Homilética - lição - 02

505 visualizações

Publicada em

Teologia

Publicada em: Espiritual
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
505
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Homilética - lição - 02

  1. 1. A PREGAÇÃO DA PALAVRA
  2. 2. LIÇÃO 02 A PREGAÇÃO DA PALAVRA
  3. 3. INTRODUÇÃO A pregação bíblica é um milagre duplo: 1) O primeiro milagre, é Deus usar um homem imperfeito, pecador e cheio de defeitos para transmitir a perfeita e infalível Palavra de Deus. Trata-se de um Ser perfeito usando um ser imperfeito como seu porta-voz. Só um milagre pode tornar isso possível. 2) O segundo milagre, é Deus fazer com que os ouvintes aceitem o porta-voz imperfeito, escutem a mensagem por intermédio do pecador e finalmente sejam transformados por essa mensagem. Esse é o grande milagre da pregação!
  4. 4. CONCEITO DE PREGAÇÃO E PANORAMA DE SEU DESENVOLVIMENTO HSTÓRICO. O que é pregação bíblica e como ela chegou até nós?
  5. 5. Biblicamente falando, a pregação tem um papel primordial. Por isso é importante estudarmos o exercício desse ministério. Veremos: 1) O que a pregação não é. 2) O que realmente é a pregação
  6. 6. O que a pregação não é. A pregação não é uma atividade insana conforme o conceito dos gregos (I Co 1:18,21). É através da pregação do Evangelho que a salvação é oferecida aos homens. Aqui o pregador é uma figura necessária (Rm 10:14,15). A pregação não é uma lavagem cerebral. A pregação não é um meio de se fazer proselitismo.
  7. 7. O que é a pregação. Conforme muitos escritores respeitados a pregação em suma é: A comunicação verbal da Palavra de Deus aos ouvintes. É a transmissão do evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo aos pecadores. Em I Co.2:4, a pregação não é um simples ato de retórica, um discurso político ou uma estratégia de ensino para transferir conhecimentos. Ela é a "demonstração do Espírito e de poder..."
  8. 8. Pregar, é persuadir as pessoas a aceitarem a mensagem da Palavra de Deus para: Salvação (descrentes). Crescimento espiritual (crentes). Diante disso, o pregador precisa saber para quem esta falando: Para crentes. Para descrentes.
  9. 9. O centro da pregação deve ser Cristo e não o pregador. Há pregadores que se perdem e divagam quando ministram. Começam a falar do amor de Deus, passam a divagar sobre o Apocalipse, vão até Gênesis, aos profetas e, no final, não sabem como sair do emaranhado de palavras. É preciso ter objetividade na pregação.
  10. 10. O CONCEITO DE PREGAÇÃO NO NOVO TESTAMENTO
  11. 11. No NT existem seis termos originais que conceitua a pregação: 1) Kerygma. 2) Didache. 3) Didascalia. 4) Euangelizomai. 5) Martyrein. 6) Parenese. Veremos cada uma em destaque:
  12. 12. KERYGMA. No grego existem três palavras chaves: 1) Kerygma = Anúncio, pregação. 2) Keryssein = Anunciar, proclamar aos brados. 3) Keryx = Pregoeiro, arauto, mensageiro. Kerygma é a proclamação solene, em praça pública, que um arauto faz em nome do rei (Mt 3:2). A igreja nasceu da pregação querigmática. Ela é, portanto, a sociedade daqueles que: acreditam, aceitam e confiam em Cristo, o Salvador.
  13. 13. DIDACHE. É o tipo de pregação destinada de forma específica aos adultos, que se preparavam para o batismo nas águas. O didaquê, era o aprofundamento do querigma (pregação), a fim de fortalecer a fé do novo convertido. Era o discipulado, como chamamos atualmente.
  14. 14. DIDASCALIA. É o aprofundamento nas verdades da fé. Um ensino superior que buscava: Explicar. Fundamentar. A fé brotada a partir do: Querigma (pregação). É aprofundada pelo: Didaque (discipulado).
  15. 15. EUANGELIZOMAI. Evangelizar. Transmitir boas novas; uma mensagem de alegria (Lc 2:10,11). O pregador é um portador de boas novas de salvação ao ser humano corrompido. O conteúdo do evangelho é a salvação realizada por Jesus (Rm 1:16; Ef 3: 6-8). Portanto, o evangelho é para todos, sem limite de classe social.
  16. 16. MARTYREIN. Significa: Testemunhar, testificar, ser testemunha. A testemunha qualifica-se através da comprovação de sua experiência. Isto lhe dá: credibilidade, convicção e liberdade, no cumprimento de sua missão. PARENESE. Era a pregação que tinha um conteúdo voltado para as exigências da moral cristã.
  17. 17. A PREGAÇÃO NO ANTIGO TESTAMENTO
  18. 18. Neste período os pregadores eram os profetas. Homens que tinham uma palavra a dizer. O oráculo, isto é, a Vontade de Deus anunciada aos homens era falada. A Palavra de Deus era expressada. Deus escolhera homens para ser seu porta-voz; as palavras eram de Deus, que eram proferidas em determinadas ocasiões. Os profetas usavam parábola ou alegoria, porém, a mais dramática apresentação de sua mensagem era feita por meio do oráculo por ação.
  19. 19. O oráculo por ação era uma relação exata com um símbolo que estava em relação à palavra. Ambos estavam em relacionados aos acontecimentos (II Rs 13: 14-19). Aqui neste exemplo, vemos sobre até que ponto a fé abraçaria a palavra da promessa.
