MÓDULO II - AVALIAÇÕES

1.139 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.139
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
433
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

MÓDULO II - AVALIAÇÕES

  1. 1. MÓDULO IIAVALIAÇÕES
  2. 2. A avaliação é um processonatural que acontece para que oprofessor tenha noção dosconteúdos assimilados pelosalunos e se as metodologias deensino adotadas por ele estãosurtindo efeito na aprendizagemdos alunos.
  3. 3. Saber de antemão o que exatamente sequer que os alunos respondam, se estádentro do que foi ensinado e perguntadocom clareza.A prova é apenas mais um dosinstrumentos que devem ser utilizadospara avaliação e para cada questão seriaimportante que se tivesse uma matrizcom os conhecimentos, as habilidades eas competências que pretende-severificar.
  4. 4. Avaliação – Como Elaborar e Aplicar
  5. 5. Para muitos professores, antes valia oensinar. Hoje a ênfase está noaprender. Isso significa uma mudançaem quase todos os níveiseducacionais: currículo, gestão escolar,organização da sala de aula, tipos deatividade e, claro, o próprio jeito deavaliar a turma.
  6. 6. O professor deixa de ser aquele quepassa as informações para virar quem,numa parceria com crianças eadolescentes, prepara todos para queelaborem seu conhecimento. Em vezde despejar conteúdos, ele agorapauta o seu trabalho no jeito de fazer agarotada desenvolver formas de aplicaro conhecimento no dia a dia.
  7. 7. Um exemplo da mudança é a médiabimestral ser enriquecida com pareceres,como observação diária e multidimensionale instrumentos variados de acordo comcada objetivo.O importante é que, a avaliação forneçadados que possibilitem ao professorcompreender o que o aluno aprendeu ounão, para fazer intervenções que o ajudema superar suas dificuldades e avançar. Éessencial colocar a avaliação a serviço dainclusão dos alunos no processo de suaaprendizagem.
  8. 8. Professores precisam administrar no momento daavaliação o conceito de prova desenvolvido pelosalunos ao longo dos anos, segundo Paulo Ronca(1991):Só se estuda se tiver prova.Só se estuda para prova.Só se estuda se cair na prova.Só se estuda o que vai cair na prova.Complementando, não estuda-se nem se tiver prova.
  9. 9. Assim, será necessário dar um novo significado aomomento da aprendizagem.A avaliação não deve servir de instrumento depressão para manter a disciplina em aula e segundoMoretto (2007) O conhecimento de diferentesinstrumentos para avaliação e melhor forma de utilizá-los é um dos recursos que um professor competentedeve dispor.Não há observação possível senão para quem sabeaquilo que deseja ver, ou seja, para observar é precisodirecionar o olhar, registrar aquilo que é percebido efazer uma análise dos dados obtidos e registrados.
  10. 10. Registrar fatos marcantes, no contexto deensino e aprendizagem e adequação domaterial utilizado. Durante a aula ou ao finalde uma atividade buscando indícios deaproximação as metas traçadas.Os registros exigem um constante olharpara as metas e servem de mapa doprocesso.
  11. 11. A PROVAA prova é o instrumento mais característico dosistema de avaliação tradicional. No entanto, elatambém pode ser uma fonte útil de informação.Principalmente utilizado quando desejamos avaliarprocedimentos específicos, a capacidade deorganizar ideias, a clareza de expressão e apossibilidade de apresentar soluções originais.Mas precisa ser bem elaborada quandoprecisamos avaliar habilidades. É preciso ressaltarque a avaliação da aprendizagem precisa sercoerente com a forma de ensinar.
  12. 12. Antes de elaborar uma prova o professor tem queaprender a forma de elaborar uma pergunta, pois,se a mesma não for clara e precisa permitirámuitas respostas. Saber contextualizar cadaquestão para que não haja abuso dememorização, ou seja, onde aprende-se sobre aforça da repetição. Falta de parâmetros paracorreção, ou seja, é preciso que estabeleçacritérios. Há palavras de comando usadas comfrequência na elaboração de provas que não temsentido preciso no contexto.
  13. 13. ExemploComo é a organização das abelhas numa colmeia?Resposta dos alunos:“É jóia!”, “É maravilhosa!”, “É fantástica!”, “É estupenda!”,“É muito boa!”.Comentário: Pelo comando da questão – como – todas asrespostas estão corretas. Sabe-se que não era isso que oprofessor queria, pois ele pensa na explicação dada emaula e tem certeza que o aluno “sabe o que ele quer comoresposta”, e é isso que ele irá exigir na correção.
  14. 14. Outra forma de perguntarVimos em nossas aulas de Ciências como é maravilhosa aorganização das abelhas numa colméia, pois cada grupode elementos da colméia tem uma função específica, paraque o todo funcione em harmonia. Partindo dessa idéia,responda:a) Descreva a função de ao menos quatro grupos deelementos da colméia:b) Apresente por escrito uma relação entre ofuncionamento da colméia e o de nossa escola, no que serefere ao cumprimento das funções de cada um.
