História da língua portuguesa

822 visualizações

Publicada em

A História da Língua Portuguesa.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
822
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
207
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História da língua portuguesa

  1. 1. História da Língua Portuguesa Uma viagem no tempo
  2. 2. A torre de Babel, Pieter Brueghel
  3. 3. A torre de Babel Segundo a narrativa bíblica no Génesisna Bíblia, a Torre de Babelera uma "torreconstruída por uma humanidadeunida para chegar ao céu. Visto que o homem queria ser como Deus, Deus parou este projetoao confundir a sua linguagem, para que cada um falasse uma língua diferente". Como resultado, eles já não conseguiam comunicar entre si, e o trabalho teve de parar. Os construtores foram depois dispersados pelas diferentes partes do mundo. Esta história é usada para explicar a existência de muitas línguas e raçasdiferentes.
  4. 4. Da fala à escrita Pedra Michaux com escrita cuneiforme, Século XI A.C. Papiro com escrita hieroglífica, 1185-950 A.C.
  5. 5. Da fala à escrita É corrente considerar-se que as representações inscritas nas paredes de cavernas, por algumas sociedades pré-históricas, são de certa forma as primeiras manifestações da “escrita”. No entanto é na Mesopotâmia que aparece um primeiro sistema de escrita baseado em pictogramas ou ideogramas, conhecido por escrita cuneiforme. A mais antiga inscrição data de cerca de 3.300 anos A-C. e foi encontrada em Uruk, atualregião de Warkano Iraque. A escrita hieroglífica, que foi criada na região do rio Nilo, é uma escrita mista pois utiliza signos que representam palavras e fonogramas que representam sons. Ao longo dos séculos passou de cerca de 700 signos para 5.000. A mais antiga inscrição data de 3100 anos A.C. e a última conhecida, de 394 D.C
  6. 6. Os suportes da escrita Parabeïke, papel de fibras de bambu, Tailândia, Século XIX. Etiqueta em argila, Mesopotâmia, Século II A.C Disco duro de computador Pedra de Kensington, com escrita Rúnica, Século XIV, Runestone Museum, Alexandria, Minnesota, USA
  7. 7. Os suportes da escrita Desde a sua criação, os sistemas de escrita utilizaram diferentes suportes, tais como a argila, a pedra, o pergaminho, o papiro, folhas, cascas de variadas espécies vegetais, papel e atualmente também os suportes digitais.
  8. 8. De Roma: a cultura, a língua. A língua portuguesa, que se transformou ao longo dos séculos e se transforma todos os dias, pertence ao grupo das línguas românicas ou neolatinas. Tem origem no latim, trazido para a Península Ibérica por volta do século II A.C., em consequência das conquistas do Império Romano. O latim propriamente dito teve origem na região de Lácio, na atual Itália. Maqueta de Roma, Gismondi Teatro romano de Mérida
  9. 9. De Roma: a cultura, a língua. O Império Romano, que se estendeu por três continentes, Europa, Ásia e África, atingiu o seu apogeu no início da era cristã. A chamada Civilização Romana tinha um elevado nível de complexidade manifestando formas de Cultura próprias, nas artes, nas atividades económicas, na vida militar e nas formas de organização política e jurídica, tanto no centro do império como nas regiões ocupadas. Toda a vida social era por seu lado inscrita no que se chama hoje a Mitologia romana. Mitologia romana: Baco, Ceres e Cupido
  10. 10. De Roma: a cultura, a língua. A conquista da Península Ibérica teve lugar no séc. III A.C. e ainda hoje persistem importantes sinais da influência romana na cultura portuguesa: sistemas de agricultura, indústria, regras sociais e naturalmente a própria Língua Portuguesa. Também a arquitetura e o urbanismo romanos deixaram marcas por todo o território. Cartaz do filme Ben-Hur
  11. 11. Um território para uma língua nova Foi a partir do galaico- português que se formaram as modernas variantes galega e portuguesa, integrantes ainda hoje de um mesmo sistema linguístico, que se estendeu pelo mundo graças às descobertas, até fazer do idioma nascido no canto noroeste da Península um dos mais estendidos e falados na atualidade. D. Afonso Henriques
  12. 12. Um território para uma língua nova Vários povos muçulmanos ocuparam a Península Ibérica no Séc VIII. Árabes e Berberes tinham como língua o Árabe. A sua religião era o islamismo. Detentores de uma cultura material e espiritual muito forte, introduziram na Europa novas formas de relacionamento social, económico e político. No entanto, o Árabe conviveu com as línguas e os dialetos locais. Tomada de Lisboa, Roque Gameiro Batalha de S. Mamede, painel de Acácio Lino
  13. 13. Um território para uma língua nova A reconquista dos territórios ocupados pelos muçulmanos, efetuada a partir do Condado Portucalense, iniciada no tempo de D. Afonso Henriques, permitiu a ocupação do território que seria Portugal e a generalização do galaico- português, datando do início do Século XIII os primeiros textos escritos conhecidos.
