SlideShare uma empresa Scribd logo
MÓDULO 1.
MARIA PEDRO SILVA
mariapedro@ua.pt

RUI MARQUES VIEIRA
rvieira@ua.pt

ANTÓNIO MOREIRA
moreira@ua.pt

ENQUADRAMENTO CONCEPTUAL:
AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS
DOS ALUNOS NO ENSINO BÁSICO
1.1 Conceptualizações de Avaliação
1.1.1.
1.1.2.
1.1.3.
1.1.4.

1.2. A

A Avaliação como medida;
A Avaliação como descrição;
A Avaliação como juízo de valor;
A Avaliação como negociação e como construção.

avaliação

das

aprendizagens

dos

alunos

no

Ensino

(enquadramento legal das práticas avaliativas dos docentes).

Básico
1.1. CONCEPTUALIZAÇÕES DE AVALIAÇÃO

AVALIAR
É uma forma de
MEDIR
REDEFINIÇÃO de
novas estratégias de
ensino e de
aprendizagem
consoante
sucesso/dificuldades
manifestadas pelos
alunos

análise das respostas dadas ao inquérito por questionário “AVALIAÇÃO PARA AS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS DO ENSINO BÁSICO EM
CIÊNCIAS DO 1.º E 2.º CEB“ – Parte II questão 14 (Descreva, de forma sintética, o que entende por avaliação das aprendizagens dos alunos)
1.1.1. A AVALIAÇÃO COMO MEDIDA
(1ª geração)

PSICOMETRIA

CONTEXTOS
EDUCACION
AIS

NORMA

• Utilização de testes para medição do coeficiente de inteligência e a aptidão
mental de cada indivíduo (encaminhamento e orientação dos jovens em
percursos militares).

• os testes psicométricos permitiam uma fácil classificação e medição dos
progressos dos alunos.

• Testes estandardizados, aplicados de igual forma a todos os alunos, com a
finalidade de medir, com rigor e objetividade, os resultados da aprendizagem e,
por sua vez, avaliar o sistema educativo.

“(…) a avaliação era uma questão essencialmente técnica que, através de testes bem
construídos, permitia medir com rigor e isenção as aprendizagens escolares dos alunos”
(Fernandes, 2004, p. 10).

Guba & Lincoln (1983); Valadares e Graça (1998); Correia (2004); Fernandes ( 2007, 2008); Figari (2007).
1.1.1. A AVALIAÇÃO COMO MEDIDA
(1ª geração)

-

Prevalecem as funções SUMATIVA, CLASSIFICATIVA e

SELETIVA da avaliação;
-

O objeto de avaliação são apenas os CONHECIMENTOS;

-

Há pouca, ou NENHUMA, PARTICIPAÇÃO DOS ALUNOS no
TESTAR
conhecimentos

processo;

-

A avaliação é, em geral, DESCONTEXTUALIZADA;
Privilegia-se a QUANTIFICAÇÃO das aprendizagens em busca
da objetividade;

-

É uma forma de
MEDIR

verificar o que
sabem após a
PASSAGEM DA
MENSAGEM

Dá ênfase a uma AVALIAÇÃO NORMATIVA em que a mesma é
referida a uma norma ou padrão (por exemplo, a média).

Guba & Lincoln (1983); Valadares e Graça (1998); Correia, (2004); Fernandes (2007; 2008); Figari (2007).
1.1.2. A AVALIAÇÃO COMO DESCRIÇÃO
(2ª geração)

• Assumir o conhecimento como único objeto de
avaliação é limitador (capacidades e atitudes).
OBJETO

VERIFICAR o que o
aluno aprendeu
(objetivos).

• Formulação prévia de objetivos permite avaliar com
maior coerência.
REFERENCIAL

Faz-se em 2
momentos: ANTES
e APÓS a
introdução de um
conteúdo

• Avaliação centrada nos resultados (consecução dos
objetivos pré-definidos)
AVALIAÇÃO
EDUCACIONAL

Leite, C. (2002), Valadares e Graça (1998); Correia (2004); Fernandes (2008); Figari, (2007).
uso diversificado de
técnicas e
instrumentos de
recolha de dados

1.1.3. A AVALIAÇÃO COMO JUÍZO DE VALOR
(3ª geração)
a avaliação conduz a formulação de JUÍZOS DE VALOR.

FINALIDADE

• A avaliação é mais que a recolha de informação, é
um ato de julgamento, entendido como processo
de tomada de decisão.

