SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
PROF. THIAGO ASSUMPÇÃO
UFOB | 2022.2
A história do cinema no
Brasil começa em julho de 1896,
quando ocorre a primeira exibição de
cinema no país, na cidade do Rio de
Janeiro. Um ano após a 1ª exibição
pública realizada em Paris.
Em 1887, depois da estreia
cinematográfica no país, surge a
primeira sala de cinema aberta ao
público na capital carioca, por
incentivo dos irmãos italianos
Paschoal Segreto e Affonso Segreto.
No entanto, foi somente no início do século XX, que São Paulo tem sua primeira sala de cinema,
chamada de Bijou Theatre.
Um dos problemas iniciais da produção do cinema no país era a falta de eletricidade, que somente
foi resolvida em 1907 com a implantação da Usina Ribeirão de Lages, no Rio de Janeiro.
Após esse evento, os números de salas cresceram consideravelmente na cidade do Rio de
Janeiro, chegando a ter cerca de 20 salas de exibição.
Séc. XX e a expansão do cinema no Brasil
No início, os filmes eram de caráter documental. Em
1908, o cineasta luso-brasileiro António Leal apresenta
sua película Os Estranguladores, considerado o primeiro
filme de ficção brasileiro, com duração de 40 minutos.
Anos depois, em 1914, foi exibido o primeiro longa-
metragem produzido no país pelo português Francisco
Santos intitulado O Crime dos Banhados, com mais de
duas horas de duração.
Entretanto, após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918),
ocorre uma crise do cinema brasileiro, o qual fora
dominado por produções estadunidenses (cinema de
Hollywood), enfraquecendo assim, o cinema nacional.
A reconstituição de um crime real: uma
chacina no interior do Rio Grande do
Sul matou toda a família de um
pequeno proprietário rural, causando
comoção na sociedade local e
suscitando a dúvida sobre o verdadeiro
motivo dos assassinatos.
Séc. XX e a expansão do cinema no Brasil
Dos filmes de caráter documental à primeira ficção brasileira.
As revistas de cinema e a Cinédia.
GANGA BRUTA (1933) LIMITE (1931)
Por conseguinte, na década de 20 e 30 o cinema
brasileiro atinge grande expansão com as
publicações das revistas de cinema Para
Todos, Selecta e a Cinearte e ainda com
produções que se espalham por vários cantos do
país denominado os ciclos regionais.
Foi na década de 30 que foi criado o primeiro
grande estúdio cinematográfico no Brasil: a
“Cinédia”.
As produções mais importantes dessa época
foram: Limite (1931), de Mario Peixoto; A Voz do
Carnaval (1933), de Ademar Gonzaga e Humberto
Mauro e Ganga Bruta (1933) de Humberto Mauro.
A Atlântida e as Chanchadas
Na década de 40 surgem os gêneros das "chanchadas", filmes cômicos-musicais de baixo orçamento.
OSCARITO E GRANDE OTELO
A Atlântida e as Chanchadas
Esse estilo despontou juntamente com a companhia de cinema Atlântida Cinematográfica,
fundada em 18 de setembro de 1941 no Rio de Janeiro por Moacyr Fenelon e José Carlos
Burle.
Os principais atores da Atlântida foram Oscarito, Grande Otelo e Anselmo Duarte. As películas
que merecem destaque são: Moleque Tião (1941), Tristezas Não Pagam Dívidas (1944)
e Carnaval no fogo (1949).
Criação da Vera Cruz
1949 - Estúdios Vera Cruz baseados no
modelo hollywoodiano um marco na
industrialização da cinematografia
nacional.
Em 1954, quando a Vera Cruz faliu,
surge o primeiro filme brasileiro a
cores: Destino em Apuros, de Ernesto
Remani.
Em 1950 foi criada a primeira emissora
de televisão do Brasil, a TV Tupi, e
muitos atores da Vera Cruz passaram a
atuar na Tupi.
Mazzaropi – artista de maior sucesso do
estúdio