  20. 20. A PREGAÇÃO DE JESUS DURANTE SEU MINISTÉRIO A essência da pregação (kerygma) de Jesus era o anúncio (keryssein) do Reino de Deus. Deus soberano invade o reino das trevas e conquista a vitória decisiva através do conteúdo básico do querygma de Jesus, o Evangelho do Reino (Cl 1: 13,14).
  21. 21. A PREGAÇÃO NO PERÍODO APOSTÓLICO
  22. 22. Os apóstolos reconheciam a importância do ensino para as igrejas. O alvo do ensino era: Firmar os cristãos na fé. Prepará-los para o serviço. E aperfeiçoá-los para a vinda do Senhor. Portanto, a natureza da pregação evangélica é explicar a história da salvação, transparecer a revelação e o plano de Deus para o mundo incrédulo e a igreja.
  23. 23. A pregação era a característica da obra dos apóstolos e profetas no livro de Atos. Os perdidos são salvos pela loucura da pregação diz Paulo (Co 1:21). Timóteo foi comissionado a pregar a palavra (II Tm 4:1,2). Em toda a história cristã, a pregação tem um consistente e fundamental papel na obra da igreja. Pregar e ensinar sempre tiveram entrelaçados na tradição apostólicas.
  24. 24. O trabalho do obreiro é o de proclamar e ensinar sobre Jesus, o Filho de Deus. Ele é compungido pelo Espírito Santo, pois a compulsão é indispensável ou essencial para a pregação ser autêntica. Na pregação será o próprio Deus confrontando o ser humano para tomar uma decisão. O pregador é um sofredor por causa do Evangelho!
  25. 25. A pregação apostólica era caracterizada pela transparência de mensagem e motivo. A pregação exige a fé dos ouvintes; é vital e importante que ela não seja obscurecida com sabedoria eloquente e palavras de linguagem difícil (II Co 1:17; 2:1-4). Falsificar a palavra, é como falsificar o remédio para uma cura. Paulo se preocupava com isso ( II Co 4:2). A mudança radical, isto é, o novo nascimento, só poderá acontecer verdadeiramente, mediante a apresentação direta e franca do Evangelho simples e poderoso.
  26. 26. TRANSIÇÃO DA PREGAÇÃO APOSTÓLICA PARA A PASTORAL
  27. 27. Os apóstolos seguiram o exemplo de Jesus e a sucessão de homens fiéis garantiram a continuação desse ministério. Assim foi feita a Sucessão Apostólica. O tema central da pregação era:  Jesus Cristo o filho de Deus.  Jesus Cristo crucificado.  Jesus Cristo ressuscitado.  Jesus Cristo o Senhor. Pregar a Cristo é pregar o Reino. Como é que Deus pode revelar-se no presente através de um ato do passado? Mediante a pregação.
  28. 28. A PREGAÇÃO NO SEIO DA IGREJA NO PERÍODO POSTERIOR AO PRIMEIRO
  29. 29. A pregação eloquente dentro da história da Igreja atingiu o auge com:  Crisóstomo ( boca de ouro). Devido sua eloquência. foi um arcebispo de Constantinopla e um dos mais importantes patronos do cristianismo primitivo. Ele é conhecido por suas poderosas homilias e por sua habilidade na oratória.  Agostinho. Conhecido como Santo Agostinho (354-430), foi um filósofo, escritor, bispo e teólogo cristão africano, responsável pela elaboração do pensamento cristão. Deixou uma obra literária gigantesca, foram 113 trabalhos, 224 cartas e mais quinhentos sermões.
  30. 30. Mesmo na Igreja Católica Romana, ouve grandes pregadores. Mas o sacramentismo e a liturgia morta obscureceu a missão da pregação e do ensino na Igreja. A Reforma Protestante trouxe de volta a pregação e o ensino bíblico. Grandes multidões começaram a reunir-se para ouvir a Palavra. Grandes pregadores surgiram neste tempo, entre eles, João Wesley.
  31. 31. QUESTIONÁRIO 01 01 = D 02 = B 03 = C 04 = B 05 = A 06 = E 07 = C 08 = E
  32. 32. A INFLUÊNCIA DA LITURGIA E DA PREGAÇÃO DA SINAGOGA SOBRE A IGREJA CONTEMPORÂNEA
  33. 33. A forma de ler e proceder um comentário da Palavra de Deus dentro do cristianismo, era adotada nas sinagogas em suas celebrações litúrgicas ( Lc 4:16-22). A PREGAÇÃO DO MOVIMENTO PENTECOSTAL. Graça a pregação de poder, o movimento pentecostal tornou-se o maior movimento religioso no mundo ocidental na metade do século 20.
  34. 34. Esse movimento deu oportunidade para vários pregadores que mesmo sem um curso teológico ou até mesmo sem uma credencial, pudesse pregar a Palavra. A tarefa de pregar não estava reservada a pessoas da hierarquia. O direito de pregar competia a todos os fiéis (I Co 14:26-33; Cl 3:16). A igreja primitiva deixou este exemplo (Fp 1:14; Hb 5:12). Na verdade, os cristãos primitivos não ouviam a Palavra de forma passiva (At 4:31; 11: 19). Essa foi a causa do crescimento das igrejas pentecostais em todo mundo!
  35. 35. A PREGAÇÃO DEVE PRODUZIR MUDANÇAS Quais são os requisitos para uma pregação produzir resultados?
  36. 36. 1) Estar voltado às necessidades dos ouvintes. 2) Escalar os três níveis da ação humana.  Instrumentalizar a cognição ou consciência.  Valorizar a emoção.  Levar o ouvinte à prática de ações efetivas atendendo o apelo de nossa pregação. 3) As respostas retóricas do auditório à pregação diante dos três níveis da ação humana. Não inverter!  Cognição ou consciência.  Emoção.  Volição ou vontade.
  37. 37. QUESTIONÁRIO 02 09 = A 10 = C 11 = C 12 = D 13 = B 14 = C 15 = C 16 = C

×