• Distinção entre avaliação sumativa (prestação de
contas, certificação, seleção) e avaliação
formativa (desenvolvimento, melhoria e regulação
FUNÇÕES DA do processo de ensino e de aprendizagem).
AVALIAÇÃO

• Recolha de informação;
• Interpretação da informação;
REGULAÇÃO • Adaptação das atividades/tarefas/estratégias.
DO
PROCESSSO
DE E-APZ

processo DINÂMICO,
SISTEMÁTICO,
CONTÍNUO e
SUBJETIVO que
acompanha o
desenrolar do ato
educativo

incide sobre vários
domínios, tais como
dos
CONHECIMENTOS,
CAPACIDADES e
ATITUDES/VALORES
REGULAR o processo
de E-APZ

IDENTIFICAR
dificuldades de
aprendizagem

REDEFINIÇÃO de
novas estratégias de
ensino e de
aprendizagem
consoante
sucesso/dificuldades
manifestadas pelos
alunos
Allal (1986); Guba & Lincoln (1989); Leite, C. (2002); Hadji (1994); Fernandes (2008); Figari, (2007).
1.1.4. A AVALIAÇÃO COMO NEGOCIAÇÃO E CONSTRUÇÃO
(4ª geração)

1

2

3

• A avaliação é um conceito de difícil definição. Depende de quem a faz e de
quem nela participa;
PROMOVER a
qualidade das
aprendizagens
dos
• Processo partilhado entre alunos, professores, pais, …, com recurso a uma
FEEDBACK
alunos/sucesso
diversidade de técnicas e instrumentos de avaliação;
do E-APZ

• Integrada no processo de ensino e de aprendizagem, sendo a sua função
A TAREFA MAIS
formativa a sua função principal (melhorar, desenvolver, aprender e motivar);
DIFÍCIL NO SER
PROFESSOR
• Feedback é fundamental/indispensável na promoção do sucesso dos alunos;

5

6

7

• Avaliação deve estar ao serviço da aprendizagem e não ao serviço da
classificação;

• Avaliar implica negociar o que se pretende avaliar.

Cardinet (1986); Guba & Lincoln (1989); Fernandes (2008)
1.3. A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS NO
ENSINO BÁSICO

Despacho Normativo n.º 14/2011, Diário da República, 2.ª Série, N.º 222, 18 de
novembro de 2011
regulamenta os princípios e procedimentos a observar na avaliação das aprendizagens e competências aos
alunos dos três ciclos do ensino básico – introdução de ajustamentos aos despachos normativos n.º 1/2005
e n.º 6/2010.

Despacho Normativo n.º 24-A/2012, Diário da República, 2.ª Série, N.º 236, 6
de dezembro de 2012
regulamenta a avaliação do Ensino Básico

Decreto-Lei n.º 91/2013, Diário da República, 1.ª Série, N.º 129, 5 de julho de 2012
princípios orientadores da organização e da gestão dos currículos, da avaliação dos conhecimento e
capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos do Ensino Básico e do Ensino Secundário
1.3. A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS NO
ENSINO BÁSICO

OBJETO DE
AVALIAÇÃO

Conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas.

Processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e
certificador das aprendizagens desenvolvidas.

FINALIDADES
DA AVALIAÇÃO

“A avaliação tem por objetivo a melhoria do ensino através da
verificação dos conhecimentos adquiridos e das capacidades
desenvolvidas nos alunos e da aferição do grau de cumprimento das
metas curriculares globalmente fixadas para os níveis de ensino
básico e secundário”.
[C] – artigo 23.º ponto 2

Tem por objetivo melhorar o ensino e suprir as dificuldades de
aprendizagem.
DN n.º 14/2011[A]; DN n.º 24-A/2012 [B] e DL n.º 91/2013 [C])
1.3. A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS NO
ENSINO BÁSICO

“A AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA realiza-se no início de cada ano de

escolaridade ou sempre que seja considerado oportuno, devendo
fundamentar estratégias de diferenciação pedagógicas, de superação
de eventuais dificuldades dos alunos, (…).

CONCEPTUALIZAÇÃO DE
AVALIAÇÃO

A AVALIAÇÃO FORMATIVA assume carácter contínuo e sistemático,
recorre a uma variedade de instrumentos de recolha de informação
adequados à diversidade da aprendizagem e às circunstâncias em que
ocorrem, permitindo ao professor, ao aluno, ao encarregado de
educação e a outras pessoas ou entidades legalmente autorizadas
obter informação sobre o desenvolvimento da aprendizagem, com
vista ao ajustamento de processos e estratégias.