O Cangaceiro (1953) – o primeiro
brasileiro a ganhar o festival de Cannes.
Cinema Novo
Na década de 1950, já foram produzidos
filmes considerados precursores do
Cinema Novo, como Rio 40 Graus, de
Nelson Pereira dos Santos.
De caráter revolucionário, o cinema novo
se consolidará nos anos 60, focado nas
temáticas se cunho social e político.
Glauber Rocha - Uma câmera na mão e
uma ideia na cabeça.
Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964)
e O Dragão da Maldade Contra o Santo
Guerreiro (1968).
Cinema Marginal ou "Udigrudi"
Entre o final dos anos 60 e começo
dos 70 – Desponta o cinema
marginal. Boca do Lixo (SP) e Belair
Filmes (RJ).
Essas produções estavam bastante
alinhadas com o movimento de
contracultura, ideologias
revolucionárias e também com o
tropicalismo, movimento musical
que ocorria na mesma época.
Sofreu grande censura por parte do
regime militar que se instaurava no
país. Essa vertente foi baseada no
cinema experimental de caráter
radical.
À MEIA-NOITE LEVAREI SUA ALMA (1964)
O BANDIDO DA LUZ VERMELHA (1968), de Rogério Sganzerla
Criação da Embrafilme
Em 1969 é criada a Embrafilme (Empresa Brasileira de Filmes) que permanece até 1982.
Fundada em pleno contexto da ditadura militar, o governo apoia a ideia, com a finalidade usar o cinema como uma
importante ferramenta de controle estatal.
Nesse contexto, o Estado financia as produções cinematográficas, dando espaço para as produções nacionais.
A Boca do Lixo e as Pornochanchadas
• São Paulo, anos 70. Produções de baixo custo em movimento “Boca do lixo” realizando pornochanchadas
baseadas nas comédias italianas e com forte teor erótico.
• Declínio das pornochanchadas nos anos 1980 diante do aumento dos filmes de sexo explícito.
(1974) (1982)
DONA FLOR E SEUS DOIS MARIDOS (1976)
A Boca do Lixo e as Pornochanchadas
(1974)
Quando o padre é morto por bandidos, Helena –
uma de suas alunas em um colégio interno –
reúne suas amigas e formam uma gangue
vingativa. Juntas, elas partem para a captura dos
assassinos do amado professor. E a vingança
vem por meio do sexo, claro.
A pornochanchada sofreu um enorme declínio da
década de 80, perdendo sua audiência para os
filmes pornográficos hardcores, que ganhavam
cada vez mais espaço no Brasil e no mundo.
Ainda que a produção cinematográfica tenha
sofrido um declínio no final da década de 70,
filmes como Dona flor e seus dois maridos (1976),
do cineasta Bruno Barreto, fizeram sucesso.
Crise do Cinema Brasileiro
• Chegada do videocassete e
proliferação das locadoras
• Fim da ditadura e crise econômica
pondo o cinema em declínio
• Governo Fernando Collor,
privatizações, Suspensão no
Ministério da Cultura e o fim da
Embrafilme, Concine e Fundação
do Cinema Brasileiro
• No final dos anos 80, é lançado o
documentário Ilha das
Flores (1989), de Jorge Furtado,
que também marcou época.
(1989)
(1981)
CARLOTA JOAQUINA, PRINCESA DO BRAZIL (1995)
CENTRAL DO BRASIL (1998)
Cinema de Retomada
• Retomada na segunda metade da década de 90 depois de intensa crise
• Criação da Secretaria para Desenvolvimento do Audiovisual e a Lei do Audiovisual
Século XXI e a Pós-Retomada do Cinema
• Reconhecimento no
cenário mundial e
indicação ao Oscar
• Introdução de novas
tecnologias (3D, por
exemplo), aumento da
produção e da quantidade
de salas de cinema pelo
país.
2003 2015
TOP 10 MAIORES BILHETERIAS DO CINEMA BRASILEIRO
2009
2019
1977 1978
10º 9º 8º 7º
TOP 10 MAIORES BILHETERIAS DO CINEMA BRASILEIRO
4º
2010
5º
1976
6º
2016
TOP 10 MAIORES BILHETERIAS DO CINEMA BRASILEIRO
1º
2º
3º
2013
2016
2018

