Projeto nova luz 1 de 7

934 visualizações

Publicada em

Projeto nova luz 1 de 7

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
934
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto nova luz 1 de 7

  1. 1. da *_s$fómwM&Q- de São Paulo, -.QjO de maio de 2011 GABINETE DD PREFEITORei.: Ofício SGP-15 n° 0115/2011 Oficia 47ôGVM03/2011Senhor Presidente 15 - Em atenção aos requerimentos epigrafados — o§primeiro, de autoria do Vereador Chico Macena, aprovado pela Comissão de ^Política Urbana, Metropolitana e Meio Ambiente, o segundo e o terceiro, também *da lavra do citado parlamentar, dirigidos à Secretaria Municipal de vDesenvolvimento Urbano -r encaminho a Vossa Excelência as anexas cópias, jtcontendo as informações solicitadas, fornecidas pela referida Pasta, relativas ^aos estudos para implantação do Projeto Urbanístico da Nova Lu7. Na oportunidade, renovo a Vossa Excelência meus s*protestos de apreço e consideração. NELSON HÊRVEY COSTA Secretário do Governo MunicipalExcelentíssimo SenhorJOSÉ POLICE NETODigníssimo Presidente da Câmara Municipal de São PauloR-sqUÍB 115-11 A?BGV 4Ü3 fi -913-11
  2. 2. na Comi*fiSf: áé (Ji-ò»na. Melo AAJ«* d* Sou» Jijn Comlasltó
  3. 3. PREFEITURA DE SAO PAULO kolha de informação ri12- -Do Processo ns 2ínU-O.Ü99.898-0 0G/Q5/2O11INTERESSADO: Câmara Municipal de São Paulo Comissãu de Política Urbana, Metropolitana e Meio Ambiente - Vereador Chico MacenaASSUNTO; Requerimento solicitando cópia dos estudos para implantação do projeto Urbamslirn da Neva Luz.SMDU/Assessoria lurídkaSenhor Chf íe -1p Acessória COPIA Traia o presente de solicitação formulada pela Câmara Municipal de Sãu Paulo -Comissão de Política Urbana, Metropolitana e Meiu Ambiente - Vereador Oucu Macenareferente ^: Cópias de requerimento epujraíado solicitado as 0Sh 12/13 Informamos qur os ^licitados, atualmente, emuntram-se m eupaPTÍFI.IMINAK, são eles: Prujeto Urbanístico E^edtica (PUE) - Subproduto 5.1: PtfE - Preliminar, anexado sob fls. 16 a 150; mlffme Plano de IJrbamzaçãu tle 2EIS [PüZElS] - Subproduto S.t. PUZE1S - Preliminar, anexado sob íls. 151 a 497. EstudOS de Viabilidade Econômica, Mercadológica e de Situação Fundiária - EVEMSK SubproduLo ^.(í. Preliminar, anexado sob Ü5. 49ÍJ a 613. informam^ que segue ar,e*o ao Processo o OfEdo 47«GV/403/2üUf sob Í1s.614/tl7;*o Otício 47^ GV/ 413/ ZO11. sob fts. 61B/Í>2Ü, visto que solicitam informações incorporadas ao Prucessn. Assim sendu, encaminhamos a Vossa Stt&erta para o que mais couber. 06/05/üQll N ,? i/J- J VALÉRIA P.M. TIVER .M. ito (jcstora do Cnntrato 02/2ÍÍ1lÜ/SMDU ) VPMT/erni
  4. 4. SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO SÃO PAULO ASSE5SORIA JURÍDICA Serretorlo de Li i* 543.43a V.íC Do Processo n° 2010-0.099.898-0 Folha de informação nQ Em J&.JS&LJJS&L INTERESSADO: Câmara Municipal de São Paulo - Comissão <fe Política Urbana,Metropolitana e Meio Ambiente - Vereador Chkr> Macena.ASSUNTO: Solicitação de cópia do* estudos para implantação do ProjetoUrbanístico Nova Luz. CÓPIA INFORMAÇÃO N° 200/2011/SMDU.AJ5MDUAJSenhor Procurador Assessor Chefe Trata o prersenü? processo de solicitação feita pela Câmara Municipal deSào Paulo - Comissão de Política Urbana, Metropolitana e Meio Ambiente -Vereador Chícu Maccra requerendo cópia dos estudos para implantação do ProjetoNova Luz, conforme fls. 12/13. ■ Aprts seu protocolo nesta SMDU, a expediente foi redirecionado aoGrupo instituído pc-fa Portaria 30/2010/fcMDU.Q O reforido grupo incluiu auprocesso diversos documentos para atender ao requerimento. Posteriormente, o presente foi encaminhado a 5ra. Gestora do rontralo02/2Ü1U/SMDU, para uma possível manifestação e análise dos pedidos feilos peioSr. Vereador. A Sra. Gestora do contraio enfatizou que os documentos encartados aoprocesso ilustram o atual estágio preliminar do desenvolvimento do projeto,informou também que anexou aos autos o üücio 47a GV/401/20I1 e Ofício 47*GV/413/2U11 haja vista solicitarem informações contidas ao processo. 1
  5. 5. SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO PBEFETUH M QDlKH H SÃO PAULO ASSES5ORIA JURÍDICA í "< Secretaria dp Urbano fíDo Processo n° 2010-0,099,898-0 Falha de Informação n° Em ..tà.../c CÓPIA Relatado o necesiáriO) proponho que o presenle processo sejadevolvido a Secretaria do Governo Municipal/Asseasoria Técnica Legislativa -SGM/ATL- CHüHA, para o devido prosseguimento. A bud consideração. PatiTo, 13 de maio de 2011 1 / Freire Machi hstagiária ae Direito RF 017001De acordo, APPARECIDO IUNIORProcurador do Município - Assessor EspecialOAK/SI 228.237SMDU 2
  6. 6. ■. § -■■! I •- SCX .1. SECRETARIA MUNICIPAL DE SÃO PAULO DESENVOLVIMENTO URBANO de ASSESSORIA JURÍDICA í YC LJrtmno IÍ!W L . 54:1.4 HfiV Do Processo n° 2010-0.099.898-0 Folha de Informação n° INTERESSADO: Câmara Municipal de Sao Paulo - Comi,sào do Política Urbana Metropolitana e Meio AmbfcnJe - Vereador Chico Macena. d0 cópia d(ÍS estudi)s INFORMAÇÃO N° 200/2Ü11/SMDU.AJSMDü.GSra. Chefe de Gabinete Nus termos cia Informação da Assessoria Jurídica desta Secretaria,que. endossamos, encaminhamos o presente para providencias decorrentes. l3/maio/2ü11 C EDUARDO MIKALAUSKAS Chefe da Assessttria Jurídica OAB/SP n" 179.867 SMUU.AJ
  7. 7. SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO i -. ^ . Dl (H1D K SÃO PAULO fl de fWL£.-U ■■Ir.543 4SS.*: ■ "141 V iDo Processo n° 2010-0.099.898-0 Folha de Informação n° CÓPIA1NTKRES5ADO: Câmara Municipal de São Paulo - Comissão de Polílica Urbana,Metropolitana e Meio Ambiente - Vereador Chico Macena.ASSUNTO: Solicitação de cópia dos estudos para implantação do ProjetoUrbanístico Nova Luz.SECRETARIA DO GOVERNO MUNICIPALAs sess ori a Iéc n íc o-Legí slativaSenhora Assessora Especial Instruído o feito nesta Secretaria Municipal de DesenvolvimentoUrbano, restituo para prossogiiEmento. Sao Paulo, 13 de maio de 2011. ■ ,REC£81£J 1 —- - HOjt ! HELOÍSA T0OP SENA REBOUÇ Chefe de Gabinete Secretaria Municipal de Desenvolvimenl
  8. 8. w ACOMPANHA O OFÍCIO ATL N9 ReqURB 115/11
  9. 9. -J*
  10. 10. -Q. 09 9 898
  11. 11. ■■
  12. 12. 2009^0209264 -9 I Folha "■"_ - i do Prac, 2010- 0. 09 9. 6 9 8 -o DF í (■_ SAO PAULO Nsra efpfr wB 9UDÜ .; CÓPIA PROJF I O NOVA LUZ PUL; PRELIMINAR SUBPRODUTO 5.1 NL_PUE5.1_A4_T011 ARQ.: NL_PUE5J_PreUminar.pdf» ■ l7yDEZ/2(H0 Processo Administrativo: 7.009-0.209.264--? Contrato: O2/201Ü/SMDU Nome Coardenadoria Jason Pnoi Geral Jacinta MoCann PUE Amélia M PUZEI3 Alexandre Jüaé V. da Costa LIA-RIMA Fernando Celsg Garda EVEMSF 7 ds C, UiZ --,■.