A AVALIAÇÃO SUMATIVA traduz-se na formulação de um juízo global
sobre a aprendizagem realizada pelos alunos, tendo como objetivos a
classificação e a certificação, e inclui:
a) A avaliação sumativa interna, da responsabilidade dos professores
e dos órgãos de gestão e administração dos agrupamentos de
escolas e escolas não agrupadas;
b) A avaliação sumativa externa, da responsabilidade dos serviços
ou entidades do Ministério da Educação e Ciência designados
para o efeito”.
[C] – artigo 24.º pontos 2, 3 e 4
DN n.º 14/2011[A]; DN n.º 24-A/2012 [B] e DL n.º 91/2013 [C])
1.3. A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS NO
ENSINO BÁSICO

“Intervêm no processo de avaliação, designadamente:
a) O professor;
b) O aluno;
c) O conselho de docentes, no 1.º ciclo, quando exista, ou o conselho

INTERVENIENTES
NA AVALIAÇÃO

de turma, nos 2.º e 3.º ciclos;
d) Os órgãos de gestão da escola;
e) O encarregado de educação;
f) O docente de educação especial e outros profissionais que
acompanhem o desenvolvimento do processo educativo do aluno;
g) A administração educativa”.
[B] – artigo 3.º, ponto 1

DN n.º 14/2011[A]; DN n.º 24-A/2012 [B] e DL n.º 91/2013 [C])
Referências bibliográficas

Allal, L. (1986). Estratégias de avaliação formativa: concepções psicopedagógicas e modalidades de aplicação. In L. Allal,
J. Cardinet, P. Perrenoud, A Avaliação Formativa num Ensino Diferenciado. Coimbra: Livraria Almedina, pp. 297-342.
Cardinet, J. (1986). L’ evaluation en classe: Mesure ou dialogue? Em European journal of psychology of education, 2(2),
133-144.
Correia, E. (2004). Avaliação das Aprendizagens: um novo rosto. Aveiro: Universidade de Aveiro.
Fernandes, D. (2007). Vinte e cinco anos de avaliação das aprendizagens: uma síntese interpretativa de livros
publicados em Portugal. Em Albano Estrela (Org.). Investigação em Educação: teorias e práticas (1960-2005) (pp.
261-305), Lisboa: Educa|Unidade de I.D de Ciências da Educação.
Fernandes, D. (2008). Para uma teoria da avaliação no domínio das aprendizagens. Estudos em Avaliação Educacional,
19 (41), 347-372.
Fernandes, D. (2009). Avaliação das aprendizagens em Portugal: investigação e teoria da atividade. Sísifo Revista de
Ciências da Educação, 09, 87-100.
Fernandes, D. (2011). Articulação da aprendizagem, da avaliação e do ensino: questões teóricas, práticas e
metodológicas. In M. P. Alves & J.-M. D. Ketele (Eds.), Do Currículo à Avaliação, da Avaliação ao Currículo (pp. 131-142).
Porto: Porto Editora.
Figari, G. (2007). A avaliação: História e perspectivas de uma dispersão epistemológica. Em Albano Estrela
(Org.), Investigação em Educação: teorias e práticas (1960-2005) (pp. 227-260). Lisboa: Educa|Unidade de I,D de
Ciências da Educação.
Guba, E. e Lincoln, Y. (1989). Fourth Generation of Evaluation. London: Sage.
Hadji, C. (1994). A Avaliação, Regras do Jogo: das intenções aos instrumentos. Porto: Porto Editora
Leite, C. e Fernandes, P. (2002). Avaliação das Aprendizagens dos Alunos: novos contextos, novas práticas. Porto:
Edições ASA
Valadares e Graça, (1998). Avaliando... para melhorar a aprendizagem. Lisboa: Plátano Editora.
Despacho Normativo n.º 14/2011, Diário da República, 2.ª Série, N.º 222, 18 de novembro de 2011
Decreto-Lei n.º 139/2012, Diário da República, 1.ª Série, N.º 129, 5 de julho de 2012
Despacho Normativo n.º 24-A/2012, Diário da República, 2.ª Série, N.º 236, 6 de dezembro de 2012
mais informações disponíveis em:
https://www.facebook.com/avaliacaoPARAasaprendizagensdosalunosemciencias

http://cms.ua.pt/aaac

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação na educação
Avaliação na educaçãoAvaliação na educação
Avaliação na educação
Labted UEL
 
Critérios de Avaliação da Escola
Critérios de Avaliação da Escola Critérios de Avaliação da Escola
Critérios de Avaliação da Escola
complementoindirecto
 
Proposta de Avaliação Formativa
Proposta de Avaliação FormativaProposta de Avaliação Formativa
Proposta de Avaliação Formativa
Linna Braga
 
Alguns conceitos de avaliação
Alguns conceitos de avaliaçãoAlguns conceitos de avaliação
Alguns conceitos de avaliação
Elis Zampieri
 
Portefolio Instrumento Supervisao
Portefolio Instrumento SupervisaoPortefolio Instrumento Supervisao
Portefolio Instrumento Supervisao
Samuel Branco
 