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Introdução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualIntrodução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisual
 
Historia do cinema
Historia do cinema Historia do cinema
Historia do cinema
 
Características fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisualCaracterísticas fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisual
 
Origem cinema
Origem cinemaOrigem cinema
Origem cinema
 
A Era do Cinema mudo
A Era do Cinema mudoA Era do Cinema mudo
A Era do Cinema mudo
 
Produção cinematógrafiaca
Produção cinematógrafiacaProdução cinematógrafiaca
Produção cinematógrafiaca
 
Art história do cinema
Art   história do cinemaArt   história do cinema
Art história do cinema
 
Evolução do Cinema
Evolução do CinemaEvolução do Cinema
Evolução do Cinema
 
2. Cinematografia
2. Cinematografia2. Cinematografia
2. Cinematografia
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
 
Evolução do Cinema
Evolução do CinemaEvolução do Cinema
Evolução do Cinema
 
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
 
Tipos de Documentários
Tipos de DocumentáriosTipos de Documentários
Tipos de Documentários
 
O que é um documentário.
O que é um documentário.O que é um documentário.
O que é um documentário.
 
Linguagem Cinematográfica
Linguagem CinematográficaLinguagem Cinematográfica
Linguagem Cinematográfica
 
História do cinema
História do cinemaHistória do cinema
História do cinema
 
Linguagem cinematografica
Linguagem cinematograficaLinguagem cinematografica
Linguagem cinematografica
 
Cinema 2c16 2012
Cinema 2c16 2012Cinema 2c16 2012
Cinema 2c16 2012
 
Aula linguagem audiovisual 01
Aula linguagem audiovisual 01Aula linguagem audiovisual 01
Aula linguagem audiovisual 01
 

Semelhante a História do cinema brasileiro desde as origens até os dias atuais

Iv queima de arquivo evento do cinema - 08 de junho 2011
Iv queima de arquivo   evento do cinema - 08 de junho 2011Iv queima de arquivo   evento do cinema - 08 de junho 2011
Iv queima de arquivo evento do cinema - 08 de junho 2011Queimadarquivo
 
História do cinema brasileiro - apostila
História do cinema brasileiro -  apostilaHistória do cinema brasileiro -  apostila
História do cinema brasileiro - apostilaCarlos Zaranza
 
Anos 60, 70 e 80 cultura
Anos 60, 70 e 80 culturaAnos 60, 70 e 80 cultura
Anos 60, 70 e 80 culturasamonois
 
Cultura brasileira 2013 ok
Cultura brasileira 2013 okCultura brasileira 2013 ok
Cultura brasileira 2013 okFabio Salvari
 
Cinema brasileiro nas décadas de 20, 30 fuck me
Cinema brasileiro nas décadas de 20, 30 fuck meCinema brasileiro nas décadas de 20, 30 fuck me
Cinema brasileiro nas décadas de 20, 30 fuck meJointforever
 
Cinema Novo Brasileiro
Cinema Novo BrasileiroCinema Novo Brasileiro
Cinema Novo BrasileiroLuan Lucena
 
Trabalhooooooooooo
TrabalhoooooooooooTrabalhooooooooooo
TrabalhoooooooooooJointforever
 
O Cinema de Animação Nacional: O trânsito entre experiências cinematográficas...
O Cinema de Animação Nacional: O trânsito entre experiências cinematográficas...O Cinema de Animação Nacional: O trânsito entre experiências cinematográficas...
O Cinema de Animação Nacional: O trânsito entre experiências cinematográficas...Daniela Israel
 
