[HAVC] Cinema: Manoel de Oliveira

680 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre Manoel de Oliveira, cineasta português, para História das Artes Visuais e Contemporâneas do professor Pedro Colaço. Ricardo Sousa, Comunicação & Multimédia, UTAD © 2013.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
680
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
207
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

[HAVC] Cinema: Manoel de Oliveira

  1. 1. MANOEL DE OLIVEIRA CINEMA VIDA & OBRA 1
  2. 2. BIOGRAFIA VIDA & OBRA 2
  3. 3. BIOGRAFIA Manoel de Oliveira, realizador de cinema mais velho do mundo em actividade e autor de trinta e duas longas-metragens, nasceu no seio de uma família da alta burguesia nortenha, com origens na pequena fidalguia. Frequentou um colégio de jesuítas em A Guarda, na Galiza, onde se dedicou ao atletismo; tendo sido campeão nacional de salto à vara, e atleta do Sport Club do Porto, um clube de elite. Aos vinte anos vai para a escola de actores fundada no Porto por Rino Lupo, o cineasta italiano ali radicado, e um dos pioneiros do cinema português de ficção. Berlim: sinfonia de uma cidade, documentário vanguardista de Walther Ruttmann, influencia-o profundamente. Tem então a ideia de rodar uma curta-metragem sobre a faina no Rio Douro - Douro, Faina Fluvial (1931) foi o seu primeiro filme, que suscitou a admiração da crítica estrangeira e o desagrado dos críticos nacionais. Seria o primeiro documentário de muitos que abordariam, de um ponto de vista etnográfico, o tema da vida marítima da costa de Portugal. Adquiriu entretanto alguma formação técnica nos estúdios da Kodak, na Alemanha e, mantendo o gosto pela representação, participou como actor no segundo filme sonoro português, A Canção de Lisboa (1933), de Cottinelli Telmo, vindo a dizer, mais tarde, não se identificar com aquele estilo de cinema popular. Só mais tarde, em 1942, se aventuraria na ficção como realizador: adaptado do conto Os Meninos Milionários, de João Rodrigues de Freitas, filma Aniki-Bobó (1942), um enternecedor retrato da infância no cru ambiente neo-realista da Ribeira do Porto. O filme foi um fracasso comercial, mas com o tempo daria que falar. Oliveira decidiu, talvez por isso, abandonar outros projectos, envolvendo-se nos negócios da família. Só voltaria ao cinema catorze anos depois, com O Pintor e a Cidade (1956). Em 1963, O Acto da Primavera (segunda docuficção portuguesa) marcou uma nova fase do seu percurso. Com este filme, praticamente ao mesmo tempo que António Campos, iniciou Oliveira em Portugal a prática da antropologia visual no cinema. BIOGRAFIA 3
  4. 4. BIOGRAFIA (CONTINUAÇÃO) O Acto da Primavera e A Caça são obras marcantes na carreira de Manoel de Oliveira. O primeiro filme é representativo enquanto incursão no documentário, trabalhado com técnicas de encenação, o segundo – que conheceu a supressão de uma cena por parte da censura – como ficção pura em que a encenação não se esquiva ao gosto do documentário. Por causa de alguns diálogos no filme passou dez dias de cadeia na PIDE. A obra cinematográfica de Manoel de Oliveira, até então interrompida por pausas e projectos não-realizados, só a partir da sua futura longa metragem (O Passado e o Presente, de 1971) prosseguiria sem quebras nem sobressaltos, por uns trinta anos, até ao final do século. A teatralidade imanente de O Acto da Primavera, contaminando esta sua segunda ficção, afirmar-se-ia