Slides reuniao expectativa 2
Slides reuniao expectativa 2Slides reuniao expectativa 2
Slides reuniao expectativa 2
afermartins
 

Mais procurados (19)

Avaliação na educação
Avaliação na educaçãoAvaliação na educação
Avaliação na educação
 
Critérios de Avaliação da Escola
Critérios de Avaliação da Escola Critérios de Avaliação da Escola
Critérios de Avaliação da Escola
 
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagemEstudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
 
Proposta de Avaliação Formativa
Proposta de Avaliação FormativaProposta de Avaliação Formativa
Proposta de Avaliação Formativa
 
Slide oficina avaliação na alfabetização
Slide oficina avaliação na alfabetizaçãoSlide oficina avaliação na alfabetização
Slide oficina avaliação na alfabetização
 
Questões sobre Avaliação
Questões sobre AvaliaçãoQuestões sobre Avaliação
Questões sobre Avaliação
 
Alguns conceitos de avaliação
Alguns conceitos de avaliaçãoAlguns conceitos de avaliação
Alguns conceitos de avaliação
 
Formas De Avaliação
Formas De AvaliaçãoFormas De Avaliação
Formas De Avaliação
 
Avaliação tipos e funções 2
Avaliação tipos e funções 2Avaliação tipos e funções 2
Avaliação tipos e funções 2
 
Oficina 2
Oficina 2Oficina 2
Oficina 2
 
Portefolio Instrumento Supervisao
Portefolio Instrumento SupervisaoPortefolio Instrumento Supervisao
Portefolio Instrumento Supervisao
 
Sugestão de avaliação
Sugestão de avaliaçãoSugestão de avaliação
Sugestão de avaliação
 
A comunicação dos resultados da avaliação escolar
A comunicação dos resultados da avaliação escolarA comunicação dos resultados da avaliação escolar
A comunicação dos resultados da avaliação escolar
 
Slides reuniao expectativa 2
Slides reuniao expectativa 2Slides reuniao expectativa 2
Slides reuniao expectativa 2
 
A comunicação dos resultados da avaliação escolar.
A comunicação dos resultados da avaliação escolar.A comunicação dos resultados da avaliação escolar.
A comunicação dos resultados da avaliação escolar.
 
Decreto - Lei
Decreto - LeiDecreto - Lei
Decreto - Lei
 
Avaliação escolar e democratização: o direito de errar.
Avaliação escolar e democratização: o direito de errar.Avaliação escolar e democratização: o direito de errar.
Avaliação escolar e democratização: o direito de errar.
 
A avaliação do aluno a favor ou contra a democratização do ensino
A avaliação do aluno a favor ou contra a democratização do ensinoA avaliação do aluno a favor ou contra a democratização do ensino
A avaliação do aluno a favor ou contra a democratização do ensino
 
Avaliação recuperação
Avaliação recuperaçãoAvaliação recuperação
Avaliação recuperação
 

Destaque

MÓDULO II - DIA “D” – NA HORA “H”
MÓDULO II - DIA “D” – NA HORA “H”MÓDULO II - DIA “D” – NA HORA “H”
MÓDULO II - DIA “D” – NA HORA “H”
anjalylopes
 
MÓDULO II - AVALIAÇÕES
MÓDULO II - AVALIAÇÕESMÓDULO II - AVALIAÇÕES
MÓDULO II - AVALIAÇÕES
anjalylopes
 
Slides pacto modulo ii rede municipal
Slides pacto modulo ii rede municipalSlides pacto modulo ii rede municipal
Slides pacto modulo ii rede municipal
adridaleffi121212
 
Módulo II - Avaliação e Planejamento
Módulo II - Avaliação e PlanejamentoMódulo II - Avaliação e Planejamento
Módulo II - Avaliação e Planejamento
anjalylopes
 
Slides - diagnóstico - Português
Slides - diagnóstico - PortuguêsSlides - diagnóstico - Português
Slides - diagnóstico - Português
josivaldopassos
 
Texto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao DiagnosticaTexto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao Diagnostica
Édlon Marcus
 
Cumprimento do módulo ii
Cumprimento do módulo iiCumprimento do módulo ii
Cumprimento do módulo ii
guestac9fd4
 
Avaliação tipos e funções 2
Avaliação tipos e funções 2Avaliação tipos e funções 2
Avaliação tipos e funções 2
SimoneHelenDrumond
 
20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas
Silvana
 

Destaque (20)

Diagnóstico inicial mitos e verdades
Diagnóstico inicial mitos e verdadesDiagnóstico inicial mitos e verdades
Diagnóstico inicial mitos e verdades
 