Seminário sobre a historia da música brasileira
Seminário sobre a historia da música brasileiraSeminário sobre a historia da música brasileira
Seminário sobre a historia da música brasileiraJaiza Nobre
 
História do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdf
História do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdfHistória do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdf
História do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdfPriscilaPaixo13
 
Cinema brasileiro nas décadas de 20, 30
Cinema brasileiro nas décadas de 20, 30Cinema brasileiro nas décadas de 20, 30
Cinema brasileiro nas décadas de 20, 30Jointforever
 
O Cinema Novo Glauber Rocha
O Cinema Novo   Glauber RochaO Cinema Novo   Glauber Rocha
O Cinema Novo Glauber Rochamartinsramon
 
Media e hábitos socioculturais
Media e hábitos socioculturaisMedia e hábitos socioculturais
Media e hábitos socioculturaisRaQuel Oliveira
 
A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...
A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...
A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...Emerson Mathias
 

Semelhante a História do cinema brasileiro desde as origens até os dias atuais (20)

Iv queima de arquivo evento do cinema - 08 de junho 2011
Iv queima de arquivo   evento do cinema - 08 de junho 2011Iv queima de arquivo   evento do cinema - 08 de junho 2011
Iv queima de arquivo evento do cinema - 08 de junho 2011
 
2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx
 
História do cinema brasileiro - apostila
História do cinema brasileiro -  apostilaHistória do cinema brasileiro -  apostila
História do cinema brasileiro - apostila
 
Anos 60, 70 e 80 cultura
Anos 60, 70 e 80 culturaAnos 60, 70 e 80 cultura
Anos 60, 70 e 80 cultura
 
Cultura brasileira 2013 ok
Cultura brasileira 2013 okCultura brasileira 2013 ok
Cultura brasileira 2013 ok
 
Cinema brasileiro nas décadas de 20, 30 fuck me
Cinema brasileiro nas décadas de 20, 30 fuck meCinema brasileiro nas décadas de 20, 30 fuck me
Cinema brasileiro nas décadas de 20, 30 fuck me
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
 
1 República Semana de 1922
1 República Semana de 19221 República Semana de 1922
1 República Semana de 1922
 
Cinema brasileiro
Cinema brasileiroCinema brasileiro
Cinema brasileiro
 
Cinema Novo Brasileiro
Cinema Novo BrasileiroCinema Novo Brasileiro
Cinema Novo Brasileiro
 
Trabalhooooooooooo
TrabalhoooooooooooTrabalhooooooooooo
Trabalhooooooooooo
 
O Cinema de Animação Nacional: O trânsito entre experiências cinematográficas...
O Cinema de Animação Nacional: O trânsito entre experiências cinematográficas...O Cinema de Animação Nacional: O trânsito entre experiências cinematográficas...
O Cinema de Animação Nacional: O trânsito entre experiências cinematográficas...
 
Seminário sobre a historia da música brasileira
Seminário sobre a historia da música brasileiraSeminário sobre a historia da música brasileira
Seminário sobre a historia da música brasileira
 
História do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdf
História do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdfHistória do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdf
História do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdf
 
O movimento cinema novo e glauber rocha
O movimento cinema novo e glauber rochaO movimento cinema novo e glauber rocha
O movimento cinema novo e glauber rocha
 
Cinema brasileiro nas décadas de 20, 30
Cinema brasileiro nas décadas de 20, 30Cinema brasileiro nas décadas de 20, 30
Cinema brasileiro nas décadas de 20, 30
 
O Cinema Novo Glauber Rocha
O Cinema Novo   Glauber RochaO Cinema Novo   Glauber Rocha
O Cinema Novo Glauber Rocha
 
Media e hábitos socioculturais
Media e hábitos socioculturaisMedia e hábitos socioculturais
Media e hábitos socioculturais
 
A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...
A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...
A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...
 