  13. 13. CÓPIA 1. HIS MTEXTO 1-1 1-3 HISTÓRIA c CULTURA 1-S - CVOLUÇÁO URBANA ...1-15 CONTEXTO , ,r. —" ■ n-n-i-- 2, ENTENDIMENTO 2-1W ....2-3 CONDIÇÕES EXISTENTES .... ,*.. ■ . 2-4 - DIAGNÓSTICO MEIO FfSlCG - DIAGNÓSTICO MFIOÜiÒTLCO -- "**" - MEIO SOClO ECONÔMICO *"J* - nEíRATÉGIA DESUS1ENTABIUDADF 2-" PERFiS E UM DIA NA VIDA" - 2"29 3. PARTIDO URBANÍSTICO 3-1 3-3 DIRETRIZES GERAIS DE PROJETO Í—S- 3-10 CONCEITO DE ABORDAGEM ■ AHCAEOUÇO CONCEI rUAL - . J-iu - ESTRATÉGIA DF MíCROCUMA 3-19 DISTRITOS —~ — — 3-2G EQUIPAMENTOS COMUNITÁRIOS .,..3-23%f ACESSO E MOBILIDADE . .3-28 - TRÂNSITO DE VEÍCULOS 3-3Ü - MALHA DE CICLOVAS ■ íNFRAESTRUTURA ffckUE .3-38 ELEMENTOS DO ESPAÇO URBANO 3-3B ESTRUTURA DO ESPAÇO PÚBLICO ., - 3^& .3-4C - ÂNCORAS .. ■ LIGAÇÕES ■ 3-41 Cento**)
  14. 14. ■ stfci ■-■■- ■i-i--".jb.ãy-níh.. 142■ s£te«a de íuw$aç&qESPAÇOS- TÍPC&OGlASDEEjaiAÇGSftB!íri 05, -- PRAÇA DE £NTRETEh:Míí-tt 7J 3-5,:- LAP.ÜÜ GENE^Al. QiXI-l-tt■ hPRAÇAE DE■ PRAÇA ^R1 2-58■ PRAÇA■ PRAÇA JÚLiQ — i --• 3"&? - DE 3-Q5 CONDIÇÕES EXIÊÍLNITS _ , 3_gg INTERVEMÇÔÉa PROPOSTAS jjg BOULEVAKU | TO RRANCC PASSEJU CULTURAL | DUQUH OE CAXIAS -RL 3-/Ü PAÊEtJO • a-ii USO MISTO {fíüAGErj OSGRIC 3-76 US0W[fí"IÜ|ríÜADOSANDRADAS 3-73 USO ífflSTQ | ALAMrQA SARAO DE ÜMEfRA 3-X.Z4. PROJETO URBANO 4 ■!PROJETO URBANO ESPECtFtCO- PARÂMETROS URBANls TICOS ADOTADOS■ DIRETRIZES PARA O ESPAÇO CONSTRUÍDO ., 4-4■ usa oo solo 4-?fiDETALHAS DA ÁREA DE ESTUDO .„ 4-34- DETALHE DAA^bAüí: rSTUD01 . 4.34- DETALHE DA ÁREADE ErHTUFX)2 _.. . . 4.3a■ DETALHE DA ÁREA Dfc EKTÍJDO 3 442- DETALHE BAÁREft BE !-í5TUDO5 . 4.52- DETALKEDAAREAEJE-.ESTUnoe* DETALHE DA ÁREA DL ESTUDO 7■ DÈIALHÊ OA ÁREA DE ÉSTUQO B ,,., 4.54■ Ü-TALHrDAAREADEESTUDO9 _ , 4-BB5. A CONCESSÃO URBANÍSTICA 5-1 A concessão urbanística „ PRESERVAR, MA*ÜTÊR OU BE&fDLJR „ 5.4COJÍTQ ViABILIZÍ R A PRSÊEHVÍ CAO DQ PATFttMÔttíü HISTÓRICO ... ^ ,...., S-SA PftCDUÇÃa DO ESPAÇO RESIDENCIAL E NÃO RESIDENCIAL FUZ -
  15. 15. c u u • ■ ■ c v -♦ DE - r ftpAS ^r E P<atOJÍtE3AGE DÊ IMP. W — - CÓPIAHABITACIONAL Dfl AHfcA IHAnaruPROJEÇÃO POPULACIONAL E PROJEÇÃO SEGUNDO FAIKA DÊ 1CARACTERIZAÇÃO SDCfO-ECOWÔMtCA DA INTERVENÇÃO..., r"- —"■ s-a CO MS OUÜA DO , - -- - Fttfw» iíi do Proc. ■2010--0. 09 9.898-0
  16. 16. . êSÃO PAULO
  17. 17. 009 0 sofl SemarítoHISTÓRICO ECONTEXTO CÓPIA2010-11 09 9. 89B-Ü
  18. 18. , ■ .^ os úft:fí?ü3iíliíaí^Ê, São Pauloü> urns* pequena aglomeração 3s 240 ^ir pessoas iomou-se uma tiaemaiores cidades Gr» munüo, Com piais <ie n mimões de pessoas emapi-ünSmedemente 1,500 hm2, Sao Paulo püssjji quase 19 milhões depessoas nos cjuas» 2,600 km2 de área mtifopoíííariíi , constitufBdo a T*maior íeglãa metropolitana do mundo. Com poucas reslrlç&esgeográficas que putíes&em impedir o desenvolvimento, o crescimentourbano de São P^uto espstííoü-se em tüdes es direções por décadas.A seguir serão apresentados dados históricos que explicitam osmotivos peios quais a regí&o cSo potigono da Nova Luz encontra-se n&situação atual, necessitando de uma nova transformação e o porquêdeste ser o momento decisivo para essa transformação urbana.Se por uma Jado, muitos denominam novo paradigma urbano estatransformação, por outro é, sem dúvida, um grande desafio ambiental.A região central cie São Pauío possui uma verticalIzaçao com grandesdensidades construtivas, entretanto associadas a baixas densidadesdemográficas, não superiores a 120 habltantes/hè. Caso este estoqueedífícado íoaee bem aproveitado, poderíamos aumentar a qualidade devida da população que Tioje sofra com constantes congestionamentos,perdendo muito tempo em longas viagens de casa ao trabalho,aumentar a produtividade urbana com diminuição da segregaçãourbana com menores desafios ambientais. Esta problemática construi oelemento catalisador do Projeto Nova Luz e alavanca o processo decomo reinventar o portal histórico da Cidade de São Paulo* S1 FüE -