MÓDULO II - DIA “D” – NA HORA “H”
MÓDULO II - DIA “D” – NA HORA “H”MÓDULO II - DIA “D” – NA HORA “H”
MÓDULO II - DIA “D” – NA HORA “H”
 
MÓDULO II - AVALIAÇÕES
MÓDULO II - AVALIAÇÕESMÓDULO II - AVALIAÇÕES
MÓDULO II - AVALIAÇÕES
 
Slides pacto modulo ii rede municipal
Slides pacto modulo ii rede municipalSlides pacto modulo ii rede municipal
Slides pacto modulo ii rede municipal
 
Módulo II - Avaliação e Planejamento
Módulo II - Avaliação e PlanejamentoMódulo II - Avaliação e Planejamento
Módulo II - Avaliação e Planejamento
 
Slides - diagnóstico - Português
Slides - diagnóstico - PortuguêsSlides - diagnóstico - Português
Slides - diagnóstico - Português
 
Módulo II
Módulo IIMódulo II
Módulo II
 
Avaliação da aprendizagem(e sua importância)
Avaliação da aprendizagem(e sua importância)Avaliação da aprendizagem(e sua importância)
Avaliação da aprendizagem(e sua importância)
 
Texto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao DiagnosticaTexto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao Diagnostica
 
Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013
Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013
Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013
 
Cumprimento do módulo ii
Cumprimento do módulo iiCumprimento do módulo ii
Cumprimento do módulo ii
 
Slide tipos de avaliação
Slide tipos de avaliaçãoSlide tipos de avaliação
Slide tipos de avaliação
 
Avaliação tipos e funções 2
Avaliação tipos e funções 2Avaliação tipos e funções 2
Avaliação tipos e funções 2
 
Escola: Aventura do Conhecimento!
Escola: Aventura do Conhecimento!Escola: Aventura do Conhecimento!
Escola: Aventura do Conhecimento!
 
20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas
 
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -Corrigido planejando as visitas às salas de aula -
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -
 
Dona Licinha conto1
Dona Licinha    conto1Dona Licinha    conto1
Dona Licinha conto1
 
Atividade 3 5_eunice slides a formiga e a neve c
Atividade 3 5_eunice slides a formiga e  a neve   cAtividade 3 5_eunice slides a formiga e  a neve   c
Atividade 3 5_eunice slides a formiga e a neve c
 
Falarcomdeu sco
Falarcomdeu scoFalarcomdeu sco
Falarcomdeu sco
 
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
 

Semelhante a Módulo1: ENQUADRAMENTO CONCEPTUAL: AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS NO ENSINO BÁSICO

Adequação curricular ec 303
Adequação curricular ec 303Adequação curricular ec 303
Adequação curricular ec 303
sedf
 
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazerA avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
Daniel Santos
 
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
aline totti
 
Aval formativa
Aval formativaAval formativa
Aval formativa
ziquinha
 

Semelhante a Módulo1: ENQUADRAMENTO CONCEPTUAL: AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS NO ENSINO BÁSICO (20)

Avaliacao como-processo-de-construcao
Avaliacao como-processo-de-construcaoAvaliacao como-processo-de-construcao
Avaliacao como-processo-de-construcao
 
Oe aula 04
Oe aula 04Oe aula 04
Oe aula 04
 
Avaliação em cursos remotos.pdf
Avaliação em cursos remotos.pdfAvaliação em cursos remotos.pdf
Avaliação em cursos remotos.pdf
 
AVALIACAO DOPEA
AVALIACAO DOPEAAVALIACAO DOPEA
AVALIACAO DOPEA
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptxApresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
 
Testes
TestesTestes
Testes
 
Avaliação na Educação à Distância
Avaliação na Educação à DistânciaAvaliação na Educação à Distância
Avaliação na Educação à Distância
 
Artigo clenilson
Artigo clenilsonArtigo clenilson
Artigo clenilson
 
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
 
CAT_ Aedlv__19_julho_v4.pptx
CAT_ Aedlv__19_julho_v4.pptxCAT_ Aedlv__19_julho_v4.pptx
CAT_ Aedlv__19_julho_v4.pptx
 
Didática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagem
Didática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagemDidática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagem
Didática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagem
 
Avaliação como promoção da aprendizagem
Avaliação como promoção da aprendizagemAvaliação como promoção da aprendizagem
Avaliação como promoção da aprendizagem
 
Adequação curricular ec 303
Adequação curricular ec 303Adequação curricular ec 303
Adequação curricular ec 303
 
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazerA avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
 
2014 imp-crit.aval-horta
2014 imp-crit.aval-horta2014 imp-crit.aval-horta
2014 imp-crit.aval-horta
 
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
 
Aval formativa
Aval formativaAval formativa
Aval formativa
 
Supervisão
SupervisãoSupervisão
Supervisão
 
Avaliacao no design_instrucional_e_qualidade_da_ed
Avaliacao no design_instrucional_e_qualidade_da_edAvaliacao no design_instrucional_e_qualidade_da_ed
Avaliacao no design_instrucional_e_qualidade_da_ed
 

Mais de Maria Pedro Silva (6)

Módulo 3 - REFERENCIAL, TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA AS APRENDI...
Módulo 3 - REFERENCIAL, TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA AS  APRENDI...Módulo 3 - REFERENCIAL, TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA AS  APRENDI...
Módulo 3 - REFERENCIAL, TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA AS APRENDI...
 