  14. 14. O galaico-portuguêsTestamento de Estevo Pérez, de 1230, considerado o mais antigo dos textos não literários escritos em galego Era Mª. CCª. LXª. VIIIª et octo dias ante kalendas octuber. Ego Stefano Petri fazu ista manda que seia stavil por sempre. In prima quosa mandu a alma e o corpu a sancta Maria do Burgu. E mandu os clericos de sancta Maria por anniversaria a mina vina dos Codesaes para a mesa dos clericos; a Petro Dominget, meu abade, mandu/ a mina vina de Revordauns in donazum; e mandu a mina casa do campu que a venda para as minas dividas e mandu a mina vina das Pias a ma quirmaa Marina Petri e a seus irmanus; e mandu a Guncalvuu Iohannis e a filus de dona Scizilia a ma casa do Campu de fundu; e mandu a Martin Petri todas mias voontades de casa; et mandu a Guncalvu Iohannis hu meu quinum da cortina de Tra la porta; e mandu a mia vina das arras que vaan por min a sancta Maria de Rocamador e a cui ea sancti Yacobi; e mandu a mia vina de su a eclesia de Francelu e a do rigeiru a meu tiu Martin Petri, e mandole a mia leira da Veronza unde me fat foro; e mando a Guncalvu Iohannis e a suus quirmauuns hu foro que hec cum ilis e o qui me fat I. Arias zapateiru; e mandu a meu tiu Stefano Petri quantu ayu in Vimieirus e mandule mia vot d-aquela erdade que me teim os frades. D. Dinis
  15. 15. O galego NaGaliza,alínguaquetinhasidoveículodeexpressãodascantigastrovadorescasfoiprogressivamentebanidadosâmbitosformais,nomeadamenteapartirdoreinadodeFernandoIIeIsabelI(osReisCatólicos),chegandomesmoadeixardeseescreverduranteváriascentúrias. Porém,noséculoXIXcomeçouumalentaregeneração,eogalegochegaaonovomiléniodebatendo-seentreaafirmaçãodasuaidentidadecomoportuguêsouaseparaçãodoseutroncocomum.Aadoçãodaortografiaespanhola,sustentadapelasatuaisinstituiçõesautonómicas,nãotemcontribuídoparafortaleceroslaçoscomalínguadeaquém-Minho,umdosalvosdefendidospelomovimentocívicogaleguistaquetrabalhapelanormalizaçãodalínguanasociedade.
  16. 16. Os primeiros textos em português Os primeiros textos conhecidos, escritos em português, são a Notícia dos Fiadoresdescriminando as dívidas de Pelágio Romeu, datado de 1175, a Notícia do Torto, que trata das malfeitorias de que foi injustamente vítima Lourenço Fernandes da Cunha, escrito por volta de 1214 e o Testamento de D. Afonso II, datado de 27 de junhode 1214. Nessa época era também corrente a escrita em latim. Notícia dos Fiadores Testamento de D. Afonso II Notícia do Torto
  17. 17. A escrita como arte Os documentos escritos eram geralmente realizados nos mosteiros, por copistas, que compunham verdadeiras obras de arte através das iluminuras, das letras capitulares e do cuidado que também punham na execução do próprio texto. Em Portugal destaca-se o Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra. São Marcos, copista, Constantinopla, Século XII Documentos do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra
  18. 18. A escrita como arte Século XII Letra Gótica librária Bula Papal, Caldas da Rainha
  19. 19. O poder da escrita Infanta D. Catarina e o Grão Rabino da Judiaria de Lisboa. “Os Livros Sagrados” em Latim e em Hebraico. Painéis de S. Vicente de Fora.