Mais de Thiago Assumpção

Teoria e história da montagem cinematográfica
Teoria e história da montagem cinematográficaTeoria e história da montagem cinematográfica
Teoria e história da montagem cinematográficaThiago Assumpção
 
Elipses, ligações e transições
Elipses, ligações e transiçõesElipses, ligações e transições
Elipses, ligações e transiçõesThiago Assumpção
 
Escolha do negócio e definição do mercado alvo
Escolha do negócio e definição do mercado alvoEscolha do negócio e definição do mercado alvo
Escolha do negócio e definição do mercado alvoThiago Assumpção
 
Introdução ao Empreendedorismo
Introdução ao EmpreendedorismoIntrodução ao Empreendedorismo
Introdução ao EmpreendedorismoThiago Assumpção
 
Memealizando a vida | II Encontro ABCIBER 2021
Memealizando a vida | II Encontro ABCIBER 2021Memealizando a vida | II Encontro ABCIBER 2021
Memealizando a vida | II Encontro ABCIBER 2021Thiago Assumpção
 
The Causes of Third-Person Effects: Unrealistic Optimism, Impersonal Impact, ...
The Causes of Third-Person Effects: Unrealistic Optimism, Impersonal Impact, ...The Causes of Third-Person Effects: Unrealistic Optimism, Impersonal Impact, ...
The Causes of Third-Person Effects: Unrealistic Optimism, Impersonal Impact, ...Thiago Assumpção
 
Mainstreaming, Resonance, and Impersonal Impact.
Mainstreaming, Resonance, and Impersonal Impact.Mainstreaming, Resonance, and Impersonal Impact.
Mainstreaming, Resonance, and Impersonal Impact.Thiago Assumpção
 
A Longitudinal Study on the Relationship Between Video Game Use and Sexist At...
A Longitudinal Study on the Relationship Between Video Game Use and Sexist At...A Longitudinal Study on the Relationship Between Video Game Use and Sexist At...
A Longitudinal Study on the Relationship Between Video Game Use and Sexist At...Thiago Assumpção
 
Television’s Cultivation of Material Values
Television’s Cultivation of Material ValuesTelevision’s Cultivation of Material Values
Television’s Cultivation of Material ValuesThiago Assumpção
 
Opinion Expression via User Comments on News Websites: Analysis through the P...
Opinion Expression via User Comments on News Websites: Analysis through the P...Opinion Expression via User Comments on News Websites: Analysis through the P...
Opinion Expression via User Comments on News Websites: Analysis through the P...Thiago Assumpção
 
The Anatomy of Agenda-Setting Research
The Anatomy of Agenda-Setting ResearchThe Anatomy of Agenda-Setting Research
The Anatomy of Agenda-Setting ResearchThiago Assumpção
 
Politicians and the Policy Agenda: Does Use of Twitter by the U.S. Congress D...
Politicians and the Policy Agenda: Does Use of Twitter by the U.S. Congress D...Politicians and the Policy Agenda: Does Use of Twitter by the U.S. Congress D...
Politicians and the Policy Agenda: Does Use of Twitter by the U.S. Congress D...Thiago Assumpção
 
Agenda-Setting and Priming in Prime Time Television: Crime Dramas as Politica...
Agenda-Setting and Priming in Prime Time Television: Crime Dramas as Politica...Agenda-Setting and Priming in Prime Time Television: Crime Dramas as Politica...
Agenda-Setting and Priming in Prime Time Television: Crime Dramas as Politica...Thiago Assumpção
 

Mais de Thiago Assumpção (20)

Cultura da convergência
Cultura da convergênciaCultura da convergência
Cultura da convergência
 
Teoria e história da montagem cinematográfica
Teoria e história da montagem cinematográficaTeoria e história da montagem cinematográfica
Teoria e história da montagem cinematográfica
 
Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
 
Gêneros cinematográficos
Gêneros cinematográficosGêneros cinematográficos
Gêneros cinematográficos
 
Elipses, ligações e transições
Elipses, ligações e transiçõesElipses, ligações e transições
Elipses, ligações e transições
 
O papel criador da câmera
O papel criador da câmeraO papel criador da câmera
O papel criador da câmera
 
Empreendedorismo digital
Empreendedorismo digitalEmpreendedorismo digital
Empreendedorismo digital
 
Escolha do negócio e definição do mercado alvo
Escolha do negócio e definição do mercado alvoEscolha do negócio e definição do mercado alvo
Escolha do negócio e definição do mercado alvo
 
Introdução ao Empreendedorismo
Introdução ao EmpreendedorismoIntrodução ao Empreendedorismo
Introdução ao Empreendedorismo
 
Processo Criativo
Processo CriativoProcesso Criativo
Processo Criativo
 
Memealizando a vida | II Encontro ABCIBER 2021
Memealizando a vida | II Encontro ABCIBER 2021Memealizando a vida | II Encontro ABCIBER 2021
Memealizando a vida | II Encontro ABCIBER 2021
 
Identidade | Said &Canclini
Identidade | Said &CancliniIdentidade | Said &Canclini
Identidade | Said &Canclini
 
The Causes of Third-Person Effects: Unrealistic Optimism, Impersonal Impact, ...
The Causes of Third-Person Effects: Unrealistic Optimism, Impersonal Impact, ...The Causes of Third-Person Effects: Unrealistic Optimism, Impersonal Impact, ...
The Causes of Third-Person Effects: Unrealistic Optimism, Impersonal Impact, ...
 
Mainstreaming, Resonance, and Impersonal Impact.
Mainstreaming, Resonance, and Impersonal Impact.Mainstreaming, Resonance, and Impersonal Impact.
Mainstreaming, Resonance, and Impersonal Impact.
 
A Longitudinal Study on the Relationship Between Video Game Use and Sexist At...
A Longitudinal Study on the Relationship Between Video Game Use and Sexist At...A Longitudinal Study on the Relationship Between Video Game Use and Sexist At...
A Longitudinal Study on the Relationship Between Video Game Use and Sexist At...
 
Television’s Cultivation of Material Values
Television’s Cultivation of Material ValuesTelevision’s Cultivation of Material Values
Television’s Cultivation of Material Values
 
Opinion Expression via User Comments on News Websites: Analysis through the P...
Opinion Expression via User Comments on News Websites: Analysis through the P...Opinion Expression via User Comments on News Websites: Analysis through the P...
Opinion Expression via User Comments on News Websites: Analysis through the P...
 
The Anatomy of Agenda-Setting Research
The Anatomy of Agenda-Setting ResearchThe Anatomy of Agenda-Setting Research
The Anatomy of Agenda-Setting Research
 
Politicians and the Policy Agenda: Does Use of Twitter by the U.S. Congress D...
Politicians and the Policy Agenda: Does Use of Twitter by the U.S. Congress D...Politicians and the Policy Agenda: Does Use of Twitter by the U.S. Congress D...
Politicians and the Policy Agenda: Does Use of Twitter by the U.S. Congress D...
 
Agenda-Setting and Priming in Prime Time Television: Crime Dramas as Politica...
Agenda-Setting and Priming in Prime Time Television: Crime Dramas as Politica...Agenda-Setting and Priming in Prime Time Television: Crime Dramas as Politica...
Agenda-Setting and Priming in Prime Time Television: Crime Dramas as Politica...
 