  19. 19. 2ÜG9 02092 0. 09 9 3 9 8 " CÓPA Níj Bffltfti em rnfltir#E de 50 ansi u prooe&sa rt* jju qLasE 12 iBífíúm ií de dsia rniinüos de ern üado mpa-íW» Na Spoü em que ■ C-- n^nnau esas pi ^l^?í.so de urfcanlraçíío. a população bíBai*ei.a passou de 70% vivendo emw O de pusaQ35. ■ tm çüatfu yiübideí; m^irepilas1 GSd Peulu. Nio Je Sator Ccrno ü^ri^ftcufl^ciaiJiríiii dflSEfl nos iilMrrna Irhia anos pBSstuJ ^e a efl gl^nn^ dasaflaa amüienldi^, cauEain^ degrada?*0 flfl cDnd,ç&íi c^olúgicaí e i a.mbienlEil y o processo tia -r^í _f -r §M i? fim ia rié^^d^ ria 40. o em fãflo Pütiloiem act?nz.ídn no IHqí1 dflaenvoívimenlij poniêncn propieilíde privada e auiiíuoTr^Üuçao. iíí|>anairhÍD a ã"w urtanlzadapor um ti üBTiove «azes (fcffBHiB isirfig úTimas os anos 70. liflíl fcm2 de 5^ - um quarto d^ flrnado município) loram ■ ii ■ i^ aauade Q^jss metade OA CAPITAL DF 3AQ PAULO - na âfp^an sul entre De&&e rr-ticlo, a urbanlzaçêo de ír rjEal urbana. 5U3fóUa"dü Insflclarle ds urbdí^o que iflfl capitai. 1 uma ncioris caindo de 110 ni , a du do tutu 70, ftnqu&n^ 0 nn canfro mesmo periofir
  20. 20. Se üa poptUaçSo asarre-j nessas ifi dantes do cenirc na dé&aüa de 13SG. direta , rouue um sârfo da áree urbana s n"o í uma n a s^^a aatniíurfl, a ã e teíp sofrido um processo i: lsclo^ai, re^ullatlü üu perda a^rat^vidads UTiana, conseyijÊri 35 centenas de cdiücios vagos ü na Centra de Süo PhuIi;. inicia dn*|ft fiécub. as polliicaa urbanas s A definição de ume agitada urna na rRí^rionads áCARTA BA CAPITAL CF SAO PAULO-. M,t amhiente urbano e ao ça^ rtp uma c,fiad? s mlagratía A crucia para reversóto **4fc .. J processa d+ícatÍBnts h ^ do Prcjaln MOVB Luz üer3 um navo praiCiipc da Tiudança Nova Luz (J ba-rro dia Luz Eoi, ha um íA^Lr"n. o pnrtal paia id cüade üe San Paula s d& ffliigrarrfta lixai dm-se aqui e jle com c proecasü de econômico ligado à mfra- ferroviária Com 3 expansão suburbana de centros de moradia e irsbalbo. JijnlamenTe com a expansão to fe? com que o papel do centro e eht reposto nactónal/ internacional co bairro da Luz fosse forçam □ a característica do NQVALIJZ dp passagem « fluida? que ? 1 ■>& hav a acjauifrriíi Emratanin, na^ d& i"J ít dJ, a are-í viveu j do coifié-oiü Local, agora com peift e pausado na tí^ptclaiüaíãe em pruduíos o^Erõnicos c lisportedos, al^m üo comércio d? equipamentos de moiovc!Í5.Tio, que serrados üos equícar^eriLoj cuILjrais localizados no baiiro üh üiz, CDffip&ea atiifaidorBs de um novo bairro AlBm vaníagen^ íOoaclonais já há si^da a fscihdaiJs de p &&s ■nrva^deinijirò, vénas Unhas Ji; iie^ii eòriibui- s^sf-íioí ainJfí rnsia a proposta Lur nitrBgzrá n 51: PUE -
  21. 21. ■. - ■:;. ■A iJ * i - ■■:■ - m - - ■L. f ■ IIII CfiRTA OA CAPITAL DE SAD fAULO- 1SSS «•««— — "■•■ ™ ^ •»• ™- -»^^™^^W
  22. 22. i- - ■-■, ■ ■ .. ■ -J.J «K v s V - *> ■-, .7 ■■—-- DE E*O PAULO £ SUBÚRBIOS 1355 I DA PJÜVA LUZDlant? gdgmcio&k,c seguinte lsc"rilíiglcaL núcleo residencial, sdescreve ^rn novo p-tra ^rcgãü dü Projeta Nrae Ll.z. beh hsrmcriha dote osLüiftí (? bmrrij uh Luz f* íflu flnQrno du iULfii, bfcin currUj txjm ok a IrjGSlIzaçáo ria , cUi rrüdi>g H.irnLHr por urra ^izi^fiançg rica ecultura, espaços 3&eiíO5 e com astrü-iüjcrtc, Bòíê um g [nr,n;íhiiiivisará atrai:} urna popülaçflB eara fai>:fi irinlc.ü p^ra a daflriçac de Tíd^io urbano su&stâSva* OGílí Ucuriipijr lundu dlwflSBS prnififl*.ft5P nsT3 aqui ana capaz üe? aíonocfD4staoHlncflrnm re^^^^ciae EBmèraO TudotBeo Í^ sa da ws rí^7i* S D flíj S1.