Módulo 0[2ªedição OF]
Módulo 0[2ªedição OF]Módulo 0[2ªedição OF]
Módulo 0[2ªedição OF]
 
2ª edição oficina de formação
2ª edição oficina de formação2ª edição oficina de formação
2ª edição oficina de formação
 
MÓDULO1: conceptualizações de avaliação
MÓDULO1: conceptualizações de avaliaçãoMÓDULO1: conceptualizações de avaliação
MÓDULO1: conceptualizações de avaliação
 
Módulo 0
Módulo 0Módulo 0
Módulo 0
 
Cartaz formação[final]
Cartaz formação[final]Cartaz formação[final]
Cartaz formação[final]
 

Módulo1: ENQUADRAMENTO CONCEPTUAL: AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS NO ENSINO BÁSICO

  • 1.
  • 2. MÓDULO 1. MARIA PEDRO SILVA mariapedro@ua.pt RUI MARQUES VIEIRA rvieira@ua.pt ANTÓNIO MOREIRA moreira@ua.pt ENQUADRAMENTO CONCEPTUAL: AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS NO ENSINO BÁSICO
  • 3. 1.1 Conceptualizações de Avaliação 1.1.1. 1.1.2. 1.1.3. 1.1.4. 1.2. A A Avaliação como medida; A Avaliação como descrição; A Avaliação como juízo de valor; A Avaliação como negociação e como construção. avaliação das aprendizagens dos alunos no Ensino (enquadramento legal das práticas avaliativas dos docentes). Básico
  • 4. 1.1. CONCEPTUALIZAÇÕES DE AVALIAÇÃO AVALIAR É uma forma de MEDIR REDEFINIÇÃO de novas estratégias de ensino e de aprendizagem consoante sucesso/dificuldades manifestadas pelos alunos análise das respostas dadas ao inquérito por questionário “AVALIAÇÃO PARA AS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS DO ENSINO BÁSICO EM CIÊNCIAS DO 1.º E 2.º CEB“ – Parte II questão 14 (Descreva, de forma sintética, o que entende por avaliação das aprendizagens dos alunos)
  • 5. 1.1.1. A AVALIAÇÃO COMO MEDIDA (1ª geração) PSICOMETRIA CONTEXTOS EDUCACION AIS NORMA • Utilização de testes para medição do coeficiente de inteligência e a aptidão mental de cada indivíduo (encaminhamento e orientação dos jovens em percursos militares). • os testes psicométricos permitiam uma fácil classificação e medição dos progressos dos alunos. • Testes estandardizados, aplicados de igual forma a todos os alunos, com a finalidade de medir, com rigor e objetividade, os resultados da aprendizagem e, por sua vez, avaliar o sistema educativo. “(…) a avaliação era uma questão essencialmente técnica que, através de testes bem construídos, permitia medir com rigor e isenção as aprendizagens escolares dos alunos” (Fernandes, 2004, p. 10). Guba & Lincoln (1983); Valadares e Graça (1998); Correia (2004); Fernandes ( 2007, 2008); Figari (2007).
  • 6. 1.1.1. A AVALIAÇÃO COMO MEDIDA (1ª geração) - Prevalecem as funções SUMATIVA, CLASSIFICATIVA e SELETIVA da avaliação; - O objeto de avaliação são apenas os CONHECIMENTOS; - Há pouca, ou NENHUMA, PARTICIPAÇÃO DOS ALUNOS no TESTAR conhecimentos processo; - A avaliação é, em geral, DESCONTEXTUALIZADA; Privilegia-se a QUANTIFICAÇÃO das aprendizagens em busca da objetividade; - É uma forma de MEDIR verificar o que sabem após a PASSAGEM DA MENSAGEM Dá ênfase a uma AVALIAÇÃO NORMATIVA em que a mesma é referida a uma norma ou padrão (por exemplo, a média). Guba & Lincoln (1983); Valadares e Graça (1998); Correia, (2004); Fernandes (2007; 2008); Figari (2007).
  • 7. 1.1.2. A AVALIAÇÃO COMO DESCRIÇÃO (2ª geração) • Assumir o conhecimento como único objeto de avaliação é limitador (capacidades e atitudes). OBJETO VERIFICAR o que o aluno aprendeu (objetivos). • Formulação prévia de objetivos permite avaliar com maior coerência. REFERENCIAL Faz-se em 2 momentos: ANTES e APÓS a introdução de um conteúdo • Avaliação centrada nos resultados (consecução dos objetivos pré-definidos) AVALIAÇÃO EDUCACIONAL Leite, C. (2002), Valadares e Graça (1998); Correia (2004); Fernandes (2008); Figari, (2007).