como estilo pessoal, como forma de expressão que Oliveira achou por bem explorar nos seus filmes seguintes, apoiado por reflexões teóricas de amigos e conhecidos comentadores. A tetralogia dos amores frustrados seria o palco por excelência de toda essa longa experimentação. Em 1982, Manoel de Oliveira fez um documentário autobiográfico, fazendo confissões e contar-nos a sua memória. O cenário é a sua casa, onde vivia em 1940 até há pouco tempo. Nela viveu alegrias e tristezas, como a detenção pela PIDE, em 1963, após o filme O Acto da Primavera. Foi nesses dez dias passados na cadeia, que conheceu Urbano Tavares Rodrigues (sem saber quem era), ator com quem chegou a contracenar, e que participa neste trabalho de Manoel de Oliveira. Por opção do cineasta, este documentário só será mostrado ao público após a sua morte. Em 1997, a revista Caras e o canal privado de televisão, SIC, escolheram Manoel de Oliveira como o melhor realizador do ano. Manoel de Oliveira insiste em dizer que só cria filmes pelo gozo de os fazer, independente da reacção dos críticos. Apesar dos múltiplos condecorações em alguns dos festivais mais prestigiados do mundo, tais como o Festival de Cannes, Festival de Veneza ou o Festival de Montreal, leva uma vida retirada e longe das luzes da ribalta. Durante o Festival de Cannes em 2008, foi congratulado e felicitado pessoalmente pelo actor norteamericano Clint Eastwood. Em 2008 completou cem anos de vida, tendo, entre outras, comemorações, sido condecorado pelo Presidente da República, e assistido à produção de um sem número de documentários sobre a sua vida e obra. Centenário, dotado de uma resistência e saúde física e mental inigualáveis, é o mais velho realizador do mundo em actividade, e ainda com planos futuros. BIOGRAFIA 4
  5. 5. TÉCNICA Fotografia “O Estranho Caso de Angélica”. 2010 5
  6. 6. TÉCNICA A acção nos seus filmes desenrola-se de forma demasiado lenta, uma vez que a camara raramente se move. O seu primeiro filme, Douro, Faina Fluvial, foi filmado com uma máquina de filmar Kimano, a sua primeira máquina. A produção deste filme foi suportada financeiramente pelo próprio Manoel de Oliveira e uma curiosidade resultante deste financiamento foi a forma com este o filmou, em negativo, fazendo a positivação depois de montado. “Às vezes acusam-me de que os meus filmes são muito falados. Ora, falados são os filmes americanos, e falam sem dizer nada. Ao menos os meus filmes dizem alguma coisa porque eu escolho textos ricos, bons, profundos, mais difíceis naturalmente”. TÉCNICA 6
  7. 7. PORTFÓLIO Fotografia “Aniki Bóbó”. 1942 7
  8. 8. “DOURO, FAINA FLUVIAL” 1931 “ANIKI-BÓBÓ” 1942 PORTFÓLIO 8
  9. 9. “O PINTOR E A CIDADE” 1956 “O ACTO DA PRIMAVERA” 1963 PORTFÓLIO 9
  10. 10. “AMOR DE PERDIÇÃO” 1979 “FRANCISCA” 1981 PORTFÓLIO 10
  11. 11. “UM FILME FALADO” 2003 “O QUINTO IMPÉRIO” 2004 PORTFÓLIO 11
  12. 12. “BELLE TOUJOURS” 1979 “O ESTRANHO CASO DE ANGÉLICA” 2010 PORTFÓLIO 12
  13. 13. WEBGRAFIA Biografia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Manoel_de_Oliveira http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/05.020/3322?page=3 http://www.imdb.com/name/nm0210701/ Portfólio: http://cinema.sapo.pt/pessoa/manoel-de-oliveira/filmes WEBGRAFIA 13
  14. 14. MANOEL DE OLIVEIRA VIDA & OBRA HISTÓRIA DAS ARTES VISUAIS E CONTEMPORÂNEAS PROFESSOR PEDRO COLAÇO DO ROSÁRIO COM U N I CA ÇÃO & M U LT I MÉDIA , EC T/ U TAD Ricardo Sousa Nº 58330 2013 14

×