  23. 23. »- i Li V jí 0 4 - Q do Proc,2010-0.09 9.898-0 iüfà&£ D1C f ACPLANTA DA JilDADt OÉ SÃÜ AWPLIACAO - ■ li AflEA 1J
  24. 24. PLANTA DA CAPETA. OO ESTADO GE SÃO PAULO- AMPLIAÇÃO - ■ ■■ ■■ r-^cL-- j.j- j#;^,_ -..a lUOfil FUF -
  25. 25. Evolução Urbana 1810-1868 ÓPIA ►» 200 9- 020 926? -9 l do Proc. -a099 89B-0 iras ES TAÇÂO PA LU2 - EN13^ 190 Z E 1S27 AUV GUILHERME i RF77Í 127.5 1825 1852 18671810 tnaugur& S3c Paulo Rs Jarúm Sartos-J-rtdiaF,e da ^uz". da Luz. pWtffe - ■- MAPA C|DftHE WOW LUI ProjPto -Püt ■. ■ ■ 1T
  26. 26. Evolução Urbana i*i W 1B72-1905 200?- 020926? - SS&- í £: * 1^^ tVr" fi-i" - 3 mm - - i GERAL OACAPllAk- *AO PAULO- I 1 1B97- Á#W mbari= de Sãs FauIo linha _irna ptrfçâc ceniral ma t comcacta e HG9 9.B9Í-Í) estava ercunaada por densas CAPITAL DA F-RQVtHCFA PftUl.0 - 1B7J, JULES MARTIU1 1891 1898 1905 1872 Inauguraos, a Jardim da Lu? é relcrtraíio Pl^rra de Sâc Paulo1 Pinacoteca ao para transformar-ee em registra o BaiTO de ■.úhc ponto de co^^Êrg&ncia das Ellssos Js Lu an úireç&c oc Pari corro iirtan:zac NOVA LUI Projai* Urtaaoistlto tspecttito -PUE - ■ ■- DV ClQMtf D . ■ t DORNÍCKE ■ ■ - ■ L Hisláa e Oflta Ml .ü . ,«■ 6F EiTL il ■- -Ut .■|vt=h-t f : ij
  27. 27. ■m I o5 cò j iS ro .SSSHi m CD li m ,i o rn 0> — 3 CD A 3 5 ir» CD 1 f ■ CD B! af
  28. 28. Evolução Urbana 1972 até o presente PIA 200? ■ 020926Í -f . LEVANTAMENTO CADASTRAL MDC ■ 2004 2010-0.09 9.89 8 1974 2004 2009 1972 Divulgado o est^de preiiminarda São Paula Compíe^c Cultural. ■transi rir açüe? desde • — - , ; y- - . * V "■ ■■A- <■■ c" "^ ^ ■ / .."<* >. - *. V vi. -J^ - -■ A i í ^ : NOVAUJI Pioleía Urbaíitstico íspítítíto - .■ ■ . íEf ■ ■ PAULO DE DEMEURDN "■-MtiJ-rfr * .-.411. -
  29. 29. uu y ■ u^uy i t>4 -9Z010-O.Ü99. 898-0 ii ü CÓP1As cam a gtobai ilação dos y introdução mancai da mítorrfiâtiGa m as raiaçâaa de cüoalho, *S7tir>uiei impacto significativa na u das atl s mais g-abantadns datam õe a-rciofi paseam a ser ^ Ue servidos nriçima-ae uma pür um pJtduto imüíiliárnj ■sdaquHiiu ü e^sc navo piiiilL cnm uma giía cap^ de Cruí iDs da agloüiQis^SiO rti* panaca» e C3mp|empniarfls Neale aar.iiüu, úã areai cfinTrar= tradicionais na sjs capacfdadth Je atrair , havendo uti deBlOCBroafrtO doe uaos müis pobres aíscciadrm ao cjnsumo daa dHSses ríiaií fôvora^ldap, enando um sataqua do ospaço conptruldo i RWSP. 1397 TAXA DE EMPREGO POR HAE1ÍANTE SEGUNDO às mias ZONAS HOMOGÊNEAS (ZONAS DE TRÁFEGO DA PESQUISA 00/97) FOWft CompanhiB de rie 35o Paulo- q elas sío 35 üe?!u novo C5p2ço qus n vem eiLiUtLrandi] na da S5n Paula asann comi auaaa uu ebandino e da das aalruíu^s urbanas áreas centrale Se p^r um liado este processo de ob&giB&cAfKta Hdpdoia1 vem de perias papu^a^iiínais tivas, por Odtm a tradiçSc uiüana da Srsa cer^itl flbr.qandc ^múa signif populeciur.ais. Anãiissnín a Ifl-.airiüde Jemog^fica podemos que uí SülUi es centrais, aa para nessa , que , 5 Suiores cpnl .nenor icn da -■ lis - _ RMSf Í597 OEMSJOADEDEMOGRAHCA SEGUNDO ZONAS HOMOGÊNEAS <ZOflAS DE TRÁFEGO CA PESQUISA 0D/9T) ■? a-rBl -:.■, 3 -!■-■■!:-ItI"- -, - :- 1-lí í H, , !-■ n
  30. 30. ça de paoulaçao fbiuaníR pdS3a a diar Mgar â^ nE 1000 usuários/ha [OD2!Jü7} úsa verticais., inirüslTreníc, na densidades apontam h capacidade de de peiíutiiiíjs préüinc ne quabro oj cinco Euparic qie a re^iúa possui hnie. indicando andai eu, e. costa ri omiFirrte. nga a noa 4C e seu potencial oura absurvar novo? ;C. aoi adilIc^QK enrp .tijiIs de "r contingentes rcrmeriibrarido o? A ííngnrr rá? a^a de ostudo rtínicnia-sei àa primeiras décadas d. c sécAibXiX.qusnrin suas rnercas rit rnsfeii, --nus n apogeu do as c&ácaraB -aii situadas começam 3 rbf ffníti do final da sècula Jífií aaeoffedQ â parceladas danao ongejn ã ueriDrr"r,a.-ta Instalação da tíilüvãíi da Luzsgn "Nnva Cidade As primeiras fbptíiticõea dn iíiirGimenj3 da cidaüe [iuvu parara nftò ter solo urbano dessa região da tiüade vo<ía Opro|etüNeva Luttiiláassociado30 ds íwjunfla metade do século 19, surgimento de unia nova kjcaíi?aç9n na rede em IcMH esTralTos e profundos - Lesiadg de rie r.ldade^ brasilei,raa, Trala-aB dn uma novo fe.5^ a fi mfiTros e profundidade rij&üa da associado às vaüEatítma |o&adonaft bü neíjrs Nfl&çgslo^ea sur^c arenaepEèrití pela LnslalaçSü do KXjjiEaan Uüb i:aaas da nnrSn alto. a=,5lm COfliO aa i, peias três GsLaçosadG mslro. pffe>Cflxai aDbradna wm armazéns no prcdyíos ír^obiliáries Coffi tórreo e re^iJériüiaa no pnmefro andar tlaxíviss. p*i|s misturado aiwíüadfb Posicriormenle, rieasa maania grWfra de de loTes, são coruiíUídL3 oa conjuírtoa cia experinterilar um aulrn ^ cidade. ficibraãts gomilüdLJü, adaim como ífllae residenciais r.o miolu dss quadras ser.t^o, estas COnsUoraç&n inioaia segunda m m apanhado úaa pnncipaja que sào aprof^ndatlaa naste A csíraid^iü .j=í rftqugl^ir^çflo urbana 1 considera o desenvolvimento ae empLeeiuJiirieritüa novoa, npn eoraO alguns r^sultanies da r&ciüiaaen Ce existeníeã A concerríiüião de caisir,:rda na forma de ftfiffcáos 1914 ii de 3U pavimentns com coeUciento de apfüV!3ilamHn*3 h gflba^ito be-m 5tAperlurEíi -kía pBrTrtdos noie pela legislarão vlseriie ira-nREoTií estes epipreendimandos &n npnrfuriJdades olin-.HB Outrg caractorístisa rt a ^onoentraçáQ da área , especificamente 3C cor que -j de 340 000 m1EVOLUÇÃO OA fiHSP -1395 ST.rmdi.ii5l PUÉ