  • 8. uso diversificado de técnicas e instrumentos de recolha de dados 1.1.3. A AVALIAÇÃO COMO JUÍZO DE VALOR (3ª geração) a avaliação conduz a formulação de JUÍZOS DE VALOR. FINALIDADE • A avaliação é mais que a recolha de informação, é um ato de julgamento, entendido como processo de tomada de decisão. • Distinção entre avaliação sumativa (prestação de contas, certificação, seleção) e avaliação formativa (desenvolvimento, melhoria e regulação FUNÇÕES DA do processo de ensino e de aprendizagem). AVALIAÇÃO • Recolha de informação; • Interpretação da informação; REGULAÇÃO • Adaptação das atividades/tarefas/estratégias. DO PROCESSSO DE E-APZ processo DINÂMICO, SISTEMÁTICO, CONTÍNUO e SUBJETIVO que acompanha o desenrolar do ato educativo incide sobre vários domínios, tais como dos CONHECIMENTOS, CAPACIDADES e ATITUDES/VALORES REGULAR o processo de E-APZ IDENTIFICAR dificuldades de aprendizagem REDEFINIÇÃO de novas estratégias de ensino e de aprendizagem consoante sucesso/dificuldades manifestadas pelos alunos Allal (1986); Guba & Lincoln (1989); Leite, C. (2002); Hadji (1994); Fernandes (2008); Figari, (2007).
  • 9. 1.1.4. A AVALIAÇÃO COMO NEGOCIAÇÃO E CONSTRUÇÃO (4ª geração) 1 2 3 • A avaliação é um conceito de difícil definição. Depende de quem a faz e de quem nela participa; PROMOVER a qualidade das aprendizagens dos • Processo partilhado entre alunos, professores, pais, …, com recurso a uma FEEDBACK alunos/sucesso diversidade de técnicas e instrumentos de avaliação; do E-APZ • Integrada no processo de ensino e de aprendizagem, sendo a sua função A TAREFA MAIS formativa a sua função principal (melhorar, desenvolver, aprender e motivar); DIFÍCIL NO SER PROFESSOR • Feedback é fundamental/indispensável na promoção do sucesso dos alunos; 5 6 7 • Avaliação deve estar ao serviço da aprendizagem e não ao serviço da classificação; • Avaliar implica negociar o que se pretende avaliar. Cardinet (1986); Guba & Lincoln (1989); Fernandes (2008)
  • 10. 1.3. A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS NO ENSINO BÁSICO Despacho Normativo n.º 14/2011, Diário da República, 2.ª Série, N.º 222, 18 de novembro de 2011 regulamenta os princípios e procedimentos a observar na avaliação das aprendizagens e competências aos alunos dos três ciclos do ensino básico – introdução de ajustamentos aos despachos normativos n.º 1/2005 e n.º 6/2010. Despacho Normativo n.º 24-A/2012, Diário da República, 2.ª Série, N.º 236, 6 de dezembro de 2012 regulamenta a avaliação do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 91/2013, Diário da República, 1.ª Série, N.º 129, 5 de julho de 2012 princípios orientadores da organização e da gestão dos currículos, da avaliação dos conhecimento e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos do Ensino Básico e do Ensino Secundário
  • 11. 1.3. A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS NO ENSINO BÁSICO OBJETO DE AVALIAÇÃO Conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas. Processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador das aprendizagens desenvolvidas. FINALIDADES DA AVALIAÇÃO “A avaliação tem por objetivo a melhoria do ensino através da verificação dos conhecimentos adquiridos e das capacidades desenvolvidas nos alunos e da aferição do grau de cumprimento das metas curriculares globalmente fixadas para os níveis de ensino básico e secundário”. [C] – artigo 23.º ponto 2 Tem por objetivo melhorar o ensino e suprir as dificuldades de aprendizagem. DN n.º 14/2011[A]; DN n.º 24-A/2012 [B] e DL n.º 91/2013 [C])