  20. 20. A expansão para África Apartirdaépocadas“descobertas”alínguaportuguesachegouaÁfrica,àAméricaeàÁsia.NosséculosqueseseguiramoPortuguêsfoi-seexpandindodeformasdiferentes,consoanteasregiõeseanaturezadoscontactos: comércio,ocupaçãopolítica/militar,pilhagem,escravatura, colonizaçãoepóscolonização.
  21. 21. A expansão para o Oriente Dai velas (disse) dai ao largo vento, Que o Céu nos favorece e Deus o manda; Que um mensageiro vi do claro Assento, Que só em favor de nossos passos anda.» Alevanta-se nisto o movimentoDos marinheiros, de ua e de outra banda; Levam gritando as âncoras acima, Mostrando a ruda força que se estima Os Lusíadas, Canto II Biombo Nambam Afonso de Albuquerque
  22. 22. A expansão para o Brasil O português tornou-se a língua dominante no Brasilatravés da Lei do Diretório, promulgada pelo Marquês de Pombal em 1757, durante o governo de D. João VI. Nela se impedia o uso da língua geral até então mais usada que tinha por base o Tupi e o Português, "invenção verdadeiramente abominável e diabólica"; não se permitindo que "meninos e meninas e todos aqueles índios, que forem capazes de instrução (...) usem língua própria das suas nações, ou da chamada geral, mas unicamente da portuguesa". ( Artigo 6 do Diretório) Rio Amazonas, Diogo Homem, 1558 Marquês de Pombal
  23. 23. A língua portuguesa no mundo Crioulos de África Crioulos Indo-portugueses Crioulos da Alta Guiné 1 Cabo Verde 2 Casamansa (Senegal) 3 Guiné-Bissau Crioulos do Golfo da Guiné 4 Príncipe 5 S. Tomé (Santomense e Angolar) 6 Ano Bom
  24. 24. A língua portuguesa no mundo 170 milhões de indivíduos utilizam o português como língua maternaou como língua oficialem Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.  Noutras regiões a língua portuguesa persiste, usada por grupos minoritários (Macau, Goa, Damão e Diu) ou levada por imigrantes de origem lusófona: Japão 250.000, USA e Canadá 2.000.000, Paraguai 500.000, Europa além Portugal 1.500.000, Austrália 60.000 …
  25. 25. A língua portuguesa no mundo A 7ª língua mais falada no mundo 170 000 000 de falantes Português como língua oficial
  26. 26. Uma língua em mudança Olá! Td bem? Eu estou :-) pk to a fazer uma pesquisa mt fixe sobre a hist da língua Port, i é mt interessante ver cm cresceu a língua Port desde D. Afonso Henrikes até aos pc's i à net. ********************* **Bjs teh logo.
  27. 27. Novos tempos novos usos Grafitti CAMÕES, Luis de. Os Lusíadas, Edição impressa em Lisboa, 1572. Impressão de livros, Século XV Grafitti, Mural MRPP
  28. 28. Noção de estrato, substrato, superstrato e adstrato Substrato:aslínguasantigasnãodesaparecemsemdeixarmarcasatravésdepalavrasqueficam.EmPortugalomaisimportantesubstratoéocéltico.Delenosficarampalavrascomo:caminho,camisa,légua. Estrato: a língua romance QuandoosRomanosconquistaramovastoImpérioasualínguafoi-seimpondoàdosvencidos.NaregiãoqueéhojePortugalContinental,alínguaromancequeestánaorigemdalínguaportuguesaconstituioestrato.Entende-seporromanceafusãodolatimvulgarcomosfalaresdaquelaregião. Noséc.IIIa.C.olatimpassaaserfaladonaPenínsulaIbérica. Aslínguasromânicasounovilatinasderivamdosdiferentesromances, palavraquesignifica”falaresàmaneiradeRoma”:português,espanhol, francês,italiano,romeno. Fixa!