  31. 31. 009-020926Í-9 4 do Proo,2010-0.09,9.89 8-0 CÓPIA 4. Nn qi>a ao rf(aroo da nfl quadras e que c coeficiente de máximo vai dn^ üàõ.O i dn leiieno. tomos as opüilunldads^ ircizida? pelo aproximadamente 1 360.000 rr: dH ria GpdiaçSo Urbana Centro J<j paasívci de ser (OUC) e sua apl:caçãj derilro do -j, caBu todas as quadras fossam pej liíbOtro de kntnrvsnção Eale nouna Eisip rfi& ndil rfn?nto& insLiumentOtra? um corante de Eate nürcero deve ^er ■juiilrontada com o vapiauens para a csnstruçâc rjuvy no sou KtítQUjLio construirá hiiaiunie na fomia d-p- psrkièd o, pcmfítindc ooflfir^sfies de com rraiF dn cm^u pavlrncn05 apravtíilaitientc superiores a bhis vert ■ gira em torno doa HüO.OOD m1, Por uutro iado, apre^ent^ rmnulícioa íü para a rnn&tnjçSü ile uuncor.trado «n apsiaa 211 e Esta compreensão * fundamenla! , emprQCtfimentoF. rfl^idencitíss enlendor^e es^ estacuE Loosauído, portam atinqiru Fiato, íanstrtul UTia cpcTlurudsdü a aer aproveitada ou deve sai ignorado que tíiinjsm o nlnirncf de 1 üOG m1 curn direilD a jfHâ arca construiria adicional,2. n^tra assolo importante a rsf livre de _ontrap.artld3, wrrPFipnnder^ = lUpui oenloda árs? rtoíirrRnn reanlíante da reqjellfiosção nrhana fl a grande pa> lute íeoicmbraco. atft n mfeíffna de de KB lOi] por cenio, possibihdaíle du ncias ae p de coefiejantas ra!íiínunici n esn dn 1ÜU imóveis Interpretadas mit-af o meçrr.n l:a h ü nesma entrave sa pro]*i!i], elua u TO, quando rreaiores quo oa Fixador na Imobiliária na sua LUOS vigente e na OíJC pnndpaimentn na que se p^bilidaae de , c importante ü»itiKfí que as do poíHíl(;lH^ construtivo s gerais ? frariPiTrin^ do plaru ria apruximadameníe previram a manutenção nm v^dc das f:sténG3 podem das feisrelacvasâ^opp^iíõBa ua na forma do ap ^nn^rcudas já existentes, pelo ►niitrüinento da pn ia, üOptí ração Uibana Cpr-ira, liriacCcIulrastaf flm v«jar u . Í4d a"je àa máximo Igual a este A rigor, portanto, 4 iuz de nossas ^rí«nama da Reoíit ich fenliu perdido ^onattfcia^õe^, uma intflr^rfliaüüj mais aproximadamEnle 13 5C0 iionseí-v&dQTS c.n matêr3 d 1990 a ?noo, Eiti trL;a o ctiefidtnte mayimo Igual te dn.^üqiáiTc;fl qus bsira 240 ÜBÈM, umadas maiq aftãa rtq c:dada Se oflnByefSffmaa sH 11 flQQ hsbiíaníea p-e^eniei na árcíO d.1! s^íijíííi de ü0 -.a . temos ap^jíinrdaariicntÉ Z25 1 1S
  32. 32. PflEFHTURA DÉSÀO PAULO
  33. 33. ■ - Uü U 9 U 6 4 - V 5WCU ENTENDIMENTO CÓPIAI «_ 30 doProc 2010-0.09 9.8 98-0
  34. 34. .. — -~ J __-í .» » i PUt
  35. 35. u y £ o â ICÕES EXISTENTES CÓP *O pro|Hiu 3 aer aprGsertfatfo pretende aoi hab:toi^e ds 3rea .-unira!, 2düDkcar a numero de nabEtenta?, garantindo Enter der paramentea maniitnnçÉu dos exfctSTrtes e parmilindü a irt**níif.ciiidQ suas paflcentraoa ífi navüd furadores, criando um s aaaü^íeúej íís cio ;ltobairro habiiüdn pur diferentes ^egmen^s de uibano é passo nindanimilal para a correiarenda Por outro ladu, pre^nde -diversificar o t^pn as emprtgQespaça para 3nrsr u ^elor de icm este oojHdva Trala-be de umapermitindo a inalação de noves 20 CO0 3p:iri!adHa nc diagnóstico do hiA Num pnmairo momsntc sao arroladas asO sutessn dnsib L.-iL^iaLiv3 depende dn -jm prinnpsia qüaaffiea do maio fis.oo enwr.tiirrusEitc da realidade tais como x deiagern urbana, o i text nn ãmuilu áo novo freátine Hlsvado,. contaminação dode rrudanças1^1 mSteoa átíndo ^ic tíe poluirão supera e Earw utn laiui propulsor para Ec-diseidcároas verdíte ual cio uau do carre, pjra a crü seguida os aapeülos do mc;o aproximação do Inr^l de r-iuiadiia do empíügo, ç>3f3 a dim^uiçau dus guotes pifsentes na nossa." dade & pura 3 de Uffi novn muiJelo Je cidade uma da densidades deaiograücsí da cidariH, 31 hab,ha. contwi%«nciü popu^çao de bfo renda PoíoulnD^adu, apresonta uma s norraníra^üea do número rte : --
  36. 36. r*n MEIO FISI A cafíHSfltseçaa ds Melo físico proporcion úe cem anos A rriaiur ü BiilanrJimflntT ri-se oondições de ocupaçã da de oslã contida na du espaçn :j?