  • 12. 1.3. A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS NO ENSINO BÁSICO “A AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA realiza-se no início de cada ano de escolaridade ou sempre que seja considerado oportuno, devendo fundamentar estratégias de diferenciação pedagógicas, de superação de eventuais dificuldades dos alunos, (…). CONCEPTUALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO A AVALIAÇÃO FORMATIVA assume carácter contínuo e sistemático, recorre a uma variedade de instrumentos de recolha de informação adequados à diversidade da aprendizagem e às circunstâncias em que ocorrem, permitindo ao professor, ao aluno, ao encarregado de educação e a outras pessoas ou entidades legalmente autorizadas obter informação sobre o desenvolvimento da aprendizagem, com vista ao ajustamento de processos e estratégias. A AVALIAÇÃO SUMATIVA traduz-se na formulação de um juízo global sobre a aprendizagem realizada pelos alunos, tendo como objetivos a classificação e a certificação, e inclui: a) A avaliação sumativa interna, da responsabilidade dos professores e dos órgãos de gestão e administração dos agrupamentos de escolas e escolas não agrupadas; b) A avaliação sumativa externa, da responsabilidade dos serviços ou entidades do Ministério da Educação e Ciência designados para o efeito”. [C] – artigo 24.º pontos 2, 3 e 4 DN n.º 14/2011[A]; DN n.º 24-A/2012 [B] e DL n.º 91/2013 [C])
  • 13. 1.3. A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS NO ENSINO BÁSICO “Intervêm no processo de avaliação, designadamente: a) O professor; b) O aluno; c) O conselho de docentes, no 1.º ciclo, quando exista, ou o conselho INTERVENIENTES NA AVALIAÇÃO de turma, nos 2.º e 3.º ciclos; d) Os órgãos de gestão da escola; e) O encarregado de educação; f) O docente de educação especial e outros profissionais que acompanhem o desenvolvimento do processo educativo do aluno; g) A administração educativa”. [B] – artigo 3.º, ponto 1 DN n.º 14/2011[A]; DN n.º 24-A/2012 [B] e DL n.º 91/2013 [C])
  • 14. Referências bibliográficas Allal, L. (1986). Estratégias de avaliação formativa: concepções psicopedagógicas e modalidades de aplicação. In L. Allal, J. Cardinet, P. Perrenoud, A Avaliação Formativa num Ensino Diferenciado. Coimbra: Livraria Almedina, pp. 297-342. Cardinet, J. (1986). L’ evaluation en classe: Mesure ou dialogue? Em European journal of psychology of education, 2(2), 133-144. Correia, E. (2004). Avaliação das Aprendizagens: um novo rosto. Aveiro: Universidade de Aveiro. Fernandes, D. (2007). Vinte e cinco anos de avaliação das aprendizagens: uma síntese interpretativa de livros publicados em Portugal. Em Albano Estrela (Org.). Investigação em Educação: teorias e práticas (1960-2005) (pp. 261-305), Lisboa: Educa|Unidade de I.D de Ciências da Educação. Fernandes, D. (2008). Para uma teoria da avaliação no domínio das aprendizagens. Estudos em Avaliação Educacional, 19 (41), 347-372. Fernandes, D. (2009). Avaliação das aprendizagens em Portugal: investigação e teoria da atividade. Sísifo Revista de Ciências da Educação, 09, 87-100. Fernandes, D. (2011). Articulação da aprendizagem, da avaliação e do ensino: questões teóricas, práticas e metodológicas. In M. P. Alves & J.-M. D. Ketele (Eds.), Do Currículo à Avaliação, da Avaliação ao Currículo (pp. 131-142). Porto: Porto Editora. Figari, G. (2007). A avaliação: História e perspectivas de uma dispersão epistemológica. Em Albano Estrela (Org.), Investigação em Educação: teorias e práticas (1960-2005) (pp. 227-260). Lisboa: Educa|Unidade de I,D de Ciências da Educação. Guba, E. e Lincoln, Y. (1989). Fourth Generation of Evaluation. London: Sage. Hadji, C. (1994). A Avaliação, Regras do Jogo: das intenções aos instrumentos. Porto: Porto Editora Leite, C. e Fernandes, P. (2002). Avaliação das Aprendizagens dos Alunos: novos contextos, novas práticas. Porto: Edições ASA Valadares e Graça, (1998). Avaliando... para melhorar a aprendizagem. Lisboa: Plátano Editora. Despacho Normativo n.º 14/2011, Diário da República, 2.ª Série, N.º 222, 18 de novembro de 2011 Decreto-Lei n.º 139/2012, Diário da República, 1.ª Série, N.º 129, 5 de julho de 2012 Despacho Normativo n.º 24-A/2012, Diário da República, 2.ª Série, N.º 236, 6 de dezembro de 2012
  • 15. mais informações disponíveis em: https://www.facebook.com/avaliacaoPARAasaprendizagensdosalunosemciencias http://cms.ua.pt/aaac