  15. 15. Comentários:Nesta forma de elaboração, não deixou-sede questionar sobre a colméia e seufuncionamento.Introduziu-se o tema transversal decidadania, que é uma recomendação dosPCNs.
  16. 16. ContextualizaçãoO texto deve servir de contexto e não depretexto.Quando dizemos que uma questão deveriaser contextualizada, significa que, pararesponder a ela, o aluno deveria buscarapoio no enunciado da mesma.
  17. 17. Elaborar um contexto não é apenas inventaruma história, ou mesmo colocar um bomtexto ligado ao assunto tratado na questão.É preciso que o aluno tenha que buscardados no texto e, a partir deles, responder àquestão, com as palavras do aluno. Lembre-se: o que dá sentido ao texto é o contexto.
  18. 18. A finalidade tanto do ensino como da avaliação daaprendizagem é criar condições para odesenvolvimento de competências do aluno. Poresse motivo, o aluno deve estar preparado paraler textos de todos os tipos como de revistas,jornais, manuais, encartes, folhetos, e interpretá-los coerentemente. Por esse motivo que quantomais completa for a formulação das questões,tanto melhor será a formação do aluno para a suavida profissional.
  19. 19. A habilidade de elaborar bem as provas éum recurso que o professor competenteprecisa ter. Elaborar bem é sabercontextualizar de acordo com os objetivosestabelecidos, perguntar de forma clara eprecisa, questionar apenas conteúdosrelevantes e não colocar “pegas” paraderrubar o aluno.
  20. 20. CARACTERÍSTICAS DAS PROVAS NAPERSPECTIVA CONSTRUTIVISTA
  21. 21. Exemplo de Questão sem contextualização:Exame de piloto revela embriaguezO exame etílico de Carlos G. de A. Lima,..., revelouestado de "embriaguez com ressalva" no dia doacidente. O exame etílico consiste na determinação doteor de álcool etílico (etanol) encontrado no sangue.Quantos carbonos hidrogênios e oxigênios sãorespectivamente encontrados em 1 molécula de etanol?a) 2, 5, 2 b) 2, 5, 1 c) 3, 6, 1 d) 2, 6, 1 e) 3, 6, 2
  22. 22. ComentárioAs "chamadas" dos jornais constituem um ótimocontexto para orientar a reflexão do aluno. A exploraçãoda questão foi pobre.O que poderia ter sido explorado era a incompatibilidadeentre bebida alcoólica e o volante. Poderia solicitar aoaluno uma opinião pessoal sobre a culpabilidade ou nãode Carlos Lima. Estes são temas transversais, ligados àcidadania, que deveriam ser explorados em todas asdisciplinas, mesmo sem deixar de perguntar os dadosespecíficos de química.Assim, se o objetivo do professor era apenas verificar seo aluno sabia o número de carbonos, hidrogênios eoxigênios, não havia necessidade nenhuma do contexto.Neste caso dizemos que o professor fez do texto umpretexto e não um contexto.
  23. 23. Os instrumentos utilizados devem ter coerência com a prática diária. “Não é possível ser construtivista na hora deensinar e tradicional na hora de avaliar”.
  24. 24. FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA FORMATIVA SOMATIVA
  25. 25. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO• Observação e registro;• Auto-avaliação;• Trabalho em grupo;• Portifólio;• Reflexão sobre erros e acertos do aluno e do professor;• Dever de casa;• Provas: objetivas e operatórias.
  26. 26. Sugestões para que o professor possapreparar seu instrumento de avaliação
  27. 27. 1- Ter à mão as habilidades que deseja avaliar: Elaborar as questões de forma que, através da resposta, o aluno demonstre a aquisição de habilidades e não apenas “conceitos decorados”. Ter clareza, em cada questão que quer que o aluno demonstre e cobrar de si mesmo este critério no momento da correção. Verificar se o conteúdo cobrado é importante, relevante no contexto e potencialmente significativo.
  28. 28. 2- Organizar as questões de forma a situar opensamento do aluno para que este, organizado,estabeleça relações que facilitem a compreensão: Separar as questões que fazem parte do conhecimento escolar (relatar informações), raciocínio e aplicação de habilidades no cotidiano, procurando não sobrecarregar o aluno. Buscar concepções prévias do aluno, ligadas ao conteúdo explorado.
  29. 29. 3- Determinar com clareza e precisão o objetivo daquestão e com isso elaborar perguntas com osmesmos critérios (claras e precisas)4- Contextualizar a questão, colocando-a numasituação de possível compreensão para o aluno.5- Elaborar as questões de forma que a prova seja,sobretudo, mais um momento de estudo.6- Não colocar questões que desencadeiam umasequência óbvia, porém incorreta (generalizações).
  30. 30. 7- Quando a avaliação possuir texto, procure aquelesque têm sentido com o tema que você escolheu parasua prova. Não pegue um texto qualquer, veja oconteúdo, se está no nível de entendimento de seusalunos, principalmente a linguagem, e observetambém o tipo textual. Antes de utilizar textosoriginados da Internet cheque a sua procedência, seas informações

×