  29. 29. Noção de superstrato Superstratos: o Germânico e o Árabe Superstratossãoaslínguasquevêmdepoisdeconsolidadooestrato. Coexistemcomalocal,masacabampordesaparecer.Porém,deixamtambémassuasmarcas. EmPortugaltemososuperstratogermânico(séc.V),quenosdeixoupalavrascomo: arreio,baluarte,ganhar,guarda,luva,orgulho,roubar,sala. Eaindaosuperstratoárabe(séc.VIII),dequetemosinúmeraspalavras, muitasdelascomeçadasporal: albufeira,alecrim,alface,alfaiate,arroz,mesquinho,oxalá,xadrez, xarope.
  30. 30. Noção de adstrato; influência de outras línguas Adstrato: o Galego Háumarelaçãodeadstratoquandoduaslínguascoexistindonomesmoespaçoouemespaçosvizinhos,seinfluenciam,masempequenograu, mantendocadaqualasuavidaprópria.Oportuguêseogalegosãoadstratos;domesmomodosãoadstratosoespanholeocatalão. Influênciasdeoutraslínguas ComoRenascimentoeosDescobrimentos,omundotornou-semaisabertoeoscontactosmaiores:estabeleceram-senovasrelaçõescomaÁfrica,aÁsia,oBrasileintensificou-secadavezmaisainfluênciadosgrandespaíseseuropeus,comoaFrança,aItália,aEspanhaeaInglaterra. Assim,novocabulárioportuguêsforam-seintegrandopalavrasdevariadasorigens,palavrasessasquehojeemdiajánemsabemosquevieramdoestrangeiro.
  31. 31. Expansão da língua portuguesa NosséculosXVeXVIalínguaportuguesafoienriquecidacomvocábulosdeorigem: Africana–missanga,macaco,cachimbo; Asiática–leque,chá,pagode,canja; Americana–ananás,piroga,canoa,cacau,chocolate; Francesa–boné,bibelô,chefe,blusa; Espanhola–bolero,tejadilho; Inglesa–bife,futebol,pulôver,cheque,ténis; Italiana–cantata,piano,maestro… Ealínguavaicontinuandoaenriquecer-secomacriaçãodenovosvocábulos–neologismos–necessáriosparadesignarasnovasrealidades.
  32. 32. mui asinha?! A língua vive da atualização constante feita pelos seus falantes. Enquanto há termos que caem em desuso –os arcaísmos– outros vão surgindo ou sendo adaptados (neologismos). É por isso que a língua será sempre o meio de expressão de uma mesma comunidade, quer ela se manifeste através da linguagem escrita ou oral. É a identidade de um povo.
  33. 33. Trocas comerciais, ciências, artes Ao longo dos séculos elas têm sido outros factores de renovação do Léxico. Mesmo nos nossos dias se vão criando palavras novas, para “batizar” novas descobertas, recorrendo- se frequentemente aos radicais de origem grega e latina. Exemplos: astronauta, aerífero, pluricelular, retrovisor, antipirético Estas palavras que são criadas para designar novas realidades chamam-se neologismos.
  34. 34. Vê se aprendeste. Identifica as afirmações verdadeiras e as falsas. Os povos que invadiram a Península Ibérica a partir do século V impuseram a sua língua aos vencidos. FALSO O Indo-Europeu fala-se numa região da Índia. FALSO O francês, o inglês e o alemão são línguas românicas. FALSO O latim deixou de usar-se quando começaram a falar-se as línguas românicas. VERDADEIRO O latim foi a língua dos Romanos. VERDADEIRO Os Árabes deixaram-nos muitas palavras que começam por –al. VERDADEIRO O português é uma língua românica. VERDADEIRO O português derivou do latim clássico. FALSO O português escrito surge-nos já no século X. FALSO
  35. 35. Palavras divergentesPalavras convergentes Atriumátrio adro “átrio”e“adro”sãopalavrasdivergentesporquetêmorigemnomesmoétimolatino,“atrium”,tendoa1ªevoluídoporviaeruditaea2ªporviapopular. Sanum(adj)são sunt(formaverbal) “sanum”e“sunt”sãopalavrasconvergentesporque,tendopartidodeétimoslatinosdiferentes,evoluíramparaamesmopalavra,emportuguês,emboracomsignificadosdiferentes.Poressemotivodizemostambémquesãopalavrashomónimas.
  36. 36. Bibliografia Gramática do Português Moderno, Plátano Editora História da Língua Portuguesa, Exposição Interativa, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

×