Último

Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 

Último (20)

Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 

História do cinema brasileiro desde as origens até os dias atuais

  • 2. A história do cinema no Brasil começa em julho de 1896, quando ocorre a primeira exibição de cinema no país, na cidade do Rio de Janeiro. Um ano após a 1ª exibição pública realizada em Paris. Em 1887, depois da estreia cinematográfica no país, surge a primeira sala de cinema aberta ao público na capital carioca, por incentivo dos irmãos italianos Paschoal Segreto e Affonso Segreto. No entanto, foi somente no início do século XX, que São Paulo tem sua primeira sala de cinema, chamada de Bijou Theatre. Um dos problemas iniciais da produção do cinema no país era a falta de eletricidade, que somente foi resolvida em 1907 com a implantação da Usina Ribeirão de Lages, no Rio de Janeiro. Após esse evento, os números de salas cresceram consideravelmente na cidade do Rio de Janeiro, chegando a ter cerca de 20 salas de exibição.
  • 3. Séc. XX e a expansão do cinema no Brasil No início, os filmes eram de caráter documental. Em 1908, o cineasta luso-brasileiro António Leal apresenta sua película Os Estranguladores, considerado o primeiro filme de ficção brasileiro, com duração de 40 minutos. Anos depois, em 1914, foi exibido o primeiro longa- metragem produzido no país pelo português Francisco Santos intitulado O Crime dos Banhados, com mais de duas horas de duração. Entretanto, após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), ocorre uma crise do cinema brasileiro, o qual fora dominado por produções estadunidenses (cinema de Hollywood), enfraquecendo assim, o cinema nacional. A reconstituição de um crime real: uma chacina no interior do Rio Grande do Sul matou toda a família de um pequeno proprietário rural, causando comoção na sociedade local e suscitando a dúvida sobre o verdadeiro motivo dos assassinatos.
  • 4. Séc. XX e a expansão do cinema no Brasil Dos filmes de caráter documental à primeira ficção brasileira. As revistas de cinema e a Cinédia. GANGA BRUTA (1933) LIMITE (1931)
  • 5. Por conseguinte, na década de 20 e 30 o cinema brasileiro atinge grande expansão com as publicações das revistas de cinema Para Todos, Selecta e a Cinearte e ainda com produções que se espalham por vários cantos do país denominado os ciclos regionais. Foi na década de 30 que foi criado o primeiro grande estúdio cinematográfico no Brasil: a “Cinédia”. As produções mais importantes dessa época foram: Limite (1931), de Mario Peixoto; A Voz do Carnaval (1933), de Ademar Gonzaga e Humberto Mauro e Ganga Bruta (1933) de Humberto Mauro.
  • 6. A Atlântida e as Chanchadas Na década de 40 surgem os gêneros das "chanchadas", filmes cômicos-musicais de baixo orçamento. OSCARITO E GRANDE OTELO
  • 7. A Atlântida e as Chanchadas Esse estilo despontou juntamente com a companhia de cinema Atlântida Cinematográfica, fundada em 18 de setembro de 1941 no Rio de Janeiro por Moacyr Fenelon e José Carlos Burle. Os principais atores da Atlântida foram Oscarito, Grande Otelo e Anselmo Duarte. As películas que merecem destaque são: Moleque Tião (1941), Tristezas Não Pagam Dívidas (1944) e Carnaval no fogo (1949).
  • 8. Criação da Vera Cruz 1949 - Estúdios Vera Cruz baseados no modelo hollywoodiano um marco na industrialização da cinematografia nacional. Em 1954, quando a Vera Cruz faliu, surge o primeiro filme brasileiro a cores: Destino em Apuros, de Ernesto Remani. Em 1950 foi criada a primeira emissora de televisão do Brasil, a TV Tupi, e muitos atores da Vera Cruz passaram a atuar na Tupi. Mazzaropi – artista de maior sucesso do estúdio O Cangaceiro (1953) – o primeiro brasileiro a ganhar o festival de Cannes.
