, para a reconstrução de Jerusalém, (Ne 2). O segundo grupo (434 anos): É o período do advento do Messias. No ano 70 d.C. o templo de Jerusalém foi destruído pelo general Tito. O terceiro grupo (7 anos): É o advento do Anticristo (ainda não aconteceu).
  21. 21. ESTA É A ERA DA IGREJA
  22. 22. Os três príncipes. 1) O primeiro é o Messias 2) O segundo é o general Tito. 3) O terceiro surgirá no futuro, o anticristo. O intervalo entre a sexagésima nona (69) e a septuagésima (70) semanas. É o tempo da graça, identificado pelo Bíblia como o “tempo dos gentios”. Neste tempo é formado um novo povo de Deus, a Igreja, composta por judeus e gentios.
  23. 23. OS PROPÓSITOS DAS
  24. 24. Revelar o homem do pecado. Ele é identificado em Daniel pelo: 1) Rei de cara feroz. 2) O chifre pequeno. 3) O animal terrível e espantoso. No Novo Testamento ele é identificado como: 1) O anticristo 2) A besta que subiu do mar. Trata-se de um líder mundial poderoso que chamará a atenção das nações pela sua diplomacia, astúcia e inteligência política.
  25. 25. A grande tribulação. Último período das Setenta Semanas, durante o qual terá lugar o reinado do Anticristo e a Grande Tribulação. Esta semana será inaugurada logo após o arrebatamento da Igreja (2 Ts 2.7; Ap 3.11). Como as demais, terá a duração de sete anos; será dividida em duas partes de três anos e meio cada: a primeira de uma aparente paz e segurança; a segunda será marcada pela Grande Tribulação (Ap 11.2,3, 12.6). Revelar a vitória gloriosa do Messias. No final dessa semana, aparecerá o Senhor Jesus, juntamente com a sua Igreja, para implantar na Terra o Reino Milenar.
  26. 26. CONCLUSÃO Em tudo isso encontramos uma mensagem de esperança ao nosso coração. Não tenhamos medo, creiamos tão somente! Alegremos nesta esperança: BREVE JESUS VOLTARÁ!

×