íntonal da éfea de estudo s dü e uma poqüafHi principais wpactoa associados ac solo e c> pertence ^ bacia Qo i%effSki Suuza, üubsoli rlasta a-ea que poderão interferir . |3 canaliiado, Oa nau modifiGa^ass construtivas do no A ijuerftcti da Nova I uz esíi numa flrna g^oiAgr&a de arlgírn Formação Geológica dft Fd«b TBrnária (Genaiílcü), gHcJf)gir-a ria área comportas Formação São Paulu, di? dti aq>]INiros çuperlorES ou compacta, e bca ii«i;uelfl3 ondn nr^rrem lentes de arcía cüm fm rrielo ü cssüs àgua. De acordo como lltologias de origem "O íio DAEE, EXi^tom fófl na área, des qnjqis é s^te ao lo^go dq& dreriayeiu A órea ãqua pattfreB, e qijafo poços uma naracterlsticj plana, fívry Je no aqiíliero supenor ris a^g5Tiento& oJ JSua não re encostas, üotâQttfà í;srta C^(*rfié^nicp do W^nicípio de Fm relaç.53 ao passivo emljienlai, Paulo. Inaara-Rn no domínio da i=D nn Planafto Paulistano, entre combustíveis, que, pela fatc de lf rtírn sksd eü Culpas Suava? h o1: Terraços Fluviais ^rfintaminadas es^o Om procedo de Enxutua, rnrriflríia£3o, contoime listageTi de J003 úu OETESB ConEiderando acaüvidadea Drenagem aítstortfOB, assim como as anteríofinente GnsiF*nvo!viiÍ3S. verificou se qje hã um A iiidraq^aha nr.gmal encontra-50 c qrsndn núTWG 3e áreds pòler.cialmenle em hinção í!a prngrftssrua urbaniiíçãj fíesís forma e^sto 3 área « ^jsu eniarno Destana-í. Ja híver nonrairupaçâo no □ vale do Anhanflâbaú aAj no lençol " DaÜBK1 1
  37. 37. 2010-0.09 9-- li
  38. 38. ESTUDO DE IMPACTOAMBIENTAL-MEIO FÍSICO .:
  39. 39. 200 020 0 2 64 -9" 33 do Proc. 2010-0.O9 9.898-0 CÓPIATe mpefaturaAí confliçõeü dímátlcss ds ;ims deíerminada [OMS] de 1? rrWbab. No Setor d3regiSo são caracterizadas. ™ntra juirw íujo torntfina ^o^Eéni a írea Neva LU2, a pras«nna de áreasfatores, p«ia aua eBítuda (tor>"íirif»a a ). bub pcaí^fia gcogr-STiGa (latitude), ft maioadarneote nsnassa cüin reGOhTimsnlc vegclol ou s^a. maior Ta ds 11.700 fflS, s 0^4 p a partir da&quajs. agiracccrn exírflmos o Ssfcff cie Sant^ Ceü^lia. som ou mannr intensidade as mansas ds &■& iodo 3 diramn-ji dü crcuiaçflo atmnsférscs. a au5*rtóa de vtsel^Ç50 mapeSvnl (aer-i hqhIü1 cor-tíriuaj; e o SstoE doA rsgi^o ctritrâ! dC 3Sg Paulo ten Reirci nora 7.23 m2/hac Lernpeiaturas r^éüias n» 200-70ü m2 de Louenu süila^jo enlre ?.a"C d 32BC e wfewtealmoittB em &mjáo di prase^ç^ do CfisB maLs friüa enífe 11° p I4*f^ Parque ds Lu? a de outfas ireas ^/errtps Atlas Ambcntal íio Município de &igniflcatívafi ao lan^ü da AVeniaai A»sfe Paulo [ZU02). A polulçflo nhstjrvada na Chateaubnanri à piiiiclpalme^íe rto movimento de sítjdo 5iostflri poucs^ praças e CÍB veia-los, e se acenei ha Ss demais regres da Cidade que ra^Hüem tiâfago flraas hviea passíveis Ta aitaoniaçãO, a mtsnsu Medições de n^oo e vibração asr .nud pas&eios públicos aprpstíiHeram resultafins, hth sua maioria, vale rtsstacar u<ne fen doa padrões de conforto pslas Fittnias técnica vigentes. madequação da* Targura3 üoa p fSÃO PAUi-0 a CEM. 2ÜÜ3), fazendo com Na subprateiturs da Sé o índice de nus a arboteaçSo ca^cuiis corsi outras verde por habitantn ã de *,48 mf/hah á^icau cdiuu a sircülaçâa de (SEM P LA, 2ODB)b muBü EbaiXD daquelt* q posteairp^lD, ai localização de n«-a Ü^yanizetâc Mundial de de inspeção a da mcbiiiaro ijtBa.no
  40. 40. Cubertuia Vegetai rnais aníígüü e? di? pata A idenuficagáu üu ocoTânda (te cobertura (Tipuana í<pu}, eapacin ss&fics vegstst ,-íd àttiS da miHrvBnçSn foi porte, corri cfliattHifeUEaa constituída pur mEin de iBv^ifsrnsnto niais, rnuiiu utilizada B"i cadastral du aibunzaça;] das vias e áreas . As avenida;* [piranha n Cãspsr púbhcaa. Furam [riHnfifrnacims. no total, GG2 fí3 arbóreos, ríi&Kibj[(Ji5S em 6@ , asnrin 77? fixemplarea nativos (25 -Be, pcJo aapeutu u: Bamantal, j, 340 exfttaos |43 espécies), 19 de íau-1errí> (Caeialpjnka idontlficado*. e 3t árvores t?rrea), esp^ciü Jiõtivi exiiiefiftía em T.oríss Ds7snr>vpi mucías n3o pudqrrsm ser sem fü General Oíôno, (?, o exempíüi de ;i atythls Disonis] da Praça Alírtdu As espécies nraifl taram: {11 fl%). ílgüelra benjamín (Ficus Canteiros (a,5%) B tlpuana ("ipuana tipu) [0.5 Mu ilas vezes os oantefros horain hSsnBSradafi três mudos dí o 3iRniHgtí^6 e com solo compactado. (üansaipmií sctónaífl}, espécie ame Hesaalta-CR que. nn trechos Utf E?nlinçãü- uma na Ri^a General Osório, J luacos em lorais riu mflnordftulísção ps ui.ie na Kua Vitcna h uma ns Pra^-3 Alfredo js üãrj ufittEBüt» como "banheiro" e Furani raais para tagufliraf, ínifas por mo^^dotas de í;íjadHniiariQ ruim, n rjue "Ut. tiiaaa últirraa Causando EfiriOa danos 30 a Í3,"6W4 du tülul d tronco ütJ3 ImpermeabitlTação De forma geral Da oersutíüiiva da impRrmfl^hlli?5C35 do mflfs na t nue d dOTiatôna da& RüperPc^H , no à presença de OBfiltírrun (B.7T1 m*) recebes de rárjas niud&i dt **ístr^ íreas verdes publicas mhADA, F. arbóreas natíuas (pbs, Largo General O&òno, Pfaça ,ul<o Mesquita sem, no Hnte-ifn. aparentemente, a Praça Aprecio Issa (4 233 -Ti1}, íolahiã e>6 ciridadoa necss&árlü^ aa seu n lH3-i mr Em relação 5íj terr:iüriQ daADA h ífflcenvolvimentD adequados [ rn"J, fltiçe teta! representa um valor , fr-.-ta.-amfinto e p^teEoreÉj, En- ^rm mn-giroE ■ientralç& nas ;:ausináramos, slfida. a di^trlbüiçôo sapecial uma ^^boriiação áreas, equs cHasIncl^en lantuos maer. como na Au üuy^E üb i coito ua nèo e raAv. ffio -ae c:ua a. 3tuüçaa â Branco apíesentanúcI i FifE-Pítíni&W
  41. 41. 2010-O-O9 9.898-O Nara Raquel Pire*i 3-5
  42. 42. ESTUDO DE IMPACTOAMBIENTAL - MEIO biotico .■, .