  • 9. Cinema Novo Na década de 1950, já foram produzidos filmes considerados precursores do Cinema Novo, como Rio 40 Graus, de Nelson Pereira dos Santos. De caráter revolucionário, o cinema novo se consolidará nos anos 60, focado nas temáticas se cunho social e político. Glauber Rocha - Uma câmera na mão e uma ideia na cabeça. Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964) e O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro (1968).
  • 10. Cinema Marginal ou "Udigrudi" Entre o final dos anos 60 e começo dos 70 – Desponta o cinema marginal. Boca do Lixo (SP) e Belair Filmes (RJ). Essas produções estavam bastante alinhadas com o movimento de contracultura, ideologias revolucionárias e também com o tropicalismo, movimento musical que ocorria na mesma época. Sofreu grande censura por parte do regime militar que se instaurava no país. Essa vertente foi baseada no cinema experimental de caráter radical. À MEIA-NOITE LEVAREI SUA ALMA (1964) O BANDIDO DA LUZ VERMELHA (1968), de Rogério Sganzerla
  • 11. Criação da Embrafilme Em 1969 é criada a Embrafilme (Empresa Brasileira de Filmes) que permanece até 1982. Fundada em pleno contexto da ditadura militar, o governo apoia a ideia, com a finalidade usar o cinema como uma importante ferramenta de controle estatal. Nesse contexto, o Estado financia as produções cinematográficas, dando espaço para as produções nacionais.
  • 12. A Boca do Lixo e as Pornochanchadas • São Paulo, anos 70. Produções de baixo custo em movimento “Boca do lixo” realizando pornochanchadas baseadas nas comédias italianas e com forte teor erótico. • Declínio das pornochanchadas nos anos 1980 diante do aumento dos filmes de sexo explícito. (1974) (1982) DONA FLOR E SEUS DOIS MARIDOS (1976)
  • 13. A Boca do Lixo e as Pornochanchadas (1974) Quando o padre é morto por bandidos, Helena – uma de suas alunas em um colégio interno – reúne suas amigas e formam uma gangue vingativa. Juntas, elas partem para a captura dos assassinos do amado professor. E a vingança vem por meio do sexo, claro. A pornochanchada sofreu um enorme declínio da década de 80, perdendo sua audiência para os filmes pornográficos hardcores, que ganhavam cada vez mais espaço no Brasil e no mundo. Ainda que a produção cinematográfica tenha sofrido um declínio no final da década de 70, filmes como Dona flor e seus dois maridos (1976), do cineasta Bruno Barreto, fizeram sucesso.
  • 14. Crise do Cinema Brasileiro • Chegada do videocassete e proliferação das locadoras • Fim da ditadura e crise econômica pondo o cinema em declínio • Governo Fernando Collor, privatizações, Suspensão no Ministério da Cultura e o fim da Embrafilme, Concine e Fundação do Cinema Brasileiro • No final dos anos 80, é lançado o documentário Ilha das Flores (1989), de Jorge Furtado, que também marcou época. (1989) (1981)
  • 15. CARLOTA JOAQUINA, PRINCESA DO BRAZIL (1995) CENTRAL DO BRASIL (1998) Cinema de Retomada • Retomada na segunda metade da década de 90 depois de intensa crise • Criação da Secretaria para Desenvolvimento do Audiovisual e a Lei do Audiovisual
  • 16. Século XXI e a Pós-Retomada do Cinema • Reconhecimento no cenário mundial e indicação ao Oscar • Introdução de novas tecnologias (3D, por exemplo), aumento da produção e da quantidade de salas de cinema pelo país. 2003 2015
  • 17. TOP 10 MAIORES BILHETERIAS DO CINEMA BRASILEIRO 2009 2019 1977 1978 10º 9º 8º 7º
  • 18. TOP 10 MAIORES BILHETERIAS DO CINEMA BRASILEIRO 4º 2010 5º 1976 6º 2016
  • 19. TOP 10 MAIORES BILHETERIAS DO CINEMA BRASILEIRO 1º 2º 3º 2013 2016 2018