Apresentação3 25 t

670 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
670
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
374
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação3 25 t

  1. 1. Racionalismo
  2. 2. Existe uma corrente filosófica que se chama Racionalismo, ela define nossa capacidade de pensarmos e racionalizar, diferenciar o certo de errado e tirar nossas próprias conclusões. O racionalismo é uma corrente central no pensamento liberal que se ocupa em procurar, estabelecer e propor caminhos para alcançar determinados fins. Para o racionalismo, tudo o que acontece no nosso cotidiano consiste de uma causa racional e concreta. Definição
  3. 3. Matemática do racionalismo O racionalismo como doutrina se iniciou no séc. 1 a.c, enfatizando que tudo que existe tem uma causa. Séculos mais tarde os filósofos racionalistas modernos utilizaram a matemática como instrumento da razão para explicar a realidade. Com esse objetivo, Descartes elaborou um método baseado na geometria e baseado em quatro regras - as regras do método científico: 1- Jamais acolher uma coisa como verdadeira que eu não conhecesse evidentemente como tal; 2- Dividir cada uma das atividades que eu examinasse em tantas parcelas quantas possíveis e quantas necessárias fossem para melhor resolvê-las. 3- Conduzir por ordem meus pensamentos, começando pelos objetivos 4- O quarto método era o de fazer em toda parte enumerações tão completas e revisões tão gerais, que eu tivesse a certeza de nada omitir.
  4. 4. Racionalismo e Liberalismo Racionalismo e Liberalismo tem um vínculo estreito em decidir coisas que podem ser parte do cotidiano ou não pensamentos racionais são mais eficazes em solucionar problemas e levam menos do que a metade do tempo. É uma operação mental que usufrui da lógica para extrair conclusões.
  5. 5. Divisões do racionalismo O racionalismo da prioridade a razão, sendo então a faculdade do conhecimento igualmente aos sentidos. O racionalismo pode ser dividido em várias partes:  A metafisica, que encontra na realidade, um caráter racional e indica que o mundo esta ordenado de forma lógica e sujeito a leis;  A epistemológica, ou seja, a vertente que estuda a teoria do conhecimento verdadeiro;  Também temos a vertente ética, que acentua a relevância da racionalidade, respectivamente, à ação moral. Os princípios da razão que tornam possível o conhecimento e o juízo final são inatos, e convertem na capacidade do conhecimento humano. A defesa da razão e a preponderância desta corrente filosófica se transformou na ideologia do iluminismo francês e, no contexto religioso, criou uma atitude crítica em relação a revelação, que culminou na defesa, de uma religião natural.
  6. 6. Racionalismo Cristão Racionalismo Cristão: O racionalismo cristão consiste em uma filosofia espiritualista sistematizada por Luís de Matos e que surgiu graças a uma separação do movimento espírita brasileiro. Seguidores dessa doutrina afirmam que o racionalismo cristão é uma ciência e não uma religião, e tem como objetivo abordar a evolução do espírito humano, chegando a conclusões sobre fenômenos e matérias como razão e raciocínio.
  7. 7. Racionalismo e Empirismo Racionalismo e Empirismo: Diferentemente do empirismo, o racionalismo aceita a existência das verdades inatas e as verdades "a priori". I. Kant realizou uma síntese de racionalismo e empirismo, ao manter como referência de todo o conhecimento o dado na experiência e afirmar ao mesmo tempo a existência de formas "a priori" no sujeito.
  8. 8. Racionalismo de Descartes Racionalismo de descartes: Como corrente filosófica, o racionalismo nasce com Descartes, e tinge o seu auge em B. Espinoza, G. W. Leibniz e Ch. Wolff. O racionalismo cartesiano indica que só é possível chegar ao conhecimento da Verdade através da razão do ser humano. Para Descartes, existiam três categorias de ideias: as adventícias, as factícias e as inatas. As adventícias representam as ideias que surgem através de dados obtidos pelos nossos sentidos; factícias são as ideias que têm origem na nossa imaginação; e as ideias inatas, que não dependem da experiência e estão dentro de nós desde que nascemos. Segundo Descartes, conceitos matemáticos e a noção da existência de Deus eram exemplos de ideias inatas.

×