  43. 43. DIAGNÓSTICO SÓCfO-ECONÔMICO A raupaçãa da rürnSo ás Nova Luz Sm mAfiia no polígono. A d :nLE)nsmcDLí-as a partir da segunde metade rAfir.a média é da £13 liabVha. E m Ju sèa£a KVíU, tendo tido impulsionada ppto-e? censltános, onoa a pela construção da FsiaçSa da Luz. em é mais acentuada, a 19Ü!.quasa tnrnou parla de entrada para Ultrapassa 500 habilis e arn ;nttgrantas aurnpflrfs em busca das dutrns ft snfenor a 100 habrha, cuftiü nos geadas pela economia seitiras da pcrçâo Ic&io oa tesa, que ttoutto Na primeira metade do sôcuIuXXh è Hj<:5í£~C!a de Imóveis dsaüüupüdcíL dlí f+m pnspula significativo adgnmnm«íp de , era Um das grandes ciüitrus de empregos do mumdpio e concentrava sedes tie importantes ernuieHdá hbancos NaFegundarnotadedaüéoulu, População ini^iGu-sa um prnneEEO de esvaziamento L^db LaiLi-c-rial da rag.Sn ceoti-aj de São Paulo, informações da pesquisa associd Ju aü crescim^nlci do centra desta população rssebe sntiH mais da expandiüu, ncjtadgnisnte ca ^eglftd da cor h [(iiatro salários mínimos, Pauteis, ã &xt>HTia&o honíontal e a c percentual ma:S sxpí&saivo da .T de ranria des entícvi&laüoa. O naiíir paronntua!, 23%, situa-ae Bavazarnnntr> da 1 b 2 aaíann* mínimas; o terceiro iunldn<anla .-/im outros fatores, corrubuiau Srupu, 14%, tnm uma renda entre mais de 4 pura o pro<MKFií> ne degradação da itíyiáu e £tè S ^diários nlnimn^^ o quarto grupe em pdia Ecu-npasiçflodo quadro que va: fsrcenfual, 11%. é c qua rPMbe sté " s Cüíac!fcrhzà-lfi na mlr/o do EécJia XXI: ^riJnímo. Deãiaca-at; a^-,aa um cuinto grupo, upülaçan reíider1», pre&ençô de CUe perfaz 3% aos entrevistadcs de rua b representado pelas maiores rendas ítíioiéncs, rspresentada, declaradas, {&%), le;n renda btíb fi e 10 r pels iniuiiüaNdadfl daG salários mímmos e ■% com renda ftntrs 10 15 rafârlos mínimos É IrilaressaíiLe cua nín K^ram declaradas rendas Densidades Demográficas a 1S salannp mínima* mensal. QnHnto ao GC-nTingerte papiulacianal. a Os ctados aa peaçuíw am^sir noniflmpla urra popuíagÊo ealiraads con dlçCes de moraaia a a r^Hião Blindada ano da 2010, em 11,279 habüames, .-evelaran- que cered. de 941Í de -ss a^ d^üos Co Glt;ma B reside em apartam 5 ntos, sende IBGt, 20QO)uum uma taxa. também a número de peasoas qua mnram de ccestánynfa anual - 7GCA em cümüdos e nabnevoss HtówaE (4%). h crdam 3e -C,4 a.a, da actípaçíiD da Im ati [» õnTnicMDS pripries, qus 43%úqbis! expressivo o ^Omoro de *% da2-1?
  44. 44. >■ Ê do Proc. ■- C ■a Berna fria 2.3-00 SMDU 2010 09 8 8 -o /, M m 1 RF 7JS 27,5 CÓPIA Mo qua sa itítare k iEifraestrutura da Eiitnie&trutura â saúfJfi. a AIU ae caracteriza por sediar Embora a Híj-aü se|a de ccupaoèn de elerencia regional, nãú hâ firrirrlumas nu fornecimento ão água sead&TtóFrtos de alía OU na d**RTinaçâo doa silucntes Pnr eaae mülivo. a u&l23ç3 fte morli rjLifltais ae ruços de ind-cadioreE nb|a:ivíjd dü sjfic;ôficia cie pratra»n«rVH á totahüade doa domicilins O leites, po>" exemno, ükvíí sei feitú com $erv!oa tiH íiiRtriDui^âo de energia elétrica toi ress3lvas, uma vbí quu a popUÍBÇÈQ r.-elhorado recsUmrrertG com q entsno da atendida n.essa rnrii^Q nfiü c fiação, ;enrtn rara b qusda no Especificamente ne S je insere i3 ADA. ^ intraBairuli-ítí de atenção EducaçãogSaúde ã saúde c comoosía. m^|DntariH:nenta, por tto que "auge íos s de Saúde Suplementar [fede aEguíanga, íaúde e educaçãc, jynítam na ). sobretudo no nlvai de bte:yâo área apCnaâ, um batelhaa da curpo de primária, conr S7.2% da conacltóriüa e 20,4% bombeiros, a 3o DP. uma clinica de Clínicas ,^m&u^tnria s sapecisJzada, além ria conaijkóiiüs c Dídos decíaratftnns da clinicas particular** pcTnitiram constatar, aláni dtsso, que 3 maior parte dns nDiüdores üa ADA utlitza ^K o setor da a serviços de saúde im legião de Siíícit SanT^ orra af?rta slgnlffcaliva de ensino em todna oa Cecília nas Setores de entono, t£>talrzando VI inattmç&ea, 65 inunl^pals. 33 Bstauuais e Segurança 73 privadas Entreiartü. devfl-sn ressaltai a O po.demento ORtnnBivn da ta^ifie, de car&tcta ife mjuiüSmcntòE na ADA, o que lesponsaljíüdadeda Poitea MiKar, é faz cam que 09 estudantes tenham que ae eaíizado peía 2tt Cnmpanhsa do 73 Batalhão paH ter acesso ao serviço cate da PM. O poder pública terr feito esforces ns- a é a^idE msis cri?lcr naa rrach^ea a mentido dBC.onter9mí>£mizarüaeienüsdvi de 2djC&ç53 Infantil, noia o trafica a censume de dfngas, cDnaiUtíradü doa situdantes toma-ge mais pü moradores o prlnr-ifiaí prn^amH dâ btti luní^íJ da Idade dne ragiÉo A^sar disso, a floS esWiJantes realizada revelou qiín 77% doa redidtnt na á-ea RCfl evidente quando ohfiarvadoa Oi se s&*ten"! Esguris as caminharem d d pesqu S3 amn^trai, que ruas da rogiSrj duranis o q cs efitaflafítoB ra^izam eaíudas em T7 bairros dnferantea. P.eaaai;a-ae quí essas tocalIdariBa aão e;n aua mdiurid dU lü^go d^S ■nh^fi ri» táelríi, que aervem u bairro, um do? = ■ ■ r& i • L: ir"*: m ■-
  45. 45. Empregas Relação Empregos s PopuiaçãoOs dados dedaraiénoà ublidoa durante u uorr.p^rijnd.T-^a & o*sita de eiTipregosariülamonte indicai) a existência de 23.374 earim^da d9 7?> üZ^postOB tom a popwaçãoempregos na área üeve-se rea^e/var juea rdsiíiRnts da Ntr.-a Luz, 11 279 habitantes, senúmero 0 aproximado, pü^ser um dado Dt}t&m uma proriorçâo sprnxlmaaa de 2 paradocafatcVio, possui algumas limitações im , vantinafla apunap grr grandes centrosempregadores podem, em alguns oaaoa, rfiu çRr9dnra= ^h ampr^go. oomo a regfâüinferna* ao ^esqüisudur a ocorrei aa da ™ntral do r^umcTpio Ressalta se que o&tafoncioj-âi ius não >í?yi atados, t pnr outro pmporç5o seria ainda maior selado. alyut-s ■Sbtubelecimentos pudam considerêss-emos outros ^ditadoresinformar 0 número Lotai de funcionárias b ímmogrífioos, cwno popLil3ç3onão enumero de funoJünâiEos que trabaliiarv. n^iinnhTii^g-ifint^ ativa (PEA) oj a populaçãono enderece, muito comum em eiguns fim dada aliva (PIA)aegTior^os empresariais turno tfe »eyj:a,n^ Esla disparidade entre a denaicadeprivada e ilmpezp demogfífíca e a densidade de er^reyoaFoi constaiada aiqrrticativa fiTinflntraçSo rjft pode gerar ülg^mas exle"natídadea ã regiõu,TiabÊllTáüürtfS iin Rua üanta Irigãnia, onm reflexos que se estendem, do umaesp&ciaiizeda na cumerciailizaçãa de a:iiigas f^mg mais abrangerte, a mu-niülpalldadeelétricos e eletrCnlcos. AinaiorpresEsnca àn N^Rín sentido, pode-se citar a Itsegurançaempregados corresponde aud !jtes duran*H a neri», já 30orrtíi03. Rito de umaocupados porgalenas, dotadaa de ei versa bsta r.or.r.aninç&o flp pessoas clxulerdolojai ou "boxe^", como s&o etaBmaiaa ia nas ruaa nflSM aarlifflo Outro exempio ô areglSo Oufra ativlüade econonuca LradlchOiia! qaração Cr viaiqsn^ pendularflB nsO6da área consiste no comercio e reparo de JasiDc^merslüa ibh dftn^ia-trahalho, que.motocicletas, que se localiza eiérri da -mpaiclar nega-tivarrarta- 0 trafego.nretçrennialTienfs na rua Gal Osànoe tendem a agravar sa condrçõss a"inDsfsríaíiadJacAndan AoesaF de retoo^cTer por cerca s clifnalioaaj pelu diríis^Hü de palúBnieis.ria ?[)% dos asTatieleGlmentos congíciais de ioiiiHridij prüFTiíírHe □ nHLtídsidads de •regiãa, esla atrvidads arrpn*§2. pouca rnâo íamentar uma ocupação diversificada eoinde ub;aF sin geitl, antraüa 30 pnísnas por melncir aorovetíamente. cia iniVaesL^uturatala sustente na regiãoAlém rta^ atividades ja oltaoas, dcsEacam-seOBíiotéis epensíes, e^coriítidosamdivsrçií?,eiorPF, d3 ADA Taisi*=riihfilflcimflntcE possuem iím oerf 1^a&tante iiist nfo e se^wem um cúblicoheterogêneo, abrangendo srviüiesadoâ üeempresas com sede nas terca^laa.CoT-pradCrcs do olstrü-tlstionicoa, (urista^de Intírior e até ■naa-nn pro^ruisa, que[■Jil^am as hoaoBdüii^a naií populares por
  46. 46. Densidade Demo ior Quadra Quadra BgjiFi Praça Cópí espace Densidade Populacional hab/ha 1 -100 101 -300 501 - 600 sai -i.ooo 1.001-1.671 f roc. 2010-a09 9.898-0 Raque I NOVA LUZ PiQJttc ürbanístitíi Hsp*cifieo - PÜE Esmíe; 1,ÜOaü" CÜNiÓPCIQNQVíLUZ
  47. 47. VI ensidarie Dem Ljf CÓPI "^ c.uc - ap.SU do Pro 0 i-id.:i Mlt 2010-0. 09 9.8 98-0 Ha/a Reauef Pire HO VA LUZ P«Íéíd UitaanisHitf Eípicitico - PÜE gráfica OfflH. 17J12/2010MJtó ■ COKSÔPCIO NOVÍ itíZ i: PUC - ^
  48. 48. -1 ,■. i ■:
  49. 49. v- UÜU91Í 64 -
  50. 50. ESTRATÉGIA DESUSTENTABILIDADE □ d3[sI^vü d*i viabilizar s visão c as mudanças clirná,icdi n Falas iln Fmjfltn Nova |_ui, sorá aebre pararr.etrui desenvolvida um? Estfaíéoja de Pm de GDniriTnarqüe Sustar íahldarte onde s5o aponlaeos nave aãn F.igriiflr--ittlV35 e setores na açBo, alinhados com u Iraba^u da sngirsedetmpacto ambientei. Sada u-n informações abi dns /*nve setores, que eslão sendo jr.farssssdos. audi&ncla pública o simultaneamente com o ElA, cuniérn u:n objetivo e uma rr.cs chiave, qua são to adicional dai niclasdd 3poiddct5 oor d^v L So a riontagem íinaf du paio sue iTipla:iíavtíu A d3 eetrgfjra. Finalmente, aa ao ior>so du de susieritabilJdecle aeiau ãü Jü pru^eta 5 impleineniaç3o do pmitLu i:unic uz a iim de que a éeijü asja em um bairro vrbrorte melhor quando em conjunto -cm determinadas etapas de oxecuçaa. O Gam o QBSBnvcIvirnento do Projeto :jy.np rum isso ííq projete Nova Luz com as , aejâo i;1lli?ados estudes c inelhcrsa praTi,-:íR ds rlesanvolvIinenLo adi ei anal? p^ra refinar a Estrutura i-ait?filavei parmiJirítambém;ueo projeto de SualentabihdadH iteíorma a prodüiir um íirva curtia exampln para outros docuiriüíiic aÊlidn a r>^ffllvt>| de in;edioiJ JesenvDlvimentoa «n S5n Paulo, no irnplerneEitaçãc JJ r»n3no regulaitivoe aíé iiiaan^o na América Latina leyi^laiívc Ca üãti Paikln eerá melhor svsliadü yara uncíarticer como as políticas Estratégia de Susterrlsbiliüatie inclui nova em víaor lavjficít;rn du conhariirem 35 setores: EietricIdad^Energis, Tranaponea, oneras e ealrsIéaJHs TambSn Água, Economia, Sotfocuíturaí, Recursua arnhrqnTal& Edlffcls5 Verdes, Resíduos Coi"du2ic!âs pü^quüaa adicionaip, Construção cfimáucdis lutaia,
  51. 51. 2D0? - 0209I F(#- «* -9 0. do Proc. 2010-0- 09 9. 8 98"0 CÓPIA Setoies, Eleliícidaüe / Energia Objetivos o couauni J AÍBrçãu á üT otimizar t gatíH ALrrracnía da aemu^ráfica mento ttt/ ■jbq i Q<B csn. tffia6nclafinarqÉlicano3 f .TUnimízaí-ciN liminar g ar confltrilanadii t írab-^hatJarastFenadyü para npfcrtr adlfíciD3 õe ^r í ,iBpandenüB Jü ■ede ne^lfl falai, b flnl Üí para rtsul b lírn na inaiala." Eternas ie q praparadoa pura a lneiaiflrr3ctu1ura de Pro]aloa nod^lo aúblnrio =?rfia de eletricidade diEjrnfl a lia teto adt-quadaí («HOâ nu bibliulecaj pa;3 a de CÍBÊ&S 9Ol^rpf fa 3flOG5ÍDlllíi9i1flQfl criação dtí u&in36 dfl ilqea^c (aliFrer,tn^3atrlto& verúej) &u meia.i.i çarado í de Tratamos da esgoíos 3 (temaíida de LCDa e intaiígantss ne iluninaçao pú ar possível ípfalaios pllutuj

×